Nos passos de magalhães grupo 2 10º b

512 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
512
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
80
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nos passos de magalhães grupo 2 10º b

  1. 1. Escola Secundária D. João IITrabalho Realizado Por:Bruno Silva Nº 5Diogo Nunes Nº11Miguel Carreiras Nº23
  2. 2. O objetivo do nosso trabalho é dar a conhecer o escritor,jornalista e viajante português, Gonçalo Cadilhe.Outro dos nossos objetivos é revelar as suas paixões, bemcomo o seu projeto e os seus objetivos perante esta aventuraem que segue os “Passos de Magalhães” traduzida numabiografia itinerante.
  3. 3. Gonçalo Cadilhe nasceu na Figueira da Foz em 1968,local onde mantém residência, e é licenciado em Gestão deEmpresas.Cadilhe percorreu o mundo com a sua mochila revelando aopaís histórias desconhecidas. Viajante profissional,compreendeu desde cedo que questionar as realidadesdistintas de um mesmo planeta faria de si um ser maisesclarecido, completo e feliz.
  4. 4. O fascínio pelo mundo começou em criança, enquanto escuteiro,e aquilo que era um mundo de sonhos, hoje é a realidade.Cadilhe guia a sua atividade literária pelo princípio sagrado deescrever para comer, nunca usou relógio e vive como se cadaminuto fosse mais importante que cada cêntimo.
  5. 5. Desde pequeno que Gonçalo Cadilhe tem uma paixão pelaviagem. Sempre que podia partia, de mochila às costas, demodo a conhecer novos locais, novas culturas.Descobriu o seu talento para a escrita e juntou-o à sua paixãopelas viagens e pelo surf.
  6. 6. Citações:“Fundamental neste livro foi, isso sim, recordar aosportugueses – enfim, pelo menos aos que leram o livro – aimportância de Fernão de Magalhães na HistóriaUniversal.”
  7. 7. “Com o peso de tanta Geografia e tanta História a carregarpela minha viagem fora, como vou conseguir fazer umaviagem e escrever um livro à altura de tudo isto? É comuma pontinha de preocupação que ponho uma vez mais amochila às costas, saio de casa, deixo a cidade. Em queme meto desta vez? Sorrio: afinal, a mesma pergunta, asmesmas dúvidas, essa mesma pontinha de preocupação detodas as outras vezes, de todas as outras viagens. Porenquanto preocupo-me apenas com a mesma coisa desempre: em vencer a inércia e dar o primeiro passo.”
  8. 8. “Não querendo pecar por presunção, espero que esta biografiaitinerante, metade viagem partilhada, metade Históriatransmitida, possa sensibilizar os leitores para alguns aspetos.Um deles, secundário mas não menos relevante: o deincentivar os mais jovens (de espírito, porque a idade não temimportância) a viajar por conta e curiosidade próprias,chamando como sempre a atenção para formas mais livres,económicas, democráticas e despretensiosas de andar pelomundo.
  9. 9. “Gostaria também de convidar a uma reflexão simples masprofunda sobre a solidariedade e a integração fraternas: aviagem como oportunidade de aproximação da grande famíliahumana.”
  10. 10. “Durante os últimos meses andei a ler, a pesquisar, a tentarcompreender mais e melhor da época e do mundo deMagalhães. A interiorizar. E nos próximos meses irei pelomeu mundo, com as ferramentas da minha época, a viajare a escrever sobre Magalhães. A “exteriorizar”.
  11. 11. Gonçalo Cadilhe admite que esta sua opção de vida decorreda sua paixão pela aventura e que o seu curso não foideterminante nesta escolha, mas considera que éaconselhável não fechar portas e aproveitar asoportunidades que a vida nos oferece. Apaixonado pelamúsica e surf, nos quais se iniciou muito cedo, garante quenunca sente necessidade de férias, de uma pausa notrabalho, porque aquilo que faz é sobretudo aquilo que eleé e adora.
  12. 12. É cronista nas revistas portuguesas Blitz e Surf Portugal.Teve uma arma apontada à cara, passou três dias àespera de boleia num cruzamento perdido no meio doCongo e levou uma bofetada de um guarda fronteiriço.Apesar disso, Gonçalo Cadilhe, viajante profissional háquase duas décadas, garante: O mundo é fácil.
  13. 13. Com este trabalho tivemos a oportunidade de saber umpouco mais acerca da vida de Gonçalo Cadilhe, cronista,escritor, viajante, e jornalista português. Gonçalo Cadilhefez a sua viagem seguindo os passos de um navegadorportuguês que viveu no tempo dos descobrimentos, FernãoMagalhães que é considerado por muitos historiadores omelhor navegador de todo o mundo.
  14. 14. Cadilhe Gonçalo (2008). Nos Passos de Magalhães.Oficina do Livro

×