Can a full-timeclinical pharmacistincrease thequality of patientcare and improvevalue for money inPaediatrics?Redesigning,...
“Não há nada tão poderoso como uma ideia cujo tempo chegou.”VICTOR HUGO
1. REALIDADE                                                                    01               No passado as formas prim...
1. REALIDADE                                01        MEDICAMENTO        COMPONENTE CENTRAL DO        SISTEMA DE SAÚDE
1. REALIDADE                                  02...MAS NEM POR ISSO A SUA UTILIZAÇÃOTEM SIDO OPTIMIZADA, COMPROMETENDO AQU...
1. REALIDADENo Reino Unido tem se verificado um aumento do número de mortes                                               ...
1. REALIDADE                                  02        UTILIZAÇÃO NÃO RACIONAL                 DO MEDICAMENTO
1. REALIDADE                                  03                     ?               POSSÍVEIS RAZÕES
1. REALIDADE                                                                             03MAIOR ESPECIFICADE ...CONSEQUEN...
1. REALIDADE                                  03IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPAONDE CADA PROFISSIONAL DE SAÚDEPRESTA O S...
1. REALIDADE                                                                          04“PHARMACISTS ARE THEEXPERTS IN MED...
1. REALIDADE                                                                                 04ESTUDOS DEMONSTRAM QUE:  Um...
1. REALIDADE                                                04       A evidência gerada sustenta claramente       os benef...
1. REALIDADE                                 04           FARMACÊUTICOS           PROFISSIONAIS E           ESPECIALISTAS ...
1. REALIDADE               04
1. REALIDADE  ...NESTE CONTEXTO, CABE AOS  FARMACÊUTICOS UMA  RESPONSABILIDADE FUNDAMENTAL  E ESTRATÉGICA NA  GESTÃO DO ME...
2. OBSTÁCULOS                 ?         OBSTÁCULOS A VENCER
2. OBSTÁCULOS... MAS MUITOS SERVIÇOSFARMACÊUTICOS ESTÃO MUITOAFASTADOS DAS TOMADAS DE DECISÃOE NÃO TÊM INFLUÊNCIA DIRECTA ...
3. SOLUÇÃO                 ?         SOLUÇÃO PARA VENCER
3. SOLUÇÃO “Healthcare systems fail to provide treatments that are known to work, persist in using treatments that don’t w...
3. SOLUÇÃO  ... HÁ URGÊNCIA EM REDESENHAR  O SISTEMA TRADICIONAL DE SAÚDE!...
4R =R       estruturar       edesenhar       epensar       eorganizar
1. INTERVENÇÃO DO GOVERNO                                      R   4      O GOVERNO BRITÂNICO INTERVÉM:      INVESTE DINHE...
1. INTERVENÇÃO DO GOVERNO                                                         R      4                       “We would...
1. INTERVENÇÃO DO GOVERNO                                                                   R   4“THE NHS PLAN”           ...
1. INTERVENÇÃO DO GOVERNO                                                                       R   4“THE NHS PLAN”       ...
REDESIGN DOS SERVIÇOS DE SAÚDE EM TORNO DO DOENTE
2. SIGNIFICADO DO “HEALTHCARE REDESIGN”                                          R   4                       ?   ENTÃO, O ...
2. SIGNIFICADO DO “HEALTHCARE REDESIGN”                                                                            R     4...
2. SIGNIFICADO DO “HEALTHCARE REDESIGN”                                                                                R  ...
2. SIGNIFICADO DO “HEALTHCARE REDESIGN”                                                                              R   4...
“REDESIGN” dos Serviços Farmacêuticos HospitalaresA Contribuição da Farmácia como parteintegrante do NHS para o Plano do G...
“REDESIGN” dos Serviços Farmacêuticos Hospitalares                                                                        ...
Redesign of services around the PATIENT’S JOURNEY              “By touching upon the patient journey,              we are ...
Redesign of services around the PATIENT’S JOURNEY“Educating pharmacists for their new role in the health care team is link...
