Resposta para Santos 15.

122 visualizações

Publicada em

Debate da rede social.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
122
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resposta para Santos 15.

  1. 1. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Caraí, taCaraí, tatu é sabão!!!tu é sabão!!! (ou como dizer uma coisa e fazer outra).(ou como dizer uma coisa e fazer outra). "Os homens têm sido sempre em política vítimas néscias do engano dos demais e de seus próprios erros, e permanecerão assim enquanto não aprenderem a discernir por trás de todas as frases, declarações e promessas morais, religiosas, políticas e sociais os interesses de uma ou outra classe. Os defensores de reformas e melhorias serão sempre enganados pelos defensores da velha ordem, que por mais bárbara e apodrecida que pareça, se sustenta pela força de uma ou outra das classes dominantes. E para vencer a resistência dessas classes só há um meio: encontrar na mesma sociedade que nos rodeia, educar e organizar para a luta as forças que possam - e, por força de sua situação social, devem - formar a força capaz de varrer o velho e criar o novo." - Vladimir Lênin. A FALTA DE ÁGUA E LUZ CRIA CALAMIDADE NAS PERIFERIAS URBANAS E O PREÇO DAS CONTAS DE ENERGIA, DA ALIMENTAÇÃO E DOS SERVIÇOS AUMENTAM MAIS QUE A RENDA DOS TRABALHADORES. Este é um enunciado verdadeiro. Mas até se chegar a este resultado, segundo Arthur Schopenhauer: “Toda verdade passa por três estágios. No primeiro, ela é ridicularizada. No segundo, é rejeitada com violência. No terceiro, é aceita como evidente por si própria”. Assim, entrando neste debate sobre a conjuntura política, como proveniente nem do governismo burguês, sequer do anarquismo especifista e muito menos do revisionismo pecebista, trago comigo apenas argumentos e alguns exemplos. Assim sem pertencer (devido às circunstâncias já descritas nos comentários anteriores) ao campo de poder estabelecido por alguma organização partidária ou mesmo por uma direção política de entidade sindical e popular, considerando que isto, a princípio, torna mais vulnerável de ser apontado tanto como no primeiro, como no segundo estágio schopenhaueriano. No entanto, recordo ainda que, na análise bourdieana da eficácia do discurso, a dominação não se dá pela aceitação racional do conteúdo, mas sim pela própria relação 1
  2. 2. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. de poder. Assim, desde o papa católico, o secretário geral, o presidente estatal, o dirigente sindical e até o líder da paróquia local, são aplaudidos em seus respectivos campos, inclusive antes de falarem e até mesmo independente daquilo que venham a dizer. Contudo, a partir desta posição independente, um redobrado esforço é requerido para tentar ultrapassar os limites de uma possível linha troada de alvejamentos contrários, vindo ataques por todos os ângulos. E assim portanto, com esta breve apresentação, que começo mais uma resposta, com o objetivo de debater sobre a política M-L e concomitantemente denunciar o revisionismo, o etapismo e o governismo burguês. Nisso, como subtítulos foram selecionadas frases contidas em documento anarquista (lincado anteriormente pelos debatedores) que tem alguma relação com o texto e o contexto, ou mesmo, uma concordância analítica. QUE SE DIGA SEM MEIAS PALAVRAS. Primeiramente, este debate não é um falso diálogo, um preciosismo semântico redundante ou uma polêmica desnecessária, como tenta conciliar Vinícius Santos em seus comentários, sobretudo nos últimos. Pois aqui há muito mais diferenças do que semelhanças na análise e no encaminhamento político, como poder ser lido nos parágrafos abaixo. Assim sendo, até mesmo para Foucault: “As coisas e as palavras estão muito rigorosamente entrecruzadas: a natureza só se dá através do crivo das denominações e ela que, sem tais nomes, permaneceria muda e invisível”. Ou seja, os saberes de cada época tem simultaneidades arqueológicas para o conjunto de artes, ciências, literaturas, representações, etc., onde: “Não há sentido exterior ou anterior ao signo; nenhuma presença implícita de um discurso prévio que seria necessário restituir para trazer à luz o sentido autóctone das coisas. Mas também não há ato constituinte da significação nem gênese interior à consciência. É que entre o signo e seu conteúdo não há nenhum elemento intermediário e nenhuma opacidade. Os signos não têm, pois, outras leis, senão 2
  3. 3. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. aquelas que podem reger seu conteúdo: toda análise de signos é, ao mesmo tempo e de pleno direito, decifração do que eles querem dizer. Inversamente, a elucidação do significado nada mais será que a reflexão sobre os signos que o indicam. Como no século XVI, “semiologia” e “hermenêutica” se sobrepõem.” Depois disso parto imediatamente para outro campo, onde para o terminológo soviético Dimitri Lotte, os termos e as línguas de especialidades (como da política) estão inseridos num contexto sociocultural, e somente neste e no próprio discurso que podem obter sentido, estando inclusive sujeito à: “adquirir todas as características da palavra comum”. Esta é a base dos estudos marxistas-leninistas em comunicação, linguagem, lógica e afins, onde não existe sentido intrínseco numa palavra (conceito científico, senso comum, etc.), pois este se constitui nas relações sociais, devido a primazia do ser em relação à consciência, da práxis acima da teoria e da produção sobre a circulação. Depois disso, Michel Pêcheux aprofundou estruturalmente estas questões com as formações ideológicas e discursivas, onde: “a semântica (…) não pode ser levada a efeito, a não ser por meio da abstração da situação comunicativa e do contexto latu sensu e por meio da tomada de posição de que os signos se relacionam entre si a partir de oposições que os põem em confronto”, no qual há um: “caráter material do sentido das palavras”, onde muitas vezes: “o não dito precede e domina o dizer”. E assim sendo: “a objetividade materialista do ponto de vista do proletariado se caracteriza discursivamente por tomadas de posição a favor de certas palavras, formulações, expressões, etc., contra outras palavras, formulações ou expressões, exatamente como uma luta”, onde: “todo sujeito é constitutivamente colocado como autor de e responsável por seus atos (por suas “condutas” e por suas“palavras”) em cada prática em que se inscreve”. Em resumo: “o sentido de uma palavra, de uma expressão, de uma proposição, etc., não existe “em si mesmo” (...) mas, ao contrário, é determinado pelas posições ideológicas que estão em jogo no processo sócio-histórico no qual as palavras, expressões e proposições são produzidas (isto é, reproduzidas). (...) as palavras, expressões, proposições, etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas por aqueles que as empregam, o que quer dizer que elas adquirem seu sentido em referência a essas posições, isto é, em referência às formações ideológicas (...) nas quais essas posições se inscrevem. Chamaremos, então, formação discursiva aquilo que, numa formação ideológica dada, isto é, a partir de uma posição dada numa conjuntura dada, determinada 3
  4. 4. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. pelo estado da luta de classes, determina o que pode e deve ser dito (articulado sob a forma de uma arenga, de um sermão, de um panfleto, de uma exposição, de um programa, etc.)”. Logo, poder popular para o bolivarianismo, para o revisionismo pecebista e para o anarquismo são conceitos homônimos e polissêmicos, pois para cada uma destas ideologias, esta política tem uma relação material (prática) e um significado (teórico), que lhes é completamente singular e historicamente determinado. Portando, este debate não pode de forma alguma ser reduzido à inscícia semântica e ao revisionismo ideológico, propostos por Santos. Pois, desde pelo menos Nicolau Maquiavel, que a política usa da mentira como arma de conquista, onde aconselhava para que o príncipe não cumprisse todas as promessas discursivas, pois o importante mesmo é saber dissimular, argumentando sobre a concretização, ao ponto de se ter a opinião favorável sobre aquilo que vai ser feito, e que nisto, fundamentalmente a prática empenhada estaria supostamente correta para atingir este determinado fim (conforme os mencionados exemplos neste debate: votar em Dilma e Temer, acumular forças dentro do Estado capitalista, colaborar com a democracia burguesa, reeditar a transição pacífica, apoiar movimentos governistas e semi, compor frentes populares policlassistas, etc). E a respeito disso, Antônio Neves escreveu um comentário sobre ter cuidados com as palavras e sobre alguma parte da esquerda. Entretanto, o mesmo poderia contextualizar mais seu posicionamento político que foi bastante genérico (quais palavras e que partidos de esquerda se refere exatamente?). Mesmo assim, são comentários relevantes sobre a importância do uso ou não de determinadas palavras, conceitos, categorias, leis, críticas, apoios, oposições, etc. UMA DESORIENTAÇÃO QUE NÃO É FÁCIL MEDIR. Desenvolvo a partir disto, este novo comentário-resposta, após ler, reler e anotar diversas observações, sendo necessário antes de tudo, uma pequena menção sobre o recente processo de divulgação do nosso panfleto, onde escrevi (em conversa privada), algo que somente agora tomo a plena liberdade para citar. Reafirmando assim que esta é uma passagem de texto que tão somente eu mesmo escrevi, e devido a importância de seu significado para contextualizar este debate político e teórico, reproduzo logo abaixo, da 4
  5. 5. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. mesma forma que foram citadas outras conversas privadas em meu nome, sobre classe social entre outras pautas, por outro participante deste espaço. E mesmo assim, é muito provável que este certame não será concluido em um artigo e nem meramente neste fórum virtual, mas sim na própria história de participação nas lutas sociais de cada um dos envolvidos na questão. “(…) se surpreendeu com tua posição de fazer o texto [do panfleto socialista, em fevereiro de 2015], devido ao teu texto [artigo anterior, postado na rede social] que os governistas usam para defenderem-se”. Assim, desta forma me refiro de modo direto, claro e sem rodeios, quanto a esta significante amostra da incoerência conciliadora nas posições políticas de Santos. Este conjunto de posições, a partir de fundamentadas evidências e interpretações textuais da língua portuguesa, promovem assim uma arrematada barafunda (aberta e/ou velada), em defesa deste atual governo burguês e latifundiário, ao ponto dos próprios militantes, que considera como “companheiros” (sim, aqueles mesmos que estariam acumulando forças pelo projeto de poder socialista por dentro dos aparelhos partidários e governistas burgueses), curtirem e compartilharem muitas vezes tal conteúdo. Sendo assim, comprovado por este fato notório, tais postagens são materialmente uma propagação à favor da coalizão Dilma e Temer e dos aparelhos do Estado capitalista brasileiro. Mas que, todavia de acordo com as inusitadas ideias e ações de seu criativo criador, todas estas tomadas de posições não passariam de apenas uma “ironia” e que tal publicação destas postagens de Santos - assim de conteúdo um tanto quanto colaborador burguês, latifundiário e pró-imperialista -, teriam se transformado, de acordo com suas próprias palavras, em alguma coisa com uma espécie de “vida própria” (???). Em vista desta coisificação, o uso generalizado de tal recurso discursivo, político e ideológico, de com frequência afirmar por escrito sobre determinado objeto de análise (sendo que aqui não posso incluir também a expressão verbal, pois esta me deixaria sem prova alguma a respeito da ocorrência), onde logo depois, ao ser interpretado, analisado e debatido pela comunidade, explicitamente dá na sola para mais algum repentino giro qualquer, a fim de revisar a mesma opinião expressada ao pé da letra, alegando assim que, a mesma foi nada mais do que uma “ironia”, de que tudo não passaria então de uma mera “brincadeira” ou de que isso ocultaria algum “outro sentido” trocado qualquer. 5
