Análise da Articulação de Esquerda sobre as eleições de 2014 no DF
Como método, é essencial analisarmos brevemente a conju...
anos neoliberais. Mesmo os setores mais velhos vão ficando distantes da lembrança
sobre o que foi este período.
O antipeti...
Para piorar a situação, o PT-DF possui poucos quadros qualificados para a
administração pública, e mesmo os quadros qualif...
mobilizar para que tanto em nível local como nacional o emprego, os salários e as
políticas sociais para a classe trabalha...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Articulação de esquerda análise da articulação de esquerda sobre as eleições de 2014 no df (2)

148 visualizações

Publicada em

Tese AE

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
148
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Articulação de esquerda análise da articulação de esquerda sobre as eleições de 2014 no df (2)

  1. 1. Análise da Articulação de Esquerda sobre as eleições de 2014 no DF Como método, é essencial analisarmos brevemente a conjuntura internacional e nacional, antes de comentar o nosso quadro regional. Afinal, muitos dos desafios e problemas enfrentados não são oriundos de questões locais. O mundo, hoje, passa por um período de crise econômica contínua. As economias europeias e americanas encontram dificuldades para se recuperar. Mesmo a China e outros países do bloco dos BRICS, desaceleraram no último período. Isto dificultou a nossa economia, já que não encontra um cenário econômico internacional favorável para a nossa pauta de exportações. No Brasil, sofremos de diversas formas o impacto dessa crise econômica. Apesar disso, o Governo Federal no último período, conseguiu enfrentar estas dificuldades mantendo emprego e os avanços sociais conquistados durante os governos de Lula e Dilma. No entanto, vivemos um esgotamento da estratégia de conciliação, pois não é mais possível conciliar os interesses de todas as classes sociais, desde os trabalhadores até a banca internacional. Começou a faltar dinheiro, inclusive para as políticas sociais. Temos visto diversos exemplos de cortes de gastos em âmbito federal e nos estados, Distrito Federal e municípios, que vêm minguar suas fontes de receita e crescer a demanda social por serviços públicos. É na esteira de reivindicações por mais serviços públicos, que o país assistiu e participou do pico de mobilizações de 2013. O que a população disse naquele ano, e que segue dizendo de diferentes formas, é que chegamos a um impasse: o governo petista conseguiu criar, aumentar e melhorar uma série de serviços públicos em diversas áreas, ao mesmo tempo em que fez crescer a economia distribuindo renda. Contudo, esse crescimento não foi acompanhado de uma disputa cultural e ideológica da população, pois foi um processo de conciliação que evitou de todas as formas qualquer tipo de conflito com as classes dominantes. Este aumento do consumo esbarrou em diversos limites. Para citar alguns: o transporte das cidades está cada dia pior e a violência continua piorando. Na saúde, a situação ainda é bastante complicada, tendo em vista a formação dos médicos brasileiros, voltada para o capital. Na educação, temos avanços significativos, mas ainda tropeçamos em problemas de estrutura, concepção, de pedagogia e métodos de ensino e aprendizagem. Isto levou ao fato de que boa parte dos setores beneficiados pelas políticas petistas se virou contra nós. Chamá-los de “coxinhas” não resolve, e tampouco reclamar que a população “é burra e não entende a política”. Quem fizer isso só estará piorando a nossa situação no curto, médio e longo prazo. Não podemos cair no argumento conservador, de viver sob as glórias das conquistas dos últimos anos e culpar os setores da sociedade que não reconhecem o quão melhor somos em relação aos tucanos. Uma forte transição geracional está ocorrendo e a cada dia setores mais amplos da população sequer viveram durante os
  2. 2. anos neoliberais. Mesmo os setores mais velhos vão ficando distantes da lembrança sobre o que foi este período. O antipetismo tem crescido no país, isso é fato, mas ainda assim vencemos as eleições presidenciais e tivemos resultados positivos em diversos estados, seja vitórias eleitorais elegendo cinco governadores ou mesmo as vitórias políticas representadas por candidaturas que agregaram capital político ao partido colocando-o na disputa e fortalecendo uma opção de esquerda. Cabe registrar aqui, especialmente, a vitória em Minas Gerais, estado do sudeste com o terceiro maior PIB e a segunda maior população do país. Nossa bancada de deputados federais caiu, assim como tivemos queda de deputados estaduais em vários estados. Todavia, o partido segue com a maior bancada da Câmara dos Deputados, que se pulverizou mais nesta última eleição. No senado, seguimos com a segunda maior bancada. Vale ressaltar que, com todas as dificuldades e questionamentos, o partido segue forte na inserção nos movimentos sociais e populares, assim como é a referência para