Barts and The London                                                                 NHS TrustUM EXEMPLO REAL DE “REDESIGN...
Barts and The London                                                                                             NHS Trust...
Barts and The London                                                                                             NHS Trust...
Barts and The London                                                                                            NHS Trust ...
Barts and The London                                                                                                      ...
Barts and The London                                                                                                      ...
Barts and The London                                                                                                      ...
Barts and The London                                                                                                      ...
Barts and The London                                                                                  NHS Trust           ...
Barts and The London                                                                                            NHS Trust ...
O VALOR DO ESTUDOConstitui um passo típico de uma iniciativa de “redesign”, isto é, é necessário confirmar que as mudanças...
RECOMENDAÇÕESRevisão da posição dos serviços farmacêuticos hospitalares e do acto farmacêutico no sistemade saúde actual;D...
REFLEXÕESNos esperamos que a farmacêutica e os serviços farmacêuticos usem estas evidências e os resultados desteestudo pa...
REFLEXÕES   O futuro da profissão passa pela luta difícil, mas necessária, de   contribuirmos cada vez mais interventivame...
REFLEXÕES            “How wonderful it is that nobody need            wait a single moment before starting to            i...
Can a full-time clinical pharmacist increase the quality of patient care and improve value for money in Paediatrics?
Can a full-time clinical pharmacist increase the quality of patient care and improve value for money in Paediatrics?
Can a full-time clinical pharmacist increase the quality of patient care and improve value for money in Paediatrics?
Can a full-time clinical pharmacist increase the quality of patient care and improve value for money in Paediatrics?
Can a full-time clinical pharmacist increase the quality of patient care and improve value for money in Paediatrics?
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Can a full-time clinical pharmacist increase the quality of patient care and improve value for money in Paediatrics?

527 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
527
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Can a full-time clinical pharmacist increase the quality of patient care and improve value for money in Paediatrics?

  1. 1. Can a full-timeclinical pharmacistincrease thequality of patientcare and improvevalue for money inPaediatrics?Redesigning, monitoring andevaluation of health services
  2. 2. “Não há nada tão poderoso como uma ideia cujo tempo chegou.”VICTOR HUGO
  3. 3. 1. REALIDADE 01 No passado as formas primárias de tratamento eram a hospitalização e a cirurgia, hoje a intervenção terapêutica mais comum é o uso de medicamentos. O envelhecimento da população com a consequente cronicidade de certas patologias tem conduzido a um aumento do consumo de medicamentos. O aumento da informação dos utentes associado à maior procura e ao maior acesso aos cuidados de saúde levou a que mais doentes fossem tratados. Graças aos avanços tecnológicos e científicos, as novas terapias desenvolvidas têm possibilitado tratar um maior número de doentes.
  4. 4. 1. REALIDADE 01 MEDICAMENTO COMPONENTE CENTRAL DO SISTEMA DE SAÚDE
  5. 5. 1. REALIDADE 02...MAS NEM POR ISSO A SUA UTILIZAÇÃOTEM SIDO OPTIMIZADA, COMPROMETENDO AQUALIDADE DOS SERVIÇOS DE SAÚDEE LEVANDO A DESPESAS INSUSTENTÁVEIS...
  6. 6. 1. REALIDADENo Reino Unido tem se verificado um aumento do número de mortes 02atribuídas a erros de medicação e a reacções adversas a medicamentos(600 mortes em 1995 e 1200 em 2000).Os erros de medicação e reacções adversas a medicamentos custam por ano aosistema nacional de saúde inglês (NHS) meio bilião de libras.Estudos sugerem que reacções adversas e erros de medicação são frequentemente motivo parareadmissões hospitalares e prolongamentos no período de internamento, sendo que 10% de todas asadmissões estão associadas a reacções adversas a medicamentos e erros de medicação.No Reino Unido a principal causa de erros de medicação são doses mal prescritas (67%), sendo asegunda maior causa a falta de monitorização da terapêutica (19%). Os erros de medicação mais gravestêm origem no momento da prescrição.Actualmente os farmacêuticos passam uma parte significativa do seu tempo a anotare a emendar as prescrições dos doentes. No entanto, estas intervenções acontecem, em média, 48 horasdepois da medicação ter sido dada ao doente.Estudos estimam que mais de 50% dos doentes não tomam os medicamentos como lhe são prescritos.Um quarto das readmissões hospitalares são devidas a este facto.