  6. 6. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Tudo isso sendo depois descabidamente ressignificado (de acordo com as mais variadas oscilações de preferências, de oportunidades momentâneas, de circunstâncias confusas e de relações políticas), pelo ficto monopólio da autoridade sobre a mensagem textual, por parte autoral de Santos. Sendo assim, esta repentina reinterpretação de conveniência não é reconhecida por nenhum dos outros debatedores, nos mesmos termos, em que exclusivamente o próprio autor se auto-elogia. Unicamente ele, consigo mesmo e solitariamente, no alto da sua precipitação e arrogância autoral, que com este relés discurso teria conseguido atingir seus objetivos supremos, que seriam assim os seguintes: desmascarar o oponente, vencer previamente este debate e ganhar ponto (de si mesmo e de mais ninguém). Nisto, como diz aquele velho ditado da cultura popular brasileira: “se ninguém gaba, o Zeca gaba”. MILITANTES DO TRABALHO DE BASE VIRARAM OS ARRIVISTAS DE GABINETE, RATOS DE APARELHO. É assim que, em metáfora religiosa, Santos se santifica como suma santidade consagrada por subterfúgio deste néscio sermão. Nele, nota-se que não resta mais nada do método científico, da dialética materialista e muito menos da objetividade concreta. Mas sim, elementos de um discursinho transfuga, oportunista e sem maior conhecimento argumentativo de causa, que na falta destes fundamentos, os substitui por xingamentos de baixo calão e por transcrições com sentidos moralizantes de desmerecimento alheio (até de fobia individual). Também é relevante nesta questão, no qual pressupõe a superioridade autoral de Santos, onde este afirma que não vai sequer ler as inéditas respostas presentes neste debate, pois não seria mais preciso sequer estudar os comentários que são “asneiras” e nada mais. E mesmo assim, com toda esta descaracterização, apela para cometer um ato de extrema violência simbólica, que é ameaçar espampanante pela sumária exclusão deste comentarista, simplesmente por tecer críticas adversas e elaborar propostas. Quanta pedância, soberba e empáfia. Nisso, emenda dizendo que o problema não é de estudo (conhecimento), mas político 6
  7. 7. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. (programa de ação), porém no ambíguo revisionismo de Santos agravam-se ambos os problemas. Pois, se este governo do PT é “de direita” como o mesmo chegou a dizer que quis dizer, porque na prática, o pecebista continua votando e apoiando repetidamente os “companheiros” deste campo ideológico e sua massiva base de pelegos? Não seria este um evidente problema de estudo da conjuntura e estrutura política? Ou seria isto diminuído à um mero problema de ação política e ideológica, onde uma minoria percentual (em relação ao total da população brasileira) de militantes dos aparelhos petistas, sem-terras e cutistas, que são representados como sendo a própria massa de trabalhadores do campo e da cidade, e que por isto, haveria a necessidade de compor este campo? À exemplo do que faz o PSTU, propondo seguidamente que a CUT rompa com o governismo e venha para o seu lado reformista. E nesse meio prossegue, com Santos reproduzindo todo um superficialíssimo jogo de parlengas e embustes, onde por exemplo, escreve a sua (por todos reconhecida como caricatural) abordagem do anarquismo, para que no final (com o uso deste falacioso recurso discursivo), possa atingir algum “doido” enquanto sujeito em particular. Desenvolve assim este procedimento enunciado, onde a emissão da mensagem é caracterizada por uma lógica interiorizadamente mística e uma leitura descompromissada em relação à realidade concreta, bem como à própria linguagem textual do português. Isto pois, conforme exemplo deste estrambótico discurso: “a FAG é burguesa”, decifra-se subjetivamente pelo crivo de autoridade do peculiar criador de teoremas, com o significado esotérico de que: “o sem-noção é direitista e anarquista”. Mas assim controvertidamente, o resultado é que ninguém pode dizer com exatidão, sob a pena de não estar entendendo a misteriosa essência interior do gabado autor, onde o mesmo escreve uma coisa mas quer dizer outra, depois sempre depois, encaixada de forma justaposta, tanto no meio do debate já publicado na rede, quanto no maior ou menor grau de tolerância política dos leitores. Com isto vai remendando aqui e acolá, todo um desarranjado discurso falacioso acerca de teoria e prática, que em muito se aproxima do pós-modernismo, onde a comunicação de X, é relativizada para a de não-X. Sendo que no processo de interpretação deste teor, unicamente o gabado teria a plena autoridade de interpretar esta engrunada acepção, por meio de algum lance oracular qualquer, no qual assim destamparia ao mundo, qual 7
  8. 8. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. seria seu escorregadio significado líquido. Tudo isto sem a mínima concreticidade da matéria. TANTO O BANDO GOVERNISTA COMO O BANDO DA OPOSIÇÃO DE DIREITA TENTAM INSINUAR QUE ESTAMOS FAZENDO O PAPEL DE LINHA AUXILIAR DE SEU “RIVAL”. Engendra-se assim uma análise que nada tem haver com o M-L, pois por acaso, em alguma teorização de Marx, Engels, Lênin e Luxemburg, há argumentos falaciosos como este de que: “eu disse com todas as letras X, mas para tão somente minha verdade recôndita, digo não-X”, ou que o Manifesto Comunista na intersubjetividade teria a mesma política final que do partido fourierista, owenianista, kerenskista, kautskista, krushovista, castrista, chavista e outros, que negam toda a independência de luta da classe operária para a conquista do poder? E o que de uma forma ou de outra agrava ainda mais este discurso chinfrim de Santos, é o abuso da chamada falácia da autoridade, ou também “argumentum magister dixit” em língua latina, no qual tenta, ao invés de responder aos argumentos apresentados no presente debate, desvia-se propositalmente do assunto e atacar a própria credibilidade do debatedor. Neste caso, sem sequer conhecer a atual trajetória política, previamente rotulando como pseudo-militante, anti-partidário, anarquista, direitista, doido e coxinha, sendo que provavelmente o acusado sem comprovação, pode até ter mais horas de participação em greve, piquete, protesto e reunião política, do que o revisionista eleitor de Dilma e Temer. E nisso, para agravar, Santos diagnostica como um douto charlatão, o acusado de portar alguma enfermidade mental, devido ao arrolamento de posições contrárias à sua prática eleitoralista burguesa e convicção ideológica revisionista. Logo, toda esta injúria moral e obsecração, faz lembrar em muito, as teorias da desrazão de Pelbart, do forasteiro de Elias e até mesmo da loucura de Foucault, esta última segundo o qual é clássico (do pensamento burguês) considerar a mesma como sendo atribuída à um: “grande mentiroso”, “pregador de cartazes”, “espírito inquieto, triste e ríspido” e “homem que passa os dias e as noites a atordoar...” Sobre isso é interessante ressaltar que Sigmund Freud já analisara psicologicamente que: “O homem é dono do que cala e escravo do que fala. Quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo.” Assim sendo, neste sobejo zigue-zague de oportunismos 8
  9. 9. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. políticos, que numa primeira leitura são posições pró-governistas, mas depois com um mínimo de debate e análise, são o quanto antes revisados à revelia, mas não na reescrita do texto original e sim na subjetividade interpretativa do autor gabado, então agora como sendo algo supostamente não-governista. E assim reincidentemente, onde em cada novo comentário, cria-se cada vez mais e mais falsas acusações, referenciais desencontrados e novos relativismos escorregadios. Insinuando assim absurdas caricaturizações, por não pertencer nem ao governo e nem à oposição do campo eleitoral. SINDICATOS E MOVIMENTOS SOCIAIS (…) SE FIZERAM GESTORES DE FUNDOS DE PENSÃO, ASSESSORES EMPRESARIAIS E LINHAS AUXILIARES DO GOVERNO. UM PROCESSO QUE NÃO SE INICIOU COM A CONQUISTA DA PRESIDÊNCIA, ENCONTRANDO RAÍZES AINDA NA DÉCADA DE 1980. Isto pode ser muito bem comparado com um velho disco de vinil que está arranhado e não para de repetir sempre o mesmo ruído: tal é a enfastiante entulhagem de falácias em cima de falácias entoadas por Santos: - não tem proposta e nem análise da conjuntura brasileira e internacional; - o PCO que tem análises corretas desta conjuntura; - “companheiros” governistas e semi estão acumulando forças táticas ao lado dos trabalhadores; - partidos como PCB, KKE, TKP e afins não originam-se do revisionismo soviético e doravante; - nunca passou de desmascarado anarquista-direitista que reage contra toda a esquerda; - sequer participa dos movimentos sociais e fica acomodado entre o computador e o sofá; etc. Ínterim, como alguém pode ser sem nenhuma proposta, nenhuminha mesma e isto agora não é mais de brincadeira, se este assim tão acusado loucamente, foi um dos que mais escreveu para o texto-base do panfleto “Nem governistas e nem reacionários”, se este acusado contribuiu e debateu um conjunto de propostas como PLR, bônus-saúde, anistia, moção contra perseguição entre outras, na base da categoria dos operadores de água e esgoto, se este acusado votou na assembleia unificada dos municipários pelo aumento de 13% mais R$ 5,00 de acréscimo por cada tíquete diário, se este acusado fez parte do piquete operário na porta da indústria de embalagem plástica Jomo, se este acusado 9
  10. 10. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. esteve presente no ato da oposição sindical no Complexo da GM pelo 1º de maio, se este acusado distribuiu panfletos contra a terceirização, entre diversas outras ações à nível reivindicativo. Isto somente para citar alguns exemplos militantes de ações classistas neste já conturbado começo de 2015. TODOS SÓCIOS DA TRAPAÇA BURGUESA-POLITIQUEIRA. Enquanto isso, no perfil do professor relativista e supostamente contrário ao discurso pós-modernista sem sentido objetivo, consta literalmente que: (i) “Maduro fala sobre vitória de Syriza e afirma: os simpatizantes da revolução bolivariana têm vencido na maioria dos países em que disputam eleições, e os que promovem campanhas anti-bolivarianas têm secado e morrido ilhados, sofrendo sucessivos fracassos. Isso se tornou comúm na America Latina, e agora está se transferindo também para a Europa.”; (ii) “Creio que alguns exemplos dados por Mujica possuem grande valor…”; (iii) “São muitas as vitórias da revolução cubana, mas… A que mais me emociona…”, (iv) “Intervenção do presidente de Cuba, Raúl Castro e, no encontro da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC). Bom discurso!”; e (v) “II Fórum pela Paz na Colômbia… Plenarinho da Assembleia Legislativa de Porto Alegre.” Além disso, constam postagens governistas de prestistas que fazem entrismo no PDT e de dissidentes lambertistas que faziam o mesmo dentro do PT, das célebres declarações pela aliança entre a classe trabalhadora e a burguesia progressista, durante e depois das jornadas de junho de 2013, da propaganda pelo voto em Dilma Rousseff, Olívio Dutra e defesa dos demais “companheiros” dos movimentos governistas e semi, do petrolão, do mensalão e do ajustão, no qual desta forma teriam que ser politicamente defendidos, já que proporcionariam pelo menos um programa socialista democrático para a tomada de poder e que por isso não poderiam ser mais criticados semanticamente. Contudo, qual é a legitimidade desta peça da retórica tangencial e multicultural de significados, no qual pode-se simplesmente dizer que não apóia em absolutamente nada os governos burgueses de Maduro, Tsipras, Mujica, Castro, Dilma entre outros? Que apenas escreve com vida própria e serialmente, todas estas ironias, brincadeiras e postagens encarnadas em zumbis, que assim contém um significado singular por exclusividade interpretativa de ninguém menos que o próprio autor gabado, no qual desta 10
