Curso de Fisioterapia
Diego Oliveira Batista de Sena
ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO ENTORSE DE TORNOZELO POR
EVERSÃO – UM E...
2
Diego Oliveira Batista de Sena
ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO ENTORSE DE TORNOZELO POR
EVERSÃO – UM ESTUDO DE CASO
Monogr...
3
DIEGO OLIVEIRA BATISTA DE SENA
ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO ENTORSE DE TORNOZELO POR
EVERSÃO – UM ESTUDO DE CASO
Monogr...
4
Aos meus pais, ao meu irmão, à
minha avó, minha madrinha e amigos pela
imensa ajuda durante as traduções e que, com
muit...
5
AGRADECIMENTOS
Agradeço ao meu orientador, Professor
Alexandre Nascimento, pela imensa paciência
e, principalmente, pelo...
6
“Os ventos que às vezes tiram algo
que amamos, são os mesmos que trazem algo
que aprendemos a amar. Por isso não
devemos...
7
RESUMO
As fraturas de tornozelo ocorrem devido traumatismo intenso quando ocorrida entorse
de tornozelo. O mecanismo mai...
8
ABSTRACT
The ankle breakings occur due when occured intense trauma entorse of ankle. The
mechanism most common is in inv...
9
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO.........................................................................................................
10
INTRODUÇÃO
O tornozelo é articulação terminal de apoio. Apresenta movimentos em um só
plano de flexão e extensão, com f...
11
Segundo Renström e Lynch (1999), na posição neutra a anatomia óssea da
articulação do tornozelo é responsável pela esta...
12
CAPÍTULO 1 - ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO TORNOZELO
1.1 Estrutura Óssea, Ligamentar, Muscular e Nervosa
Estrutura Óssea
Os...
13
articulação é uma tróclea, o que significa que possui um só grau de liberdade. Ela
condiciona os movimentos da perna co...
14
interóssea e cápsula articular, a estabilidade medial é dada pelos músculos tibial anterior
e posterior, pelo músculo f...
15
⇒⇒⇒⇒ Eversão: movimento no qual se vira a planta do pé para a parte lateral da
perna, os músculos envolvidos são: exten...
16
posição neutra ou levemente supinado, a tíbia move-se anteriormente por
aproximadamente 10º sobre a tróclea do tálus. Q...
17
subtalar com seu eixo age como uma reduzida articulação oblíqua a fim de adaptar o
corpo às irregularidades do solo. Po...
18
A principal função primordial da articulação subtalar é permitir a rotação da
perna no plano transverso durante a fase ...
19
O alto ângulo de inclinação da articulação subtalar (aproximadamente 45 graus
no plano transverso) causa uma redução re...
20
A articulação talocalcaneonavicular considerada triaxial e a calcaneocubóide
biaxial, permitem movimentos da parte ante...
21
Articulação Tibiofibular Inferior
A articulação tibiofibular formada pela extremidade inferior da tíbia e da fíbula é
u...
22
A articulação cúneonavicular (cúneo-escafóide) é a união entre o osso navicular
(ou escafóide) e os três ossos cuneifor...
23
plantar e a continuação do eixo longo do pé. Estas articulações são mantidas pelos
ligamentos dorsais mediais e laterai...
24
⇒⇒⇒⇒ Extensão dos dedos: extensor longo dos dedos; extensor longo do hálux e
extensor curto dos dedos.
Nas articulações...
25
rara em função de sua resistência e um traumatismo na porção medial da articulação do
tornozelo resulta mais comumente ...
26
o suporte extrínseco é dado pelos músculos da perna e o intrínseco pelos ligamentos e
musculatura do pé.
Músculos Extrí...
27
cargas dinâmicas, entretanto, a contração muscular auxilia a fonte primária de
sustentação do arco, as estruturas osteo...
28
flexores plantares produzem apenas 7% da força de flexão plantar remanescente, desses
o fibular longo e curto são os ma...
29
da articulação subtalar e a rotação interna da tíbia por ocasião do apoio ou do toque do
calcanhar, e a seguir inverte ...
30
Músculos Intrínsecos do Pé
Entre os músculos intrínsecos que se originam e se inserem no próprio pé,
encontram-se os mú...
31
1.1.1 - Considerações Biomecânicas Sobre as Lesões do Tornozelo e do Pé
As lesões da articulação do tornozelo são os tr...
32
vertical enquanto que as lesões do mediopé ocorrem com movimento ou amplitude de
movimento lateral excessiva no pé. As ...
33
A ruptura do ligamento deltóide, quando a planta do pé gira para fora durante a
pronacão, freqüentemente ocasiona este ...
34
AP é realizada com 15 a 20º de rotação interna, conhecida como incidência da pinça
articular (GOURINENI, 1999).
Contudo...
35
articular do tálus deve estar congruente com a da tíbia distal. O espaço livre articular
entre o tálus e o maléolo medi...
36
com a tíbia e a fíbula em todo o movimento de dorsiflexão e flexão plantar. A fíbula
também é um importante estabilizad...
37
as mesmas caracterizações das outras duas, ou seja, fratura da fíbula com lesão do
ligamento deltóide ou fratura do mal...
38
redução possa ser usualmente obtida, pode ser necessária a fixação interna. A ruptura da
articulação tíbiofibular dista...
39
CAPÍTULO 2 – TRATAMENTO CLÍNICO E FISIOTERAPÊUTICO
2.1 - Tratamento Clínico
Pode ser conservador com colocação de gesso...
40
2.1.2 - Principais Recursos Fisioterapêuticos
Em condições normais dos movimentos articulares são limitados pela tensão...
41
reabilitação é sinônimo de paciência, perseverança e responsabilidade (CARVALHO,
1994).
A cinesioterapia compreende téc...
42
separação articular, utilizada para testes de articulação. Grau II (alongamento), este
gradualmente faz com que desapar...
43
estiramento, irradiação, indução sucessiva, reflexo de flexão, estabilização rítmica,
ordens verbais. Indicado em recup...
44
⇒⇒⇒⇒ Mínimo de força muscular para que o paciente desenvolva os exercícios com
segurança (SALGADO, 1990).
A reeducação ...
45
Os cuidados na convalescença das fraturas podem ser divididos em duas fases: a
inicial e a tardia.
Na fase inicial, qua...
46
Os efeitos obtidos são: vasodilatação dos capilares, aumento do fluxo
circulatório, ativação do metabolismo. (XHARDEZ, ...
47
O uso do frio por 20 minutos reduz o metabolismo celular em 19% e ao diminuir
o número de células destruídas pela falta...
48
Os métodos de aplicação dependem da área a ser tratada, bem como o tempo de
aplicação, são eles:
⇒⇒⇒⇒ Toalhas com gelo,...
49
⇒⇒⇒⇒ Historia do paciente (anamnese)
A história relatada pelo paciente deve ser ouvida, dando ênfase à parte que tem
ma...
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao

445 visualizações

Publicada em

Artigo de Entorse de Tornozelo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
445
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Abordagem fisioterapeutica na_entorse_de_tornozelo_por_ eversao

  1. 1. Curso de Fisioterapia Diego Oliveira Batista de Sena ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO ENTORSE DE TORNOZELO POR EVERSÃO – UM ESTUDO DE CASO Rio de Janeiro 2008.1
  2. 2. 2 Diego Oliveira Batista de Sena ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO ENTORSE DE TORNOZELO POR EVERSÃO – UM ESTUDO DE CASO Monografia de Conclusão de Curso apresentada ao Curso de Fisioterapia da Universidade Veiga de Almeida, como requisito para obtenção do título de Fisioterapeuta. Orientador: Profº Alexandre Nascimento. Rio de Janeiro 2008.1
  3. 3. 3 DIEGO OLIVEIRA BATISTA DE SENA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO ENTORSE DE TORNOZELO POR EVERSÃO – UM ESTUDO DE CASO Monografia de Conclusão de Curso apresentada ao Curso de Fisioterapia da Universidade Veiga de Almeida, como requisito para obtenção do título de Fisioterapeuta. Aprovada em: ____/____/2008. BANCA EXAMINADORA Prof. Universidade Veiga de Almeida - Presidente da Banca Examinadora. Prof. Universidade Veiga de Almeida - Membro da Banca Examinadora. Prof. Universidade Veiga de Almeida - Membro da Banca Examinadora.
  4. 4. 4 Aos meus pais, ao meu irmão, à minha avó, minha madrinha e amigos pela imensa ajuda durante as traduções e que, com muito carinho e apoio, não mediram esforços para que eu chegasse até esta etapa de minha vida.
  5. 5. 5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao meu orientador, Professor Alexandre Nascimento, pela imensa paciência e, principalmente, pelos conselhos sempre úteis e precisos com que, sabiamente, conduziu este trabalho.
