Apresentação camará sepa

359 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
359
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação camará sepa

  1. 1. Revista sobre cultura brasileira Ana Cecília Schettino Beatriz Saffi Camila Sugai Universidade de Brasília Professor Orientador: Rogério Câmara
  2. 2. Uma revista sobre cultura brasileira, sem estereótipos. O ponto principal da publicação é encarar o Brasil como um país urbano e a partir disso colocar sua realidade em pauta, ainda sem esquecer dos regionalismos, folclores e tradições que fazem parte das raízes desse país e continuam presentes no cotidiano dos brasileiros. O conteúdo da revista mesclará o regional e tradicional com o urbano. A ideia é ter um pouco do país em todos os cantos, extrapolando as fronteiras físicas e fazendo o Brasil se misturar de uma maneira particular. revista camará
  3. 3. Camará Faz referência a música Parabolicamará, composta por Gilberto Gil em 1991. A música relaciona o tempo e as distâncias, exatamente com o que a Camará lida. A ideia da revista é agrupar um conteúdo sobre cultura brasileira, a partir de tantas distâncias e diferenças e disseminá-lo como a parabólica de Gilberto Gil. Antes longe era distante Perto só quando dava Quando muito ali defronte E o horizonte acabava Hoje lá trás dos montes dendê em casa camará Ê volta do mundo, camará Ê, ê, mundo dá volta, camará projeto editorial Nome Público e alcance Divisões Seções fixas “
  4. 4. projeto editorial Nome Público e alcance Divisões Seções fixas A revista Camará visa atingir o público interessado em cultura brasileira, disposto a refletir sobre assuntos polêmicos e desmitificar alguns estereótipos relacionados a nossa cultura. Por causa do custo elevado de produção da revista, o preço de venda também será relativamente alto, portanto o público de classe A e B terá maior acesso a publicação.
  5. 5. projeto editorial Nome Público e alcance Divisões Seções fixas cotidiano Assuntos que fazem parte do dia a dia do brasileiro. Cultura vernacular, hábitos e o que faz parte da rotina da população. turismo Quando o protagonista da matéria é um lugar. Não necessariamente possui abordagem como a de uma resenha ou com dicas de viagem, mas apresenta um local ou experiencia. Todo dia, ela faff z tudo semprerr igi ual. Chico Buarqurr e, 1984 Eu vou lá, se me faff ltam caminhos prarr car.rr VaVV nguart, 2012
  6. 6. projeto editorial Nome Público e alcance Periodicidade Linguagem Divisões Seções fixas política Matérias questionadoras e que instigam a reflexão. Abordam temas políticos e muitas vezes polêmicos. história Fatos que aconteceram há bastante tempo e ainda têm influência nos dias de hoje. Ou assuntos que foram discutidos em outra época mas continuam em voga. Sou mais um no Brarr sil da Centrarr l O Rappa, 2005 O tempo não pára. Eu veje o o fuff turorr rerr petir o passado Cazuza, 1988
  7. 7. projeto editorial Nome Público e alcance Periodicidade Linguagem Divisões Seções A revista possui seções. Nem todas são necessariamente ficas, podem fazer parte ou não de determinada edição da revista em função da disponibilidade de conteúdo. +55 Brasileiros que viveram fora do país ou pessoas/empresas/locais influentes que são referência do Brasil em outros países. cinema Produção cinematográfica brasileira. A matéria pode ser sobre a produção de um filme, alguma pessoa influente na área ou algum festival ou premiacão. design Matéria sobre qualquer tema que envolva design ou algo sobre uma área especifica, como tipografia, editorial, produtos, etc. abordando um projeto em particular ou apresentando um designer ou período histórico
  8. 8. projeto editorial Nome Público e alcance Periodicidade Linguagem Divisões Seções é dia de feira Apresentação de alguma feira do brasil. foco em feiras populares de rua. editorial Lomo Cobertura lomográfica de algum evento cultural do brasil. fronteiras Reflexão sobre barreiras culturais, lições políticas e vivência nas divisas do Brasil com outros países. isso e aquilo Traducões intersemióticas: um livro que lembra um filme, uma comida que tem a ver com uma música, uma escultura que faça referência a um lugar.Tudo que seja brasileiro. lugares Algum lugar do Brasil que tenha uma curiosidade especial e seja importante ser conhecido e divulgado .
  9. 9. projeto editorial Nome Público e alcance Periodicidade Linguagem Divisões Seções martelando Reflexão sobre algum tema polêmico. A matéria instigará o leitor a enxergar o tema sob um ponto de vista diferente. matéria de capa A de destaque, que guiará o projeto da capa da revista e iniciará o conteúdo publicação. moda Tratará sobre a moda brasileira de um modo geral. assuntos como: tecidos, modelagens, peças iconicas, estilo, estilistas e poderão ser colocados em pauta. música Estilos musicais, músicos, instrumentos e festivais de diversas regiões do país. na comunidade Comunidades carentes do brasil. Discutir sobre o cotidiano, estilo de vida, dificuldades e alegrias de quem vive nas favelas.
  10. 10. A divisão das tarefas no processo de produção de cada edição será feita por mês: 1º mês Definição de pauta/separação do conteúdo das divisões Captação de conteudo (longo período devido a necessidade de viagens) 2º mês Captação de conteudo (longo período devido a necessidade de viagens) Desenvolvimento de ilustrações/infográficos 3º mês Diagramação 4º mês Finalização Impressão Distribuição produção editorial Cronograma Equipe Tiragem e destribuição
  11. 11. produção editorial Cronograma Equipe Tiragem e destribuição Conselho editorial Editora de redação Coordenadora administrativa Diretora de arte Design Fotografia Revisão Colaboradores
  12. 12. produção editorial Cronograma Equipe Tiragem e destribuição Para a impressão e distribuição da revista é necessário que haja parceria com alguma editora. A revista seria vendida em grandes livrarias, pontos de cultura e museus. A tiragem inicial seria de 10.000 exemplares, visto que seria distribuída por todo o Brasil.
  13. 13. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade formato 210x252 mm papel Serão utilizados três diferentes tipos de papel na Camará: papel markato branco 250g para a capa, de acordo com a matéria de capa. Para o miolo são utilizados os seguintes papeis: AP 90 g/m² para algumas matérias do miolo e Pólen 85 g/m² para as demais. Os papeis deverão se os mesmos em cada divisão. encadernação A encadernação da Camará será em brochura, com lombada quadrada.
