Workshop de Transmedia Storytelling

185 visualizações

Publicada em

Workshop apresentado no dia 7/11 em SP.

Publicada em: Marketing
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
185
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Workshop de Transmedia Storytelling

  1. 1. Storytelling workshop de Transmedia
  2. 2. gabriel ISHIDa Fernando collaco Bacharel em Midialogia e Mestre em Comunicação e TV. Atualmente é Gerente de Projetos e pesquisa Planejamento e Marketing de Conteúdo Bacharel em Midialogia e Especialista em Inteligência de Mercado. Atualmente é Coordenador de Pesquisa em Social Media e focado em Apropriação e Consumo -
  3. 3. Storytelling workshop de Transmedia
  4. 4. vivian maier
  5. 5. vivian maier
  6. 6. vivian maier
  7. 7. vivian maier
  8. 8. john maloof
  9. 9. imagens chicago
  10. 10. caixa de negativos
  11. 11. john maloof
  12. 12. vivian maier
  13. 13. formatos e
 suportes

  14. 14. universais atemporais
  15. 15. mensagens transmitem e intencoes - ˜
  16. 16. conexoes emocionais ˜
  17. 17. poder das historias 1 -
  18. 18. Série de incidentes ou eventos, sejam eles reais ou não, que são encadeados de uma maneira lógica com a finalidade de transmitir uma mensagem que informe, instrua ou entretenha o ouvinte Expressar ou comunicar uma informação através de palavras ou imagens, oferecendo detalhes e revelando acontecimentos para um determinado ouvinte Story... ...telling
  19. 19. Storytelling é uma forma básica de expressão humana compartilhada por pessoas de todas as idades e culturas, as quais usam palavras e imagens em qualquer mídia para criar uma nova e viva realidade na mente de uma outra pessoa Storytelling
  20. 20. pq contamos historias?-
  21. 21. experiencias vivemos ˆ
  22. 22. +proximas substancias- ˆ
  23. 23. 25 mil anos
  24. 24. conversas e fogueiras
  25. 25. narrativas impressas
  26. 26. narrativas filmadas
  27. 27. digitais narrativas
  28. 28. Transformacoes GRUPOS principais oralidade extroversao ˜ - ˜
  29. 29. Transformacoes individuo principais impressos e digitais introversao ˜ - ˜ -
  30. 30. poder? onde reside o
  31. 31. constante atencao˜ -
  32. 32. antecipacao ordem e ˜ -
  33. 33. espelho
  34. 34. projecao˜-
  35. 35. matata hakuna
  36. 36. hormoniosˆ
  37. 37. ancoraˆ
  38. 38. pq storytelling? 2
  39. 39. tendencia de busca ˆ
  40. 40. importancia do contexto ˆ
  41. 41. producao fluxo intensode - ˜
  42. 42. consumo fluxo intensode
  43. 43. producao fluxo intensode - ˜
  44. 44. conexoes pluralidade de ˜
  45. 45. identidade busca por
  46. 46. sociais redes
  47. 47. Economia da atencao- ˜
  48. 48. como se destacar?
  49. 49. rei conteudoe-
  50. 50. PERMEIA midias-
  51. 51. atrai e retem-
  52. 52. emociona e informa
  53. 53. permite participacao - ˜
  54. 54. marketing conteudode -
  55. 55. Budweiser
  56. 56. comercial
  57. 57. elementos narrativos 3
  58. 58. 3 Atos Narrativos apresentação conflito desfecho Há uma quebra na rotina causada por um evento externo ou interno Necessidade de remover o objeto de perturbação. Conhecemos os personagens A perturbação é neutralizada e pode-se voltar a situação inicial, com transformação efetiva
  59. 59. apresentação conflito desfecho Universo Narrativo, Disparo Dramático Personagens, Conflitos Internos e Externos Retorno e Transformação 3 Atos Narrativos
  60. 60. O Senhor dos Aneis apresentação conflito desfecho -
  61. 61. apresentação conflito desfecho Terra Média + Chegada de Gandalf Sociedade do Anel + Caminhada até Mordor Expurgo do Condado + Viagem com os Elfos O Senhor dos Aneis-
  62. 62. budweiser apresentação conflito desfecho Fazenda + Amizade Improvável Separação + Venda Resgate + Melhores Amigos
  63. 63. budweiser Início Entra no Celeiro Primeiro Contato Segundo Contato Separação 1 Fuga 1 Separação 2 Separação 3 Venda Resgate Fim do Resgate Retorno Melhores Amigos Fuga 2
  64. 64. apresentação conflito desfecho Universo Narrativo, Disparo Dramático Personagens, Conflitos Internos e Externos Retorno e Transformação 3 Atos Narrativos
  65. 65. universo narrativo
  66. 66. Universo Narrativo O universo narrativo compreende as regras e características do local onde sua história vai se passar. É através dele que entendemos o que é passível de acontecer e nos entregamos à história, ele que sustenta a fé do seu espectador nos fatos
  67. 67. Quando e onde?
  68. 68. fauna flora e clima?
  69. 69. sociedade habitantes e
