Empreendedorismo  no Comércio Instituição Paulo Leão Brasília, 26/04/2010 23:33:04
Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>P...
Conceito Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Entrepreuner  </li></ul><ul><li>Quando surgiu? </li></ul><ul><li>Empreend...
Conceito Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Empresa por que? </li></ul><ul><li>A vocação do bombeiro  </li></ul><ul><...
Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>P...
Histórico Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Richard Cantillon (entrepreuner)  </li></ul><ul><li>Jean-Baptiste Say (l...
Histórico Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>A teoria econômica </li></ul><ul><li>Schumpeter, Say e Cantillon </li></...
Histórico Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>A segunda teoria, a comportamentalista </li></ul><ul><li>Max Weber, Davi...
Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>P...
Cenário Empreendedorismo    no Comércio Fatores que contribuem para o crescimento da abertura de novos negócios <ul><li>Ab...
Cenário Empreendedorismo    no Comércio Fonte: GEM Global Entrepreneurship Monitor Impacto das MPEs no Cenário Econômico <...
Cenário Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>NECESSIDADE </li></ul><ul><li>Perdeu o emprego </li></ul><ul><li>Foi terce...
Cenário Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor) </li></ul><ul><li>Média até...
Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>P...
Perfil do Empreendedor Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Conjunto de Realização </li></ul><ul><li>Conjunto de Planej...
Perfil do Empreendedor Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>1. Conjunto de Realização </li></ul><ul><li>Busca de oportu...
Perfil do Empreendedor Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>2. Conjunto de Planejamento </li></ul><ul><li>Estabelecimen...
Perfil do Empreendedor Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>3. Conjunto de Poder </li></ul><ul><li>Persuasão e rede de ...
Empreendedorismo    no Comércio Fonte: SEBRAE MG 23:33:04
Empreendedorismo    no Comércio Fonte: SEBRAE MG 23:33:04
Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>P...
Barreiras ao Empreendedorismo Empreendedorismo    no Comércio Fonte: GEM - Global Entrepreneurship Monitor <ul><li>Segundo...
Barreiras ao Empreendedorismo Empreendedorismo    no Comércio Fonte: GEM - Global Entrepreneurship Monitor <ul><li>Das 772...
Empreendedorismo    no Comércio Barreiras ao Empreendedorismo Os motivos que levam à mortalidade das empresas são: <ul><li...
Barreiras ao Empreendedorismo Fatores chave para o fracasso Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Motivo # Motivação </l...
Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Empreender para provar algo </li></ul><ul><li>Não ser empresário </li></ul><ul><li...
Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>P...
Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Funções </li></ul><ul><li>Planejamento </li></ul><ul><li>Diagnóstico </li></ul><ul...
“ Motivação, para o Empreendedor,  significa esperança.”  (Fernando Trías de Bes) Empreendedorismo    no Comércio Fechamen...
<ul><li>Bibliografia básica </li></ul><ul><li>HISRICH, Robert D.; PETERS, Michael P.; SHEPHERD, Dean A. SOUZA, Teresa Feli...
<ul><li>Fontes complementares: </li></ul><ul><li>Auros Gestão  </li></ul><ul><li><http://aurosgestao.blogspot.com> </li></...
Obrigado! Juntos somos mais! Paulo Leão [email_address] Empreendedorismo    no Comércio 23:33:04
Backup Empreendedorismo    no Comércio 23:33:04
Casos de sucesso no comércio Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>Empresa por que? </li></ul><ul><li>Por que empreended...
Cenário Empreendedorismo    no Comércio “  O Brasil está sentado em cima de uma das maiores riquezas naturais do mundo, ai...
O caminho para se Empreender Transformando dados em informações Empreendedorismo    no Comércio <ul><li>SWOT / FOFA </li><...
O caminho para se Empreender SWOT Empreendedorismo    no Comércio 23:33:04
O caminho para se Empreender SMART Empreendedorismo    no Comércio 23:33:04
O caminho para se empreender Plano de negócio O mapa para o sucesso  Empreendedorismo    no Comércio 23:33:04
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Auros didatica principal

4.859 visualizações

Publicada em

Aula apresentada sobre o Empreendedorismo no Comércio. Conceito. Histórico. Cenário. Perfil do Empreendedor. Barreiras ao sucesso. Caminho para Empreender. O texto será postado esta semana.

