Categorias do texto narrativo

1.283 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.283
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
581
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Categorias do texto narrativo

  1. 1. Texto  Narra*vo   •  O   texto   narra)vo   narra   acontecimentos   ou   experiências   conhecidas  ou  imaginadas.  A  construção  de  uma  narra*va  implica   que   a   ação,   contada   por   um   narrador,   seja   pra*cada   por   personagens,   desenvolvida   num   determinado   espaço   e   num   determinado  tempo.   •  Normalmente,   o   texto   narra*vo   é   cons*tuído   pela   narração   (das   ações   que   fazem   evoluir   a   história/intriga),   pela   descrição   (das   personagens   e   do   espaço),   pelo   diálogo   (das   personagens   que   falam   entre   si)   e   pelo   monólogo   (em   que   uma   personagem   fala   consigo  mesma).    
  2. 2. Categorias  da  Narra*va   §  Ação   §  Espaço   §  Tempo   §  Personagens   §  Narrador   §  Narratário   §  Modos  de  expressão  e  de  representação  
  3. 3. Ação   •  A  ação  pode  ser  dividida  em  vários  momentos:   –  situação  inicial  –  introdução;   –  Peripécias  e  ponto  culminante  –  desenvolvimento;   –  desenlace  –  conclusão.   •  Quanto  ao  relevo,  a  ação  pode  ser:   –  Central  -­‐  cons*tuída  pelos  acontecimentos  principais.   –  Secundária  -­‐  cons*tuída  pelos  acontecimentos  secundários  que   contribuem  para  a  valorização  da  ação  central;  permite  iden*ficar   situações  ou  valores  e  compreender  contextos,  sociais,  culturais,   ideológicos,  geográficos  ou  outros.        
  4. 4. •  Delimitação  da  ação:   –  Narra)va  aberta  -­‐  a  ação  não  apresenta  a  solução  defini*va  para  o   des*no  das  personagens;  deixa  a  possibilidade  de  acrescentar  novas   peripécias  à  série  de  acontecimentos  que  foram  narrados;   –  Narra)va  fechada  -­‐  a  ação  e  a  sorte  das  personagens  são  resolvidas   até  ao  pormenor.     §  Organização  da  sequencialidade  narra)va  (sequência  narra)va  das   ações):   As  ações  diversas  de  determinada  obra  relacionam-­‐se  entre  si  por:   §  Encadeamento  -­‐  ordenação  cronológica  das  ações;   §  Encaixe  -­‐  introdução  de  uma  ação  noutra;   §  Alternância  -­‐  entrelaçamento  das  ações  que  se  vão  desenrolando,  ora   uma,  ora  outra,  separada  e  alternadamente,  podendo  fundir-­‐se  num   determinado  ponto  da  narra*va.  
  5. 5. Espaço   •  Físico  -­‐  Lugar  ou  lugares  onde  decorre  a  ação.  É,  normalmente,   iden*ficado  com  pequenas  referências  Wsicas,  podendo  dizer-­‐se   interior  ou  exterior,  fechado  ou  aberto,  público  ou  privado.     •  Social  e  cultural  -­‐  O  que  caracteriza  a  situação  social  e  económica   ou  o  meio  em  que  vivem  as  personagens.  Define  as  classes  e  grupos   sociais  com  os  seus  interesses,  as  suas  ideologias  e  crenças,  os  seus   valores,  a  sua  posição  na  sociedade.  O  espaço  cultural  integra-­‐se,   normalmente,  no  espaço  social,  embora  remeta  mais  para  valores   culturais,  tradições  e  costumes,  formação  cultural.       •  Psicológico  -­‐  o  espaço  vivenciado  pela  personagem,  de  acordo  com   o  seu  estado  de  espírito,  ou  o  lugar  do  pensamento  e  da  emoção  da   personagem  (reflexões  da  personagem,  muitas  vezes  traduzidas  em   monólogos  interiores).      
