Colonialidade do
poder, eurocentrismo e América
Latina
Aníbal Quijano
Aníbal Quijano Obregon
• Nascido em 1928 em Yamana, província
de Yungay, Peru. É um sociólogo e cientista
político. Atualm...
Ideia Central
• Globalização tem origem:
– na formação da América
– no capitalismo colonial/moderno eurocentrado
como novo...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
• América:
– primeiro espaço-tempo de padrão de poder mundial
– primeira “id...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Raça, uma categoria mental da modernidade
• Ideia de raça no sentido moderno...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Raça, uma categoria mental da modernidade
• Europa – nova id-entidade
• Expa...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Colonialidade do poder e capitalismo mundial
• raça e divisão do trabalho, f...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Colonialidade do poder e capitalismo mundial
RAÇA+TRABALHO
Associação de uma...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Colonialidade do poder e capitalismo mundial
• Ouro, metais preciosos e prod...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Colonialidade do poder e capitalismo mundial
• Europa Ocidental concentra at...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
“O vasto genocídio dos índios nas primeiras
décadas da colonização não foi c...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Colonialidade do poder e capitalismo mundial
• Após Século XVI:
Índios =
SER...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
“(...)o menor salário das raças inferiores pelo
mesmo trabalho dos brancos, ...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Novo padrão de poder mundial e nova inter-
subjetividade mundial
• processo ...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Novo padrão de poder mundial e nova inter-subjetividade
mundial
• Europa: co...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Novo padrão de poder mundial e nova inter-subjetividade mundial
• “colonizaç...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
Novo padrão de poder mundial e nova inter-
subjetividade mundial
• Modernida...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
A Questão da Modernidade
• O notável não é como o Europeu se vê (o ápice da
...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
A Questão da Modernidade
• Defensores da “patente europeia” de modernidade a...
I. A América e o novo padrão de poder
mundial
A Questão da Modernidade
• o atual padrão de poder mundial é o primeiro efet...
II. Colonialidade do poder e
eurocentrismo
• Capital e Capitalismo
– formas pré-capitalistas de produção aplicadas em um c...
II. Colonialidade do poder e
eurocentrismo
• O novo dualismo
– Corpo e não-corpo:
• Descartes divide o homem em “razão/suj...
III. Eurocentrismo e experiência
histórica na América Latina
• Aplicada de maneira específica à experiência histórica lati...
III. Eurocentrismo e experiência
histórica na América Latina
• O eurocentrismo e a “questão nacional”: o Estado-nação
– Na...
III. Eurocentrismo e experiência
histórica na América Latina
• O Estado-nação na América: os Estados Unidos
– Território p...
III. Eurocentrismo e experiência
histórica na América Latina
• América Latina: Cone Sul e maioria branca
– Chile, Uruguai ...
III. Eurocentrismo e experiência
histórica na América Latina
• Maioria indígena, negra e mestiça: o impossível “moderno Es...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latina

11.966 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre artigo de Anibal Quijano, onde ele apresenta o conceito de "Colonialidade do Poder" como uma matriz de dominação colonial cuja aplicação tem início com o descobrimento da América, pelo extermínio da população indígena, escravização das populações africanas e submissão das diferentes raças, não brancas europeias, a determinados modos de produção que visavam sustentar o capitalismo global. Quijano vê a Globalização atual como decorrência direta desses processos.

Publicada em: Educação
0 comentários
12 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.966
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
250
Comentários
0
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latina

  1. 1. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina Aníbal Quijano
  2. 2. Aníbal Quijano Obregon • Nascido em 1928 em Yamana, província de Yungay, Peru. É um sociólogo e cientista político. Atualmente, ele é diretor do Departamento da América Latina e da colonialidade do poder na Universidade Ricardo Palma, em Lima e professor do Departamento de Sociologia da Universidade de Binghamton , em Binghamton, Nova York , Estados Unidos .