Publicada em: Negócios
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.859
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
510
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Abrir uma padaria, uma banca de jornais, um restaurante. Quem tem ou já teve este tipo de sonho e pensa em entrar para o universo de 16,5 milhões de empreendedores do país, entre formais e informais , pode aumentar suas chances de sucesso avaliando seu próprio perfil, antes de tomar qualquer decisão. O empreendedorismo sempre existiu, desde a primeira ação inconformista, envolvendo aplicação de recursos e risco, com o objetivo de alcançar uma situação melhor. O conceito foi sendo desenvolvido e encorpado ao longo do tempo. Empreender é inconformar-se com o estado atual, criando uma ou mais soluções estratégicas. O empreendedor tem coragem e autoconfiança em si e em seu projeto e parte para a execução como um trator, agressivo no bom sentido, certo de seu sucesso. Nesse processo, é bastante valorizada a análise dos riscos e do ambiente, com visões de helicóptero e de submarino ao mesmo tempo. Entender de muitos assuntos é uma virtude para esse tipo de pessoa, que pode se especializar, porém, sem nunca colocar os óculos da miopia. O empreendedor tem geralmente um plano contingencial e visão de futuro. Segundo Timmons (1994, apud Dolabela, 2009), o empreendedorismo é a melhor arma contra o desemprego. É ainda uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20.
  • Abrir uma padaria, uma banca de jornais, um restaurante. Quem tem ou já teve este tipo de sonho e pensa em entrar para o universo de 16,5 milhões de empreendedores do país, entre formais e informais , pode aumentar suas chances de sucesso avaliando seu próprio perfil, antes de tomar qualquer decisão. O empreendedorismo sempre existiu, desde a primeira ação inconformista, envolvendo aplicação de recursos e risco, com o objetivo de alcançar uma situação melhor. O conceito foi sendo desenvolvido e encorpado ao longo do tempo. Empreender é inconformar-se com o estado atual, criando uma ou mais soluções estratégicas. O empreendedor tem coragem e autoconfiança em si e em seu projeto e parte para a execução como um trator, agressivo no bom sentido, certo de seu sucesso. Nesse processo, é bastante valorizada a análise dos riscos e do ambiente, com visões de helicóptero e de submarino ao mesmo tempo. Entender de muitos assuntos é uma virtude para esse tipo de pessoa, que pode se especializar, porém, sem nunca colocar os óculos da miopia. O empreendedor tem geralmente um plano contingencial e visão de futuro. Segundo Timmons (1994, apud Dolabela, 2009), o empreendedorismo é a melhor arma contra o desemprego. É ainda uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20.
  • Além do empresário, o empreendedorismo pode assumir variadas formas: empregado, servidor público, artista, pesquisador, escritor, entre outros. Para Trías de Bes (2008), o empreendedorismo é uma vocação, tal como a criança que sonha desde pequeno em ser bombeiro e acaba realizando este sonho quando adulto. Já para Fernando Dolabela (2009), o empreendedorismo surge através do ambiente onde o cidadão está inserido e pode surgir através de uma oportuniadde ou de uma necessidade. O empreendedor é responsável pela oxigenação da economia e do desenvolvimento, através da inovação. Assim, cria novas perspectivas, inclusive para outros cidadãos, envolvidos em seu empreendimento. O conceito de empreendedor envolve sustentabilidade.
  • Abrir uma padaria, uma banca de jornais, um restaurante. Quem tem ou já teve este tipo de sonho e pensa em entrar para o universo de 16,5 milhões de empreendedores do país, entre formais e informais , pode aumentar suas chances de sucesso avaliando seu próprio perfil, antes de tomar qualquer decisão. O empreendedorismo sempre existiu, desde a primeira ação inconformista, envolvendo aplicação de recursos e risco, com o objetivo de alcançar uma situação melhor. O conceito foi sendo desenvolvido e encorpado ao longo do tempo. Empreender é inconformar-se com o estado atual, criando uma ou mais soluções estratégicas. O empreendedor tem coragem e autoconfiança em si e em seu projeto e parte para a execução como um trator, agressivo no bom sentido, certo de seu sucesso. Nesse processo, é bastante valorizada a análise dos riscos e do ambiente, com visões de helicóptero e de submarino ao mesmo tempo. Entender de muitos assuntos é uma virtude para esse tipo de pessoa, que pode se especializar, porém, sem nunca colocar os óculos da miopia. O empreendedor tem geralmente um plano contingencial e visão de futuro. Segundo Timmons (1994, apud Dolabela, 2009), o empreendedorismo é a melhor arma contra o desemprego. É ainda uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20.
