Princípio da transparência

953 visualizações

Publicada em

princípio da transparência aplicado a sistemas de produção

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
953
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Falar sobre a evolução de work study até social accountability...
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • Princípio da transparência

    1. 1. asantos@ufpr.br 1 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curso de Especialização em Engenharia de Produção O Princípio da Transparência Prof. Aguinaldo dos Santos, MSc, PhD
    2. 2. asantos@ufpr.br 2 Comunicar é preciso…
    3. 3. asantos@ufpr.br 3 Comunicar é preciso…
    4. 4. asantos@ufpr.br 4 Comunicar é preciso…
    5. 5. asantos@ufpr.br 5
    6. 6. asantos@ufpr.br 6 Evolução do conhecimento Primeiros Princípios/Conceitos Nenhum Conhecimento Conhecimento Compilado Conhecimento Profundo Conhecimento Superficial (after Harmon & King, 1985)
    7. 7. asantos@ufpr.br 7 Gerência Visual Re-engenharia Re-engenharia Engenharia SimultâneaTime Based Competition Time Based Competition Manutenção Produtiva Total TQC/TQM CCQs Learning Organization Sistema Toyota de ProduçãoSistema Toyota de Produção fast track constructionfast track construction ?
    8. 8. asantos@ufpr.br 8 Impacto da baixa transparência... Distribuição de Atividades 9,88% 8,47% 6,25% 11,90% 8,47% 4,23% 10,48% 5,24% 5,24% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 14,0% PRODUTIVO Colocando Laterais Travando Vigas Aterrando AUXILIARES M edindo Preparando M aterial Limpando IM PRODUTIVO Não Encontrado Parado Parado por Chuva
    9. 9. asantos@ufpr.br 9 O PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA Habilidade de umHabilidade de um processo em comunicarprocesso em comunicar informações úteis parainformações úteis para qualquer pessoaqualquer pessoa
    10. 10. asantos@ufpr.br 10 Significa a instalação de mecanismos visuais (ex: som, gosto, cheiro, cor) que permitam o pronto reconhecimento do estado do processo Significa a instalação de mecanismos visuais (ex: som, gosto, cheiro, cor) que permitam o pronto reconhecimento do estado do processo Utilização de controles visuais
    11. 11. asantos@ufpr.br 11
    12. 12. asantos@ufpr.br 12
    13. 13. asantos@ufpr.br 13 Utilização de controles visuais Sao Paulo, Brasil
    14. 14. asantos@ufpr.br 14 Utilização de Controles Visuais
    15. 15. asantos@ufpr.br 15 Utilização de controles visuais Porto Alegre, Brasil
    16. 16. asantos@ufpr.br 16 Utilização de controles visuais
    17. 17. asantos@ufpr.br 17 Utilização de Controles Visuais Berkeley, USA
    18. 18. asantos@ufpr.br 18 Utilização de Controles Visuais
    19. 19. asantos@ufpr.br 19 Utilização de Controles Visuais
    20. 20. asantos@ufpr.br 20 Utilização de Controles Visuais
    21. 21. asantos@ufpr.br 21 Utilização de Controles Visuais
    22. 22. asantos@ufpr.br 22 Utilização de Controles Visuais
    23. 23. asantos@ufpr.br 23 Utilização de Controles Visuais
    24. 24. asantos@ufpr.br 24 Utilização de Controles Visuais
    25. 25. asantos@ufpr.br 25 Utilização de Controles Visuais
    26. 26. asantos@ufpr.br 26 Utilização de Controles Visuais
    27. 27. asantos@ufpr.br 27 Utilização de Controles Visuais
    28. 28. asantos@ufpr.br 28
    29. 29. asantos@ufpr.br 29
    30. 30. asantos@ufpr.br 30
    31. 31. asantos@ufpr.br 31
    32. 32. asantos@ufpr.br 32
    33. 33. asantos@ufpr.br 33 Controles Visuais: uso das cores
    34. 34. asantos@ufpr.br 34 Lâmpada de aviso de excesso de freio dinâmico Alavanca de excitação do freio dinâmico Leitura da amperagem
    35. 35. asantos@ufpr.br 35
    36. 36. asantos@ufpr.br 36
    37. 37. asantos@ufpr.br 37
    38. 38. asantos@ufpr.br 38
    39. 39. asantos@ufpr.br 39 Significa reduzir o volume de recursos e operações compartilhadas entre processos e estações de trabalho Significa reduzir o volume de recursos e operações compartilhadas entre processos e estações de trabalho Redução de Interdependências
    40. 40. asantos@ufpr.br 40
    41. 41. asantos@ufpr.br 41
    42. 42. asantos@ufpr.br 42 Redução de Interdependências
    43. 43. asantos@ufpr.br 43 Redução de Interdependências
    44. 44. asantos@ufpr.br 44 Como você reduziria as interpendências neste caso?