  3. 3. Ideia Central • Globalização tem origem: – na formação da América – no capitalismo colonial/moderno eurocentrado como novo padrão de poder mundial • Ideia de “Raça” como justificativa para a dominação colonial e hegemonia eurocêntrica – Elemento de Colonialidade que ainda é encontrado no padrão de poder hegemônico atual.
  4. 4. I. A América e o novo padrão de poder mundial • América: – primeiro espaço-tempo de padrão de poder mundial – primeira “id-entidade” da modernidade – Formada pela convergência de dois processos Históricos: 1. Codificação das diferenças colonizadores-conquistados – Raça: “Estrutura biológica” - uns em posição inferior a outros – Padrão de poder aplicado à América e depois ao mundo. 2. Articulação de todas as formas históricas de controle do trabalho, de seus recursos e de seus produtos, em torno do capital e do mercado mundial
  5. 5. I. A América e o novo padrão de poder mundial Raça, uma categoria mental da modernidade • Ideia de raça no sentido moderno não existe até então • Surgem Identidades sociais novas e as antigas são redefinidas: – Índios, Negros, Mestiços redefinem Espanhol, Português, Europeu – Relações Sociais de Hierarquia e dominação • Raça e identidade racial como instrumentos de classificação social da população – Cor: codificação da diferença fenotípica, emblemática, provavelmente iniciada pelos anglo-britânicos. – Negros: Raça colonizada mais importante, pois faziam parte da sociedade colonial, diferente dos índios – Em contraposição, os dominantes chamam a si mesmo de “Brancos”.
  6. 6. I. A América e o novo padrão de poder mundial Raça, uma categoria mental da modernidade • Europa – nova id-entidade • Expansão do colonialismo europeu – Perspectiva eurocêntrica do conhecimento e naturalização das relações coloniais de dominação entre europeus e não-europeus – Legitimação das ideias e práticas de relações entre dominantes superiores e dominados inferiores – Mais eficaz e durável instrumento de dominação social universal – Dele passa a depender outro, mais antigo – o intersexual ou de gênero • Conquistados e dominados em situação natural de inferioridade, bem como seus traços fenotípicos, suas descobertas mentais e culturais. • Raça: primeiro critério fundamental para distribuir a população mundial em níveis, lugares e papéis na estrutura de poder da nova sociedade • modo básico de classificação social universal da população mundial.
  7. 7. I. A América e o novo padrão de poder mundial Colonialidade do poder e capitalismo mundial • raça e divisão do trabalho, foram estruturalmente associados, embora não sejam conceitos co-dependentes – sistemática divisão racial do trabalho • Índios – Servidão • Negros – Escravidão • Espanhóis e Portugueses: podiam receber salários ou serem comerciantes/artesãos independentes. • Nobres: Altos postos administrativos/militares • Am. Hispânica: Mestiços de Espanhóis ou mulheres índias podiam exercer atividades comerciais/artesanais • Mestiços de Negras e Ibéricos Mais “abrancados”: podiam exercer funções que exigissem talentos especiais (música), mas a legitimação de sua participação na sociedade era dificultada pela origem negra • Brancos /Europeus impõem em escala global o mesmo critério de classificação social, fazendo surgir “Amarelos” e “Azeitonados” (oliváceos)
  8. 8. I. A América e o novo padrão de poder mundial Colonialidade do poder e capitalismo mundial RAÇA+TRABALHO Associação de uma forma de trabalho a uma raça, controlando um grupo, em escala global Associação quase exclusiva do salário pago à BRANQUITUDE SOCIAL e aos postos de comando da Adm. Colonial Nova Tecnologia de Dominação Período Colonial HOJE
  9. 9. I. A América e o novo padrão de poder mundial Colonialidade do poder e capitalismo mundial • Ouro, metais preciosos e produtos feitos por escravos nas Américas favorecem a hegemonia Branca perante o mercado mundial pré-existente (China, Índia, Ceilão, Egito, Síria, os futuros Orientes Médio e Extremo), cada vez mais monetarizado • Europa Ocidental: Nova Id-Entidade, nova sede central do mercado mundial
  10. 10. I. A América e o novo padrão de poder mundial Colonialidade do poder e capitalismo mundial • Europa Ocidental concentra até 1870 a maior parte do trabalho assalariado mundial • Em todas as demais regiões, colonizadas ou em vias de, operam com formas não remuneradas de produção cujo controle e benefício eram da Europa Ocidental • Nas regiões não-européias, o trabalho assalariado concentrava-se quase exclusivamente entre os brancos.
