Charles chaplin o vagabundo

1.069 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.069
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Charles chaplin o vagabundo

  1. 1. CHARLES CHAPLIN o vagabundo Automático & Sonoro
  2. 2. Do génio de Charles Chaplin nasceu a figura que encantoue surpreendeu o mundo:o Charlot, o pequeno vagabundo constantemente à procurade abrigo material e afectivo.
  3. 3. O Charlot inteiro e humano, irónico e sedutor,nasceunaquela tarde de um dia do ano de 1914, nos estúdiosKeistone de Mack Sennett, quando o jovem C. Chaplin pôs“umas calças muito largas, uns sapatos muito grandes,bengala e chapéu de coco. Queria que tudo estivesse emcontradição: as calças largas e o casaco apertado, ochapéu muito pequeno e as botas enormes. Não sabia sehavia de parecer velho ou novo, mas lembrando-me deque Sennett supusera que eu era mais velho, pus umbigodinho que, discorria eu, me daria mais alguns anos,sem esconder a expressão.”Charles Chaplin - Autobiografia
  4. 4. O próprio C. Chaplin retratou, deste modo, a personagem:“É um vagabundo e ao mesmo tempo um cavalheiro, umpoeta, um sonhador, um solitário, sempre ansioso poridílios e aventuras. Gostaria que o tomassem por umsábio, um músico, um duque ou um jogador de pólo. Masnão desdenha de apanhar uma beata do chão, nem defurtar o chupa-chupa a um bebé. E, é claro, não perde aocasião de dar um pontapé no traseiro de uma senhora...mas só quando está fulo!”Charles Chaplin - Autobiografia
  5. 5. “Ele é sem dúvida um grande artista; representou sempreuma e a mesma personagem; apenas o jovem fraco,pobre, desamparado e desastrado para quem, contudo, ascoisas acabavam sempre bem. Mas se pensam que paraeste papel ele se esqueceu do seu próprio ego? Muito pelocontrário, ele representa-se sempre a si próprio na suaprópria juventude deplorável. Ele não consegue fugir aessas recordações e até aos dias de hoje ele obtém paraele próprio a compensação pelas frustrações ehumilhações dessa época passada da sua vida.”Sigmund Freud
  6. 6. “Cada pessoa que passa pela nossa vida, passa sozinha,porque cada pessoa é única e ninguém substitui ninguém.Cada pessoa que passa pela nossa vida, passa sozinha enão nos deixa sós, porque deixa um pouco de si e leva umpouquinho de nós.Essa é a maior responsabilidade da vida e a prova de queas pessoas não se encontram por acaso.”Charles Chaplin
  7. 7. Na estreia de City Ligsts, Chaplin com Einstein e a esposa do Físico da Relatividade
  8. 8. Imagem: wwwMúsica:Terrys Theme (Charles Chaplin)Contextura : J. Alberto de OliveiraEdição:www.josealbertodeoliveira.blogspot.com

×