Relatório Anual da Diretoria ABEMI 2009 #Lavajato Ricardo Pessoa

722 visualizações

Publicada em

Relatório Anual da Diretoria ABEMI
Ricardo Pessoa - UTC - Constran - Lava Jato - Petrobras

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
722
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório Anual da Diretoria ABEMI 2009 #Lavajato Ricardo Pessoa

  1. 1. RELATÓRIO DA DIRETORIA 2009
  2. 2. 2009
  3. 3. 2 3 “ Senhores Conselheiros, Diretores e Associados, Chegamos ao fim de nosso mandato, pois haverá eleição para Diretoria e Conselho da ABEMI no próximo dia 30 de Março. Nestes dois anos, exercitamos a prática colegiada e descentralizada das ações associativas, que foi a forma de gestão por nós escolhida, e que permitiu praticar a nova estrutura organizacional e multiplicar a nossa atuação. O balanço de nossas atividades, feito no workshop de novembro passado, mostrou resultados alcançados pelos diversos Grupos de Trabalho e Diretorias, dos quais, às vezes, nem nós tínhamos conhecimento da amplitude e da importância. A atuação efetiva dessas equipes trouxe, como consequência natural, a aproximação e o fortalecimento das relações com outras entidades de classe, com órgãos governamentais e com clientes importantes, que têm considerado a ABEMI como parceira de primeira hora, para troca de experiências, discussão de soluções e até mesmo aconselhamento. APRESENTAÇÃO Internamente, trabalhamos para promover o intercâmbio de conhecimentos e experiências entre as Associadas, visando a evolução de nossa competitividade, através de trabalhos voltados à produtividade, à redução de custos e prazos, e à importância prioritária na qualificação dos recursos humanos. Procuramos adotar gestão aberta, participativa e o menos formal possível. A festa de comemoração dos 45 anos da ABEMI mostrou que a convivência associativa gerou um forte relacionamento social entre os representantes das Associadas, até então não percebido. Construímos boas amizades, que antes não tínhamos. Neste momento de balanço de atividades, sabemos que poderíamos ter feito muito mais, mas o tanto que pudemos realizar, sem dúvida, nos recompensa e nos deixa orgulhosos. “ A festa mostrou que a convivência associativa gerou um forte relacionamento social. Construímos boas amizades, que antes não tínhamos. Carlos Maurício Lima de Paula Barros Há ainda muito a fazer para melhorar, mas o nosso sentimento é que temos combatido o bom combate, que a nossa corrida ainda não está no fim, mas que a nossa fé continua bem guardada. Agradecemos o empenho, o esforço e o sacrifício de prioridades pessoais de todos os companheiros de Diretoria e Conselho, dos coordenadores, dos representantes das Associadas e dos integrantes de comissões, grupos e subgrupos de trabalho, bem como de toda a equipe interna da ABEMI. Há ainda muito a fazer para melhorar, mas o nosso sentimento é que temos combatido o bom combate, que a nossa corrida ainda não está no fim, mas que a nossa fé continua bem guardada. Muito obrigado, Carlos Maurício Lima de Paula Barros Diretor Presidente
  4. 4. 4 5 ÍNDICE 2Apresentação 4Índice 6Código de Ética Princípios 7Missão e Visão 10 8 11 Destaques Organograma Vice-Presidência 12Diretorias de Segmentos Econômicos Introdução | Atribuições e Responsabilidades 14 Realizações: Petróleo e Gás 15 Plano de Negócios 2009-2013 da Petrobras 15 Novo Marco Regulatório 16 GT Petrobras/Engenharia-ABEMI- ABCE 16 Confraternização 2009 17 Subgrupos de Trabalho 17 Procedimento para Pagamento de Improdutividade Devido a Paralisações por Chuvas e Raios 18 Palestras 18 Química e Petroquímica 19 Mineração e Siderurgia 20 Energia 21 Papel e Celulose 22 Indústrias em Geral 22 Prêmios QSMS da Petrobras – 2009 23 22Diretorias de Serviços Introdução | Atribuições e Responsabilidades 24 Realizações: Sistemas de Gestão 25 Engenharia 25 Fabricação 26 Construção Civil 26 Montagem 26 SGT Padronização de Procedimentos 27 GT Produtividade em Tubulação Industrial 27 SGT Produtividade em Tubulação 27 Fórum de Competitividade 27 Manutenção 27 26Comissões Permanentes Comissão de Assuntos Jurídicos 29 Comissão de Recursos Humanos 30 Palestras 30 Comissão de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente - CESMT 32 Saúde do Trabalho 32 Segurança do Trabalho 33 Meio Ambiente 34 Palestras e apresentações 34 33ABEMI e Outras Entidades PROMINP 36 Cursos do PROMINP – 4º CICLO PNQP 36 2ª FASE DO PNQP – Plano Nacional de Qualificação Profissional 36 6° Encontro Nacional do Prominp 36 ONIP 37 CESPEG 38 ABIMAQ 38 CENTRO DE EXCELÊNCIA CE–EPC 39 SINDUSCON – MG 39 38Outras Ações 42Assuntos Internos Eventos 45 45 anos da ABEMI 45 500 Grandes da Construção 45 Seminário ABEMI de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente e Responsabilidade Social 46 Workshops de gestão 46 Assembléia Geral Ordinária 47 Espaço das Empresas Associadas 47 Palestras 47 46Dados Estatísticos 50Atividades Principais das Associadas 52Quadro Social Conteúdo local 41 CPI Petrobras 41 40Representações 54Administração
  5. 5. 6 7 O presente Código de Ética reitera aos membros do Conselho de Administração, da Diretoria, aos Colaboradores e aos representantes das associadas,o compromisso de respeitar os princípios da ABEMI em todas as atividades exercidas na Associação, em suas empresas. Conduzir as atividades da ABEMI≥≥ com transparência e integridade, cultivando credibilidade junto às associadas, aos clientes e à sociedade brasileira. Esforçar-se no sentido da elevação≥≥ s o cial da A BE MI, r e al iz an do dignamente sua propaganda. Não criticar ou injuriar, de maneira≥≥ desleal ou desabonadora, a atuação de uma associada, bem como de outras entidades de classe. PRINCÍPIOS MISSÃO Congregar e representar empresas cujas atividades se relacionam com a implantação de empreendimentos públicos ou privados nos setores industrial e de infra- estrutura, exercendo a defesa dos interesses das associadas, protegendo a livre concorrência, reunindo conhecimentos na busca da competitividade coletiva e contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do país. Eximir-se de praticar atos que≥≥ possam, direta ou indiretamente, prejudic ar os interes ses das A ssociadas, como aproveitar- se, sem citação ou autorização, de idéias, planos ou projetos de terceiros. Não agir em nome da ABEMI para≥≥ obter vantagens individuais ou para a empresa que representa. Considerar como confidencial≥≥ toda e qualquer informação que obtenha da ABEMI, quando esta assim o solicitar. I n f o r m a r i m e d i a t a m e n t e à s≥≥ associadas de qualquer impedimento que julgue relacionado com seus projetos ou serviços. Cumprir e fazer cumprir o disposto≥≥ no Estatuto da ABEMI. I n c e n t i v a r a s a s s o c i a d a s a≥≥ disseminarem os princípios éticos e compromissos de conduta aqui expressos. VISÃO Ser reconhecida como instituição com prestígio e representatividade nacional na defesa dos interesses de suas associadas e da engenharia brasileira. CÓDIGO DE ÉTICA DA ABEMI
  6. 6. ORGANOGRAMAS DA DIRETORIA E DOS CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E VITALÍCIO GESTÃO 2008 / 2009 DIRETORIAS DE SERVIÇOS CONSELHEIROS E SUPLENTES DA DIRETORIA DE SERVIÇOS Cristian Jaty Silva Jaraguá Equipamentos Industriais Ltda. Conselheiro Guilherme Muylaert Antunes Usiminas Mecânica S.A. Conselheiro Suplente Luís Antonio Biagi Enfil S.A. Controle Ambiental Roberto Kochen Geocompany - Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Conselheiro João Antonio Del Nero Figueiredo Ferraz Consult. e Engenharia de Projeto Ltda. Conselheiro Suplente Gerson de Mello Almada Engevix Engenharia S.A. Gerson Ricardi CNO Construtora Norberto Odebrecht S.A. Edenir Artur Veiga Schahin Engenharia S.A. Conselheiro André Glogowsky Hochtief do Brasil S.A. Conselheiro Suplente Emílio Jarbas BarbosPimenta Construtora Queiroz Galvão S.A. Francisco Assis de Oliveira Rocha UTC Engenharia S.A. Conselheiro José Lima Oliver Júnior Potencial Engenharia S.A. Conselheiro Suplente Alberto Elísio Vilaça Gomes Mendes Júnior Trading e Engenharia S.A. Valdir Lima Carreiro IESA Óleo e Gás S.A. Conselheiro Samuel F. S. Miranda TKK Engenharia Ltda. Conselheiro Suplente Reinaldo Neto da Silva Produman Engª, Manutenção e Montagem Ltda. Conselheiro Alberto Jesus Padilla Setal Engenharia Construções e Perfurações S.A. Conselheiro Suplente Antonio Pedro Dias Construtora Andrade Gutierrez S.A. Sistema de Gestão Engenharia Fabricação Construção Civil Montagem Manutenção Conselho de Administração fundo verde claro Diretoria fundo verde escuro Legenda Diretor Vice-Presidente Márcio Alberto Cancellara Projectus Consultoria Ltda. DIRETORIA NOMEADA Diretor Antonio E. F. Müller AEM Serviços de Engenharia S/C Ltda Diretor Marcelo F. C. A. Corrêa REMAC Engenheiros e Consultores Ltda. Diretor Executivo Aurélio Escudero Gestor do Convênio Petrobrás/ABEMI-PNQP Joaquim Passos Maia DIRETORIAS DE SEGMENTOS ECONÔMICOS Guilherme Pires de Mello Techint Engenharia e Construção S.A. Petróleo e Gás Energia Jésus de Oliveira Ferreira Filho Global Participações em Energia S.A. Mineração e Siderurgia Gabriel Aidar Abouchar Enconsult Engenharia e Consultoria Ltda. Química e Petroquímica José Octávio L. de Alvarenga Promon Engenharia Ltda. Papel e Celulose Oscar Simonsen Montcalm Montagens Industriais S.A. Indústrias em Geral Dalton Avancini Construções e Com. Camargo Corrêa S.A. CONSELHO VITALÍCIO Ricardo Ribeiro Pessôa Roberto Mendonça Fernando Couto Marques Lisbôa Aylton Antoniazzi Manuel Antonio Lopes José Luiz do Lago Cristiano Kok David Fischel Diretor Presidente Carlos Maurício Lima de Paula Barros Empresa Brasileira de Engenharia S.A. - EBE EBSE - Engenharia de Soluções