  14. 14. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade
  15. 15. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade número 01 | inverno 2012 | 15 reais
  16. 16. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade número 01 | inverno 2012 | 15 reais
  17. 17. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade camará|número1|inverno2012 número 01 | inverno 2012 | 15 reais 1 13 8 0 5 5 6 5 15 4 capa + lombada + contracapa detalhe lombada camará|número1|inverno2012 1 13 8 0 5 5 6 5 15 4
  18. 18. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade grid - diagonais
  19. 19. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade grid - colunas 12 colunas verticais gutter vertical 4mm 13 divisões horizontais sem gutter
  20. 20. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Semana passada teve uma briga de bar em frente ao meu prédio. Começou com aquela velha gritaria de bêbado con- testando bêbado e deu no que deu: pan- cadaria entre uns três ou quatro que eu nem sei da índole.Vou lá eu chamar esses caras de vagabundos? De encrenqueiros ou beberrões que não têm um pingo de dó da família? Não conheço nenhum deles. Acabou tudo com um indo pra um lado, outro descendo a rua limpando a roupa. Um deles ficou lá, no bar, xingando quem quisesse ouvir xingamentos.A polícia apareceu, anotou uma coisa aqui e outra ali, naquela ficha padrão.Aparece- ram pela contramão, luzes vermelhas acesas. Fica- ram lá por uns minutos até que o maiorzão, aquele que estava dirigindo, acendeu um cigarro e resolveu que queria ir embora. Subiram os dois policiais no carro e zarparam. Menos de 15 minutos depois do início da briga, era como se nada tivesse acontecido. É nesse mesmo bar que o pessoal vara madrugadas deliciosas tocando Cartola e Noel Rosa no violão. Eu moro emSão Paulo.Uma terra que chegou aos seus 458 anos. Moro na megalópole do país, em uma cidade com mais de 11 milhões de pessoas zanzando e passando aos tropeços, correndo na faixa para não serem atropeladas pelos carros, fumando na porta dos bares que é lugar aberto, chutando calcanhares no metrô, no trem, tomando cotovelada no ônibus e tirando o sarro um do outro por conta dos sotaques. Ou alguém pensou que em São Paulo só tem paulistano errando os plurais e puxando os “enes”? Convivo no meu trabalho, com gaúchos (do sul e, acreditem, deCuiabá), caipiras do interior de Marília, homens com os trejeito e alma de Belo Horizonte e ainda budistas que, querendo ou não, foram nascidos e cria- dos em Mauá, noGrandeABC. Quando fui fazer minha pós-graduação em jornalismo cultural, conheci um piauiense e, assim que vi uma amizade forte ali, alertei de imediato: “Moleque, São Paulo é a terra da solidão”. Isso pouco antes de não ter dado carona pra esse teresinense, mesmo es- tando na rua da casa dele. São Paulo coleciona pesso- as e coleciona solidão. Quem não sabe lidar com São Paulo, acaba só, sozinho e solitário, como diria o mesmo Caetano Veloso que pirou o cabeção com a deselegância discreta das nossas meninas. SP é o lugar certo para quem quer se isolar, mesmo estando no olho do furacão. São Paulo assusta e São Paulo aneste- sia qualquer medo, trauma e suspeita. Depois de morar em Sampa, nunca mais se anda na rua sem olhar pra trás. Não se desacostuma a estar com Não existe amor em SP? martelando66 fome às três da madrugada e achar normal sair na rua pra comer.Quando emSão Paulo, o dia precisa de 72 horas pra se ter tempo hábil pra fazer as tarefas diárias. Fora de SP, o dia parece ter 72 horas. São Paulo é a cidade dos chiques da Oscar Freire, que acompanham tendências e trocam guarda-roupas como quem troca o chiclete que perdeu o gosto. São Paulo é a cidade dos manos que ido- latram suas periferias, enal- tecendo a Zona Sul, a Zona Leste, a Zona Norte e a Zona Oeste, todas unidas pelo bem do hip-hop, movimento musi- cal que dominou os tocadores de MP3 de todo o país no últi- mo ano. Ou vai me dizer que você nunca, nem uma vezinha as- sim, deu o play pra ouvir o Emicida ou o Criolo, que foi plagiado por esse escritor mal- dito no título desse manifesto febre de amor tem linearidade, começo e fim? Uma declaração apaixonada nada mais é que um emaranhado de pensa- mentos doidos que colidem, espirram, sujam e pedem desculpas, assim como as pessoas transitando pra lá e pra cá no horário de pico. É trânsito, é enchente, é assalto, é bar- zinho, é balada, é negócios, é prédio alto, é centrão velho, é periferia, é marginal aqui e acolá, urbanismo inexistente, é fes- tival, referência, é gastronomia e atendi- mento sem igual, é busão que chama por nome e não por número, é a vanguarda e é tradição. Tudo começa aqui, menos o catchup na pizza (só que a gente tem, sim, churrasco na grelha). Choveu em São Paulo nessa semana toda.Como sempre acontece em janeiro. E eu adoro chuva. Odeio só ter que ficar molhado no ir e vir de casa, do trabalho. Mas de ficar na janela, olhando as gotas caindo, ouvindo o impacto no asfalto, no concreto e nos telhados, eu acho bom de- mais. Só é ruim quando os caras do bar resolvem sair no tapa enquanto eu tô vendo as luzes e a água da minha cidade. odioso-amoroso ao aniversário da cidade dew São Paulo? Se não, pena de ti sentimos nós, paulistanos que ouvimos as melhores rimas do ano, as melhores batidas do ano, os melhores protestos do ano e os melhores artistas do ano. Aqui, nesse velho quilombo de todos os brasileiros, crescem desordenadamente os bairros e a vontade de viver aqui. Quando brota o amor por São Paulo, aí fudeu.São Paulo vicia, tanto ou mais do que todas as pedras que a cracolândia tem pra oferecer.Chega até a dar um orgulho estranho e torpe daquilo que é feio. “É violento, tá estragado, só sujeira, mas é nosso”. E quem ia poder julgar? Por isso que não existe amor em SP. Nessa cida- de que se orgulha de ter como lema o tão severo e valente “Non dvcor dvco” (“não sou conduzido, conduzo”), não há espaço para aquele famoso meio-termo.Tem gente que odeia, não se adapta, perde o gosto e vai embora. E quem fica, por vontade ou necessidade, faz de cada dia, um dia a se lutar. Quem tá em SP, tá acostumado com os tapas e os sopros da vida. E nem tentem, detratores, falar de confusão na minha linha de raciocínio. Desde quando uma fala de Não existe amorem SP? não existe amor em sp? 67 Caixas de texto Caixas de texto variam de tamanho e largura de acordo com a matéria. utilização de caixas de texto