  6. 6. 6 “Os ventos que às vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar. Por isso não devemos chorar pelo que foi tirado e sim, aprender a amar o que nos foi dado. Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para sempre.” - Bob Marley -
  7. 7. 7 RESUMO As fraturas de tornozelo ocorrem devido traumatismo intenso quando ocorrida entorse de tornozelo. O mecanismo mais comum é em inversão do tornozelo devido a fragilidade ligamentar do compartimento lateral, podendo assim ocorrer fratura de um dos maléolos, de dois maléolos ou dos três maléolos com ou sem lesão ligamentar. Ocorrida a fratura o tratamento requer, de acordo com a sua gravidade, redução através da imobilização por aparelho gessado ou redução aberta com fixação interna por osteossíntese. Sendo assim, seguido o tempo de imobilização que pode ser de 4 a 8 semanas o paciente necessitará de tratamento fisioterapêutico objetivando a restauração de sua funções, bem como as suas funções articulares, musculoesqueléticas e reeducação da marcha com o retorno às sua atividades de vida diárias com sua funcionalidade máxima. Para tanto, o tratamento fisioterapêutico com bases fisiológicas e biomecânicas, é efetuado através da aplicação de agentes térmicos, como o calor e o frio seguido de mobilizações, cinesioterapia ativa, ativa-resistida, propriocepção, reeducação da marcha e suas funcionalidades. Palavras chaves: fratura de tornozelo, fisioterapia, protocolo
  8. 8. 8 ABSTRACT The ankle breakings occur due when occured intense trauma entorse of ankle. The mechanism most common is in inversion of the ankle due the fragility to ligamentar of the lateral compartment, thus being able to occur breaking of one of the maléolos, two maléolos or the three maléolos with or without injury ligamentar. Occured the breaking the treatment requires, in accordance with its gravity, reduction through immobilization for gessado device or reduction opened in internal setting for osteossíntese. Being thus, followed the immobilization time that can be of 4 the 8 weeks the patient it will need fisioterapêutico treatment objectifying the restoration of its functions, as well as its functions to articulate, muscle-esqueletics and re-education of the march with the return to its daily activities of life with its maximum functionality. For in such a way, the fisioterapêutico treatment with physiological and biomechanics bases, is effected through the application of thermal agents, as the heat and the followed cold of mobilizations, active cinesioterapia, active-resisted, propriocepção, re-education of the march and its functionalities. Key words: ankle break, physiotherapy, treatment protocol
  9. 9. 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO..................................................................................................................10 CAPÍTULO 1- ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO TORNOZELO ........................12 1.1 Estrutura Óssea, Ligamentar, Muscular e Nervosa .................................................12 1.1.1 Considerações Biomecânicas Sobres as Lesões do Tornozelo e do Pé.......................31 1.1.2 Lesão do Complexo Ligamentar Medial.....................................................................32 1.2 Lesão da Sindesmose....................................................................................................33 1.2.1 Fraturas do Tornozelo .................................................................................................35 1.2.2 Mecanismo das Lesões em Inversão e em Eversão.....................................................37 CAPÍTULO 2 – TRATAMENTO CLÍNICO E FISIOTERAPÊUTICO .....................39 2.1 Tratamento Clínico ......................................................................................................39 2.1.1 Tratamento Fisioterapêutico........................................................................................39 2.1.2 Principais Recursos Fisioterapêuticos.........................................................................40 2.2 Avaliação Fisioterapêutica ..........................................................................................48 2.2.1 Testes Especiais...........................................................................................................52 2.2.2 Exames Complementares – Exames por Imagem.......................................................53 CAPÍTULO 3 - MATERIAIS E MÉTODOS ..................................................................55 3.1 Materiais Utilizados .....................................................................................................56 3.1.1 Objetivos .....................................................................................................................57 3.1.2 Justificativa..................................................................................................................58 CAPÍTULO - 4 INÍCIO DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO ......................60 4.1 Resultados.......................................................................................................................65 4.1.1 Discussão.....................................................................................................................68 CONCLUSÃO ....................................................................................................................69 ANEXOS............................................................................................................................. 70 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS.............................................................................78
  10. 10. 10 INTRODUÇÃO O tornozelo é articulação terminal de apoio. Apresenta movimentos em um só plano de flexão e extensão, com função bastante complexa, pois, fisiologicamente, está ligada aos movimentos das articulações subtalar e mediotársica. Devido à sua situação e característica, está sujeita a vários traumatismos. O pé e o tornozelo são estruturas anatômicas muito complexas que consistem de 26 ossos irregularmente moldados, 30 articulações sinoviais, mais de 100 ligamentos e 30 músculos agindo no segmento (HAMILL e KNUTZEN, 1999). Sendo 12 dessas articulações indispensáveis para os movimentos funcionais de pé e tornozelo durante as atividades (MALONE et al, 2000). A articulação do tornozelo, ou tíbio-tarsiana, é a articulação distal do membro inferior, sendo uma tróclea, pois possui só um grau de liberdade, pois condiciona os movimentos da perna com relação ao pé no plano sagital. Ela é necessária e indispensável para a marcha. (KAPANDJI, 2000). Segundo Pacheco et al (2000), a entorse de tornozelo é a lesão mais comum do esporte, sendo responsável por aproximadamente 25% das lesões esportivas. Segundo Moore (1997), as entorses dos ligamentos laterais do tornozelo ocorrem em um índice de 1/10000 pessoa/dias, ocorrendo habitualmente lesões de inversão, são vistas mais comumente no voleibol, basquete e futebol. A inversão do pé supinado e plantarmente fletido produz 85% das entorses. Nos esporte de salto como o basquete e o voleibol, a lesão pode ocorrer quando o atleta cai sobre o pé de outro jogador, torcendo os ligamentos laterais. Para Shanudo (2002), os ligamentos laterais do tornozelo são as estruturas mais lesadas no corpo de um atleta, correspondendo de 38% a 45% de todas as lesões sofridas. Um sexto das causas de afastamento do esporte é por entorse no tornozelo. A causa mais comum desta lesão em uma dada região varia com o esporte prevalente naquele local. O tipo mais comum de torção no tornozelo é provocado por uma sobrecarga em inversão e pode resultar em ruptura parcial ou completa do ligamento talofibular anterior (LTFA); o ligamento talofibular posterior é rompido somente com sobrecargas em inversão intensas. Dependendo da gravidade, a cápsula articular pode também ficar comprometida, resultando em sintomas de artrite aguda (traumática) (KISNER e COLBY, 1998).
  11. 11. 11 Segundo Renström e Lynch (1999), na posição neutra a anatomia óssea da articulação do tornozelo é responsável pela estabilidade. Com o incremento da flexão plantar, a contenção óssea é diminuída e os tecidos moles estão mais sujeitos a lesões. As principais estruturas moles estabilizadoras laterais do tornozelo são os ligamentos do complexo ligamentar lateral: o ligamento talofibular anterior (LTFA), o ligamento calcâneo fibular (LCF) e o ligamento talofibular posterior (LTFP). O movimento de flexão plantar e inversão são o principal mecanismo de lesão ligamentar lateral do tornozelo, e essa é a posição de máximo estresse do LTFA, por essa razão ele é comumente lesado durante o traumatismo e inversão. De acordo com Safran (2002), as lesões do ligamento deltóide são mais raras que as lesões laterais (5% a 10%), porque o ligamento é muito mais forte e compacto, ocorrendo lesões mais freqüentemente associadas a fraturas do tornozelo. As lesões dos ligamentos são classificadas segundo O´Donogue (apud SAFRAN, MCKEAG e CAMP, 2002), da seguinte forma: Grau I, pequena laceração sem instabilidade; Grau II, laceração parcial com instabilidade moderada; e Grau III, laceração completa com visível instabilidade.
