Leitura de imagem fixa

2.588 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.588
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
509
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Leitura de imagem fixa

  1. 1. Colégio do Amor de Deus 10ºano – Português Ano letivo 2012/2013 LEITURA DE IMAGEM FIXANa leitura de uma imagem fixa deves percorrer as seguintes etapas:Identificar o tipo de imagem. É possível distinguir vários tipos de imagens em função do suporte e da técnica utilizada. Um quadro pode ser pintadoem madeira, em tela ou ser um fresco. Existem pinturas a óleo, guache, aguarela. Os suportes de imagens são muitodiversificados: papel (desenhos, fotografias), cerâmicas, tapeçaria, mosaico, etc.. É fundamental ter em linha de conta as dimensões da imagem. Não se olha da mesma maneira uma miniatura e umquadro de grandes dimensões.. Um quadro horizontal é considerado como sinónimo de calma e/ou de distância, enquanto o quadro vertical se situamais do lado da proximidade e da ação.Identificar o assunto. A imagem pode apresentar um cenário interior/ exterior (rua, paisagem, etc.), personagens e objetos e/ ou formas elinhas geométricas. Falar-se-á, então, de arte figurativa, por oposição à arte abstrata.. Em função do que é representado, distinguem-se os retratos, as cenas (históricas, mitológicas ou «de género» quandoa imagem mostra uma cena da vida quotidiana), as paisagens e as naturezas mortas (imagens de seres ou objetosinanimados: flores, frutos, etc.).Analisar a composição da imagem. A imagem inscreve-se num quadro, geralmente rectangular, organizando-se segundo linhas de força (horizontais,verticais, curvas, oblíquas) que orientam o olhar. As linhas de fuga são segmentos que se juntam num ponto,representado ou não, chamado o ponto de fuga. Criam um efeito de perspetiva e de profundidade.. Organização espacio-temporal: o eixo vertical corta a imagem em duas partes – a parte da esquerda remete para opresente ou passado recente e a parte da direita remete para um futuro próximo. O eixo horizontal separa a imagementre terra e céu ou entre uma zona da materialidade e uma zona de espiritualidade.. Organização estética: a imagem pode recortar-se segundo quatro linhas, situadas sensivelmente no terço da imagem,chamadas linhas de força; as intercepções destas linhas são os pontos de força. Estes são posicionados para revelar aszonas-chave da imagem.. Os elementos representados podem inscrever-se nas várias formas geométricas (triângulo, círculo, quadrado), queestruturam o quadro e acentuam geralmente a sua semântica.. Os pontos fortes são as tonalidades claras ou escuras que contrastam com a dominante cromática ou os elementossituados na interseção das linhas de força, estes atraem o olhar e orientam a interpretação.. As linhas verticais, as oblíquas e as diagonais criam um movimento de ascensão, uma impressão de dinamismo, ashorizontais alargam o espaço e as curvas sugerem o movimento (a desordem, a harmonia...).
  2. 2. Estudar as cores. Distinguem-se cores claras e escuras, cores frias (verde, azul, roxo) e cores quentes (vermelho, cor de laranja eamarelo), cores primárias (vermelho, amarelo, azul) e cores complementares (verde, roxo e cor-de-laranja). A escolha ea distribuição das cores, bem como a luz, constroem o sentido da imagem e orientam a sua leitura.. A luz solar transmite uma sensação de naturalidade, enquanto a luz artificial intencional teatraliza a cena. Do mesmomodo, um tratamento pastel das cores esbate uma imagem, que será realçada por um contraste acentuado ou por umagrande variedade de cores.. Os efeitos de harmonia são produzidos pelo degradé ou pela associação de cores complementares e os efeitos decontraste são criados pela utilização de cores diferentes ou pelos jogos de luz.. Imagem a preto e branco: traduz uma escolha estética ou uma vontade de situar a ação no passado.Relacionar imagem e texto. Uma imagem está quase sempre associada a um texto. Ora o texto explica a imagem (título, legenda, comentário), oraa imagem ilustra o texto. Muitas vezes a mensagem verbal e a mensagem visual são complementares (cartazes, Bandasdesenhadas).. Pode ainda acontecer que a imagem represente um texto (foto que mostra cartazes, por exemplo), que o texto seja umelemento da imagem (colagens) ou que a constitua graças à caligrafia ou à tipografia (caligramas).As funções da imagem. Função referencial e descritiva: a imagem mostra uma realidade da qual é testemunha (fotos de imprensa, reportagens,retratos), com o objetivo de informar ou de explicar (ilustração de manuais). No entanto, muitas vezes, os seres e osobjetos representados pertencem a um universo imaginário ou fortemente influenciado pela subjetividade do artista(quadros de pintura, filmes de ficção, fotos).. Função narrativa: a imagem conta uma história (frescos, bandas desenhadas, filmes).. Função argumentativa e crítica: a imagem visa sobretudo persuadir, criticar, fazer pensar ou agir quem a vê(caricaturas). Daí que a imagem seja um instrumento eficaz de propaganda ou de publicidade (quadros, cartazes). Porvezes, aproxima-se da alegoria ou do símbolo.. Função estética: a imagem visa proporcionar um prazer estético.Na maior parte dos casos, as várias funções combinam-se entre si. A imagem é polissémica. Pode ser interpretada dediferentes modos em função do tema, da composição e também da sensibilidade de cada cultura e de quem a vê.Exemplo prático