  • A palavra empreendedor (entrepreneur) surgiu na França por volta dos séculos XVII e XVIII, com o objetivo de designar aquelas pessoas ousadas que estimulavam o progresso econômico, mediante novas e melhores formas de agir. Entretanto, foi o economista francês Jean-Baptiste Say, que no início do século XIX conceituou o empreendedor como o indivíduo capaz de mover recursos econômicos de uma área de baixa para outra de maior produtividade e retorno. Joseph Schumpeter, um dos mais importantes economistas do século XX que definiria esse indivíduo como o que reforma ou revoluciona o processo “criativo-destrutivo” do capitalismo, por meio do desenvolvimento de nova tecnologia ou do aprimoramento de uma antiga, em 1950, definiu empreendedorismo como sendo uma pessoa com criatividade e capaz de fazer sucesso com inovações. Mais tarde, em 1967 com Kenneth E. Knight e em 1970 com Peter Drucker, considerado “o pai da administração moderna”, foi introduzido o conceito de risco. Uma pessoa empreendedora precisa arriscar em algum negócio. E em 1985 com Gifford Pinchot foi introduzido o conceito de Intraempreendedor, uma pessoa empreendedora dentro de uma organização. Século XVII Os primeiros indícios de relação entre assumir riscos e empreendedorismo ocorreram nessa época, em que o empreendedor estabelecia um acordo contratual com o governo para realizar algum serviço ou fornecer produtos. Richard Cantillon, importante escritor e economista do século XVII, é considerado por muitos como um dos criadores do termo empreendedorismo, tendo sido um dos primeiros a diferenciar o empreendedor (aquele que assume riscos), do capitalista (aquele que fornecia o capital). Século XVIII Nesse século o capitalista e o empreendedor foram finalmente diferenciados, provavelmente devido ao início da industrialização que ocorria no mundo, através da Revolução Industrial. Século XIX e XX No final do século XIX e início do século XX, os empreendedores foram frequentemente confundidos com os administradores (o que ocorre até os dias atuais), sendo analisados meramente de um ponto de vista econômico, como aqueles que organizam a empresa, pagam empregados, planejam, dirigem e controlam as ações desenvolvidas na organização, mas sempre a serviço do capitalista.
  • A teoria econômica, também conhecida como schumpeteriana, demonstra que os primeiros a perceberem a importância do empreendedorismo foram os economistas. Estes estavam primordialmente interessados em compreender o papel do empreendedor e o impacto da sua atuação na economia. Três nomes destacam-se nessa teoria: Richard Cantillon, Jean Baptiste Say e Joseph Schumpeter. Cantillon era um banqueiro que hoje poderia ser descrito como um capitalista de risco, cujo seus escritos revelam um homem em busca de oportunidades de negócios, preocupado com o gerenciamento inteligente de negócios e a obtenção de rendimentos otimizados para o capital investido. Say distinguiu entre empreendedores e capitalistas e os lucros de cada um. Say considerava o desenvolvimento econômico como resultado da criação de novos empreendimentos e ansiava pela expansão da Revolução Industrial inglesa na França. Cantillon e Say consideravam os empreendedores como pessoas que corriam riscos, basicamente porque investiam seu próprio dinheiro. Na visão de Cantillon, os empreendedores compravam matéria prima, por certo preço com o objetivo de processá-la e revendê-la por um preço ainda não definido. Os empreendedores eram, portanto, pessoas que aproveitavam as oportunidades com a perspectiva de obterem lucros, assumindo riscos inerentes. Say fazia distinção entre empreendedores e capitalistas e entre os lucros de cada um. Ao fazê-lo, associou os empreendedores à inovação e via-os como os agentes da mudança. Porém, Schumpeter foi quem realmente lançou o campo do empreendedorismo, associando-o claramente à essência da inovação. A essência do empreendedorismo está na percepção e no aproveitamento das novas oportunidades no âmbito dos negócios, sempre tem a ver com criar uma nova forma de uso dos recursos nacionais, em que eles seja deslocados de seu emprego tradicional e sujeitos a novas combinações. Uma das principais críticas destinadas a esses economistas é que eles não foram capazes de criar uma ciência comportamentalista.
