Histórico da educação do campo

6.585 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.585
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
57
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
427
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Histórico da educação do campo

  1. 1. Processo histórico e político da Educação do Campo no Brasil
  2. 2. A origem da concepção de educação rural no Brasil, data desde 1889 com a Proclamação da República. Na época, o governo instituiu uma Pasta da Agricultura, Comércio e Indústria para atender estudantes dessas áreas, entretanto, a mesma foi extinta entre 1894 a 1906. Foi novamente instalada em 1909, como instituições de ensino para agrônomos. E, constituiu-se como "educação pública efetivamente nacional, nos anos 30, após a criação do Ministério da Educação". Cláudia Passador (2006),
  3. 3. Constituição de 1934 Pioneiros da Escola Nova solicitaram reformas educacionais. Manifesto dos Pioneiros
  4. 4. A Constituição de 1934 Educação profissional voltada para o contexto industrial Educação rural Artigo 156: Parágrafo único "Para realização do ensino nas zonas rurais, a União reservará, no mínimo, vinte por cento das quotas destinadas a educação no respectivo orçamento anual." (POLETTE; 2001, p.169)
  5. 5. 1947 a nova Constituição Brasileira Capítulo II da educação e cultura, Artigo 166; inciso III: "as empresas industriais, comerciais e agrícolas, em que trabalham mais de cem pessoas, são obrigadas a manter o ensino primário gratuito para os seus servidores e os filhos destes"; (BALEEIRO E SOBRIDINHO; 2001; p. 108).
  6. 6. A partir de 1940 a educação brasileira incorporou a matriz curricular urbanizada e industrializada.
  7. 7. Constituição de 1967 e a Emenda Constitucional de 1969 permanece a obrigatoriedade das empresas agrícolas e industriais com o ensino primário gratuito para empregados e os filhos menores de 14 anos. Isso explica, porque o Brasil até 1970 esteve com uma educação do campo, sob o gerenciamento das iniciativas privadas.
  8. 8. Constituição de 1988 Gestão de Fernando Henrique Cardoso Nova Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional, a 9394/96 Plano Nacional da Educação de 2001 Parâmetros Curriculares Nacionais.
  9. 9. LDB artigo 1º A educação é o conjunto de processos formadores que passa pelo trabalho, pela família, pela escola, pelo movimento social. Toda educação escolar terá que vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social.
  10. 10. Anos 90 Educação do campo como uma questão de interesse nacional , (Elementos para um Plano Nacional de Educação do Campo – SECAD/MEC)
  11. 11. 1997 I Encontro Nacional de Educadoras e Educadores da Reforma Agrária (promovido pelo MST com apoio da UNESCO, UNICEF, CNBB e UnB) Conceito de Povos do Campo: cultura como modo de vida, relação com a produção, tempo e espaço, meio ambiente,
  12. 12. 2002 Grupo Permanente de Trabalho (GPT) de Educação do Campo no MEC Povos do campo: pequenos agricultores, sem- terra, povos da floresta, pescadores, quilombolas, ribeirinhos, extrativistas, assalariados rurais .
  13. 13. 2002 Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo (Resolução nº 1/2002 do CNE/CEB)
  14. 14. 2004 Criação da SECAD/MEC Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade Quatro Departamentos: Educação de Jovens e Adultos, Desenvolvimento e Articulação Institucional, Avaliação e Informações Educacionais, Educação para a Diversidade e Cidadania Educação para a Diversidade e Cidadania Cinco Coordenações: Ações Educacionais Complementares Diversidade e Inclusão Social Educação Ambiental Educação do Campo Educação Indígena
  15. 15. Eixos para a construção das políticas de Educação do Campo Construção de uma base científica para a superação da dicotomia campo-cidade e a articulação entre educação e desenvolvimento sustentável. Construção da esfera pública na interação democrática e anticorporativa entre o poder público e as organizações da sociedade civil Eficiência administrativa da máquina do Estado para realizar os encaminhamentos gerados
  16. 16. 2004 II Plano Nacional de Reforma Agrária com a participação dos movimentos sociais. Novas políticas públicas para viabilizar o desenvolvimento dos assentamentos, dando-se prioridade para ações de educação e formação.
  17. 17. 2005 I Encontro Nacional de Pesquisa em Educação do Campo MEC/MDA Ampliar e aprofundar as reflexões sobre a educação do campo, com base em pesquisas e intervenções nas universidades e outros fóruns (agências de financiamento, organizações não governamentais, entre outros). Criação de centros regionais de pesquisa.
  18. 18. 2007 PROCAMPO – SECAD/MEC Licenciatura em Educação do Campo
  19. 19. “As políticas de educação e de formação se debaterão com duas tarefas: de um lado, superar os velhos estilos e as velhas lógicas ainda dominantes na visão e no trato dos povos do campo e, de outro lado, criar novos estilos embasados em novas lógicas e em novas imagens dos direitos dos povos do campo. Políticas atreladas a um outro Projeto de Campo no Projeto de Nação”. M. Arroyo (2005) Elementos para uma Política Pública de Formação de Educadores
  20. 20. 2 a 5 de outubro de 2007 III Seminário do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA Campo - Política Pública - Educação
  21. 21. Campo - Política Pública - Educação Tendência a separar estes três termos: Tira a especificidade dos povos do campo Tira o caráter de política pública para o desenvolvimento do campo Restringe ao aspecto pedagógico
  22. 22. 2008 II Encontro Nacional de Pesquisadores em Educação do Campo.
  23. 23. Um projeto de nação deve incluir os povos do campo como sujeitos concretos em seus processos produtivos, de trabalho, de cultura, de educação.
  24. 24. “A materialidade educativa de origem da Educação do Campo está nos processos formadores dos sujeitos coletivos da produção e das lutas sociais do campo. Por isso ela desafia o pensamento pedagógico a entender estes processos, econômicos, políticos, culturais, como formadores do ser humano e, portanto, constituintes de um projeto de educação emancipatória, onde quer que ela aconteça, inclusive na escola”.

×