<ul><li>Educação a distância (EaD, também chamada de teleducação) é a modalidade de  ensino  que permite que o  aprendiz  ...
<ul><li>No  Brasil , desde a fundação do Instituto Rádio­ Técnico Monitor, em  1939 , o hoje  Instituto Monitor , depois d...
<ul><li>Durante a  década de 1960 , com o Movimento de Educação de Base (MEB),  Igreja Católica  e Governo Federal utiliza...
<ul><li>Na  década de 1970 , a  Fundação Roberto Marinho  era um programa de educação supletiva a distância, para  ensino ...
<ul><li>A EaD caracteriza-se pelo estabelecimento de uma comunicação de múltiplas vias, suas possibilidades ampliaram-se e...
<ul><ul><li>O professor como mediador </li></ul></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Nesse processo de aprendizagem, assim com...
<ul><li>Nesta modalidade de ensino estudantes e professores não necessitam estar presentes num local específico durante o ...
<ul><li>Legislação na EAD   </li></ul><ul><li>No Brasil, as bases legais para a modalidade de educação a distância foram e...
<ul><li>I - a complementação de aprendizagem; ou </li></ul><ul><li>II - em situações emergenciais. </li></ul><ul><li>Para ...
<ul><li>B. EDUCAÇÃO SUPERIOR e EDUCAÇÃO PROFISSIONAL  na modalidade de Educação a Distância: </li></ul><ul><li>No caso da ...
<ul><li>C. PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA   </li></ul><ul><li>A possibilidade de cursos de mestrado, doutorado e especialização...
<ul><li>D. DIPLOMAS e CERTIFICADOS DE CURSOS A DISTÂNCIA emitidos por instituições estrangeiras  </li></ul><ul><li>Conform...
<ul><li>Vale ressaltar que a Resolução CES/CNE nº 2, de 3 de abril de 2001, determina no caput do artigo 1º, que “os curso...
<ul><li>O termo  e-Learning  é fruto de uma combinação ocorrida entre o  ensino  com auxílio da  tecnologia  e a educação ...
<ul><li>Aprender a conviver diz respeito ao desenvolvimento da capacidade de aceitar a  diversidade , conviver com as dife...
<ul><li>O número de empresas pesquisadas, no entanto, variou nas duas pesquisas -de 21 para 27. &quot;No último estudo, a ...
<ul><li>&quot;O &quot;e-learning&quot; reduz os custos sensivelmente&quot;, diz Soeltl.  </li></ul><ul><li>Além de diminui...
<ul><li>Carga horária de EAD supera a presencial  </li></ul><ul><li>O número de horas de treinamento a distância de funcio...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ead Grupal

3.225 visualizações

Publicada em

Trabalho de grupo Arze/Bruno

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.225
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ead Grupal

  1. 2. <ul><li>Educação a distância (EaD, também chamada de teleducação) é a modalidade de ensino que permite que o aprendiz não esteja fisicamente presente em um ambiente formal de ensino-aprendizagem. Diz respeito também à separação temporal entre o professor e o aprendiz. </li></ul><ul><li>A interligação (conexão) entre as duas partes do ensino se dá por tecnologias, principalmente as telemáticas , como a Internet , em especial as hipermídia, mas também podem ser utilizados o correio , o rádio , a televisão , o vídeo , o CD-ROM , o telefone , o fax , o celular , o iPod , o notebook , entre outras tecnologias semelhantes. </li></ul><ul><li>Na expressão ensino a distância a ênfase é dada ao papel do professor (como alguém que ensina a distância). O termo educação é preferido por ser mais abrangente, embora nenhuma das expressões, segundo o professor, seja plenamente completa. </li></ul>EAD
  2. 3. <ul><li>No Brasil , desde a fundação do Instituto Rádio­ Técnico Monitor, em 1939 , o hoje Instituto Monitor , depois do Instituto Universal Brasileiro , em 1941 , e o Instituto Padre Reus em 1974 , várias experiências de educação a distância foram iniciadas e levadas a termo com relativo sucesso. As experiências brasileiras, governamentais e privadas, foram muitas e representaram, nas últimas décadas, a mobilização de grandes contingentes de recursos. Os resultados do passado não foram suficientes para gerar um processo de aceitação governamental e social da modalidade de educação a distância no país. Porém, a realidade brasileira já mudou e nosso governo criou leis e estabeleceu normas para a modalidade de educação a distância em nosso país. </li></ul><ul><li>Em 1904 , escolas internacionais, que eram instituições privadas, ofereciam cursos pagos, por correspondência. Em 1934 , Edgard Roquette-Pinto instalou a Rádio-Escola Municipal no Rio de Janeiro . Estudantes tinham acesso prévio a folhetos e esquemas de aulas. Utilizava também correspondência para contato com estudantes. Já em 1939 surgiu em São Paulo (cidade) o Instituto Monitor , na época ainda com o nome Instituto Rádio­ Técnico Monitor. Dois anos mais tarde surge a primeira Universidade do Ar, que durou até 1944 . Entretanto, em 1947 surge a Nova Universidade do Ar, patrocinada pelo SENAC , SESC e emissoras associadas. