O dia em_que_nasci_o_grito

1.911 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Obrigada pelo comentário!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Gostei imenso da análise que fez do soneto de Camões e adorei a intertextualidade estabelecida com o quadro 'O Grito'. É sempre agradável aprender coisas novas. Muito obrigada
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.911
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
971
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O dia em_que_nasci_o_grito

  1. 1. O  dia  em  que  nasci  moura  e  pereça,  Não  o  queira  jamais  o  tempo  dar,  Não  torne  mais  ao  Mundo,  e,  se  tornar,  Eclipse  nesse  passo  o  Sol  padeça.    A  luz  lhe  falte,  o  Sol  se  [lhe]  escureça,  Mostre  o  Mundo  sinais  de  se  acabar,   Tom de ira e exaltaçãoNasçam-­‐lhe  monstros,  sangue  chova  o  ar,   que revelam revolta eA  mãe  ao  próprio  filho  não  conheça.     desespero.  As  pessoas  pasmadas,  de  ignorantes,  As  lágrimas  no  rosto,  a  cor  perdida,  Cuidem  que  o  mundo  já  se  destruiu.    Ó  gente  temerosa,  não  te  espantes,  Que  este  dia  deitou  ao  Mundo  a  vida  Mais  desgraçada  que  jamais  se  viu!     Luís  de  Camões  
  2. 2. Este  poema  deixa  transparecer  o  desespero  e  revolta  que  o  Estado  de  espírito  do  sujeito   sujeito  poé8co  sente  em  relação  a  si  e  à  sua  vida,  direcionando  poé8co   toda  a  sua  raiva  para  o  dia  em  que  nasceu,  o  que  revela  uma   imensa  mágoa  pela  vida  que  lhe  foi  dada  a  viver.     Maldições  enunciadas   Inicialmente  o  sujeito  poéPco  parece  apenas  desejar  que  o  dia  em   que  nasceu  nunca  mais  se  repita.  Mas  quando  admite  a  hipótese   de  voltar  a  exis8r  um  dia  como  aquele  em  que  nasceu,  a  sua  fúria   parece  incontrolável.  Deseja  que  haja  um  eclipse  do  sol,  para  que  O  dia  em  que  nasci  moura  e  pereça,   esse  seja  um  dia  sem  luz.  Desta  forma,  manifesta  a  vontade  que  Não  o  queira  jamais  o  tempo  dar,   existam  sinais  do  fim  do  mundo,  tais  como  o  nascimento  de  Não  torne  mais  ao  Mundo,  e,  se  tornar,   monstros,  chuva  de  sangue  e  rejeição  das  mães  pelos  filhos  (e  Eclipse  nesse  passo  o  Sol  padeça.   vice–versa).       Cada  maldição  vai  dando  uma  visão  mais  catastrófica  e  mais  A  luz  lhe  falte,  o  Sol  se  [lhe]  escureça,   desumana  do  mundo,  a  ponto  de  este  se  tornar  irreconhecível  e  Mostre  o  Mundo  sinais  de  se  acabar,   destruído,  «As  pessoas  (…)  Cuidem  que  o  mundo  já  se  destruiu».      Nasçam-­‐lhe  monstros,  sangue  chova  o  ar,  A  mãe  ao  próprio  filho  não  conheça.     Ao  contrário  dos  outros  face  a  esta  possível  realidade,  ele  não     tem  medo,  já  que  é  um  ser  de  exceção  porque  ninguém,  em  As  pessoas  pasmadas,  de  ignorantes,   tempo  algum,  teve  uma  vida  tão  desgraçada  como  a  sua,  As  lágrimas  no  rosto,  a  cor  perdida,   desgraça  essa  que  começou  no  dia  em  que  nasceu,  pois  desde  Cuidem  que  o  mundo  já  se  destruiu.   logo  se  traçou  o  seu  des8no  fa:dico.       A  má-­‐sorte  escolheu-­‐o,  perseguiu-­‐o  e  fez  dele  o  ser  mais  Ó  gente  temerosa,  não  te  espantes,   desgraçado  que  «jamais  se  viu».  No  fundo,  o  sujeito  poéPco  Que  este  dia  deitou  ao  Mundo  a  vida   deixa  transparecer  que  a  sua  vida  foi  e  é  marcada  pela  dor,  Mais  desgraçada  que  jamais  se  viu!     pelo  sofrimento  e  pelo  sen8mento  de  nega8vidade  absoluta.   Luís  de  Camões  