  7. 7. 10 11 A ABEMI gerenciou o PNPQ-Plano Nacional de Qualificação Profissional, que formou 80.434 alunos, até Março de 2010; O número de empresas associadas aumentou em 40%; O GT Petrobras/Engenharia-ABEMI-ABCE completou 6 anos de funcionamento, tendo emitido 53 Comunicados Conjuntos; O Grupo de Trabalho ABEMI-Vale foi criado; A ABEMI fez uma festa de comemoração de seus 45 anos; Foram feitas ___apresentações, sendo ___por expositores externos. Todas as 10 empresas que receberam o prêmio Pretrobras de Engenharia em QSMS de 2009 são da ABEMI. A ABEMI participou da criação do Centro de Excelencia CE-EPC, dos quais 47% dos associados sao da ABEMI. Das pessoas formadas pelo PNQP, 82% estão empregadas, segundo dados do MTE. Abertura do escritório do Rio de Janeiro. Vice-Presidência Márcio A. Cancellara Comunicação Com o objetivo de tornar a ABEMI reconhecida como entidade-chave para o setor de Engenharia e Construção Industrial no Brasil, o Plano de Ação de Comunicação, executado pelo vice-presidente, Márcio A. Cancellara, teve o orçamento aprovado. Foi contratada uma assistente de comunicação; reestruturado o site da entidade; e também contratada a Mandarin, empresa de assessoria de imprensa, assim como o bureau gráfico. Também realizou os principais eventos promovidos pela ABEMI, como seminários, workshops de gestão, palestras e o evento dos 45 anos. Desenvolveu a apresentação institucional da ABEMI. O informativo ABEMI (eletrônico) e o marketing eletrônico foram finalizados. Em 2010, serão concluídos o folder e o DVD institucionais e o Anuário da ABEMI. VICE-PRESIDÊNCIA DESTAQUES GESTÃO 2008-2009
  8. 8. 12 13 • Foram mantidos os prazos de entrega das novas refinarias do ABAST, com as seguintes capacidades: Realizações: 1Petróleo e Gás Guilherme Pires de Mello 1.1 Plano de Negócios 2009-2013 da Petrobras O presidente Carlos Maurício Lima de Paula Barros esteve presente na apresentação do presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli de Azevedo, dia 11 de fevereiro, na Firjan. Veja ao lado o quadro de investi- mentos estimados para o período 2009-2013: 104,6 E&P 3,2 Corporativo 2,8 Biocombustíveis 11,8 Gás e Energia 43,4 ABAST 5,6 Petroquímica 3,0 Distribuição Investimentos em bilhões de US$ Destinatário 230 30 600 150 300 Capacidade em mil barris por dia (mil bpd) Abreu e Lima Rio Grande do Norte Premium I Comperj Premium II Refinaria US$ 174,4 bilhões Estimativa total de investimentos O plano de negócios da Petrobras tem os seguintes destaques: • Redução de custos: Será obtida através de simplificação e uniformização dos projetos de engenharia dos empreendimentos; da revisão das cláusulas contratuais; bem como da revisão da cultura da empresa, modificações do escopo do trabalho; alterações nas especificações de sistemas, materiais, estruturas; alterações de exigências e melhoria da produtividade; • Conteúdo nacional mínimo: O fornecimento de bens e serviços produzidos no país deverá ser de 64% nos empreendimentos; • Investimento no pré-sal: Investimento de US$ 29 bilhões, dos quais US$ 19 bilhões na Bacia de Santos. DIRETORIAS DE SEGMENTOS ECONÔMICOS Atribuições e Responsabilidades Diretores de Segmentos Econômicos Responsáveis pela coordenação entre associadas, clientes e terceiros, buscando a melhoria das relações comerciais, dos instrumentos contratuais e da disseminação das oportunidades. Cada diretor é responsável pelo relacionamento institucional com as empresas do seu respectivo setor Petróleo e Gás; Química e Petroquímica; Mineração e Siderurgia; Energia; Papel e Celulose; Indústria em Geral para assuntos de interesse coletivo, seja de natureza comercial, contratual ou técnica, coordenando as associadas e interagindo com as demais diretorias em busca de melhorias.
  9. 9. 14 15 1.2 Novo Marco Regulatório Em 2 de setembro de 2009, a Petrobras convocou a ABEMI, para apresentar os princípios do novo marco regulatório. Estiveram presentes, pela Petrobras: Presidente - José Sérgio Gabrielli de Azevedo; Diretor de Serviços - Renato de Souza Duque; Gerentes Executivos - Pedro José Barusco; Marco Aurélio Ramos. Pela ABEMI, participaram: Presidente - Carlos Maurício Lima de Paula Barros; Vice-presidente - Márcio Alberto Cancellara; Conselheiros - Ricardo Ribeiro Pessôa; José Lima Oliver Júnior; Diretores - Gerson Ricardi; Valdir Lima Carreiro; José Octávio Alvarenga; Aurélio Escudero. O novo marco regulatório estabelece três tipos de situação: a. Regime atual de concessões para outras áreas que não o pré-sal; b. Cessão onerosa para o pré-sal e áreas estratégicas. Para a Petrobras se capitalizar, a União cederá até 5 bilhões de barris de petróleo e receberá ações em valor equivalente ao petróleo cedido. Os 5 bilhões de barris são estimados em cerca de R$ 100 bilhões. Hoje, a União detém 32% do capital da Petrobras. c. Partilha de produção – Em todos os campos, a Petrobras será a operadora e terá o mínimo de 30% de participação. Não haverá mudança nas áreas já concedidas, inclusive no pré-sal. A ANP fará os leilões, a Petrobras será obrigatoriamente a operadora e a União participará como acionista da nova empresa a ser criada para o pré-sal. O critério de conteúdo nacional será determinado caso a caso pelo CNPE. ABEMI e Pré-sal A ABEMI externou sua posição sobre o novo marco regulatório para o pré-sal, a exemplo do que fizeram outras entidades. O presidente da ABEMI, Carlos Maurício Lima de Paula Barros, e o diretor do segmento de Petróleo e Gás, Guilherme Pires de Mello, deram depoimentos à Petrobras e a órgãos de comunicação, defendendo a obrigatoriedade de manutenção do conteúdo nacional para os investimentos do pré-sal. Gt Sondas Marítimas de Perfuração A ABEMI criou o grupo de trabalho “Sondas Marítimas de Perfuração”, coordenado por Fernando Picoroni Vilela, da Construções e Comércio Camargo Corrêa, para acompanhar e apresentar propostas em relação à contratação das sondas no Brasil. As 12 primeiras sondas já foram encomendadas no exterior para não atrasar o programa do pré-sal. As 28 sondas a serem construídas no Brasil deverão ser entregues entre 2013 e 2017. A Petrobras assumirá a compra dos pacotes de perfuração e de propulsores de posicionamento dinâmico. Os Comunicados publicados em 2009 foram: 1.3.2 Subgrupos de Trabalho SGT Redução de Custos e Prazos nos Projetos da Petrobras 1.3.1 Confraternização 2009 Data dd/mm Comunicado nº Procedimento 23/1227 - Rev. A - Relação de Documentos de Projeto para as Áreas de Abastecimento e Gás e Energia emitidos pelas Empresas Contratadas, referente a Unidades de Processo 15/1030/1-1 PEC-0101.00 Execução de Armadura (Corte, Dobra e Montagem) 15/1030/1-2 PEC-0101.01 Execução de Fôrmas, Escoramentos, Cimbramentos, Descimbramentos e Desformas 26/1130/1-4 PEC-0101.03 Instalação de Insertos e Chumbadores 22/1230/1-6 PEC-0101.05 Alvenaria de Vedação 31/0830/5 PEC-0403.00 Execução e Inspeção dos Serviços de Montagem de Isolamento Térmico 08/1230/7 PEC-1101.00 Acessibilidade Provisória por Andaimes 21/1230/9 PEC-0701.00 Montagem de Instrumentação 14/0535 - Prazos para Projeto de Detalhamento em Contratos EPC 15/1030/1-3 PEC-0101.02 Serviços de Topografia 26/1130/1-5 PEC-0101.04 Concretagem 31/0830/4 PEC-0402.00 Execução e Inspeção dos Serviços de Montagem de Isolamento Térmico 26/1130/6 PEC-1001.00 Montagem para Estruturas Metálicas Marítimas Fixas 30/1130/8-1 PEC-1201.00 Geral de Comissionamento 22/1230/10 PEC-0403.01 Testes de Pressão de Tubulação – Pneumático 18/1236 - Emissão de Documentos de Projeto para Liberação da Petrobras/ Engenharia - IEABAST e IETEG para Unidades de Processo Tema Participaram das reuniões, representando a Petrobras: Diretor de Serviços - Renato de Souza Duque; Gerente Executivo de Engenharia - Pedro José Barusco; Gerente Geral - Maurício Guedes; Gerentes Setoriais - Enio Prado de Paula, Salomão Doumit Bou-Haya, Paulo Roberto da Silva, Cármen Heloísa Telles Cortez, Vicente Gullo. Representaram a ABEMI: Presidente - Carlos Maurício Lima de Paula Barros; Vice-presidente - Márcio A. Cancellara; Conselheiro - José Lima Oliver Júnior; Diretores - Guilherme Pires de Mello; Francisco Rocha; José Octávio Alvarenga e Aurélio Escudero, membros do GT Petrobras/Engenharia-ABEMI-ABCE. Em fevereiro, a ABEMI listou os motivos da extensão de prazos: especificações da Petrobras, modificações de projeto e geradores de aumentos de custo. Dos aspectos listados, concluiu-se que 25 eram de responsabilidade da Petrobras; 10, das empresas da ABEMI; e 5, de responsabilidade conjunta. Na segunda reunião, em novembro, foram apresentados os resultados dos trabalhos desenvolvidos pela Petrobras e pela ABEMI. Com a maioria das questões levantadas já resolvidas - e as demais, caminhando para tanto -, o diretor Renato Duque mostrou-se satisfeito. Oceano Riser 2 mil metros 3 mil metros 4 mil metros 5 mil metros 6 mil metros Camada Pós-sal Camada de Sal Camada Pré-sal Plataforma 1.3 GT Petrobras/Engenharia-ABEMI-ABCE O GT responsável pela Adequação das Condições Contratuais tem o objetivo de analisar as formas de contratação entre as empresas associadas e a Petrobras. Seu alcance vem se ampliando com a criação de Subgrupos de Trabalho para o desenvolvimento de estudos mais detalhados sobre temas específicos. O GT encerrou 2009 com a aprovação e a emissão de 15 novos Comunicados, além da revisão de 1 deles. Desde sua criação em 2002, o GT emitiu 53 comunicados, com força de instrução normativa e validade para todas as unidades da empresa. Os entendimentos entre contratante e contratados têm trazido ganhos significativos para ambas as partes. A íntegra dos comunicados encontra-se no site da ABEMI, dentro de Publicações / Comunicados: www.abemi.org.br Guilherme Pires de Mello e Enio Prado de Paula Eugenio Mancini Scheleder Scheleder – Gerente Geral SL – Engª Petrobras Carlos Maurício Lima de Paula Barros