  11. 11. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. forma estaria fazendo algo bem parecido com aquelas leituras das teorias de conspiração, onde a posteriori, as mesmas passam pelo crivo iluminado, revisado e adequado, sempre de acordo com as mais variadas circunstâncias do seu criador, até idealmente se transformarem numa revelação profética fatal. Onde, facilmente se explicaria qualquer leitura escondida nas entrelinhas, que no caso de Santos, conteria assim, desta forma um tanto quanto mistificada, toda uma crítica revolucionária do Estado burguês e das relações de produção, que compõem formações sociais onde trabalho é mercadoria para exploração de mais valor. Mas isto exclusivamente no subjetivismo autoral (já que no texto e contexto praticamente nada consta). E enfim, nesse encadeamento da “verdade” subjetivizada por seu criador, haveria internamente uma oposição ao Estado capitalista e uma proposta de coletivizar os meios de produção, porém desde que: pela via do revisionismo, da coexistência pacífica, do bolivarianismo, da etapa popular democrática, do processo reformista eleitoral e sobretudo, da não-revolução socialista que é considerada como “doida”, entre outras estratégias sem necessidade prática e teórico estratégica sobre a insurgência, dos explorados violentamente contra os exploradores. Logo, sobre aonde eu estava quando foi construída a proposta e a assembleia sindical pela desfiliação do CPERS em relação à CUT: muito possivelmente estava debatendo com trabalhadores municipais sobre a assembleia unificada ou operando o sistema de produção de 650 militros de água potável por segundo. Enquanto isto, quem mesmo defendia, dentro e fora dos debates em rede social, a necessidade da aliança da classe trabalhadora com setores da burguesia progressista, que seria realizada localmente pela frente de falsos autonomistas com jovens petistas, e que ainda por cima, os Estados capitalistas da ALBA-TCP seriam um importante exemplo desta etapa popular, enquanto delimitação máxima conquistada na atual conjuntura? Ademais, há muito simpatizo e compartilho postagems com as propostas da Chapa 4/Construção pela Base, que atua no sindicato dos professores do Rio Grande do Sul, criticando tanto a Unidade (poli)Classista, quanto os governistas e semi no CPERS. NA CONCEPÇÃO LIBERAL BURGUESA, A REPRESENTAÇÃO SEMPRE FOI UM MECANISMO LEGITIMADOR DA USURPAÇÃO DAS FORÇAS COLETIVAS E DOS BENS COMUNS PELA VONTADE DAS MINORIAS. 11
  12. 12. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Mas, já que estamos recordando nossa história recente, quem foi que defendeu o voto crítico neste atual governo burguês e latifundiário, precedido pela adesão partidária ao regime da democracia como valor universal do povo? Quem escancaradamente fez apoio aos movimentos governistas e semi, como os pelegos da CUT e aos fajutos da FAL, inclusive adendando depois que os mesmos estariam realmente ao lado dos trabalhadores e que por isso seria reivindicado à Dilma e Termer, promoverem um troca-troca de ministros burgueses? Sem contar com a grande polêmica em torno do panfleto conjunto de FAL, Juventude Petista e outras organizações governistas e semi, no qual fui difamado, com praticamente os mesmos falsos argumentos que agora repete outra vez (direitista, anarquista, conformista, coxinha, alienado, etc.). E assim, toda uma frente popular de governistas e etapistas burgueses debatiam e destruiam o que restava do Organização Na Rua. Nisso, o somatório de todos esses comentários pró-Vanazzi, Dilma e Olívio, foi tão escancarado que os mesmos tiveram que apagar completamente todas as críticas e depois excluir este grupo virtual, sem deixar vestígios de seu programa e ação democrático-burguês, no qual Santos foi visivelmente, um dos principais coniventes e ativos colaboracionistas. Mas agora, aleivosia sobre pseudo-militância e debatedor doidão, enquanto pratica este dissimulado pseudo-antigovernismo, caluniando sobre palavras forçosas e explicando postumamente que não foi isso que quis criptografar, ou até mesmo que fez ora por mera brincadeira, ora por desmascaramento individualista e ora por ser um auto-gabado “comunista” de verdade, para assim melhor defender determinadas posições sobre governos, Estados e encontros internacionais de revisionistas burgueses (com partido chinês, coreano, laosiano, vietnamita, bielorusso, turco, venezuelano, boliviano, equatoriano, uruguaio, argentino, nicaraguense, estadunidense e outros, que assim apoiam governos no qual juntos totalizam o poder em grande parte da população mundial). E nisso ainda, sobre concepção burguesa e proletária, é importante discernir que uma coisa é participar dos processos de lutas sociais (nos sindicatos, campanhas salariais, blocos de lutas, protestos de rua, associações estudantis, panfletagens pelos direitos trabalhistas, etc), e outra bem diferente é apoiar estas direções governistas e semi que usurpam das forças dos explorados, especialmente em conjunturas como a brasileira atual, onde a contradição interburguesa sobrepõe-se a de capital e trabalho. Isto ocorre 12
  13. 13. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. tanto devido a concepção burguesa por parte de revisionistas, reformistas e governistas, quando pela manutenção da hegemonia pelas próprias frações burguesas industriais, comerciais, agronegociantes e financeiras. LUTAR NAS RUAS, NAS GREVES E OCUPAÇÕES, DESENVOLVENDO AS ORGANIZAÇÕES DE BASE… ORGANIZAR (…) RUAS, GREVES E OCUPAÇÕES. Contudo, Santos lamuria enrustidamente pela concentração de forças, mas não defende sequer a independência da classe operária, alegando que todas as organizações da esquerda brasileria carecem de proletarização e também de política para a imediata (seria sem guerra revolucionária?) tomada do poder político e econômico. Isto é mais uma demonstração de todo o desconhecimento, tanto das teorias de estratégia revolucionária, quanto dos trabalhos das bases sindicais anarquistas, maoistas, alternativas socialistas, pequenos grupos trotsquistas-principistas, entre outros não-eleitorais. Lembrando que, o revisionista Santos evoca neste debate, os primeiros como tendo programas não-lúcidos e adoidados, e os segundos tacha de organizações fantasmagóricas e inexistentes na sociedade de classes. Em vista disso, estrategicamente a conquista do poder pelos explorados é o resultado de uma longa preparação, onde se constrói as ferramentas necessárias até o cenário da grande ofensiva final, no qual organiza-se uma insurreição generalizada. Sobre isto: para fins de maiores informações, recomento que estude mais e releia acima a crítica M-L espanhola ao pacifismo e espontaneísmo por parte do KKE grego (aquele mesmo que é grande aliado internacional de PCB e PCdoB), ou aprenda em tempo com as já lhe apresentadas cartilhas colombianas e mexicanas da guerra revolucionária em formações urbanas e rurais, ou ainda, caso isto não seja referência suficiente, estude ao menos as teses anarquistas do El Copey, antes de fazer mais algum comentário desmoralizado e irrisório. A COLABORAÇÃO DE CLASSES, A BUROCRACIA E O GOVERNISMO DESARMARAM AS ORGANIZAÇÕES SINDICAIS E POPULARES, DIVIDIRAM AS LUTAS E AS ATRELARAM AO ESTADO. FORMARAM UMA IDEOLOGIA QUE REPRODUZ AS PRÁTICAS DAS INSTITUIÇÕES BURGUESAS, QUE FAZ DO POVO UM SUJEITO QUE ESPERA PELO QUE VEM DE CIMA. 13
  14. 14. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. “Um governo de esquerda daria direitos a quem trabalha, não esmola. Por isso a verdadeira esquerda deve estar unida.“, sintetiza assim o revisionismo de Santos, onde nesta concepção burguesa, não é mais a classe operária que luta para conquistar a sua emancipação e assim construir uma nova sociedade pela revolução socialista, mas sim, é um aparelho progressista que daria benesses governistas em nome de todo o povo da nação. Isto constitui um programa bem destoante das estratégias revolucionárias (além de suas variantes), que estão disponíveis na rede de computadores e são frontalmente contrárias as teses dos chamados Três Todos e Duas Pacíficas do 20° congresso do PCUS, incorporadas no PCB plenamente desde a Declaração de Março de 1958 até o 15° congresso, no qual é deliberado que finalmente (com quase um século de retardo), que o Brasil estaria preparado para o socialismo, porém, a luta imediata mínima e o programa político máximo não são pelo socialismo/poder do proletariado, mas sim por uma etapa popular, democrático-burguesa intermediária (conforme declarações dos dirigentes Marta Jane e Mauro Iasi, já devidamente citadas em comentário publicado acima), acionando assim tal política policlassista a partir da pressão no Congresso Nacional e também já existindo idealmente enquanto uma espécie de germe, para dirigir este projeto de transição coexistente por dentro dos aparelhos de reprodução do regime explorador e sem necessariamente uma violenta ruptura pela guerra revolucionária de classes. Portanto, não é a toa que Iasi rende homenagens ao grande teórico do reformismo gramscista, que foi do PCB, passou pelo PT e terminou no PSOL, Carlos Coutinho. E nem que a antiga Unidade e Luta cutista mantenha-se bastante ligada à Federação Sindical Mundial com sua política de colaboração com a grande burguesia chinesa e de outras nacionalidades. Por isso, sou obrigado a reafirmar que: os quatro partidos da esquerda reformista eleitoral brasileira (PCB, PCO, PSTU e PSOL) tomam parte do processo democrático-burguês, sem maiores críticas radicais e com nenhuma estratégia revolucionária para a classe operária e camponesa. Sendo que inclusive, no primeiro o partido, a base vota e apoia criticamente os governistas e semi, no segundo, a política é uma mescla de paragovernismo paranóico com tablóide sensacionalista de banca barata, no terceiro, se promove toda uma pressão para que os governistas de esquerda rompam com o governo e nunca há uma política independente de classe (visto que o morenismo também defende a etapa democrática ou fevereirista), e no quarto… há uma variedade de 14
  15. 15. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. posições para todas as cores amareladas, mas desde que limitadas dentro de um projeto de PT no estilo dos anos 80 e 90 em miniatura, mas sem a base operária e sim parlamentar. E especificamente sobre o PCB, destaco a recente história de um militante jovem, negro, trabalhador e favelado, que tentou organizar a luta de classes pelo “partidão”, mas acabou por isso sendo expulso e acusado pelos pequenos-burgueses partidários do poder popular policlassista de: “frustração pessoal por não estar na Universidade e que eu era mal resolvido com a minha cor.“, conforme o relatado em primeira pessoa na blogueira Revista Cidade do Sol. QUEM GOVERNA COM O SISTEMA, PELO SISTEMA É GOVERNADO. Nisso, o policlassismo e o frente-populismo, tem tudo haver com a história da Aliança Nacional Libertadora (ANL) brasileira dos anos 30 e os grandes erros do movimento comunista internacional, existentes até os dias de hoje. Sendo que, este é um debate fundamental e um divisor de águas no M-L, que se apresentou principalmente com as severas críticas do comunista antirevisionista português Francisco Martins, desde o lançamento do polêmico “Anti-Dimitrov: cinquenta anos de derrotas da revolução” e demais teóricos pela superação do etapismo burguês, progressista, etc. Nisso, nota-se que, no primeiro manifesto de lançamento eleitoral pecebista de 2014, consta de forma patente que: “a pré-candidatura de Mauro Iasi vir brotando da militância e de simpatizantes do PCB, inclusive angariando a simpatia de outros setores progressistas e de esquerda”, contendo semelhanças entre a dita nova etapa do 15° congresso e o velho frente-populismo de Giorgi Dimitrov: ambos com um mesmo discurso de aliança com setores progressistas da burguesia, para assim desabrocharem numa democratização dos aparelhos da sociedade de classes, isto é, promoverem a mesma aliança entre a dita fração do capital “progressista” com o trabalho “colaboracionista”, a partir de uma etapa policlassista de poder/governo popular. Assim, o aliancismo de julho de 1935, é muito parecido com o programa da candidatura eleitoral burguesa de quase 80 anos depois, no qual: “Precisamos, ao mesmo tempo que unificamos e congregamos na Aliança Nacional Libertadora todas as pessoas, grupos, correntes, organizações e partidos políticos, que quiserem lutar pelo seu programa, 15