  3. 3. O  soneto  inicia  com  um  pedido  lacónico  por  parte  do  sujeito   poéPco  que  deseja  que  o  dia  em  que  nasceu  deixe  de  exis8r,   Pedidos  formulados  pelo  sujeito   como  se  fosse  o  dia  mais  faYdico  de  todo  o  calendário,  no   poé8co  na  primeira  quadra.     entanto,  se  tal  acontecer,  o  seu  pedido  vai  no  senPdo  de  haver   um  eclipse  total,  para  que  não  exista  luz  nesse  dia,  o  que   representa  que  o  seu  desejo  é  que  não  exista  vida  nessa  data.    O  dia  em  que  nasci  moura  e  pereça,  Não  o  queira  jamais  o  tempo  dar,  Não  torne  mais  ao  Mundo,  e,  se  tornar,   Efeito  que  a  efe8vação  dos  desejos  do  sujeito  poé8co  Eclipse  nesse  passo  o  Sol  padeça.   causaria  nos  outros.      A  luz  lhe  falte,  o  Sol  se  [lhe]  escureça,   Inicialmente  a  efecPvação  dos  desejos  do  sujeito  poéPco  Mostre  o  Mundo  sinais  de  se  acabar,   causaria  espanto,  pois  as  pessoas  não  perceberiam  o  que  se  Nasçam-­‐lhe  monstros,  sangue  chova  o  ar,   estava  a  passar.  O  pasmo  inicial  daria  lugar  ao  medo,  A  mãe  ao  próprio  filho  não  conheça.     sofrimento,  pânico  e  terror,  perante  a  sucessão  de  horrores.      As  pessoas  pasmadas,  de  ignorantes,  As  lágrimas  no  rosto,  a  cor  perdida,   Expressividade  da  enumeração  presente  na  segunda  quadra.  Cuidem  que  o  mundo  já  se  destruiu.     Toda  a  segunda  estrofe  traduz  uma  enumeração  realizada  pelo  Ó  gente  temerosa,  não  te  espantes,   sujeito  poéPco  que  expressa  os  seus  desejos  rela8vamente  à  Que  este  dia  deitou  ao  Mundo  a  vida   possibilidade  de  voltar  a  exis8r  o  dia  em  que  nasceu,  deste  modo,  a  Mais  desgraçada  que  jamais  se  viu!     falta  de  sol,  os  indícios  de  que  o  mundo  pode  acabar,  o  nascimento   Luís  de  Camões   de  monstros,  a  chuva  de  sangue  e  o  não  reconhecimento  dos  filhos   por  parte  das  mães  revelam  o  perigo  que  a  vida  corre  de  se   ex8nguir,  sugerindo  um  ambiente  trágico,  caó8co  e  até   apocalíp8co,  uma  vez  que  todas  as  imagens  sugeridas  são   aterradoras.  Toda  a  estrofe  reforça  a  vontade  manifestada  pelo   Causa  do  desejo  enunciado  no   sujeito  poé8co  que  deseja  que  o  dia  do  seu  nascimento  não  Pvesse   primeiro  verso  do  poema.     exisPdo.      
  4. 4. Relação  do  soneto  com  o  quadro  «O  Grito»  de  Edvard  Munch   Assunto   O  quadro  «O  Grito»  de  Edvard  Munch  espelha  o   desespero  da  figura  central  que,  agarrando  o   rosto,  emite  um  grito  de  dor  e  sofrimento  num   cenário  exterior.   Função  da  imagem   Este quadro encerra em si três funções, já que se por um lado a imagem conta uma história, e por isso adquire a função narrativa, por outro essa história espelha o desespero da vida humana, levando à reflexão, logo, é um quadro com função argumentativa e crítica, mas, naturalmente, por fim, a função estética está bem patente nesta obra, uma vez que o pintor pretende proporcionar um prazer estético a todos aqueles que observam este quadro.