  10. 10. 16 17 SGT Hold Points de Equipamentos Criado para reduzir os problemas (hold points) encontrados nas inspeções (durante a fabricação dos equipamentos), o SGT apontou duas deficiências: a comunicação das informações sobre especificações de equipamentos; e a discrepância no escopo da inspeção entre a visão do inspetor (SL/SEQUI) e do inspecionado (fabricante). A prioridade é dada às válvulas e aos estáticos, por representarem a maioria dos equipamentos das unidades industriais. SGT Jurídico O subgrupo conta com representantes dos departamentos jurídicos de Engenharia da Petrobras e da ABEMI para analisar temas de interesse comum. SGT Padronização de Procedimentos Sob a coordenação do Diretor de Montagem, Francisco Assis de Oliveira Rocha, o grupo deverá desenvolver 44 procedimentos, dos quais 17 já foram publicados no SIGEM da Engenharia da Petrobras para serem utilizados pelas empresas associadas da ABEMI. Estas tiveram boa participação no SGT, com cerca de 50 representantes. 2Química e Petroquímica José Octávio L. de Alvarenga Foi um ano de turbulência no segmento de química e petroquímica, com vendas de participações acionárias, aquisições de empresas, e demanda a 70% da oferta de produtos químicos e petroquímicos. Palestra, no auditório da ABEMI: Evolução da produção - Balanço de importações e exportações - Projetos de Investimentos significativos no Setor”. de Nelson Pereira dos Reis, Vice-Presidente Executivo da ABIQUIM, sobre a “Indústria Química Brasileira: - no dia 14 de abril. O Diretor de Química e Petroquímica, José Octávio Alvarenga, apresentou o panorama do setor. Considerando resinas, etanol e cimento, conforme dados do BNDES, o valor total de investimentos nos projetos programados no mercado nacional foi de R$ 127,5 bilhões, assim distribuídos: 22,8 6,5 58,0 40,2 Investimento em bilhões de R$ Resinas Cimento Etanol Refinarias Área Carlos Maurício Lima de Paula Barros / Nelson Pereira / José Octávio Alvarenga Plano de Investimento da Petrobras na Construção de Plataformas Antonio Carlos Justi / Carlos Maurício Lima de Paula Barros / Francisco J. Brites Gomes / Aurélio Escudero Palestr a na A BEMI, profer ida por A ntonio Car los Alvarez Justi, Gerente Geral/Engenharia da Petrobras. O evento, realizado no Hotel Golden Tulip, teve mais de 130 participantes. SGT Produtividade em Tubulação Palestra – A pur ação de indicadores de produtividade para atividades de montagem de tubul aç ão, em exe c uç ão na s obr a s da IEABAST. Maurício Guedes gerente geral S.L. Petrobras Em setembro, a Engenharia da Petrobras-IEABAST-SIE, em parceria com o Centro de Estudos da Faculdade de Engenharia/UERJ, promoveu uma palestra ao GT Produtividade em Tubulação Industrial da ABEMI. Luis Otávio Araujo exibiu o Painel de Produtividade, com resultados relativos aos processos de acoplamento e soldagem de tubulação, assim como os impactos provocados por paralisações no serviço, deslocamentos de pessoal e mobilização. O SGT desenvolverá um trabalho conjunto entre a Petrobras/UERJ e o GT da ABEMI, visando a melhoria de produtividade em fabricação e montagem de tubulações. SGT Master Vendor List em Contratos EPC O objetivo do SGT é aumentar o número de fornecedores para as obras da Petrobras. As áreas de E&P e o G&E já possuem uma padronização dos seus Vendor Lists, e o ABAST vem desenvolvendo o seu. As alterações propostas serão apreciadas pelo Comitê de Materiais da Petrobras. 1.3.2 Procedimento para Pagamento de Improdutividade Devido a Paralisações por Chuvas e Raios A Petrobras está analisando internamente os procedimentos constantes do Comunicado nº 28 para pagamento de improdutividade devido a paralisações por chuvas e raios, para torna-lo mais claro facilitando sua aplicação. 2 Palestras Sistemas Gerenciais Palestra na sede da ABEMI, de Peter Paes, da Inotec, que licencia a COMOS, e com a participação de Paulo Pereira Fernandes Filho, do Comitê Executivo do Projeto Cae-Comos/Petrobras, sobre “Sistema Comos Industry - Solutions Gmbh”, da Siemens.
  11. 11. 18 19 4Energia Jésus de Oliveira Ferreira Filho O Diretor de Energia, Jésus de Oliveira Ferreira Filho, apresentou o panorama dos investimentos previstos para o segmento de Energia Elétrica (hidrelétricas, termelétricas, linhas de transmissão e subestações), contribuiu e participou dos eventos promovidos pela vice-presidência, e atuou na coordenação do SGT Jurídico do GT PETROBRAS/Engenharia-ABEMI-ABCE. Tem como metas aproximar a ABEMI e a Associação Brasileira de Concessionárias de Energia (ABCE), apresentar a ABEMI para os principais órgãos e empresas do setor elétrico, promover palestras e eventos sobre o segmento de energia elétrica a fim de juntar os associados que atuam na área, e formar - no site da ABEMI - um banco de dados dos empreendimentos do segmento de energia. 3Mineração e Siderurgia Gabriel Aidar Abouchar Um dos passos mais importantes dados pela ABEMI em 2009 foi a reaproximação com a Vale, nos níveis de diretoria e gerências, reativando o GT VALE-ABEMI. INOVE – Apresentação à ABEMI do Programa da Vale1. para pequenos e médios fornecedores. PNQP – A ABEMI apresentará o PNQP à Vale com a2. intenção é implantá-lo no Pará e no Maranhão, estados com maiores investimentos da Vale. IDF – Apresentação da Vale na ABEMI sobre o IDF –3. Índice de Desempenho de Fornecedores: ferramenta de avaliação de fornecedores e cadastro. Estudo comparativo entre modularização e construção4. tradicional – Apresentação da ABEMI na Vale. LTA de Montagem – Como fazer Long Term Agreement5. para empresas de Montagem. A ABEMI preparará proposta a ser apresentada pelo GT ABEMI-VALE. Pleitos – Hoje a Vale tem muitos pleitos a solucionar e6. há dificuldades para administração e equacionamento do valor justo. A Vale pretende padronizar materiais e equipamentos,7. através do Progem. Daniel Saldanha, economista – desde 2004 na área de suprimentos da VALE -, lidera hoje o Programa INOVE. Rodrigo Colombaretti, engenheiro - desde 2005 na Vale -, está no Programa BRASIL VALE OURO. Ambos fizeram apresentações no dia 6 de outubro, quando ficou clara a tese da VALE de regionalizar cada vez mais. Daniel Saldanha afirmou: “Se vocês quiserem pensar com a Vale, pensem no Pará, que receberá a maior parte dos investimentos dela”. O conteúdo nacional de bens e serviços tem sido de 90% nos últimos anos. A Vale pretende levar empresas brasileiras ao exterior. Panorama do setor O Diretor de Mineração e Siderurgia da ABEMI, Gabriel Aidar Abouchar, apresentou o panorama (antes da crise) dos principais investimentos setoriais de 2008 a 2011. Em siderurgia, os principais projetos previstos somavam R$ 82 bilhões e, em mineração, R$ 95 bilhões, num total de 177 bilhões. Palestra do engº Rudolf Robert Bühler, diretor técnico do IBS – Instituto Brasileiro de Siderurgia. Ele apresentou o Panorama Atual da Siderurgia no Brasil para cerca de 60 pessoas, no auditório da ABEMI, no dia 18 de agosto. A Vale informou que seus investimentos em 2009 foram reduzidos de US$ 14 bilhões para US$ 9 bilhões, dos quais US$ 6 bilhões contratados com capital próprio. Os investimentos previstos para 2010 são de US$ 16 bilhões. Foi estabelecida a seguinte agenda do Grupo Trabalho: Participaram das reuniões, pela Vale: Diretor de Suprimentos para Implantação de Projetos - Rogério Scatolini; Gerente Geral de Suprimento de Construção e Montagem - Marco Braga. Pela ABEMI: Diretores - Gabriel Aidar Abouchar; Aurélio Escudero; Representantes:da MIP - Iomar Tavares e da Projectus - Alexandre Grain de Carvalho. Rodrigo Colombaretti
  12. 12. 20 21 8Prêmios QSMS da Petrobras – 2009 1º lugar 2º lugar Consórcio Construções e Comércio Camargo Corrêa S.A. Promon Engenharia Ltda. MPE Montagens e Projetos Especiais S.A. Consórcio Odebei Plangás Construtora Norberto Odebrecht S.A. – CNO Empresa Brasileira de Engenharia S.A. – EBE IESA Óleo e Gás S.A. Categoria: Construção Industrial 1º lugar Consórcio Amazonas Gás Construtora Andrade Gutierrez S.A. Carioca Christiani-Nielsen Engenharia S.A. 2º lugar Skanska Brasil Ltda. Categoria: Construção de Dutos 1º lugar UTC Engenharia S.A. Categoria: Construção de Unidades Marítimas TODAS as empresas premiadas pela Petrobras em QSMS - 2009 são associadas da ABEMI: 6Indústrias em Geral Dalton Avancini Dentre as metas de aumentar a visibilidade da ABEMI junto aos clientes industriais, de aproximar a ABEMI de associações e federações do setor industrial, de reunir-se com os principais clientes para conhecer e divulgar os planos de investimentos e de Grandes Projetos, no empenho de aumentar a produtividade das empresas brasileiras, o Diretor de Indústrias em Geral, Dalton Avancini, prevê para meados de 2010 a melhoria da qualidade das informações sobre o setor no banco de dados da ABEMI; e, para Abril, a elaboração de um plano de aproximação com empresas do setor. Fiscalização do TCU nas Obras da REPAR A ABEMI, através do eng° Dalton, está coordenando os jurídicos das empresas de 19 contratos. na REPAR, que receberam convite para justificar pontos levantados peloTribunal de Contas da União (TCU), 5Papel e Celulose Oscar Simonsen O diretor de Papel e Celulose, Oscar Simonsen, apresentou as perspectivas do setor para os próximos cinco anos, conforme previsão do BNDES, com investimentos de R$ 29,1 bilhões de 2008 a 2011; e crescimento da capacidade de produção de 12,1 milhões de t/ano em 2008 para 16,7 em 2010 e 23,8 em 2014. Mas, segundo a Bracelpa, a previsão do BNDES não se realizará nem até 2010. O Brasil é referência na produção de celulose, com o menor custo do mundo; e tem terras disponíveis para ampliar plantio. A alta do dólar prejudicou produtores endividados em dólar. Com a queda no preço da commodity, a produção anual foi reduzida em 4 milhões de t/a. Novos projetos foram postergados ou cancelados.