  7. 7. 1. REALIDADE 02 UTILIZAÇÃO NÃO RACIONAL DO MEDICAMENTO
  8. 8. 1. REALIDADE 03 ? POSSÍVEIS RAZÕES
  9. 9. 1. REALIDADE 03MAIOR ESPECIFICADE ...CONSEQUENTE COMPLEXIDADE !!! Os avanços tecnológicos e científicos na área farmacêutica rapidamente conduziram ao aparecimento de novos fármacos, que sendo cada vez mais eficazes, são também cada vez mais tóxicos. Devido a um crescente número de medicamentos prescritos (polifarmácia) e à elevada toxicidade destes medicamentos as terapêuticas medicamentosas prescritas são de natureza cada vez mais complexa. O aumento do número e variedade de ferramentas terapêuticas, os avanços tecnológicos, a inovação terapêutica, a proliferação dos “me too” e o aparecimento de novas doenças ultrapassaram claramente a capacidade de conhecimento e de intervenção em todas as áreas por parte dos diferentes profissionais de saúde.
  10. 10. 1. REALIDADE 03IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPAONDE CADA PROFISSIONAL DE SAÚDEPRESTA O SEU CONTRIBUTO DE ACORDO COMA ÁREA DE CONHECIMENTO E ESPECIALIZAÇÃOQUE POSSUI.
  11. 11. 1. REALIDADE 04“PHARMACISTS ARE THEEXPERTS IN MEDICATION THERAPY,COMPARED TO NURSES AND PHYSICIANS,…”;“THEY’VE HAD THE MOST STUDY IN MEDICATIONAND ARE THE BEST-SUITED TO COUNSELON PATIENT’S MEDICATION THERAPY.” (Jill Haug, Director da “American Society Health-System Pharmacists”)
  12. 12. 1. REALIDADE 04ESTUDOS DEMONSTRAM QUE: Um quinto a um quarto das prescrições médicas durante o período de internamento são corrigidas pelos farmacêuticos, sendo estes cinco vezes mais precisos que os médicos na escrita das prescrições. Os serviços de farmácia clínica contribuem (através da educação do doente) para o aumento da adesão à terapêutica. A participação do farmacêutico nas equipas clínicas multidisciplinares produz benefícios positivos nos resultados clínicos do doente, reduz significativamente os erros de prescrição, melhora a qualidade da prescrição médica e reduz a despesa. O investimento em farmácia clínica, quando programado, melhora a qualidade dos cuidados de saúde e reduz a despesa. Os serviços de farmácia clínica estão associados à redução das taxas de mortalidade, das despesas em medicamentos, dos gastos totais com os cuidados de saúde, e do período de hospitalização.
  13. 13. 1. REALIDADE 04 A evidência gerada sustenta claramente os benefícios do farmacêutico nas actividades clínicas.
  14. 14. 1. REALIDADE 04 FARMACÊUTICOS PROFISSIONAIS E ESPECIALISTAS DO MEDICAMENTO
  15. 15. 1. REALIDADE 04
  16. 16. 1. REALIDADE ...NESTE CONTEXTO, CABE AOS FARMACÊUTICOS UMA RESPONSABILIDADE FUNDAMENTAL E ESTRATÉGICA NA GESTÃO DO MEDICAMENTO....
  17. 17. 2. OBSTÁCULOS ? OBSTÁCULOS A VENCER
  18. 18. 2. OBSTÁCULOS... MAS MUITOS SERVIÇOSFARMACÊUTICOS ESTÃO MUITOAFASTADOS DAS TOMADAS DE DECISÃOE NÃO TÊM INFLUÊNCIA DIRECTA NAGESTÃO CLÍNICA E NOS CUIDADOS DESAÚDE DO DOENTE ...