  21. 21. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Agora, pode-se dizer que vivemos um terceiro momento no país: estilistas têm se destacado tanto aqui quanto no exterior justamente por acrescentar elementos da cultura brasileira em seu repertório. Eles, no entanto, aumentam o entendimento dos clichês de Brasil ao ir muito além das imagens esperadas, como a da mulher sensual, a do Maracanã lotado e a das es- colas de samba. Ao mesmo tempo, não deixam de usar refe- rências que permitem que os estrangeiros identifiquem o país em suas coleções. “Ronaldo Fraga, Lino Villaventura e André Lima, três expoentes da moda atual, abusam das cores e dos grafismos, que são características muito presentes em nosso repertório.Aliás, cores e grafismos são dados também das nos- sas artes visuais e do design”, diz o historiador João Braga, que junto com o jornalista Luís André do Prado acaba de lançar o livro História da Moda no Brasil (Pyxis Editorial, 637 págs., R$ 120). Ao mesmo tempo, o mineiro Ronaldo Fraga, por exem- plo, idealiza peças que representam muito bem toda a herança barroca. Ele faz roupas pensando também em cenários, sons, coreografias. Sob seu comando, os modelos transformam-se em personagens de uma peça de teatro. Esqueça portanto o simples caminhar por uma passarela neutra. A memorável coleção de verão 2008, baseada nas várias facetas da cantora capixaba Nara Leão e intitulada Lindonéia, por exemplo, foi mostrada com o caminho tomado por centenas de barquinhos de papel. Uma ideia singela e de um efeito para lá de poético. Além de remeter diretamente a uma brincadeira de dobradura comum no Brasil. Claro. Com passagem por escolas de Nova York e Londres, é no entanto de Passira, município em Pernambuco, e de Pirapora, em Minas Gerais, que Ronaldo tira grande parte de sua inspiração. No vi- larejo pernambucano, o estilista mantém relações de parceria com bordadeiras, que inclusive veem seu nome impresso na etiqueta de cada peça de roupa que costuram (veja quadro abaixo). O uso de bordados e rendas ajuda a reforçar uma postu- ra importante para Ronaldo. Em vez de exaltar as curvas femininas, como seria talvez natural para um estilista brasileiro, ele é avesso a qualquer coisa que lembre esse clima mais liberal da praia: “Nun- ca espere um decote do Ronaldo. O pudor sempre percorre suas coleções”, diz João Braga. Com um tom lúdico, o estilista também recorre bastante ao universo da música: as composições dor de cotovelo de Lupicínio Rodrigues viraram a coleção Quantas Noites Não Durmo, do inverno 2004, com vestidos de brocados e florais sobre algodão da Paraíba. Mas aqui é bom lembrar: o samba que escolhe não é o da bateria das escolas do Rio, e sim a melancolia do mestre gaúcho. Barquinhos de papel Ronaldo Fraga Inspiração brasileira desfilada na São Paulo Fashion Week Verão 2013. foto divulgação Lino Villaventura Look masculino apresentado na São Paulo Fashion Week Verão 2013. foto Ze Takahashi André Lima Vestido e acessorios da coleção de desfilados na São Paulo Fashion Week Verão 2012. foto divulgação nós já não temos bananas 33moda32 utilização de caixas de texto
  22. 22. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade fonte de texto Corbel ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUWXYZ abcdefghijklmnopqrstuwxyz 1234567890*
  23. 23. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade fonte de título Chaparral Pro ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUWXYZ abcdefghijklmnopqrstuwxyz 1234567890*
  24. 24. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade AFeira Hippie de Ipanema, por exem- plo, tem esse nome desde os anos 60, quando hippies ocuparam a praça Gene- ralOsório pra vender seus produtos. E até hoje, nessa mesma praça, a feira acon- tece todo domingo de 07h às 19h, faça chuva ou faça sol. Hoje em dia, de hippie mesmo só alguns que passam por ali e a estética de alguns produtos. Na verdade a feira (leia-se os preços) é voltada mais para os turistas.Situada em um bairro de classe média alta, rodeada por barzinhos e cafés, e bem perto da praia, logo se es- tabeleceu o público alvo dali. E como é de praxe de cidade turística, vários produtos exaltam o Rio e o Brasil. Olhando a praça nos outros dias da se- mana, é difícil imaginar como cabem tan- tos stands e tanta gente ali. Parece uma feira pequena, mas a verdade é que dá pra passar o dia revirando tudo. E se bater o cansaço, basta sentar nos banquinhos e curtir o movimento. A feira tem uma ótima localização por ser de fácil acesso, já que na praça há uma estação do metrô. Os itens de decoração são verdadeiros achados, daqueles que quando alguém vir na sua casa, vai querer saber a história por trás. Como uma cadeira em formato de peixe, um banco em formato de bumbum ou bichos da fauna brasileira moldados em palha. Coisas aparentemente toscas que deixam o dia a dia mais divertido. Há uma infinidade de produtos, desde coisas para a casa, roupas e acessórios, até instrumentos musicais. É um ótimo lugar pra comprar presentes ou lembran- cinhas pra pessoas com diferentes gostos. Os materiais dos produtos são de uma diversidade enorme: palha, renda, ma- deira, cerâmica, papel machê, e claro, o couro. Seja em móveis, roupas, acessó- rios, mapas ou até quadros, esse tecido é a especialidade de vários dos mais de 400 stands. Diferente de lojas e shoppin- gs, os produtos da feira não tem como parâmetro modas e tendências, e sim a especialidade daquele feirante. Dá pra comprar, por exemplo, roupas de lã pra usar em temperaturas baixas ou então biquínis de crochê pra usar na praia, há um quarteirão dali. Dentre essa diversi- dade de materiais, a pedraria e a prata também tem aos montes, das mais bara- tinhas às mais caras. O legal é que todos esses materiais às vezes são usados de forma inusitada. A verdade é que de primeira você quer levar tudo. Mas o grande lance da feira (de qualquer uma, na verdade) é olhar tudo, dar uma boa volta e só depois comprar. O impulso consumista não é uma boa nessa hora, até porque alguns stands vendem produtos similares. E, cla- ro, outra vantagem de feira é poder pe- chinchar. Ganhar um desconto é sempre possível, afinal a pechincha é um pilar do comércio informal! Alguns stands da Feira Hippie real- mente tem produtos exclusivos, coisas que você não vai achar em lugar nenhum. Artesanatos e produtos dignos de paten- te! Uma senhora uruguaia, por exemplo, vende blusas de patchwork de tecidos: são literalmente exclusivas, pois nenhu- ma peça é igual a outra. Já o centro da praça concentra os qua- dros e pinturas. Muitos retratam favelas (de uma forma lúdica), a natureza tropi- cal, e outros temas tipicamente cariocas. Há também pela feira esculturas elabora- das, verdadeiras peças de arte. E se bater a fome de tanto andar, geralmente têm duas barraquinhas de comida baiana: acarajé, cocada e outros doces. Estão sempre cheias e as pessoas parecem bem satisfeitas. Volta e meia tem algum artista de rua por ali. Já vi músico tocando saxofone, aquelas estátuas humanas e até mesmo um cara fazendo embaixadinhas e várias coisas impressionantes com uma bola. Seja como for, sempre tem alguém pra divertir e surpreender quem passa.A con- tribuição em dinheiro é uma escolha sua. Muita coisa, muita gente, uma verda- deira bagunça organizada. E não é esse o