  13. 13. 22 23 Realizações: 1Sistemas de Gestão Gerson Ricardi O Diretor de Sistemas de Gestão, Gerson Ricardi, apresentou os modelos de sistemas de gestão utilizados pelas empresas associadas e os disponíveis no mercado. Criou com representantes de empresas associadas um GT, cujos objetivos são: elaborar sugestões para aumentar a produtividade; e encontrar soluções para os problemas de custo e de prazos, integrados ao sistema de gerenciamento. O Diretor de Engenharia, Roberto Kochen, apresentou os objetivos e prioridades de seu plano de ação e uma proposição inovadora de criar e ativar o fórum de lições aprendidas. Palestra Ambiente de Engenharia Raimar Van Den Bylaardt - Gerente de tecnologia do IBP – Instituto Brasileiro de Gás e Biocombustíveis, com abertura do presidente do Centro de Excelência em EPC, Laerte Santos Galhardo, no dia 6 de julho. Com participação de 20 empresas, foi levantado o “estado da arte” em sistemas de gestão no Brasil e no exterior. O GT convidou os principais fornecedores desses softwares no Brasil (Sisgraph, Aveva, Bentley e Auto Desk) para apresentações aos associados da ABEMI. Apresentação sobre ambientes compar tilhados em universidades e empresas, para desenvolver projetos de tecnologia computacional e realidade virtual, nas áreas naval, offshore, manutenção, civil e montagem. 2Engenharia Roberto Kochen DIRETORIAS DE SERVIÇOS Atribuições e Responsabilidades Diretores de Serviços Responsáveis pela coordenação entre associadas, clientes e terceiros, buscando a evolução das atividades de seu respectivo setor – Sistemas de Gestão; Engenharia; Fabricação; Construção Civil; Montagem; ou Manutenção – incluindo a melhoria dos sistemas de execução e controle, dos processos e métodos construtivos, bem como da formação de pessoal técnico e gerencial, sempre com o objetivo de manter um nível internacional de competitividade.
  14. 14. 24 25 3Fabricação Cristian Jaty Silva 4Construção Civil Edenir Artur Veiga 6Manutenção Valdir Lima Carreiro 5Montagem Francisco Assis de Oliveira Rocha O Diretor de Fabricação, Cristian Jaty Silva, promoveu a interação entre empresas associadas e os GTs, bem como entre associadas e clientes. Promoveu a participação das associadas fabricantes no SGT de redução de custos e prazos, e participou como representante da ABEMI do Conselho de Óleo e Gás, na Câmara Setorial de Projetos Especiais e Pesados da ABIMAQ-CSPEP. O Diretor de Construção Civil, Edenir Artur Veiga, está desenvolvendo um banco de dados da ABEMI, para ser utilizado como referência por diretores, conselheiros e associadas, bem como para informar ao público externo. O escopo das informações a constarem no banco de dados foi definido com base nos comentários e sugestões de representantes de 30 empresas associadas. Será criado um programa para que o associado entre com login e senha individuais, e informe os dados de sua empresa diretamente. O sistema automaticamente incluirá esses dados no consolidado das associadas. Além de continuar aproximando ABEMI e ABRAMAN, o Diretor de Manutenção, Valdir Lima Carneiro, tem como metas, para 2010, identificar possíveis ações conjuntas, mapear os principais clientes e suas necessidades, identificar principais anseios e dificuldades comuns dos Associados e interagir com outras associações do setor. O Diretor de Montagem, Francisco Assis de Oliveira Rocha, tem seus trabalhos desenvolvidos com prioridade nos aspectos relacionados à melhoria da produtividade nos trabalhos de montagem industrial. Além disso, o diretor assumiu a coordenação dos SGTs Padronização de Procedimentos de Execução, Diretrizes Contratuais de SMS, e do GT Produtividade em Tubulação Industrial. Participou do SGT Redução de Custos e Prazos nos Projetos Petrobras, e participa do Grupo de Trabalho PETROBRAS/ENGENHARIA-ABEMI-ABCE. O Diretor de Fabricação coordena também o SGT Hold Points de Equipamentos, com representantes da ABEMI- ABIMAQ-Petrobras, para tratar da redução da quantidade de inspeções. O subgrupo realizou um levantamento dos problemas nos contratos com a Petrobras e com os EPCistas, e apresentou um plano de ação aprovado na reunião do GT PETROBRAS/ENGENHARIA-ABEMI-ABCE, cujos trabalhos deverão ser desenvolvidos e implementados em 2010. Constarão no banco os dados sobre mercado, perspectiva futura, principais clientes, investimentos diretos e indiretos das associadas, contingente de mão-de-obra, salários de referência, tabela de encargos sociais – ABEMI, dados de meio Ambiente, dados de QSMS e PNQP. A implementação está prevista para o primeiro semestre de 2010. SGT Padronização de Procedimentos Com participação de 50 representantes de 20 empresas associadas, o grupo r e al izou 2 8 r euniõ e s conjunt as A B E M I - P E T R O B R A S . F o r a m emitidos comunicados para 15 novos procedimentos. A agenda prevê o desenvolvimento de um total de 57. Palestras Comissionamento A Petrobras realizou duas palestras sobre Comissionamento, em São Paulo e no Rio de Janeiro, para as associadas. GT Produtividade em Tubulação Industrial Coordenado pelo Diretor de Montagem, com coordenação interna de Eduardo Antunes, foi criado um Grupo de Trabalho para analisar a produtividade nas áreas de fabricação e montagem de tubulações industriais e de estruturas metálicas, e analisar a origem da improdutividade nas empresas prestadoras de serviços. Foram 12 reuniões em 2009, com a participação de 24 empresas associadas. O GT foi dividido em SGTs para análise de improdutividades das áreas afins identificadas nos fluxos de produção da pré-fabricação e da montagem. Canteiros de obras pré-selecionados: Cia Siderúrgica do Atlântico - CSA (Alto Forno); Petrobras/RPBC (URE); Petrobras/RPBC (HDT/HDS); CONPAR; (PIPE–SHOP Independente). Os canteiros foram visitados para que se levantassem e priorizassem os problemas encontrados nas entrevistas. O GT se propõe a fazer um manual de melhores práticas, começando com a produtividade em tubulação. SGT Produtividade em Tubulação Foi criado em conjunto com a Petrobras-ABEMI para analisar a questão da produtividade em obras de tubulação industrial, utilizando o trabalho contratado pela Petrobras e desenvolvido pela UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e o que está em desenvolvimento pela ABEMI, coordenado pelo Diretor de Montagem. Fórum de Competitividade Foram realizadas duas reuniões ABEMI-ABIMAQ, uma palestra da ABIMAQ na ABEMI, e outra reunião de competitividade de bens e serviços, preparatória para o 6° Encontro Nacional da Prominp. Metas: estimular empresas de outros estados a participar destes grupos e promover treinamento gerencial de planejamento de lideranças. Palestra Competitividade: o setor de bens de capital, cenário econômico e perspectivas futuras Mário Bernardini, coordenador do GT Competitividade da ABIMAQ, no dia 15 de setembro, em apresentação à diretoria da ABEMI.
  15. 15. 26 27 1Comissão de Assuntos Jurídicos Coordenadora: Marlene Ferrari Santos Cegelec Vice-coordenadora: Rubenia Simonette A. Pradato Techint Aviso Prévio Indenizado – Decreto Nº 6727/09 O Decreto nº 2.048, que determinava que o aviso prévio indenizado não integrava o salário de contribuição previdenciária, foi revogado pelo Decreto 6727, de 12/01/09. A Comissão submeteu à apreciação da Diretoria a proposta de impetrar Mandado de Segurança Coletivo, que foi então acolhida. A assessoria jurídica da ABEMI deu entrada no processo, e obteve liminar suspendendo o recolhimento da contribuição previdenciária sobre o aviso prévio indenizado. FAP - Fator Acidentário de Prevenção A ABEMI orientou os associados para a possibilidade da impugnação administrativa individual contra o Fator Acidentário de Prevenção – FAP (Decreto nº 6957/09 em vigor desde 1 de janeiro de 2010) e, ao mesmo tempo, por proposta da Comissão, a Diretoria impetrou mandado de segurança coletivo, obtendo liminar, contra a Previdência Social pela falta de informações e pugnar pela invalidade da cobrança do FAP. Subcomissão: Contratação de Mão-de-Obra pelos Consórcios Além de criar uma subcomissão mista de contadores e advogados para analisar a questão da contratação de mão- de-obra pelos consórcios, a Comissão discutiu sobre outros temas: COMISSÕES PERMANENTES A utor iz aç ão p ar a f uncionamento de• empresa estrangeira no Brasil – ar t. 1134 do Código Civil; Incidência do INSS sobre os juros de• mora, nos pagamentos por condenações trabalhistas; Interpretação da natureza mor atória• e compensatória nas diferentes áreas obrigacionais; Adicional de periculosidade - Possibilidade• de pagamento proporcional; Fiscalização do Trabalho;• Responsabilidade dos sócios no âmbito• tributário e prescrição tributária; Danos por acidentes do tr abalho e a• responsabilidade das empresas; Novas regras para cobrança das dívidas• trabalhistas; A Constitucionalidade do art. 384 da CLT em• face do art. 5, I, CF - Trabalho da Mulher; Cargo de Confiança - Novos entendimentos• do conceito de “gestão”; A legalidade da prescrição trintenária• do S; Anulações de Auto de Infração relativos• à quota de deficientes; Alterações nos contratos de ser viços• da Petrobras; RTT - Regime Transitório de Tributação;• Responsabilidade Criminal da Pessoa• Jurídica e dos seus administradores; Arbitragem nos contratos de serviços e• contratos de trabalho; Data do fato gerador de recolhimentos• previdenciários nos débitos trabalhistas (Lei 11.941 de 25.05.09); Aprendizes e Pessoas com Necessidades• Especiais - Dificuldades de cumprimento das quotas; Projeto de Lei do Senado nº 207/09 - Estatuto• jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias ; Programa de Participação nos Lucros e• Resultados - PLR - legalidade e fiscalização do INSS; Interpretação de casos fortuito e de força• maior; Certidão negativa do INSS - SPED;• Decreto 6727/09 - Impactos nos contratos• em andamento; Encerramento de obra - Situação dos• Aposentados e Afastados; Horas extras;• Balanço das atividades da comissão jurídica• pela vice-coordenadora Rubenia Simonette A. Pradato, no workshop de gestão da ABEMI.
