Jacob camões pintura

1.674 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.674
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.091
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jacob camões pintura

  1. 1. Camões  e  a  pintura  Sete  anos  de  pastor  Jacob  servia  Labão,  pai  de  Raquel,  serrana  bela;  Mas  não  servia  ao  pai,  servia  a  ela,  E  a  ela  só  por  prémio  pretendia.    Os  dias,  na  esperança  de  um  só  dia,  Passava,  contentando-­‐se  com  vê-­‐la;  Porém  o  pai,  usando  de  cautela,  Em  lugar  de  Raquel  lhe  dava  Lia.    Vendo  o  triste  pastor  que  com  enganos  Lhe  fora  assim  negada  a  sua  pastora,  Como  se  a  não  Ivera  merecida,    Começa  de  servir  outros  sete  anos,  Dizendo:  —  Mais  servira,  se  não  fora  Pera  tão  longo  amor  tão  curta  a  vida!   William  Dyce,  Jacob  conhece  Raquel  (1850)     Camões  
  2. 2. Elementos  que  compõem  a   imagem  •  Em  destaque:   •  Duas  personagens  -­‐  um  homem  e   uma  mulher;   •  Um  muro/Uma  fonte  em  pedra  e   um  pote  para  ir  buscar  água   (pertença  da  mulher);  •  Em  segundo  plano,  ao  fundo:   •  Uma  edificação  à  esquerda  em   tons  terra;   •  Montanhas  à  direita;  •  Cenário  campestre  com  um  rebanho  de   ovelhas;  
  3. 3. Caracterização  das  personagens   em  destaque  •  Homem:   •  Indumentária  de  pastor;   •  Curva-­‐se  perante  a  mulher  amada,   numa  a?tude  servil,  com  os   joelhos  ligeiramente  fle?dos  como   quem  se  vai  ajoelhar;   •  Olhar  apaixonado  e  sorriso  franco;   •  Agarra  a  mão  da  mulher  amada  e   coloca-­‐a  sobre  o  peito  em  sinal  de   amor.  O  outro  braço  encontra-­‐se   sobre  os  ombros  da  personagem   feminina;   •  Pequeno  apontamento  vermelho   nas  suas  vestes  –  símbolo  do  amor   que  sente  por  ela;  
  4. 4. Caracterização  das  personagens  em   destaque  •  Mulher:   •  Indumentária  simples  de  pastora  ou   mulher  do  campo  humilde;   •  Descalça  –  símbolo  da  sua  simplicidade  e   humildade;   •  Posição  recatada  do  rosto  que  não   enfrenta/olha  diretamente  para  o  homem   amado;   •  Leve  inclinação  do  corpo  que  se  afasta  da   personagem  masculina,  embora  lhe  dê  a   mão  e  permita  que  esta  seja  colocada  junto   ao  coração  do  pastor;   •  Cabelo  apanhado  como  sinal  de  recato;   •  Pequeno  apontamento  vermelho  nas  suas   vestes  (lenço  na  cabeça)  –  símbolo  do  amor   que  sente  por  ele;   •  Supostamente  vai  à  fonte  (já  que  tem  o   pote  junto  de  si),  a?vidade  Tpica  das   donzelas  da  época  camoniana;     •  Loura,  de  tez  nívea,  graciosa,  ideal  de   mulher  petrarquista.  
  5. 5. Parte  superior  da  pintura  (símbolo  da  espiritualidade,  do  mundo  inteligível)   •  Existe  a  aproximação  _sica,  real  das  personagens,  o  que  exprime  o  desejo  do  pastor  de  efeIvar   o  seu  amor;   •  Representação  de  um  céu  sem  nuvens  e  por  isso  promissor  de  uma  ascensão  conseguida.   Parte  inferior  da  pintura  (símbolo  da  materialidade,  do  mundo  sensível)  •  Existe  uma  separação  _sica  das  personagens,  embora  a  posição  do  pastor  indique  uma  tentaIva   de  aproximação  e  de  subserviência;  •  Representação  do  rebanho  como  pano  de  fundo  e  que  simultaneamente  preenche  o  espaço  de   separação  entre  os  amantes.  (Se  por  um  lado  o  rebanho  mantem  a  separação,  por  outro  lado   permite  a  aproximação,  já  que  este  encontro  amoroso  acontece  durante  a  aIvidade  laboral  da   personagem  masculina.    