  12. 12. 12 CAPÍTULO 1 - ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO TORNOZELO 1.1 Estrutura Óssea, Ligamentar, Muscular e Nervosa Estrutura Óssea Os 26 ossos do pé são classificados segundo sua localização e além desses ossos principais, o pé pode apresentar um número variável de ossículos acessórios e sesamóides. ⇒⇒⇒⇒ Posteriores – Tálus e calcâneo, ⇒⇒⇒⇒ Medianos – cubóide, navicular e 3 cuneiformes, ⇒⇒⇒⇒ Anteriores – 5 metatársicos e 14 falanges. De acordo com Mcpoil e Brocato (1993), a porção anterior do pé composta pelos cinco metatarsos e falanges é referida como antepé, os ossos medianos compõem o médio-pé, e a porção posterior composta pelo tálus e calcâneo é designada de retropé. Assim quando se estuda o retropé e o antepé, faz-se referência à posição do calcâneo e tálus em relação à posição das cinco cabeças metatarsianas. Segundo Hall (2000), todas as três articulações estão envolvidas por uma cápsula espessa no lado medial e extremamente fina posteriormente e são mantidas por ligamentos que estabilizam as estruturas e definem com a ajuda dos músculos a manutenção do formato em arco do pé (longitudinal e transverso). A articulação do tornozelo (tibiotalar e talofibular) ou talocrural é a articulação distal do membro inferior. É composta pela superfície articular côncava distal da tíbia, com seu maléolo e o maléolo lateral da fíbula, ambos formando a pinça do tornozelo ou pinça bimaleolar, que se articula com uma superfície convexa, a tróclea do tálus (MULLIGAN, 2000; MCPOIL; BROCATO, 1993). Portanto, a articulação do tornozelo é formada por três faces articulares: a face articular superior do tálus, denominada tróclea, articula-se com a face inferior da tíbia; a face articular lateral do tálus articula-se com a face articular do maléolo fibular; a face articular medial do tálus articula-se com a face articular do maléolo tibial. Esta
  13. 13. 13 articulação é uma tróclea, o que significa que possui um só grau de liberdade. Ela condiciona os movimentos da perna com relação ao pé no plano sagital e é necessária e indispensável à marcha, tanto se esta se desenvolve em terreno plano quanto em terreno acidentado (KAPANDJI, 2000). A articulação é elaborada para a estabilidade mais do que para a mobilidade, sendo que a própria forma do tálus, da pinça bimaleolar e os ligamentos tibiofibulares conferem estabilidade à articulação do tornozelo (HENNING, E.; HENNING, C., 2003). De acordo com Hamill e Knutzen (1999), o tornozelo fica estável quando altas forças são absorvidas pelo membro ao parar e rodar sobre ele, ou em muitos outros movimentos do membro inferior. Contudo se qualquer uma das estruturas de suporte da articulação do tornozelo for lesada, esta pode se tornar uma articulação bastante instável. Trata-se de uma articulação muito “fechada”, muito encaixada, que tem limitações importantes, visto que quando está em apoio monopodal suporta todo o peso do corpo, que pode inclusive estar limitado pela energia cinética quando o pé entra em contato com o chão a certa velocidade durante a marcha, na corrida ou na preparação para o salto (KAPANDJI, 2000). A articulação do tornozelo é crucial na transferência de força do corpo e para o corpo durante a sustentação de peso e outras cargas. As dimensões dessas forças podem ser tão grandes, até 10 vezes o peso corporal durante alguns tipos de corrida, por exemplo, que até mesmo pequenos desalinhamentos estruturais, ou lesões podem ocasionar problemas ortopédicos crônicos e intensos. A transmissão de forças se dá na junção da extremidade distal da tíbia e face superior do tálus; a fíbula desempenha um papel pequeno (MCPOIL; BROCATO, 1993). A tíbia e a fíbula ajustam-se comodamente sobre a tróclea do tálus, osso que possui a parte anterior da superfície superior mais larga que a posterior, resultando em menor amplitude e maior estabilidade durante o movimento de flexão dorsal do tornozelo (HENNING, E.; HENNING, C., 2003). De acordo com Hamill e Knutzen (1999), esta diferença na largura do tálus permite que ocorra algum movimento de adução e abdução do pé. A posição onde o tornozelo fica mais retesado ocorre durante o movimento de dorsiflexão, quando o tálus está encaixado em seu ponto mais largo. Essa estrutura formada pelo encaixe da pinça bimaleolar sobre a face superior do tálus é uma importante fonte de estabilidade para a articulação do tornozelo. Os principais estabilizadores que sustentam a articulação incluem a parte distal da membrana
  14. 14. 14 interóssea e cápsula articular, a estabilidade medial é dada pelos músculos tibial anterior e posterior, pelo músculo flexor longo dos artelhos, pelo músculo flexor longo do hálux e pelo ligamento deltóide; a estabilidade lateral é garantida pelos músculos fibulares longo e curto, ligamento talofibular e calcaneofibular (MULLIGAN, 2000). O maléolo lateral projeta-se mais para baixo que o maléolo medial, protegendo assim os ligamentos mediais do tornozelo, agindo como um baluarte contra qualquer desvio lateral. Porém, por ser mais baixo, o maléolo lateral é mais susceptível a fraturas durante uma entorse com inversão do tornozelo lateral (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Em virtude dos estabilizadores e de sua arquitetura óssea a articulação do tornozelo é classificada como uma articulação sinovial em dobradiça, permitindo apenas movimentos uniaxiais. Os movimentos envolvidos na articulação do tornozelo são: • Flexão Plantar: movimento pelo qual a planta do pé é voltada para o chão, formando um ângulo agudo entre a tíbia e o dorso do pé, os músculos envolvidos neste movimento são: gastrocnêmio e sóleo, e a amplitude de movimento é de 0-50°, podendo ocorrer variações de 10º; • Flexão Dorsal: movimento no qual o dorso do pé é voltado para a cabeça, formando um ângulo obtuso entre a tíbia e o dorso do pé, os músculos envolvidos neste movimento são: tibial anterior e extensor longo dos dedos, e a amplitude de movimento é de 0-20°, podendo ocorrer uma variação de 20º. Segundo Hamill e Knutzen (1999), a amplitude do movimento de dorsiflexão é menor que a de flexão plantar, pois esta fica limitada pelo contato ósseo entre o colo do tálus e a tíbia, bem como pela cápsula, pelos ligamentos e pelos músculos flexores plantares. Fisiologicamente, existe uma torção externa da tíbia, de modo que o encaixe do tornozelo se depara com aproximadamente 15º para fora. Por isso na dorsiflexão, o pé se movimenta para cima e levemente para o lado, com a flexão plantar, o pé move-se para baixo e medialmente. A dorsiflexão é a posição estável e tencionada da articulação talocrural, e a flexão plantar é a posição frouxa (KISNER; COLBY, 1998). ⇒⇒⇒⇒ Inversão: movimento no qual se vira a planta do pé para a perna, os músculos envolvidos são: tibial anterior e posterior, com assistência dos flexores longo dos dedos e do hálux, a amplitude de movimento é de 0- 45°;
  15. 15. 15 ⇒⇒⇒⇒ Eversão: movimento no qual se vira a planta do pé para a parte lateral da perna, os músculos envolvidos são: extensor longo dos dedos e fibular longo e curto, a amplitude de movimento é de 0-30°. A flexão plantar e a dorsiflexão constituem os movimentos primários da articulação, ocorrem no plano sagital e estão acoplados com adução e abdução, respectivamente (MULLIGAN, 2000). Durante a flexão do tornozelo o maléolo lateral se afasta do medial e simultaneamente ele sobe ligeiramente enquanto as fibras dos ligamentos tibiofibulares e da membrana interóssea têm a tendência de tornar-se horizontais, quando então ele gira sobre si mesmo no sentido da rotação interna. Durante a extensão do tornozelo ocorre ao contrário, o maléolo medial se aproxima do lateral, devido a contração ativa do tibial posterior, cujas fibras se inserem nos dois ossos, fechando assim a pinça bimaleolar; simultaneamente o maléolo lateral desce, ocorrendo a verticalização das fibras ligamentares, com uma ligeira rotação externa do maléolo lateral (KAPANDJI, 2000). Durante a flexão do tornozelo a articulação tibiofibular superior recebe o contra golpe dos movimentos do maléolo lateral, onde a face articular fibular desliza para cima e a interlinha se abre para baixo (separação dos maléolos) e para trás (rotação interna). Durante a dorsiflexão do tornozelo pode-se observar os movimentos inversos, onde a fíbula desce e a pinça bimaleolar se fecha (adução) para dar estabilidade (KAPANDJI, 2000). Biomecanicamente o tornozelo ou articulação talocrural opera como uma dobradiça de um único eixo, voltado obliquamente para o eixo longo da perna entre as porções finais dos maléolos, direcionada em um ângulo de 23 graus com o eixo transverso do platô tibial. É importante ressaltar que o eixo da articulação é variável e depende da posição das superfícies articulares (HURWITZ; ERNST; HY, 2001; MCPOIL; BROCATO, 1993). O eixo de movimento da articulação do tornozelo possui essa orientação oblíqua, pois o maléolo lateral fica localizado distal e posteriormente em relação ao maléolo medial (MULLIGAN, 2000). Entretanto biomecanicamente o pé normal necessita de apenas 20º de flexão plantar e 10º de dorsiflexão quando o joelho está estendido e o pé em posição neutra. Enquanto poucas pessoas perdem a necessária flexão plantar, outras perdem os 10º de dorsiflexão necessários para a marcha normal. Durante o ciclo da marcha, imediatamente após a fase de médio apoio com o joelho em extensão e o pé em