  11. 11. I. A América e o novo padrão de poder mundial “O vasto genocídio dos índios nas primeiras décadas da colonização não foi causado principalmente pela violência da conquista, nem pelas enfermidades que os conquistadores trouxeram em seu corpo, mas porque tais índios foram usados como mão de obra descartável, forçados a trabalhar até morrer.”
  12. 12. I. A América e o novo padrão de poder mundial Colonialidade do poder e capitalismo mundial • Após Século XVI: Índios = SERVOS Negros = ESCRAVOS Não eram dignos de receber salário, na percepção Branca Europeia
  13. 13. I. A América e o novo padrão de poder mundial “(...)o menor salário das raças inferiores pelo mesmo trabalho dos brancos, nos atuais centros capitalistas, não poderia ser, tampouco, explicado (...) separadamente da colonialidade do poder capitalista mundial.”
  14. 14. I. A América e o novo padrão de poder mundial Novo padrão de poder mundial e nova inter- subjetividade mundial • processo de re-identificação histórica - novas identidades geoculturais: Europa, América, África, Ásia, Oceania • Além da colonialidade do novo padrão de poder, nível de desenvolvimento político e cultural definiam a natureza da reclassificação: “Oriente” como “o outro”, ainda que inferior, do Ocidente • Sem equivalência para Negros e Índios
  15. 15. I. A América e o novo padrão de poder mundial Novo padrão de poder mundial e nova inter-subjetividade mundial • Europa: controle de todas as formas de controle da subjetividade, da cultura, do conhecimento e da produção do conhecimento. – Expropriação de desenvolvimentos culturais dos colonizados, conforme pudessem trazer benefícios ao capital e ao Centro Europeu – Repressão das formas de conhecimento dos colonizados - padrões de produção de sentidos, universo simbólico, padrões de expressão e de objetivação da subjetividade. – Colonizados forçados a aprender a cultura dos dominadores para a reprodução da dominação, no campo da atividade material, tecnológica, ou subjetiva, especialmente religiosa.
  16. 16. I. A América e o novo padrão de poder mundial Novo padrão de poder mundial e nova inter-subjetividade mundial • “colonização das perspectivas cognitivas, dos modos de produzir ou outorgar sentido aos resultados da experiência material ou intersubjetiva, do imaginário, do universo de relações intersubjetivas do mundo; em suma, da cultura” • Europeu desenvolve um etnocentrismo “justificado” na classificação racial da população • Europeu não se sente apenas superior aos demais povos, e sim “naturalmente superior” • Imposição de uma perspectiva temporal europeia da história, onde o ápice da evolução era a Europa, e onde todos os demais povos foram re-situados temporalmente “no passado de uma trajetória histórica”. • Linha temporal não-contínua, pois povos colonizados eram raças inferiores aos europeus e, portanto, anteriores.