  • A segunda teoria, dos comportamentalistas , refere-se a especialistas do comportamento humano: psicólogos, psicanalistas, sociólogos, entre outros. O objetivo desta abordagem do empreendedorismo foi de ampliar o conhecimento sobre motivação e o comportamento humano. Um dos primeiros autores desse grupo a demonstrar interesse foi Max Weber (1930). Ele identificou o sistema de valores como um elemento fundamental para a explicação do comportamento empreendedor. Via os empreendedores como inovadores, pessoas independentes cujo papel de liderança nos negócios inferia uma fonte de autoridade formal. Toda via, o autor que realmente deu início à contribuição das ciências do comportamento foi David C. McClelland. Nessa linha, McClelland (1972) foi um dos primeiros autores a estudar e destacar o papel dos homens de negócios na sociedade e suas contribuições para o desenvolvimento econômico. Esse autor concentra sua atenção sobre o desejo, como uma forca realizadora controlada pela razão. Para McClelland, um empreendedor é alguém que exerce controle sobre uma produção que não seja só para o seu consumo pessoal. De acordo com a sua definição, um executivo em uma unidade produtora de aço na União Soviética é um empreendedor. De fato o trabalho de McClelland (1971) está concentrado em gerentes de grandes organizações e, apesar de estar fortemente ligado ao empreendedorismo, uma leitura cuidadosa de seus escritos mostra que ele nunca fez qualquer elo entre a necessidade de auto realização e a decisão de lançar, possuir ou até mesmo gerenciar um negócio. Outros pesquisadores têm estudado a necessidade de realização, porém nenhum deles parece ter chegado a conclusões definitivas sobre qualquer tipo de conexão com o sucesso dos empreendedores. Alguns autores acham que a necessidade de realização é insuficiente para a explicação de novos empreendimentos; enquanto outros acham que ela não é suficiente o bastante para explicar o sucesso dos empreendedores. É importante observar que os autores da teoria comportamentalista não se opuseram às teorias dos economistas, e sim ampliaram as características dos empreendedores.
  • Abrir uma padaria, uma banca de jornais, um restaurante. Quem tem ou já teve este tipo de sonho e pensa em entrar para o universo de 16,5 milhões de empreendedores do país, entre formais e informais , pode aumentar suas chances de sucesso avaliando seu próprio perfil, antes de tomar qualquer decisão. O empreendedorismo sempre existiu, desde a primeira ação inconformista, envolvendo aplicação de recursos e risco, com o objetivo de alcançar uma situação melhor. O conceito foi sendo desenvolvido e encorpado ao longo do tempo. Empreender é inconformar-se com o estado atual, criando uma ou mais soluções estratégicas. O empreendedor tem coragem e autoconfiança em si e em seu projeto e parte para a execução como um trator, agressivo no bom sentido, certo de seu sucesso. Nesse processo, é bastante valorizada a análise dos riscos e do ambiente, com visões de helicóptero e de submarino ao mesmo tempo. Entender de muitos assuntos é uma virtude para esse tipo de pessoa, que pode se especializar, porém, sem nunca colocar os óculos da miopia. O empreendedor tem geralmente um plano contingencial e visão de futuro. Segundo Timmons (1994, apud Dolabela, 2009), o empreendedorismo é a melhor arma contra o desemprego. É ainda uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20.
  • Brasil ocupou a 13 a . posição no ranking mundial de empreendedorismo realizado pelo Global Entrepreneurship Monitor em 2008. A cada 100 brasileiros, 12 realizavam alguma atividade empreendedora no momento da pesquisa, taxa esta muito próxima da média histórica brasileira, de 12,72%. Pela primeira vez em nove anos de pesquisa, o Brasil ficou fora do grupo dos dez países com maiores taxas de empreendedorismo. O Brasil não caiu no ranking, na verdade. Foram outros países que ocuparam posições superiores no ranking, tais como: Egito, Bolívia, Angola e Macedônia. As taxas apresentadas pelo Brasil ficaram muito próximas das obtidas por Uruguai, Chile, Índia e México.