    45. 45. asantos@ufpr.br 45 Redução de Interdependências
    46. 46. asantos@ufpr.br 46 Redução de Interdependências Salford, UK Porto Alegre, Brasil
    47. 47. asantos@ufpr.br 47 Redução de Interdependências
    48. 48. asantos@ufpr.br 48 Redução de Interdependências Helsinky, Finlândia
    49. 49. asantos@ufpr.br 49 Redução de Interdependências Wigan, UK
    50. 50. asantos@ufpr.br 50 Redução de Interdependências
    51. 51. asantos@ufpr.br 51 Redução de Interdependências
    52. 52. asantos@ufpr.br 52
    53. 53. asantos@ufpr.br 53 Fazendo com que o processo seja diretamente observável Significa arranjar fisicamente os fluxos de produção ou instalar mecanismos que permitam a observação direta do estado do processo Significa arranjar fisicamente os fluxos de produção ou instalar mecanismos que permitam a observação direta do estado do processo
    54. 54. asantos@ufpr.br 54
    55. 55. asantos@ufpr.br 55 Fazendo com que o processo seja diretamente observável
    56. 56. asantos@ufpr.br 56 Fazendo com que o processo seja diretamente observável
    57. 57. asantos@ufpr.br 57 Fazendo com que o processo seja diretamente observável
    58. 58. asantos@ufpr.br 58
    59. 59. asantos@ufpr.br 59
    60. 60. asantos@ufpr.br 60 Fazendo com que o processo seja diretamente observável
    61. 61. 61 Unidade analisada: Seção MFC 15 Sala climatizada de montagem corpo X agulha Caso BoschCaso Bosch A Unidade produz produtos diesel, Bomba InjetoraA Unidade produz produtos diesel, Bomba Injetora e Bicos injetores e exporta 60% de sua produção,e Bicos injetores e exporta 60% de sua produção, Atualmente possui em torno de 4.700 funcionáriosAtualmente possui em torno de 4.700 funcionários diretos.diretos.
    62. 62. asantos@ufpr.br 62 Processo de produção: Montagem Visual do corpo Montagem Montagem Montagem Montagem Montagem Montagem Preparação de agulha Agulhas Lay out da sala 4200
    63. 63. asantos@ufpr.br 63 Oportunidade de melhorias: Montagem Visual do corpo Montagem Montagem Montagem Montagem Montagem Montagem Preparação de agulha Agulhas Lay out da sala 4200 1º1º Perda da capacidade produtiva em função do deslocamento dosPerda da capacidade produtiva em função do deslocamento dos operadores para buscar e levar peças e insumos no fluxo da cadeiaoperadores para buscar e levar peças e insumos no fluxo da cadeia produtivaprodutiva 2º Aquisição desnecessária de uma bancada2º Aquisição desnecessária de uma bancada 3º Impossibilidade de utilização do espaço físico para beneficiar o fluxo3º Impossibilidade de utilização do espaço físico para beneficiar o fluxo do processodo processo 4º Difícil visualização dos tipos de peças disponíveis do visual para as4º Difícil visualização dos tipos de peças disponíveis do visual para as bancadas em função da não existência do Kanban.bancadas em função da não existência do Kanban.
    64. 64. asantos@ufpr.br 64 Proposta de melhoria: Prateleira KANBAN Visual do corpo Montagem Montagem Montagem Montagem Montagem Montagem Preparação de agulha Agulhas Lay out da sala 4830
    65. 65. 65 Ganhos com a proposta ♦ Aumento da produtividade em 15%. ♦ Redução da necessidade de comunicação verbal entre operadores para tomada de decisão. ♦ Melhor visualização para tomada de decisão quanto ao que se deve produzir primeiro. ♦ Redução do tempo de deslocamento dos operadores. ♦ Aumento do espaço físico no Lay Out ♦ Obs: A empresa poderia ter economizado 600 mil reais na compra da 7º bancada.
    66. 66. asantos@ufpr.br 66 Caso Renault ♦ Problema: após a chegada do Novo Megane, em alguns postos no prédio da Montagem não há espaço em borda da linha. Isso acarreta falta de espaço físico, perda de tempo do operário ao ter que andar muito para pegar parafusadeiras e matéria prima, além do desgaste físico no final do dia.
    67. 67. asantos@ufpr.br 67 Caso Renault Carrinho propostoFlow Rack Proposto Kaizen: Parafusadeiras e matéria prima no carrinho. Troca de Flow Racks de 2,0m por flow racks com tubos de 1,25m.