bom de feira?Tudo e todos misturados! hoje é dia de feira26 feira hippie de ipanema 27 Há uma infinidade de produtos, desde coisas para a casa, roupas e acessórios, até instrumentos musicais. É um ótimo lugar pra comprar presentes ou lembran- cinhas pra pessoas com diferentes gostos. Os materiais dos produtos são de uma diversidade enorme: palha, renda, ma- deira, cerâmica, papel machê, e claro, o couro. Seja em móveis, roupas, acessó- rios, mapas ou até quadros, esse tecido é a especialidade de vários dos mais de 400 stands. Diferente de lojas e shoppin- gs, os produtos da feira não tem como parâmetro modas e tendências, e sim a especialidade daquele feirante. Dá pra comprar, por exemplo, roupas de lã pra usar em temperaturas baixas ou então biquínis de crochê pra usar na praia, há um quarteirão dali. Dentre essa diversi- dade de materiais, a pedraria e a prata também tem aos montes, das mais bara- ro, outra vantagem de feira é poder pe- chinchar. Ganhar um desconto é sempre possível, afinal a pechincha é um pilar do comércio informal! Alguns stands da Feira Hippie real- mente tem produtos exclusivos, coisas que você não vai achar em lugar nenhum. Artesanatos e produtos dignos de paten- te! Uma senhora uruguaia, por exemplo, vende blusas de patchwork de tecidos: são literalmente exclusivas, pois nenhu- ma peça é igual a outra. Já o centro da praça concentra os qua- dros e pinturas. Muitos retratam favelas (de uma forma lúdica), a natureza tropi- Há também pela feira esculturas elabora- das, verdadeiras peças de arte. E se bater a fome de tanto andar, geralmente têm duas barraquinhas de comida baiana: acarajé, cocada e outros doces. Estão sempre cheias e as pessoas parecem bem satisfeitas. Volta e meia tem algum artista de rua por ali. Já vi músico tocando saxofone, aquelas estátuas humanas e até mesmo um cara fazendo embaixadinhas e várias coisas impressionantes com uma bola. Seja como for, sempre tem alguém pra divertir e surpreender quem passa.A con- tribuição em dinheiro é uma escolha sua. Muita coisa, muita gente, uma verda- deira bagunça organizada. E não é esse o bom de feira?Tudo e todos misturados! feira hippie de ipanema 27 Fonte do texto Corbel regular 9,5 pt entrelinha 12,316 pt
  25. 25. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Os estilos de parágrafo de títulos, subtitulos e olho de texto estão sujeitos a alteração em relação ao conteudo da matéria. É possivel que sejam utilizados letterings, fotografias, colagens e outros Titulos das matérias Tríplice fronteira Brasil-Argentina-Paraguai Quem vê notícias recentes sobre os encontros amigáveis das lideranças sul-ame- ricanas não imagina como as regiões de fronteira estão marcadas por uma série de tensões e conflitos envolvendo desde a posse de terras ao tráfico humano. No pas- sado, outras disputas nas fronteiras foram causa de guerras sangrentas, como a cha- madaGuerra do Paraguai que, entre brasileiros, argentinos, paraguaios e uruguaios, teve um saldo final de 400 mil mortos. Mas mesmo em 2012, com a aparente paz na América do Sul, especialistas não descartam a possibilidade de conflitos de grande impacto na região, que poderiam, por exemplo, dizimar comunidades indígenas inteiras. É o que diz o coordenador- -substituto da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Rio Branco, Juan Scalia, se referindo a conflitos na fronteira do Brasil com o Peru, para ele “como há histórico de conflitos [na região], não é leviano falar em genocídio”. duas terras Entre escreve Denise Adôrno Chaparral, variando pesos e tamanho
  26. 26. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Feira hippie de Ipanema escreve e fotografa Rafaela Lima Às vezes, “feira” é usado num tom pe- jorativo indicando bagunça, desorgani- zação, falta de regras. Mas a verdade é que as feiras nada mais são do que um comércio espontâneo que dá muito cer- to. Hoje em dia então, a maioria funciona sob os cuidados de alguma associação ou sindicato dos feirantes. Numa grande cidade turística como o Rio de Janeiro, há uma infinidade de feiras: a do Lavradio, a da praça Saenz Peña, a daAvenidaAtlância, a Feira de São Cristóvão, e muitas outras. Cada uma tem suas características particu- lares, e coisas pelas quais são famosas. Pode ser pelos produtos, pelo horário, pelo lugar, ou por algum outro aspecto. hoje é dia de feira24 feira hippie de ipanema 25 “diverti coM vário à escrita urbAna com a mistura d em M espelh Talvez você não perceba (e, a não ser que você seja alguém interessado ou que estude o assunto, é melhor que seja assim), mas ela está aqui, presente e ajudando você a ler confortavelmente o texto nas suas mãos.A tipografia é uma disciplina antiga, com regras bem consolidadas (e, talvez, um tanto rígi- das), sendo principalmente uma das fundações do design gráfico como conhecemos hoje. A partir de sua introdução noOcidente, pouco mais de 500 anos atrás por Johannes Gutenberg, experimentamos enormes saltos no que diz respeito à comunicação visual e difusão da língua escrita: primeiro vieram os livros impressos, em seguida, cartazes e panfletos, e, mais recentemente, a revolução digital, resultado da criação da internet (acompanhada dos computa- dores pessoais, claro). Contudo, mesmo tendo sido criado pouco antes da chegada deCabral ao Brasil e apesar da produção gráfica/visual brasileira já estar amadurecida, apenas recentemente temos visto o ofício tipográfico praticado nestas terras, e ela já pegou o bonde andando. Os brasileiros começaram a fazer seus primeiros tipos já com a revolução digital bem encaminhada. Por este motivo, muitas das tradições tipográficas (oriundas da prática manual do design de tipos) pu- deram ser deixadas de lado naquele momento. Por isso mesmo, as primeiras fontes tupiniquins eram frutos de experimentações diversas, aproveitando a sensação de novidade que era fazer uma fonte em um computador. E é aqui que entra a Brasilêro. Projetada porCrystianCruz em 2001, a Brasilêro foi um trabalho acadêmico onde ele decidiu desenvol- ver uma fonte display inspirada na linguagem dos letreiros, cartazes e peças de comunicação visual “toscas” e feitas à mão por pessoas que são muitas vezes semi-analfabetas. Fontes display são, assim como esses letreiros, próprias para uso em con- textos onde há mais liberdade artística e, por isso mesmo, inadequadas para serem usadas em textos longos. Vemos, então, uma fonte divertida e des- pretensiosa com vários dos erros comuns à escrita vernacular, tanto urbana como rural, tais quais a mistura de letras minúsculas em meio a maiúsculas e o espelhamento das letras. //brasileroa fonte projetada em 2001 por Crystian Cruz explora elementos de tipografia vernacular e é inspirada no que vemos escrito pelas ruas do Brasil escreve Luã Leão design36 Mais exemplos de títulos das matérias