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Durante a década de 1960 , com o Movimento de Educação de Base (MEB), Igreja Católica e Governo Federal utilizavam um sistema radio-educativo: educação, conscientização, politização, educação sindicalista etc.. Em 1970 surge o Projeto Minerva, um convênio entre Fundação Padre Landell de Moura e Fundação Padre Anchieta para produção de textos e programas. Dois anos mais tarde, o Governo Federal enviou à Inglaterra um grupo de educadores, tendo à frente o conselheiro Newton Sucupira: o relatório final marcou uma posição reacionária às mudanças no sistema educacional brasileiro, colocando um grande obstáculo à implantação da Universidade Aberta e a Distância no Brasil. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Na década de 1970 , a Fundação Roberto Marinho era um programa de educação supletiva a distância, para ensino fundamental e ensino médio . Entre as décadas de 1970 e 1980, fundações privadas e organizações não-governamentais iniciaram a oferta de cursos supletivos a distância, no modelo de teleducação, com aulas via satélite complementadas por kits de materiais impressos, demarcando a chegada da segunda geração de EaD no país. A maior parte das Instituições de Ensino Superior brasileiras mobilizou-se para a EaD com o uso de novas tecnologias da comunicação e da informação somente na década de 1990 . Em 1992 , foi criada a Universidade Aberta de Brasília (Lei 403/92), podendo atingir três campos distintos: a ampliação do conhecimento cultural com a organização de cursos específicos de acesso a todos, a educação continuada, reciclagem profissional às diversas categorias de trabalhadores e àqueles que já passaram pela universidade; e o ensino superior , englobando tanto a graduação como a pós-graduação. Em 1994 , teve início a expansão da Internet no ambiente universitário. Dois anos depois, surgiu a primeira legislação específica para educação a distância no ensino superior. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>A EaD caracteriza-se pelo estabelecimento de uma comunicação de múltiplas vias, suas possibilidades ampliaram-se em meio às mudanças tecnológicas como uma modalidade alternativa para superar limites de tempo e espaço. Seus referenciais são fundamentados nos quatro pilares da Educação do Século XXI publicados pela UNESCO , que são: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser [2] . </li></ul><ul><li>Assim, a Educação deixa de ser concebida como mera transferência de informações e passa a ser norteada pela contextualização de conhecimentos úteis ao aluno. Na educação a distância, o aluno é desafiado a pesquisar e entender o conteúdo, de forma a participar da disciplina. </li></ul>
  6. 7. <ul><ul><li>O professor como mediador </li></ul></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Nesse processo de aprendizagem, assim como no ensino regular, o orientador ou o tutor de aprendizagem atua como mediador , isto é, aquele que estabelece uma rede de comunicação e aprendizagem multidirecional, através de diferentes meios e recursos da tecnologia da comunicação. Em termos de EaD, esta mediação tem a tarefa adicional de vencer a distância física entre educador e aprendiz, entre diferentes participantes, entre participantes e seus sistemas, entre o participante e seu contexto, etc.. É importante que o aluno de EAD seja autodisciplinado e automotivado, para que ele possa superar os desafios que surgem durante o processo de ensino-aprendizagem. </li></ul><ul><li>Sendo a EaD uma modalidade educativa não pode desvincular-se do sistema educacional e deixar de cumprir funções pedagógicas no que se refere à