Jornal júnior 4

543 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
543
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal júnior 4

  1. 1. Edição 4 março de 2012 Jornal Júnior € 0 , 5 0 A M Ê N D O A S J O R N A L D A E B 1 / J I D O S M I O S Ó T I S E eis que mais um período passou a voar... Ao longo destes meses, foram desenvolvidos diversos projetos indo de encontro às aprendizagens e realizações EDITORIAL da comunidade escolar. Sendo o nosso Jornal, um ponto de encontro, que através de um entrelaçar de saberes e experiências nos veicula para uma qualidade de ensino e uma irreverência singular, partilhamos assim convosco… alguns pozinhos de magia … que suscitarão um interesse idóneo por tudo aquilo que realizamos com os alunos e comunidade edu- cativa! Desejamos-vos ótimas leituras e boa Páscoa! As Coordenadoras do Projeto A L G U N S D E S T A Q U E S D E S T A E D I Ç Ã OEquipa técnica: Entrevista à Subdiretora do Agrupamento 2Turma: 3.º B Porto Crianças — Profissões nas Artes 2Coordenação das Professoras:Carla Teles Resende Quinta Pedagógica 3Raquel Moreira Ribeira da Granja 4Design e Montagem: Porto Crianças — Casa da Música 5Pedro Resende O Museu e Eu 7Colaboração: Associação de Pais 7Todos os Alunos e Professores
  2. 2. P á g i n a 2 J o r n a l J ú ni o r E n t r e v i s t a à P r o f e s s o r a E l m i r a : S u b d i r e t o r a d o A g r u p a me n t o Ve r t i c a l d a s e s c o l a s d o A m i a l .Jornal - Quais as suas funções no Agrupamento Pêro Vaz deCaminha?Professora- Exerço as funções de Subdiretora.J – Em que área/disciplina se licenciou?P – Licenciei-me na área do Pré-Escolar.J – Há quantos anos está no nosso Agrupamento?P – 11 anosJ – Gosta de trabalhar cá?P – Gosto muito.J – Em que escola fez o 1º ciclo? J – Agora que se aproxima a Páscoa, o que lheP – Escola do Campo 24 de Agosto na cidade do Porto diz esta época?J – Que recordações tem desse tempo? Recorda-se da sua P – Independentemente das crenças religiosas deprofessora, dos colegas e das brincadeiras? cada pessoa, penso que a Páscoa é mais uma dasP – Lembro-me das brincadeiras e do trabalho que lá fazia. A épocas festivas propícias para reunir famílias e con-minha professora chamava-se Alcina e queria que escrevêsse- viver umas com as outras.mos sem erros e com uma caligrafia perfeita. Organizava con- J – Pode-nos contar alguma vivência da Páscoacursos de escrita, com direito a prémios. No Natal havia sempre da sua infância?uma festa organizada pelos alunos e professores. Lembro-meque nessas festas tocava piano para os pais ouvirem e ficava P – Quando era da vossa idade passava a Páscoa em Viseu na casa dos meus avós. Colocava-se na entra-sempre muito nervosa com medo de errar a tocar. da das portas flores e nas janelas toalhas de rendaJ – Já veio ver a nossa escola renovada? O que achou? para receber em casa o compasso. Depois do almoço de Páscoa enquanto os meus pais ficavam a falarP – Acompanhei as obras da Escola dos Miosótis e penso que com os meus tios, eu e os meus primos íamos brin-resultou numa escola luminosa, elegante, digna de receber osalunos que a frequentam. car para a quinta. Subíamos ás árvores, andávamos às corridas e íamos ver os animais aos currais. Perguntas elaboradas pelos alunos do 3º ano, turma B da EB1 dos Miosótis, no âmbito do Projeto da Turma (Jornal Júnior) Desde o início do 2.º período, a turma do 4.º A está a par- ticipar no projeto "Porto de Crianças - As profissões nas artes". Este projeto consiste no aprofundar do conhecimento das profissões de "escritor", "oleiro" e "pintor" e da fascinante história de vida de diversas personalidades da cidade. Para além das várias visitas a três museus da cidade - Casa Museu Guerra Junqueiro, Casa Museu Marta Ortigão Sampaio e Casa-oficina António Carneiro - os alunos estão a tomar contacto com os locais onde trabalharam ou viveram personalidades como Guerra Junqueiro, Ramalho Ortigão e António Carneiro. O projeto terminará no mês de Maio e também contará com sessões em sala de aula, orientadas pelos responsáveis do projeto nos respetivos museus.