  27. 27. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Subtítulos das matérias Chaparral Light italiz caption, 14 pt Chaparral semibold caption, 14 pt REGGAE no Maranhão Curiosos sobre a particularidades do Reggae no Maranhão, conversamos com um grande apreciador do ritmo, o maranhense Robson Marlon Morais Ferreira, que nos contou um pouco da interessante história e os costumes dessa cultura local. Embora o reggae seja de ori- gem jamaicana, São Luís o in- corporou dentro de suas práticas festivas e sua programação cul- tural, influenciando as relações de interação já existentes. Desde sua chegada à Ilha deSão Luís há 30 anos, plantou-se na memória coletiva local uma imagem de se- melhança entre as duas ilhas, o que faz muitas pessoas acredita- rem que realmente São Luis seja a Jamaica Brasileira. música40 EstrElas anônimas: A vida dos retirantes em obras de Gilberto Gil e Clarice Lispector escreve Octávio Sousa ilustra Tatiana Rodrigues Dentre os vários caminhos pensados para esse texto me pareceu particularmente interessante um caminho que tem a ver com outra travessia, a feita por milhões de brasileiros durante séculos, e acen- tuada no século passado, o caminho dos retirantes da seca nordestina. A viagem dos sertanejos é muito explorada nas artes plásticas, literatura e cinema, além das can- ções de Luiz Gonzaga e outros compositores. Em 1938, no romance Vidas Secas, de Graciliano Ra- mos, um marco do modernismo regionalista, já é abordado o tema da migração nordestina. No espe- táculo Opinião, de 1964, de Oduvaldo Viana Filho, Paulo Pontes eArmandoCosta, o problema da seca no Nordeste também é retratado. Para além do caminho até a cidade grande, escolhi trabalhos que falam sobre a vida e os sentimentos dos nordestinos nas grandes cidades. Ao mesmo tempo em que a migração para o centro sul do país repre- senta um horizonte para uma vida melhor, ou para a sobrevivência, pode significar a solidão do exílio. Duas obras da década de 70 mostram bem essa realidade. A Hora da Estrela, publicado em 1977, conta a história de Macabéa, uma retirante de Ala- goas que vive no Rio de Janeiro trabalhando como datilógrafa. Lamento Sertanejo é uma canção composta por GilbertoGil e Dominguinhos, está no álbum Refazenda deGil, de 1975, fala sobre o senti- mento do nordestino em relação à vida na cidade, e sobre não conseguir adaptar-se. O fato de estar em ‘terra estrangeira’ aparece na música e na literatura dessa época, por ser gran- de o numero de artistas, políticos, intelectuais, e outras pessoas consideradas agentes subversivos pela ditadura no período entre 1964 e 1979. Contu- do, há de peculiar no caso dos retirantes o fato de permanecer no próprio país, e terem sidos forçados não por condições políticas, mas de sobrevivência. isso e aquilo46 milhões de ser que deixam sua terra nat construir a vida nas gran “E enquanto o governo m do país personalidades re seu trabalho e ideais, são Exemplos de estilo dos subtítulos
  28. 28. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Olho de texto Chaparral light italic, com variação do tamanho do corpo aspas de entrada maior que o corpo do texto em 50% Para o Maranhão, o reggae tem uma semelhança rítmica com uma das maiores e mais antiga expres- sões da cultura popular local, o Bumba meu Boi, uma síntese de cultura africana, indígena e européia. É difícil e contraditório definir exatamente quando e como esse ritmo foi parar no Maranhão e o porquê de tamanha identificação. Segundo Robson Marlon Morais Ferreira, atual microempresário, a chegada do reggae no Maranhão ainda não foi comprovada, não há ninguém e nenhuma pesquisa que indique uma data exata. São vários fatores que contribuí- ram para que ele chegasse até aqui e pra São Luís ser conhecida como a Jamaica Brasileira. Para Ro- bson, existem diversas semelhanças entre São Luís e a Jamaica como por exemplo, a população negra, que nas duas regiões, é a que mais aprecia o ritmo, o clima e o modo de vida. Alguns apreciadores do reggae, principalmente os que viveram na zona rural, afirmam tê-lo conhecido através dos sons captados A origem do reggae no Maranhão Não consigo ficar um dia sequer sem Reggae! “ Baú com CDs e LPs raros que Robson guarda a 7 chaves em seu armário. Para o Maranhão, o reggae tem uma semelhança rítmica com uma das maiores e mais antiga expres- sões da cultura popular local, o Bumba meu Boi, uma síntese de cultura africana, indígena e européia. É difícil e contraditório definir exatamente quando e como esse ritmo foi parar no Maranhão e o porquê de tamanha identificação. Segundo Robson Marlon Morais Ferreira, atual microempresário, a chegada do reggae no Maranhão ainda não foi comprovada, não há ninguém e nenhuma pesquisa que indique uma data exata. São vários fatores que contribuí- ram para que ele chegasse até aqui e pra São Luís ser conhecida como a Jamaica Brasileira. Para Ro- bson, existem diversas semelhanças entre São Luís e a Jamaica como por exemplo, a população negra, que nas duas regiões, é a que mais aprecia o ritmo, o clima e o modo de vida. Alguns apreciadores do reggae, principalmente os que viveram na zona rural, afirmam tê-lo conhecido através dos sons captados via ondas de rádio no final da década de 60. Enquanto outros tiveram contato com a música através de LPs trazidos em na- vios que aportavam nos portos da capital em meados da década de 70. O próprio Robson diz ter se afeiçoado ao reggae depois que ganhou, quando completou 6 anos de idade, um radinho que sempre carregava no ombro. “A partir daí, nunca mais parei de ouvir. Não consigo ficar um dia sequer sem reggae.“ Segundo Robson, já havia uma pre- dominância de ritmos caribenhos nas regiões do Pará/Maranhão como a lam- bada, o merengue, a salsa, o bolero, entre outros. Ritmos esses, tocados em clubes semelhantes aos atuais clubes de reggae e eram veiculados nas chamadas radiolas, umaparelhodesomgigantesco.Ofatode os ritmos caribenhos serem bem aceitos no Maranhão contribuiu também para a aceitação do ritmo jamaicano, embora os freqüentadores dos clubes, na época não soubessem ao certo de que ritmo se trata- va. Aos poucos o reggae foi sendo intro- duzido na programação musical dessas casas através dos discotecários, conheci- dos nesse cenário como especialistas em músicas desse gênero.Os discos que eles tocavam eram muito raros, trazidos de fora do estado ou do exterior a preços al- tíssimos, o que dificultava o acesso do pú- blico, por isso, quem quisesse ouvir, tinha que ir aos clubes, aumentando assim o sucesso desses lugares. A origem do reggae no Maranhão Não consigo ficar um dia sequer sem Reggae! “ Baú com CDs e LPs raros que Robson guarda a 7 chaves em seu armário. reggae no maranhão 43 detalhe do estilo do olho de texto