  17. 17. I. A América e o novo padrão de poder mundial Novo padrão de poder mundial e nova inter- subjetividade mundial • Modernidade e Racionalidade: produtos exclusivamente europeus • Nova codificação das relações entre europeus e não-europeus – Oriente-Ocidente – Primitivo-Civilizado – Mágico/Mítico-Científico – Irracional-Racional – Tradicional-Moderno
  18. 18. I. A América e o novo padrão de poder mundial A Questão da Modernidade • O notável não é como o Europeu se vê (o ápice da espécie, o moderno, o único protagonista dessa modernidade), mas como ele conseguiu difundir pelo mundo essa perspectiva histórica como hegemônica. • As resistências intelectuais à perspectiva eurocêntrica – Ocidental não é a única possibilidade de modernidade – Altas Culturas (China, Egito, Maias...) atingiram inegáveis graus de “modernidade” (ciência, secularismo...) – A modernidade europeia é acompanhada de alto grau de desenvolvimento técnico-científico
  19. 19. I. A América e o novo padrão de poder mundial A Questão da Modernidade • Defensores da “patente europeia” de modernidade apelam para o mundo helêno-românico e mediterrâneo, como fundamento de sua história pré- América. • Tal defesa esconde, porém – que o conhecimento mediterrâneo realmente avançado é “islamo-judaico” – que foram os islâmicos quem preservaram e trouxeram a cultura helênico- romana para uma Europa submersa numa obscura realidade feudal – Que a mercantilização nasce do mesmo quadro de Europa Islamizada – Que a partir da derrota do islã e o deslocamento da hegemonia sobre o mercado mundial da península ibérica para o norte da europa, graças à América, é que ocorre o deslocamento cultural • “Ou ainda é necessário recordar que o meridiano de Greenwich atravessa Londres e não Sevilha ou Veneza?”
  20. 20. I. A América e o novo padrão de poder mundial A Questão da Modernidade • o atual padrão de poder mundial é o primeiro efetivamente global da história conhecidam – Um “sistema-mundo”: 1. é o primeiro em que cada um dos âmbitos da existência social estão articuladas todas as formas historicamente conhecidas de controle das relações sociais correspondentes, configurando em cada área uma única estrutura com relações sistemáticas entre seus componentes e do mesmo modo em seu conjunto. 2. é o primeiro em que cada uma dessas estruturas de cada âmbito de existência social, está sob a hegemonia de uma instituição produzida dentro do processo de formação e desenvolvimento deste mesmo padrão de poder. • no controle do trabalho, de seus recursos e de seus produtos, está a empresa capitalista; • no controle do sexo, de seus recursos e produtos, a família burguesa; • no controle da autoridade, seus recursos e produtos, o Estado-nação; • no controle da intersubjetividade, o eurocentrismo 3. cada uma dessas instituições existe em relações de interdependência com cada uma das outras. Por isso o padrão de poder está configurado como um sistema 4. finalmente, este padrão de poder mundial é o primeiro que cobre a totalidade da população do planeta
  21. 21. II. Colonialidade do poder e eurocentrismo • Capital e Capitalismo – formas pré-capitalistas de produção aplicadas em um contexto colonial para produzir mercadorias globalmente • Evolucionismo e dualismo – Confronto entre a experiência histórica e a perspectiva eurocêntrica de conhecimento permite apontar pontos principais do eurocentrismo: • a) uma articulação peculiar entre um dualismo (pré-capital-capital, não europeu- europeu, primitivo-civilizado, tradicional-moderno, etc.) e um evolucionismo linear, unidirecional, de algum estado de natureza à sociedade moderna européia; • b) a naturalização das diferenças culturais entre grupos humanos por meio de sua codificação com a idéia de raça; e • c) a distorcida relocalização temporal de todas essas diferenças, de modo que tudo aquilo que é não-europeu é percebido como passado. – Todas estas operações intelectuais são claramente interdependentes. E não teriam podido ser cultivadas e desenvolvidas sem a colonialidade do poder.