  3. 3. P á g i n a 3 J o r n a l J ú ni o r J.I. faz visita à Quinta Pedagógica Fomos passar um dia diferente e muito divertido à Quinta Pedagógica da Eira em Penafiel. Transformámo-nos em pe- quenos agricultores e fomos visitar e alimentar os diversos animais da quinta. Alguns pareciam tão esfomeados que nos puxavam a comida das nossas mãos de uma vez só. Como em qualquer quinta, existe um “Tio Manel” que no seu tractor nos levou a passar e a conhecer os diversos espaços que a quinta disponha. Enquanto passeávamos no tractor can- távamos várias músicas para engrandecer o nosso passeio… isso é que foi uma grande aventura! Com a hora do almoço a chegar regressámos ao refeitório, para fazer um piquenique. Foi um almoço diferente do que estamos habituados na escola. Da parte da tarde, fizemos alguns jogos tradicionais. Mas o que mais gostámos foi o do “Arborismo”. De início alguns de nós tivemos um pouco de receio mas, ao vermos os nossos colegas a divertirem-se tanto resolvemos, também experimen- tar… foi espectacular!!! Com a tarde a passar e com a cansaço a chegar, viemos embora para a nossa escola. Foi um dia muito divertido e que valeu muito a pena. A turma do 1.º B, dramatizou para os alunos do Pré-Escolar a “História do Coelhinho Branco”. Todos adoraram a experiência e esperam poder um dia voltar a repetir... “Era uma vez um coelhinho branco. Um dia foi buscar couves à horta para fazer um caldinho. Quando o coe- lhinho branco voltou para casa, encontrou a porta fecha- da e bateu: - Quem é? – perguntou um vozeirão lá de dentro... ...E em busca de ajuda para reconquistar a sua casa, ocupada pela terrível cabra cabrês, que se lhe saltava em cima, o fazia em três, o coelhinho terá várias surpresas... … O coelhinho vai pedir ajuda a vários amigos animais mas todos eles se mostram medrosos para com a cabra cabrês. Apenas consegue a ajuda da pequena formiga rabiga que, aceita o desafio de expulsar a cabra cabrês.”
  4. 4. P á g i n a 4 J o r n a l J ú ni o r Desde o primeiro ano que a nossa turma come-mora sempre a lição nº 100. Este ano não foi exceção, nodia 1 de março festejámos esta lição com o habitual lan-che. A colaboração dos nossos pais foi muito preciosa!Na mesa estavam muitas e deliciosas iguarias: gelatina,bolachas, batatas fritas, gomas, línguas de gato, sumos,bolos de chocolate e de laranja e a famosa tarte de li-mão! Cantámos os parabéns à nossa turma, dançámos,brincámos e jogámos à Caça ao Tesouro com a animado-ra Márcia e a estagiária Mafalda que também nos ajuda-ram a preparar a festa! Estávamos todos bem-dispostos, foi um final detarde diferente! Fica a promessa de que para o ano hámais! Bárbara, Gonçalo, João, Mafalda e Ricardo Filipe - 3º B Os alunos do quarto ano, da turma B, da E.B.1/J.I. dos Mio-sótis, realizaram uma visita de estudo integrada nas atividadesdinamizadas pelo Parque do Amial. Esta visita teve como prin-cipal objetivo fazer com que os alunos conhecessem um poucoda história de uma das principais ribeiras da cidade do Porto. Com esta visita ficamos a conhecer um pouco da históriadesta ribeira. Sendo uma das mais importantes da cidade doPorto, ao longo dos tempos, a ribeira foi entubada havendopoucos troços em que esta circula a céu aberto. Tivemos aoportunidade de visitar locais em que esta circula por baixo dosnossos pés, locais estes que podem ser visitados e outros locaisonde esta circula e onde nós tivemos a oportunidade de verifi-car a sua poluição, ou não, os animais que perto dela vivem,assim como, a vegetação que surge nas suas margens. Passa-mos também no Viso onde vimos um jardim muito bonito, re-centemente recuperado, e onde a ribeira segue a céu abertoembelezando ainda mais o espaço. Esta visita foi muito interessante e permitiu-nos conhecerum pouco mais da nossa cidade e da sua história.