  • Abrir uma padaria, uma banca de jornais, um restaurante. Quem tem ou já teve este tipo de sonho e pensa em entrar para o universo de 16,5 milhões de empreendedores do país, entre formais e informais , pode aumentar suas chances de sucesso avaliando seu próprio perfil, antes de tomar qualquer decisão. O empreendedorismo sempre existiu, desde a primeira ação inconformista, envolvendo aplicação de recursos e risco, com o objetivo de alcançar uma situação melhor. O conceito foi sendo desenvolvido e encorpado ao longo do tempo. Empreender é inconformar-se com o estado atual, criando uma ou mais soluções estratégicas. O empreendedor tem coragem e autoconfiança em si e em seu projeto e parte para a execução como um trator, agressivo no bom sentido, certo de seu sucesso. Nesse processo, é bastante valorizada a análise dos riscos e do ambiente, com visões de helicóptero e de submarino ao mesmo tempo. Entender de muitos assuntos é uma virtude para esse tipo de pessoa, que pode se especializar, porém, sem nunca colocar os óculos da miopia. O empreendedor tem geralmente um plano contingencial e visão de futuro. Segundo Timmons (1994, apud Dolabela, 2009), o empreendedorismo é a melhor arma contra o desemprego. É ainda uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20.
  • O empreendedor muitas vezes enxerga o que ninguém mais pode ver. E muitas vezes costuma ser criticado repreendido por isso, até taxado como louco.
  • Abrir uma padaria, uma banca de jornais, um restaurante. Quem tem ou já teve este tipo de sonho e pensa em entrar para o universo de 16,5 milhões de empreendedores do país, entre formais e informais , pode aumentar suas chances de sucesso avaliando seu próprio perfil, antes de tomar qualquer decisão. O empreendedorismo sempre existiu, desde a primeira ação inconformista, envolvendo aplicação de recursos e risco, com o objetivo de alcançar uma situação melhor. O conceito foi sendo desenvolvido e encorpado ao longo do tempo. Empreender é inconformar-se com o estado atual, criando uma ou mais soluções estratégicas. O empreendedor tem coragem e autoconfiança em si e em seu projeto e parte para a execução como um trator, agressivo no bom sentido, certo de seu sucesso. Nesse processo, é bastante valorizada a análise dos riscos e do ambiente, com visões de helicóptero e de submarino ao mesmo tempo. Entender de muitos assuntos é uma virtude para esse tipo de pessoa, que pode se especializar, porém, sem nunca colocar os óculos da miopia. O empreendedor tem geralmente um plano contingencial e visão de futuro. Segundo Timmons (1994, apud Dolabela, 2009), o empreendedorismo é a melhor arma contra o desemprego. É ainda uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20.
  • Muitos empreendimentos fracassam por faltar motivação ao empreendedor, mesmo havendo um motivo. Assim, a tendência é deixar de lutar. Quanto aos sócios, os perigos são muitos. Os critérios de escolha precisam ser altamente relevantes para o negócio. Dividir os lucros é injusto quando não se divide nas mesmas proporções o trabalho. Nenhum iniciante, mesmo que relativo, ganha o prêmio Nobel. Então, o empreendedor precisa ter afinidade com o negócio.
  • A escolha de setores de atividade atraentes e rentáveis ajuda a manter a motivação em alta. Empreender para provar para a família, para os amigos, para os colegas ou até para você mesmo, pode ser um erro fatal.