  70. 70. e transporte comunicacao- ˜
  71. 71. valores crencas e -
  72. 72. incidente incitante
  73. 73. Incidente Incitante Também chamado de Disparo Dramático, é o catalisador da história. Algo acontece que vira a vida de seu protagonista de cabeça para baixo, afetando seus valores, seu mundo e/ou seus relacionamentos. Cria uma série de perguntas na cabeça da audiência que só serão respondidas no decorrer da história.
  74. 74. Fantastica Chocolate Fabrica de - -
  75. 75. Gravidade
  76. 76. Goonies Os
  77. 77. personagens
  78. 78. Personagens Os personagens são criações que refletem pessoas, comportamentos e sentimentos. São eles que movem a narrativa e dão sentido para sua existência. Quando bem construídos, teremos a impressão de pessoas vivendo situações e dilemas semelhantes aos nossos, proporcionando a projeção/identificação
  79. 79. Protagonista Co-Protagonista
  80. 80. antagonista Co-antagonista
  81. 81. Anti-heroi-
  82. 82. construir... como
  83. 83. Como ele é fisicamente? Com o que ele trabalha? Quais suas manias? Como são seus relacionamentos? Quais seus segredos? Quais seus valores? Como ele se chama? Como ele se veste? Quais seus hábitos? Onde ele nasceu e cresceu? Qual seu temperamento? Quais seus hobbies?
  84. 84. conflitos
  85. 85. Conflitos Os conflitos são o eixo central de toda narrativa, pois é através eles que se abrem os espaços para a transformação, ou seja, é por meio deles que conhecemos os personagens e avançamos na história. Eles são uma oportunidade para o espectador repensar suas ações, projetar sentimentos e sensações e também mudar a visão sobre determinado assunto ou sobre si mesmos.
  86. 86. the walking dead
  87. 87. elena
  88. 88. dexter
  89. 89. lembretes alguns
  90. 90. transformacao e tudo uma- - ˜
  91. 91. e mutavel a estrutura- -
  92. 92. acredito!eu
  93. 93. Atividade pratica -
  94. 94. grupo 1 grupo 2 grupo 3 Tempo para criação de Personagens, Incidente Incitante, Conflitos e Resolução
  95. 95. outras historias 4 -
  96. 96. johnnie walker
  97. 97. volkswagen kombi
  98. 98. leica
  99. 99. Atividade pratica -
  100. 100. nivea havaianas rio de janeiro sucos del valle
  101. 101. produto comercial +
  102. 102. arestas 5
  103. 103. diletto e do bem hollister
  104. 104. storydoing e rotulos-
  105. 105. transmedia caminho pro
  106. 106. conceituais distincoes- ˜
  107. 107. Multimídia Prefixo que exprime uma idéia de pluralidade
  108. 108. Bob Goldsteinn promove seu show ‘LightWorks at L’Oursin’ em Julho de 1966, um espetáculo com música e efeitos de luz
  109. 109. Mídias estáticas são aquelas que independem do fator temporal, como informações textuais e gráficas Mídias dinâmicas são aquelas que dependem do fator temporal/ ordem em seu desenvolvimento, como peças sonoras ou vídeos Mídia Estática + Mídia Dinâmica Mediada por uma computador/tecnologia digital
  110. 110. Mídias estáticas são aquelas que independem do fator temporal, como informações textuais e gráficas Mídias dinâmicas são aquelas que dependem do fator temporal/ ordem em seu desenvolvimento, como peças sonoras ou vídeos Mídia Estática + Mídia Dinâmica Mediada por uma computador/tecnologia digital Apresentação em PowerPoint Aulas realizadas a distância Enciclopédia on-line
  111. 111. Quando pensamos em conteúdo, vamos olhar para um processo que ainda se caracteriza mais pela descoberta das potencialidades dos meios do que pela maleabilidade do conteúdo. A mensagem é replicada por diferentes mídias e formatos, sem alterações estruturais
  112. 112. Barsa Jogo com Verbetes Versão Sonora CD-ROM
  113. 113. Conteúdo Televisão HQ Jogos Processo Multimídia
  114. 114. Alinhamento: Multimídia é um processo de conjunção de duas ou mais mídias para a disseminação de um conteúdo que não é transformado ou acrescido de dados. Foco ainda está na forma como se utiliza o conteúdo e não nele em si.
  115. 115. Crossmídia Prefixo que exprime a idéia de cruzamento
  116. 116. Distribuição de um conteúdo específico, uma mensagem única, para diferentes mídias, as quais dialogam entre si através de “pontes” que induzem a passagem de uma mídia para outra e que complementam o conteúdo da mídia principal
  117. 117. Televisão HQ JogosConteúdo Cinema Processo Crossmídia
  118. 118. Sua origem remete às agências de publicidade nos anos 90, as quais começaram a explorar o potencial das novas mídias e sua utilização conjunta (Marketing 3600)