  5. 5. J o r n a l J ú ni o r P á g i n a 5 No dia 29 de fevereiro, um grupo de sete alunos do 3º B: a Ana Luísa,a Bárbara, a Beatriz, o João, a Mafalda, o Ricardo Filipe e a Sofia, foi gra-var na Biblioteca Pública Municipal do Porto, a história «A que sabe alua?» de Michael Grejniec para crianças invisuais. Esta atividade insere-sena comemoração dos 40 anos da Biblioteca Sonora que pretende enriquecero seu acervo para o público infanto-juvenil. Todos gostámos muito desta experiência, visto que este projeto foi bemsucedido com a ajuda de todos. Quando lá chegámos vimos umas máscaras muito bonitas feitas poralunos de várias escolas do Porto, inclusive da nossa. Depois chegou o momento da nossa gravação. Havia três cabines equando era a nossa vez de gravar, íamos para as cabines. Juntaram as nos-sas vozes e a história ficou completa! Gostámos muito de ter participado neste projeto e de saber que os meni-nos invisuais vão poder ouvir esta linda história. Estamos muito felizes! João e Bárbara – 3º B No decorrente período fomos duas vezes à Casa da Música participar em workshop. No primeiro workshop trabalhámos nos computadores da casa da música. Cada criança compôs a sua música e o resul- tado foi maravilhoso. Na segunda ida à Casa da Música, cada criança levou o seu próprio computador Magalhães onde lhe foi instalado o pro- grama a fim de compor as suas próprias músicas. Tivemos acesso a algumas outras salas da casa da música. Nomeadamente, na sala laranja compusemos música com o próprio movimento do corpo. Os andamentos musicais surgiam do maior e menor movi- mento do braços e do corpo. Assim, a música surgiu emanada do nosso próprio corpo: - a nossa música. Foi divertidíssimo. As crianças rebolaram pelo chão, por este ser inclinado, algo que não acontece normalmente. Os animadores, Nuno e Zé, foram fantásticos. Com jogos divertidos ensinaram-nos a aplicar muitos e extravagantes conceitos que resultam em música e, por tudo isto, porque foram duas manhãs fantásticas que nós e as crianças adora- mos, queremos agradecer a quantos se empenharam neste belo no projecto de “Porto Crianças.
  6. 6. P á g i n a 6 J o r n a l J ú ni o rA turma do 3.º A da Escola dos Miosótis aceitou o desafio, para realizaruma máscara desmedida. Primeira etapa: Aceitámos este desafio com empenho e dedicação. Elaborámos um projeto (desenho) da nossa futura máscara: cadaaluno projectou o desenho da sua própria máscara. A tarefa de seleção dos desenhos de cada aluno coube a Luísado Parque do Amial. Segunda etapa: Cortámos um cartão, na forma de um círculo e enchemo-lo comjornal de maneira a dar mais relevo na zona das bochechas. Terceira etapa: Construímos o nariz e a boca com garrafas e garrafões e, nova-mente, forrámos tudo com jornal. Quarta etapa: Para os olhos, amassámos três bolas e pintámo-las de preto quecolocámos em três garrafões iguais. Quinta etapa: Com spray prateado, pintámos as antenas reciclando pacotes deleite escolar. Sexta etapa: Lara 2.ºBCatarina 2.ºB Por fim, pintámos a máscara de verde e o nariz de vermelho ecolocámos-lhe a barba, o cabelo, provenientes de reciclagem do balão.Sobressaía a língua reciclada de trapos. Concluído o projecto convertido em máscara levámo-lo para o Par-que do Amial, a fim de participar no concurso de máscaras desmedidasque se realizou no dia do desfile de carnaval. Participar neste projecto foi divertidíssimo: - o nosso grande prémio- o empenho a alegria e o companheirismo na feitura 3A Tom, a nossamáscara. “ A Menina do Mar” veio até à turma do 1ºB! Nesta história vivenciámos algo único! Fomos levados para um mundo da magia do conto onde grandes emoções foram caracterizadas de forma peculiar e eloquente! Assim, através deste conto, constatámos que a partir da literatura de expressão oral podemos criar um palco imaginário, onde é possível integrar significados di- Inês 2.ºA Bernardo 2.ºB versos e ainda o ato criativo! Foi uma experiência gratificante!