    68. 68. asantos@ufpr.br 68 Benefícios ♦ Ganho de área em m² no posto que será implantado a melhoria = 3m² (custo do m² na empresa = R$330,00) ♦ Percentual de ganho hora/homem por dia de trabalho gasto em trajeto no posto = 47,76% (0,938hs/dia para 0,448hs/dia) ♦ Forma de reabastecimento do posto é realizado através do sistema de solicitação diária e não diária gerenciada pelo sistema BAAN, alimentado por solicitações passada pelo auditor de linha, que gera a necessidade de cada posto, sendo: - Solicitação diária: sistema BAAN alimentado pelo auditor de linha todos os dias - Solicitação não diária: sistema BAAN alimentado pelo auditor de linha a cada 3 dias. ♦ Esta melhoria pode ser implantada em outros posto de trabalho dentro da linha de produção.
    69. 69. asantos@ufpr.br 69 Fazendo com que o processo seja diretamente observável
    70. 70. asantos@ufpr.br 70 Fazendo com que o processo seja diretamente observável
    71. 71. asantos@ufpr.br 71 Fazendo com que o processo seja diretamente observável Oslo, Noruega
    72. 72. asantos@ufpr.br 72 Fazendo com que o processo seja diretamente observável Wigan, UK
    73. 73. asantos@ufpr.br 73 Caso Renault: MÓDULO DE PREPARAÇÕES (PRP) ATUAL ♦
    74. 74. asantos@ufpr.br 74 Caso Renault: MÓDULO DE PREPARAÇÕES (PRP) – Novo layout ♦  Carrinho no posto de transporte das preparações ♦ Percurso dos carrinhos dentro do posto para ♦ saída da matéria-prima e abastecimento da linha ♦ principal A B Legenda:  Gamas de Fabricação  Operadores A e B  Máquinas de solda flexíveis ou (pinças) e fixa (estacionaria)  Carrinho no posto de transporte das preparações  Percurso dos carrinhos dentro do posto para saída da matéria-prima e abastecimento da linha principal
    75. 75. asantos@ufpr.br 75 Fazendo com que o processo seja diretamente observável Wigan, UK
    76. 76. asantos@ufpr.br 76 Fazendo com que o processo seja diretamente observável Wigan, UK
    77. 77. asantos@ufpr.br 77
    78. 78. asantos@ufpr.br 78
    79. 79. asantos@ufpr.br 79
    80. 80. asantos@ufpr.br 80 Incorporando informações no processo e em áreas de trabalho Significa colocar informações úteis em áreas de trabalho, estacões de trabalho ou caminhos de circulação. Significa colocar informações úteis em áreas de trabalho, estacões de trabalho ou caminhos de circulação.
    81. 81. asantos@ufpr.br 81 Incorporação de informações no processo e em áreas de trabalho
    82. 82. asantos@ufpr.br 82
    83. 83. asantos@ufpr.br 83
    84. 84. asantos@ufpr.br 84 Incorporação de informações no processo e em áreas de trabalho Helsinky, Finlandia
    85. 85. asantos@ufpr.br 85 Incorporação de informações no processo e em áreas de trabalho Porto Alegre, Brasil
    86. 86. asantos@ufpr.br 86 Incorporação de informações no processo e em áreas de trabalho Porto Alegre, Brasil
    87. 87. asantos@ufpr.br 87 Incorporação de informações no processo e em áreas de trabalho
    88. 88. asantos@ufpr.br 88 Incorporação de informações no processo e em áreas de trabalho
    89. 89. asantos@ufpr.br 89 Incorporação de informações no processo e em áreas de trabalho
    90. 90. asantos@ufpr.br 90
    91. 91. asantos@ufpr.br 91
    92. 92. asantos@ufpr.br 92 Incorporação de informações no processo e em áreas de trabalho Como uma carta chega em seu destino???
    93. 93. asantos@ufpr.br 93
    94. 94. asantos@ufpr.br 94 12345678912345678912345678912345 LEOGAP IND. E COM. DE MÁQUINAS LTDA APROVADO CLIENTE: _____________________________ Nº OSP: ________/______/______-_________ QUANTIDADE: __________PÇS/KG ESPECIFICAÇÃO:______________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ VISTO: ______________ DATA: ___/___/____ 12345678912345678912345678912345 LEOGAP IND. E COM. DE MÁQUINAS LTDA TERCEIROS FORNECEDOR: ________________________ Nº OSP: ________/______/______-_________ QUANTIDADE: __________PÇS/KG SERVIÇO:_____________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ VISTO: ______________ DATA: ___/___/____ LEOGAP IND. E COM. DE MÁQUINAS LTDA PROCESSO CLIENTE: _____________________________ EQUIPAMENTO: ________________________ Nº OSP: ________/______/______-_________ OBS.: _________________________________ PRÉ-MONTAGEM:________Data:___/___/___ SOLDA:_________________Data:___/___/___ MONTAGEM FINAL:_______Data:___/___/___ PINTURA:_______________Data:___/___/___ LEOGAP IND. E COM. DE MÁQUINAS LTDA NÃO CONFORME CLIENTE: _____________________________ Nº OSP: ________/______/______-_________ MATERIAL: ____________________________ QUANTIDADE: _____________PÇS/KG DESCRIÇÃO: __________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ VISTO: ______________ DATA: ___/___/____
    95. 95. asantos@ufpr.br 95 Visitando uma obra...