  • Abrir uma padaria, uma banca de jornais, um restaurante. Quem tem ou já teve este tipo de sonho e pensa em entrar para o universo de 16,5 milhões de empreendedores do país, entre formais e informais , pode aumentar suas chances de sucesso avaliando seu próprio perfil, antes de tomar qualquer decisão. O empreendedorismo sempre existiu, desde a primeira ação inconformista, envolvendo aplicação de recursos e risco, com o objetivo de alcançar uma situação melhor. O conceito foi sendo desenvolvido e encorpado ao longo do tempo. Empreender é inconformar-se com o estado atual, criando uma ou mais soluções estratégicas. O empreendedor tem coragem e autoconfiança em si e em seu projeto e parte para a execução como um trator, agressivo no bom sentido, certo de seu sucesso. Nesse processo, é bastante valorizada a análise dos riscos e do ambiente, com visões de helicóptero e de submarino ao mesmo tempo. Entender de muitos assuntos é uma virtude para esse tipo de pessoa, que pode se especializar, porém, sem nunca colocar os óculos da miopia. O empreendedor tem geralmente um plano contingencial e visão de futuro. Segundo Timmons (1994, apud Dolabela, 2009), o empreendedorismo é a melhor arma contra o desemprego. É ainda uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20.
  • Se imaginarmos o plano de negócios como um mapa da estrada, entenderemos melhor seu significado. Imaginemos que desejamos sair de Brasília de carro, com a meta de chegar a Florianópolis. Existem vários caminhos possíveis, custos, distâncias. Cada opção exige planejamento e tempo diferentes. São necessárias informações que suportem o processo de decisão nesse plano. O plano de viagem consideraria quanto dinheiro o viajante tem `a disposição, as condições do tempo, da estrada, paisagens e lugares que não podem passar batido na viagem e as opções de hotéis, pousadas, campings. De modo semelhante, o empreendedor tem algum controle sobre a fabricação, o mercado e o quadro de pessoal do novo empreendimento.
  • Auros didatica principal

    1. 1. Empreendedorismo no Comércio Instituição Paulo Leão Brasília, 26/04/2010 23:33:04
    2. 2. Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>Perfil do Empreendedor </li></ul><ul><li>Barreiras ao Empreendedorismo </li></ul><ul><li>Caminho para Empreender </li></ul>23:33:04
    3. 3. Conceito Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Entrepreuner </li></ul><ul><li>Quando surgiu? </li></ul><ul><li>Empreendedorismo </li></ul><ul><li>Qual a diferença? </li></ul><ul><ul><ul><li>Empreendedor, Intraempreendedor, Aventureiro ou Investidor </li></ul></ul></ul>23:33:04
    4. 4. Conceito Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Empresa por que? </li></ul><ul><li>A vocação do bombeiro </li></ul><ul><li>Por que empreendedorismo não é mais genético? </li></ul><ul><li>O Empreendedorismo como motor da sociedade </li></ul>23:33:04
    5. 5. Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>Perfil do Empreendedor </li></ul><ul><li>Barreiras ao Empreendedorismo </li></ul><ul><li>Caminho para Empreender </li></ul>23:33:04
    6. 6. Histórico Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Richard Cantillon (entrepreuner) </li></ul><ul><li>Jean-Baptiste Say (lucro, capitalistas) </li></ul><ul><li>Joseph Schumpeter (inovação) </li></ul><ul><li>Peter Drucker (risco) </li></ul><ul><li>Gifford Pinchot (intra) </li></ul>XVII XIX 1950 1970 1985 23:33:04
    7. 7. Histórico Empreendedorismo no Comércio <ul><li>A teoria econômica </li></ul><ul><li>Schumpeter, Say e Cantillon </li></ul>23:33:04
    8. 8. Histórico Empreendedorismo no Comércio <ul><li>A segunda teoria, a comportamentalista </li></ul><ul><li>Max Weber, David McClelland </li></ul><ul><li>Liderança </li></ul><ul><li>Social </li></ul>23:33:04