construção da ambiência de aprendizagem e à utilização das tecnologias da informação . </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Nesta modalidade de ensino estudantes e professores não necessitam estar presentes num local específico durante o período de formação. Desde os primórdios do ensino a distância, utiliza-se a correspondência postal para enviar material ao estudante, seja na forma escrita, em vídeos , cassetes áudio ou CD-ROMs , bem como a correcção e comentários aos exercícios enviados, depois de feitos pelo estudante. Depois do advento da Internet , o e-mail e todos os recursos disponíveis na World Wide Web tornaram-se largamente utilizados, ampliando o campo de abrangência da EaD. Em alguns casos, é pedido ao estudante que esteja presente em determinados locais para realizar a sua avaliação . A presencialidade é muitas vezes necessária no processo de educação. </li></ul><ul><li>Modalidade e não um método </li></ul><ul><li>A Educação a distância é uma modalidade e não um método pois método significa processo de técnica, e também não enquadra na categoria de metodologia . Ela pode ser aplicada em diversas concepções e metodologias de educação; dizer que ela é um método é limitá-la. </li></ul><ul><li>A EaD caracteriza-se pelo estabelecimento de uma comunicação de múltiplas vias, suas possibilidades ampliaram-se em meio às mudanças tecnológicas como uma modalidade alternativa para superar limites de tempo e espaço. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Legislação na EAD   </li></ul><ul><li>No Brasil, as bases legais para a modalidade de educação a distância foram estabelecidas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996 ), que foi regulamentada pelo Decreto  n.º 5.622 , publicado no D.O.U. de 20/12/05 (que revogou o  Decreto n.º 2.494, de 10 de fevereiro de 1998 , e o  Decreto n.º 2.561, de 27 de abril de 1998 ) com normatização definida na Portaria Ministerial  n.º 4.361 , de 2004 (que revogou a  Portaria Ministerial n.º 301, de 07 de abril de 1998 ). </li></ul><ul><li>Em 3 de abril de 2001, a Resolução n.º 1, do Conselho Nacional de Educação estabeleceu as normas para a pós graduação lato e stricto sensu. </li></ul><ul><li>A. EDUCAÇÃO BÁSICA na modalidade de Educação a Distância: </li></ul><ul><li>De acordo com o Art. 30º do Decreto n.º 5.622/05, “As instituições credenciadas para a oferta de educação a distância poderão solicitar autorização, junto aos órgãos normativos dos respectivos sistemas de ensino, para oferecer os ensinos fundamental e médio a distância, conforme § 4o do art. 32 da Lei no 9.394, de 1996, exclusivamente para: </li></ul>
  9. 10. <ul><li>I - a complementação de aprendizagem; ou </li></ul><ul><li>II - em situações emergenciais. </li></ul><ul><li>Para oferta de cursos a distância dirigidos à educação fundamental de jovens e adultos, ensino médio e educação profissional de nível técnico, o Decreto n.º 5.622/05 delegou competência às autoridades integrantes dos sistemas de ensino de que trata o artigo 8º da LDB, para promover os atos de credenciamento de instituições localizadas no âmbito de suas respectivas atribuições. </li></ul><ul><li>Assim, as propostas de cursos nesses níveis deverão ser encaminhadas ao órgão do sistema municipal ou estadual responsável pelo credenciamento de instituições e autorização de cursos (Conselhos Estaduais de Educação) – a menos que se trate de instituição vinculada ao sistema federal de ensino, quando, então, o credenciamento deverá ser feito pelo Ministério da Educação. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>B. EDUCAÇÃO SUPERIOR e EDUCAÇÃO PROFISSIONAL  na modalidade de Educação a Distância: </li></ul><ul><li>No caso da oferta de cursos de graduação e educação profissional em nível tecnológico, a instituição interessada deve credenciar-se junto ao Ministério da Educação, solicitando, para isto, a autorização de funcionamento para cada curso que pretenda oferecer. O processo será analisado na Secretaria de Educação Superior, por uma Comissão de Especialistas na área do curso em questão e por especialistas em educação a distância. O Parecer dessa Comissão será encaminhado ao Conselho Nacional de Educação. O trâmite, portanto, é o mesmo aplicável aos cursos presenciais. A qualidade do projeto da instituição será o foco principal da análise. Para orientar a elaboração de um projeto de curso de graduação a distância, a Secretaria de Educação a Distância elaborou o documento Indicadores de qualidade para cursos de graduação a distância , disponível no site do Ministério para consulta. As bases legais são as indicadas no primeiro parágrafo deste texto. