Nota da EditoraA quinta edição de Cartas paraMadame Austen já chegou!Espero que gostem!Madame AustenColunista desta edição...
A quinta edição traz um volume com respos-tas únicas da nossa querida Fanny Price!Levando em consideração o tempo e aescol...
Querida Jane,Preciso de um auxílio. Peço que me mostremaneiras de viver bravamente. Sei que tuasheroínas são exemplo, mas ...
Aqui vai a semente de meu acima requisitadoconselho: se a senhorita não escolhe, outrosescolherão pela senhorita. Pois se ...
Não há solução: não temos como acertarsempre. Não temos como saber de antemão seum encontro vai florescer ou não. Em algum...
Olá querida Madame Austen! Muito obrigadapor responder a minha dúvida anterior, a qualsua resposta me agradou imensamente....
Cartas Para Madame AustenEspaço para tirar suas dúvidas, lamentações e Diversão!A coluna semanal “Cartas para Madame Auste...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cartas para madame austen edição 05 abril de 2013

764 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
764
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
435
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cartas para madame austen edição 05 abril de 2013

  1. 1. Nota da EditoraA quinta edição de Cartas paraMadame Austen já chegou!Espero que gostem!Madame AustenColunista desta edição: Fanny Price!ABRIL/2013 EDIÇÃO 05Cartas Para Madame AustenCartas Para Madame AustenCartas Para Madame AustenCartas Para Madame Austenwww.janeaustenbrasil.com.brHá sempre algo a dizer para consolar uma donzela desesperadaou uma senhora de respeito!
  2. 2. A quinta edição traz um volume com respos-tas únicas da nossa querida Fanny Price!Levando em consideração o tempo e aescolha de palavras que nossa heroinausou, decidimos publicar apenas duascartinhas nessa edição e fazermos uma es-pecíe de homenagem a Fanny Price!Muitos leitores não se ideintificam com aheroina de Mansfield Park por ela ser muitodiferente das outras, principalmente deElizabeth Bennet!As duas têm seu charme e encantos! E porisso, decidimos colocar Fanny em destaque!Viva a personagem que também sabe seruma mulher muito à frente de seu tempo!Viva Fanny Price!Até a próxima!Madame AustenMansfield Park mostra uma heroina muito diferentedas demais!EDITORIAL
  3. 3. Querida Jane,Preciso de um auxílio. Peço que me mostremaneiras de viver bravamente. Sei que tuasheroínas são exemplo, mas é tão difícil colocarem prática... ajude-me a adotar aquelaaudácia e confiança no dia-a-dia, e a nãofechar portas que poderiam me levar a umlugar melhor. Ajude-me a não virar as costasa qualquer homem que me olhe docementepor pensar que seria ele a me virar as costasmais cedo ou mais tarde. Dê-me um conselhopara esquecer as dores do passado e a forçapara abrir-me às novas oportunidades davida. Ensina-me a erguer e cabeça e me achara mulher linda que somos todas nós. A terânimo para estudar, trabalhar, vencer eamar. Sempre amar. Conceda-me suacoragem, querida Jane.Sua, AnneQuerida Anne,É certo que a tentação de jamais arriscar éenorme. Ela inclusive nos provê com umaexcelente justificativa perante nossa sociedade:a de que somos cuidadosas e precavidas,meninas de família respeitável o que significaque sabem dominar seus impulsos e seusdesejos, se é que eles existem. Em parte essassão atribuições deveras desejadas e significamque aprendemos que é importante nosprotegermos.Por outro lado há sempre o sonho, a ilustraçãoem nossas mentes sobre ter uma vida amorosae familiar que responda aos nossos anseios.Sei que muitas vezes esse sonho parece nãoser facilmente acessível a nós. Mas é umdesejo que me parece ser o seu, e queconsiste em queremos ter algo mais do queaquilo que é óbvio, do que parece pronto