    9. 9. Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>Perfil do Empreendedor </li></ul><ul><li>Barreiras ao Empreendedorismo </li></ul><ul><li>Caminho para Empreender </li></ul>23:33:04
    10. 10. Cenário Empreendedorismo no Comércio Fatores que contribuem para o crescimento da abertura de novos negócios <ul><li>Abertura de mercado e globalização </li></ul><ul><li>Entrada das mulheres no mercado de trabalho </li></ul><ul><li>Terceirização </li></ul><ul><li>Renascimento do espírito empreendedor </li></ul>90’s 23:33:04
    11. 11. Cenário Empreendedorismo no Comércio Fonte: GEM Global Entrepreneurship Monitor Impacto das MPEs no Cenário Econômico <ul><li>99,3% das 3,4 milhões de empresas formais empregam 60% da mão de obra formalmente ocupada; </li></ul><ul><li>Segundo o IBGE juntam-se a esse montante 9,5 milhões de empresas informais; </li></ul><ul><li>70 mi de brasileiros que constituem a PEA estão empregados em MPEs. </li></ul>23:33:04
    12. 12. Cenário Empreendedorismo no Comércio <ul><li>NECESSIDADE </li></ul><ul><li>Perdeu o emprego </li></ul><ul><li>Foi terceirizado </li></ul><ul><li>Incapacitação </li></ul><ul><li>Dificuldades de recolocação </li></ul><ul><li>O jeito é ser empresário </li></ul><ul><li>OPORTUNIDADE </li></ul><ul><li>Decide ser empreendedor </li></ul><ul><li>Livre escolha </li></ul><ul><li>Comprometimento </li></ul><ul><li>Autoconfiança </li></ul><ul><li>Vou empreender </li></ul>23:33:04
    13. 13. Cenário Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor) </li></ul><ul><li>Média até 2008: 12,72% </li></ul><ul><li>Fora dos 10 primeiros em 2008 </li></ul><ul><li>2009; 15,3% = 9,4% + 5,9% = 18,8 mi </li></ul><ul><li>TEA dobrou </li></ul><ul><li>Em 2009 o Brasil saltou de 13º. para 6º. </li></ul>23:33:04
    14. 14. Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>Perfil do Empreendedor </li></ul><ul><li>Barreiras ao Empreendedorismo </li></ul><ul><li>Caminho para Empreender </li></ul>23:33:04
    15. 15. Perfil do Empreendedor Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Conjunto de Realização </li></ul><ul><li>Conjunto de Planejamento </li></ul><ul><li>Conjunto de Poder </li></ul>23:33:04
    16. 16. Perfil do Empreendedor Empreendedorismo no Comércio <ul><li>1. Conjunto de Realização </li></ul><ul><li>Busca de oportunidades e iniciativa </li></ul><ul><li>Exigência de qualidade e eficiência </li></ul><ul><li>Correr riscos calculados </li></ul><ul><li>Persistência </li></ul><ul><li>Comprometimento </li></ul>23:33:04
    17. 17. Perfil do Empreendedor Empreendedorismo no Comércio <ul><li>2. Conjunto de Planejamento </li></ul><ul><li>Estabelecimento de metas </li></ul><ul><li>Busca de informações </li></ul><ul><li>Planejamento e monitoramento sistemáticos </li></ul>23:33:04
    18. 18. Perfil do Empreendedor Empreendedorismo no Comércio <ul><li>3. Conjunto de Poder </li></ul><ul><li>Persuasão e rede de contatos </li></ul><ul><li>Independência e autoconfiança </li></ul>23:33:04
    19. 19. Empreendedorismo no Comércio Fonte: SEBRAE MG 23:33:04
    20. 20. Empreendedorismo no Comércio Fonte: SEBRAE MG 23:33:04
    21. 21. Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>Perfil do Empreendedor </li></ul><ul><li>Barreiras ao Empreendedorismo </li></ul><ul><li>Caminho para Empreender </li></ul>23:33:04
    22. 22. Barreiras ao Empreendedorismo Empreendedorismo no Comércio Fonte: GEM - Global Entrepreneurship Monitor <ul><li>Segundo pesquisas do SEBRAE 36% das pequenas empresas encerram suas atividades antes do primeiro ano ; </li></ul><ul><li>50% das 470 mil empresas fecham as portas em 02 anos; bilhões para o país. </li></ul>23:33:04
    23. 23. Barreiras ao Empreendedorismo Empreendedorismo no Comércio Fonte: GEM - Global Entrepreneurship Monitor <ul><li>Das 772,6 mil empresas extintas em até 04 anos , levaram 2,4 milhões de pessoas a perderem o emprego; </li></ul><ul><li>desperdício econômico de R$ 19,8 bilhões para o país. </li></ul>23:33:04