  16. 16. 16 posição neutra ou levemente supinado, a tíbia move-se anteriormente por aproximadamente 10º sobre a tróclea do tálus. Quando não é possível esta necessária dorsiflexão, irá ocorrer alguma forma de compensação como a retirada precoce do calcanhar e/ou pronação da articulação subtalar, acarretando uma alteração biomecânica da marcha (MCPOIL; BROCATO, 1993). Na corrida, ocorrem aproximadamente 50 graus de dorsiflexão quando há 50% do apoio do pé e uma rápida flexão plantar de 25 graus durante a retirada dos artelhos, e à medida que se aumenta a velocidade da corrida a quantidade de flexão plantar diminui (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Um pequeno grau de movimento acessório fisiológico acompanha a flexão plantar e a dorsiflexão. Quando se realiza a flexão plantar o corpo do tálus desliza anteriormente, e na dorsiflexão desliza posteriormente, ocorrendo na dorsiflexão estabilidade máxima aos estresses angulares e de torção, devido ao deslizamento posterior do tálus que penetra como uma cunha no encaixe bimaleolar (MULLIGAN, 2000). Articulação Subtalar ou Transtalar A articulação posterior ou subtalar é a articulação entre a faceta anterior, posterior e medial côncava da superfície inferior do tálus, e a faceta posterior convexa da superfície superior do calcâneo, ligados por um ligamento interósseo forte entre a faceta posterior e média (MCPOIL; BROCATO, 1993). Em função de ser o tálus um componente que integra tanto as articulações talocrural quanto subtalar, este é referido como a chave do complexo articular do tornozelo (MCPOIL; BROCATO, 1993). Segundo Hamill e Knutzen (1999), o tálus e o calcâneo são os maiores ossos sustentadores de peso do pé, onde o tálus transmite todo o peso do corpo para o pé, sendo importante ressaltar que nenhum músculo se insere no tálus. De acordo com Hall (2000) existem quatro ligamentos talocalcaneanos que unem o tálus ao calcâneo. A articulação subtalar é sinovial plana do tipo dobradiça, apresentando um único eixo que se desloca 41 a 45 graus a partir do plano transverso e 16 a 23 graus a partir do plano sagital (HURWITZ; ERNST; HY, 2001). Segundo Mcpoil e Brocato (1993), o eixo da articulação subtalar estende-se em uma direção oblíqua da superfície plantar póstero-lateral à superfície dorsal ântero-medial. Funcionalmente, a articulação
  17. 17. 17 subtalar com seu eixo age como uma reduzida articulação oblíqua a fim de adaptar o corpo às irregularidades do solo. Porém apesar de apresentar um único eixo, na articulação subtalar ocorre um movimento triplano, ou seja, movimento que ocorre simultaneamente nos três planos com movimento concomitante sobre um eixo simples. Este movimento triplanar ocorre devido ao eixo que corre pelos três planos (MCPOIL; BROCATO, 1993). Portanto o deslocamento da articulação subtalar provoca o movimento em direção oblíqua em três planos e em duas combinações: pronação, que consiste em uma abdução (no plano transverso), dorsiflexão (no plano sagital) e uma eversão do calcâneo (no plano frontal); e supinação, movimento que consiste em uma adução (plano transverso), flexão plantar (plano sagital) e uma inversão do calcâneo (plano frontal) (HURWITZ; ERNST; HY, 2001; MCPOIL; BROCATO, 1993). Deve ser enfatizado que estes movimentos existem apenas na situação de ausência de descarga de peso (cadeia cinética aberta) com o tálus permanecendo parado na articulação de pinça e o calcâneo movendo-se em relação ao tálus. Por outro lado, durante a descarga de peso na fase da marcha as forças de fricção e reação do solo evitam a adução-abdução e flexão dorsal e plantar de um movimento de cadeia cinética aberta. Portanto a supinação em cadeia cinética fechada consiste em uma inversão do calcâneo com uma abdução e dorsiflexão do tálus; enquanto que a pronação em cadeia cinética fechada combina a eversão do calcâneo com adução e flexão plantar do tálus sobre o calcâneo; observando-se, portanto que o movimento de eversão e inversão do calcâneo não se alteram com ou sem descarga de peso, podendo-se adotar as mesmas medidas de avaliação em ambas as situações (MCPOIL; BROCATO, 1993). Durante a pronação em cadeia fechada, o tálus gira de modo que sua superfície ventral se movimenta medialmente e a superfície dorsal, lateralmente. Esse movimento é geralmente descrito como adução do tálus. O tálus também faz a flexão plantar durante a pronação e ao mesmo tempo, o calcâneo se movimenta para uma posição de valgo. Durante a supinação ocorre ao contrário. Com o movimento em cadeia aberta, o osso que se movimenta é o calcâneo. A mobilidade intra-articular para a eversão subtalar pode ser restaurada pela rotação do calcâneo ventral lateralmente e, ao mesmo tempo, inclinando-se o calcâneo para a posição de varo (EDMOND, 2000). Na caminhada são necessários aproximadamente 4 graus de inversão e 6 a 7 graus de eversão do calcâneo em indivíduos saudáveis (HAMILL; KNUTZEN, 1999).
  18. 18. 18 A principal função primordial da articulação subtalar é permitir a rotação da perna no plano transverso durante a fase de apoio da marcha. A rotação do tálus sobre o calcâneo permite ao pé tornar-se um transmissor direcional e um conversor do torque para a cadeia cinética durante a pronação e a supinação. Estas características permitem ao pé tornar-se um adaptador frouxo ao terreno no apoio médio e uma alavanca rígida para a propulsão (MULLIGAN, 2000). De acordo com Mcpoil e Brocato (1993), esta relação pode ser observada quando uma pessoa que esta em pé realiza uma supinação, constatando-se que a tuberosidade tibial está rodando externamente e há um aumento do arco do pé, observando-se posteriormente uma inversão do calcâneo com rotação externa. De outro modo, se for realizada uma pronação, pode-se observar que a tuberosidade tibial roda internamente e o arco do pé se achata com a eversão do calcâneo. Uma segunda função da articulação subtalar é a absorção de choque, também ocorrendo pela pronação na articulação subtalar que abaixa o membro inferior para permitir a absorção durante o contato do calcâneo. Os movimentos subtalares também permitem que a tíbia rode internamente em um passo mais rápido e mais largo que o fêmur, facilitando o destravamento da articulação do joelho (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Durante o contato do calcanhar, caracteristicamente o pé faz contato com o solo em uma posição levemente supinada (2 a 3 graus) e é então abaixado até o solo em flexão plantar. A articulação subtalar imediatamente se move em pronação, acompanhando a rotação externa da tíbia e do fêmur. O tálus roda medialmente sobre o calcâneo, iniciando a pronação resultante do contato lateral do calcanhar, sobrecarregando assim o lado medial. A pronação continua até que o máximo de amplitude seja atingido com aproximadamente 35 a 45% da fase de apoio. Durante o andar a pronação máxima situa-se na amplitude entre 3 a 10 graus, e na corrida entre 8 e 15 graus, sendo que mais de 19 graus de pronação considera-se como excessivo (HAMILL; KNUTZEN, 1999). No estágio em que o pé está totalmente colocado sobre o solo durante a fase de apoio, a tíbia começa a rodar externamente, e como a parte anterior do pé está ainda fixa no solo, esta rotação externa é transmitida ao tálus. A articulação subtalar deve então começar a supinar em resposta à rotação externa. Devem ocorrer aproximadamente de 3 a 10 graus de supinação até a retirada do calcanhar do solo (HAMILL; KNUTZEN, 1999).
  19. 19. 19 O alto ângulo de inclinação da articulação subtalar (aproximadamente 45 graus no plano transverso) causa uma redução relativa no movimento de inversão e eversão do calcâneo e um maior movimento de rotação tibial, o que resulta nas patologias relacionadas à postura secundarias à uma absorção precária das forças de reação do solo. Inversamente o indivíduo com baixo grau de inclinação (menos de 45 graus) da articulação subtalar demonstra um aumento relativo na mobilidade calcânea resultando em mais problemas de uso excessivo e fadiga relacionados ao pé e secundário à hipermobilidade calcânea (MULLIGAN, 2000). A articulação é estabilizada por cinco ligamentos curtos e potentes os quais devem resistir às forças elevadas e sobrecargas intensas durante a deambulação e a movimentação do membro inferior. Os ligamentos que suportam o tálus impedem a pronação e a supinação excessiva, ou especificamente a abdução, adução, flexão plantar, dorsiflexão, inversão e eversão (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Articulação Mediotársica ou Transtarsal A articulação mediotársica ou ainda tarsal transversa é composta de duas articulações separadas: a talocalcaneonavicular medialmente e a calcaneocubóide lateralmente. A articulação talocalcaneonavicular fica entre a cabeça do tálus e a faceta posterior do osso navicular, bem como as facetas anterior e medial do tálus e calcâneo (MCPOIL; BROCATO, 1993). A articulação talocalcaneonavicular é uma articulação sinovial, do tipo esferóide e auxilia a articulação subtalar nos movimentos de inversão e eversão, apesar de que a cápsula da articulação talocalcaneonavicular é completamente independente da cápsula anterior da verdadeira articulação subtalar (MCPOIL; BROCATO, 1993). A articulação calcaneocubóide é a articulação sinovial entre a faceta anterior do calcâneo e a faceta posterior do osso cubóide. Ela é do tipo plana ou planartrose, e os seus movimentos são de deslizamento (MCPOIL; BROCATO, 1993). Os ossos navicular e cubóide se articulam de tal modo que permitem apenas um leve movimento e portanto, podem ser considerados um único segmento. Vista por cima, a articulação transversa do tarso possui a forma de um “S” (HAMILL; KNUTZEN, 1999).
