Devolutiva AAP 2014 Ens Fundamental - anos finais

1.454 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.454
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
117
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Devolutiva AAP 2014 Ens Fundamental - anos finais

  1. 1. Avaliação da Aprendizagem em Processo – Matemática – Devolutiva 1º Semestre 2014 Diretoria Campinas Leste PCNP Aydê Salla
  2. 2. “Matemática mortífera – você está brincando!” – Kjartan Pokitt, Livro: “Matemática Mortífera”, Saber Horrível – Ed. Melhoramentos Kjartan Poskitt (nascido em 15 de maio de 1956 em York – Inglaterra). é autor e apresentador de TV, mais conhecido por escrever “Os assassinos da Matemática” e a série “Agatha Parrot” entre outros livros infantis. Leitura Inicial
  3. 3. Avaliação Mediadora Avaliação "(...) conceber e nomear o ‘fazer testes', o 'dar notas', por avaliação é uma atitude simplista e ingênua! Significa reduzir o processo avaliativo, de acompanhamento e ação com base na reflexão, a parcos instrumentos auxiliares desse processo, como se nomeássemos por bisturi um procedimento cirúrgico". (Hoffmann, 2000, p. 53)
  4. 4. Avaliar é... Avaliação Para Jussara Hoffmann – A avaliação é essencial à educação. Inerente e indissociável enquanto concebida como problematização, questionamento, reflexão sobre a ação. Um professor que não avalia constantemente a ação educativa, no sentido indagativo, investigativo, do termo, instala sua docência em verdades absolutas, pré-moldadas e terminais. – A avaliação é reflexão transformada em ação. Ação essa que nos impulsiona para novas reflexões. Reflexão permanente do educador sobre a realidade e acompanhamento, passo a passo do educando, na sua trajetória de construção de conhecimento.
  5. 5. O que é avaliar? Avaliação Avaliar é fazer uma intervenção; é diagnosticar se a aprendizagem está ocorrendo. A avaliação tem que ser significativa. A avaliação é uma mediação. Avaliação é uma relação com o outro (o aprendiz).
  6. 6. Do que precisa o professor para avaliar? Avaliação Precisa conhecer os diferentes estágios da evolução do pensamento do aluno. Entrar em sintonia com o pensamento do aluno. Reconhecer as diferenças.
  7. 7. Avaliação Classificatória Mediadora  Julgar  Testar  Medir  Comparar  Classificar  Ver resultados  Selecionar  Observar  Interpretar  Compreender  Acompanhar  Orientar  Mediar  Promover
  8. 8. Avaliação Em uma cultura avaliativa mediadora: Entende-se a avaliação como um projeto de futuro: o professor interpreta a prova não para saber o que o aluno não sabe, mas para pensar em quais estratégias pedagógicas ele deverá desenvolver para atender esse aluno.
  9. 9. Sala de aula invertida Aula Invertida Sala de aula invertida? Você sabe o que é isso? Sabe como fazer?
  10. 10. Modelo Colaborativo de Aprendizagem Aula Invertida Na sala de aula invertida, você não terá que inverter o quadro negro, tampouco as carteiras! Neste modelo o aluno acessa as explanações do professor online, fora da classe, enquanto que a lição de casa é realizada em pequenos grupos na sala de aula.
  11. 11. Aula Invertida Pesquisadores já estudam o método desde 1990. Mas foi em 2007 que o conceito de sala de aula invertida se popularizou com os professores como Karl Fisch e Jon Bergman/Aaron Sams. Eles começaram a gravar vídeos e criar Power Point com voz e animação e a disponibilizar na internet para os alunos que faltavam.
  12. 12. Aula Invertida Neste modelo o professor cria a sua aula em vídeos e/ou outros formatos tais como podcasts, blogs, utilizando as seguintes ferramentas: Google Drive, Dropbox, Facebook, Twitter, Youtube, Slideshare, sites Wiki e os alunos acessam em casa, na hora que desejarem, e quantas vezes quiserem.
  13. 13. Aula Invertida O professor pode criar vídeos curtos de 8 a 12 minutos ou até mesmo selecionar vídeos e palestras da internet. Outra dica é incluir nos vídeos perguntas, para o aluno responder quando retornar à sala de aula.
  14. 14. Vantagens Aula Invertida • Os alunos tendem a ter um melhor desempenho quando controlam Quando, Onde e Como eles aprendem; • O professor não é mais o detentor do conhecimento, mas sim o mediador que orienta e guia, enquanto os estudantes são os aprendizes ativos reais de todo o processo; • Com os vídeos e aulas interativas os alunos podem acessá-los em casa antes da aula no momento que quiserem; • O tempo em sala de aula pode ser utilizado para a coleta de dados, colaboração e aplicação dos conceitos;
  15. 15. Plataforma Currículo+ A Plataforma Currículo+ tem diversos Objetos Digitais de Aprendizagem que podem ser utilizados pelos Professores para potencializar a aprendizagem dos alunos. Exemplos de Objetos Digitais: Vídeos, áudios, jogos, aula digital, simuladores, livro digital, simulador, software e infográficos.
  16. 16. Plataforma Currículo+