  19. 19. 3. SOLUÇÃO ? SOLUÇÃO PARA VENCER
  20. 20. 3. SOLUÇÃO “Healthcare systems fail to provide treatments that are known to work, persist in using treatments that don’t work, enforce delays, and tolerate high levels of error. Healthcare leaders are now recognising … that the healthcare system needs radically redesigning.” “In principle, healthcare organizations around the world have always aimed to serve patients. In practice, however, they do not always put patient’s needs and preferences first over the convenience of the organisation.”
  21. 21. 3. SOLUÇÃO ... HÁ URGÊNCIA EM REDESENHAR O SISTEMA TRADICIONAL DE SAÚDE!...
  22. 22. 4R =R estruturar edesenhar epensar eorganizar
  23. 23. 1. INTERVENÇÃO DO GOVERNO R 4 O GOVERNO BRITÂNICO INTERVÉM: INVESTE DINHEIRO EM TROCA DE MODERNIZAÇÃO E REFORMAS NO SISTEMA DE SAÚDE.
  24. 24. 1. INTERVENÇÃO DO GOVERNO R 4 “We would spend this money if, but only if, we also changed the chronic system failures of the NHS. Money had to be accompanied by modernization; investment, by reform… It is, in a very real sense, our chance to prove for my generation and that of my children, that a universal public service can deliver what people expect in today’s world.”
  25. 25. 1. INTERVENÇÃO DO GOVERNO R 4“THE NHS PLAN” O plano do governo para o Sistema Nacional de Saúde Inglês (NHS Plan), estabelecido no ano 2000, tem como propósito proporcionar a todos os cidadãos um serviço de elevada qualidade centrado no doente. O doente, como contribuinte que é, quer o melhor tratamento no mais curto espaço de tempo, esperando a melhor prática clínica por parte de todos os profissionais de saúde.
  26. 26. 1. INTERVENÇÃO DO GOVERNO R 4“THE NHS PLAN” Descreve como: redesenhar os cuidados de saúde em torno do doente; melhorar a qualidade dos cuidados de saúde; tirar o melhor partido das competências e da dedicação do staff do NHS. “The NHS will shape its services around the needs and preferences of individual patients, their families and their carers.” NHS Core Principles
  27. 27. REDESIGN DOS SERVIÇOS DE SAÚDE EM TORNO DO DOENTE
  28. 28. 2. SIGNIFICADO DO “HEALTHCARE REDESIGN” R 4 ? ENTÃO, O QUE SIGNIFICA “HEALTHCARE REDESIGN”
  29. 29. 2. SIGNIFICADO DO “HEALTHCARE REDESIGN” R 4 Definição de “Healthcare Redesign” “Healthcare redesign” = restruturar; redesenhar; repensar; reorganizar os cuidados de saúde. Consiste em mudar os processos e práticas profissionais, de forma a eliminar atrasos e esperas desnecessárias, duplicação de processos, passos desnecessários, razões para potenciais erros, garantindo melhorias radicais nos cuidados de saúde prestados.
  30. 30. 2. SIGNIFICADO DO “HEALTHCARE REDESIGN” R 4Passos típicos de uma iniciativa de “redesign”de um serviço de saúde:1 traçar todos os processos e práticas de cuidados de saúde existentes (as diferentes etapas do percurso do doente);2 identificar problemas e falhas de todo o processo, e questionar o motivo pelo qual cada passo do processo é feito, por quem é feito, onde, em que sequência e se ainda poderá ser melhorado de alguma maneira;3 imaginar como seria um processo ideal;4 identificar quais as mudanças práticas ao processo em curso para o tornar próximo do processo ideal;5 implementar essas mudanças no processo;6 testar as mudanças implementadas e avaliar até que ponto resultaram em aperfeiçoamento do processo.