  29. 29. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade “divertidA e despRetensiosa coM vários dos erros comunS à escrita verNacular, tanto urbAna como Rural, tais Quais a mistura de letrAs minúsculas em Meio a maiúsculas E O espelhameNto das letraS.” //brasilero Talvez você não perceba (e, a não ser que você seja alguém interessado ou que estude o assunto, é melhor que seja assim), mas ela está aqui, presente e ajudando você a ler confortavelmente o texto nas suas mãos.A tipografia é uma disciplina antiga, com regras bem consolidadas (e, talvez, um tanto rígi- das), sendo principalmente uma das fundações do design gráfico como conhecemos hoje. A partir de sua introdução noOcidente, pouco mais de 500 anos atrás por Johannes Gutenberg, experimentamos enormes saltos no que diz respeito à comunicação visual e difusão da língua escrita: primeiro vieram os livros impressos, em seguida, cartazes e panfletos, e, mais recentemente, a revolução digital, resultado da criação da internet (acompanhada dos computa- dores pessoais, claro). Contudo, mesmo tendo sido criado pouco antes da chegada deCabral ao Brasil e apesar da produção gráfica/visual brasileira já estar amadurecida, apenas recentemente temos visto o ofício tipográfico praticado nestas terras, e ela já pegou o bonde andando. Os brasileiros começaram a fazer seus primeiros tipos já com a revolução digital bem encaminhada. Por este motivo, muitas das tradições tipográficas (oriundas da prática manual do design de tipos) pu- deram ser deixadas de lado naquele momento. Por isso mesmo, as primeiras fontes tupiniquins eram frutos de experimentações diversas, aproveitando a sensação de novidade que era fazer uma fonte em um computador. E é aqui que entra a Brasilêro. Projetada porCrystianCruz em 2001, a Brasilêro foi um trabalho acadêmico onde ele decidiu desenvol- ver uma fonte display inspirada na linguagem dos letreiros, cartazes e peças de comunicação visual “toscas” e feitas à mão por pessoas que são muitas vezes semi-analfabetas. Fontes display são, assim como esses letreiros, próprias para uso em con- textos onde há mais liberdade artística e, por isso mesmo, inadequadas para serem usadas em textos longos. Vemos, então, uma fonte divertida e des- pretensiosa com vários dos erros comuns à escrita vernacular, tanto urbana como rural, tais quais a mistura de letras minúsculas em meio a maiúsculas e o espelhamento das letras. //brasileroa fonte projetada em 2001 por Crystian Cruz explora elementos de tipografia vernacular e é inspirada no que vemos escrito pelas ruas do Brasil escreve Luã Leão design36 brasilêro 37 “divertidA e despRetensiosa coM vários dos erros comunS à escrita verNacular, tanto urbAna como Rural, tais Quais a mistura de letrAs minúsculas em Meio a maiúsculas E O espelhameNto das letraS.” //brasilero Talvez você não perceba (e, a não ser que você seja alguém interessado ou que estude o assunto, é melhor que seja assim), mas ela está aqui, presente e ajudando você a ler confortavelmente o texto nas suas mãos.A tipografia é uma disciplina antiga, com regras bem consolidadas (e, talvez, um tanto rígi- das), sendo principalmente uma das fundações do design gráfico como conhecemos hoje. A partir de sua introdução noOcidente, pouco mais de 500 anos atrás por Johannes Gutenberg, experimentamos enormes saltos no que diz respeito à comunicação visual e difusão da língua escrita: primeiro vieram os livros impressos, em seguida, cartazes e panfletos, e, mais recentemente, a revolução digital, resultado da criação da internet (acompanhada dos computa- dores pessoais, claro). Contudo, mesmo tendo sido criado pouco antes da chegada deCabral ao Brasil e apesar da produção gráfica/visual brasileira já estar amadurecida, apenas recentemente temos visto o ofício tipográfico praticado nestas terras, e ela já pegou o bonde andando. Os brasileiros começaram a fazer seus primeiros tipos já com a revolução digital bem encaminhada. Por este motivo, muitas das tradições tipográficas (oriundas da prática manual do design de tipos) pu- deram ser deixadas de lado naquele momento. Por isso mesmo, as primeiras fontes tupiniquins eram frutos de experimentações diversas, aproveitando a sensação de novidade que era fazer uma fonte em um computador. E é aqui que entra a Brasilêro. Projetada porCrystianCruz em 2001, a Brasilêro foi um trabalho acadêmico onde ele decidiu desenvol- ver uma fonte display inspirada na linguagem dos letreiros, cartazes e peças de comunicação visual “toscas” e feitas à mão por pessoas que são muitas vezes semi-analfabetas. Fontes display são, assim como esses letreiros, próprias para uso em con- textos onde há mais liberdade artística e, por isso mesmo, inadequadas para serem usadas em textos longos. Vemos, então, uma fonte divertida e des- pretensiosa com vários dos erros comuns à escrita vernacular, tanto urbana como rural, tais quais a mistura de letras minúsculas em meio a maiúsculas e o espelhamento das letras. //brasileroa fonte projetada em 2001 por Crystian Cruz explora elementos de tipografia vernacular e é inspirada no que vemos escrito pelas ruas do Brasil escreve Luã Leão design36 brasilêro 37 Olho de texto O olho também pode variar de acordo com a estética da matéria, nestes casos, se dá mais importância a eles por isso são usados com um corpo de texto maior . detalhe da utilização de estilo para olho de texto
  30. 30. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Legendas de fotos e ilustrções Chaparral pro light italic 7 pt com substantivos proprios em bold entrelinha 6,158 pt detalhe da utilização de estilo para legendas Quando decidi fazer intercâmbio em 2011 a minha primeira opção de lugar era a França. Eu já estava estudando fran- cês e tinha muita vontade de aproveitar a oportunidade para viajar pela Europa, mas a desculpa que eu dava para mim mesma era a de que a França tem tradição em estudos no curso que estudo,Comunicação Social. E realmente tem, mas os meus maiores aprendizados não foram diretamente relacionados à universidade. Conhecer pessoas do mundo inteiro me marcou muito, confirmou alguns preconceitos que eu tinha e quebrou outros que eu nem imaginava. As coreanas não eram fechadas, ao contrário, gostavam de sair e eram muito mais fortes (alco- olicamente falando) do que eu ou meus amigos de outras nacionalidades. Experimentei um legítimo churrasco coreano e não, a carne não era de cachorro.Os gregos falam tão alto e são tão calorosos quanto nós, brasileiros. E nem todos os franceses têm preconceito com a língua inglesa. Além das surpresas com as outras culturas, eu tive que lidar com as diferenças francesas.Ter que resolver tudo em outra língua era um desafio diário, que aos poucos deixou de ser um grande problema. Uma vida em um semestre escreve Nathalia Saffi +5580 A minha alimentação e até mesmo o jeito de me vestir também mudaram e, apesar do país em que estava e do meu país de origem serem ocidentais, muitas coisas pequenas fa- ziam diferença. Uma coisa muito importante que aprendi