Proposições educação infantil

455 visualizações

Publicada em

trabalho

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
455
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proposições educação infantil

  1. 1. Proposições Educação Infantil Linguagem Digital Grupo: Ana Maria Leles Bárbara Faria Cintia Resende Juliana Alves
  2. 2. • A tecnologia não é nada sem um homem a operá-la. Não é a tecnologia a vilão. É o meio, é a forma como ela é empregada, é a ausência de uma consciência crítica e ética sobre o seu uso. (Ney Mourão)
  3. 3. Introdução • O impacto da tecnologia vem adquirindo cada vez mais relevância no cenário educacional. • A tecnologia não causa mudanças apenas no que fazemos, mas também em nosso comportamento, na forma como elaboramos conhecimentos e no nosso relacionamento com o mundo. Vivemos num mundo tecnológico, estruturamos nossa ação através da tecnologia
  4. 4. Fundamentação • A infância mudou radicalmente. As crianças têm outro jeito de brincar, imaginar, sofrer, pensar e construir sua realidade. • O desenvolvimento da tecnologia invade abertamente o leque espaço-temporal da criança e até pequenos mascotes virtuais são criados
  5. 5. • O aprendiz usa o computador como ferramenta, manipular e adquire conhecimento. • O aluno de ser um consumidor de informações, quando passa a construir seu próprio saber.
  6. 6. A linguagem em cada Ciclo • O computador e as novas tecnologias na atualidade. • Ao pensar a criança na sociedade atual se faz necessário: • -Pensar o individua como um ser ativo. • -Constrói suas próprias estruturas intelectuais. • -Transformação do pensamento linear para o pensamento hipertextual. • -Domínio da máquina. • -Realização de diversas tarefas ao mesmo tempo e lugar. • As brincadeiras e jogos em tempos anteriores na atualidade.
  7. 7. CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS. Na contemporaneidade diante de um turbilhão de aparatos tecnológicos, as crianças sentem o reflexo da invasão eletrônica, recursos de informática e conseqüentemente da linguagem digital. Entendemos que, quando aprendemos uma nova linguagem, aprendemos sistemas de referencia de mundo. (FRANCHI, 1992). Criança de até dois anos consegue: -Gravar sons digitalizados. -Ouvir histórias multimídias . -Utilizar imagens, fotos digitalizadas. -Assistir DVD ou montá-lo Criança de até 3 anos consegue: -Ligar o computador. -Entrar em programas. -Usar o clique do mouse.
  8. 8. CRIANÇAS DE 3 A 6 ANOS. • Nesse ciclo ocorre o aumento nas possibilidades de uso do computador e outros artefatos tecnológicos. Sendo necessário: • - A escola se apropriar desses recursos. • -Softwares educativos. • Nesse ambiente, a aprendizagem focada no aprendiz precisa cada vez mais ganhar espaço na educação contemporânea.Deve ser pautada em três pilares básicos: • O cognitivo, o afetivo e o social, com considerações sobre estilos e estratégias de aprendizagem, de maneira a ampliar a variedade no contexto da educação formal. (GUILLON & MIRSHAWKA, 1995).
  9. 9. Crianças com Deficiências Especiais • CRIANÇAS COM DEFICIENCIAS ESPECIAIS. • A Lei nº9.394 de 20-12-1996 da LDB (Lei de Diretrizes e bases da Educação) no capítulo 5. • -Precisamos levar em consideração da importância da tecnologia a favor das crianças com deficiências especiais. Chamada de tecnologia assistida.
  10. 10. Aprendendo co projeto
  11. 11. Diálogo com os profissionais: • Receio dos profissionais de Educação Infantil em discutir e estudar a linguagem digital na rede de formação 2008; • Necessidade de mostrar a importância da linguagem digital para esses professores; • Contextualização da linguagem digital e construção do conceito de tecnologia; • Entendimento da importância do computador no processo de ensino-aprendizagem; • Questionamentos sobre a falta de computadores e salas de informática nas UMEI’s e Creches conveniadas; • Certeza de que “movimentos acontecerão, reconhecendo a importância da linguagem digital como mediação das realidades pessoais e sociais.” (p. 121)
  12. 12. • Letramento digital ou informacional: apropriação da leitura e da escrita na tela do computador; • Aprender com a tecnologia; • No fim do 1º módulo da rede de formação foi alcançado o entendimento de que “(...) as tecnologias digitais alteram o processo de ensino e aprendizagem em seus significados, em função de uma nova visão de mundo e do ser humano.” (p. 121) • No 2º módulo as educadoras se encontravam mais abertas e receptivas à aprendizagem da linguagem digital, foram levadas ao laboratório de informática da SMED, conheceram mais sobre o computador, criaram um blog, relataram experiências bem sucedidas e analisaram alguns programas educativos que estão presentes no Libertas. • Esses softwares educativos do Libertas possuem muitas falhas que foram descobertas e analisadas pelas professoras durante o curso, mostrando assim a importância da consciência crítica; • As professoras utilizaram o linguagem de programação LOGO, explorando assim o ciclo “descrição-execução-reflexão-depuração”;
  13. 13. • Internet como integrado de espaços de aprendizagem que vão além da sala de aula; • Importância do planejamento para atividades de linguagem digital de acordo com a concepção de aprendizagem da instituição.
  14. 14. Considerações finais: • As escolas, por diversos motivos, não estão prontas para recebem a tecnologia como agente do processo de ensino-aprendizagem; • A linguagem digital e o computador fazem a diferença quando usados na perspectiva “objeto para pensar com”; • “(...) a concepção sobre o uso da tecnologia aplicada na educação provém de uma ampla e abrangente abordagem sobre aprendizagem (...)” (p.124); • É necessário ter consciência para atendermos as novas demandas; • O professor deve assumir novas dimensões de atuação para agir sobre as mudanças do mundo.

×