  16. 16. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. precisamos criar a Frente Única Libertadora em cada fábrica, empresa, casa comercial, universidades, quartéis, navio mercantil ou de guerra, nos bairros, nas fazendas, organizando a luta diária de tais massas. (…) Como o poder chegará às mãos do povo? Mas o poder só chegará nas mãos do povo através dos mais duros combates. (…) Cabe à iniciativa das próprias massas organizar a defesa de suas reuniões, garantir a vida de seus chefes e preparar-se”. Mas isso com a imensa diferença de que o atual PCB, em nenhum momento arma-se para um “terceiro período”, como o ocorrido em novembro daquele mesmo ano, com o levante insurrecional (pois na atualidade, os revisionistas reagem prontamente contra isto, que é caracterizado como doideira, conforme muito bem podemos observar nas posições revisionistas contidas neste debate). Sendo ainda que, naquela antiga formulação estratégica para a conjuntura fascista, haviam erros acentuados da Internacional Comunista e de Joseph Stalin, que assim foram substituindo gradativamente a estratégia de classe contra classe por de povo/nação oprimida contra imperialismo e também posicionando a defesa do Estado soviético em detrimento da revolução mundial. PRA NÃO PERDER O BONDE, SE REAGRUPA E FAZ BARULHO ALIADO COM AS POSIÇÕES MAIS CONSERVADORAS. Por conseguinte, a respeito de poupar a direita brasileira e o partido acrata especificista, e que por esta associação indevida, a partir do qual justificaria recriminar pela suspeita de pertencer ao campo da política “anárquico-tucanista”, no qual ainda acrescenta o errático diagnóstico de que se: “a FAG que está bastante longe de tentar repetir Rojava ou 1917 nos dias de hoje no Brasil… por não ser doida”. Comenos, neste ponto sou obrigado a responder duramente ao relativismo de Santos, que escreve longos comentários pouco consistentes, desprovidos de conhecimento teórico e na prática mais ou menos governistas, para estigmatizar o debate e também para objetar contra a revolução social. Pois desta forma, que é completamente revisionista, tenta desacreditar como sendo uma ação “doida”, a proposta de revolução socialista no Brasil, devido a violência de classe, que é algo inevitável na história do transcurso revolucionário dos explorados, desde a Comuna de Paris até Rojava e Turquia, passando pelas grandes experiências russa, espanhola, chinesa, albanesa, etc. 16
  17. 17. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. PROCESSO HISTÓRICO DE DESARTICULAÇÃO DE FORÇAS SOCIAIS QUE AMARGA O CAMPO CLASSISTA. Contudo, diferentemente deste PCB de Iasi e Pinheiro, a FAG-CAB tem um programa e uma ação anarquista à favor da ruptura revolucionária no Brasil e no mundo também, como nos exemplos da histórica insurreição anarquista na capital brasileira em 1918, dos expropriadores anarquistas no Rio da Prata e mesmo na operação do OPR-33 uruguaio nos anos 60 e 70. Além disso, este partido está muito ligado às atuais aplicações das, hoje em voga, propostas bookchinistas do “confederalismo democrático”, desenvolvidas em Rojava e região sob processo de libertação curda. Além do mais, é praticamente impossível esconder que participei na Usina do Gasômetro em 18 de novembro de 1995 e que isto tem influência na vida, porém não me considero anarquista desde 1999, e depois de algum tempo afastado, volto mas então compartindo com a totalidade crítica da economia política de Karl Marx. Nisto procede que, como independente até o momento, não tenho direito e nem o objetivo de falar em nome de nenhuma filiação partidária, sequer tenho poder para falar em nome do peleguista Sindicato dos Servidores Públicos Municipais no qual sou filiado. Contudo, tenho pleno direito de expressar opiniões, fazer críticas e arcar com as consequências. Considero assim que, a disputa entre Bakunin e Marx é um marco histórico e um complexo debate, que pode ser apanhado em geral nos “Escritos contra Marx” e nas “Anotações sobre estatismo e anarquia” respectivamente, mas que na atualidade tem outros elementos tanto de aproximação quanto de distanciamento, tanto que em recente palestra sobre os 150 anos da AIT, Michel Löwy fez interessantes apontamentos a este respeito. Mas enfim, tal debate de Marx/Bakunin e sucessores, faz parte do movimento operário e comunista de todo o mundo, sendo que enquanto o objeto de teorização e de prática de ambos tiver existência material (isto é, o capitalismo e a estatalidade), partidários de um e de outro apresentarão seus antagônicos pontos de vista. Nisto, aproveito pra refutar a hipótese do anarquismo ser revisionista de Marx, pois o mesmo é um campo adverso (ou matiz, matriz), que não reivindica os fundadores do socialismo científico, mas sim os libertários como Proudhon, Kropotkin e Malatesta. NÃO FORMAMOS PARTE CORRENTE DO IMPEACHMENT E TAMPOUCO AS FILEIRAS DA TROPA DE CHOQUE DO GOVERNO. 17
  18. 18. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Também com isto não estou de forma alguma defendendo o chamado sintetismo ou muito menos o anarco-marxismo, que fique bem claro. E nem que ambos são “irmãos-inimigos” como afirmava Daniel Guerin, pois formam dois programas radicalmente opostos, a começar do Manifesto Comunista, dos documentos das Internacionais e das polêmicas mais recentes. Ao mesmo tempo, rejeito a critica de direita, do trotsquismo, da socialdemocracia e do revisionismo, ao movimento anarquista, sobretudo para suas correntes mais combativas, guerreiras e classistas. Pois, assim como no marxismo (ou materialismo dialético e histórico, comunismo alemão, socialismo científico, etc.) tem desde revisionistas democratas burgueses até revolucionários armados, também no anarquismo, há desde individualistas, contraculturalistas e comportamentalistas, até plataformistas, anarcossindicalistas e especifistas. Murray Bookchin advertira sobre estas diferenças em termos de anarquismo social (como especifistas e outros) e pessoal/estilo de vida (como Hakim Bay, John Zerzan, etc). Já no M-L, há as imensas diferenças internacionais entre EIPCO, CIPOML, ICOR, ILPS, MRI e entidades menores, sendo que concordo com a posição antirevisionista de que, desde pelo menos a traição do prachandismo no Nepal, em meados da década de 2000, não existe mais nenhuma organização política comunista internacionalista, e que a mesma necessita ser reconstruída novamente e com profunda auto-crítica dos três ciclos (1848-1916, 1917-1991 e 1992-presente). Nisto, ainda separo os campos, como franquefurtinianismo, conselhismo sem organização política, culturalismo thompsoniano e afins, pois estes renegam o essencial da base teórica de Marx e Lênin, inclusive fazendo objeções à luta de classes para a conquista do poder. Mas contudo, não posso negar que algumas auto-críticas, como as de um Cornelius Castoriadis ou um Robert Kurz, sejam interessantes, perspicazes e muitíssimo questionadoras, porém são tanto inoperacionais quanto contemplativas. Logo, este debate de Marx/Bakunin e sucessores, é um tema que por sua vastidão, merece um tópico de postagem específica ou a abertura de uma comunidade própria, para ser amplamente debatido. Inclusive para não sairmos desfocados da questão central proposta no início desta postagem, sobre a conjuntura política atual. Tema este que o documento anarquista trata de uma forma que contribui para o debate e tem tanto semelhanças quanto diferenças em relação ao panfleto que foi colado pelas ruas e praças de São Leopoldo - RS. PARA TRANSFORMAR O PAÍS E CONSTRUIR SOCIALISMO. 18
  19. 19. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Ainda sobre o anarquismo e as colocações de Patrick Dias: primeiramente concordo com o trecho da citação de que: “nem todo o mundo que ler entende” a falácia preparada por Santos de afirmar X para depois querer dizer não-X e atacar Y, e também que nas teorias sociais de Bourdieu, Foucault, Bauman e pós-modernistas, podem haver certas críticas sociais, mas geralmente restritas aos problemas de conhecimento, principalmente acadêmicos. Mesmo que estes pesquisadores tenham ocasionalmente participado de protestos e filiações partidárias, os mesmos não primaram por problemas políticos de intervenção classista na realidade social: em que pese isto nas suas teorizações e práticas sociais. E assim na questão da revolução socialista, estes intelectuais são muito mais contrários do que favoráveis, tanto que Bourdieu manifestou-se pela conservação do Estado de bem-estar social, Foucault atraiu-se pela regulação neoliberal renegando o socialismo enquanto espécie de racismo estatal e Bauman profere discursos sempre contrários ao que considera como sendo o comunismo. Entrementes, nesta bem colocada questão de teoria e ideologia por Dias, já emergem as primeiras grandes diferenças entre os campos do anarquismo e do marxismo. Assim, na leitura sintomal do M-L: “a ideologia tem uma força material” e “só há práticas através de e sob uma idelogia” (Louis Althusser). Isto marca uma completa ruptura com as demais leituras humanistas, economicistas, historicistas, vulgaristas, reducionistas, ocidentalistas, teologicistas, idealistas, etc. Sobretudo do clássico livro “A ideologia alemã”, que assim passa a ser lido estruturalmente pela seguinte interpretação: “A ideologia não tem história, o que não quer dizer, de modo algum, que não tenha uma história (pelo contrário, já que ela não passa do pálido reflexo vazio e invertido da história real), mas não tem uma história que lhe seja própria”. Estas proposições geram até hoje um intenso debate dentro e fora do M-L, onde a contradição é a lei sobredeterminante entre as outras duas que formam a dialética e a classe fundamental explorada em cada formação social necessita dispor de suas próprias forças revolucionárias, e nunca ficar passiva à mercê de seguimentos externos (colapsos econômicos, resultados eleitorais, disputas burguesas, etc). Alain Badiou apresenta isto da seguinte forma: “A sentença de Mao Tsé-Tung nos lembra que, para um marxista, o vínculo entre teoria e prática (a razão de rebelar-se) é uma 19