  16. 16. 28 29 2Comissão de Recursos Humanos Coordenador: João Alexandre Iglesias Vidal Techint Vice-coordenador: Frederico A. A. Machado MCE Subcomissões Foram criadas 5 subcomissões e eleitos seus coordenadores: Recrutamento e Seleção Remuneração e Benefícios Responsabilidade Social Treinamento e Desenvolvimento Aspectos Jurídicos Ligados ao RH Subcomissões Lúcia Elizabeth Paes Lucca (Alusa) Marcia Cardoso Romão (Galvão) Cristina Rocha (Teckma) Gisela Pestana (Galvão) Edielson Santana (Technip) Coordenadores Palestras A Comissão de RH promoveu palestras técnicas de alterações da legislação e aspectos legais ligados ao RH, bem como apresentações das empresas sobre seus programas de recursos humanos. As palestras encontram-se no site da ABEMI, dentro de Publicações / ApresentaçõesRealizadas: www.abemi.org.br Gerenciamento de Contencioso Trabalhista Paulo Duarte ex-coordenador da Comissão de RH e atualmente consultor de RH. Abordou a questão da mobilização de pessoal para um projeto ou canteiro de obra. Pesquisa Salarial da ABEMI Proposta de atualização da Pesquisa Salarial das associadas da ABEMI pela consultora Mercer. Balanço das Ações da Comissão de RH Balanço feito pelo seu coordenador João Alexandre Iglesias Vidal, no workshop de gestão da ABEMI. INSS sobre aviso prévio indenizado Recolhimento do INSS sobre o aviso prévio indenizado. CIEE – Centro de Integração Empresa Escola Apresentação do CIEE e sobre a contratação do aprendiz legal (Lei 10.097/2000), os encargos, as isenções, os deveres, os direitos, exigências, responsabilidades, jornada de trabalho, remuneração e outros detalhes. aprendiz@ciee.org.br Nova lei de estágio Apresentação da nova Lei de estágio. RH no âmbito estratégico O trabalho de RH na Mendes Júnior, no âmbito da comunicação empresarial e responsabilidade social. Philips: Sustentabilidade e Responsabilidade Social Como a Philips saiu da filantropia para a sustentabilidade. Skanska Federico Ozaran diretor de RH da Skanska. A estrutura e principais programas de RH da Skanska. Ponto Eletrônico O Ponto Eletrônico, com base na Portaria nº 1510 de 21/8/2009. Techint Valores, estrutura de RH, T&D, remuneração e avaliação de desempenho na Techint. “Construindo novos talentos” O programa de trainee da Galvão Engenharia. Element Apresentação da Element e suas atividades, a equalização do conhecimento, razões e técnicas para campanha de incentivo, o estratégico para o RH que diferencia o resultado da empresa no mercado. CH2M HILL A conduta da CH2M Hill, sob bandeiras da honestidade, integridade, compromisso com saúde e segurança, qualidade e meio ambiente. Benefícios Corporativos As práticas de mercado e tendências, e a participação de cada benefício. Resultados e Tendências em Gestão do Capital Humano A Sextante apresentou os resultados de 2009 dos indicadores do mercado de engenharia e construção com massa de informações suficientes para indicarem tendências. FAP (Fator Acidentário de Prevenção) O FAP e seus efeitos na vida das empresas. Programa Emprega São Paulo A Secretaria de Emprego e Relações com o Trabalho do Estado de São Paulo apresentou o programa de recrutamento de profissionais de nível operacional a executivos em todo o estado de São Paulo, através do banco de dados www.emprego.sp.gov.br Tabela de Encargos Sociais da ABEMI A Comissão de Recursos Humanos revisou e editou a Tabela de Encargos Sociais da ABEMI 2009 com inclusão de 12 feriados anuais, a utilização dos dias pontes anuais, e o aumento da tributação do aviso prévio indenizado, a partir deste ano.
  17. 17. 30 31 3Comissão de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente - CESMT Coordenador: Deodato M. Santos Skanska Vice-Coordenadores: Eduardo Brito Contreras e Paulo Esteves Iesa Secretárias: Lucy T. Bahia Santa Barbara e Viviane A. Ferreira Progen Procedimentos de Execução/SMS A CESMT tem a responsabilidade de elaborar procedimentos de SMS que constam do SGT Padronização de Procedimentos da ABEMI. IDF A Vale S/A implantou o Índice de Desempenho de Fornecedores - IDF que terá a mesma abordagem do PROGEFE, da Petrobras. OHSAS 18001 Barelli (IMC) realizou uma apresentação sobre a migração da OHSAS 18001 versão 2008. Balanço das Atividades da CESMT Apresentação das atividades e ações da CESMT nos dois últimos anos pelo seu coordenador Deodato M. Santos, no workshop de gestão da ABEMI. 3.1 Saúde do Trabalho Subcomissão de Saúde Criada para debater assuntos específicos da área de medicina do trabalho, buscando minimizar a probabilidade de desenvolvimento de doenças e estabelecer padronização de procedimentos de exames. TaxadeGravidade 0 400 800 1200 1600 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 1985ANO 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 909T.G. 1585 1374 1406 1398 1067 1048 876 963 1419 995 853 537 1107 548 714 830 678 326 462 203 474 335 299 ANO Taxa de Gravidade – Média Anual 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 1985ANO 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 33,02T.F. 30,19 26,63 23,41 19,31 14,88 12,49 11,43 10,87 10,38 12,80 11,84 12,58 7,71 7,20 4,41 7,15 3,61 4,04 4,92 2,76 2,59 2,59 2,62 0 7 14 21 28 35 ANO TaxadeFrequência Taxa de Frequência – Média Anual Evolução da T.F. e T.G. – ABEMI 1985 a 2008 3.2 Segurança do Trabalho Estatística de Acidentes 2008 Foi divulgada a Estatística de Acidentes do exercício de 2008. Subcomissão Saúde Telma de Brito Küpper Tirlone – Techint Coordenadora
  18. 18. 32 33 SESMT Discutidos os aspectos relacionados à regularização do SESMT, bem como à atuação do médico do trabalho. Auxilio Doença Discutidas as consequências de discrepâncias ao PPP/PPRA vinculado ao FAP. FAP – INSS Feitas recomendações às associadas relativas às discrepâncias entre o número de CAT’s apontadas pelo FAP e as CAT’s emitidas pelas empresas no período. 3.3 Meio Ambiente Certificação Foram produzidas recomendações às empresas prestadoras relativas ao pedido das licenças de meio ambiente para apresentar às certificadoras, visto que as empresas contratadas são corresponsáveis. Progen-Cetesb-Ibama Houve uma explanação sobre o funcionamento do processo na PROGEN x CETESB x IBAMA tendo em vista a demora de obtenção da licença ambiental em canteiros de obras de dutos. Lavagem de equipamentos Apresentadas soluções para empresas com dificuldade na manutenção de equipamentos e no tratamento de efluentes líquidos na lavagem de equipamentos. 3.4 Palestras e apresentações O conteúdo da maioria das palestras e apresentações está no site da ABEMI, dentro de Publicações / Apresentações Realizadas: www.abemi.org.br Sistema de Gestão da DNV Ricardo Paulo dos Santos proferiu palestra sobre o Sistema de Gestão da DNV. Soluções ambientais Rebeca Furtado fez a apresentação da “Ecosorb S.A. Tecnologia de Proteção Ambiental”, uma empresa de soluções ambientais voltada ao setor de construção e montagem. ABEMI E OUTRAS ENTIDADES
  19. 19. 34 35 1PROMINP PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Cursos do PROMINP – 4º CICLO PNQP Diretor Executivo: Joaquim Passos Maia A ABEMI é a responsável pela gestão do PNPQ até 15 de Março de 2010. Desde o início do programa em março de 2006 até o seu término, terão sido qualificadas 80.434 pessoas. Em pesquisa contratada pela Petrobras entre alunos egressos dos cursos, mais de 84% os classificaram como “bom” e “ótimo”, sendo que, segundo dados do TEM, 82% dos que os concluíram estão empregados. 2ª FASE DO PNQP – Plano Nacional de Qualificação Profissional O Prominp preparou a 2ª fase do PNQP, com demanda identificada de mais 207.643 profissionais e com orçamento de R$ 508 milhões até 2015. 6° Encontro Nacional do Prominp O Encontro Nacional do Prominp foi realizado nos dias 2, 3 e 4 de dezembro, em Recife (PE), para avaliação crítica das ações desenvolvidas e dos resultados obtidos ao longo de 2009, e para definir novas diretrizes para 2010. Pela ABEMI, participaram: Presidente - Carlos Maurício L. de Paula Barros; Diretores - Antonio E. F. Muller; Cristian Jaty da Silva; Francisco Rocha; Aurélio Escudero; Diretor Executivo do PNQP - Joaquim Passos Maia. Conselheiro - Alberto Jesus Padilla; Consultor - Eduardo Antunes; Foram quatro os temas principais: 1. Formação de mão-de-obra – coordenação ABEMI; 2. Competitividade – coordenação conjunta ABIMAQ para equipamentos, ABEMI para serviços de engenharia e construção; 3. Meio ambiente – coordenação conjunta Ministério do Meio Ambiente e Ministério de Ciência e Tecnologia; 4. Tecnologia – coordenação Ministério de Ciência e Tecnologia. Dois temas foram essenciais para a ABEMI: mão-de-obra e competitividade. A ABEMI preparou documento com os pontos que defende sobre competitividade; apresentou sugestões de alterações na legislação trabalhista visando melhoria na competitividade do setor; e coordenou a temática referente à qualificação profissional. As proposições aprovadas pelo plenário de mais de 60 pessoas da área educacional incluíram a extensão do PNQP aos setores de bens de capital e fabricantes de equipamentos; a Formação de Formadores para o programa de docentes; e novas rotas de inclusão através de programas específicos (trainees etc.). O coordenador da COPPE UFRJ Pós-graduação pediu a palavra em plenário para depoimento sobre o andamento do PNQP, considerado por ele o maior programa do gênero já desenvolvido no país e um motivo de orgulho da Coppe/ UFRJ pela participação. • Campo Peregrino A Statoil Hydro convidou as associadas da ONIP par a f al ar da demanda prevista para as plataformas fixas no campo Peregrino. • Trabalho sobre Conteúdo Local A ABEMI está participando financeiramente da contratação da Booz & Co. pela ONIP, para realizar um trabalho sobre competitividade da cadeia produtiva de óleo e gás no Brasil, verificar necessidades, avaliar lacunas de competitividade, lacunas da indústria, desenvolvimento de empresas pequenas e médias, relações com o setor público, estrutura do país, identificar e comparar com referências internacionais e propor recomendações para o desenvolvimento da cadeia produtiva. 2ONIP ORGANIZAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO A ONIP realizou encontro com as entidades tendo como objetivo levantar contribuições e comentários do mercado fornecedor em relação aos documentos técnicos e contratuais para a licitação da Petrobras para construção dos 8 cascos de FPSOs, a serem instalados no cluster de Tupi com a participação expressiva das empresas da ABEMI.