eseguro.Pois bem, querida Anne, há que se fazeralgumas pequenas escolhas em todo nossopercurso, queira a senhorita ou não. Falo aquide muitos tipos de escolhas e sim, entre elas,para qual cavalheiro devemos orientar nossosolhares, e nossa conversação. Em qualcavalheiro nos permitimos depositar aesperança de que brote algo mais do queamizade.Cada escolha, minha querida, tem suasconsequências e é de grande auxíliocontemplar a possibilidade destas - ao menostanto quanto é possível fazê-lo do lugar ondeestamos, ou seja: antes de escolher. Mas aquipreciso ser enfática com a senhorita: é depouca ajuda se manter submissa diante daimperiosidade de escolher.... continua na página seguinte...ESQUECER AS DORES DO PASSADO
  4. 4. Aqui vai a semente de meu acima requisitadoconselho: se a senhorita não escolhe, outrosescolherão pela senhorita. Pois se a senhoritanão toma as rédeas de suas ações, estará dequalquer forma escolhendo deixar que outros –ou que o destino - de alguma forma o faça.Acredite, eu mesma já provei essa opção porum longo tempo, e deixei que outrosescolhessem por mim. Parecia mais seguro e, abem da verdade, eu não tinha muita consciênciade minhas forças para lidar com os resultados.Até que me dei conta de que se tivesse quecometer erros, era melhor que cometesse osmeus próprios, e não os erros de outraspessoas. Afinal, a vida pertence a mim, assimcomo pertencem todos os meus sucessos e osmeus equívocos.Percebo que muitas de nós mulheres evitamosescolher por nós próprias para nos iludirmos deque assim estaremos protegidas, estaremosfugindo do sofrimento. Aqui segue mais umamarcação um pouco assertiva, mas necessária,minha querida Anne: muitas de nós deixamosde escolher porque não queremos assumir aresponsabilidade de um possível erro, e porconseguinte, do sofrimento que disso decorre. Osofrimento é a tradução em sentidos de quesomos falíveis e de que não estamos serenasdiante das perguntas e dos confrontamentosque a vida nos traz.Parece mais prático deixar o outro nos escolher.Ou deixar o destino escolher por nós. Porqueassim, a falibilidade pode ser atribuída a eles –e não a nós mesmas.Qual a repercussão disso em sua história,minha querida? Simples: quando a senhoritaescolhe não dar uma chance a um cavalheirocom bons precedentes e boa apresentação,pode até estar se livrando de algum sofrimento,mas também estará deixando de lado a chancede realizar aquele sonho acima mencionado. Asenhorita pode inclusive atribuir a ele uma faltade convencimento necessário de suasintenções, porém poderá também estarescolhendo amargar por um bom tempo a grandedúvida sobre o que teria acontecido se nãotivesse arriscado. Afinal de contas: isso tambémnão é sofrimento?Deixe-me lhe esclarecer uma coisa. Sofrimentotambém é parte da vida... erros também dão aesta sua substância. E pode parecer paradoxal,mas na verdade tanto um quanto o outro nosfazem mais sábias, mais sensíveis, maisempáticas. Mais capazes de fazer novas – emelhores – escolhas.escolhido para nós. Podemos até perder algumascoisas quando escolhemos, pois essa é aessência da escolha. Porém uma coisa ganhamospor certeza: a experiência de que PODEMOSatuar sobre nossa infelicidade – a certeza de queessa infelicidade não nos é jamais imposta.... continua na página seguinte...… CONTINUAÇÃO