  31. 31. 2. SIGNIFICADO DO “HEALTHCARE REDESIGN” R 4 “every system is perfectly designed to get the results that it getsif we want to change the patient experience, we must change the systemto change the system, we must think in fundamentally different ways” (Donald Berwick, Institute of Healthcare Improvement, Boston, USA)
  32. 32. “REDESIGN” dos Serviços Farmacêuticos HospitalaresA Contribuição da Farmácia como parteintegrante do NHS para o Plano do Governopara o NHS:O Governo Britânico através dos documentos“Pharmacy in the Future – Implementing the NHS Plan,A programme for pharmacy in the National Health Service”do ano 2000 e “A Vision for Pharmacy in the New NHS”do ano 2003 pretende definir a posição da Farmácia e dosServiços Farmacêuticos no Sistema Nacional de Saúde.
  33. 33. “REDESIGN” dos Serviços Farmacêuticos Hospitalares R 4Os Serviços Farmacêuticos devem: ser desenhados à volta das necessidades do doente e não das organizações; estar integrados nos outros serviços de saúde; fazer o melhor uso do staff e das suas competências; tirar o melhor partido das tecnologias modernas.O Farmacêutico deve: canalizar o seu tempo e dedicação para as necessidades clínicas do doente.Os cuidados de saúde não devem estar condicionados pelas demarcações profissionaistradicionais rígidas, devendo o direito à prescrição ser alargado também aofarmacêutico, para que se faça um melhor uso das suas competências clínicas.
  34. 34. Redesign of services around the PATIENT’S JOURNEY “By touching upon the patient journey, we are able to begin to illustrate how the system will need to change if it is to be truly designed around the patient.” (Consumers’ Association – The Patient Journey Information)
  35. 35. Redesign of services around the PATIENT’S JOURNEY“Educating pharmacists for their new role in the health care team is linked to the redesign ofservices around the patient’s journey…Services need to be integrated horizontally at all stages in order to follow the patient’s journey.For pharmacy this means developing a service based on an individual assessment of eachpatient, delivered by teams of pharmacists and technicians.”…“This enables pharmacists to verify treatment decisions and monitor and evaluate patientoutcomes, resulting in a pharmacy service based on individual patient assessment andseparation of clinical and dispensing tasks, with pharmacists and technicians mutuallysupporting each other’s roles.”(Professor Steve Hudson, Professor de Cuidados Farmacêuticos, University of Strathclyde, Escócia)
  36. 36. Barts and The London NHS TrustUM EXEMPLO REAL DE “REDESIGN” DE SERVIÇOS FARMACÊUTICOS HOSPITALARES A implementação de um serviço de farmácia clínica a tempo inteiro em duas enfermarias pediátricas do Hospital Inglês Royal London Hospital
  37. 37. Barts and The London NHS Trust CONTEXTONuma iniciativa de “redesign” de serviços farmacêuticos hospitalares foi implementado um serviço de farmácia clínica atempo inteiro em duas enfermarias pediátricas...A recordar... Passos típicos de uma iniciativa de “redesign” de um serviço de saúde: 1 traçar todos os processos e práticas de cuidados de saúde existentes (as diferentes etapas do percurso do doente); 2 identificar os problemas e falhas do processo e questionar o motivo pelo qual cada passo do processo é feito, por quem é feito, onde, em que sequência e se ainda poderá ser melhorado; 3 imaginar como seria um processo ideal; 4 identificar quais as mudanças práticas ao processo em curso para o tornar próximo do processo ideal; 5 implementar essas mudanças no processo; 6 testar as mudanças implementadas e avaliar até que ponto resultaram em aperfeiçoamento do processo. OBJECTIVO DO TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO Mudança implementada: tempo do farmacêutico dedicado a actividades clínicas - passou de 1 hora/dia a tempo inteiro.
