18 11 2010 elisabete jorgino pre projeto de pesquisa

1.500 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.500
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
83
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

18 11 2010 elisabete jorgino pre projeto de pesquisa

  1. 1. Mercado de Trabalho e Formação - Brasilséculo XXI: Um Estudo no Município de Cotia – FMS PROJETO DE PESQUISA Autor(a): Elisabete Jorgino Ferreira Coelho Ano: 2010
  2. 2. Trabalho exigido como avaliação da DisciplinaMétodos de Investigação e Escrita Científica, soborientação da Profa. Dra. Suely Galli doPrograma de Mestrado em Ciências daEducação na Especialidade de AdministraçãoEscolar.
  3. 3. Título do trabalho: Mercado de Trabalho e Formação – Brasil século XXI: UmEstudo no Município de Cotia – FMS.Autor(a): Elisabete Jorgino Ferreira CoelhoInstituição: Faculdade Mario SchenbergPrograma de Mestrado em Ciências da Educação na Especialidade deAdministração Escolar Cotia, São Paulo, 2010Docente Responsável: Profa. Dra. Suely Galli Soares Projeto de PesquisaTítulo: Mercado de Trabalho e Formação – Brasil século XXI: Um Estudo noMunicípio de Cotia – FMS.INTRODUÇÃO:Formada em ciências exatas e humanas, atuo aproximadamente 20 anos na áreade Recursos Humanos, passando por todos os sub-sistemas tendo aoportunidade de participar da implantação destes, em uma multinacional européiafoi quando consolidei a conexão entre a prática e a teoria. Sempre em contatoscom os profissionais nas organizações, seja na área administrativo-financeiro, sejano Recursos Humanos o destino se encarrega de inovar minha carreira onde nosúltimos 6 anos aproximadamente, atuo como Headhunter “caça talentos”,voltado para os seguintes segmentos: indústria automobilística, eletroeletrônico,construção civil e agregados, estando do outro lado da mesa enxergando adificuldade da recolocação de profissionais, ora por força da carreira desenvolvida,ora por força do perfil comportamental do qual é responsável pelo índice crescentede reprovação dos executivos em processos seletivos nos últimos anos. Aindaneste período ingresso na docência universitária ministrando aulas das duas áreasde formação e experiência. Isto estimula o desenvolvimento da pesquisa nestalinha de mercado de trabalho e formação com o objetivo de auxiliar a carreiradestes protagonistas, para melhorar detalhar a linha de pesquisa dar-se-á inicio nopróximo parágrafo o relato.As mudanças tecnológicas trouxeram grandes transformações nos modelos deprodução, exigindo cada vez mais um conhecimento especializado para atuar
  4. 4. neste cenário complexo a fim de competir no mercado do trabalho, o jovem porsua vez, deve prepara-se para inserir neste novo modelo, agregado ao perfilapresentado por boa parte da faixa etária entre 16 à 25 anos, pois carregam asseguintes habilidades: domínio em tecnologia de ponta, curiosidade pelo novo,rapidez, imediatismo o que nesta última habilidade vem não contribuir para umacarreira sólida. Os jovens acompanham mudanças porém não transformam asinformações recebidas e testadas em conhecimentos, não consolidando a áreadevido a rapidez e a corrida por resultados atropela o velho planejamento nãocontribuindo na pesquisa e validação das informações atingindo a utopia de queestas informações são relevantes para o desenvolvimento deste na sociedade. O desemprego hoje é um problema que afeta uma parcela significativa dapopulação e uma nova onda de qualificação profissional leva as instituições deformação técnica e superior a rever seus currículos e programas na tentativa deadequar as novas demandas por mão de obra qualificada. A preocupação não limita-se a novos cursos ou profissões, tendo outro focono desenvolvimento deste novo líder, transformar o jovem à adaptabilidade doscenários corporativos, desenvolver perfis comportamentais resilientes não é tarefanada fácil para o jovem de hoje o que atrelado a isto o senso crítico, que cada vezmais esta escasso nos jovens, ao longo dos anos morreu na sociedade. Sobreesta reflexão: “...O sofrimento humano mediatizado pela sociedade de informação está transformado numa telenovela interminável em que as cenas dos próximos capítulos são sempre diferentes e sempre iguais às cenas dos capítulos anteriores. Esta trivialização traduz-se na morte do espanto e da indignação. E esta, na morte do inconformismo e sua rebeldia.” Santos, 1989.Boaventura descreve adequadamente a situação da cidadania nos dias atuais, nasua Pedagogia do Conflito provocando o jovem a movimentar-se.