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>C. PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA  </li></ul><ul><li>A possibilidade de cursos de mestrado, doutorado e especialização a distância foi disciplinada pelo Capítulo V  do Decreto n.º 5.622/05 e pela Resolução nº 01, da Câmara de Ensino Superior-CES, do Conselho Nacional de Educação-CNE, em 3 de abril de 2001. </li></ul><ul><li>O artigo 24 do Decreto n.º 5.622/05, tendo em vista o disposto no § 1º do artigo 80 da Lei nº 9.394, de 1996, determina que os cursos de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) a distância serão oferecidos exclusivamente por instituições credenciadas para tal fim pela União e obedecem às exigências de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento estabelecidos no referido Decreto. </li></ul><ul><li>No artigo 11, a Resolução nº 1, de 2001, também conforme o disposto no § 1º do art. 80 da Lei nº 9.394/96, de 1996, estabelece que os cursos de pós-graduação lato sensu a distância só poderão ser oferecidos por instituições credenciadas pela União. </li></ul><ul><li>Os cursos de pós-graduação lato sensu oferecidos a distância deverão incluir, necessariamente, provas presenciais e defesa presencial de monografia ou trabalho de conclusão de curso”. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>D. DIPLOMAS e CERTIFICADOS DE CURSOS A DISTÂNCIA emitidos por instituições estrangeiras </li></ul><ul><li>Conforme o Art. 6º do Dec. 5.622/05, os convênios e os acordos de cooperação celebrados para fins de oferta de cursos ou programas a distância entre instituições de ensino brasileiras, devidamente credenciadas, e suas similares estrangeiras, deverão ser previamente submetidos à análise e homologação pelo órgão normativo do respectivo sistema de ensino, para que os diplomas e certificados emitidos tenham validade nacional. </li></ul><ul><li>A Resolução CES/CNE 01, de 3 de abril de 2001, relativa a cursos de pós-graduação, dispõe, no artigo 4º, que “os diplomas de conclusão de cursos de pós-graduação stricto sensu obtidos de instituições de ensino superior estrangeiras, para terem validade nacional, devem ser reconhecidos e registrados por universidades brasileiras que possuam cursos de pós-graduação reconhecidos e avaliados na mesma área de conhecimento e em nível equivalente ou superior ou em área afim. </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Vale ressaltar que a Resolução CES/CNE nº 2, de 3 de abril de 2001, determina no caput do artigo 1º, que “os cursos de pós-graduação stricto sensu oferecidos no Brasil por instituições estrangeiras, diretamente ou mediante convênio com instituições nacionais, deverão imediatamente cessar o processo de admissão de novos alunos”. </li></ul><ul><li>Estabelece, ainda, que essas instituições estrangeiras deverão, no prazo de 90 (noventa) dias, a contar da data de homologação da Resolução, encaminhar à Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES a relação dos diplomados nesses cursos, bem como dos alunos matriculados, com a previsão do prazo de conclusão. Os diplomados nos referidos cursos “deverão encaminhar documentação necessária para o processo de reconhecimento por intermédio da CAPES”. </li></ul>
  14. 15. <ul><li>O termo e-Learning é fruto de uma combinação ocorrida entre o ensino com auxílio da tecnologia e a educação a distância. Ambas modalidades convergiram para a educação online e para o treinamento baseado em Web, que ao final resultou no e-Learning . </li></ul><ul><li>O ensino a distância em Administração de empresas é uma área que vem se desenvolvendo. Experiências em países de língua portuguesa , notadamente no Brasil, e em em outros países tem demonstrado uma atividade já consolidada. </li></ul><ul><li>No Brasil, o MEC intensifica o seu apoio governamental a cursos a distância para nível superior ( stricto sensu e latu sensu ), entre outras áreas para cursos de administração. </li></ul><ul><li>Atualmente, a educação a distância possibilita a inserção do aluno como sujeito de seu processo de aprendizagem, com a vantagem de que ele também descobre formas de tornar-se sujeito ativo da pesquisa e do compartilhar de conteúdos. Cabe às instituições que promovem o ensino a distância buscar desenvolver seus programas de acordo com os quatro pilares da educação, definidos pela Unesco . </li></ul>
