Palestra André

775 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
775
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
280
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra André

  1. 1. D O EN ÇAS PSIC O SO M Á TIC AS
  2. 2. TRANSTORNOS MENTAIS
  3. 3. NÚMEROS DO STRESS• 50% A 75% de todas as idas ao médico se devem,principalmente , ao stress;• Em termos de mortalidade ele traz um fator de risco muitomais sério que o fumo;• Oito em cada dez medicamentos mais comumente usado nosEUA servem para tratar o stress;• Em 1999, 3 dos remédios mais vendidos nos EUA foram anti-depressivos (Prozac, Paxil e Zoloft);• Estima-se que 1 em cada 8 norte-americanos já tomou anti-depressivo• Estima-se que 30% da pop. Mundial sofra da doença semsaber;
  4. 4. Vamos assistir 1:
  5. 5. ANSIEDADE “Não é um estado normal, mas sim uma reação natural;É um sinal de alerta, que faz com que a pessoa possa se defender e se proteger de ameaças, sendo uma reação natural e necessária para a autopreservação.”O que se sente?Tremores, inquietação, dor de cabeça, falta de ar, suor em excesso, palpitações,problemas gastrointestinais, irritabilidade e facilidade em alterar-se.Como se faz o diagnóstico?Excluindo outras doenças que possam ter sintomas semelhantes ao transtorno deansiedade generalizada;Exames clínicos quando necessários;Relato detalhado de informações do paciente.Como se trata?Com técnicas psicoterápicas de apoio;Uso de medicação (antidepressivos e/ou ansiolíticos) por um determinado período.
  6. 6. TRANSTORNO DO PÂNICO* O que é?O Transtorno de Pânico se caracteriza pela ocorrência espontânea, que duram aproximadamentemenos de uma hora com intensa ansiedade ou medo, junto com sintomas como palpitações,respiração ofegante e até mesmo medo de morrer.* O que se sente?O primeiro muitas vezes é completamente espontâneo, embora os ataques de pânico, em geral,ocorram após excitação, esforço físico, atividade sexual ou trauma emocional.* Como se faz o diagnóstico?Através do relato do paciente, diferenciando de outras doenças físicas ou psicológicas.* Como se trata?Com associação de Psicoterapia com uma medicação;Atualmente os medicamentos mais empregados são os antidepressivos.
  7. 7. DEPRESSÃO• O que é a depressão?Doença que se caracteriza por afetar o estado de humor da pessoa, deixando-a triste. As mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens.• Como se desenvolve a depressão?As causas de depressão são múltiplas. Deve-se a fatores genéticos e neuroquímicos somados a fatores ambientais, sociais e psicológicos, como: Estresse, estilo de vida, acontecimentos vitais, tais como crises e separações conjugais, morte na família, climatério, crise da meia-idade, entre outros.• Como se diagnostica a depressão?• Na depressão a intensidade do sofrimento é intensa, durando a maior parte do dia por pelo menos duas semanas, nem sempre sendo possível saber porque a pessoa está assim.• O que sente a pessoa deprimida?• Sente-se triste e desesperançado, desanimado, abatido ou " na fossa ", com " baixo-astral ".
  8. 8. • Como é o pensamento da pessoa deprimida?• Pensamentos de se sentirem sem valor, culpando-se em demasia, sentindo-se fracassadas, pensamentos de morte ou tentativas de suicídio.• Como se trata a depressão?• Com tratamento médico relacionado ao perfil do paciente.• Tipos:• Depressões leves, com acompanhamento médico , e tratamento pode ser apenas psicoterápico.• Depressões bem mais graves, com sintomas psicóticos (como delírios e alucinações) e ideação ou tentativas de suicídio. Nessa situação, o tratamento medicamentoso se faz obrigatório, além do acompanhamento psicoterápico.• Os medicamentos utilizados são os antidepressivos, medicações que não causam “dependência.
  9. 9. COMBUSTÍVEL PARA O CÉREBRO• Ômega-3 alimentam o cérebro emocional;• As células de amanhã serão compostas do que comemos hoje;• Experiência em laboratório;• Aumento da produção de neuro-transmissores;• Bom humor no cérebro emocional;
  10. 10. Mais exercício físico e menos antidepressivo FISIOLÓGICOS• Tem efeitos positivos em alguns neurotransmissores tal com alguns medicamentos antidepressivos;• Produz “endorfinas”, que promovem a sensação de bem-estar e satisfação.• Liberta a tensão nos músculos. A tensão muscular contribui para a dor relacionados com a depressão e insônia.• Reduz os níveis do hormonas do stress, como o cortisol, aliviando os sentimentos de ansiedade e agitação.• Aumenta a temperatura do corpo, promovendo a sensação de relaxamento. Produz efeitos calmantes. PSICOLÓGICO EMOCIONAL• Distração: Um dos efeitos mais debilitantes da depressão é que ela faz com que você se concentre no que está errado, levando-ao a persistir no pensamento negativo.• Confiança: A desesperança, desamparo, fadiga e depressão, levam com frequência as pessoas a abandonar as suas atividades normais, levando a uma perda de auto-confiança. Ao definir e atingir uma meta, como uma pequena quantidade de exercício a por dia, você pode começar a reconstruir a confiança e auto-eficácia. Isto porque percebe que afinal consegue fazer alguma coisa para melhorar a sua condição.• Auto-respeito: Como as pessoas se afundam mais com a inatividade, elas começam sentir-se inúteis e sem valor, podendo mesmo vir a desprezarem-se a si mesmo. O exercício físico pode oferecer uma alternativa positiva para estas estratégias negativas de enfrentamento. Aproveitando o seu tempo para fazer algo de positivo, pode ajudar-se a si mesmo todos os dias, pode ajudar-se a reconectar-se com a parte de você (sim, porque certamente você quer melhorar) quer ser saudável e produtiva.
  11. 11. Vamos assistir 2...
  12. 12. Como evitar o adoecimento?
  13. 13. EMMANUEL, EM JUSTIÇA DIVINA AFIRMA:• “É necessário reconhecer que todos nós, espíritos encarnados e desencarnados em serviço na terra, ante o volume dos débitos que contraímos nas existências passadas, somos doentes em laboriosa restauração. Todos somos enfermos pedindo alta.”

×