  5. 5. Pelo fato do jovem ser o futuro se faz necessário a reflexão sobre formaçãoadequada para todos com destino a inserção adequada no mercado de trabalho.As preocupações que motivam este estudo é a forma como o jovem esta secomportando neste meio mediante a escolha de sua carreira e ainda como sesente nesta locomotiva de conhecimento que hoje está disponibilizado pelaInternet com informações das mais diversas áreas e setores do mercadoindustrial, comercial e de serviços..Questionamos também quais as diretrizes que este jovem deve ter para melhor sepreparar para o mercado de trabalho, criando um mecanismo avaliativo quando doingresso deste jovem na Instituição de Ensino a fim de minimizar futurosprofissionais frustrados ou instável no mercado de trabalho, identificar qual avocação, quais suas habilidades e o que poderá fazer bem feito é um dosprincipais pontos de partida para a escolha do curso universitário econsequentemente sua carreira.A LDB prevê em seus Princípios e Fins da Educação nacional, onde relata a Leide Diretrizes e Bases promulgado em 20 de dezembro de 1996 “O texto aprovado em 1996 é resultado de um longo embate, que durou cerca de seis anos, entre duas propostas distintas. A primeira conhecida como Projeto Jorge Hage foi o resultado de uma série de debates abertos com a sociedade, organizados pelo Fórum Nacional em Defesa da Escola Pública, sendo apresentado na Câmara dos Deputados. A segunda proposta foi elaborada pelos senadores Darcy Ribeiro, Marco Maciel e Maurício Correa em articulação com o poder executivo através do MEC. A principal divergência era em relação ao papel do Estado na educação. Enquanto a proposta dos setores organizados da sociedade civil apresentava uma grande preocupação com mecanismos de controle social do sistema de ensino, a proposta dos senadores previa uma estrutura de poder mais centrada nas mãos do governo. Apesar de conter alguns
  6. 6. elementos levantados pelo primeiro grupo, o texto final da LDB se aproxima mais das idéias levantadas pelo segundo grupo, que contou com forte apoio do governo FHC nos últimos anos da tramitação.” http://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_de_Diretrizes_e_Bases_da_Educa%C3%A7%C3%A3o_Nacional #Lei_de_Diretrizes_e_Bases_-_1996:A Lei LDB será estuda na íntegra para poder fazer comentários ao longo dapesquisa.Porém, podemos observar que os jovens de idade entre 16 anos a 25 anosencontram-se despreparados para a questão da empregabilidade.Este estudo pretende identificar esse público que não tenha a noção daimportância de sua formação para manter-se empregável, através de questõessistematizadas dentro do universo destes protagonistas não importando se estãocursando do 1º ao 4º ou ao 6º semestre de um curso o importante neste casoserá o direcionamento que dará a este conhecimento, por este fato é importanteque na fase que antecede o ingresso universitário isto seja cuidado e tratado comcuidado.Outro dado que presenciamos é que os jovens sentem-se obrigados a escolheremsua carreira com 17 e 18 anos, ingressando nos cursos universitários, na maioriadas vezes, sem a maturidade para a escolha.JUSTIFICATIVAAo gestor educacional compete conhecer a realidade social e suas contradições ,identificando as contribuições que a educação básica e superior podem trazerpara minimizar a exclusão social.Como futura Administradora Escolar essa pesquisa nos trará elementos para umtrabalho de gestão educacional coerente com a problemática social brasileira,sobretudo com a questão do emprego e sua importância social para o indivíduo ecrescimento e continuidade do pais.
