Microbiologia & munologia Hipersensibilidade

2.315 visualizações

Publicada em

www.biomedlp.co.cc

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
61
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Microbiologia & munologia Hipersensibilidade

  1. 1. Resumo De Microbiologia E Imunologia Hipersensibilidade
  2. 2. 1° - Introdução Reações do sistema imunológico tanto inato como do adaptativo se mostram amelhor forma de proteção para os sistemas docorpo, trazendo assim um bom funcionamento domesmo para que o ser mantenha o equilíbriofisiológico. Porem em casos onde a uma excessiva ouúnica apresentação de determinado antígeno aosistema imune - pré-sensibilizado – o mesmo reagede maneira contraria de sua função normal casandouma resposta “exagerada”, essa que prejudica oindividuo temporariamente podendo por váriosfatores – atendimento, quantidade do antígeno - leva em ultimo caso o individuo amorte.2° - Tipos Tipos Sinônimos Mediadores I Imediata IgE II Mediada por células ou citotóxica IgG e IgM III Imunocomplexos Imunocomplexos IV Celular ou Tardia Linfócitos T3° - Tipo I ou Imediata: São ativadas- mediadas - por anticorpos IgE. Necessita ter contatos anteriores com os antígenos - Sensibilização Podem se apresenta de maneira: - Local: limitada a sintomas em órgão ou tecidos - Sistêmica: Ataca mais de um órgão podendo ataca todo um sistema do corpo. Leva em media de 2 a 30 minutos para a reação se percebida ou visualizada Tendo como bons exemplos às doenças como: asma, eczema, anafilaxia.
  3. 3. a) Ação/Mecanismos 1. O Macrófago detecta o antígeno, o fagócita, sobrando fragmentos do antígeno, esses que serão apresentados ao Linfócito T regulador. 2. Após a apresentação o linfócito T estimula a produção de anticorpos IgE pelos Linfócitos B, sendo liberados ao tecido somente quando o mesmo Linfócito B se transforma em plasmócito. 3. Anticorpos IgE liberados se fixam pela parte Fc na membrana dos mastócitos ou basófilos, sendo essa etapa executada na PRIMEIRA EXPOSIÇÃO ao antígeno. 4. Futuramente o organismo receber o mesmo antígeno – SEGUNDA EXPOSIÇÃO - sendo o mesmo interligado aos IgE da membrana dos mastócitos ou basófilos. 5. Tal ligação estimula a liberação por parte do mastócito e do basófilo de mediadores inflamatórios – histamina, serotonina – esses que realizam varias complicações no organismo. Agora podemos depois da primeira reação do tipo I chama o antígeno de ALÉRGENO
  4. 4. 4° - Tipo II ou citotóxica : Citotóxica – Cito(célula) / Tóxica (toxidade) São ativadas- mediadas - por anticorpos IgG ou IgM. Os mesmos Ig’s estão na superfície das células naturamente – Antígenos de superfície celular É cusado pela subjacente activação do sistema de complemento (C3 e MAC) ou por células que possuem receptores Fc – monócitos, granulócitos (libertam produtos tóxicos) Vistos em casos de incompatibilidade Exemplos mais comuns seriam as transfusões sanguíneas onde a uma incompatibilidade por ABO ou Rh e o caso da Eritroblastose fetal. Leva em media de 5 a 8 horas para a reação se percebida.
  5. 5. 5° - Tipo III ou por Imunocomplexos: São ativadas- mediadas - por anticorpos IgG ou IgM. Precisam de uma relação imunocomplexos. Aparência de eritemas, edemas ou necrose. Casado por anticorpos livres – dissolvidos - ou da membrana de microrganismo que podem lesionar de maneira sistema - doença do soro- ou regional em tecidos ou órgão específicos – poliarterite. Leva em media de 2 a 8 horas para a reação se percebida.
  6. 6. 6° - Tipo IV ou Tardia: Não ultilizam anticorpos como ativadores. São ativadas- mediadas - por linfócitos T juntamente com células dendríticas. Ao contrário da hipersensibilidade imediata, nesta as células que intervém são linfócitos T auxiliares – th1 ou th2. Casado por anticorpos livres – dissolvidos - ou da membrana de microrganismo que podem lesionar de maneira sistema - doença do soro- ou regional em tecidos ou órgão específicos – poliarterite. Envolvida na patogênese de muitas doenças autoimunes e infecciosas - tuberculose, lepra, blastomicose, histoplasmose, toxoplasmose, leishmaniose. FERNANDO PESSOA, universidade. imunologia.ufp.pt/Imuno_MED/.../Teorica09.ppt SANTA CATARINA, de Universidade Federal. www.lia.ufsc.br/Hiper1.ppt.

×