  119. 119. Kevin Keller, em Gestão Estratégica de Marcas, lista prós e contras para a utilização de diversas mídias em um processo cruzado
  120. 120. Pontos -Pontos +Mídia Rádio Baixo Custo e Recepção Flexível Audição compete com distrações TV a Cabo Alta Segmentação, Integração com Smart TVs Menor audiência e recepção não tão flexível
  121. 121. Variação quase inexistente do conteúdo com foco na TRANSIÇÃO de uma mídia para outra Áudio televisivo gera um podcast, o qual pode ter diferença em relação ao conteúdo principal A
  122. 122. Enfoque nos materiais considerados EXTRAS com quase todos os produtos trazendo uma estrutura de: material + inéditos B
  123. 123. As pontes entre mídias e o cruzamento/ transposição de informações se torna um processo RECORRENTE e ESPERADO C
  124. 124. Alinhamento: Estabelecimento de pontes entre as diferentes mídias, as quais complementam um conteúdo-base, sendo que este não passa por uma transformação efetiva, apenas por uma abordagem diferenciada. Começo de um sistema integrado e complementar com a interação e o engajamento mais presentes
  125. 125. novos tempos? Sinais de
  126. 126. Multimídia Crossmídia Transmídia 66 90 03 Curto espaço de tempo conhecido como Pós-Modernidade novos tempos? Sinais de
  127. 127. - Vimos que o mundo digital permite que as pessoas passem a interagir cada vez mais e a criar seus próprios conteúdos em múltiplas telas...
  128. 128. Vimos também que as pessoas começam a se reagrupar de acordo com seus interesses pessoais e a resgatar o conceito de comunidade Além disso, há uma multiplicidade de identidades: as pessoas podem ser da tribo de amantes do futebol e de franquia Marvel
  129. 129. E por fim, vimos que a Economia da Atenção ganha muito destaque e que Conteúdo e Imersão se transformam em estratégias fundamentais
  130. 130. novos tempos? Sinais de A propagação de conteúdo se transforma no segredo para atingir o público, ou seja, transformar a sua marca e universo em mídia propagável que se retroalimente através do compartilhamento e disseminação
  131. 131. novos tempos? Sinais de O conteúdo deve ser disseminado para atingir o público em diversas portas de entradas e as plataformas digitais conferem dinamicidade e auxiliam a imersão narrativa
  132. 132. consumo de midia Consumo de Mídia Baseado na Posse Consumo de Mídia Baseado no Acesso Antes Depois Revista Jornal CD VHS DVD Blu-Ray MP3 Streaming Cloud Torrent Games Paywall Freemium Crowdfunding -
  133. 133. Industria do entretenimento : Conversas em redes sociais são real time, ou seja, facilmente esquecidas ou adequadas para um específico momento Youtube possibilitou o acesso a referências históricas, trazendo uma nova onda de retrô e resgate ao passado no entretenimento - efemero + retro^^
  134. 134. Usuario no poder - Devemos sempre lembrar que os usuários é que possuem o poder de escolha e sempre nos questionar: será que esse conteúdo seria consumível em Mobile?
  135. 135. experiencias! A Geração Y afirma que prefere boas experiências a ter posse de bens, indo desde festivais de música até viagens ao redor do mundo ^
  136. 136. Storytelling Transmedia
  137. 137. Transmídia Prefixo equivalente às expressões além de ou através de
  138. 138. Transmídia Storytelling
  139. 139. Transmedia e Storytelling são combinados porque é o Universo Narrativo que vai ser responsável por conectar todas as mídias
  140. 140. O termo, utilizado de forma sistemática e aplicada, aparece no livro Cultura da Convergência (Henry Jenkins) que deu nome a um processo já existente
  141. 141. Henry Jenkins “Representa um processo onde elementos integrais da ficção são dispersos sistematicamente através de múltiplas plataformas com a proposta de criar uma experiência de entretenimento unificada e coordenada. Cada meio faz uma contribuição única para o desenrolar da história”
  142. 142. W X Y Z Narrativa Lacunar A narrativa principal deve ter porosidade suficiente para permitir diferentes pontos de entrada do espectador
  143. 143. Games Mobile Livros Cinema Seriado na TV Cada mídia se apropria desse ponto de entrada e há uma consolidação horizontal com todas elas sendo importantes e exclusivas no processo
  144. 144. Games que apostam em personagens que não aparecem no seriado, mas que sobrevivem e criam ecos na narrativas principal The Walking Dead Webisodes que contam a história de outros sobreviventes: Torn Apart Livros que contam a história de outros personagens, como o Governador