foi a valorizar mais o Brasil e re- conhecer que, em alguns aspectos, estamos muito a frente do “primeiro mundo”.Claro que em outros a Europa faz falta, principalmente em assuntos relacionados à segurança e ao transporte. Também era interessante reparar em como as outras pessoas enxergavam o Brasil. Muitas pessoas que conheci sabiam que a nossa ca- pital não é mais o Rio de Janeiro. E desconfio seriamente que La Rochelle, a cidade em que eu morava, tem um caso de amor com a Bahia. A vontade dos rochelaises não era conhecer a Cidade Maravilhosa, mas Ilhéus. Além disso, fiz um amigo da Indonésia que conhecia mais Tom Jobim do que eu. Ele adorava soltar uns “Chega de saudades”, no meio das conversas, mesmo que não fizesse sentido. E falando em saudades, essa deve ter sido a palavra que eu mais ensinei para os amigos estrangeiros. Porque apesar de todas as di- ferenças, uma coisa todos nós tínhamos em comum, que era o sentimento que só a língua portuguesa pode expressar direito. Saudade do país, da família e, principalmente, daquela experiência que nem tinha acabado ainda. No final do meu intercâmbio, quando fiz um mochilão, parecia que as fronteiras não existiam mais. Me sentia livre e à vontade para conhecer os lugares que eu quisesse. As dife- renças não eram um problema e nem medo, mas um presente. Sacre Couer, Paris Tamancos Holandeses, Amsterdam Torre Eiffel, Paris Museu do Louvre, Paris uma vida em um semestre 81 a a um mestre A minha alimentação e até mesmo o jeito de me vestir também mudaram e, apesar do país em que estava e do meu país de origem serem ocidentais, muitas coisas pequenas fa- ziam diferença. Uma coisa muito importante que aprendi foi a valorizar mais o Brasil e re- conhecer que, em alguns aspectos, estamos muito a frente do “primeiro mundo”.Claro que em outros a Europa faz falta, principalmente em assuntos relacionados à segurança e ao transporte. Também era interessante reparar em como as outras pessoas enxergavam o Brasil. Muitas pessoas que conheci sabiam que a nossa ca- pital não é mais o Rio de Janeiro. E desconfio seriamente que La Rochelle, a cidade em que eu morava, tem um caso de amor com a Bahia. A vontade dos rochelaises não era conhecer a Cidade Maravilhosa, mas Ilhéus. Além disso, fiz um amigo da Indonésia que conhecia mais Tom Jobim do que eu. Ele adorava soltar uns “Chega de saudades”, no meio das conversas, mesmo que não fizesse sentido. E falando em saudades, essa deve ter sido a palavra que eu mais ensinei para os amigos estrangeiros. Porque apesar de todas as di- Sacre Couer, Paris Torre Eiffel, Paris uma vida em um semestre 81
  31. 31. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Fólio e cabeçalho Chaparral pro light caption versalete 7 pt numerais tabular oldstyle detalhe da utilização de estilo no fólio e cabeçalho. Os clubes e a As radiolas e os música44 Os clubes e as radiolas tiveram um papel funda- mental no processo de evolução e consolidação do reggae no estado, pois dinamizaram e populariza- ram este gênero musical principalmente na capital, mas em contrapartida, centralizou-o nas mãos de poucos. Com isso, um mercado cultural foi estru- turado em torno deste produto, com regras e leis próprias, em que os empresários (donos de clubes e de radiolas) vivem disputando público, visibilidade, exclusividade, e principalmente o lucro. Essa dispu- ta por mercado e pelo capital, fez muitos donos de radiola ficarem muito ricos e poderosos, investindo cada vez mais nelas. Quem tivesse mais tecnologia e músicas exclusivas, conseguia atrair mais público. “Costumamos escolher uma radiola para torcer por ela. É como time de futebol, temos camiseta com o nome e tudo mais.” No fim de semana em São Luiz, são aproximada- mente 80 clubes de reggae funcionando e cerca de 10 shows acontecem durante a semana.Os vizinhos, ao invéz de reclamar do barulho do som das radiolas (que é bem alto), aproveitam a oportunidade para vender comida ou artesanato para as pessoas que circulam nas calçadas de suas casas, conta Robson. “Todos amam o reggae e não perdem uma só opor- tunidade de apreciá-lo!” As radiolas e os clubes de reggae Uma grande radiola maranhense Todos amam o Reggae e não perdem uma só oportunidade de apreciá-lo! “ Os frequentadores das festas maranhenses, no iní- cio, mesmo não sabendo o nome daquele ritmo, aprovaram a sua cadência mais vagarosa e já bus- cavam seus pares no momento em que era tocado. Dançavam-no de forma similar aos outros rit- mos caribenhos, num intenso deslizar de corpos, com movimentos de muita sensualidade. Desta interferência de passos, nasceu uma das parti- cularidades do reggae maranhense, o dançar coladinho, e hoje, São Luís é o único ou um dos poucos lugares do mundo onde se dança reggae aos pares. “As pessoas estranhavam quando eu Dançando “coladinho“ Casal dançando Reggae ao estilo maranhense falava que dançava Reggae de par com o meu pai. Me perguntavam se tinha como dançar assim, se parecia com o forró.“ acrescenta Lannaya, filha de Robson. Segundo ele, existe todo um jeito corre- to de segurar no parceiro, além disso os passos costumam ser um pouco mais rápidos do que se imagina, pois as músicas mais adequadas para se dançar em par tem um ritmo um pouco mais acelerado. “Quando frequento as casas de reggae no Maranhão, danço com qualquer pessoa que queira trocar energia, não existe preconceito e timidez. Os passos fluem naturalmente“. música44 reggae no maranhão 45
  32. 32. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade O principal elemento gráfico da revista é o losango, inspirado no losango amarelo da bandeira do Brasil. Esse elemento é utilizado em: Encerramento de matérias: losango com altura de 1/2 entrelinha com cor de acordo com as cores da matéria. Indicador de legendas: losango com altura de 1/2 entrelinha e opacidade 70%, podendo ser usado em sentido vertical/horizontal, de acordo com a disposição da fotografia e sentido da legenda. Fólio: meio losango (triângulo) com altura de uma entrelinha utilizado com a cor da divisão em que a página se encontra. pública na realização de eventos artísticos, so- ciais e desportivos, no âmbito do Estado do Rio de Janeiro”. Em resumo, a tal resolução dá ao poder pú- blico o poder de interferir em qualquer evento dessas características, dentro do Estado do Rio deJaneiro.A medida seria tomada em tese para tentar minar a atuação criminosa desses even- tos, muitas vezes organizados por chefes de tráfico de drogas ou de qualquer outro tipo de crime organizado, bem como a própria venda de drogas, prostituição etc. Para as pessoas que vivem em comunidades pobres do Rio, a resolução 13 afeta diretamen- te o cotidiano local, que se vê privado de or- ganizar, por menor que seja, qualquer tipo de evento que trabalharia suas culturas e todo o tipo de lazer. Há hoje, um pedido em forma de abaixo- assinado, para que