Fluzz pilulas 62

561 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
561
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fluzz pilulas 62

  1. 1. Em pílulasEdição em 92 tópicos da versão preliminar integral do livro de Augusto deFranco (2011), FLUZZ: Vida humana e convivência social nos novos mundosaltamente conectados do terceiro milênio 62 (Corresponde à introdução do Capítulo 8, intitulado Os mantenedores do velho mundo)A Força era um conceito complexo e difícil.A Força estava enraizada no equilíbrio de todas as coisas,E todo movimento dentro de seu fluxoarriscava um desequilíbrio nessa harmonia.Terry Brooks em Star Wars – Episódio I: A Ameaça Fantasma (1999)Se os tubarões fossem homens,eles fariam construir resistentes caixas do mar,para os peixes pequenos...Naturalmente também haveria escolas nas grandes caixas...Também haveria uma religião ali.Bertold Brech em Se os tubarões fossem homens (1926-1956)
  2. 2. A força (Te) não é (um querer) induzir alguém(ou alguma coisa) a seguir um caminho prefiguradoe sim (um deixar) fluir com o curso (Tao).O autor em Desobedeça (2010)Mas fluzz não é a força. Fluzz é o curso.O autor, aqui (2010) 2
  3. 3. Nada disso está sendo percebido pelos mantenedores do velho mundo que são, invariavelmente, “net-avoids”, ou seja, aqueles que desconfiam das redes quando não deveriam fazê-lo, posto que justamente em uma época de transição para uma sociedade em rede. E estes são, quase sempre, hierarcas. Não conseguem ver o que está ocorrendo porque, do lugar onde operam, objetivamente, contra os novos mundos que estão emergindo, a mudança não pode mesmo aparecer. Alguns exemplos dessas categorias – que freqüentemente se misturam e incidem em alguma combinação particular sobre um mesmo indivíduo “vitorioso” (segundo os critérios do milênio pretérito) – merecem ser destacados: os ensinadores ou burocratas sacerdotais do conhecimento, os codificadores de doutrinas, os aprisionadores de corpos, os construtores de pirâmides, os fabricantes de guerras e os condutores de rebanhos.Conhecimento atestado por títulos, fama, riqueza e poder são indicadoresde sucesso adequados às sociedades hierárquicas. São coisas que só algunspodem ter, não todos. São coisas que alguns podem ter em detrimento dosoutros. Assim o sábio se destaca dos ignorantes (ou o titulado do nãotitulado, até na cadeia), o famoso não se mistura com o zé-ninguém, o ricovive entre os ricos para ficar mais rico e não se relaciona com o pobre (que– como sabemos – só continua pobre porque seus amigos são pobres) e opoderoso só consegue exercer seu poder porque os que (acham que) nãotêm poder lhe prestam obediência. Os critérios de sucesso competitivo são,na verdade, mais do que indicadores: são ordenações da sociedadehierárquica.O fato é que, os que tiveram sucesso ou venceram no mundo do comando-e-controle, em grande parte, venceram aplicando esquemas de comando-e-controle. Venceram – e foram reconhecidos como vencedores – porqueaplicaram esquemas de comando-e-controle; ou seja, porque replicaramum determinado padrão de ordem (e, para tanto, é como se tivessemrecebido uma ordenação). 3
  4. 4. Dentre os que fazem sucesso na sociedade hierárquica e de massaencontram-se, é claro, pessoas esforçadas, criativas ou inovadoras, talentosextraordinários e gênios incontestes. Mas estão lá também – em númerotão grande para derrubar o mito de que o sucesso é um prêmio pelo talento– os agentes reprodutores desse tipo de sociedade, como, por exemplo, oscolecionadores de diplomas, os vendedores de ilusões, os marqueteiros desi mesmos, os aprisionadores de corpos, os ensinadores ou burocratassacerdotais do conhecimento, os codificadores de doutrinas, osaprisionadores de corpos, os construtores de pirâmides, os fabricantes deguerras e os condutores de rebanhos.Não se trata de inculpar esses tipos por todo mal que assola a humanidade.Eles são apenas agentes inconscientes da reprodução do sistema. Eles nãoexistem propriamente como indivíduos. Não adianta para nada tentarnomeá-los: eles são legião (Mc 5: 9, hehe), entidades inumeráveisconfiguradas nas redes sociais, quando campos perturbados pela presençada hierarquia aglomeram e enxameiam no contra-fluzz. 4

×