  17. 17. Questões com menor índice de acertos
  18. 18. Questão 7 6º ano
  19. 19. Questão 7 6º ano Área 1 = 6 quadradinhos Área 2 = 6 quadradinhos Área 3 = 6 quadradinhos Portanto, se tomarmos como unidade de medida 1 quadradinho os polígonos possuem a mesma área. O Perímetro é a soma das medidas dos lados de uma figura: P1= 10 quadradinhos P2= 12 quadradinhos P3= 15 quadradinhos Assim, os polígonos não possuem o mesmo perímetro.
  20. 20. Questão 7 6º ano
  21. 21. Questão 8 6º ano
  22. 22. Questão 8 6º ano 10% de R$ 40,00 10% = 10/100 = 0,1 0,1 . R$ 40,00 = R$ 4,00 Desconto de R$ 4,00 em R$ 40,00 = R$ 36,00
  23. 23. Questão 12 6º ano
  24. 24. Questão 12 6º ano 40 m 10 m Perímetro = 40 + 10 + 40 + 10 = 100 m 3 voltas  3 . 100 = 300 m
  25. 25. Questão 8 7º ano
  26. 26. Questão 8 7º ano Mínimo Múltiplo Comum 8, 10 2 4, 5 2 2, 5 2 1, 5 5 1, 1 2.2.2.5 = 40 7h00 + 40min = 7h40min
  27. 27. Questão 9 7º ano
  28. 28. Questão 9 7º ano
  29. 29. Questão 13 7º ano
  30. 30. Questão 13 7º ano Figura 1 Perímetro = 3 + 6 + 3 + 6 = 18 Área = 3 . 6 = 18 Figura 2 Perímetro = 22 Área - A figura precisa ser decomposta: A = 3 B = 3 C = 6 Total = A + B + C = 12 I Verdadeiro II Falso
  31. 31. Questão 5 8º ano
  32. 32. Questão 5 8º ano
  33. 33. Questão 10 8º ano
  34. 34. Questão 10 8º ano
  35. 35. Questão 13 8º ano
  36. 36. Questão 13 8º ano
  37. 37. Questão 4 9º ano C < B < A
  38. 38. Questão 4 9º ano
  39. 39. Questão 6 9º ano
  40. 40. Questão 6 9º ano
  41. 41. Questão 10 9º ano x  preço de 1 barra 6x = x + 7 5x = 7 x = 7/5  x = 1,4 1 barra = R$ 1,40
  42. 42. Questão 10 9º ano
  43. 43. O visto e o sabido de Parzysz Segundo Parzysz (1988, 1991), ao tentar representar um objeto tridimensional, o aprendiz depara-se com um dilema entre representar o que vê – polo visto - ou o que conhece – polo sabido. O polo visto consiste em representar um objeto tal qual ele se apresenta aos olhos, ou seja, segundo seus aspectos perceptivos. Já o polo sabido consiste em representar as propriedades e as relações do objeto que o aprendiz julga relevante, ou seja, baseia-se em aspectos cognitivos. O polo sabido não precisa de adequação, já que partimos do princípio que não ter acuidade visual dentro dos padrões normais não implica em déficit cognitivo. ParzyszParzysz
  44. 44. O visto e o sabido de Parzysz Segundo Parzysz (1988, 1991), ao tentar representar um objeto tridimensional, o aprendiz depara-se com um dilema entre representar o que vê – polo visto - ou o que conhece – polo sabido. O polo visto consiste em representar um objeto tal qual ele se apresenta aos olhos, ou seja, segundo seus aspectos perceptivos. Já o polo sabido consiste em representar as propriedades e as relações do objeto que o aprendiz julga relevante, ou seja, baseia-se em aspectos cognitivos. O polo sabido não precisa de adequação, já que partimos do princípio que não ter acuidade visual dentro dos padrões normais não implica em déficit cognitivo. ParzyszParzysz
  45. 45. Parzysz NÃO PODEM representar um cubo
  46. 46. Parzysz Os desenhos 1, 3, 4, 12 e13 foram considerados como os que melhor representam o cubo. Os resultados mostraram que uma quantidade significativa dos alunos valoriza a preservação do paralelismo e da igualdade dos comprimentos nas representações. Isso justifica porque os desenhos 5 e 6, por exemplo, representados em perspectiva central, foram rejeitados, apesar de serem totalmente aceitáveis.
  47. 47. Parzysz Esse fato pode ser interpretado pela preponderância do “polo do sabido” sobre o “polo do visto” (PARZYSZ, 1988), uma vez que a preservação do conhecimento em relação ao objeto representado é um elemento considerado importante na representação gráfica do mesmo. Esta “coexistência” do sabido e do visto numa mesma representação nem sempre é algo tranquilo para os alunos e pode dar lugar a diversos conflitos.
  48. 48. Café
  49. 49. Atividade Cada grupo, pesquisará no computador, um Objeto Digital de Aprendizagem (ODA) que contemple a habilidade da questão com menor índice de acertos. A partir desse ODA, cada grupo criará um plano de ação envolvendo as outras áreas do conhecimento, favorecendo a abordagem junto aos alunos que não atingiram a aprendizagem desejada. Atividade em grupos
  50. 50. Atividade Socialização
  51. 51. Vídeo: All work and all play – https://www.youtube.com/watch?v=F12DAS-ZNDY Um caminho para o curral - Série Matemática na Escola - http://m3.ime.unicamp.br/recursos/1061 acesso 15/04/2014 Radiciação e seus usos - EJA Educação de Jovens e Adultos http://www.ejamundodotrabalho.sp.gov.br/Conteudo.aspx?M ateriaID=7&tipo=Videos acesso 18/04/2014 Resolvendo problemas com equações do 2º grau – Telecurso http://www.youtube.com/watch?v=snTxJVRJ5DY Geogebratube: http://www.geogebratube.org Referências
  52. 52. BOM TRABALHO! Obrigada!

×