    24. 24. Empreendedorismo no Comércio Barreiras ao Empreendedorismo Os motivos que levam à mortalidade das empresas são: <ul><li>Falta de planejamento </li></ul><ul><li>Falta de capital de giro </li></ul><ul><li>Falta de clientes </li></ul><ul><li>Carga tributária elevada </li></ul><ul><li>Recessão econômica </li></ul><ul><li>Maus pagadores </li></ul><ul><li>Concorrência acirrada </li></ul>23:33:04
    25. 25. Barreiras ao Empreendedorismo Fatores chave para o fracasso Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Motivo # Motivação </li></ul><ul><li>Sócios </li></ul><ul><li>Hipervalorizar a ideia </li></ul>23:33:04 Fonte: Fernando Trías de Bes
    26. 26. Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Empreender para provar algo </li></ul><ul><li>Não ser empresário </li></ul><ul><li>Não se afastar a tempo </li></ul>Barreiras ao Empreendedorismo Fatores chave para o fracasso 23:33:04 Fonte: Fernando Trías de Bes
    27. 27. Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Cenário </li></ul><ul><li>Perfil do Empreendedor </li></ul><ul><li>Barreiras ao Empreendedorismo </li></ul><ul><li>Caminho para Empreender </li></ul>23:33:04
    28. 28. Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Funções </li></ul><ul><li>Planejamento </li></ul><ul><li>Diagnóstico </li></ul><ul><li>Captação de recursos </li></ul>Documento que descreve por escrito o processo de criação e evolução de uma empresa, analisando suas possibilidades e caminhos. HOJE AMANHÃ O QUE É UM PLANO DE NEGÓCIOS 23:33:04 Fonte: SEBRAE MG Importante: Não há como preparar um bom plano sem o envolvimento do empreendedor. É como contratar um personal trainner. Ele fornece orientações, mas se correr no seu lugar ...
    29. 29. “ Motivação, para o Empreendedor, significa esperança.” (Fernando Trías de Bes) Empreendedorismo no Comércio Fechamento 23:33:04
    30. 30. <ul><li>Bibliografia básica </li></ul><ul><li>HISRICH, Robert D.; PETERS, Michael P.; SHEPHERD, Dean A. SOUZA, Teresa Felix. Empreendedorismo . 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009. </li></ul><ul><li>DOLABELA, Fernando. O segredo de Luíza. Rio de Janeiro: Sextante, 2008. </li></ul><ul><li>TRÍAS DE BES, Fernando. O livro negro do empreendedor. Barcelona: Best Seller, 2008. </li></ul>Empreendedorismo no Comércio 23:33:04
    31. 31. <ul><li>Fontes complementares: </li></ul><ul><li>Auros Gestão </li></ul><ul><li><http://aurosgestao.blogspot.com> </li></ul><ul><li>Mercearia Paraopeba </li></ul><ul><li><http://www.youtube.com/watch?v=aUiWgtIGJwU> </li></ul>Empreendedorismo no Comércio 23:33:04
    32. 32. Obrigado! Juntos somos mais! Paulo Leão [email_address] Empreendedorismo no Comércio 23:33:04
    33. 33. Backup Empreendedorismo no Comércio 23:33:04
    34. 34. Casos de sucesso no comércio Empreendedorismo no Comércio <ul><li>Empresa por que? </li></ul><ul><li>Por que empreendedorismo não é mais genético? </li></ul><ul><li>O Empreendedorismo como motor da sociedade </li></ul>23:33:04
    35. 35. Cenário Empreendedorismo no Comércio “ O Brasil está sentado em cima de uma das maiores riquezas naturais do mundo, ainda relativamente pouco explorada: o potencial empreendedor dos brasileiros” L. J. Filion 23:33:04
    36. 36. O caminho para se Empreender Transformando dados em informações Empreendedorismo no Comércio <ul><li>SWOT / FOFA </li></ul><ul><li>SMART </li></ul>23:33:04
    37. 37. O caminho para se Empreender SWOT Empreendedorismo no Comércio 23:33:04
    38. 38. O caminho para se Empreender SMART Empreendedorismo no Comércio 23:33:04
    39. 39. O caminho para se empreender Plano de negócio O mapa para o sucesso Empreendedorismo no Comércio 23:33:04

    ×