  22. 22. II. Colonialidade do poder e eurocentrismo • O novo dualismo – Corpo e não-corpo: • Descartes divide o homem em “razão/sujeito” e “corpo” • “razão/sujeito” não é mera secularização da alma, mas uma entidade nova, capaz de conhecimento “racional” • corpo como objeto de conhecimento • Raças “inferiores” como “domináveis e exploráveis“
  23. 23. III. Eurocentrismo e experiência histórica na América Latina • Aplicada de maneira específica à experiência histórica latino-americana, a perspectiva eurocêntrica de conhecimento opera como um espelho que distorce o que reflete. • Quer dizer, a imagem que encontramos nesse espelho não é de todo quimérica, já que possuímos tantos e tão importantes traços históricos europeus em tantos aspectos, materiais e intersubjetivos. Mas, ao mesmo tempo, somos tão profundamente distintos. • Daí que quando olhamos nosso espelho eurocêntrico, a imagem que vemos seja necessariamente parcial e distorcida. Aqui a tragédia é que todos fomos conduzidos, sabendo ou não, querendo ou não, a ver e aceitar aquela imagem como nossa e como pertencente unicamente a nós. • Dessa maneira seguimos sendo o que não somos. E como resultado não podemos nunca identificar nossos verdadeiros problemas, muito menos resolvê-los, a não ser de uma maneira parcial e distorcida.
  24. 24. III. Eurocentrismo e experiência histórica na América Latina • O eurocentrismo e a “questão nacional”: o Estado-nação – Nações e Estados: “velho fenômeno” – Modernos Estados-nação implicam uma certa democracia, dado que cada processo conhecido de nacionalização da sociedade nos tempos modernos ocorreu somente através de uma relativa (ou seja, dentro dos limites do capitalismo) mas importante e real democratização do controle do trabalho, dos recursos produtivos e do controle da geração e gestão das instituições políticas. – Os membros precisam ter em comum algo real, não só imaginado, algo que compartilhar. E isso, em todos os reais Estados- nação modernos, é uma participação mais ou menos democrática na distribuição do controle do poder. – Estado-nação é uma estrutura de poder, – Na Europa, o Estado-nação iniciou-se como um processo de colonização de alguns povos sobre outros que, nesse sentido, eram povos estrangeiros.
  25. 25. III. Eurocentrismo e experiência histórica na América Latina • O Estado-nação na América: os Estados Unidos – Território pouco ocupado – violentamente ocupado – Índios reconhecidos formalmente como nações, fizeram intercâmbio comercial e chegaram a ser aliados militares dos colonizadores – Após a Independência, índios foram excluídos da sociedade, considerados estrangeiros. – Após a conquista de suas terras, foram inseridos como raça colonizada. – EUA tiveram grande partilha do território entre os colonizadores, e os imigrantes eram convidados a participar da sociedade (Máquina de re- identificação nacional – Tocqueville). Neste sentido, formaram desde o princípio um estado-nação, ainda que predominantemente branco.
  26. 26. III. Eurocentrismo e experiência histórica na América Latina • América Latina: Cone Sul e maioria branca – Chile, Uruguai e Argentina – Similar aos EUA, maioria branca, índios não foram integrados a princípio – Minoria de negros em comparação com outras colonizações portuguesas e espanholas – Extermínio dos índios para conquista de suas terras (sec XIX Argentina e Uruguai, sec XX no Chile) – Atração de imigrantes brancos europeus – Terras nas mãos de latifundiários não promoveram o “estado- nação” (principalmente na Argentina e no Chile) – Estados-nação instáveis
  27. 27. III. Eurocentrismo e experiência histórica na América Latina • Maioria indígena, negra e mestiça: o impossível “moderno Estado- nação” – No restante dos países latino-americanos a trajetória eurocêntrica em direção ao Estado-nação se demonstrou até agora impossível de chegar a termo. – Haiti foi um caso excepcional onde se produziu, no mesmo movimento histórico, uma revolução nacional, social e racial. Sua derrota produziu-se pelas repetidas intervenções militares por parte dos Estados Unidos. – O outro processo nacional na América Latina, no Vice-reino do Peru, liderado por Tupac Amaru II em 1780, foi derrotado cedo. – Desde então, em todas as demais colônias ibéricas os grupos dominantes tiveram êxito precisamente em evitar a descolonização da sociedade enquanto lutavam por Estados independentes.

×