Apresentação fotografias e textos

1.171 visualizações

Publicada em

Exposição de fotografias de Jorge Delmar com textos de Ana da Palma, intitulada: «Eu e o Outro no Antro da Quimera», até final de Julho 09.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.171
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
93
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação fotografias e textos

  1. 1. Eu e o Outro no Antro da Quimera Fotografias & Palavras Jorge Delmar & Ana da Palma
  2. 2. São longas as horas da sombra sorridente. Ao lado crescem seres de casca cinzenta Borbulham cores silenciosas E canta o vermelho persistente
  3. 3. No espelho da bacia nasce uma libélula. Não me digas as gotas a gotas esvaziadas em que perdeste o tempo. Conta-me apenas o teu rosto invisível.
  4. 4. Se fosse poeta contava a história das nuvens espalhadas na paisagem. Se fosse poeta salmodiava uma paisagem inclinada. Se fosse poeta vivia neste mundo sereno da imagem.
  5. 5. Deixa as palavras no pó e nas sombras das prateleiras. Deixa as aranhas tecer fios entre palavras. Deixa a luz do mundo inclinar-se nas páginas esquecidas amontoadas.
  6. 6. São verticais os sonhos de insectos e aqui na fenda do meu rosto jaz a tensão entre a imagem e o mundo e na curva isótropa do meu olhar penetras nos seus sonhos
  7. 7. Gosto da carícia leve e delicada da tua sombra no meu tronco nu. Dá-me essas curvas! Inclina a tua mancha!
  8. 8. A sombra do tronco imiscua-se na parede revelando microcosmos, micromundos. Por que caminhos temos andado que não nos encontrámos?
  9. 9. Na parede de sombras do sobreiro o azul inacabado. Estes dias de luz oblíqua revelam segredos no Imaginário.
  10. 10. Somos dois! Um de pedra e um de pele. Nunca ninguém nos viu tão nítidos entre o que fomos e o que seremos.
  11. 11. Sem saber os ramos de Alecrim distante procuram o árduo caminho do calor da luz inclinada.

×