  6. 6. Parte  esquerda  da  pintura   Parte  direita  da  pintura   (símbolo  do  presente  ou   (símbolo  do  futuro)   passado  recente)   •  Rosto  do  pastor  que  •  Posição  do  pastor  de   expressa  o  amor  imenso   subserviência;   que  sente  pela  •  Representação  do   personagem  feminina;   rebanho;   •  Mãos  enlaçadas  sobre  o  •  Imagem  ao  longe  de  uma   coração  do  pastor  como   edificação  senhorial;   símbolo  desse  amor  •  No  presente/Passado   presente  e  futuro,  já  que   recente,  Jacob  trabalha   se  encontram  cortadas   como  pastor,  cuidando  de   pela  linha  verIcal;   um  rebanho  de  ovelhas,   •  Presença  integral  de   numa  aItude  servil   Raquel,  como  a  pessoa   perante  o  seu  senhor;   que  se  deseja  no  futuro  e  •  “Sete  anos  de  pastor   pela  qual  se  fazem   Jacob  servia/Labão”.     sacri_cios  no  presente;   •  “...a  ela  só  por  prémio   pretendia”;   •  “...na  esperança  de  um  só   dia”.    
  7. 7. Sete  anos  de  pastor  Jacob  servia   Labão,  pai  de  Raquel,  serrana  bela;   Camões  e  a  pintura   Mas  não  servia  ao  pai,  servia  a  ela,   E  a  ela  só  por  prémio  pretendia.     Os  dias,  na  esperança  de  um  só  dia,   Passava,  contentando-­‐se  com  vê-­‐la;   Porém  o  pai,  usando  de  cautela,   Em  lugar  de  Raquel  lhe  dava  Lia.     Vendo  o  triste  pastor  que  com  enganos   Lhe  fora  assim  negada  a  sua  pastora,   Como  se  a  não  Ivera  merecida,     Começa  de  servir  outros  sete  anos,   Dizendo:  —  Mais  servira,  se  não  fora   Pera  tão  longo  amor  tão  curta  a  vida!   Camões   William  Dyce,  Jacob  conhece  Raquel  (1850)  O   quadro   Jacob   conhece   Raquel   de   William   Dyce   espelha   na   perfeição   o   conteúdo   do   poema   “Sete   anos   de   pastor   Jacob   servia”   de  Camões.  A   perseverança   daquele   que   ama   verdadeiramente   é   representada   no   poema   através   da   recriação   do   episódio   bíblico   de   Jacob   que  compromete-­‐se   com   Labão   em   trabalhar   para   si   como   pastor   durante   sete   anos,   a   fim   de   poder   casar   com   sua   filha   Raquel.   Jacob  “passava”   “os   dias”   “na   esperança   de   um   só   dia”,   o   dia   em   que   finalmente   poderia   casar   com   a   mulher   amada,   no   entanto   passado   esse  tempo,  Labão  concedeu-­‐lhe  a  sua  outra  filha  (Lia).  Jacob  comprova  o  seu  profundo  e  verdadeiro  amor  por  Raquel,  sendo  persistente  e  comprometendo-­‐se  a  trabalhar  mais  sete  anos  para  que  o  seu  desejo  fosse  alcançado.    Este  episódio  é  representado  na  pintura  através  de  um  possível  encontro  entre  os  dois  intervenientes  que  revelam  o  seu  amor  através  da  sua   expressão   corporal,   na   medida   em   que   Jacob   encontra-­‐se   numa   posição   de   subserviência   e   total   dedicação   à   mulher   amada,   e  Raquel,  para  além  de  ser  a  representação  da  mulher  ideal  petrarquista,  tão  cara  a  Camões,  mostra  o  recato  próprio  de  uma  donzela  da  época,  através  da  ligeira  inclinação  do  seu  corpo  que  se  afasta  do  dele.  A  presença  do  rebanho  é  também  crucial  para  contextualizar  toda  esta  situação  de  enamoramento  e  de  sacri_cio  do  pastor,  rebanho  esse  que  simultaneamente  os  aproxima  e  os  afasta,  na  medida  em  que  Jacob  está  perto  dela  pois  trabalha  como  pastor  para  o  seu  pai,  mas  são  igualmente  os,  afinal,  catorze  anos  de  trabalho  que  os  mantêm  separados,   separação   essa   visível   na   parte   inferior   do   quadro,   relaIva   ao   mundo   real.   O   amor   infinito   de   Jacob   por   Raquel   está   bem  patente  na  parte  direita  do  quadro  através  da  expressão  facial  e  olhar  apaixonado  do  pastor  e  das  mãos  enlaçadas  sobre  o  seu  coração  como   símbolo   desse   amor   presente   e   futuro,   já   que   se   encontram   cortadas   pela   linha   verIcal.   A   presença   integral   de   Raquel,   como   a  pessoa   que   se   deseja   no   futuro   e   pela   qual   se   fazem   sacri_cios   no   presente   é   a   comprovação   de   que   “...a   ela   só   por   prémio   pretendia”   e  que  a  vida  de  Jacob  exisIa  “...na  esperança  de  um  só  dia”,  o  dia  em  que  finalmente  pudessem  viver  maritalmente.  Em  suma,  tanto  na  poesia  de  Camões,  como  na  pintura  de  William  Dyce,  o  amor  verdadeiro  é  posto  em  evidência  através  de  um  episódio  que  comprova  a  sua  grandeza  e  plenitude.  

×