O	
  Infante	
  
	
  
Deus	
  quer,	
  o	
  homem	
  sonha,	
  a	
  obra	
  nasce.	
  
Deus	
  quis	
  que	
  a	
  terra	
...
O	
  Infante	
  
	
  
Deus	
  quer,	
  o	
  homem	
  sonha,	
  a	
  obra	
  nasce.	
  
Deus	
  quis	
  que	
  a	
  terra	
...
O	
  Infante	
  
	
  
Deus	
  quer,	
  o	
  homem	
  sonha,	
  a	
  obra	
  nasce.	
  
Deus	
  quis	
  que	
  a	
  terra	
...
O	
  Infante	
  
	
  
Deus	
  quer,	
  o	
  homem	
  sonha,	
  a	
  obra	
  nasce.	
  
Deus	
  quis	
  que	
  a	
  terra	
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Infante

297 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
55
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Infante

  1. 1. O  Infante     Deus  quer,  o  homem  sonha,  a  obra  nasce.   Deus  quis  que  a  terra  fosse  toda  uma,   Que  o  mar  unisse,  já  não  separasse.   Sagrou-­‐te,  e  foste  desvendando  a  espuma,     E  a  orla  branca  foi  de  ilha  em  conBnente,   Clareou,  correndo,  até  ao  fim  do  mundo,   E  viu-­‐se  a  terra  inteira,  de  repente,   Surgir,  redonda,  do  azul  profundo.     Quem  te  sagrou  criou-­‐te  português.   Do  mar  e  nós  em  B  nos  deu  sinal.   Cumpriu-­‐se  o  Mar,  e  o  Império  se  desfez.   Senhor,  falta  cumprir-­‐se  Portugal!   Para  que  a  obra  nasça,  é  preciso  que   Deus  queira  e  que  o  homem  sonhe.   Missão  –  unir.   O  Infante  foi  escolhido  por  Deus   para  cumpriri  uma  missão.   Tal  como  o  Infante,  também   Portugal  foi  consagrado.   A  conquista  do  mar  fez-­‐se,  mas  não   foi  suficiente.   O  Império  material  desfez-­‐se  –  Falta  concreBzar  este  novo  sonho  –  um  império  espiritual.   Primeira  abordagem  
  2. 2. O  Infante     Deus  quer,  o  homem  sonha,  a  obra  nasce.   Deus  quis  que  a  terra  fosse  toda  uma,   Que  o  mar  unisse,  já  não  separasse.   Sagrou-­‐te,  e  foste  desvendando  a  espuma,     E  a  orla  branca  foi  de  ilha  em  conBnente,   Clareou,  correndo,  até  ao  fim  do  mundo,   E  viu-­‐se  a  terra  inteira,  de  repente,   Surgir,  redonda,  do  azul  profundo.     Quem  te  sagrou  criou-­‐te  português.   Do  mar  e  nós  em  B  nos  deu  sinal.   Cumpriu-­‐se  o  Mar,  e  o  Império  se  desfez.   Senhor,  falta  cumprir-­‐se  Portugal!   Infante  D.  Henrique  –  figura  indicada  para   iniciar  esta  segunda  parte  –  Mar  Português  –   dado  o  seu  relevante  papel  de  mentor  e   organizador  das  viagens  maríBmas  até  1460.   Pormenores   É  o  cérebro,  o  pensador  dos  descobrimentos.   Figura  da  universalidade  por  vontade  divina  e   ação  portuguesa  –  símbolo  nacional  criado   por  Deus.   A  atuação  do  Infante  D.  Henrique  é  descrita   através  da  gradação  (segunda  estrofe):  é   crescente  e  universal.  Começou  por   desvendar  “ilhas[s]”  e  “con.nente[s]”,   chegando  ao  “fim  do  mundo”  e  dando  assim  a   conhecer  “a  terra  inteira”.    
  3. 3. O  Infante     Deus  quer,  o  homem  sonha,  a  obra  nasce.   Deus  quis  que  a  terra  fosse  toda  uma,   Que  o  mar  unisse,  já  não  separasse.   Sagrou-­‐te,  e  foste  desvendando  a  espuma,     E  a  orla  branca  foi  de  ilha  em  conBnente,   Clareou,  correndo,  até  ao  fim  do  mundo,   E  viu-­‐se  a  terra  inteira,  de  repente,   Surgir,  redonda,  do  azul  profundo.     Quem  te  sagrou  criou-­‐te  português.   Do  mar  e  nós  em  B  nos  deu  sinal.   Cumpriu-­‐se  o  Mar,  e  o  Império  se  desfez.   Senhor,  falta  cumprir-­‐se  Portugal!   •  Deus  é  o  agente.   •  O  homem  capta  a  intenção  divina.   •  A  obra  surge  como  o  efeito  da   relação  anterior.   Pormenores   Construção  assindéBca  e  gradação   Valor  intemporal  e  universal  dado   pelo  presente  do  indicaBvo.   Gradação  crescente  que  reflete  a   descoberta  do  mundo  pelos   portugueses.   “terra  inteira”  e  “redonda”  –  símbolo   da  perfeição,  da  unidade  -­‐  vontade   divina  –  Portugal  uniu  o  mundo.  
  4. 4. O  Infante     Deus  quer,  o  homem  sonha,  a  obra  nasce.   Deus  quis  que  a  terra  fosse  toda  uma,   Que  o  mar  unisse,  já  não  separasse.   Sagrou-­‐te,  e  foste  desvendando  a  espuma,     E  a  orla  branca  foi  de  ilha  em  conBnente,   Clareou,  correndo,  até  ao  fim  do  mundo,   E  viu-­‐se  a  terra  inteira,  de  repente,   Surgir,  redonda,  do  azul  profundo.     Quem  te  sagrou  criou-­‐te  português.   Do  mar  e  nós  em  B  nos  deu  sinal.   Cumpriu-­‐se  o  Mar,  e  o  Império  se  desfez.   Senhor,  falta  cumprir-­‐se  Portugal!   Uso  da  segunda  pessoa:   •  o  sujeito  poéBco  dirige-­‐se   diretamente  ao  Infante,  seu   interlocutor,  estabelecendo  com  ele   uma  relação  de  proximidade  e   cumplicidade,  que  pode  ser   entendida  como  mais  um  sinal  da  sua   ideia  de  autopredesBnação.     Pormenores   Dois  úlBmos  versos:   •  tom  disfórico*,  o  sujeito  poéBco   apela  ao  “Senhor”  para  que  contribua   para  a  verdadeira  realização  de   Portugal  –  o  império  espiritual/ Quinto  Império.     disfórico*  -­‐  disforia  -­‐  Sensação  ou  estado  de  mal-­‐estar,  ansiedade  e  depressão.  ≠  EUFORIA.   Apelo  proféBco,  iniciado  pela  apóstrofe  “Senhor”  (Deus  ou  o  infante  divinizado),  contendo  em  si   uma  sugestão  de  urgência,  de  necessidade.   Tese   Angtese   Síntese  

×