Vanguardas europeias Vanguarda (avant-garde) -um conjunto de tendências que se opõem ao estilo vigente em uma época, por e...
O contexto: a Belle Époque <ul><li>expressão que designa o clima intelectual e artístico do período que vai aproximadament...
Futurismo <ul><li>Lançado por Marinetti no manifesto “Le Futurisme”, 1909, Itália.  </li></ul><ul><li>Surge entre o Simbol...
Manifesto Futurista <ul><li>Nós queremos cantar o amor ao perigo, o hábito da energia e da temeridade. </li></ul><ul><li>A...
“ O barulho da rua invade a casa” (1911) Umberto Boccioni .
Ode triunfal (trecho) <ul><li>À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo ran...
Expressionismo <ul><li>A arte brota da vida interior; do íntimo do ser.  </li></ul><ul><li>A obscuridade do ser é transpor...
Versos íntimos (Augusto dos Anjos)    <ul><li>Vês?! Ninguém assistiu ao formidável  Enterro de tua última quimera.  Soment...
 
Cubismo <ul><li>Decomposição da realidade em figuras geométricas.  </li></ul><ul><li>Decomposição da imagem em diferentes ...
<ul><li>Hípica </li></ul><ul><li>Saltos records </li></ul><ul><li>Cavalos da Penha </li></ul><ul><li>Correm jóqueis de Hig...
Poeminhas Cinéticos de Millôr Fernandes <ul><li>Era um homem bem vestido Foi beber no botequim Bebeu muito, bebeu tanto Qu...
Dadaísmo <ul><li>Promove um certo terrorismo cultural.  </li></ul><ul><li>Contraria todos os valores vigentes até então.  ...
Poema Dadaísta <ul><ul><li>Pegue um jornal.  </li></ul></ul><ul><li>       Pegue a tesoura.  </li></ul><ul><li>       Esco...
<ul><li>Relacione a técnica usada  da pintura com o poema Dadaísta. </li></ul><ul><li>Merzpicture,1926, Kurt  </li></ul>
Surrealismo <ul><li>Propõe que o homem se liberte da razão, da crítica, da lógica.  </li></ul><ul><li>Adere a filosofia de...
<ul><li>Sonho provocado pelo voo de uma abelha em torno de uma romã, um segundo antes de despertar.  </li></ul><ul><li>Sal...
<ul><li>Poeminha Surrealista  </li></ul><ul><li>Gostaria, querida,  </li></ul><ul><li>De ser inesperado  </li></ul><ul><li...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Vanguardas europeias

7.664 visualizações

Publicada em

Aula sobre as vanguardas com imagens e exercícios

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.664
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
68
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vanguardas europeias