a resolução seja revogada e que o Estado não interfira mais no que seria de interesse da comunidade, seja um campe- onato de futebol de várzea, um sarau dentro de um boteco qualquer, ou os grandes bailes funk que tanto sofrem preconceito por parte de grande parte da sociedade brasileira.O abaixo- -assinado está no site do Movimento Meu Rio. mido no Rio de Janeiro. Não são as músicas, vistas como agressivas, que influenciam pessoas ao sexo desenfreado, ao con- sumo de drogas e ao crime. Isso é balela.O que leva alguém a isso tudo nada mais é do que a desinfor- mação e a falta de estrutura básica em quase todos os sentidos – em suas casas, suas escolas (ou a falta delas), a dificuldade de encontrar um trabalho que valha e, claro, os eventos culturais tão raros nas par- tes mais pobres de qualquer estado daqui do Brasil. E aí que, em meio a isso, temos a cultura brasileira (não só dos políticos) de sempre encontrar medi- das paliativas para qualquer problema. Nunca houve por essas terras medidas preventivas, com intuito a longo prazo, para que as coisas se desenvolvessem. Se a criminalidade toma conta desses eventos dentro de favelas e comunidades pobres, é porque o Estado nunca lá se preocupou em desenvolver o lugar, desenvolver a cultura e a educação dessas pes- soas. Sempre há de se achar uma medida paliativa para os buracos que nunca são preenchidos porque, claro, esse tipo de ação leva mais de quatro anos e assim, nenhum político vai dar crédito de algo fina- lizado para seu antecessor de outro partido. O problema não é o funk. O problema não são os eventos organizados por criminosos. O problema não é a ignorância da população. O problema é a tentativa de fechar uma rachadura com o dedo, e não com cimento. O outro lado. sília, pelo clima, pela por que o ceu é azul, e eia tudo isso. Mas em gostam de viver em nte, gostam dessa ex- m nada parecido.Os es- encantados com o ver- não consigo equalizar. ta, qual é o panorama o cultural brasiliense ndo boas produções, xista um fetiche com des que quando vem atro e quando artistas resentam a populacao dibilidade. Então essa problemática embora o. Mas nesse aspecto, mudar. Enquanto não rutura de fusão da cul- e dos monopólios, da ande empresas, vamos se problema. Qual é o em 80% da audiência. m casa e vê a Globo, as ficam bem atrás. Não sTVs comunitárias tem A relação do público com os artistas tá prejudicada por isso. Então, eu trabalho com essa perpectiva, de tentar ampliar as possibilidades, de abrir novas opiniões, não só politicas, mas culturais. A Globo é importante, emprega mui- ta gente, mas não pode ser a única, não pode ser o monopólio... E é dificil mudar. Não se coloca esse assunto em discussão, questões de liberdade de imprensa, etc. Temos que ir pensan- do em alternativas para modificar essa situação. O público das décadas de 70 e 80 que continua Brasília sente saudades do que era produzido naquele tempo? Dos que deram depoimentos no livro, todos falam que sentem falta, de que eram felizes e não sabiam, podia-se an- dar a pé, pegar carona tranquilamente. Sentem saudade dos artistas também, alguns morreram, outros se aposenta- ram.Quem viveu aquele período tem sim muita saudade. Observando, lendo e estudando dá pra ver a diferença entre quem viveu aque- la época e quem vive agora. Eu não sou radical a ponto de dizer que tudo que se faz hoje é uma porcaria e só prestava o que era feito naquela época. Há muitas coisas boas sendo produzidas. E ainda, há um novo fator determinante: a tec- nologia. O uso de telefones celulares, internet, TV a cabo, não tínhamos nada disso antes. Hoje estamos mais globali- zados, as influências são maiores. Há 30, 40 anos atrás era muito diferente. Os encontros eram marcados por orelhão! Atualmente a relação é outra. Essa dinâ- mica mudou totalmente, a criatividade, principalmente. E com esse avanço tecnológico e o aces- so aos meios digitais como ficou a pro- dução artística? Eu não diria que é mais fácil, mas é di- ferente. Lidar com artista é complicado. Tem vantagens e desvantagens, pois por outro lado alguém que não tinha acesso a essa tecnologia exercia a criatividade com mais vigor, tinha que ler mais, ir mais atrás das coisas, viajava buscan- do inspiração. Então quando o artista botava pra fora a sua ideia estava mais concentrado, pensava mais.Agora a cria- tividade ficou mais fluida, mais volátil. Essas são as diferenças, alguns aspectos são melhores outros piores. Por trás das cameras do filme Brasiliários, de Zuleica Porto e Sérgio Bazi, produzido pela Candango em 1985, foto Rogério Maldonado de tamanha identificação. Segundo Robson Marlon Morais Ferreira, atual microempresário, a chegada do reggae no Maranhão ainda não foi comprovada, não há ninguém e nenhuma pesquisa que indique uma data exata. São vários fatores que contribuí- ram para que ele chegasse até aqui e pra São Luís ser conhecida como a Jamaica Brasileira. Para Ro- bson, existem diversas semelhanças entre São Luís e a Jamaica como por exemplo, a população negra, que nas duas regiões, é a que mais aprecia o ritmo, o clima e o modo de vida. Alguns apreciadores do reggae, principalmente os que viveram na zona rural, afirmam tê-lo conhecido através dos sons captados depois q 6 anos de carregav mais pare dia seque Segun dominân regiões d bada, o m outros. R semelhan e eram ve umapare os ritmos no Maran aceitação freqüent soubesse va. Aos p duzido n casas atr dos nesse músicas d tocavam fora do e tíssimos, blico, por que ir ao sucesso d Não consigo ficar um dia sequer sem Reggae! “ Baú com CDs e LPs raros que Robson guarda a 7 chaves em seu armário. música44
  33. 33. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade Para compor a paleta de cores da revista foram utilizadas as cores da bandeira do brasil: azul, amarelo e verde, em outros tons para que não ficasse tão caricata. Além dessas, a paleta conta com cores retiradas de paineis de referencia visual: um marrom claro e um escuro, laranja e rosa.
  34. 34. projeto gráfico Impresso Grid Assinatura Elementos Gráficos Paleta de cores Capa Tipografia Estilos de parágrafo Publicidade O tempo não pára. Eu vejo o futuro repetir o passado Cazuza, 1988 Publicidade A revista terá um espaço destinado à publicidade, que será o lado esquerdo da página dupla de abertura das subdivisões. Como são quatro páginas de abertura, a revista terá quatro páginas simples destinadas a publicidade.
  35. 35. impressão da boneca
  36. 36. impressão da boneca
  37. 37. impressão da boneca
  38. 38. impressão da boneca
  39. 39. impressão da boneca
  40. 40. Revista sobre cultura brasileira projeto desenvolvido por Ana Cecília Schettino, Beatriz Saffi e Camila Sugai no 1º/2012 durante a disciplina Programação Visual 3, do Departamento de Desenho Industrial, Instituto de Artes, Universidade de Brasília — UnB. culturacamara.wordpress.com Obrigada!

×