  20. 20. 20 A articulação talocalcaneonavicular considerada triaxial e a calcaneocubóide biaxial, permitem movimentos da parte anterior do pé com referência à parte posterior. Na articulação transtarsal são permitidos dois tipos de movimento através de dois eixos: um oblíquo e um longitudinal. Enquanto que um movimento sobre um eixo da articulação transtarsal possa ser independente do movimento de outro eixo, a localização de ambos os eixos depende da posição da articulação subtalar, a qual afeta as outras articulações do pé através dos arcos longitudinais deste (MCPOIL; BROCATO, 1993). Assim o predomínio da articulação subtalar sobre a transtarsal é essencial na obtenção da função normal do pé, pois na pronação da articulação subtalar, os eixos da articulação transtarsal tornam-se paralelos e o pé flexível ou hipermóvel, e na supinação da subtalar, os eixos da transtarsal convergem e o pé torna-se rígido e nivelado. Portanto, durante a pronação da articulação subtalar o pé fica móvel para absorver o choque do contato com o solo e também para adaptar-se às superfícies irregulares. Quando os eixos estão paralelos, a parte anterior do pé também pode fletir- se e estender-se livremente em relação à parte posterior do pé. O movimento na articulação mediotársica fica irrestrito a partir do contato do calcâneo até o apoio total do pé sobre o solo durante a deambulação, quando então começa a fletir-se em direção à superfície (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Entretanto durante a supinação da articulação subtalar, a articulação mediotársica fica rígida e mais estável desde o pé plano sobre o solo até a retirada dos artelhos durante o passo na medida em que o pé realiza a supinação, ficando o pé geralmente estabilizado, criando uma alavanca rígida quando há 70% da fase de apoio. Nesse momento há também mais carga sobre a articulação mediotársica, tornando a articulação entre o tálus e o navicular mais estável (HAMILL; KNUTZEN, 1999). O eixo em torno do qual ocorrem a inversão e eversão é orientado com o eixo longitudinal do pé, subindo de posterior para anterior a partir da face plantar do pé a um ângulo de 15º e dirigido medialmente a um ângulo de 9º. O movimento em torno desse eixo permite que o pé se adapte a uma variedade de orientações da superfície durante a locomoção. Um segundo eixo que sobe de modo semelhante ao primeiro, mas a um ângulo de 52º, dirige-se medialmente a um ângulo de 57º. Esse eixo de rotação aumenta a dorsiflexão e flexão plantar (HURWITZ; ERNST; HY, 2001). A articulação mediotársica com o cubóide e o navicular oferece estabilidade aos arcos longitudinal e transversal, importantes para a absorção de choques e distribuição de peso.
  21. 21. 21 Articulação Tibiofibular Inferior A articulação tibiofibular formada pela extremidade inferior da tíbia e da fíbula é uma sindesmose na qual um denso tecido fibroso mantém os ossos juntos. A tíbia e fíbula apresentam igual função no desenvolvimento e estabilização do tornozelo. A superfície articular do maléolo fibular é levemente convexa, encaixando-se perfeitamente na incisura fibular da tíbia e mantendo íntimo contato pela tensão da sindesmose tibiofibular distal (HENNING, E.; HENNING, C., 2003). A articulação tibiofibular proporciona um movimento acessório de forma a permitir maior liberdade de movimento ao tornozelo. A fusão ou hipomobilidade desta articulação pode restringir ou deteriorar a função do tornozelo. Durante a flexão plantar do tornozelo a fíbula desliza inferiormente nas articulações tibiofibulares superior e inferior, enquanto o maléolo lateral roda medialmente para causar uma aproximação dos dois maléolos. Com a dorsiflexão os movimentos acessórios opostos tornam possível uma ligeira separação dos maléolos e acomodam a porção mais larga do talo anterior. O movimento acessório da articulação tibiofibular ocorre também com supinação (inversão calcânea) e pronação (eversão calcânea). A cabeça da fíbula desliza distal e posteriormente com a supinação e proximal e anteriormente durante a pronação (MULLIGAN, 2000). Articulações Intertársicas, Tarsometatársicas, Metatarsofalângeanas e interfalângeanas O movimento do pé distal à articulação transtarsal pertence às articulações intertársicas e tarsometatársicas ou de Lisfranc. Em ambos os casos, o movimento restringe-se a uma dorsiflexão quase desprezível e a 15º de flexão plantar. Os dedos se movem em torno das articulações metatarsofalângianas e interfalângianas (sinoviais em dobradiça) em flexão e extensão. O movimento em torno das articulações metatarsofalângicas inclui a abdução e adução. O hálux tem uma amplitude de flexão de 30º e uma amplitude de extensão de 90º. Os demais dedos têm uma amplitude de flexão um pouco maior, situando-se em torno de 50º (MULLIGAN, 2000). As articulações intertársicas são o conjunto das articulações dos ossos do tarso entre si, formadas pela articulação cúneonavicular, cúneocuboide, cubóideonavicular e as articulações intercuneiformes.
  22. 22. 22 A articulação cúneonavicular (cúneo-escafóide) é a união entre o osso navicular (ou escafóide) e os três ossos cuneiformes. Ela é uma articulação sinovial do tipo plana. A articulação cúneocuboide é a articulação entre o osso cubóide e o terceiro cuneiforme e, a articulação cubóideonavicular entre os ossos cubóide e navicular é uma articulação fibrosa do tipo sindesmose (HALL, 2000). As articulações intercuneiformes consideradas sinoviais e do tipo plana são as articulações entre os ossos cuneiformes. Os ossos destas articulações estão unidos pelos ligamentos dorsal, plantar e interósseo (HALL, 2000). De acordo com Hamill e Knutzen (1999), os movimentos das articulações intertársicas, basicamente são de deslizamento e rotação, auxiliando e complementando os movimentos de inversão e eversão do tornozelo. Nas articulações intercuneiformes, ocorre ainda um pequeno movimento vertical que altera o formato do arco transverso do pé. Os principais ligamentos das articulações intertársicas são: ligamento talocalcâneo lateral; ligamento talocalcâneo medial; ligamento talocalcâneo interósseo; ligamento talonavicular e ligamento bifurcado (HALL, 2000). As articulações que compreendem o antepé são tarsometatársicas; metatarsofalângianas e articulações interfalângianas do pé. As primeiras são articulações planas e não-axiais permitindo apenas um limitado movimento de deslizamento entre os cuneiformes e o primeiro, segundo e terceiro metatarsos, e entre o cubóide e quarto e quinto metatarsos. As segundas são articulações condilóideas e biaxiais, admitindo a flexão e extensão, adução e abdução. E as últimas são articulações uniaxiais em dobradiça, nas quais ocorrem apenas movimentos de flexão e extensão (HALL, 2000; HAMILL; KNUTZEN, 1999). Hamill e Knutzen (1999) conceituam que os movimentos das articulações tarsometatársicas alteram a forma do arco plantar, que aumenta a sua curvatura, quando o primeiro metatarso flexiona e abduz à medida que o quinto metatarso flexiona e aduz. Da mesma forma o arco plantar é retificado quando o primeiro metatarso se estende e aduz e o quinto metatarso se estende e abduz. Os movimentos de flexão e extensão nas articulações tarsometatársicas também cooperam para a inversão e eversão do pé. A maior parte do movimento ocorre entre o primeiro metatarso e o primeiro cuneiforme, e a menor parte entre o segundo metatarso e os cuneiformes. A mobilidade é um fator importante no primeiro metatarso já que este se encontra significativamente envolvido no apoio de peso e propulsão. A mobilidade diminuída no segundo metatarso é também significativa já que este é o pico do arco
  23. 23. 23 plantar e a continuação do eixo longo do pé. Estas articulações são mantidas pelos ligamentos dorsais mediais e laterais (HAMILL; KNUTZEN, 1999). De acordo com Edmond (2000), todas as articulações metatarsofalangeanas e interfalangeanas são convexas proximalmente e côncavas distalmente. As articulações metatarsofalângianas recebem carga durante a fase propulsiva da marcha, após a retirada do calcâneo e o início da flexão plantar e da flexão falângica. Existem dois ossos sesamóides situados sob o primeiro metatarso para diminuir a carga sobre um dos músculos do hálux na fase de propulsão (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Todas estas articulações têm dupla função, em primeiro lugar orientar o pé com relação aos outros eixos (visto que a orientação no plano sagital corresponde a tibiotarsiana) para que o pé possa orientar-se corretamente no chão, seja qual for a posição da perna e a inclinação do terreno. Em segundo lugar, modificam tanto a forma quanto a curvatura da abóbada plantar para que o pé possa adaptar-se as desigualdades do terreno, e desta maneira criar entre o chão e a perna um sistema amortecedor que concede elasticidade e flexibilidade ao passo (KAPANDJI, 2000). Outra função das articulações que compreendem o antepé é manter o arco metatársico transverso, longitudinal medial e manter a flexibilidade no primeiro metatarso. O plano do antepé na cabeça do metatarso, formado pelo segundo, terceiro e quarto metatarsos, deve estar orientado perpendicularmente ao eixo vertical do calcanhar no alinhamento normal do antepé, sendo esta a posição neutra do antepé (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Se o plano do antepé estiver inclinado com o lado medial mais alto, está ocorrendo uma supinação do antepé ou varo. Se o lado medial do antepé estiver abaixo do plano neutro, está ocorrendo uma pronação do antepé ou valgo. E se o primeiro metatarso estiver abaixo do plano das cabeças dos metatarsos, considera-se que há uma flexão plantar no primeiro raio, que está muitas vezes associada com elevação dos arcos do pé (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Os artelhos atuam, portanto, facilitando a transferência de peso para o pé oposto durante a deambulação e ajudam a preservar a estabilidade durante a sustentação do peso, exercendo pressão sobre o solo quando necessário (HALL, 2000). Os músculos que participam dos movimentos das articulações metatarsofalângianas são: ⇒⇒⇒⇒ Flexão dos dedos: flexor curto do hálux; lumbricais e interósseos;