  5. 5. Não há solução: não temos como acertarsempre. Não temos como saber de antemão seum encontro vai florescer ou não. Em algummomento teremos que enfrentar nossoequívocos, e o sofrimento que advém deles.Entrementes, se somos capazes disso, somostambém capazes de aprender... e quando ocavalheiro que mais se aproxima do cerne doque busca o vosso coração finalmente seaproximar, graças a essa empatia e a essasabedoria, a senhorita saberá reconhecê-lo.Segurança e risco, minha cara Anne, apenasem suas aparências são antagônicas. Pois aoescolhermos a segurança, estamosirremediavelmente correndo um risco demaiores proporções: o de não nos tornarmosgratificados com as consequências do que foiescolhido para nós. Podemos até perderalgumas coisas quando escolhemos, pois essaé a essência da escolha. Porém uma coisaganhamos por certeza: a experiência de quePODEMOS atuar sobre nossa infelicidade – acerteza de que essa infelicidadenão nos é jamais imposta.Compreendo que frequentementeé mais fácil falar sobre essanecessidade do que realmentelevar a cabo suaexecução. E me parece que éexatamente nesse ponto em quea senhorita se encontra presa.Todavia, a senhorita não precisasaltar de imediato dessacondição amedrontada para umestado de disponibilidade para orisco. Vá fazendo primeiropequenas escolhas e avançandocom elas conforme forpercebendo o quanto aprendeatravés delas. Um sorriso, umflerte casual... mas vá provando, vá conhecendo oseu próprio jeito de ser, vá conhecendo como seucoração bate mais rápido no momento em que searrisca – e depois como ele aprende e se habituacom esses pequenos riscos. Até que a senhoritase veja capaz de ver como é forte o suficientepara arcar com as consequências não desejadas,não esperadas e não prazerosas de suasescolhas... e se veja capaz de, em seguida,sacudir a poeira da estrada e seguir adiante.Não espere nada fácil nem automático –autoconfiança não se adquire com livros ou cartasde velhas senhoras... se adquire com tempo, comexperiência, com coragem de viver... mas...acredite, minha querida Anne... vale a pena oempenho!!Assinado,Fanny Price (também conhecida como uma moçade grande caráter)… CONTINUAÇÃO
  6. 6. Olá querida Madame Austen! Muito obrigadapor responder a minha dúvida anterior, a qualsua resposta me agradou imensamente. Creioque aquela não será a única vez que lhemandarei uma carta, pois me agrada ver suasrespostas. Desta vez queria dizer que estoucom tanta dúvida para escolher o que queroseguir...gosto tanto de Astronomia, mas odeiocertas partes de Física e temo não me dar bemna universidade por não gostar inteiramentede Física e vou precisar muito para seguirminha carreira. O que acha sobre isso?Florence Hubermann***Prezada Florence,escolher uma profissão não deveser nada fácil, mesmo para moçasdo século XXI! Aqui pelas bandasde Mansfield Park, jamais ouvimosfalar em cursos avançados, quiçá,faculdades para moças!Eu acredito que a especializaçãoque você escolheu é muito favorávelpois o homem tem observado asestrelas há vários séculos! Creioque é e será sempre um mistériopara a humanidade o que temosacima de nossas cabeças!Acredito que tenho o conselho certopara você! Você menciona que temuma certa dificuldade em certaspartes da Física e que podemcomprometer seus estudos em astronomia, não émesmo? Eu mesma aprendi muito sobreastrofísica com meu primo e agora maridoEdmund Bertram! Acho que você poderia unir oútil ao agradável se encontrar um bom rapazdisposto a lhe ajudar com suas dúvidas e dequebra, quem sabe não conquista um amigo paravida toda? Ou até quem sabe, um amor?Assinado,Fanny Price (quem estuda sempre alcança)LONGA HISTÓRIA
  7. 7. Cartas Para Madame AustenEspaço para tirar suas dúvidas, lamentações e Diversão!A coluna semanal “Cartas para Madame Austen” tem o prazer de ler suasdúvidas e responder com o maior carinho possível! Sejam todos bem vindos!Por trás de toda essa brincadeira estão: Lady Eliza, Lady Sophie e Lady Emily.Envie suas perguntas paraMadame AustenVisite o blog e veja como participar:WWW.JANEAUSTENBRASILCOM.BRou envie um e-mail para:adriana@jasbra.com.brEste obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil..

×