Aula 05 Espectrofotometria Uv Vis

112.344 visualizações

Publicada em

Aula introdutória à Espectrofotometria UV-Visível, ministrada no dia 12/04 para a turma de Análise Instrumental.

Publicada em: Tecnologia, Negócios
10 comentários
29 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Sou programador e gostaria de saber como é feito o calculo da T%, pois o espectrofotometro me retorna o potencial pela porta serial, mas ao fazer os cauldos T=p1/p0 não me retorna o mesmo valor que é visto no visor
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Olá, vc pode mandar as refencias bibliográficas q vc usou?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • excelente
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Caaaaaaaaaaaaaaaaaara, sou seu fã, curso engenharia de alimentos, ou seja, respiramos, comemos e bebemos espectofotometria, cromatografia disso e daquilo. Conteúdo massa dimais, parabéns, eeee valeu por postá-lo.

    Abração.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Achei muito bom o seu conteúdo, vou mostrar para alunos do meu grupo de estudo, presenvando sempre a autoria dos dados.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
112.344
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
992
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3.771
Comentários
10
Gostaram
29
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 05 Espectrofotometria Uv Vis

  1. 1. ESPECTROFOTOMETRIA UV-VISÍVEL Bruno L. Cortez de Souza Departamento de Engenharia Química – DEQUI ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA – EEL/USP
  2. 2. Fundamentos da Espectrofotometria <ul><li>“ Uma maneira boa de cutucar moléculas, é com radiação eletromagnética (luz)” </li></ul><ul><li>A espectrofotometria faz parte da classe dos métodos analíticos que baseiam-se na interação da matéria com a energia radiante </li></ul>Perdas: - reflexões - dispersão - absorção <ul><li>Boa sensibilidade </li></ul><ul><li>Baixo custo de análise </li></ul><ul><li>Fácil operação </li></ul><ul><li>Equipamentos robustos </li></ul>Luz incidente Luz emergente Luz absorvida
  3. 3. Fundamentos da Espectrofotometria <ul><li>Propriedades da luz </li></ul>
  4. 4. Fundamentos da Espectrofotometria <ul><li>Absorção de Luz </li></ul>
  5. 5. Espectro Eletromagnético
  6. 6. Fundamentos da Espectrofotometria <ul><li>Absorção de radiação eletromagnética </li></ul>
  7. 7. Fundamentos da Espectrofotometria <ul><li>Porque ocorre o fenômeno da absorção? </li></ul><ul><li>Moléculas que apresentam elétrons que podem ser promovidos a níveis de energia mais elevados mediante a absorção de energia </li></ul><ul><ul><li>TRANSIÇÕES ELETRÔNICAS </li></ul></ul><ul><li>Níveis discretos de energia são absorvidos devido à vibrações e rotações das moléculas </li></ul><ul><ul><li>ROTACIONAL E VIBRACIONAL </li></ul></ul><ul><li>Por este motivo não se observa uma linha de absorção nítida, mas sim uma banda de absorção </li></ul><ul><ul><li>ESPECTRO UV-VISÍVEL </li></ul></ul>
  8. 8. Transições Eletrônicas
  9. 9. Energia Rotacional e Vibracional
  10. 10. Espectro UV-Visível
  11. 11. Fundamentos da Espectrofotometria <ul><li>Dois requisitos devem ser observados para que uma determinada radiação possa ser absorvida por uma molécula: </li></ul><ul><li>1 - A radiação incidente deve ser de freqüência equivalente aquela rotacional ou vibracional, eletrônica ou nuclear da molécula, </li></ul><ul><li>2 - A molécula deve ter um dipolo permanente ou um dipolo induzido, ou seja, deve haver algum trabalho que a energia absorvida possa fazer. </li></ul>