  3. 3. Leitura de imagem Triplo Auto-retrato de Norman Rockwell "…nunca me considerei um pintor, e sim um ilustrador. Retrato gente simples em situações comuns. E isso é tudo".Tipo de imagem – técnicas e suporteDesconhecem-se as dimensões da imagem, bem como a técnica utilizada, embora, aparentemente, pareça ser umaaguarela.Composição – enquadramento, linhas, pontos fortes, ângulo de visãoO eixo vertical corta a imagem em duas partes, representando a parte esquerda o passado recente ou presente, sendo atónica deste um espelho onde se vê refletida a imagem do pintor que se encontra de costas para o observador. Oespelho foi propositadamente colocado em cima de uma cadeira, a fim de ser possível o pintor fazer o seu autorretrato. Aparte direita remete para o futuro, sendo este representado na imagem pelo autorretrato que está a ser elaborado pelopintor, autorretrato que aparenta uma maior jovialidade do pintor. Também nesta parte do quadro situa-se um elmo,sinónimo de alguém que luta pelos seus propósitos, e pequenas imagens de autorretratos de outros pintores famosos,numa perspetiva de que o seu possa vir a ser considerado tal como os outros que lhe servem de exemplo.
  4. 4. O eixo horizontal separa a imagem entre uma zona de materialidade, local onde se vê o pintor real, aquele que existeefetivamente e está a pintar o seu autorretrato, rodeado de todos os apetrechos necessários para este empreendimento,e uma zona de espiritualidade, marcada pelo autorretrato que está a ser realizado, por pequenas imagens de pintoresconsagrados e pelo elmo que lhe atribui um espírito combatente.As linhas de força da imagem são sobretudo verticais, o que lhe confere um movimento de ascensão e uma impressãode dinamismo. Estas podem ser identificadas como a imagem de costas do pintor que conduz o olhar do observador parao autorretrato e para o espelho, sendo estes os pontos fortes de toda a imagem.O ângulo de visão da imagem situa-se ao mesmo nível do olhar do observador, o que traduz objetividade.Elementos cromáticos e contraste luz/sombraO azul (da camisa do pintor - cor fria), o dourado (moldura do quadro e elmo - cor que pode ser considerada quente,dadas as semelhanças com o amarelo), o encarnado (cadeira e almofada em cima da qual o pintor está sentado – corquente) e o preto e branco (do autorretrato – mais concretamente carvão) são as cores que se salientam na imagem.AssuntoA imagem ilustra uma das atividades dos pintores – a realização do seu autorretrato, através do auxílio do espelho.Neste caso, o autorretrato produzido aparenta uma jovialidade que não é refletida no espelho em que o pintor se observapara poder efetuar o seu quadro. Tanto a imagem real do pintor como o seu autorretrato contêm um cachimbo, o querepresenta um dos seus vícios intrínsecos, caso contrário, não existiria necessidade de também o retratar. O facto doelmo se situar na direção da cabeça do retratado representa a sua vontade de lutar por tudo aquilo que lhe possa ocorrerno futuro.Relação do título com a imagemO título atribuído coaduna-se, por completo, à imagem em si, uma vez que no quadro é possível ver três retratos damesma pessoa, por um lado o real, que se encontra de costas para o observador, por outro lado a imagem refletida noespelho, base de observação para a realização do autorretrato, e finalmente a tela com o autorretrato que está a serproduzido. Para além desta relação lógica, poder-se-á acrescentar também que existem três «eus» que se fundem numsó, já que qualquer indivíduo possui uma imagem exterior, aquela que todos veem, uma interior, que só ele conhece, euma terceira que representa aquilo que cada um de nós quer que o outro veja.Funções da imagemFundamentalmente estão presentes as funções informativa e explicativa da imagem, na medida em que esta mostra umarealidade da qual é testemunha, com o objetivo de informar ou explicar algo, neste caso o autorretrato, através dométodo utilizado pelo pintor – observação ao espelho que lhe permite conhecer as suas características físicas, a fim deas reproduzir na pintura, apesar da reprodução ser subjetiva.Também podemos identificar a função crítica, já que é visível o rejuvenescimento que o pintor executa no seuautorretrato, simbolizando o embelezamento que este tipo de arte pode produzir nas suas obras.

×