  20. 20. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. condição interna da teoria, porque a verdade é um processo concreto, é, em suma, a rebelião contra os reacionários. Não há praticamente nenhuma afirmação mais verdadeira e profunda em Hegel quando diz: “A Idéia absoluta torna-se identidade da Idéia teórica e da Idéia prática” (Hegel, Ciência da Lógica). Para Hegel, a verdade absoluta é a união contraditória entre teoria e prática. É o processo ininterrupto e divido do ser e do agir. Lênin reafirma com entusiasmo: “A unidade entre a idéia teórica (do conhecimento) e da prática, e essa unidade precisa, na teoria do conhecimento, resulta na “Idéia absoluta”. - Lênin, Cadernos Filosóficos.” A partir disso, quanto ao materialismo histórico (MH) e ao materialismo dialético (MD), por não ser contra Marx, considero sim, que têm uma inseparável política (ou diretriz, como queiram denominar) para a revolução socialista. Ambos assim, o MH como teoria lógico-categorial - do método de conhecimento científico -, e o MD como aplicação na formação sócio-histórica - força material da práxis -, ou seja, onde: o MD é o marxismo-leninismo na conjuntura e o MH é a lei tendencial em cada determinação. Isto não se restringe à clássica síntese de Stálin onde: “O materialismo histórico resolve o problema das relações entre a existência social e a consciência social”, enquanto o “dialético entende que o processo de desenvolvimento do inferior para o superior não decorre como um processo de desenvolvimento harmônico dos fenômenos, mas pondo sempre em evidência as contradições inerentes aos objetos e aos fenômenos, num processo de "luta" entre as tendências contrapostas que atuam sobre a base daquelas contradições.” Portanto assim, o MH e o MD formam uma totalidade absoluta com aplicação universal, diferentemente do que (como diz Dumerval Saviani), a teologia da libertação que aceita apenas o MH como caminhada profética mas nega a materialidade dialética para manter a deidade cristã, ou mesmo da mais conhecida como teoria crítica ocidental que propugna somente parte da concepção MD, mas desde que isenta de resolver qualquer problema prático e por conseguinte político-ideológico. Do mesmo modo, a concepção de Trotsky de que o marxismo é para a economia politica em sentido estrito, não sendo um clube de sociologia e nem um método universal (para todas as artes, ciências e demais áreas), onde assim os adeptos não necessitariam ter ciência sobre formação social, ideológica e leis do MH e MD, desde que apoiassem as tarefas do “programa de transição”. Isto dá margem para o ecletismo cultural burguês contrário ao materialismo histórico e o dialético. 20
  21. 21. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Contudo, mesmo a aplicação do MD e do MH não está imune à lei das contradições e ao uso de pressupostos e resultados errôneos, vide o lysenkoísmo na URSS e a ascensão generalizada das forças produtivas acima das relações sociais de produção, das políticas frente-populistas e até dos próprios revisionismos chinês/albanês, durante o segundo ciclo (1917-1991), por exemplo. Com esta explanação, também não estou defendendo o eurocomunismo do PCF, nem os inumeráveis erros ou a conhecida como “última fase” de Althusser, onde o mesmo no final de sua vida faz uma autocritica rompendo epistemologicamente até com a própria determinação em última instância da infra-estutura sócio-econômica sobre a superestrutura ideológica. Sobre isto, levo em consideração, o ensaio sobre reciprocidade e não-correspondência entre as estruturas de Etienne Balibar e a relacionalidade (a partir da leitura crítica do gramcismo) entre Estado/sociedade de Nicos Poulantzas, além desta simples regra de Enver Hoxha: “Quando os marxistas-leninistas falam do mundo e dos diversos países, quando os denominam, julgam sobre a base dos princípios do materialismo histórico e dialético. Julgam em primeiro lugar pelo sistema sócio-econômico existente nos diversos países, julgam pelo critério proletário de classe”. BUSCA AGRUPAR FORÇAS SOCIAIS. Nisto, volto ao materialismo dialético como excelentemente revolucionário, pois: “Se os senhores anarquistas pensam refutar por esse meio o método dialético, devo dizer que eles por esse meio não demonstram outra coisa senão a sua própria ignorância. Pascal e Leibnitz não eram revolucionários, mas o método matemático descoberto por eles é agora reconhecido como método cientifico; Mayer e Helmholtz não eram revolucionários, mas suas descobertas no campo da física tornaram-se uma base da ciência; nem tampouco Lamarck e Darwin eram revolucionários, mas seu método evolucionista criou o fundamento da ciência biológica. Sim, por esse meio os anarquistas demonstraram somente sua própria ignorância. Continuemos. Segundo os anarquistas, "a dialética é metafísica" (vide Nobati, n. 9 Ch. G.) e uma vez que "desejam libertar a ciência da metafísica, a filosofia da teologia" (vide Nobati, n. 3, Ch. G.), repelem também o método dialético. Ah, os anarquistas! Como se costuma dizer, confundem alhos com bugalhos.”, assim respondia Lênin aos anarquistas russos que tentavam denegar o MD, como se Marx não tivesse superado a fonte hegelo-absolutista: “outra coisa os senhores anarquistas não 21
  22. 22. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. podem perdoar ao método dialético: "A dialética... não oferece a possibilidade nem de sair ou pular para fora de si, nem de saltar por cima de si mesmo" (vide Nobati, n. 8, Ch. G.). Eis que, senhores, tendes totalmente razão: o método dialético não dá essa possibilidade. Mas por que não a dá? Porque "pular para fora de si mesmo e saltar por cima de si mesmo", são ocupações próprias de cabras monteses, e o método dialético, ao invés, é feito para os homens. Eis onde está o segredo! Essas são, de modo geral, as opiniões dos nossos anarquistas sobre o método dialético. É claro que os anarquistas não compreendem o método dialético de Marx e de Engels.” E ressaltando que, mesmo assim, o águia das montanhas lhes tratava com certo respeito: “Não somos dos que quando se menciona a palavra "anarquismo" viram com desdém as costas.” E assim passamos à contribuição de Mao, no qual: “A teoria materialista dialética do conhecimento coloca a prática no primeiro plano; considera que o conhecimento do homem não pode separar-se nem no mais mínimo da prática, e recusa todas as teorias errôneas que negam a importância ou afastam dela o conhecimento. Como dissera Lênin: "A prática é superior ao conhecimento (teórico), porque possui não apenas a dignidade da universalidade, mas também a da realidade imediata." A filosofia marxista - o materialismo dialético - tem duas características sobressalientes. Uma é o seu caráter de classe: afirma explicitamente que o materialismo dialético serve ao proletariado. Uma outra é o seu caráter prático: vinca a dependência da teoria a respeito da prática, sublinha que a prática é a base da teoria e que esta, por sua vez, serve à prática. O fato de um conhecimento ou teoria ser verdade não se determina mediante uma apreciação subjetiva, senão mediante os resultado objetivo da prática social. O critério da verdade não pode ser outro que a prática social. O ponto de vista da prática é o ponto de vista primeiro e fundamental da teoria materialista dialética do conhecimento.” Reiterando: o MD não é uma teoria do conhecimento pelo problema de conhecimento (como foucaultianismo, bourdieunismo, pós-modernismo, etc.), mas uma teoria que presta à luta da classe proletária e que parte do problema da própria prática social. Levando em conta tudo isso, logicamente que Foucault, Bourdieu, Bauman e outros teóricos pós-modernos, podem servir como fonte alternativa para construir uma “ferramenta” de conhecimento crítico e disto se recortar ou extrair alguma proposta política, inclusive para os movimentos sindicais e populares (na práxis), com inserção nesta sociedade de classes atual. Não por acaso que Marx sintetizou sua proposta e metodologia lendo criticamente diversos reacionários e liberais como Hegel, Spinoza, 22
  23. 23. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Ricardo, Smith, Babeuf, Saint-simon, Stirner, etc. Entretando, vem imediatamente uma pergunta: “porque passar pelo santo, se pode ir direto ao deus” como se diz no populacho, ou seja, porque rejeitar os referenciais científicos do M-L e optar por uma leitura alternativa destes cientistas sociais e economistas não-comunistas? Nisso, diversamente de Santos, considero que tais teóricos liberais, academicistas e pós-modernos não tem como pano de fundo a luta de classes e muito menos fazem uma descrição lúcida da realidade (como contradição entre capital e trabalho). Mesmo que para Santos, como lúcido seja entendido o tabloide do PCO e a negação da revolução social violenta. Pois desta forma, tais renomados intelectuais utilizam-se de outros conceitos e retiram conclusões adversas ao comunismo, bem como suas teorias acima de tudo tentam negar a centralidade da classe operária na história e a substituem por novas análises como da sociedade de risco, informação, consumo, lazer, hipermoderna, ócio, rede, sistêmica, líquida, etc. E apenas para reiterar esta questão do estudo, finalizo com passagens da famosa poesia de Bertold Brecht no qual se aprende no asilo, na prisão ou na cozinha, e enfim, em tudo se aprende algo nesta vida, até mesmo lendo criticamente estes teóricos sociais contrapostos ao comunismo de Marx, Lênin e sucessores. Mesmo na dificultosa leitura crítica de fontes estatísticas, jornalísticas e expressões culturais burguesas, também se aprende. Por isso que primeiramente se aprende com a própria vida das massas trabalhadoras e depois lhes profere a ciência do MH, tendo sempre o primado da prática classista (ou do exemplo pedagógico, como também é chamado este estilo de militância) como o critério do MD. QUAL DIREITA CARA PÁLIDA? E mais uma vez sobre supostamente ser parte da direita brasileira. Estimo que fazer esta crítica da classe burguesa e latifundiária, ao mesmo tempo que nunca apoiar estes movimentos governistas e semi, muito menos a política de PSDB, DEM e olavistas, que respondo esta questão de uma vez por todas. 23
  24. 24. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Para mais informações, procure saber quem fez parte à frente da maior greve municipária (em quantidade de pessoas) de toda a história de São Leopoldo, lutando contra um governo tucano e sendo perseguido, tendo horas-extras cortadas e em decorrência disto, o salário reduzido e a exclusão dos cursos de aperfeiçoamento profissional, até os dias de hoje, por tal ação prática contra um governo da direita. Isso ao mesmo tempo que as direções dos sindicatos são coniventes e não defendem sequer os grevistas. Além de que, diariamente compartilho selecionados artigos, notícias, fotos e charges contra a direita. Mas, caso todos estes dados preliminares não bastem, basta reler os parágrafos do panfleto contra esta direita. ESSA SUBJETIVIDADE MUITO APEGADA A DISPUTA DE CARGOS E DIREÇÕES DO APARELHO E QUE PÕE O PARTIDO ANTES DAS LUTAS DA CLASSE, TAMBÉM FEZ ESCOLA ENTRE A ESQUERDA QUE NÃO FOI A REBOQUE. E para ir finalizando sobre esta falsa acusação de pertencer ao campo da direita política brasileira, ainda questiono Iasi sobre de onde vem a atual onda conservadora: a mesma não vem dos problemas decorrentes da derrota do processo democrático e popular, que foi dirigido, desde meados da década de 1980 à de 2000, pela aliança eleitoral formada por PT, PCB, PCdoB, etc., que ao assumirem a presidência da República em 2003, acabariam colocando em ruína a esquerda e a classe operária e camponesa. Simplesmente porque o democrático e popular não é uma estratégia revolucionária do proletariado e nem mesmo fracassou, pois seu governo de coalizão burguesa e latifundiária está assentado no Palácio do Planalto e nos grandes movimentos sociais de CUT, UNE, UBES, MST, CTB, LPJ, UJS entre outros. Assim, não passa de uma revisão idealista afirmar que: “o abandono das demandas próprias de nossa classe pelo governo de pacto social é o caminho mais rápido para dotar a alternativa de direita da base social que ela precisa.”, pois, este assim chamado de <<demo-pop>> nunca assumiu a guerra revolucionária pelo poder da classe operária e camponesa, e desde sempre adotou a via democrática-burguesa como valor. Sendo que o próprio Lula da Silva historicamente corrobora com isto: “Não sou e nem nunca fui socialista. Como posso ser a favor de um regime no qual quem produzir oito garrafas de cerveja ganhará o mesmo que quem produz dez?” E Dilma Rousseff sustenta este lulismo, 24