  38. 38. Barts and The London NHS Trust OBJECTIVOTestar as mudanças implementadas e avaliar até que ponto resultaram em melhoramento dos serviços de saúdeprestados.Com o intuito de pôr em prática o geral objectivo do trabalho, foi determinado o impacto da implementaçãodo serviço de farmácia clínica a tempo inteiro a 3 diferentes níveis: 1 Implementação do programa “medicines management”; 2 Tempo de distribuição dos medicamentos; 3 Notificação dos incidentes de medicação. 1 2 3
  39. 39. Barts and The London NHS Trust METODOLOGIA ADOPTADAO impacto do novo serviço implementado foi determinado por comparação deste serviço (farmácia clínica a tempo inteiro)com o serviço anterior (farmácia clínica de 1hora/dia).Amostra: doentes das enfermarias onde foi implementado o serviço de farmácia clínica a tempo inteiro.Grupo de controlo: doentes de duas enfermarias com serviço de farmácia clínica de 1 hora/dia.1 Revisão e pesquisa bibliográfica (com o objectivo de conhecer o funcionamento do serviço nacional de saúde do Reino Unido e o papel do farmacêutico clínico) para identificar a melhor prática com base em “guidelines” nacionais e locais;2 Desenvolvimento de um questionário, de acordo com a revisão bibliográfica, para registo e documentação das intervenções clínicas prestadas pela farmacêutica;3 Realização de um estudo piloto;4 Análise dos resultados do estudo piloto e optimização do questionário;5 Registo das actividades clínicas prestadas pela farmacêutica (por observação directa e por consulta de documentos: registos médicos, notas das enfermeiras, prescrições,...);6 Desenvolvimento de uma base de dados para introdução dos dados recolhidos (SPSS 13.0);7 Análise dos resultados obtidos (determinação do impacto do serviço prestado e dos “outcomes” resultantes das actividades da farmacêutica).
  40. 40. Barts and The London NHS Trust RESULTADOS ADMISSÃO INTERNAMENTO ALTA - História Medicamentosa; - Acompanhamento e participação na visita clínica; - Decisão da terapêutica medicamentosa; - Reforço da educação do doente; - Alergias e Reacções Adversas; - Processo de escrita da prescrição; - Resolução de PRMs; - Comunicação efectiva com as - Formulação medicamentosa preferida pelo - Monitorização da terapêutica; entidades de saúde de cuidados doente; - Monitorização e avaliação das prescrições; primários (transferência de informação - Informação permanente a todos os profissionais de entre o hospital e os cuidados - Avaliação dos medicamentos do próprio saúde; primários). doente. - Planeamento do processo de alta. Pharmacist attended to daily w ard round TTA done in advance DH taken by the Pharmacist PODs used during patient stay PODs in TTA Pharmacist ordered CIVAS medication Medicines TTA labelled DH taken on same day of admission Pharmacist intervene in the use of unlicensed medicines Medicines ready on the w ard Supporting the nurses in the use of unlicensed medicines Medicines from dispensary DH taken on day after admission Full time service Full time Service TTA completed on the w ard 1 hour/day service Supporting the doctors in the use of unlicensed medicines Full time Service 1 hour/day Service 1 hour/day Service Endorsements in TTA Pharmacist checked for know n allergies/ADRs Pharmacist checked EPR Amendments in TTA Endorsements in IPPharmacists intervention by changing medication in Therapeutical Discussion implemented clinical significance allergies Amendments in IP Patient/Parents counselled about medication to take home Therapeutical Discussion implemented by the Pharmacist Compliance box filled by the Pharmacist Written medication regime Doctor communicated verbally+Written in IP Communication to 1st/2nd/3rd care done by the Pharmacist 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%  Melhoria na qualidade da prescrição;  Melhoria na qualidade da prescrição;  Melhoria na qualidade da prescrição  Redução do nº de readmissões;  Redução do risco: redução das reacções  Redução do risco: redução das reacções adversas e  Aumento da adesão à terapêutica; adversas e dos erros de medicação; dos erros de medicação;  Redução do período de internamento do doente;  Redução dos PRMs;  Redução dos PRMs;  Redução dos tempos de espera do doente;  Redução do desperdício em medicamentos. .  Redução do desperdício em medicamentos.  Redução do desperdício em medicamentos.