  24. 24. 24 ⇒⇒⇒⇒ Extensão dos dedos: extensor longo dos dedos; extensor longo do hálux e extensor curto dos dedos. Nas articulações interfalangeanas os principais movimentos são: ⇒⇒⇒⇒ Flexão dos dedos: flexor longo dos dedos; flexor longo do hálux; flexor curto do hálux; flexor curto dos dedos e flexor do dedo mínimo; ⇒⇒⇒⇒ Abdução dos dedos: abdutor do hálux; abdutor do dedo mínimo e interósseos dorsais; ⇒⇒⇒⇒ Adução dos dedos: adutor do hálux e interósseos plantares. Estrutura Ligamentar Os ligamentos colateral medial e lateral são os principais estabilizadores passivos do tornozelo e do pé, pois asseguram uma articulação estável e ao mesmo tempo maleável ao solo. Uma estabilidade adicional do tornozelo é fornecida pelos ligamentos, primeiramente pelos ligamentos tibiofibulares ântero-inferior e póstero- inferior, ligamento tibiofibular transverso e o ligamento interósseo crural os quais ajudam a manter a tíbia e a fíbula juntas (HALL, 2000). Na face lateral do tornozelo encontram-se os ligamentos colaterais laterais que formam três estruturas distintas: o ligamento talofibular anterior, o ligamento calcaneofibular e o ligamento talofibular posterior, os quais têm origem no maléolo lateral e inserção nos ossos navicular, tálus e calcâneo. Destes três ligamentos somente o calcaneofibular fornece apoio a ambas as articulações talocrural e subtalar. A média do ângulo entre os ligamentos talofibular anterior e calcaneofibular é de aproximadamente 105º no plano sagital (MCPOIL; BROCATO, 1993). Na face medial do tornozelo o deltóide é o principal ligamento da face medial, o qual tem origem no maléolo medial e inserção nos ossos tálus e calcâneo oferecendo apoio a ambas as articulações talocrural e subtalar. Este ligamento apresenta duas camadas: a camada superficial origina-se na extremidade do maléolo medial e se abre em um leque triangular para se inserir no tálus, enquanto que a camada profunda se origina na subsuperfície do maléolo medial e percorre um caminho horizontal dentro da articulação do tornozelo para a superfície medial do tálus. A ruptura deste ligamento é
  25. 25. 25 rara em função de sua resistência e um traumatismo na porção medial da articulação do tornozelo resulta mais comumente em avulsão maleolar (MCPOIL; BROCATO, 1993). A estrutura sublateral do tornozelo é formada por dois grandes ligamentos que formam a articulação subtalar: o talocalcanear interósseo e o cervical. O primeiro é um ligamento quadrilateral espesso que se origina no sulco calcanear, perto da cápsula da articulação subtalar posterior. As fibras se dirigem medial e superiormente para se inserir no sulco talar. As fibras internas são mais curtas que as externas, com as fibras mediais se tornando retesadas durante a pronação da articulação subtalar. O ligamento cervical é o mais forte dos ligamentos entre o tálus e o calcâneo. A origem do ligamento cervical é a face ântero-medial do seio do tarso, perto da inserção do extensor digitorum brevis. As fibras se dirigem superior e medialmente, para se inserirem na face medial inferior do colo do tálus. O ligamento cervical torna-se retesado durante a supinação da articulação subtalar (MCPOIL; BROCATO, 1993). As estruturas plantares são inúmeras, entretanto três destas estruturas são mais comumente referidas. O ligamento plantar longo origina-se no calcâneo e segue anteriormente para se inserir no osso cubóide, e prossegue anteriormente para também se inserir nas bases do terceiro, quarto e quinto metatarsos e ocasionalmente na base do segundo. O ligamento plantar longo forma um túnel do osso cubóide até as bases dos metatarsos para o tendão do fibular longo, quando este atravessa a superfície plantar do pé para se inserir no primeiro raio. Diretamente abaixo do ligamento plantar longo, repousa o ligamento calcaneocubóide plantar, mais comumente conhecido como ligamento plantar curto. Localizado medialmente em relação ao ligamento plantar longo, observa-se o ligamento calcaneonavicular plantar, mais conhecido como ligamento elástico (MCPOIL; BROCATO, 1993). Estrutura Muscular A parte do membro inferior entre o joelho e a articulação do tornozelo é o local de origem para os músculos que produzem movimento do tornozelo. Dos 23 músculos associados ao tornozelo e pé, 12 são extrínsecos ao pé e 19 intrínsecos. De acordo com Hall (2000), os músculos extrínsecos são aqueles que cruzam o tornozelo, e os músculos intrínsecos possuem ambas as inserções dentro do pé. Portanto
  26. 26. 26 o suporte extrínseco é dado pelos músculos da perna e o intrínseco pelos ligamentos e musculatura do pé. Músculos Extrínsecos do Pé Os músculos extrínsecos são classificados em três grupos: crural anterior, crural posterior e crural lateral. De acordo com Hamill e Knutzen (1999), todos os músculos extrínsecos, exceto o gastrocnêmio, sóleo e plantar atuam nas articulações subtalar e mediotársica. Crural Anterior Os músculos crurais anteriores estão associados ao compartimento anterior que é limitado pela tíbia e septo intermuscular, sendo este grupo formado pelos músculos tibial anterior, extensor longo do hálux e extensor longo dos dedos Este grupamento muscular atua durante a fase de oscilação e as fases de apoio ou toque do calcanhar para o aplanamento do pé durante a marcha (MULLIGAN, 2000). O tibial anterior atua realizando a dorsiflexão do tornozelo principalmente em cadeia cinética aberta, é o músculo do grupo cujo tendão é o mais distante da articulação, dando a ele mais vantagem mecânica, tornando-o o dorsiflexor mais potente (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Na marcha, o tibial anterior basicamente opera concentricamente na fase de oscilação e excentricamente na fase de apoio. Na fase final da elevação dos artelhos, começa a contrair-se concentricamente para dar inicio à dorsiflexão do tornozelo e da primeira fileira dos ossos do tarso, e a seguir supinar o pé ligeiramente durante a fase final da oscilação como preparo para o apoio do calcanhar. Quando o pé golpeia o solo, o tibial anterior inverte sua função para desacelerar ou controlar a flexão plantar para o aplanamento do pé, prevenir a pronação excessiva e supinar o eixo longitudinal da articulação mediotársica. Um tibial anterior fraco pode resultar em marcha “escavante”, ou pronação descontrolada durante a marcha (MULLIGAN, 2000). É razoavelmente bem aceito que o tibial anterior não desempenha qualquer papel na sustentação estática normal do arco longitudinal do pé. Durante condições com
  27. 27. 27 cargas dinâmicas, entretanto, a contração muscular auxilia a fonte primária de sustentação do arco, as estruturas osteoligamentares. Os indivíduos com pés planos também necessitam de sustentação muscular dos arcos, especialmente pelo tibial anterior (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Em sua função sem sustentação de peso, os extensores longos dos dedos e do hálux tornam possível a dorsiflexão do tornozelo e a extensão dos artelhos. Levando em conta que, diferentemente do tibial anterior, esses tendões passam lateralmente ao eixo da articulação subtalar, eles propiciam uma força de pronação para a articulação. De fato, a função principal dos extensores longos é manter o eixo oblíquo da articulação mediotársica em uma posição pronada por ocasião do apoio do calcanhar e, a seguir, ajudar a desaceleração controlada da flexão plantar para o aplanamento do pé (MULLIGAN, 2000). O extensor longo do hálux trabalha com o flexor longo do hálux para aduzir o pé durante a supinação (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Crural Posterior Os músculos do grupo crural posterior são classificados ainda em superficiais ou profundos. O grupo superficial é formado pelo gastrocnêmio, sóleo e plantares. O grupo profundo é composto pelo poplíteo, flexor longo do hálux, flexor longo dos dedos e tibial posterior. O grupo muscular superficial posterior tem origem acima e abaixo da articulação do joelho e possui uma inserção comum através do tendão calcâneo. As duas cabeças do gastrocnêmio e o sóleo são referidos como tríceps da perna. Em cadeia cinética aberta o tríceps sural torna possível a flexão do joelho, a flexão plantar e a supinação da articulação subtalar. Em cadeia cinética fechada o gastrocnêmio e o sóleo são ativos durante toda a fase de apoio da marcha (MULLIGAN, 2000). Hamill e Knutzen ressaltam que como o gastrocnêmio também cruza a articulação do joelho, agindo como flexor do joelho, é mais efetivo como flexor plantar com o joelho estendido e o quadríceps ativado. Os músculos que auxiliam os flexores plantares gastrocnêmio e sóleo incluem o tibial posterior, o fibular longo, o fibular curto, o plantar, o flexor longo do hálux e o flexor longo dos dedos (HALL, 2000). Segundo Hamill e Knutzen (1999), os outros
