Em sentido contrário - 8º 4ª - A ciência na poesia

1.707 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.707
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.440
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Em sentido contrário - 8º 4ª - A ciência na poesia

  1. 1. Projeto Informa “EM SENTIDO CONTRÁRIO” António Gedeão (Rómulo de Carvalho) A Ciência na Poesia8º 4ª
  2. 2. LÁGRIMA DE PRETAExame detalhado de qualquer atividade complexa com a finalidade de entender a sua natureza ou determinar as suas características essenciais. Toda a substância que, em água, produz o catião H+ (Teoria de Arrhenius). Espécie que doa um protão (Teoria de Bronstedlowry). Espécie que recebe um par de eletrões (Lewis). Sal. Substância formada na proporção de 1 átomo de Cl para cada átomo de sódio. Utilizada em culinária (sal comum). Qualquer substância que liberta apenas o ião OH- em solução aquosa. Pequena porção de líquido que, ao cair, apresenta a forma de pêra ou glóbulo. Tornar estéril. Destruir inteiramente os germes. Material que se deixa atravessar pela luz. Sentimento de profunda inimizade. Fluido gasoso que forma a atmosfera. Qualquer substância com o potencial de prevenir ou curar doenças, que altera processos bioquímicos e fisiológicos. Resultado de uma oxidação exotérmica de matéria combustível, que produz calor, luz, vapor de água e dióxido de carbono.Líquido natural (H2O), transparente, incolor , inodoro e insípido, essencial à sobrevivência dos seres vivos. 8º 4ª
  3. 3. Ao lume dos teus olhos pus-me a aquecer esta mistela de neve e sol nascente como o alquimista de Dusseldorf que punha ao lume a retorta de grés de longo colo e nela aquecia sangue de drago (2 onças), tártaro emético (5 dracmas), enxúndia de víbora (12 a 15 gotas), manteiga de antimónio, corno de cervo, espírito ardente de Saturno (meia onça de cada), e ficava esquecido na solidão da sua toca, o gorro de pêlo enterrado até às orelhas, aceso o rosto pelo forno de revérbero. Cá fora os homenzinhos de Bruegel, com os nédios traseiros voltados para o espectador, as bragas vermelhas a estalarem nas costuras, ceifavam o trigo na pradaria verde. Moeda dos antigos gregos. Anterior unidade monetária. Unidade de peso de alguns países. POEMA DO ALQUIMISTA A Seiva do Croton é um liquido da cor vermelha, é também conhecida como: Sangue de Drago. Gramínea cultivada em todo o mundo. É a segunda maior cultura de cereais, a seguir ao milho, a nível mundial. Usada para farinha e feno. Unidade de capacidade ou volume. A onça líquida ou fluida é utilizada em países anglo saxónicos para medir o conteúdo de recipientes, como embalagens de líquidos ou biberões. Deriva de uma prática antiga que combina elementos da química, antropologia, astrologia, magia, filosofia, metalurgia, matemática, misticismo e religião. Aumentar a temperatura térmica de um corpo ou de algo. Gordura de cobra, usada para bens medicinais. Prolongamento filiforme que cresce na pele dos animais. Região plana ou ondulada, recoberta por sobretudo por gramíneas altas. Crosta calcária, dura e insolúvel, que se deposita nas paredes das caldeiras, canalizações e nos dentes. Medicamento usado para provocar o vómito. Precipitação de flocos formados por cristais de gelo. Sentimento de profunda sensação de vazio e isolamento. Tricloreto de antimónio (SbCl3). Sólido incolor e mole, com odor pungente. Apêndice duro e recurvado que se projeta da cabeça de certos animais. 8º 4ª
  4. 4. O alquimista de Dusseldorf buscava o segredo da pedra escondida nas entranhas da terra, o alcaest, o dissolvente universal, o elixir da saúde perdida, para que a sua vida nunca mais tivesse termo, nem as pálpebras de roxo se pintassem, nem de branco seus lábios. O alquimista de Dusseldorf procurava os arcanos, as tinturas, a quinta-essência das coisas, os sete degraus da obra sagrada que as leves pernas galgam na agitação dos nervos. Coitado do alquimista de Dusseldorf! Órgãos de transmissão de sensações e de ordens de movimento dos animais, que vão da espinal medula para todo o corpo. Licor produzido pelos alquimistas que teria o poder de curar doenças. Condição de existência marcada por nascimento, desenvolvimento, envelhecimento e morte. Substância líquida que tem a propriedade de transformar um corpo sólido, líquido ou gasoso numa solução homogénea. Estado de normalidade de funcionamento físico e mental do organismo humano. São as bordas de mucosa (superior e inferior) que revestem a boca humana. Preparado farmacêutico com um ingrediente ativo que é dissolvido numa solução que contenha álcool etílico. É açucarado ou glicerinado, e tem substâncias aromáticas e medicamentosas. Deve ser ingerido por via oral. Dobra fina de pele e de músculo que cobre e protege os olhos. A parte mais pura de um todo. O que se é. Substância etérea e subtil, extraída do corpo que a continha e libertada dos quatro elementos mais espessos. Mistério, segredo, alto juízo ou remédio secreto. 8º 4ª
  5. 5. ísis! Ó ísis! Ó Flor do lotus! Ó Garça esbelta rescendendo a mirra! Olha bem para mim, ísis, meu vaso de ébano. Incendeia-me com os teus olhos de carbúnculo. Queima-me com a labareda da tua língua. Atenta na minha modéstia, ó ísis. Eu não sou o alquimista de Dusseldorf. Eu não quero tudo. Eu quero apenas, apenas transmutar esta chatice em flores. Ele queria tudo, o raio do velho. Queria acender o forno de revérbero com a brasa do seu rosto, transmutar a retorta de grés em sexo triunfante e o pêlo baço do gorro em penugem fofa e crespa. Anotar suas características essenciais em ciência exacta, medir as grandezas relevantes . É o resultado final da combustão de uma substância como a madeira ou o carvão antes de se tornar cinzas. Carvão incandescente sem chama. Ato ou efeito de refletir, cintilar e/ou brilhar. Reflexo luminoso. Órgão de reprodução das plantas angiospérmicas. Tornar diferente. Ir de um lugar para outro. Mudar de uma circunstância para outra. Transformar (um elemento químico noutro). Vaso bojudo de bico ou gargalo estreito, voltado para baixo, que se usa na destilação. Nenúfar. Nome dado a diversas plantas ninfeáceas. Goma-resina, extraída do tronco de árvores do género Commiphora (de África), de cheiro agradável, usada no fabrico de perfume e incenso. Madeira (ou nome de árvore) preta e dura que adquire um brilho metálico quando polida. Doença infecciosa septicémica causada por uma bactéria, que afeta animais domésticos e o ser humano. Em mineralogia, é um rubi grande de intenso brilho. Grande chama. Língua de fogo. Impetuosidade, ardor, intensidade. Nome comum às aves pernaltas aquáticas, da família dos ardeídeos, de patas, pescoço e bicos longos e delgados. 8º 4ª
  6. 6. 8º 4ª Ciências Naturais
  7. 7. 8º 4ª Ciências Naturais

×