  25. 25. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. enunciado publicamente em recente congresso do PT pela colaboração: “dos empresários comprometidos com o desenvolvimento econômico e social do país. “ O AGRAVANTE DESSE ESCÂNDALO É QUE O PT, DO MENSALÃO DE 2005 SOMADO AO TRAMBIQUE COM AS EMPREITEIRAS NA PETROBRAS, SE AFUNDA DE VEZ NA VALA COMUM DA POLÍTICA BURGUESA. Por conseguinte, quando critico os políticos governistas e semi, principalmente porque este campo está no poder do Estado e da sociedade brasileira, mesmo que após a vitória no segundo turno das eleições de 2014, venham perdendo cada vez mais popularidade, aumentem as denúncias de corrupção e estejam crescendo as oposições de direita tradicional e pró-militarista. Sobre isto, em comentário já postado acima, fiz um breve rascunho ensaiando descrever a correlação de forças dos campos políticos nesta sociedade de classes, por isso não sou obrigado a repetir tudo isso aqui novamente (em caso da necessidade de uma maior reflexão sobre este marcado ponto, com uma argumentação desenvolvida sobre as noções apontadas ao longo do debate, podemos reacender a questão). Assim sobre a direita, para concluir esta parte, demonstrei também abertamente de qual lado estou, sendo que o panfleto realça isto com todas as palavras, de uma forma alta e clara para todo e qualquer leitor. Tão somente um provocador, falacioso e revisionista, não consegue ler e entender isto, e muito menos fazer uma política além da partidária deste processo de transição, coexistência e emulação pacífica. POLARIZAÇÃO QUE PROCURA CAPTURAR AS REBELDIAS. Sem demora, vem a calhar, a questão quanto à postura de ficar indignado com as duras críticas aos “companheiros” do governismo e semi, que trata como sendo respeitáveis partidários de esquerda, socialistas ou dos trabalhadores, em acumulação de forças e com projeto de poder para os explorados. Sobre isto, atento que é um direito e uma opção política de cada militante, que assim pode defender e enaltecer elogios aos pelegos do mensalão, petrolão e ajustão. Não obstante, sabendo que isto gera, por outro lado, toda uma série de consequências e críticas no decorrer deste debate teórico e exercício 25
  26. 26. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. político. Enquanto afirmar de forma falsa e não comprovada, que pela direita (e pelo dito “anarquismo” que quis dizer), se contraria genericamente toda a esquerda brasileira (mesmo a defendida como não-eleitoral e revolucionária), bem como se negaria assim absolutamente a necessidade da tática comum de frente única (pela independência de classe, e não o conceito sinônimo utilizado historicamente pelo PCB, enquanto etapa de aliança com setores progressistas da burguesia), é asseverar não mais que um aglomerado de preconceitos enganosos e de profissões de má-fé, pois, quando participei dos movimentos sociais e políticos, foi sempre optando pela esquerda com finalidade revolucionária e radicalmente contra este campo aliancista eleitoral progressista. Ao ser perguntado se estas críticas tem validade universalista, eu mesmo não posso dizer isto e muito menos me vangloriar... mas, que tentam ser mais objetivas possível, ir direto ao ponto sem rodeios e dar nomes aos bois, isso sim posso defender de antemão. E se, este debate não é conjuntural, pois logra que as não-análises ou “asneiras” sejam inaplicáveis na realidade concreta, entretanto porque mesmo, Santos apoiou e colou um panfleto, que contém em grande parte, as mesmas análises, sem tirar e nem por? E no mais, são de quem mesmo as palavras de ordem e as análises que se aplicariam à realidade concreta, como por exemplo: “asneiras que escrevi não são atribuidas a FAG como organização concreta.”, “CUT, UNE e MST estão de verdade ao lado dos trabalhadores”, e “fora ministros burgueses” do governo Dilma e Temer. Sem contar com as últimas manchetes surreais do PCO. É PRECISO TER CLAREZA NA ANÁLISE E FIRMEZA EM NOSSOS PRINCÍPIOS CLASSISTAS PARA NÃO ENTRAR NO BRETE. Neste beco sem saída, que joga para sinucar entre: ignorar ou responder no mesmo nível: a primeira parte parece que foi cumprida à risca, pois sempre está fugindo pela tangente, e sequer tem condições de responder a maioria das perguntas ou cria uma série de falácias tentando silenciar sobre as mesmas; e a segunda parte ainda está no aguardo, pois falta demonstrar alguma capacidade mínima de argumentação coerente para este debate, já que somente acode titubeando sem provas, que defendo posições com o uso de citações descontextualizadas. Entretanto, quando solicito que demonstre este alegado 26
  27. 27. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. feito, por escrito, com investigação teórica e comprovação epigráfica, absolutamente nada consta. Não há sequer um único retorno. E ainda por cima, alegando elevar o nível deste debate, ao invés de se aprofundar nas questões da crítica de economia política, do materialismo histórico e do dialético, da estratégia socialista e do mundo do trabalho na sociedade atual, alega perfunctoriamente que todos somos burgueses e reprodutores sociais, colocando mais uma vez toda sua superficialidade ideológica revisionista acima de uma análise concreta da realidade. Imaginemos se este revisionista tentasse rebaixar o nível do debate, como seria então este seu arrazoado? Na sequência, continua praticamente o mesmo mimimi de sempre: “Anarco-direitismo particular… pelo jeito o cara foi desmascarado mesmo, pois teve que te chamar in box...”. Mas afinal, o que significa isto? E o que realmente objetiva conseguir e persuadir com tal atestado de tanta ignorância? Seria esta, uma análise concreta da realidade ou uma previsão pós-modernista de fatos irreais? O SENTIMENTO CONFUSO DE SETORES POPULARES ENTRE FOGO CRUZADO NOS DÃO HOJE UMA AMOSTRA. Explique também, por favor, o que quer dizer afinal toda esta confusa interpretação a posteriori sobre: “uma pseudo-FAG discursiva no mesmo campo discursivo do meu interlocutor do momento onde as asneiras foram escritas (…) caindo no campo patológico (…) perdão pelas forçadas, mas a função do bisturi é curar com o corte, se não corta não cura.”, onde assim: “vamos ver se seu coraçãozinho vai lhe permitir fazer a crítica com a mesma virulência e criticidade tentando imitar um bolchevique de 17”, no qual fecha atribuindo para si mesmo, como um filósofo narcisista, que presenteia-se: “mais um ponto para minha tese”. Portanto, caso resolva o problema de qual interpretação reveladora que esta assim tão pontuada tese disserta, para assim atingir o não-tratado, posso sim, tentar fazer alguns comentários dentro dos limites da realidade e de meu conhecimento. 27
  28. 28. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Mas depois deste espetáculo, ainda alega insolitamente que não podemos confundir partido com religião, mas quem afinal de contas, estaria confundindo e fazendo toda uma mística da interpretação daquilo que escreve? Segundo o qual, no texto: “Não se refere a FAG, se refere a todos nós, inclusive ao meu próprio partido”. Mas quer dizer então que, a FAG não faz parte deste exato conceito de “nós”, no qual encontra-se provavelmente o partido revisionista brasileiro, além dos outros três partidos reformistas eleitorais, e até mesmo os partidos governistas e semi? POLÍTICA QUE NÃO AVANÇA NA RELAÇÃO DE FORÇAS CONTRA O PODER DOMINANTE DEIXA TERRENO A SER OCUPADO. Nisso ainda, desde quando que o pecebismo se opõe ao Estado burguês, se o “partidão” propõe desenvolver uma luta popular por dentro dos “poros” do mesmo, conforme deliberação oficial do 15° congresso, que remete diretamente à transição/coexistência pacífica e à campanha eleitoral burguesa, onde o PCB mais aparece na mídia para assim colaborar com este regime democrático-burguês? Sem contar com a proposta da: “necessidade de fortalecer a FSM (Federação Sindical Mundial) que vem se recuperando do esvaziamento dos anos 90 do século passado, como é prova o combativo e expressivo último Congresso da Federação, realizado em 2011, na cidade de Atenas [capital da Grécia, que é importante base do KKE e da internacional EIPCO], onde esteve presente uma delegação de sindicalistas do PCB”, sendo que esta federação passou de representante dos interesses social-imperialistas da burguesia soviética para dos Estados burgueses que atualmente reivindicam-se socialistas de mercado ou do novo século 21. E segundo fontes orais obtidas, o “partidão” desligou-se das centrais e instrumentos sindicais, por dois motivos: priorizar a política porosa para o Estado via campanhas, convenções, candidaturas, propagandas eleitorais, reformismos gramscistas, etc.; e arrecadar o percentual financeiro (proveniente de imposto sindical, mensalidade associativa e outros recursos) para o caixa da corrente partidária sem precisar compartilhar com outras instâncias. E sobre a história da prática como critério político para analisar as diferenças entre revolução e reforma/revisionismo, reitero mais uma vez que a estratégia revolucionária é um processo de longo prazo e extremamente dificultoso, onde o momento da insurreição é decisivos e as duas frentes ou blocos (da classe operária e da burguesa) estão em evidência na contradição principal. Não obstante, o problema todo que debatemos é para 28
  29. 29. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. uma outra conjuntura, como a atual, onde a contradição principal ainda é predominantemente interburguesa, que se sobrepõe a contradição fundamental entre capital e trabalho, e onde também inexiste um partido comunista M-L do Brasil. Aproveitando-se disto, uma significativa fração da burguesia divulga que está ao lado dos trabalhadores, com apoio de revisionistas, pelegos e oportunistas, de movimentos governistas e semi, de votos críticos, de falsas autonomias e de alianças progressistas. Quanto à: “Quem está fora de uma visão científica, histórica e crítica (rigorosa), está no campo místico obscurantista, logo, a priori não é revolucionário.”, considero ser esta mais uma suposição revisionista burguesa e em nada dialética. Pois uma coisa é ser marxista e outra é ser revolucionário como já diziam até mesmo os caderninhos da Marta Harnecker, sendo que há contradição entre problema de conhecimento e problema de realidade, assim como entre base e direção e em toda a matéria. Logo, um pacífico e pontual mestre em ciências sociais, que domina tintim por tintim de Marx à Meszaros, pode ser um pequeno-burguês assalariado que nunca fez um protesto violento sequer na vida ou no local de trabalho, enquanto que um operário semianalfabeto e grevista da prestadora do serviço de limpeza urbana, sem condições de ler e interpretar uma página de Zizek, sem 1% do estudo rigoroso do especialista em teoria crítica ocidental, pode participar militantemente da luta operária, dirigir uma conquista salarial e tomar parte da política socialista. Tudo isso não é novidade alguma, este tema é um antigo debate no campo da esquerda, nem sendo exclusividade dos círculos de Althusser e nem mesmo do Huerta Grande anarquista, já que na Crítica ao Programa de Gotha de 1875, consta que uma ação prática vale muito mais do que diversos programas teóricos. NÃO É A ESQUERDA QUE SE DEGENERA, COMO QUER FAZER PASSAR O DISCURSO. “Peço perdão, mas isso não é dogma, isso é racionalidade. A teoria revolucionária surge na modernidade racional, não em ideologias pré-modernas, essas sim, dogmáticas, onde o que importa é o que a pessoa pensa que está fazendo, e não o resultado histórico do que ela fez.“ assim contra-argumenta Santos, esquecendo-se propositalmente que o gabado pensa que o pecebismo é uma política comunista, devido as palavras de ordem e algumas frases de impacto contidas nas últimas deliberações congressuais, sendo que na prática, o partido revisionista luta pela etapa popular democrática e a base muitas vezes contesta a direção, votando na capitalista Dilma e apoiando abertamente seus movimentos governistas e semi. 29