  41. 41. Barts and The London NHS Trust RESULTADOS ADMISSÃO Comparação das actividades clínicas entre os 2 níveis de serviço farmacêutico no momento da admissão DH taken by the Pharmacist DH taken on same day of admission DH taken on day after admission Full time service 1 hour/day service Pharmacist checked for know n allergies/ADRsPharmacists intervention by changing medication in clinical significance allergies Compliance box filled by the Pharmacist 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
  42. 42. Barts and The London NHS Trust RESULTADOS INTERNAMENTO Comparação das actividades clínicas entre os 2 níveis de serviço farmacêutico durante o período de internamento Pharmacist attended to daily w ard round PODs used during patient stay Pharmacist ordered CIVAS medication Pharmacist intervene in the use of unlicensed medicinesSupporting the nurses in the use of unlicensed medicinesSupporting the doctors in the use of unlicensed medicines Full time Service 1 hour/day Service Pharmacist checked EPR Endorsements in IP Amendments in IP Therapeutical Discussion implemented Doctor communicated verbally+Written in IP 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
  43. 43. Barts and The London NHS Trust RESULTADOS ALTA Comparação das actividades clínicas entre os 2 níveis de serviço farmacêutico no momento de alta TTA done in advance PODs in TTA Medicines TTA labelled Medicines ready on the w ard Medicines f rom dispensary TTA completed on the w ard Full time Service 1 hour/day Service Endorsements in TTA Amendments in TTA Therapeutical Discussion implemented Patient/Parents counselled about medication to take home by the Pharmacist Written medication regimeCommunication to 1st/2nd/3rd care done by the Pharmacist 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
  44. 44. Barts and The London NHS Trust DISCUSSÃO TEMPO INVESTIDO em Serviços de Farmácia Clínica Formação: Profissional e Especialista do Medicamento- Acompanhamento farmacêutico contínuo do doente;- Presença e a participação do farmacêutico nas visitasclínicas diárias;- Integração do farmacêutico na equipa clínica. Conhecimento e + informação acerca do Conhecimento e DOENTE e seu estado informação acerca dos clínico MEDICAMENTOS INTERVENÇÕES CLÍNICAS DO FARMACÊUTICO “OUTCOMES” POSITIVOS
  45. 45. Barts and The London NHS Trust CONCLUSÕESO serviço de farmácia clínica a tempo inteiro implementado: teve um impacto positivo tanto ao nível dos resultados clínicos do doente como ao nível dos custos dos cuidados de saúde prestados; demonstrou que a influência directa do farmacêutico na gestão clínica e nos cuidados de saúde do doente resulta em “outcomes” positivos; provou fazer melhor uso do staff, nomeadamente dos conhecimentos e competências do farmacêutico. Conhecimento gerado: A melhor forma para melhorar os cuidados de saúde prestados e reduzir os custos é investir e promover os serviços de farmácia clínica. Um serviço de farmácia clínica a tempo inteiro é a melhor forma para garantir a canalização do conhecimento farmacêutico para áreas de intervenção clínica e para focalizar a atenção do farmacêutico no doente e, deste modo, garantir a utilização racional do medicamento.