  15. 16. <ul><li>Aprender a conviver diz respeito ao desenvolvimento da capacidade de aceitar a diversidade , conviver com as diferenças, estabelecer relações cordiais com a diversidade cultural respeitando-a e contribuindo para a harmonia mundial. </li></ul><ul><li>Os investimentos em educação a distância dentro das empresas mostram-se em franca ascensão, segundo dados do AbraEAD 2008 (Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a Distância), obtidos com exclusividade pela Folha. </li></ul><ul><li>Um sinal disso é que, em 2006, o levantamento constatou que os dispêndios em &quot;e-learning&quot; dentro das empresas não chegavam a 5%. Já no ano passado, saltaram para 26%. &quot;É mais barato investir na educação a distância do que na presencial&quot;, justifica Fábio Sanchez, coordenador do anuário. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>O número de empresas pesquisadas, no entanto, variou nas duas pesquisas -de 21 para 27. &quot;No último estudo, a amostra foi mais representativa, uma vez que foram ouvidas mais companhias&quot;, ressalta Sanchez. </li></ul><ul><li>O anuário mostra ainda que a intenção das empresas para 2008 é aumentar em 56% o investimento em treinamento a distância em relação ao ano passado. O ensino presencial, que leva a maior fatia dos gastos organizacionais, deve receber 20% a mais de recursos. </li></ul><ul><li>Corte de custos </li></ul><ul><li>Segundo Francisco Antônio Soeltl, membro do comitê de criação do Conarh (Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas) e presidente do Portal E-Learning Brasil, desde 1999, o investimento acumulado em treinamento a distância nas empresas está em R$ 1 bilhão. </li></ul><ul><li>Já o retorno em benefícios para as firmas nesse período gira em torno de R$ 2,5 bilhões. </li></ul>
  17. 18. <ul><li>&quot;O &quot;e-learning&quot; reduz os custos sensivelmente&quot;, diz Soeltl. </li></ul><ul><li>Além de diminuir os gastos com deslocamento, outra vantagem do treinamento a distância para as empresas é ser uma forma de poder atingir um número maior de colaboradores. </li></ul><ul><li>Os funcionários de níveis operacionais são atendidos por 92% dos cursos fora da sala de aula, seguidos pelos de supervisão (81%) e pelos de gerência (72%). </li></ul><ul><li>&quot;Mas isso não significa que se deve parar de fazer o curso presencial&quot;, pondera Fernando Cardoso, sócio-diretor da Integração Escola de Negócios. </li></ul><ul><li>Para ele, os treinamentos presenciais devem ser usados em momentos considerados estratégicos. Já com o &quot;e-learning&quot;, aponta, ganha-se produtividade e amplia-se o alcance das ações educacionais. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>Carga horária de EAD supera a presencial </li></ul><ul><li>O número de horas de treinamento a distância de funcionários no Itaú, entre janeiro e abril deste ano, foi 17% maior do que o de treinamento presencial. </li></ul><ul><li>&quot;Há o interesse de ampliar esse percentual em relação ao treinamento presencial&quot;, diz Claudiney Tieppo, responsável pela educação a distância do banco. </li></ul><ul><li>Maria Carolina Gomes, 32, gerente de clima organizacional da empresa, já fez diversos cursos --desde ética até sustentabilidade- pela plataforma on-line e destaca a flexibilidade do método. </li></ul><ul><li>&quot;Quando é possível, estudo no horário de trabalho, mas dá para eu me dedicar em casa também&quot;, comenta ela. </li></ul><ul><li>No banco, alguns cursos são considerados obrigatórios para os colaboradores. O que define a necessidade dos estudos é a área de atuação. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Fonte: </li></ul><ul><li>Wikipedia </li></ul><ul><li>Google </li></ul><ul><li>Blog educação a distância </li></ul><ul><li>Revista TI </li></ul><ul><li>Folha Onli </li></ul>

×