  20. 20. 36 37 3CESPEG COMISSÃO ESPECIAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL/SP A Comissão Especial de Petróleo e Gás Natural – CESPEG, da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo, coordenada por Roberto Santos, foi criada para defender o interesse das empresas dos vários setores industriais e de serviços de São Paulo no pré-sal. Os trabalhos da Comissão foram iniciados em 2008, tendo sido instituídos 6 GT’s, entre os quais a ABEMI participou de três: GT 2 - Mão de Obra• - com Joaquim Passos Maia, diretor executivo do PNQP ; GT 4 - Infraestrutura, Escoamento e Logística• - com Gerson Ricardi, diretor de sistemas de gestão; GT 6 - Construção Naval, Estaleiro• - com o diretor Marcelo F. C. Corrêa. Os trabalhos foram concluídos em 2009 e o Relatório Final deverá sair no primeiro trimestre de 2010. 5CENTRO DE EXCELÊNCIA CE–EPC O Centro de Excelência em EPC, que tem como vice-presidente Antônio Müller e dois diretores - José Octávio Alvarenga e Gerson Ricardi da ABEMI, pelos EPCistas possui no seu quadro de 72 associadas, 34 da ABEMI. O CE-EPC realizou a divulgação da Carteira de Projetos aprovados, um dos quais foi coordenado por Eduardo Antunes (ABEMI) no Prominp. A mesa redonda “Projetos de Investimento em O&G no Brasil”, realizada dia 2 de outubro, no Rio de Janeiro, teve como participantes, entre outros: Diretor Presidente - Carlos Maurício Lima de Paula Barros; Conselheiro Vitalício - Ricardo Pessôa; Gerente Executivo de Engenharia da Petrobras - Pedro José Barusco; E ainda: representantes da Shell e da Statoil, que realizaram apresentações sobre investimentos locais. 4ABIMAQ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Em busca de uma forma de unir ABEMI e ABIMAQ em defesa da indústria como um todo, o presidente da ABEMI e o diretor geral da ONIP participaram de um almoço na ABIMAQ, entidade que tem ações políticas junto a governo, congresso nacional e órgãos financiadores. Combinaram de criar um grupo de competitividade e reuniões conjuntas para identificar pontos comuns. 6SINDUSCON – MG Em encontro do presidente Carlos Maurício Lima de Paula Barros e do diretor Gabriel Aidar Abouchar com Luiz Fernando Pires, do Sinduscon/ MG e da Mascarenhas Barbosa, e João Bosco Varela Cançado, da MIP, houve o interesse recíproco de estreitar relações do Sinduscon/MG com a ABEMI. Luiz Fernando Pires estava assumindo a presidência do Sinduscon de MG, que tem 320 empresas filiadas, e formulou convite para apresentar a ABEMI em Belo Horizonte e, depois, junto ao presidente da CBIC, Paulo Simão, fazer uma apresentação em Brasília.
  21. 21. 38 39 1Conteúdo local A convite do Secretário de Petróleo e Gás do MME, José Andrade Lima Neto, a ABEMI preparou documento com suas propostas sobre Conteúdo Local nos Contratos de Concessão para Exploração, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e/ou Gás Natural nas Rodadas de Licitações de Blocos Exploratórios para Petróleo e Gás. Em função disso, foi criado um GT com os participantes: Diretor Presidente – Carlos Maurício Lima de Paula Barros; Conselheiro Vitalício – Ricardo Ribeiro Pessôa; Diretores – Antonio E.F. Müller; Francisco Rocha; Cristian Jaty da Silva; Marcelo Corrêa; Diretor Executivo do PNQP – Joaquim Passos Maia; Representantes de Schahin, Queiroz Galvão, e Andrade Gutierrez. OUTRAS AÇÕES 2CPI Petrobras Diante da CPI da Petrobras, criada no Congresso Nacional, os diretores e conselheiros aprovaram por unanimidade, que a ABEMI manifestasse sua apreensão com a CPI, pleiteando cautela e prudência dos parlamentares, pois poderia paralisar ou diminuir o ritmo dos investimentos planejados pela Petrobras, gerando consequências indesejáveis não só ao setor de engenharia como à economia como um todo e à estratégia de desenvolvimento nacional. O presidente publicou uma matéria no jornal O Globo sobre o assunto.
  22. 22. 40 41 IBQN INSTITUTO BRASILEIRO DA QUALIDADE NUCLEAR O presidente Carlos Maurício L. de Paula Barros representa a ABEMI no Conselho de Administração do IBQN. Assumiu a sua presidência em maio de 2006 tendo cumprido mandato até maio de 2009, período em que o IBQN dobrou seu faturamento. Carlos Maurício permanece no conselho, tendo como suplente o diretor Valdir Lima Carreiro. REPRESENTAÇÕES GT Petrobras/Engenharia – ABEMI - ABCE GT VALE - ABEMI SGT Engenharia/Projeto GT Reajustes de Preços SGT Diretriz Contratual de Qualidade SGT EAP/Fluxo de Caixa Comissões Permanentes: RH, Cesmt e Jurídico GT Petrobras/E&P SGT Jurídico GT Produtividade em Tubulação SGT Padronização de Procedimentos SGT Master Vendor List SGT Redução de Custos e Prazos Guilherme Pires de Mello Gabriel Aidar Abouchar José Octávio Alvarenga Guilherme Pires de Mello Francisco Rocha / Eduardo Antunes Márcio Alberto Cancellara Francisco Rocha Luiz Alfredo Sapucaia Marcelo Corrêa Jésus Ferreira de Oliveira/Carlos Alberto Cavalcanti Francisco Rocha Luiz Alfredo Sapucaia Gerson Ricardi/José Octávio Alvarenga Responsáveis por acompanhar GTS e Comissões: IBRAM-IBS Siderurgia e Mineração – Gabriel Aidar Abouchar Responsáveis pelos contatos com as entidades: ABIMAQ Fiemg ABRAMAN Sinaenco-ABCE UPADI ABDIB Bracelpa ABIQUIM Fiesp Parlamentares e governo Sinduscon-Apeop-CBIC Fabricação – Cristian Jaty Silva Manutenção – Valdir Lima Carreiro Infraestrutura – Carlos Maurício Lima de Paula Barros Química e Petroquímica – José Octavio de Alvarenga Francisco Rocha Engenharia – Roberto Kochen João Antonio Del Nero Papel e Celulose – Oscar Simonsen Márcio Alberto Cancellara Márcio Cancellara Construção Civil – Edenir Arthur Veiga
  23. 23. 42 43 1Eventos 45 anos da ABEMI Realizado no Rosa Rosarum, em São Paulo, o evento social de comemoração dos 45 anos de fundação da ABEMI foi bastante concorrido, com a participação de 310 pessoas, entre representantes das empresas associadas com suas esposas e convidados de entidades de classe e de clientes do setor. O Diretor de Serviços da Petrobras, Renato de Souza Duque, usou da palavra para cumprimentar a Diretoria da ABEMI e suas associadas pela trajetória de sucesso. A revista O Empreiteiro publicou um suplemento especial sobre os 45 anos da ABEMI. Ainda dentro das comemorações, foi preparado um suplemento especial encartado na revista O Empreiteiro, sobre os 45 anos da ABEMI. Carlos Maurício Lima de Paula Barros Maria Lúcia e Ricardo Pessôa, Ana Maria e Carlos Maurício de Paula Barros, Maria de Lourdes e Renato Abreu. Renato Abreu, Renato de Souza Duque, Augusto Costa, Pedro e Luciana Barusco e Maria Lúcia Pessôa. Tomada Geral – Coquetel Entrada Renato de Souza Duque ASSUNTOS INTERNOS 500 Grandes da Construção Na cerimônia da revista O Empreiteiro, realizada no dia 11 de agosto, foram premiadas as empresas de engenharia, classificadas por grupos de atuação. Entre os dados divulgados, chamou atenção o fato de 46 empresas terem crescido 47% no faturamento em 2008, melhor resultado dos últimos 20 anos. As empresas associadas premiadas foram: Carioca- Christiani Nielsen, CNO, EIT, Engevix, Galvão MIP, MPE, Niplan Skanska e UTC. “ ““ “Estamos fortes e bem preparados para novos e grandes desafios.” Nós acreditamos na competitividade da indústria nacional e vamos mudar a história deste país.”
  24. 24. 44 45 3Assembléia Geral Ordinária 31/03/09 Nova OHSAS 18001;• M e t o d o l o g i a d e I n s p e ç ã o S T O P –• Comportamento na Gestão de SMS; A importância dos Exames Médicos para• as Áreas Saúde e Segurança e a Norma nº 2691; Emergência Médica em Refinarias – Controle;• ISO de Ergonomia & NBR’s;• Gestão de SMS em Obras de Gasodutos;• Gerenciamento de Projetos Modelo PMI x• Meio Ambiente – Segurança; Sustentabilidade com Foco Empresarial;• AQUA – Construção Sustentável.• A A s s e m b l é i a G e r a l O r d i n á r i a , realizada no dia 31 de março, teve a presença de 32 representantes de empresas associadas. Carlos Maurício Lima de Paula Barros presidiu os trabalhos, tendo como secretário o diretor executivo Aurélio Escudero. Completaram a mesa o vice-presidente Márcio A. Cancellara, e o Conselheiro Vitalício Manuel Antonio Lopes. 4Espaço das Empresas Associadas Ao final das reuniões de Diretoria e Conselho de Administração, foi aberto um espaço para apresentação institucional das empresas associadas. Trata-se de um espaço utilizado em 2008 pelas empresas Ebse, Jaraguá, Niplan, Enfil e Promon e, em 2009, por Galvão e Construtekma. 5Palestras Crise: Riscos e Oportunidades para a Consultoria de Engenharia Ricardo Ribeiro Pessôa Conselheiro Vitalício. Proferiu a palestra no dia 20 de maio, durante Seminário Internacional, em São Paulo. Green Construction Deodato M. Santos Coordenador da Comissão de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente – CESMT/ABEMI. Apresentou à diretoria da ABEMI a Green Construction, que se sustenta no tripé: sustentabilidade, meio ambiente e responsabilidade civil. O presidente Carlos Maurício esclareceu que a Assembléia Geral Ordinária referia- se ao período de 1º de janeiro a 31 de dezembro, mas teria dados até 25 de março de 2009. O presidente fez um resumo das principais atividades a partir do quadro social, que passou dos 100 associados em 2008 para 114 em março de 2009. O faturamento dessas empresas atingiu R$ 13 bilhões em 2007, e com projeções de crescimento de 50% em 2008 (R$ 19 bilhões). Em 2008, o setor empregava 190 mil pessoas. O vice-presidente Márcio Cancellara apresentou o orçamento para o exercício de 2009. Os associados aprovaram por unanimidade o Relatório e Contas da Diretoria do exercício de 2008 e o Orçamento para o Exercício de 2009. Aurélio Escudero, diretor executivo/ Carlos Maurício Lima de Paula Barros, diretor presidente/ Marcio A. Cancellara, vice-presidente/ Manuel Antonio Lopes, conselheiro vitalício Cristiano Kok/Aurélio Escudero/ Carlos Maurício Lima de Paula Barros/ Marcio A. Cancellara/Manuel A. Lopes Seminário ABEMI de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente e Responsabilidade Social A Comissão de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente -CESMT/ ABEMI promoveu o Seminário ABEMI no dia 31 de agosto, no auditório da Associação. O evento contou com a participação de cerca de 110 pessoas. Clientes e associados proferiram palestras sobre os temas: Deodato M. Santos, coordenador da Comissão de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente-CESMT 2Workshops de gestão A ABEMI realizou dois workshops de gestão em 2009, nos quais foram apresentados os balanços das diretorias e o planejamento das metas para o próximo ano. O primeiro foi em maio, no Hotel Hollyday Inn, do Parque Anhembi, em São Paulo, e teve a participação de mais de 70 pessoas, entre conselheiros, diretores e representantes de associadas. O consultor Jorge Hori apresentou sua visão da crise; e Mauricio de Oliveira Guedes, Gerente Geral de Serviços e Logística da Engenharia da Petrobras, falou sobre Redução de Custos. O evento teve ainda a reavaliação dos planos de trabalho e das ações das diretorias. Constatou-se que GTs, SGTs e Comissões, dos quais participaram representantes das associadas, produziram diversos trabalhos e estudos, beneficiando as empresas e a ABEMI. O segundo workshop foi realizado em 13 de novembro, no Hotel Golden Tulip Park Plaza. Diretores dos segmentos econômicos e dos serviços de engenharia apresentaram seus Planos de Ação (PAs) e os resumos das realizações de 2009, mostrando o quanto foi feito por Diretorias, Comissões, GTs e SGTs. Ganhou destaque a volta da Vale para junto da ABEMI; e identificaram-se temas que permanecerão na agenda de discussões, incluindo o da sustentabilidade, a ser conduzido por André Glogowsky, autor da proposta.