  7. 7. P á g i n a 7 J o r n a l J ú ni o r No dia 27 de janeiro fomos à Bi-blioteca Pública Municipal do Porto, em Fomos ver as salas de leitura. Estas tinham os livros ordenados porSão Lázaro, a propósito do projecto “O altura e por temas. Os livros muito antigos estavam guardados para não seMuseu e Eu”. estragarem, por isso há uma sala própria para os leitores que os quiserem ler. Fomos recebidos pela Dra. Con- Como na biblioteca há muito livros, grande parte deles estão noutras salasceição que nos orientou na visita guiada. onde o leitor não tem acesso. Assim, quando alguém os pretende ler, preen-Também contámos com a presença da es- che um cartão com um bilhete de identidade do livro para que ele possa sercritora Conceição Rocha, que nos vai encontrado. O livro é enviado para a sala de leitura pelo monta-cargas (oacompanhar na escrita de textos para o elevador dos livros).livro que vai ser editado pela Câmara Mu- Ainda vimos a biblioteca sonora e pelos corredores apreciámosnicipal do Porto. Neste livro haverá textos quadros de antigos directores da biblioteca, bustos e azulejos antigos.de alunos de várias escolas e as suas pers- Terminámos a visita na biblioteca juvenil.pectivas sobre os museus que visitaram, Foi uma manhã maravilhosa! Texto coletivo – 3º Bassim como histórias imaginadas a partirdo que viram. Começámos por nos sentar nosclaustros da biblioteca onde aprendemosum pouco sobre a história da biblioteca,que, inicialmente foi um convento de fra-des sendo o seu fundador D. Pedro IV. No passado mês de fevereiro, tomou posse a nova direcção da Associação de Pais da EB1/JI dos Miosótis. A Associação visa na generalidade a defesa e promoção dos interesses dos seus associados em tudo quanto respeite à educação e ensino dos seus filhos e educandos. Visa também colaborar na melhoria das condições da Escola para que os nossos filhos possam crescer em todas as dimensões, quer no aumento do conhecimento, do ser e do saber fazer, quer tornando consciência da sua cidadania. Assim sendo e para se poder dar continuidade ao trabalho feito até agora, vimos por este meio solicitar junto dos En- carregados de Educação das nossas crianças, que colaborem connosco através da prestação de um donativo. Para além de pequenas iniciativas, os donativos representam a principal e quase única fonte de receita desta associa- ção para a prossecução das suas finalidades, programas e actividades que se desenvolverão em prol de toda a comunida- de escolar. Os donativos deverão ser entregues à professora que mais tarde os conduzirá à associação. Todos os donativos terão direito ao respetivo recibo. Para quaisquer informações ou esclarecimentos entre em con- tacto conosco através do email: pais.miosotis@gmail.com o mesmo endereço se aplica à nossa página no Facebook.
  8. 8. Ú l t i m a P á g i na J o r n a l J ú ni o rBibliocarro estacionou na nossa escola! O bibliocarro é um autocarro diferente dos que esta-mos habituados. Está pintado com outras cores, tem asjanelas tapadas e serve para viajar quando está parado.Esta viatura foi colocada na estrada pela Biblioteca Mu-nicipal Almeida Garret e ajuda-nos a sonhar viajandoatravés de livros, computadores, cd´s, dvd´s, etc. As obras continuam a bom ritmo! Quem vê não consegue ficar indiferente às remode- lações que estão a ser feitas no exterior do edifício da escola. Desde o alargamento da entrada principal, passando pelo melhoramento do recreio, até ao par- que infantil, tudo está a ser feito para embelezar ainda mais a nossa renovada escola. Florentino Martins da Silva Lessa & Flo, Lda Praceta dos Mogos, 157 Zona Industrial de Vermoim 4470-343 MAIA Tel. +351 229 441 603 geral@tipografialessa.pt

×