    96. 96. asantos@ufpr.br 96
    97. 97. asantos@ufpr.br 97 Desafio: encontre informações sobre o sistema elétrico nesta sala...
    98. 98. asantos@ufpr.br 98 Mantendo um processo limpo e ordenado Significa facilitar o entendimento do processo através da manutenção de um ambiente de trabalho limpo e ordenado Significa facilitar o entendimento do processo através da manutenção de um ambiente de trabalho limpo e ordenado
    99. 99. asantos@ufpr.br 99
    100. 100. asantos@ufpr.br 100
    101. 101. asantos@ufpr.br 101
    102. 102. asantos@ufpr.br 102 Mantendo um processo limpo e ordenado
    103. 103. asantos@ufpr.br 103 Mantendo o processo limpo e ordenado Oslo, Norway
    104. 104. asantos@ufpr.br 104 Mantendo o processo limpo e ordenado Porto Alegre, Brasil
    105. 105. asantos@ufpr.br 105 Mantendo o processo limpo e ordenado Porto Alegre, Brasil
    106. 106. asantos@ufpr.br 106 Mantendo um processo limpo e ordenado Porto Alegre, Brasil
    107. 107. asantos@ufpr.br 107 Mantendo um processo limpo e ordenado Porto Alegre, Brasil
    108. 108. asantos@ufpr.br 108 Mantendo um processo limpo e ordenado
    109. 109. asantos@ufpr.br 109 Mantendo o ambiente de trabalho limpo e e ordenado: Programas 5S ♦SSeiri: organização, arranjo adequado; ♦SSeiton: ordem, designação de lugares apropriados; ♦SSeiso: limpeza; ♦SSeiketsu: asseio. Manutenção do padrão; ♦SShitsuke: disciplina, boa conduta.
    110. 110. asantos@ufpr.br 110
    111. 111. asantos@ufpr.br 111
    112. 112. asantos@ufpr.br 112 Transformam atributos invisíveis em visíveis através de medições Transformam atributos invisíveis em visíveis através de medições
    113. 113. asantos@ufpr.br 113 Tornando atributos invísiveis em visíveis através de medições Brasil
    114. 114. asantos@ufpr.br 114 Tornando atributos invísiveis em visíveis através de medições
    115. 115. asantos@ufpr.br 115 ESTRATÉGIAS PARA AUMENTAR A TRANSPARÊNCIA A NÍVEL ORGANIZACIONAL ♦ Visita aos postos de trabalho; ♦ Encontros informais fora da organização; ♦ Reuniões multi-funcionais; ♦ Internet, Realidade Virtual; ♦ etc...
    116. 116. asantos@ufpr.br 116 Impacto da baixa transparência... Distribuição de Atividades 9,88% 8,47% 6,25% 11,90% 8,47% 4,23% 10,48% 5,24% 5,24% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 14,0% PRODUTIVO Colocando Laterais Travando Vigas Aterrando AUXILIARES Medindo Preparando Material Limpando IMPRODUTIVO Não Encontrado Parado Parado por Chuva
    117. 117. asantos@ufpr.br 117 – Perdas por superprodução – Perdas por substituição – Perdas por espera – Perdas por transporte – Perdas no processamento – Perdas nos estoques – Perdas no movimento – Perdas pela elaboração de produtos defeituosos – Outras perdas Aponte a perda associada à melhoria identificada Aponte a abordagem adotada para aumentar a transparência - Controles Visuais - Redução de interdendência - Transformar o invisível em visível - 5S - Incorporar informação no processo - Tornar o processo diretamente observável TRABALHO PRÁTICO: “DESENVOLVENDO O OLHAR”
    118. 118. asantos@ufpr.br 118 Trabalho Prático ♦ Equipes de 4 a 5 pessoas ♦ Dia 11: coletar um exemplo de controle sensorial para cada um dos sentidos humanos ♦ Dia 18: exercício de identificação/projeto de melhorias em design sensorial (Cantina) – Tragam máquina fotográfica – Material para desenho

    ×