  25. 25. 46 47 DADOS ESTATÍSTICOS RECEITA OPERACIONAL BRUTA 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Construção civil 0 2 4 6 8 10 12 16 18 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Fabricação 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 Receita Operacional Bruta mUS$Bilhões Montagem 1.5 2 2.5 3 3.5 4 4.5 5 2,13 2,22 4,64 5,82 9,38 9,33 16,79 10,43 7,63 3,19 4,54 4,60 5,66 6,61 8,38 6,57 6,25 7,71 5,91 6,95 0 0 0 0 0,40 0,37 0,26 0,11 0,27 0,35 0,26 0,08 0,19 0,29 0,32 0,29 0,42 0,52 0,55 0,58 0,82 0,95 0,98 0,84 0,86 0,91 1,53 1,60 1,46 2,87 4,01 2,37 2,74 2,88 3,60 4,41 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Construção civil 0 2 4 6 8 10 12 16 18 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Fabricação 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Montagem 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 4.5 5 2,13 2,22 4,64 5,82 9,38 9,33 16,79 10,43 7,63 3,19 4,54 4,60 5,66 6,61 8,38 6,57 6,25 7,71 5,91 6,95 0 0 0 0 0,40 0,37 0,26 0,11 0,27 0,35 0,26 0,08 0,19 0,29 0,32 0,29 0,42 0,52 0,55 0,58 0,36 0,36 0,82 0,95 0,98 0,64 0,84 0,86 0,64 0,91 1,53 1,60 1,46 2,87 4,01 2,37 2,74 2,88 3,60 4,41 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 ANO EmUS$Bilhões Construção civil 0 2 4 6 8 10 12 16 18 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Fabricação 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Montagem 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 4.5 5 2,13 2,22 4,64 5,82 9,38 9,33 16,79 10,43 7,63 3,19 4,54 4,60 5,66 6,61 8,38 6,57 6,25 7,71 5,91 6,95 0 0 0 0 0,40 0,37 0,26 0,11 0,27 0,35 0,26 0,08 0,19 0,29 0,32 0,29 0,42 0,52 0,55 0,58 0,36 0,36 0,82 0,95 0,98 0,64 0,84 0,86 0,64 0,91 1,53 1,60 1,46 2,87 4,01 2,37 2,74 2,88 3,60 4,41 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Consolidado da ABEMI Receita Operacional Bruta Bilhões Engenharia 1 1.2 1.4 1.6 2,59 2,75 5,93 7,29 11,36 10,68 18,33 11,67 8,79 4,69 6,59 6,53 7,51 10,12 13,37 9,76 10,06 11,89 11,28 13,29 1,22 1,34 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Consolidado da ABEMI1972 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Receita Operacional Bruta ANO EmUS$Bilhões Engenharia 0 0.2 0.4 0.6 0.8 1 1.2 1.4 1.6 2,59 2,75 5,93 7,29 11,36 10,68 18,33 11,67 8,79 4,69 6,59 6,53 7,51 10,12 13,37 9,76 10,06 11,89 11,28 13,29 0,09 0,18 0,47 0,52 0,60 0,35 0,44 0,25 0,24 0,26 0,25 0,21 0,34 0,66 0,52 0,78 1,22 1,34 0,27 0,65
  26. 26. 48 49 DADOS ESTATÍSTICOS NÍVEL DE EMPREGO
  27. 27. 50 51 PRINCIPAIS ATIVIDADES DAS ASSOCIADAS ISOTEC ABB LUMMUS AEM AIBEL ALUSA AP CONSULTORIA AIR CONDITIONING BAREFAME BELLELLI BRASFOND B.S.M. CALORISOL CAMARGO CORRÊA CARIOCA CHRISTIANI NIELSEN CEGELEC CENTROPROJEKT CH2M HILL CMI CNEC CONDUTO CONSTRAN CONSTRUBASE CONSTRUCAP CONST. ANDRADE GUTIERREZ CONST. NORB. ODEBRECHT CONSTRUTORA OAS CONST. QUEIROZ GALVÃO CONTEMAT CONTRERAS DEDINI SERVICE EBE EBSE ECMAN EGESA EIT ELETRODATA ENCONSULT ENESA ENFIL ENGECAMPO ENGEVIX ESTALEIRO ATLANTICO SUL EUROBRAS FAST FIDENS FIGUEIREDO FERRAZ FLUXO GALVÃO ENGª GDK GEMON GENPRO GEOCOMPANY GEOFIX GLOBAL HEATING COOLING HOCHTIEF HYUNDAI IESA IMC SASTE INTECH IOAL IRGA Projeto INDL. Montagem INDL. Serv. obras especiais Fabricação Outros concep.básica estudodeviabilidade projetobásico projetoexecutivo consultoria geofísica controledequalidade inspeçãodecampo levantamentostopográficos dutos/adutoras linhas/subestações outros manutençãoindustrial estruturasmetálicas vasos/tanques outrosequip./transportes contratosE.P.C. produçãopetróleo/gás redesdeágua/esgotos suprimentos/compras construçãocivilindustrial construçãocivilpesada gerenciamento instrumentação isolamentoerefratário revestimentoepintura testes/pré-operações mecânica elétrica diversas ATIVIDADES ASSOCIADAS concep.básica estudodeviabilidade projetobásico projetoexecutivo consultoria suprimentos/compras construçãocivilindustrial construçãocivilpesada gerenciamento mecânica elétrica instrumentação isolamentoerefratário revestimentoepintura diversas testes/pré-operações geofísica controledequalidade inspeçãodecampo levantamentostopográficos dutos/adutoras linhas/subestações outros manutençãoindustrial estruturasmetálicas vasos/tanques outrosequip./transportes contratosE.P.C. produçãopetróleo/gás redesdeágua/esgotos ATIVIDADES ASSOCIADAS JARAGUÁ JMA JPNOR KTY LIMA NETO MAIRENGINEERING MANA MAUBERTEC MCE MENDES JÚNIOR MERCOTUBOS METASA MILLS MIP MONTCALM MPE MULTITEK NATIVA ENERGIA NETWORKER NIPLAN NM ENG.ANTICORR. OMC ENGª ORTENG PAMPA PARANASA PCP PETROBRAS PIPECONSULT PONTEC POTENCIAL POYRY TECNOLOGIA PRODUMAN PROGEN PROJECTUS PROMON QUALIMAN REMAC ROHR SA SANTA BÁRBARA SANTOS BARBOSA SCHAHIN SEEBLA SERVTEC SETAL SIGMA SKANSKA BRASIL SODECOIN SPÁRTACUS SVM TECHINT TECHNIP TECMA TELSAN TKK TOMÉ ENGª TOYO DO BRASIL UNICONTROL USIMINAS MECÂNICA UTC ENGENHARIA VWS BRASIL WBS ZOPONE WTORRE SIMA Projeto INDL. Montagem INDL. Serv. obras especiais Fabricação Outros PRINCIPAIS ATIVIDADES DAS ASSOCIADAS ISOTEC ABB LUMMUS AEM AIBEL ALUSA AP CONSULTORIA AIR CONDITIONING BAREFAME BELLELLI BRASFOND B.S.M. CALORISOL CAMARGO CORRÊA CARIOCA CHRISTIANI NIELSEN CEGELEC CENTROPROJEKT CH2M HILL CMI CNEC CONDUTO CONSTRAN CONSTRUBASE CONSTRUCAP CONST. ANDRADE GUTIERREZ CONST. NORB. ODEBRECHT CONSTRUTORA OAS CONST. QUEIROZ GALVÃO CONTEMAT CONTRERAS DEDINI SERVICE EBE EBSE ECMAN EGESA EIT ELETRODATA ENCONSULT ENESA ENFIL ENGECAMPO ENGEVIX ESTALEIRO ATLANTICO SUL EUROBRAS FAST FIDENS FIGUEIREDO FERRAZ FLUXO GALVÃO ENGª GDK GEMON GENPRO GEOCOMPANY GEOFIX GLOBAL HEATING COOLING HOCHTIEF HYUNDAI IESA IMC SASTE INTECH IOAL IRGA Projeto INDL. Montagem INDL. Serv. obras especiais Fabricação Outros concep.básica estudodeviabilidade projetobásico projetoexecutivo consultoria geofísica controledequalidade inspeçãodecampo levantamentostopográficos dutos/adutoras linhas/subestações outros manutençãoindustrial estruturasmetálicas vasos/tanques outrosequip./transportes contratosE.P.C. produçãopetróleo/gás redesdeágua/esgotos suprimentos/compras construçãocivilindustrial construçãocivilpesada gerenciamento instrumentação isolamentoerefratário revestimentoepintura testes/pré-operações mecânica elétrica diversas ATIVIDADES ASSOCIADAS concep.básica estudodeviabilidade projetobásico projetoexecutivo consultoria suprimentos/compras construçãocivilindustrial construçãocivilpesada gerenciamento mecânica elétrica instrumentação isolamentoerefratário revestimentoepintura diversas testes/pré-operações geofísica controledequalidade inspeçãodecampo levantamentostopográficos dutos/adutoras linhas/subestações outros manutençãoindustrial estruturasmetálicas vasos/tanques outrosequip./transportes contratosE.P.C. produçãopetróleo/gás redesdeágua/esgotos ATIVIDADES ASSOCIADAS JARAGUÁ JMA JPNOR KTY LIMA NETO MAIRENGINEERING MANA MAUBERTEC MCE MENDES JÚNIOR MERCOTUBOS METASA MILLS MIP MONTCALM MPE MULTITEK NATIVA ENERGIA NETWORKER NIPLAN NM ENG.ANTICORR. OMC ENGª ORTENG PAMPA PARANASA PCP PETROBRAS PIPECONSULT PONTEC POTENCIAL POYRY TECNOLOGIA PRODUMAN PROGEN PROJECTUS PROMON QUALIMAN REMAC ROHR SA SANTA BÁRBARA SANTOS BARBOSA SCHAHIN SEEBLA SERVTEC SETAL SIGMA SKANSKA BRASIL SODECOIN SPÁRTACUS SVM TECHINT TECHNIP TECMA TELSAN TKK TOMÉ ENGª TOYO DO BRASIL UNICONTROL USIMINAS MECÂNICA UTC ENGENHARIA VWS BRASIL WBS ZOPONE WTORRE SIMA Projeto INDL. Montagem INDL. Serv. obras especiais Fabricação Outros