  30. 30. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. Nem com toda a clemência de perdão da cultura judaico-cristã, que este erro absurdo de reverter a primazia do ser sobre a consciência, pode ser poupado da crítica, pois como: “Conceber a subjetividade livre de suas consequências históricas, não é fazer revolução, mas pregar auto-ajuda.”, que assim sendo, no caso dos comentários por brincadeira, por não foi isso que se quis dizer, por ironia do discurso e por meras falácias acusatórias, onde a subjetividade e o pensamento do gabado autor assim estariam substituindo tanto a objetividade quanto o crítério da prática política. Assim, não há nada mais anti-materialista histórico e dialético do que este liquida de bordões e concessões teóricas. E na sequência, depois de alegar que a FAG é burguesa mas em um outro sentido, sendo isto para criticar a não-FAG burguesa, tentando justificar-se pela seguinte lógica que já teria vencido este debate: “tenho total consciência do trabalho e da luta da FAG, o que escreví foram respostas no sentido de desmascarar um anti-esquerdista e anti-partido que estava tentando difamar a esquerda.” Seria então um ato difamatório à esquerda brasileira criticar PCO, PCB, PCdoB, PCML, PCLCP, PCBFV, PCR e outros que reivindicam-se mais ou menos “partidos comunistas”, mas que lutam por etapismos, entrismos, colaboracionismos, agrarismos e frente-populismos? Sendo que nisso, o acusado de interlocutor doido passa agora a ser interrogado e posto na encruzilhada do gabado teórico revisionista: “o que um esquerdista realmente não-governista deve fazer? Como ele não quer propor nada, só difamar os partidos de esquerda, ele se ofende e diz que essa pergunta é maldosa. E em outra ocasião ele cita Rojava, para mostrar que a esquerda poderia ser diferente. Te pergunto: é possível criar uma Rojava no Brasil? Tenho certeza que se a resposta fosse sim, a FAG seria a primeira a tentar fazer... então só temos duas opções se Rojava é a única opção de esquerda real: 1. comprar uma passagem, um fuzil e ir para lá; 2. se ficar no Brasil, temos de nos contentar com a conjuntura e fazermos o que fazemos, disputar sindicatos, construir o bloco de lutas, ocupações, etc. não tem outra coisa. Se quem faz isso é governista como o cara afirma, então todos somos.” Desta forma, o revisionista Santos defende o contentamento conjuntural: disputar sindicatos com a FSM burguesa, chamar os “companheiros” da CUT para o lado dos trabalhadores, ajudar a destruir o bloco de lutas local em prol de falsos 30
  31. 31. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. autônomos/verdadeiros governistas, apoiar ocupações sem nenhuma crítica aos dirigentes petistas do MNLM e assim por diante. Sendo esta a real prática política do “fazermos o que fazemos”. FRENTE DE CENTRO-ESQUERDA LIDERADA PELO PT, DEPOIS DE ALCANÇADO SEU OBJETIVO DE CHEGAR À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, DEIXOU PLANTADA Nisso esquivou-se de citar algo: teríamos também que nos contentar votando na Dilma, no Olívio, apoiando a Frente Autônoma em conjunto com o PT, e também que: “Obviamente foi uma ironia, como não sou religioso nem dogmático, se fizessem a mesma ironia para desmascarar um interlocutor usando minha organização, eu não me sentiria ofendido. Claro, se ficasse claro que foi ironia. Pois siglas só são sagradas para religiosos e dogmáticos, para mim, nem mesmo a sigla de minha organização é sagrada. Creio que para ti, não ficou claro que foi uma ironia.“ Ou seja, apenas o gabado autor teria clarividência (“claro, se ficasse claro”) dos seus escritos místicos contendo intuitos ocultos de fazer: “uma ironia para desmascarar um anti-esquerdistas e anti-partidário, nada mais que isso”. Sendo que, os partidos da dita esquerda no qual sou acusado de supostamente difamar, são todos expressões das políticas democrático-burguesas, sejam pela frente de governistas ou por outro lado, pela frente de reformistas eleitoreiros. Além de que as referidas como perguntas maldosas, que são elementos deste discurso tangencial de Santos, são assim analisados criticamente ao londo de todo este comentário-resposta. O AVANÇO DA DIREITA NA ALIANÇA GOVERNISTA E NA OPOSIÇÃO DAS RUAS. E assim constrói-se um absolutamente falso dilema no qual: “só sobra para ele dois caminhos, os partidos de direita ou a esquerda não-partidária, enquanto ele não assumir nem uma, nem outra, criei um termo [anarco-tucano] para sintetizar as duas vias.” Logo, o revisionista além de persistir neste falso discurso não-partidarista (que nas jornadas de junho era reproduzido pelos falsos autônomos com seu aval em canto e prosa), ainda por cima tenta descontextualizar o histórico debate entre Lênin e Kautsky, sendo que socialimperialistas são os próprios que se dizem socialistas de palavras, mas democratas burgueses de práxis, e assim sendo é impossível combater o imperialismo sem denunciar 31
  32. 32. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. completamente todos oportunistas, reformistas e etapistas burgueses. E depois conclui precipitadamente mais uma vez que se: “odeia social-democrata, socialista e comunista, só sobra tucano e anarquista, se o cara não assume nenhum, ele é uma síntese dos dois.”, cometendo assim praticamente o mesmo erro grosseiro de quando elogiava as análises acertadas do Jornal da Causa Operária ou predizia que estaria implorando no In Box para ajudarem na redação de algum comentário sem nenhuma noção. Até que depois admite fazer um mea culpa, onde bastaria trocar os teóricos citados por Mauro Iasi, Marta Jane, Ivan Pinheiro e delegados do 15° congresso, que o mesmo serviria também para o próprio revisionismo pecebista: “Sim, concordo que o marxismo pode se tornar dogmático, mas isso não pode se tornar desculpa para descambarmos para teóricos reacionários de matriz liberal, como Foucault, Bourdieur e os pós-modernos, pelo fato de que esses desobrigam o militante de se inserir na luta de classes e na perspectiva de tomada do poder de fato, podendo o militante ficar só na crítica cultural, na ação direta minimalista, se sentir aprioristicamente revolucionário sem ter de prestar contas com o tribunal da história, e assim, tirar um peso das costas e dormir tranquilo.” Entretanto, oblitera o descambo para a liberalização dos Krushov, Gorbachev, Castro, Maduro, Mujica entre outros políticos e teóricos burgueses, que deveras renunciam a luta de classes e a revolução proletária para constituir todo este revisionismo, progressismo e socialismo burguês. SURFAM NO DISCURSO (...) PARA QUEBRAR A MORAL DE TODA ESQUERDA CLASSISTA. E voltando às palavras de ordem e ao programa socialista: para o PCB, o poder popular não é o socialismo, mas uma outra etapa intermediária dentro dos poros do capitalismo, da via eleitoral, da transição pacífica, etc. Enquanto que para o M-L, entre o capitalismo e o comunismo, existe unicamente uma etapa transitória que é a socialista ou o poder do proletariado. Assim sendo, para o PCB, mesmo que oficialmente: “em nenhum momento se defende a aliança com a burguesia”, entretanto na prática, o mesmo apoia vários Estados 32
  33. 33. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. burgueses, sejam da abertura renovada ao capital imperialista, do bloco da ALBA ou do tratado da OCX, além da militância fazer (por baixo dos panos) o voto crítico neste atual governo burguês e latifundiário do Brasil. Sobre isso Lênin já dizia que o revisionista não necessariamente trai o partido, mas coloca qualquer oportunismo momentâneo acima da contradição fundamental, além de que o revisionismo não é um movimento de origem externa, mas do interior do próprio campo marxista. TROCARAM A INDEPENDÊNCIA DA CLASSE TRABALHADORA POR CARGOS. Nisso, passamos mais uma vez para analisar aquele apoio, sem a menor crítica, dado aos falsos autonomistas leopoldenses e atuais governistas pelegos, pois afirma que os: “"autonomistas", que são pequeno-burgueses aventureiros amantes de ações esteticamente radicais, mas politicamente inúteis”. De imediato tenho que perguntar: porque então apoiava a FAL, que era autonomista de palavras e governista de ações? E nisso, o acusador procura se defender preventivamente, pois alega que: “não está se referindo à "autonomia de classe", isso é falácia hermenêutica, com o intuito de difamar o partido e nada construir.” Pois bem, de qual forma o pecebismo, em tese, apoia a autonomia (ou independência) de classe: se colaborando com as organizações internacionais patrocinadas pelos referidos Estados e blocos capitalistas, se pelo voto crítico na base governista e semi, ou se com um candidato presidencial que não é sequer da classe operária, mas sim PHD do aparelho universitário estatal (ou seja, da pequena burguesia progressista)? A CLASSE OPERÁRIA VIVE DE NOVO AS DEMISSÕES NA INDÚSTRIA E NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Isto traz à tona o debate sobre modo de produção e dentro deste, as classes sociais. Assim na esquerda brasileira em geral, há predominantemente as teorias da classe ampliada de Ricardo Antunes, que são opostas as de centralidade da classe operária, defendida tanto pelos lukacsianos mais ortodoxos, quanto pelos althusserianos-poulantzianos (apesar destes terem severas diferenças entre si, como por exemplo, as existentes entre Sergio Lessa e Luiz Motta). Nisto, a conceituação de Marx: “proletário, na acepção econômica da palavra, deve 33
  34. 34. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. entender-se unicamente o operário assalariado, que produz e aumenta 'o capital’ e que é atirado à rua logo que se toma supérfluo para as exigências do crescimento do valor”, é apenas o começo desta grande contenda. Logo, não há o menor consenso entre os teóricos marxistas sobre classe social e operariado, e sendo assim, é completamente impossível haver acordo entre campos tão díspares como marxista, liberal, weberiano, pós-estruturalista e anarquista (leia-se, por este exemplo, as definições utilizadas na declaração final sobre classe e sujeito de 2011), a respeito desse controverso tema. E no meio de tantas divergências, opto operacionalmente - reconhecendo críticas e possíveis limitações - pelo polêmico conceito do Poulantzas de classe operária produtiva/improdutiva e de nova pequena burguesia assalariada, negando assim a classe ampliada e a não-diferenciação de classe entre operários industriais e trabalhadores da circulação/intelectualidade, pois isto se baseia no revisionismo soviético a partir dos anos 50, que incluía trabalhadores não-manuais (administrativos estatais, empresariais) e operários (de fábricas, agroindústrias), como sendo de uma única e mesma classe social de proletários, e que posteriormente foram classificados amplamente como parte de “todo o povo” na URSS capitalista restaurada. Mesmo que, em partes, a fonte disto é a errônea teoria das três classes no socialismo de Stalin (ainda hoje utilizada pelo revisionismo juche da Coréia), que não trata suficientemente a contradição fundamental entre classe operária e demais classes camponesas e trabalhadoras intelectuais/não-manuais, sendo que no meio destes últimos encontravam-se os antigos nepmens e culaques, bem como os novos tecnocientíficos e administradores, que foram os próprios restauradores da burguesia ao poder na sociedade de classes soviética. Enquanto que no processo revolucionário chinês, a jovem classe operária lutou pela superação da diferença entre trabalho manual e intelectual, bem como pela integração compulsória das demais classes na esfera da produção, até ser derrotada no massacre da Comuna de Xangai entre outras, que marcam o fim de fato da grande revolução cultural, no final dos anos 60. Nisso ainda, para fins comparativos, a teoria da burocracia como fração da classe operária de Leon Trotsky, além de ser uma discrepância, coloca gestores e supervisores como sendo supostamente da classe produtora de mais valor. Todavia, a questão toda é que: não é na transição socialista (de um Estado ou bloco interestatal), que vai ser destruído completamente as classes sociais e nem que todas as 34