a maioria da população de quem está melhor preparado e tem o melhor programa para administrar o país, ainda que esta margem seja apertada. DISTRITO FEDERAL No DF, viemos de um cenário eleitoral em 2010 que vencemos por larga vantagem a candidatura rorizista representada pela Weslian Roriz, já que o próprio líder do clã teve sua candidatura retirada e o antigo governador José Roberto Arruda acabara de ser cassado e preso. Mesmo a candidatura da terceira via naquele momento foi representada pelo fraco PSol. Virou consenso no meio político dizer que nós “vencemos por WO”. Entretanto, ao invés de realizar um governo arrojado e progressista, comprometido não somente em governar, mas em conquistar politicamente a maioria da população do DF, o governador Agnelo e a maioria da direção partidária preferiram fatiar o governo e conquistar somente os deputados distritais e direções dos outros partidos. Para piorar, tentou-se cooptar o máximo de deputados e partidos, numa ótica “stalinista pós-moderna” de tentar fazer com que não houvesse sequer uma oposição ao nosso governo. Neste sentido, ficou prejudicado o diálogo com os setores sociais populares organizados e mesmo com a maioria da população que ainda não e organiza politicamente. Não havia uma linha política de esquerda, o que se tentou aqui foi a realização de um governo de total conciliação de classes. Na comunicação, a estratégia adotada foi a de tentar comprar a mídia burguesa. Este é um erro primário, pois esta mídia empresarial não está à venda, possui interesses econômicos e políticos próprios, e mesmo recebendo milhões do nosso governo não aliviou nas críticas, sendo canal para construir argumentos para nos desconstruir. Não tentamos construir uma estratégia de comunicação baseada na democratização dos meios de comunicação, e tampouco trabalhamos para enfraquecer nossos algozes, muito pelo contrário, os fortalecemos cada vez mais.
  3. 3. Para piorar a situação, o PT-DF possui poucos quadros qualificados para a administração pública, e mesmo os quadros qualificados que possui muitas vezes foram alijados do processo de composição do governo para dar lugar a apadrinhados completamente desqualificados. O PT-DF também pouco procurou estudar sobre o Distrito Federal no período em que esteve na oposição e mesmo quando esteve no governo. Para bem administrar uma unidade federativa é preciso compreender seu processo de formação histórica, sua economia, sua população (seu nível cultural, educacional, seus pensamentos), dentre outros fatores. Outro problema foi a total fragmentação governamental, cada partido e cada parlamentar, mesmo os do PT, possuíam um pedaço do governo, e o tratavam como feudo. A isto se alia o fato de não termos construído um plano geral de governo coerente, com metas, prazos e responsáveis por seu acompanhamento. Na falta de um rumo geral, cada área do governo atuava de forma praticamente independente. Com esta fragmentação e inexistência de uma narrativa geral sobre o governo, mesmo os avanços administrativos obtidos durante o período em várias áreas foram submersos na opinião geral de que “o governo não tinha comando” e que a anarquia imperava. Também, não se construíram prioridades, seja em relação a obras ou a aumentos salariais, onde tudo teoricamente é prioridade, nada é prioridade e todos ficam insatisfeitos. No entanto, não precisamos nos desesperar, afinal o desespero é inimigo da boa política. Ainda possuímos uma considerável bancada na Câmara Legislativa, tendo em vista a alta fragmentação desta, e uma parlamentar federal, a deputada Erika Kokay. Assim como, em nível federal continuamos com uma forte presença nos movimentos sociais, em especial no sindicalismo. Precisamos portanto: - Mudar a política da direção partidária. A política implementada pela atual direção e mesmo pelas direções que a antecederam, construíram as táticas e estratégias nos últimos anos que nos trouxeram aonde estamos. - Discutir abertamente, tanto internamente como com o conjunto com a sociedade, sobre os erros políticos e administrativos cometidos no último período. - Realizar uma oposição qualificada ao governo Rollemberg. - Estudar mais o Distrito Federal. Tanto para realizar a oposição qualificada como para nos prepararmos para o dia em que eventualmente voltemos a governar o GDF. - Qualificar os quadros petistas, para isso temos a nossa fundação partidária, a Perseu Abramo. - Aproximar o partido dos movimentos sociais e das lutas que teremos de estar inseridos no próximo período. Num contexto de recessão mundial e de dificuldades econômicas em nível nacional e local, certamente ocorrerão grandes disputas orçamentárias. Como diz o ditado: “farinha pouca meu pirão primeiro”. Precisamos
  4. 4. mobilizar para que tanto em nível local como nacional o emprego, os salários e as políticas sociais para a classe trabalhadora sejam prioridade em relação às demandas do grande empresariado e do setor financista. Articulação de Esquerda do Distrito Federal

×