  1. 1. Vanguardas europeias Vanguarda (avant-garde) -um conjunto de tendências que se opõem ao estilo vigente em uma época, por exemplo, no campo das artes -quem se destaca à frente da tropa, coordenando o seu avanço e o seu recuo -quem prevê o futuro, os novos tempos
  2. 2. O contexto: a Belle Époque <ul><li>expressão que designa o clima intelectual e artístico do período que vai aproximadamente de 1880 até o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918 </li></ul><ul><li>Inovações tecnológicas como o telefone, o telégrafo sem fio, o cinema, a bicicleta, o automóvel, o avião, inspiravam novas percepções da realidade. </li></ul><ul><li>Novas teorias, novas percepções da realidade </li></ul>Jovem mulher atravessando a rua , s/d Jean Béraud (França, 1849-1936)
  3. 3. Futurismo <ul><li>Lançado por Marinetti no manifesto “Le Futurisme”, 1909, Itália. </li></ul><ul><li>Surge entre o Simbolismo e a 1ª Guerra Mundial. </li></ul><ul><li>Exalta a vida moderna. </li></ul><ul><li>Culto da máquina e da velocidade. </li></ul><ul><li>Destruição do passado e do academicismo </li></ul><ul><li>Liberdade de expressão. </li></ul>
  4. 4. Manifesto Futurista <ul><li>Nós queremos cantar o amor ao perigo, o hábito da energia e da temeridade. </li></ul><ul><li>A coragem, a audácia, a rebelião serão elementos essenciais de nossa poesia. </li></ul><ul><li>A literatura exaltou até hoje a imobilidade pensativa, o extase, o sono. Nós queremos exaltar o movimento agressivo, a insônia febril, o passo de corrida, o salto mortal, o bofetão e o soco. </li></ul><ul><li>Não há mais beleza, a não ser na luta. Nenhuma obra que não tenha um caráter agressivo pode ser uma obra-prima. A poesia deve ser concebida como um violento assalto contra as forças desconhecidas, para obrigá-las a prostar-se diante do homem. </li></ul><ul><li>Nós queremos glorificar a guerra - única higiene do mundo - o militarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos libertários, as belas idéias pelas quais se morre e o desprezo pela mulher. </li></ul><ul><li>Nós queremos destruir os museus, as bibliotecas, as academia de toda natureza, e combater o moralismo, o feminismo e toda vileza oportunista e utilitária. </li></ul>
  5. 5. “ O barulho da rua invade a casa” (1911) Umberto Boccioni .
  6. 6. Ode triunfal (trecho) <ul><li>À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim, Por todos os meus nervos dissecados fora, Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto! Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos, De vos ouvir demasiadamente de perto, E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso De expressão de todas as minhas sensações, Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas! </li></ul><ul><li>Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa </li></ul><ul><li>Aponte, no texto acima, alguns aspectos fundamentais do Futurismo </li></ul><ul><li>O poeta explora a força de alguns vocativos, invocando seres superiores. Destaque dois destes vocativos </li></ul><ul><li>O poeta afirma que quer cantar as máquinas com a força “de todas as minhas sensações”. Destaque os versos que expressam isso. </li></ul>
  7. 7. Expressionismo <ul><li>A arte brota da vida interior; do íntimo do ser. </li></ul><ul><li>A obscuridade do ser é transportada para a expressão. </li></ul><ul><li>As telas retratam o patético, os vícios, os horrores, a guerra, o sofrimento humano. </li></ul><ul><li>Protesta contra a violência e usa cores explosivas. </li></ul><ul><li>Reflete a crise de consciência gerada pela guerra. </li></ul><ul><li>Alemanha, 1910. </li></ul>
  8. 8. Versos íntimos (Augusto dos Anjos) <ul><li>Vês?! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a ingratidão - esta pantera - Foi tua companheira inseparável! Acostuma-te à lama que te espera! O homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera. Toma um fósforo, Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja. Se alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja esta mão vil que te afaga, Escarra nesta boca que te beija! </li></ul>
  9. 10. Cubismo <ul><li>Decomposição da realidade em figuras geométricas. </li></ul><ul><li>Decomposição da imagem em diferentes planos. </li></ul><ul><li>Desintegração da realidade gerando uma poesia ausente de lógica. </li></ul><ul><li>Linguagem caótica. </li></ul><ul><li>1907, a partir das experiências de Pablo Picasso e de Georges Braque. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>Hípica </li></ul><ul><li>Saltos records </li></ul><ul><li>Cavalos da Penha </li></ul><ul><li>Correm jóqueis de Higienópolis </li></ul><ul><li>Os magnatas </li></ul><ul><li>As meninas </li></ul><ul><li>E a orquestra toca </li></ul><ul><li>Chá </li></ul><ul><li>Na sala de cocktails </li></ul><ul><li>(Oswald de Andrade) </li></ul>Les demoiselles d’Avignon (1907) de Pablo
  11. 12. Poeminhas Cinéticos de Millôr Fernandes <ul><li>Era um homem bem vestido Foi beber no botequim Bebeu muito, bebeu tanto Que        saiu               de                      lá                               assi m . </li></ul><ul><li>As casas passavam em volta Numa procissão sem fim As coisas todas rodando </li></ul><ul><li>O moço entra apressado Para ver a namorada E é da seguinte forma                            escada.                        a               sobe         ele Que Mas lá em cima está o pai Da pequena que ele adora E por isso pela escada              ele                                                   embora. </li></ul><ul><li>1. Justifique o título do poema. </li></ul><ul><li>2. O Cubismo defendia, entre outras propostas, o “aspecto construtivo, as palavras em liberdade, a plástica pura (os cinco sentidos), a fotocinematografia”. Você identifica essas características nos “Poeminhas Cinéticos”? Exemplifique </li></ul>
  12. 13. Dadaísmo <ul><li>Promove um certo terrorismo cultural. </li></ul><ul><li>Contraria todos os valores vigentes até então. </li></ul><ul><li>Valoriza o niilismo (descrença absoluta) </li></ul><ul><li>Mundo ilógico. </li></ul><ul><li>Cultua a realidade mágica da infância. </li></ul><ul><li>Alemanha, 1916 </li></ul><ul><li>A fonte de Marcel Duchamp </li></ul>
  13. 14. Poema Dadaísta <ul><ul><li>Pegue um jornal. </li></ul></ul><ul><li>      Pegue a tesoura. </li></ul><ul><li>      Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar a seu poema. </li></ul><ul><li>      Recorte o artigo. </li></ul><ul><li>      Recorte em seguida com atenção algumas palavras que formam esse artigo e meta-as num saco. </li></ul><ul><li>      Agite suavemente. </li></ul><ul><li>      Tire em seguida cada pedaço um após o outro. </li></ul><ul><li>      Copie conscienciosamente na ordem em que elas são tiradas do saco. </li></ul><ul><li>      O poema se parecerá com você. </li></ul><ul><li>      E ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidade graciosa, ainda que incompreendido do público. </li></ul><ul><li>Tristan Tzara </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Relacione a técnica usada da pintura com o poema Dadaísta. </li></ul><ul><li>Merzpicture,1926, Kurt </li></ul>
  15. 16. Surrealismo <ul><li>Propõe que o homem se liberte da razão, da crítica, da lógica. </li></ul><ul><li>Adere a filosofia de Sigmund Freud. </li></ul><ul><li>Expressa o interior humano investigando o inconsciente. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>Sonho provocado pelo voo de uma abelha em torno de uma romã, um segundo antes de despertar. </li></ul><ul><li>Salvador Dali, 1944 </li></ul>
  17. 18. <ul><li>Poeminha Surrealista </li></ul><ul><li>Gostaria, querida, </li></ul><ul><li>De ser inesperado </li></ul><ul><li>Como uma madrugada amanhecendo </li></ul><ul><li>À noite </li></ul><ul><li>E engraçado, também, </li></ul><ul><li>Como um pato num trem </li></ul><ul><li>(Millôr Fernandes) </li></ul>

×