  28. 28. 52 53 QUADRO SOCIAL Novas Associadas Com as propostas de filiação de empresas aprovados abaixo, o quadro social da ABEMI é composto por 126 associadas. AIR CONDITIONING TOTAL SERVICE LTDA. AP CONSULTORIA E PROJETOS LTDA. CARIOCA CHRISTIANI NIELSEN ENGENHARIA S.A. CONSTRUTECKMA ENGENHARIA LTDA. EGESA ENGENHARIA S.A. ENGECAMPO ENGENHARIA LTDA. FLUXO SOLUÇÕES INTEGRADAS LTDA. GLOBAL PARTICIPAÇÕES EM ENERGIA LTDA. IOAL ENGENHARIA LTDA. MILLS ESTRUTURAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA S.A. NETWORKER TELECOM IND. COM. E REPRESENTAÇÃO LTDA. ORTENG SPE PROJETOS E MONTAGENS LTDA. PAMPA MONTAGENS E MANUTENÇÃO LTDA. REMAC ENGENHEIROS E CONSULTORES LTDA. SERVTEC INSTALAÇÕES E MANUTENÇÃO LTDA. SIGMA ENGENHARIA S/S LTDA. SIMA ENGENHARIA LTDA. VWS BRASIL LTDA. RELAÇÃO DAS EMPRESAS ASSOCIADAS EM 2009 1. ABB LUMMUS GLOBAL LTDA. 2. AEM SERVIÇOS DE ENGENHARIA S/C LTDA. 3. AIBEL ÓLEO E GÁS LTDA. 4. AIR CONDITIONING TOTAL SERVICE LTDA. 5. ALUSA ENGENHARIA LTDA. 6. AP CONSULTORIA E PROJETOS LTDA. 7. BAREFAME INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS LTDA. 8. BELLELLI & ZUBARAN PLANEJ. E CONTROLE LTDA. 9. BRASFOND FUNDAÇÕES ESPECIAIS S.A. 10. BSM ENGENHARIA S.A. 11. CALORISOL ENGENHARIA LTDA. 12. CARIOCA CHRISTIANI-NIELSEN ENGENHARIA S.A. 13. CEGELEC LTDA. 14. CENTROPROJEKT DO BRASIL S.A. 15. CH2M HILL DO BRASIL ENGENHARIA LTDA. 16. CMI CONSTRUÇÕES LTDA. 17. CNEC PROJETOS DE ENGENHARIA S.A. 18. CONDUTO CIA. NACIONAL DE DUTOS 19. CONSTRAN S.A. CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO 20. CONSTRUBASE ENGENHARIA LTDA. 21. CONSTRUCAP CCPS ENGª E COMÉRCIO S.A. 22. CONSTRUÇÕES E COM. CAMARGO CORRÊA S.A. 23. CONSTRUTECKMA ENGENHARIA LTDA. 24. CONSTRUTORA ANDRADE GUTIERREZ S.A. 25. CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S.A.- CNO 26. CONSTRUTORA OAS LTD. 27. CONSTRUTORA QUEIROZ GALVÃO S.A. 28. CONTEMAT ENGENHARIA E GEOTECNIA S.A. 29. CONTRERAS ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. 30. DEDINI SERVICE PROJETOS, CONSTRUÇÕES E MONTAGENS LTDA. 31. EBSE - ENGENHARIA DE SOLUÇÕES 32. ECMAN ENGENHARIA S.A. 33. EGESA ENGENHARIA S.A. 34. EIT EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S.A. 35. ELETRODATA CONST. E MONTAGENS INDUSTRIAIS LTDA. 36. EMPRESA BRASILEIRA DE ENGENHARIA S.A. - EBE 37. ENCONSULT ENGENHARIA E CONSULTORIA LTDA. 38. ENESA ENGENHARIA S.A. 39. ENFIL S.A. CONTROLE AMBIENTAL 40. ENGECAMPO ENGENHARIA LTDA. 41. ENGEVIX ENGENHARIA S.A. 42. ESTALEIRO ATLÂNTICO SUL S.A. 43. EUROBRAS CONSTR. METÁLICAS MODULADAS LTDA. 44. FAST ENGENHARIA E MONTAGENS S.A. 45. FIDENS ENGENHARIA S.A. 46. FIGUEIREDO FERRAZ CONSULT. E ENG. DE PROJETO LTDA. 47. FLUXO SOLUÇÕES INTEGRADAS LTDA. 48. GALVÃO ENGENHARIA S.A. 49. GDK S.A. 50. GEMON GERAL DE ENGENHARIA E MONTAGENS S.A. 51. GENPRO ENGENHARIA LTDA. 52. GEOCOMPANY-TECNOLOGIA, ENG. & MEIO AMBIENTE LTDA. 53. GEOFIX ENG. FUNDAÇÕES E ESTAQUEAMENTO S/C LTDA. 54. GLOBAL PARTICIPAÇÕES EM ENERGIA S.A. 55. HEATING & COOLING TECNOLOGIA TÉRMICA LTDA. 56. HOCHTIEF DO BRASIL S.A. 57. HYUNDAI CONSTRUCTION DO BRASIL LTDA. 58. IESA ÓLEO E GÁS S.A. 59. IMC SASTE CONSTR., SERVIÇOS E COMÉRCIO LTDA. 60. INTECH ENGENHARIA LTDA. 61. IOAL ENGENHARIA LTDA. 62. IRGA LUPERCIO TORRES S.A. 63. ISOTEC ENGENHARIA LTDA. 64. JARAGUÁ EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS LTDA. 65. JMA ASS. COML. MARKETING E REPRESENTAÇÕES LTDA. 66. JPNOR ENGENHARIA LTDA. 67. KTY ENGENHARIA LTDA. 68. LIMA NETO ENGENHARIA E REPRESENTAÇÃO LTDA. 69. MANA ENGENHARIA E CONSULTORIA S.A. 70. MAUBERTEC ENGENHARIA E PROJETOS LTDA. 71. MCE ENGENHARIA LTDA. 72. MENDES JÚNIOR TRADING E ENGENHARIA S.A. 73. MERCOTUBOS INDÚSTRIA DE EQUIPTOS. E PEÇAS LTDA. 74. METASA S.A INDÚSTRIA METALÚRGICA 75. MILLS ESTRUTURAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA S.A. 76. MIP ENGENHARIA S.A. 77. MONTCALM MONTAGENS INDUSTRIAIS S.A. 78. MPE MONTAGENS E PROJETOS ESPECIAIS S.A. 79. MULTITEK ENGENHARIA LTDA. 80. NATIVA ENERGIA S.A. 81. NETWORKER TELECOM INDÚSTRIA, COMÉRCIO E REPRESENTAÇÃO LTDA. 82. NIPLAN ENGENHARIA LTDA. 83. NM ENGENHARIA E ANTICORROSÃO LTDA. 84. OMC ENGENHARIA E REPRESENTAÇÕES LTDA. 85. ORTENG SPE PROJETOS E MONTAGENS LTDA. 86. PAMPA MONTAGENS E MANUTENÇÃO LTDA. 87. PARANASA ENGENHARIA E COMÉRCIO S.A. 88. PCP ENGENHARIA E MONTAGENS INDUSTRIAIS LTDA. 89. PETROBRAS - PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. 90. PIPECONSULT ENGENHARIA E REPRESENTAÇÕES LTDA. 91. PLANEJAMENTO E MONTAGENS SVM LTDA. 92. PONTEC ENGENHARIA E COMÉRCIO LTDA. 93. POTENCIAL ENGENHARIA S.A. 94. POYRY TECNOLOGIA LTDA. 95. PRODUMAN ENGENHARIA MANUTENÇÃO E MONTAGEM LTDA. 96. PROGEN - PROJETOS, GERENCIAMENTO E ENG. LTDA. 97. PROJECTUS CONSULTORIA LTDA. 98. PROMON ENGENHARIA LTDA. 99. QUALIMAN MONTAGENS INDUSTRIAIS LTDA. 100. REMAC ENGENHEIROS E CONSULTORES LTDA. 101. ROHR S.A. ESTRUTURAS TUBULARES 102. SANTA BÁRBARA ENGENHARIA S.A. 103. SANTOS BARBOSA TÉCNICA COM. E SERVIÇOS LTDA. 104. SCHAHIN ENGENHARIA S.A. 105. SEEBLA SERVIÇOS DE ENGª EMÍLIO BAUMGART LTDA. 106. SERVTEC INSTALAÇÕES E MANUTENÇÃO LTDA. 107. SETEC TECNOLOGIA S.A. 108. SIGMA ENGENHARIA S/S LTDA. 109. SIMA ENGENHARIA LTDA. 110. SKANSKA BRASIL LTDA. 111. SODECOIN–SOCIEDADEDEDESENVOLVIMENTODECONCRETOINDUSTRIALIZADO 112. SPÁRTACUS COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA. 113. TECHINT ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO S.A. 114. TECHNIP BRASIL – ENGª, INSTALAÇÕES E APOIO MARÍTIMO S.A. 115. TECNIMONT DO BRASIL CONSTRUÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS LTDA. 116. TELSAN ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA. 117. TKK ENGENHARIA LTDA. 118. TOMÉ ENGENHARIA S.A. 119. TOYO DO BRASIL CONSULTORIA E CONST. INDUSTRIAIS LTDA. 120. UNICONTROL INTERNATIONAL LTDA. 121. USIMINAS MECÂNICA S.A. 122. UTC ENGENHARIA S.A. 123. VWS BRASIL LTDA. 124. WBS GERENCIAMENTO E EMPREENDIMENTOS LTDA. 125. WTORRE ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO S.A. 126. ZOPONE ENGENHARIA E COMÉRCIO LTDA.
  29. 29. 54 55 ADMINISTRAÇÃO Pessoal e Terceiros Funcionários DIRETOR EXECUTIVO Aurélio Escudero SECRETÁRIA Francizanna dos Santos Mesquita CHEFE DE ESCRITÓRIO – RJ Antonio Carlos Martins Bastos ASSISTENTE DE COMUNICAÇÃO Thais Polimeni ASSISTENTE CONTÁBIL Hermes Sala AUXILIAR DE ESCRITÓRIO Reinaldo Oliveira AUXILIAR ADMINISTRATIVA Andrezza Cristina dos Santos Rodrigues Assessorias JURÍDICA Porto Advogados Associados S/C COMUNICAÇÕES JOYMA – Informações e Dados S/C Ltda. – ME TÉCNICA CEA Arquitetura S/C Ltda. PROJETO GRÁFICO Mary Dutra Design REVISÃO Felipe Moura Brasil FOTOS Arquivos ABEMI IMPRESSÃO Stilgraf
  30. 30. 56 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL - ABEMI SÃO PAULO – SEDE: Av. Paulista 2006 - 18º andar, conjuntos 1801/09 Cep: 01310-926 - São Paulo - SP Fone: (11) 3251-0333 Fax: (11) 3251-0761 RIO DE JANEIRO: Av. Rio Branco, 124 - 13º andar, sala 1.302 - Centro Cep: 20040-001 - Rio de Janeiro - RJ Fone: (21) 2224-9163 www.abemi.org.br - abemi@abemi.org.br

×