  145. 145. Transmedia Storyteller (Robert Pratten) Processo Transmídia
  146. 146. Televisão HQ JogosConteúdo Cinema Universo Narrativo
  147. 147. Transmedia Storytelling é a estética ideal para uma Inteligência Coletiva/Cultura Participativa Não adianta uma história que a interação não possibilite o espectador participar da exploração do universo narrativo Interação: condição mais voltada para a tecnologia Participação: condição mais voltada para a cultura
  148. 148. “Para mim, um trabalho [transmídia] precisa combinar uma intertextualidade radical e a multimodalidade, visando assim criar a compreensão aditiva” Henry Jenkins
  149. 149. Intertextualidade Radical É a combinação das histórias das diferentes mídias dentro do universo narrativo, respeitando as motivações e construções de personagens e linha narrativa.
  150. 150. Multimodalidade Termo cunhado por Guther Kress e adaptado por Christy Dena e remete a uma ideia de singularidade de cada objeto, em nosso caso de mídias, onde deve-se entender e respeitar as diferentes modalidades de linguagem e comportamento para despertar o interesse e engajamento do público
  151. 151. Compreensão aditiva Provém do designer de games Neil Young para se referir ao fato de que cada texto/mídia contribui para nossa compreensão da história como um todo. Assim, o espectador “junta as peças” e a experiência vai se tornando cada vez mais agradável e desprendida de apenas uma mídia
  152. 152. Transmedia Storytelling é diferente de uso de multiplataformas O uso de elementos da narrativa em produtos licenciados não é Transmedia Storytelling, ou seja, se não há contribuição para o universo narrativo, não é Transmedia Storytelling Branding ou gestão de marcas pode ser transmídia, mas não é Transmedia Storytelling Considerações de Henry Jenkins
  153. 153. 4 Analise de casos -
  154. 154. The Série na TV Webisodes Games Livros Walking Dead Spin-Off
  155. 155. The Série na TV Webisodes Games Livros Walking Dead Spin-Off Personagens Paralelos História do Dia D Governador e Woodbury Vizinha de Rick
  156. 156. Série Livros HQ Games Game of Thrones
  157. 157. Série Livros HQ Games Personagens Paralelos + Personagens Principais Lendas e histórias que não são explicadas na série Game of Thrones
  158. 158. Coca-Cola Curta- metragem TV Caminhão Ações Offline Happiness Machine
  159. 159. Análise + Detalhada TV TV + Vídeo Vídeo + Offline Fase 1 Fase 2 Fase 3 O que se passa dentro de uma máquina de Coca? Mundo Mágico dentro das máquinas Máquinas movidas à felicidade Coca-Cola Happiness Machine
  160. 160. East Apps Webisodes Redes Sociais Série na TV Los High
  161. 161. O Cosmonauta Atividades do K-Program Webisodes Podcast Facebook
  162. 162. Road to Artigos Filme/Doc Redes Sociais Livros de Fotos Revolution
  163. 163. aplicando no dia a dia
  164. 164. um pouco de branding O ponto básico de branding é entender que seu projeto deve reforçar pontos que sua marca quer ser posicionada. Felicidade
  165. 165. como vender um produto que ninguem ve- ^
  166. 166. Projetos Todo projeto de Marketing ou Entretenimento que pretende adotar uma estratégia de transmídia deve ter: Universo Narrativo (Geralmente Fantasia) História (Recorte) com Começo, Meio e Fim e Personagens (Identificação) Objetivos Gerais de Marca Plano de Mídias para a Narrativa e seu Desenvolvimento Maneiras de Mensurar e Metas dos Resultados
  167. 167. Projetos Triona Campbell, especialista em financiamento de projetos transmídia, aconselha que o projeto seja vendido em fases, ou seja, que não se use todas as mídias de uma vez Fase 1 Fase 2 Fase 3 Uso de Vídeo e Webisodes Extensão em Livros e HQs Extensão em Filmes
  168. 168. Projetos Trace metas para cada fase que, quando cumpridas, possibilitam a ativação da fase conseguinte Séries como Lost, Game of Thrones e The Walking Dead só ativaram suas ações transmídias a partir da segunda temporada
  169. 169. Atividade pratica -
  170. 170. Executar uma tarefa para sedimentação dos conceitos trabalhados em sala de aula Formar duplas ou trios
  171. 171. Criar uma campanha multiplataforma para os clientes acima usando a verba estipulada. Justificar cada escolha de mídia e comentar o que se espera com cada um dos passos. Food Truck Comitê Paralímpico Autor de Livros Galeria de Arte Loja de Chás Alemão Banda Indie
  172. 172. contato@atlasmedialab.com.br Obrigado!www.atlasmedialab.com.br

×