  12. 12. Cores de Radiação Região do Visível
  13. 14. Espectros de absorção de diferentes substâncias Espectros de absorção diferentes substâncias (1: bacterioclorofila; 2: clorofila a; 3: clorofila b; 4: ficoeritrobilina; 5: beta-caroteno)
  14. 15. Teoria da Espectrofotometria <ul><li>Lei de Lambert </li></ul><ul><li>Lei de Beer </li></ul>I t = I o 10 -K l I t = I o 10 -K´ c 1 cm I o I T1 I o I T3 3 cm solução 10 g/l I o I T1 solução 20 g/l I T2 I o
  15. 18. Lei de Beer-Lambert A espectroscopia de absorção molecular está baseada na medida de absorbância (A) ou transmitância (T), que estão relacionadas através das equações:
  16. 19. Lei de Beer-Lambert A absorbância é muito importante porque ela é diretamente proporcional à concentração, c, de espécies absorventes de luz na amostra
  17. 20. Desvios da Lei de Beer-Lambert <ul><li>LIMITAÇÃO REAL </li></ul><ul><ul><li>A Lei é válida somente para baixas concentrações </li></ul></ul><ul><ul><li>Altas concentrações = Interação entre as moléculas afeta a distribuição de carga, alterando o coeficiente de absortividade molar </li></ul></ul><ul><li>DESVIO QUÍMICO </li></ul><ul><ul><li>Surgem quando um analito se dissocia, se associa ou reage com um solvente para dar um produto que tem um espectro de absorção diferente </li></ul></ul>
  18. 21. Desvios da Lei de Beer <ul><ul><li>DESVIO INSTRUMENTAL </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A lei só é válida para radiação monocromática, ou seja, para um único comprimento de onda (  ) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Como minimizar o desvio? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Escolher a região onde o  é constante na região selecionada </li></ul></ul></ul>
  19. 22. Partes Essenciais de um Espectrofotômetro <ul><li>Fontes de radiação; </li></ul><ul><li>Monocromador; </li></ul><ul><li>Compartimento de amostra; </li></ul><ul><li>Detector. </li></ul>
  20. 23. Espectrofotômetros Feixe Simples Feixe Duplo
  21. 24. Espectrofotômetros com duplo feixe
  22. 25. Espectrofotômetros com duplo feixe
  23. 26. Fontes de Radiação
  24. 27. Sistema Óptico
  25. 28. Celas de Medida
  26. 29. Detectores
  27. 30. Detectores
  28. 31. Detectores
  29. 32. Espectrofotômetros Portáteis
  30. 33. Absorção Seletiva de Compostos Orgânicos e Inorgânicos A. Compostos Inorgânicos ABSORÇÃO SELETIVA B. Compostos Orgânicos <ul><li>Cromóforos </li></ul><ul><li>Auxócromos </li></ul>
  31. 34. Cromóforos Representativos 4,3 246 Difenilo 5,0 , 3,7 , 2,5 220 , 275 , 314 Naftaleno 5,2 , 2,7 , 1,2 245 , 285 , 435 C C 1,4-Benzoquinona 3,9 , 2,4 198 , 255 Benzeno 3,7 328 [-C=C-] 5 Vitamina A 4,8 300 [-C=C-] 4 Decatetraenol 4,7 265 C=C-C=C-C=C Octatrienol 4,2 226 N=C-C=N Dimetilglioxina 4,2 , 1,3 217 , 321 C=C-C=O Crotonaldeído 4,3 217 C=C-C=C Butadieno 3,9 , 1,1 252 , 371 N=N Acetato de diazoetila 2,9 , 1,2 188 , 279 C=O Acetona 3,8 173 C=C Acetileno 3,9 185 , 230 C=C Octeno-3 Log ε  max (nm) Cromóforo Composto
  32. 35. Análises Quantitativas
  33. 36. Análises Quantitativas
  34. 37. Análises Quantitativas
  35. 38. Titulações Espectrofotométricas
  36. 39. Análise Qualitativa Espectro de absorção do canabidiol comparado com outros fenóis. 240 250 260 270 280 290 300 Comprimento de onda (nm) 2,0 2,2 2,4 2,6 2,8 3,0 3,2 Log ε A ou B C D C 5 H 11 C 5 H 11 OH C 5 H 11 R OH OH R OH C 5 H 11 OH OH OH OH (A) (B) (C) (D)

×