  6. 6. Tempo   •  Da  história  ou  cronológico  -­‐  refere-­‐se  às  marcas  da  passagem  do   tempo,  e  pode  ser  considerado  o  tempo  Wsico,  real.  Corresponde  à   sucessão  cronológica  de  eventos  suscep[veis  de  serem  datados.     •  Tempo  histórico  engloba  o  enquadramento  histórico  dos   acontecimentos,  ou  seja,  revela-­‐se  nas  indicações  cronológicas  que   inserem  a  ação  numa  determinada  época  histórica.       •  Tempo  psicológico  refere-­‐se  ao  tempo  vivenciado  subje*vamente,   ou  seja,  opõe-­‐se  muitas  vezes  ao  tempo  cronológico,  que  se   relaciona  com  os  dados  obje*vos.  O  tempo  psicológico  revela-­‐se   nas  impressões  que  as  personagens  manifestam  rela*vamente  ao   desenrolar  temporal,  bem  como  nos  dados  provenientes  da   memória  ou  da  imaginação,  e  pode  indicar  também  as  mudanças   operadas  pela  passagem  do  tempo  e  as  experiências  vividas.     Tempo  
  7. 7. •  Do  discurso  ou  da  narra)va  -­‐  o  que  obedece  à  sequência  do   próprio  enunciado,  podendo  alongar,  resumir,  alterar  ou  omi*r  os   dados  do  tempo  cronológico.        As  alterações  da  ordem  dos  acontecimentos  ou  supressão  e   resumos  podem  traduzir-­‐se  em:     ▪  Analepse  -­‐  Recuo  no  tempo,  evocação  de  factos  (flashback,  na   terminologia  cinematográfica),  levando  a  uma  pausa  na  ação;   ▪  Prolepse  -­‐  Avanço  no  tempo;   ▪  Elipse  -­‐  Omissão  de  períodos  mais  ou  menos  longos  da  história   (ex.  “Passada  uma  semana...”);   ▪  Resumo  ou  sumário  -­‐  Síntese  dos  acontecimentos  que   decorreram  durante  um  certo  período  de  tempo  (ex.  “Cresceu,   estudou,  casou-­‐se,  viajou...).  
  8. 8. Personagens   •  Relevo  ou  intervenção  na  ação:   –  personagens  principais  ou  protagonistas  –  em  torno  das  quais   se  desenvolve  a  ação;   –  personagens  secundárias  –  contribuem  para  o  desenvolvimento   da  intriga;   –  figurantes  -­‐  as  que  não  têm  qualquer  interferência  na  acção.     •  Retrato/  caracterização  das  personagens:   –  Tsico  (traços  fisionómicos,  vestuário,  gestos);   –  psicológico  (traços  psicológicos,  de  carácter;  sen*mentos,   comportamentos);   –  social  (grupo  social;  linguagem).  
  9. 9. •  Modos   de   caracterização   -­‐   formas   de   obter   informações   sobre   as   personagens:   -  direta   (através   de   palavras   da   personagem   acerca   de   si   própria,   de   palavras  de  outras  personagens,  de  afirmações  do  narrador),   -  indireta   (deduções   do   leitor   acerca   da   personagem,   a   par*r   de   a*tudes  ou  comportamentos  da  mesma).     •  Concepção:      -­‐  Planas  -­‐  Personagens  está*cas,  sem  vida  interior,  sem  densidade   psicológica,  dado  que  não  alteram  o  seu  comportamento,  nem  evoluem   psicologicamente;  definidas  de  forma  linear  por  um  ou  vários  traços  que   as  acompanham  ao  longo  da  obra.     -­‐  Modeladas  -­‐  Personagens  dinâmicas  e  com  densidade  psicológica,  cheias   de  vida  interior,  capazes  de  surpreenderem  o  leitor  pelas  suas  a*tudes  e   comportamentos.    -­‐  Tipo  -­‐  Representam  as  caracterís*cas  de  um  determinado  grupo   profissional  ou  classe  social.  