  46. 46. O VALOR DO ESTUDOConstitui um passo típico de uma iniciativa de “redesign”, isto é, é necessário confirmar que as mudançasimplementadas resultaram em melhoramento e modernização dos serviços de saúde. Por outras palavras:demonstrar que o serviço implementado proporcionou um benefício suficiente relativamente ao capitalinvestido.“Investment in clinical pharmacy services needs initial funding, but a good clinical pharmacist will save his orher salary in the same financial year.”Como trabalho de investigação, que gera evidências acerca da melhor prática profissional e que, por isso,deve ser tido em conta no momento de definição das políticas de saúde, que por sua vez definem a práticaprofissional.“A melhor forma para melhor os cuidados de saúde prestados e reduzir os custos é investir e promover osserviços de farmácia clínica.”Reconhecimento e aceitação da importância do papel do farmacêutico como elemento fundamental da equipa de cuidados clínicos ecomo parceiro estratégico dos sistemas de saúde.O registo e avaliação do impacto das actividades desenvolvidas pelo farmacêutico, para além de demonstrar a capacidade e acompetência deste em assumir a total responsabilidade de todas as suas decisões, torna o farmacêutico ainda mais responsável econfiante nas suas competências e com maior auto-estima para assumir este desafiante e gratificante papel!“I enjoy watching patients get better right before my eyes and knowing that I had a hand in it,”... “But it’s serious business, because if yourecommended a drug to the doctor and harm comes to the patient, then you feel responsible.”Matsune, farmacêutico clínico de Valley Care Health System in Pleasanton, California.
  47. 47. RECOMENDAÇÕESRevisão da posição dos serviços farmacêuticos hospitalares e do acto farmacêutico no sistemade saúde actual;Demonstração da capacidade e da competência do farmacêutico para assumir a totalresponsabilidade de todas as necessidades relacionadas com a terapêutica do doente;Integração do farmacêutico em equipas multidisciplinares de cuidados de saúde;Luta pela autonomia farmacêutica e pelo direito à prescrição do acto farmacêutico no processo clínico do doente;Separação das funções clínicas das funções técnicas (distribuição de medicamentos);Reconhecimento e aceitação da importância do papel do farmacêutico como elemento fundamental da equipa decuidados clínicos e como parceiro estratégico dos sistemas de saúde ;Estreitamento de ligações entre trabalhos de investigação, prática profissional e políticas de saúde.
  48. 48. REFLEXÕESNos esperamos que a farmacêutica e os serviços farmacêuticos usem estas evidências e os resultados desteestudo para continuarem a desenvolver os serviços de farmácia clínica. Assim, face aos resultados desteestudo e com base nas evidências geradas, importa implementar acções específicas para desenvolver afarmácia clínica, com vista à melhoria da sua eficiência e da qualidade dos seus serviços, tendo comoobjectivo final o utente e sistema de saúde.Chegou o tempo de validar, com base nas evidências geradas, os benefícios do farmacêutico nas actividadesclínicas. Todos os sectores da profissão (académicos, clínicos, comunitários e institucionais) devem agora darum passo em frente, num estilo uniformizado, para seguramente informar o utente, os outros profissionais desaúde, administradores do sistema de saúde acerca do papel decisivo e imprescindível do farmacêutico noscuidados de saúde do doente.Entretanto, mais estudos são necessários para, de forma rigorosa, avaliar os “verdadeiros” custos das actividades farmacêuticasclínicas, documentar os “outcomes” resultantes destas mesmas actividades e comparar isto ao sistema tradicional de saúde.As evidências geradas por estes trabalhos de investigação são de valor inestimável para a profissão farmacêutica afirmar a suaautonomia como o pilar básico que defende os interesses do doente e estabelecer a sua posição num ambiente de cuidados desaúde cada vez mais competitivo, constituindo-se cada vez mais como parceira estratégica dos sistemas de saúde.O farmacêutico deve deixar de lado as tarefas meramente técnicas para os técnicos de farmácia, robôs e sistemas automatizados,para se integrar em equipas multidisciplinares de saúde, colocando sempre o doente no centro de todas as suas actividades. Sóassim, o farmacêutico conseguirá pôr em prática todos os conhecimentos adquiridos, competências e capacidades que possui, edesenvolver as suas potencialidades na totalidade, contribuindo de uma forma única, indispensável e decisiva para a qualidade dosserviços de saúde.
  49. 49. REFLEXÕES O futuro da profissão passa pela luta difícil, mas necessária, de contribuirmos cada vez mais interventivamente nos cuidados de saúde, tornando-nos essenciais à prática clínica.
  50. 50. REFLEXÕES “How wonderful it is that nobody need wait a single moment before starting to improve the world.” ANNE FRANK

×