  5. 5. Relação  do  soneto  com  o  quadro  «O  Grito»  de  Edvard  Munch   Composição  da  imagem   •  O  cenário  é  exterior,  representando,   supostamente,  uma  ponte  por  cima  de  um   rio,  vendo-­‐se  no  horizonte  umas  montanhas.       •  Em  cima  da  ponte  estão  três  figuras,  duas   mais  recuadas  e  à  esquerda  do  observador,  e   uma  à  direita  e  mais  próxima  do  observador   que  se  encontra  com  as  mãos  no  rosto  numa   aPtude  de  desespero.   •  Dividindo  a  imagem  pelo  eixo  ver8cal,  pode   concluir-­‐se  que  as  duas  figuras  ao  longe  à   esquerda,  que  olham  para  a  figura  em   destaque,  remetem  para  um  presente  ou   passado  recente  e  a  figura  mais  próxima  para   um  futuro.  Através  do  eixo  horizontal,  a   figura  centra-­‐se  numa  zona  de  materialidade   e  o  rio,  céu  e  montanhas  numa  zona  de   espiritualidade.     •  O  ponto/linha  de  força  da  imagem  é   consPtuído  pela  figura  em  destaque  que   ocupa,  sensivelmente,  o  centro  do  quadro.    
  6. 6. Relação  do  soneto  com  o  quadro  «O  Grito»  de  Edvard  Munch   Elementos  cromá8cos  e  luminosidade   •  O  céu  é  pintado  por  cores  quentes  e  vivas   parecendo  um  céu  em  chamas,  o  que  contrasta   com  o  tom  uPlizado  nas  montanhas  e  no  rio  que   se  encontram  abaixo  de  si  e  que  estão   representados  por  verde  muito  escuro  e  diferentes   tonalidades  de  azul,  que  se  caracterizam  por  ser   cores  mais  frias.     •  A  ponte  é  representada  por  uma  mescla  de  cores,   desde  o  azul,  laranja,  castanho,  creme  e  cinzento,   transmiPndo,  através  desta  fusão  de  cores,  uma   tonalidade  indefinida,  no  entanto  sem  vida.     •  As  duas  figuras  ao  longe  encontram-­‐se  em  tons   escuros,  supostamente,  preto  ou  castanho  muito   escuro,  sendo  indisPntos  os  rostos.   •  A  figura  central  possui  a  indumentária  em  tons  de   preto  e  castanho,  sendo  o  seu  rosto  creme   acinzentado,  podendo-­‐se  disPnguir,  claramente,  o   delinear  da  boca,  que  se  encontra  aberta  como   quem  lança  um  grito,  e  dos  olhos,  tal  como  das   mãos  que  se  encontram  a  agarrar  a  face.   •  Ao  nível  da  luminosidade,  esta  centra-­‐se   sobretudo  na  figura  central  e  no  céu,  dando-­‐lhes   um  maior  destaque  na  imagem.  
  7. 7. O  dia  em  que  nasci  moura  e  pereça,   Não  o  queira  jamais  o  tempo  dar,   Não  torne  mais  ao  Mundo,  e,  se  tornar,   Eclipse  nesse  passo  o  Sol  padeça.     A  luz  lhe  falte,  o  Sol  se  [lhe]  escureça,   Mostre  o  Mundo  sinais  de  se  acabar,   Nasçam-­‐lhe  monstros,  sangue  chova  o  ar,   A  mãe  ao  próprio  filho  não  conheça.       As  pessoas  pasmadas,  de  ignorantes,   As  lágrimas  no  rosto,  a  cor  perdida,   Cuidem  que  o  mundo  já  se  destruiu.     Ó  gente  temerosa,  não  te  espantes,   Que  este  dia  deitou  ao  Mundo  a  vida   Mais  desgraçada  que  jamais  se  viu!     Luís  de  Camões  Tendo  em  conta  os  senPmentos  expressos  no  soneto  de  Camões  «O  dia  em  que  nasci  moura  e  pereça»  e  o  quadro  de  Edvard  Munch  «O  Grito»,  pode  afirmar-­‐se  que  estas  duas  obras  de  arte  se  complementam,  uma  vez  que  os  sen8mentos  existentes  são  semelhantes.  Assim,  os  senPmentos  de  desespero,  dor,  sofrimento  e  frustração  do  sujeito  poé8co  estão  presentes  na  expressão  facial  da  figura  em  destaque  do  quadro,  na  medida  em  que  esta  lança  um  grito  ensurdecedor  de  apelo  e  angús8a  face  à  realidade  em  que  vive,  sendo  disso  exemplo  a  forma  como  coloca  as  mãos  no  rosto  e  a  expressão  do  olhar.  Também  a  solidão  e  desfasamento  em  relação  aos  outros  sen8dos  pelo  sujeito  poé8co  estão  presentes  na  expressão  do  rosto  da  figura  central  do  quadro,  podendo,  deste  modo  haver  uma  equiparação  entre  o  soneto  e  o  quadro  analisado.  

×