  28. 28. 28 flexores plantares produzem apenas 7% da força de flexão plantar remanescente, desses o fibular longo e curto são os mais significativos com mínima contribuição do plantar, flexor longo do hálux, flexor longo dos artelhos e do tibial posterior. Inicialmente, por ocasião do apoio ou toque do calcanhar, o gastrocnêmio e o sóleo se contraem excentricamente para desacelerar a rotação interna da tíbia e a progressão anterógrada da tíbia sobre o pé. A seguir durante o apoio médio e a elevação do calcâneo eles proporcionam a supinação da articulação subtalar (rodando a tíbia externamente) e a flexão plantar do tornozelo (MULLIGAN, 2000). De acordo com Hamill e Knutzen (1999), a manutenção da postura ereta é obtida através da tensão passiva dos músculos posteriores do corpo, principalmente do solear. O músculo tríceps sural exerce uma força de cerca de duas vezes o peso do corpo no apoio unipodal estático sobre os metatarsos (estando o calcâneo não apoiado), e de até cinco vezes o peso do corpo na fase de desprendimento dos dedos na marcha (HENNING, E.; HENNING, C., 2003). Entre os músculos que compõem o grupo profundo, o flexor longo do hálux como o nome diz atua principalmente na flexão do hálux em cadeia cinética aberta, inserindo-se na base da falange distal. Em conjunto com o flexor longo dos dedos este músculo ajuda a sustentar o arco medial do pé (HAMILL; KNUTZEN, 1999). O flexor longo dos dedos cujo tendão se divide em quatro tendões separados que fixam nas bases das quatro falanges distais, atua como supinador da articulação subtalar e como flexor da segunda à quinta a articulação metatarsofalângeanas em cadeia cinética aberta. Quando o pé está em contato com o chão e os dígitos estão estáveis, o flexor longo dos dedos estabiliza ativamente o pé como uma plataforma de sustentação de peso para a propulsão. Se o flexor longo dos dedos funciona sem receber qualquer oposição por parte da ação dos músculos intrínsecos, o resultado será o surgimento dos artelhos em garra (MULLIGAN, 2000). A afirmativa de que se sabe pouco sobre o tornozelo e o pé é correta, tendo em vista a controvérsia que envolve as ações do flexor longo do hálux e o flexor longo dos dedos. Alguns autores indicam que o flexor longo do hálux contribui significativamente para a propulsão do pé durante a marcha; contudo, outros relataram que, embora não seja essencial nesse papel, o músculo é crucial na manutenção do equilíbrio durante a posição ereta (HAMILL; KNUTZEN,1999). O tibial posterior é um poderoso supinador e inversor da articulação subtalar e funciona controlando e invertendo a pronação durante a marcha. Desacelera a pronação
  29. 29. 29 da articulação subtalar e a rotação interna da tíbia por ocasião do apoio ou do toque do calcanhar, e a seguir inverte sua função acelerando a supinação da articulação subtalar e a rotação externa da tíbia durante o apoio. A tíbia posterior mantém também a estabilidade da articulação mediotársica na direção da supinação ao redor de seu eixo oblíquo na fase de apoio da marcha (MULLIGAN, 2000). Crural Lateral Dois músculos compõem o grupo crural lateral, os fibulares longo e curto. Um septo intermuscular separa esse grupo dos grupos anterior e posterior. Ambos os músculos passam atrás do maléolo lateral e se inserem na face plantar do pé.O fibular longo devido a sua fixação ao primeiro metatarso e ao cuneiforme medial na superfície plantar, funciona realizando a pronação da articulação subtalar e a flexão plantar e a eversão da primeira fileira em cadeia cinética aberta. Em cadeia cinética fechada este músculo proporciona apoio aos arcos transverso e longitudinal lateral. Durante a parte final do apoio médio e o início da elevação do calcanhar, estabiliza ativamente a primeira fileira e everte o pé a fim de transferir o peso corporal do lado lateral para o lado medial do pé. O fibular longo também é responsável pelo controle da pressão sobre o primeiro metatarso e alguns dos movimentos mais finos do primeiro metatarso e do hálux (MULLIGAN, 2000). O fibular curto é principalmente um eversor no movimento de cadeia cinética aberta e atua conjuntamente com o fibular longo durante a marcha. O fibular curto também contribui para a produção da abdução. Sua principal função consiste em estabilizar a articulação calcaneocubóide, permitindo que o fibular longo atue eficientemente sobre a polia do cubóide (MULLIGAN, 2000; HAMILL; KNUTZEN, 1999).
  30. 30. 30 Músculos Intrínsecos do Pé Entre os músculos intrínsecos que se originam e se inserem no próprio pé, encontram-se os músculos extensores e flexores dos artelhos, totalizando 16 pequenos músculos. Os flexores dos artelhos incluem o flexor longo dos dedos, o flexor curto dos dedos, o quadrado plantar, os lumbricais e os interósseos. Os flexores longo e curto do hálux produzem flexão deste último. Inversamente o extensor longo do hálux, o extensor longo dos dedos e o extensor curto dos dedos são responsáveis pela extensão dos artelhos (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Segundo Mulligan (2000), esses músculos agem juntos durante a maior parte da fase de apoio da marcha e sua função é estabilizar a articulação mediotársica e os dedos enquanto os artelhos são mantidos planos sobre o solo até a propulsão. Em um pé que faça pronação excessiva, eles ficam mais ativos quando trabalham para estabilizar as articulações mediotársica e subtalar (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Estrutura Nervosa Diversos nervos cutâneos suprem o pé. O nervo principal da superfície do pé é o nervo tibial posterior. Seus ramos interdigitais passam abaixo do ligamento metatarsiano transverso e tornam-se fibróticos sob o peso repetitivo do corpo, podendo ocorrer um neuroma doloroso (neuroma de Morton), principalmente no terceiro e quarto ramos. O nervo tibial posterior também inerva os músculos intrínsecos do pé. A superfície dorsal do pé é inervada pelo nervo fibular superficial. Os bordos medial e lateral do pé são inervados pelo nervo safeno e pelo nervo sural, respectivamente. Todos os três nervos cutâneos podem ser comprometidos em distúrbios dolorosos. Por fim o primeiro espaço da membrana é inervado pelo nervo fibular profundo. Como o nervo fibular profundo inerva os músculos do compartimento tibial anterior, alterações sensoriais no primeiro espaço da membrana podem indicar anormalidade do compartimento tibial anterior (HURWITZ; ERNST; HY, 2001).
  31. 31. 31 1.1.1 - Considerações Biomecânicas Sobre as Lesões do Tornozelo e do Pé As lesões da articulação do tornozelo são os traumatismos mais comuns em esportes. Funcionalmente a articulação em dobradiça sinovial permite apenas a dorsiflexão e flexão plantar. Um movimento extremo em qualquer uma das duas direções pode ser lesivo, mas é menos freqüente do que o movimento causado por uma súbita força dirigida lateralmente que exceda a resistência dos ligamentos, rodando o pé em inversão ou eversão. A maioria das lesões do tornozelo e pé ocorrem como resultado de movimentos ou estresses repetitivos, mas também podem estar associadas com fatores anatômicos como pronação excessiva ou alinhamento cavo no membro inferior, os quais caracterizam os piores tipos de lesão (HAMILL; KNUTZEN, 1999). As fraturas e lesões ligamentares do tornozelo são as mais freqüentes no membro inferior e resultam de forças de impacto e torsionais. Todos os ossos do tornozelo e pé estão vulneráveis a fraturas, pelo constante trauma direto entre o pé e o chão, mas as fraturas de calcâneo e tálus são mais raras, sendo mais observadas as fraturas das falanges dos artelhos. Kisner e Colby (1998) afirmam que após um trauma, os ligamentos do tornozelo podem ser estirados ou rompidos. As lesões mais freqüentes resultam de sobrecarga em inversão, danificando os ligamentos laterais do tornozelo. As fibras do ligamento deltóide raramente são sobrecarregadas e existe uma probabilidade maior de avulsão ou fratura do maléolo medial quando houver uma sobrecarga em eversão. Os ligamentos tibiofibulares inferiores também podem ser lacerados, resultando em instabilidade da pinça bimaleolar. Dependendo da severidade, a cápsula articular também pode ser comprometida resultando em sintomas da artrite traumática aguda. De fato, os feixes do ligamento deltóide são tão resistentes que é mais provável que a eversão excessiva possa resultar em fratura da fíbula distal que em ruptura do ligamento deltóide. Por causa da proteção proporcionada ao lado medial pelo membro oposto, e pelo fato de o maléolo lateral projetar-se para mais baixo mais que o maléolo medial, as fraturas na região do tornozelo ocorrem mais freqüentemente na parte lateral que no setor medial (HALL, 2000). Porém de acordo com Hamill e Knutzen (1999), o potente ligamento deltóide pode sofrer entorse se o pé ficar plantado e pronado e receber um golpe na parte lateral da perna. As lesões na parte posterior do pé ocorrem como resultado de compressão
  32. 32. 32 vertical enquanto que as lesões do mediopé ocorrem com movimento ou amplitude de movimento lateral excessiva no pé. As lesões no antepé ocorrem de modo similar às lesões vistas nos ossos longos em outras partes do corpo, sendo criadas por forças compressivas ou tensivas (HAMILL; KNUTZEN, 1999). Hamill e Knutzen (1999) ressaltam que a função do pé pode ser alterada significativamente com qualquer variação no alinhamento do membro inferior ou como resultado de movimento anormal no elo do membro inferior. Tipicamente, qualquer alinhamento em varo no membro inferior provoca um aumento na pronação da articulação subtalar durante o apoio. Um ângulo Q no joelho maior que 20 graus, uma tíbia com um varo maior que 5 graus, um retropé com mais de 2 graus de varo, e um antepé com varo maior que 3 graus são fatores suficientes para produzir um aumento na pronação subtalar. Assim, temos lesões que variam desde calosidades dolorosas (agudas ou crônicas) até fratura de estresse, passando por tendinites, contraturas musculares, sinovites, neurites, edema e entorses freqüentes. Diante disso fica clara a importância da correção e prevenção das lesões do pé por uso excessivo, sendo muito importante o diagnóstico da alteração ou lesão anatômica/funcional que geram o processo. A correção destas patologias evita, inclusive, a extensão do desequilíbrio às estruturas superiores do esqueleto (coluna). Contudo, o fisioterapeuta não deve utilizar apenas os procedimentos terapêuticos convencionais no tratamento de pacientes com suspeita de disfunção do pé (isto é, medicina física, mobilização e exercício). Mas deve também possuir a habilidade de avaliar as várias articulações do pé, para determinar se o manuseio biomecânico é necessário para um resultado efetivo (MCPOIL; BROCATO, 1993). 1.1.2 - Lesão do Complexo Ligamentar Medial É formado pelo ligamento deltóide superficial e profundo, sendo uma lesão muito menos comum e quando ocorre geralmente está associada a outras lesões, como da sindesmose e do complexo ligamentar lateral, usualmente com lesão parcial das fibras do deltóide superficial. A lesão isolada do deltóide deve ser tratada conservadoramente, pelo método PRICE (proteção, repouso, gelo, compressão, elevação, antiinflamatórios e fisioterapia) (YABLON, 1990).