  35. 35. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. coisas vão deixar de ser mercadorias, mas sim que isto somente pode ocorrer completamente no comunismo mundial. Assim sendo, durante a transição, continua havendo contradições sociais, luta de classes e até resíduos da lei do valor, porém neste movimento vai formando-se outra economia política, onde a força de trabalho não é mais vendida para o mercado, bem como saúde, educação, lazer e cada vez mais ramos idem. Tais são as medidas socialistas que são colocadas em prática pelo poder dos explorados, em rumo ao comunismo. NA BUSCA E NA CONQUISTA DO GOVERNO, INTEGRANDO-SE NAS INSTITUIÇÕES E NAS REGRAS DO JOGO, TROUXE UMA MUDANÇA IMPORTANTE NA CULTURA E NOS VALORES DA ESQUERDA. Contudo, em diferentes partidos policlassistas como PCB e PT, apesar de não haver uma declaração oficial a favor da classe ampliada e algumas vezes até mesmo se referirem ao operariado fabril, é com este conceito e até mesmo com uma frouxidão maior ainda, que atuam na sociedade de classes e na colaboração democrático-burguesa. Tanto que para Santos isto se confirma onde: “o termo classe aqui [na teoria revisionista atual do PCB] se refere a toda a classe trabalhadora, sem distinção e sem dar primazia ao trabalho no proletariado, que concordo ser uma falha de nosso partido, pois a classe revolucionária não é toda a classe trabalhadora, mas uma fração (os que produzem diretamente a riqueza) que chamamos proletariado.” E assim, que os militantes do revisionismo pecebista deveriam assumir que: “erramos taticamente”, “cometemos erros” e “atrapalhamos o processo”, mas apesar disso, jamais superam a sua velha política de frente única colaboracionista. PARTE EXPRESSIVA DOS TRABALHADORES, JUSTAMENTE INDIGNADOS COM OS INTERMINÁVEIS CASOS DE CORRUPÇÃO, PELA ESTAFANTE VIDA NAS GRANDES CIDADES E O AUMENTO NO CUSTO DE VIDA. Neste cenário, reitero que na teoria marxista que aplico, não há classe trabalhadora ampliada e nem operariado reduzido à subordinada fração. Mas sim uma classe operária propriamente dita, composta tanto pelos que manualmente produzem mais valor (ex.: montador de sapatos, colador de solas), quanto pelos que mantém ou realizam este valor 35
  36. 36. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. já produzido (ex.: mecânico de máquinas calçadistas, auxiliar de limpeza dos retalhos), sendo que os demais assalariados que fazem trabalhos intelectuais e improdutivos não são operários (ex.: administradores, contadores, engenheiros, publicitários, economistas, assistentes sociais, profissionais de comércio exterior, etc.). E no meio disso há intermediários e casos especiais, como do técnico eletromecânico, que sendo encarregado apenas da chefia não é da classe operária, mas que produzindo peças, operando máquinas e instalando painéis de controle, está executando o trabalho produtivo de valor. Já, todos os assalariados da circulação (como comércio, banco, logística, serviço, etc.) não produzem nenhum valor e assim dividem-se entre os trabalhadores comerciais etc. e os novos pequenos burgueses, por critérios como renda, escolaridade, dominação, função exercida entre outros. Assim sendo, um porteiro é um trabalhador da esfera da circulação, enquanto um comandante das forças armadas é um burguês, um vendedor varejista é trabalhador, já um alto consultor executivo de vendas não. OS PRECARIZADOS, A MASSA DOS TRABALHADORES BRASILEIROS, ALÇADOS COMO MODELO DO REGIME DE TRABALHO FLEXÍVEL E SUPER-EXPLORADOR, SUJEITOS DE UMA ROTINA DE PESADOS SACRIFÍCIOS, DÃO SINAIS DE CANSAÇO E IRRITAÇÃO. Este debate complexifica-se ainda mais em categorias como professores, bancários e funcionários públicos (da baixa carreira burocrática em geral), que alguns consideram como sendo trabalhadores e outros como pequeno burgueses (ou colarinhos brancos). Para Boito, as categorias fora da esfera da produção e que promovem um sindicalismo de classe média, corporativo e meritocrático, formam a nova pequena burguesia assalariada. Enquanto que a velha pequebú, são aqueles proprietários dos meios de produção e circulação, sejam grandes ou pequenos, altamente tecnológicos ou semi-artesanais, ricos ou de baixa renda. Deste modo, um pequeno comerciante da vila, se a proxima muito mais da classe operária, do que um procurador público do condomínio fechado, apesar do comerciante ser extremamente conservador da propriedade privada e infrigir as leis, como as trabalhistas e até criminais, e o alto funcionário estatal poder participar de movimentos sindicais de classe média e atos em prol dos direitos progressistas. Logo, a questão de classe é um ponto central do M-L, pois disto resultam divergentes 36
  37. 37. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. propostas políticas como: o poder do proletariado ou o poder de todo o povo que “vive do trabalho”, conforme a ampliação do revisionismo soviético, de Antunes, do PCB e etc. Entretanto, diferentemente de Santos segundo o qual não se poderia: “pegar um ponto, mesmo que importante, para avacalhar com os partidos da esquerda com um toduo, deixando implícito [e aqui caricaturiza mais uma vez!] uma bipolaridade entr duas formas de anti-partidarismo, que são o anarquismo e o facismo hoje encarnado pelos coxinhas, já é uma falha grave e reacionária.” Isto como se fascismo e anarquismo não fossem partidos polarizados de direita e de esquerda, respectivamente. Isto como se a ditadura do proletariado não fosse o ponto programático da maior importância no movimento comunista. Isto como se: “Não façais ‘concessões’ teóricas”. Esse era o pensamento de Marx, e eis que existem entre nós pessoas que, em seu nome, procuram diminuir a importância da teoria! Sem teoria revolucionária, não existe movimento revolucionário. Nunca será demais insistir nessa idéia, numa época em que a propaganda em moda do oportunismo anda de par com a paixão das formas mais estreitas das atividades práticas”, conforme afirmara Lênin. OS PARTIDOS, OS POLÍTICOS, AS BUROCRACIAS, AS EMPREITEIRAS, OS BANCOS E OS LOBISTAS CORPORATIVOS SÃO TODOS SÓCIOS NA CORRUPÇÃO E NA IMPUNIDADE. UMA MÃO LAVA A OUTRA E TODOS TEM SUA VEZ. QUEM NÃO PACTUA NÃO GOVERNA. Até que Santos é obrigado a admitir que: “muitas vezes erramos taticamente, e com isso, reproduzimos o pensamento burgues, erramos sim, cometemos peleguisses e muitas vezes, com nossos erros, atrapalhamos o processo revolucionário que queremos impulsionar. Se a conjuntura caminha para a direita, não é só culpa do cidadão ignorante, da mídia, da direita e da burguesia, também temos responsabilidades”. Lógico, pois quem vota e apoia criticamente este governo de coalizão burguesa e latifundiária tem toda a culpa no cartório eleitoral. Óbvio que reformistas e revisionistas: “são coniventes com o sistema na medida em que disputam eleições.”, mesmo que Santos se esmere para justificar esta política de aliança popular com setores progressistas por uma etapa burguesa. ENCORAJADOS PELA CAPITULAÇÃO DOS SUCESSIVOS GOVERNOS PETISTAS, QUE SE AJOELHAM AOS AGIOTAS DO SISTEMA FINANCEIRO, SENTAM NO COLO DAS 37
  38. 38. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. VELHAS RAPOSAS DA OLIGARQUIA LIDERADAS PELO PMDB E SE ATOLAM NO BALCÃO DE NEGÓCIOS DO PLANALTO, DO CONGRESSO E DAS ESTATAIS. E ainda depois de tanto apoiar governistas e semi, colaborar com os falsos autonomistas, elogiar as posições pelegas do PCO, defender os inocentes “companheiros” do PT, propagar a nova aliança progressista do PCB e chamar de doido quem defende a violenta revolução social, vem pregar sem mais nenhuma moral: que “a verdadeira esquerda tem que estar unida”, por uma unidade da “esquerda não-caviar”, pois ser de esquerda não é apenas portar uma “bandeira vermelha” e que vale a prática do “prefiro fazer como faço”, pois com isto tenta justificar que “se a esquerda ficar dividida, a direita irá capitalizar”. Porém, qual a esquerda que Santos prentende unificar? Seria a candidatura da burguesia “progressista” com a classe ampliada “colaboracionista”, aliançada aos movimentos governistas e semi? Seria unificar com setores da burguesia, inclusive a fração financeira de Joaquim Levy, que capitaliza com super lucros proporcionados em décadas de governos Lula e Dilma (que de certa forma são semelhantes aos governos populares da Venezuela, onde 71% do PIB é apropriado pelo grande capital, industrial e financeiro). E depois ainda vem defender que este poder popular é a expropriação da burguesia. PARA DEFENDER A PETROBRAS E O PATRIMÔNIO PÚBLICO A LUTA DOS TRABALHADORES E DO POVO DEVE SUPERAR O CONTROLE BUROCRÁTICO ESTATAL. TEM QUE SER UMA LUTA PARA AVANÇAR NA GESTÃO DIRETA DO PATRIMÔNIO PÚBLICO, PELA MÃO DAS ORGANIZAÇÕES OPERÁRIAS E POPULARES. Outro grandioso exemplo progressista que o pecebista Santos defende é o amparo plural e genérico da empresa capitalista Petrobrás Sociedade Anônima, que é uma bandeira contundente do campo democrático e popular, e até mesmo do nacional e neodesenvolvimentista. Este exemplo, demonstra na prática, quais são os campos de esquerda e centro-esquerda que o revisionismo quer unificar em caráter de urgência e sem fazer críticas semânticas aos “companheiros” nesta frente popular. E assim são defendidas empresas públicas para gerar lucros particulares e fornecer matérias-primas para o mercado privado, onde a maioria dos trabalhadores da planta são terceirizados e o petróleo é, de tempos em tempos, leiloado pelo governo. Enquanto isso, o ponto de vista classista, nunca é defender um meio de produção misto 38
  39. 39. COMENTÁRIO-RESPOSTAAO REVISIONISMO DE V. SANTOS - 03/05/2015. com ações na bolsa de valores, mas sim, os operários petroleiros e sua luta nos próprios locais de exploração do trabalho, bem como combater o imperialismo, a corrupção e o governo de coalizão do PT, PMDB e cia.. Sendo que politicamente isto não significa o mesmo que salvaguadar a manutenção menos pior do Brasil enquanto Estado democrático burguês, mas sim avançar a luta dos explorados do campo e da cidade para um Brasil socialista e com os meios de produção controlados pela classe operária. Porfim, faço as considerações finais desta resposta para Santos, que tradicionalmente faz como o quero-quero, aquele pássaro que canta de um lado e choca o ovo de outro, para assim procurar enganar os predadores e esta espécie de ave guardiã dos pampas sobreviver. Do mesmo modo faz o revisionista do PCB, que conta causos aqui no Facebook, mas que na lida, não passa de um trovador fiado. MUDAMOS TUDO OU NÃO SE MUDA NADA. Esta palavra de ordem não é mudar de ministros, não é mudar a política dos governistas e semi para o lado dos trabalhadores, não é mudar votando de quatro em quatro anos, não é mudar pela transição pacífica, não é mudar em aliança democrático-burguesa com setores progressistas, não é… Não é isto. Pois historicamente: “A realidade mostrou toda a falsidade dessas promessas e subterfúgios. O capital (...) intensificou a sua ofensiva contra os interesses vitais da classe operária”, sendo que acima de tudo: “Sem se libertar das tendências de enganar, mentir, entre outras, não irá se desenvolver e se estabilizar como imprensa, nem possuir um julgamento nobre, leal e admiravelmente franco.” (Karl Marx). E enfim, como diz aquele velho ditado gaúcho: “Mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo.” A. Colling.A. Colling. 39

×