  10. 10. Narrador   •  Presença      -­‐  Narrador  Par*cipante:  par*cipa,  faz  parte  da  história,  podendo   dis*nguir-­‐se  entre:      -­‐  Autodiegé)co  -­‐  a  narração  é  de  primeira  pessoa,  nomeadamente  de   carácter  autobiográfico,  e  o  narrador  assume  o  papel  de  personagem   principal  ou  protagonista.      -­‐  Homodiegé)co  -­‐  a  narração  é  de  primeira  pessoa,  mas  o  narrador   assume-­‐se  apenas  como  personagem  secundária  dos  acontecimentos.     -­‐  Narrador  não  par*cipante      -­‐  Heterodiegé)co  -­‐  A  narração  é  feita  na  terceira  pessoa,  dado  que  o   narrador  não  par*cipa  nos  acontecimentos  nem  interfere  na  história.    
  11. 11. •  Ciência  (focalização)     -­‐  Omnisciente  -­‐  o  narrador  conduz  a  narra*va  criando  uma  unidade  lógica;  ao   mesmo  tempo,  penetra  no  ín*mo  das  personagens,  dando  a  conhecer  o  que   lhes  vai  na  alma;  conhece  tudo  o  que  diz  respeito  às  personagens  e  aos   acontecimentos;  analisa  as  ações,  os  comportamentos,  os  sen*mentos  e  os   pensamentos  dos  heróis;  conhece  o  passado,  presente  e  futuro.     -­‐  Focalização  interna  -­‐  o  narrador  adopta  o  ponto  de  vista  de  uma   personagem,  daí  resultando  uma  diminuição  ou  restrição  de  conhecimento.   Contempla  as  personagens  que  criou  e  traça  a  sua  análise  do  exterior  para  o   interior.     -­‐  Focalização  externa  -­‐  As  personagens  são-­‐nos  apresentadas  através  dos   diálogos,  das  a*tudes,  dos  gestos,  das  ações.  O  narrador  observa,  com   obje*vidade,  o  mundo  Wsico  em  que  se  movem  as  personagens,  observa-­‐as,   ouve-­‐as,  descreve  as  suas  ações,  mas  não  “entra”  nos  pensamentos  e   sen*mentos  das  personagens,  não  podendo,  por  isso,  dar  a  conhecer  ao   leitor,  por  antecipação,  o  que  vai  acontecer.    
  12. 12. •  Ponto  de  vista     -­‐  Obje)vo  -­‐  o  narrador  apresenta  e  enuncia  os  factos  de  forma  imparcial,   clara  e  obje*va.     -­‐  Subje)vo-­‐  o  narrador  comenta  os  factos  que  narra,  emi*ndo  juízos  de   valor,  dando  a  sua  opinião.       Narratário   •  O  narratário  pode  iden*ficar-­‐se  com  o  leitor  virtual  (todo  o  leitor   que  venha  a  ler  a  obra).  É  a  ele  que  se  dirige  o  narrador.  Pode   também  ter  o  estatuto  de  uma  personagem  e  intervir  na  acção.  
  13. 13. Modos  de  representação   –  narração  -­‐  relato  de  acontecimentos  e  de  conflitos,  situados   no  tempo  e  encadeados  de  forma  dinâmica,  originando  os   avanços  na  ação  (verbos  de  movimento  e  formas  verbais  do   pretérito  perfeito,  imperfeito  e  mais-­‐que-­‐perfeito);     –  descrição  -­‐  informações  sobre  as  personagens,  os  objetos,  o   tempo  e  os  lugares,  que  interrompem  a  dinâmica  da  ação  e  vão   desenhando  os  cenários  (verbos  copula*vos  ou  de  ligação  e   formas  verbais  do  pretérito  imperfeito),  havendo,  por  isso,  uma   pausa  na  ação.  
  14. 14. Modos  de  expressão   –  diálogo  -­‐  interação  verbal  ou  conversa  entre  duas  ou  mais   personagens  (discurso  direto  com  registos  de  língua  variados);     –  monólogo  -­‐  conversa  da  personagem  consigo  mesma,  discurso   mental  não  pronunciado  ou  pronunciado,  mas  sem  ouvinte   (discurso  direto  com  frases  simples  e  reduzidas,  muitas  vezes   com  suspensões).    

×