Usabilidade

543 visualizações

Publicada em

Trabalho acadêmico de Abril de 2006 sobre o tema "Dissertação de título polêmico:
Análise de prós e contras" -

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
543
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Usabilidade

  1. 1. Universidade Estácio de Sá 2º A - Criação e Gestão de Ambientes para a Internet Comunicação e Expressão Dissertação de título polêmico: Análise de prós e contras Bernardo Loureiro Abril de 2006
  2. 2. Usabilidade: dispensável ou necessário? “Nem todos pensam como você, sabem o que você sabe, nem usam a web como você”. (Steve Krug) A internet, como a grande rede de informação, é acessada diariamente por inúmeras pessoas diferentes que procuram uma grande variedade de informações. Encontrar o web site sobre o assunto buscado não é necessariamente deter a informação que precisa. É comum a deficiência dos profissionais da web na hora de organizar o conteúdo de um projeto web, dificultando o usuário final a encontrar o que precisa. Aí é que entra a usabilidade. A usabilidade é o trabalho de estruturar um web site pensando no usuário final e não no que você considera ideal. Segundo Steve Krug, autor do livro intitulado Não me faça pensar, “Nem todos pensam como você, sabem o que você sabe, nem usam a web como você”. Utilizando leis de ergonomia visual, metodologias, pesquisas com público-alvo, análise de contexto, a usabilidade é uma forma de validar a qualidade da interação do sistema com o usuário. Como conciliar a liberdade criativa à aplicação dos conceitos de usabilidade em um projeto para a internet, sendo o desejo maior a eficiência? Segundo a norma ISO 9241, os requisitos mínimos para uma interface são eficiência, eficácia e satisfação. Logo, um web site que apresente um bom desempenho, prática nomenclatura, conforto, segurança, e que seja simples e fácil de usar, mas que não tenha um apelo visual sedutor que proporcione uma resposta emotiva cativante no usuário, encantando-o e persuadindo-o, não é um web site completo. Assim como um web site bonito, que desde a primeira instância prenda os olhos do usuário com cores e imagens lindas, mas que não seja fácil chegar até a informação desejada, também não é um web site completo. Ambos perdem. Apesar de a usabilidade parecer a salvação dos usuários, os web designers colocam o ideal de engenharia da informação como a castração do seu ideal artístico. Eles alegam que a usabilidade limita a criatividade com dogmas e restrições desnecessárias. A criatividade é um instrumento poderoso justamente para descobrir caminhos de inovação a partir de uma série de restrições. “Muitas vezes essas regras se tornam demasiadas, pois o excesso de academismo é problemático, pois muitas vezes os usuários agem de forma exatamente oposta ao que diriam os grandes estudiosos do assunto”, ressalta Isabel Löfgren, pesquisadora de usabilidade, que completa dizendo “não há verdade absoluta, por dois motivos: o alvo é o ser humano que é altamente subjetivo e o processo de design consegue mostrar uma solução na qual se conhece os seus prós e contras”. Quando isso acontece, o web designer tende a desconsiderar as recomendações do analista de usabilidade. Colocando na balança, investir em usabilidade é apostar no aumento da conversão e retenção de público, ter um bom custo-benefício, incomodar menos o usuário e satisfazer melhor suas necessidades. O papel da usabilidade se firma em auxiliar o web designer a criar, tendo problemas pré- estabelecidos já solucionados não só apontando erros, mas sugerindo soluções. E o papel do web designer é ressaltar as questões estéticas em conjunto com as ergonômicas, com o intuito de criar a melhor experiência interativa possível para o usuário.
  3. 3. Referências bibliográficas: KRUG, Steve. Não me faça pensar. São Paulo: Editora Market Books, 2001. LÖFGREN, Isabel. Usabilidade: A Lei do mais fácil. Revista Webdesign. Novembro/2004, ano um, nº 11. Rio de Janeiro: Editora Arteccom, 2004.

×