  7. 7. OBJETIVOSConhecer a Proposta Pedagógica da Instituição de Ensino, identificando nela asbrechas curriculares para a formação do estudante para o mercado de trabalho.Conhecer o mercado local as possibilidades de emprego que absorvam aformação da Instituição de Ensino.METODOLOGIASobre a pesquisa educacional:A metodologia desta pesquisa deverá nos permitir: 1) Conhecer a Proposta Pedagógica da Instituição de Ensino. 2) Conhecer as Indústrias, Comércio e Prestadores de Serviços da Rdegião geográfica a ser estudada. Para tanto realizaremos: 3) Entrevista estruturada, por amostragem, com alunos que estão ingressando em um curso universitário, estendendo aos responsáveis pelo aluno. 4) Entrevista Estruturada nas Indústrias da Região geográfica a ser estudada em relação a inserção destes jovens, identificando as formações exigidas.RESULTADOS ESPERADOSAdquirir conhecimento sobre essa questão para a futura função de AdministradoraEscolar, em posse de informações e elementos para uma gestão educacionalpreocupada com a integração do aluno no mercado profissional.BIBLIOGRAFIA:
  8. 8. 1 Extraído do Livro: Para uma Pedagogia do Conflito, página 1ª, do autorBoaventura de Sousa Santos - professor da Faculdade de Economia e do Centrode Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.Barros, Aidil de Jesus Paes de; Lehfeld Neide Aparecida de Souza. Projeto dePesquisa: Propostas Metodológicas. Editora Vozes, 14º edição, Petrópolis, RJ,1990.Demo, Pedro. Pesquisa Princípio Cienífico e Educativo. Editora Cortez. 2ª edição.São Paulo – SP. 1991.Demo, Pedro. Metodologia Cientifica, em Ciências Sociais. Editora Atlas. 3ªedição. São Paulo – SP. 2007.Fazendo, Ivani (Org.). Metodologia da Pesquisa Educacional. Editora Cortez, SãoPaulo – SP, 1989.Fazendo, Ivani (Org.). Novos Enfoques na Pesquisa Educacional. Editora Cortez.3ª edição. São Paulo – SP. 1999.Gajardo, Marcela. Pesquisa Participante na América Latina. Editora BrasilienseS/A. São Paulo, 1986.Luna, Sérgio Vasconcelos de. Planejamento de Pesquisa – Uma Introdução.Editora da Puc. São Paulo, SP, 2000.Lowy, Michel. Ideologias e Ciências Social – Elementos para uma análisemarxista. Editora Cortez, 5ª Edição, São Paulo, SP, 1989.Medeiros, João Bosco. Redação Científica: A Prática de Fichamentos, Resumos,Resenhas. Editora Atlas S/A. 4ª edição. São Paulo – SP. 1999.Minayo, Maria Cecilia de Souza (Org.). Deslanden, Suely Ferreira; Neto, OtávioCruz; Gomes, Romeu. Pesquisa Social: Teoria Método e Criatividade. EditoraVozes. 3ª edição. Petropolis. RJ. 1994.Pádua, Elisabete Matalho Marchesini de. Metodologia da Pesquisa –Abordagem Teórico – prática. Editora Papirus. 4ª edição. Campinas – SP. 1999.Severino, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho Científico. Editora Cortez,22ª edição. São Paulo – SP, 2002.Soares, Suely Galli (Org.). Cultura do Desafio – Gestão de Tecnologias deInformação e Comunicação no Ensino Superior. Editora Alínea. Campinas, SP,2006.
  9. 9. Soares, Suely Galli. Arquitetura da Identidade sobre educação, ensino eaprendizagem. Edtora Cortez. 2ª edição. São Paulo – SP. 2001.Soares, Suely Galli. Educação e Integração Social. Editora Alínea. Campinas –SP. 2003.Triviños, Augusto N. S.. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais – aPesquisa Qualitativa em Educação. Editora Atlas. São Paulo – SP. 2008.

×