D.	
  Sebas)ão,	
  Rei	
  de	
  Portugal	
  
	
  
Louco,	
  sim,	
  louco,	
  porque	
  quis	
  grandeza	
  
Qual	
  a	
  ...
D.	
  Sebas)ão,	
  Rei	
  de	
  Portugal	
  
	
  
Louco,	
  sim,	
  louco,	
  porque	
  quis	
  grandeza	
  
Qual	
  a	
  ...
D.	
  Sebas)ão,	
  Rei	
  de	
  Portugal	
  
	
  
Louco,	
  sim,	
  louco,	
  porque	
  quis	
  grandeza	
  
Qual	
  a	
  ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

D. Sebastião, Rei de Portugal - Mensagem

3.456 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.456
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.245
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
145
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

D. Sebastião, Rei de Portugal - Mensagem

  1. 1. D.  Sebas)ão,  Rei  de  Portugal     Louco,  sim,  louco,  porque  quis  grandeza   Qual  a  Sorte  a  não  dá.   Não  coube  em  mim  minha  certeza;   Por  isso  onde  o  areal  está   Ficou  meu  ser  que  houve,  não  o  que  há.       Minha  loucura,  outros  que  me  a  tomem   Com  o  que  nela  ia.   Sem  a  loucura  que  é  o  homem   Mais  que  a  besta  sadia,   Cadáver  adiado  que  procria?       •  Com  a  morte  de  D.  Sebas)ão  morre  também  a   dinas)a  de  Avis,  a  dinas)a  da  “Ínclita   Geração”.     •  Jovem  de  saúde  frágil,  determinado,  mas  sem   grande  vocação  para  governar.   •  Obcecado  pela  guerra.   •  Nunca  convocou  cortes.     •  A  4  de  Agosto  de  1578,  em  Alcácer-­‐Quibir,  a   sua  obs)nação  foi  posta  à  prova  e  ele   sucumbiu  a  ela  com  24  anos.     •  A  “loucura”  de  D.  Sebas)ão  é  fruto  da   sua  ambição,  do  seu  sonho  de  grandeza.   •  Loucura  como  singularidade  na  ousadia,  no  espírito  de  aventura,  na  coragem,  no   tentar  ultrapassar  os  limites  da  mediania,  de  que  D.  Sebas)ão  é  tomado  como  sinal.  
  2. 2. D.  Sebas)ão,  Rei  de  Portugal     Louco,  sim,  louco,  porque  quis  grandeza   Qual  a  Sorte  a  não  dá.   Não  coube  em  mim  minha  certeza;   Por  isso  onde  o  areal  está   Ficou  meu  ser  que  houve,  não  o  que  há.       Minha  loucura,  outros  que  me  a  tomem   Com  o  que  nela  ia.   Sem  a  loucura  que  é  o  homem   Mais  que  a  besta  sadia,   Cadáver  adiado  que  procria?       •  Rejeição  da  sobrevivência,  do  cinzen)smo   vegeta)vo  de  quem  não  ousa.   •  A  loucura  de  D.  Sebas)ão  outros  a  devem  tomar   para  que  Portugal  não  con)nue  a  ser  um  país   profundamente  morto,  embora   superficialmente  sobrevivente.   •  A  crença  na  redenção  da  pátria  e  na  emergência  do  Quinto  Império  radica  nesta  fé  sebas)anista.   •  A  loucura  em  busca  da  grandeza  –  por  vezes  só   com  “loucura”  se  consegue  realizar  e  construir   algo  de  importante.   •  Valorização  do  herói  que  sonha  e  recusa  favores   (impossíveis)  da  “sorte”.   •  Mito:  a  ideia  do  herói  “que  há”  (no  presente)  é   diferente  da  imagem  do  rei  “que  houve”  no   passado.   •  Apelo  ao  sonho  e  à  ousadia  (que  é   o  oposto  ao  Velho  do  Restelo  que   apela  ao  bom  senso  e  à  razão.   •  Espécie  de  sonho  visionário  inerente  à   condição  do  homem.  
  3. 3. D.  Sebas)ão,  Rei  de  Portugal     Louco,  sim,  louco,  porque  quis  grandeza   Qual  a  Sorte  a  não  dá.   Não  coube  em  mim  minha  certeza;   Por  isso  onde  o  areal  está   Ficou  meu  ser  que  houve,  não  o  que  há.       Minha  loucura,  outros  que  me  a  tomem   Com  o  que  nela  ia.   Sem  a  loucura  que  é  o  homem   Mais  que  a  besta  sadia,   Cadáver  adiado  que  procria?       •  O  Sebas)anismo  em  Mensagem  não  se  liga  ao   caso  específico  e  concreto  de  D.  Sebas)ão,  que   não  poderá,  obviamente,  voltar,  mas  à   ideologia  que  lhe  está  subjacente.     •  D.  Sebas)ão  adquire  um  valor  simbólico  que   ultrapassa  a  sua  figura  histórica.     •  São  os  valores  da  determinação  e  da  coragem   que  ele  corporiza  que  funcionam  como  mito   inspirador  e,  nessa  aceção,  “fecundam  a   realidade”:  “É  Esse  que  regressarei.”       •  Depois  do  “ser  que  houve”  e  que  ficou  no  “areal”  com  a  “morte”,  regressará   a  força  inspiradora  de  D.  Sebas)ão  necessária  ao  ressurgimento  anímico  da   nação.     •  O  próprio  Pessoa  refere:  “No  sen)do  simbólico  D.  Sebas)ão  é  Portugal:   Portugal  que  perdeu  a  sua  grandeza  com  D.  Sebas)ão,  e  que  só  voltará  a  tê-­‐ la  com  o  regresso  dele,  regresso  simbólico  [...].”    

×