  33. 33. 33 A ruptura do ligamento deltóide, quando a planta do pé gira para fora durante a pronacão, freqüentemente ocasiona este tipo de ruptura que gera dor ao movimento ou pela descarga de peso na articulação do tornozelo. Este tipo de lesão é freqüente tanto em jovens com ligamentos fortes, como em pessoas de idade mais avançada. Há edema e dor a través do trajeto do ligamento, abaixo do maléolo medial (GARDNER, 1975) As fraturas isoladas do maléolo medial ocorrem por abdução arrancando o maléolo abaixo da linha articular ou por adução ou rotação externa cisalhando o maléolo acima da linha articular (YABLON, 1990). 1.2 - Lesão da Sindesmose Os traumatismos sindesmóticos são responsáveis por 10% dos entorses de tornozelo. A sindesmose é formada pelos ligamentos tibiofibular anterior e posterior e pelo ligamento interósseo. A ruptura destes ligamentos pode ocorrer simultaneamente com a lesão do ligamento deltóide quando o pé realiza o movimento de pronação e rotação externa. Freqüentemente podem produzir lesões da sindesmose em conjunto com fratura do maléolo medial tais como com a fíbula (GOURINENI, 1999). Há dor e edema na articulação tibiofibular e há uma dor severa com a rotação externa passiva do pé. Em geral, entorses por eversão exigem um período mais longo de recuperação do que os entorses por inversão do ligamento lateral. A recomendação atual da literatura para o tratamento das fraturas do tornozelo é a redução cruenta e a fixação interna para qualquer fratura com desvio, desde que a idade do paciente, o nível de atividades e as condições médicas justifiquem o tratamento cirúrgico (GEISSLER, 1996). As fraturas do maléolo medial devem ser reduzidas e fixadas para acrescentar estabilidade e manter a congruência articular. Podem ser utilizados: fios de Kirschner pequenos (1,5 ou 1,6mm) ou parafusos esponjosos de 4,0mm parcialmente rosqueados, que devem ser orientados perpendicularmente ao traço da fratura (BROWNER, 2000). Radiografias pré-operatórias adequadas devem ser obtidas para confirmar a redução e fixação de qualquer fratura articular. Isso é verdadeiro para as lesões maleolares. Rotineiramente, radiografias em ântero-posterior (AP) e perfil são feitas durante ou imediatamente antes do fechamento da ferida operatória. Essa radiografia em
  34. 34. 34 AP é realizada com 15 a 20º de rotação interna, conhecida como incidência da pinça articular (GOURINENI, 1999). Contudo, os espaços talomaleolar medial e lateral não são paralelos (Anexo 1) e a radiografia convencional da pinça articular não proporciona avaliação precisa do espaço medial da articulação (GEISSLER, 1999). Fraturas transversas são comuns no maléolo medial e normalmente são tratadas com redução aberta e fixação interna com fios ou parafusos (GEISSLER, 1996). O ponto de entrada da broca na ponta do maléolo é importante. Um ponto de entrada medial pode manter a fixação fora da articulação, porém há o risco de cominuição, fixação insuficiente e posicionamento do implante em posição não perpendicular à fratura, principalmente quando o fragmento é muito pequeno. Um ponto de entrada lateral, bem na ponta do maléolo, resulta em ótima fixação do fragmento e o implante ficará perpendicular ao traço de fratura. Entretanto, a broca deverá estar paralela ao espaço talomaleolar medial, para não penetrar na articulação. Mas a angulação ideal é difícil de ser alcançada devido à proeminência do aspecto medial do pé. Logo, quando o ponto de entrada do implante é lateral, na ponta do maléolo medial, há o risco de penetração dos fios ou parafusos na articulação (GOURINENI, 1999). Uma inspeção direta da articulação e radiografias pré-operatórias são meios recomendados para avaliar a posição do implante. A inspeção direta do canto súpero- medial da articulação do tornozelo parece ser o método mais lógico, mas tem limitações. Uma vez que a fratura é reduzida e fixada, o ligamento deltóide pode não permitir bom deslocamento do tálus, tornando difícil a visualização da superfície articular. Além disso, a rosca do parafuso maleolar pode lesar a cartilagem antes de atingir o osso metafisário, apesar de a parte mais fina do parafuso estar fora da articulação (GOURINENI, 1999). A avaliação radiográfica rotineira do tornozelo inclui incidências em AP com rotação interna, incidência da pinça articular e perfil. Essas incidências são utilizadas para o diagnóstico, planejamento do tratamento, avaliação da qualidade da redução e dos resultados (GEISSLER, 1996) (Anexo 2 ). A radiografia em AP é feita em linha com o eixo longitudinal do pé. Nesta incidência, as margens anterior e posterior da superfície articular estão sobrepostas e os espaços articulares medial e superior são vistos claramente (Anexo 3). A incidência da pinça articular (AP verdadeiro) é obtida com a perna em rotação interna de 15º a 20º, de modo que o feixe de RX seja quase perpendicular à linha intermaleolar. A superfície
  35. 35. 35 articular do tálus deve estar congruente com a da tíbia distal. O espaço livre articular entre o tálus e o maléolo medial, a tíbia distal e o maléolo lateral deve ser igual. Nessa incidência, os espaços articulares superior e lateral são vistos claramente, mas o espaço medial é oblíquo, com sobreposição à margem posterior do maléolo no tálus (Anexo 3). A utilização de radiografias em AP com 15º a 20º de rotação interna poderá sugerir um resultado falso-positivo, no que diz respeito à penetração do implante na articulação (Anexo 3). Por outro lado, a radiografia em AP com 0º (Anexo 3) mostra a real posição do parafuso (WEBER, 1993). Desta forma, demonstra-se que a radiografia da pinça articular, AP com 15º a 20º de rotação interna, nos dá uma visão oblíqua do espaço articular medial. Em conseqüência, os parafusos no maléolo medial podem parecer intra-articulares, quando, na verdade, não estão. Em contraste, na radiografia em AP com 0º de rotação interna, a superfície articular do maléolo medial fica tangente ao feixe de RX. Logo, a posição do parafuso no maléolo medial é vista com maior precisão. Então, é recomendado que sejam feitas radiografias em AP com 0º de rotação interna do pé para avaliar com mais precisão a posição dos parafusos utilizados no tratamento das fraturas transversas do maléolo medial (GOURINENI, 1999). 1.2.1 - Fraturas do Tornozelo As fraturas do tornozelo podem ocorrer por trauma direto, porém a maioria das fraturas e lesões ligamentares do tornozelo são causadas por forças indiretas que luxam ou sub-luxam o tálus de sua posição normal na pinça articular tíbio-fibular distal. Os ligamentos entre a fíbula e a tíbia dão a esse complexo articular uma estabilidade elástica. Esse complexo é formado anteriormente pela sindesmose anterior e pelo ligamento tíbio-fibular anterior, e posteriormente pela sindesmose posterior e o ligamento tíbio-fibular posterior. Para manter o tálus estabilizado na pinça articular existem lateralmente o complexo ligamentar lateral, composto por um ligamento fibulo- talar anterior, um ligamento fibulo-calcâneo, e um ligamento fíbulo-talar posterior (GEISSLER, 1996). Medialmente encontra-se o ligamento deltóide, que é composto por 4 ligamentos: tíbio-talar anterior, tíbio navicular, tíbio-calcâneo e tíbio talar posterior. O tálus é o osso central do tornozelo, visto que se apresenta em intimo contato articular
  36. 36. 36 com a tíbia e a fíbula em todo o movimento de dorsiflexão e flexão plantar. A fíbula também é um importante estabilizador da pinça do tornozelo. As fraturas do tornozelo são geralmente provocadas pelo deslocamento do tálus, e é ele que se inclina e desenvolve as fraturas dos maléolos e lesões ligamentares, assim como o deslocamento da fíbula, dando instabilidade a articulação (RESNICK, 1995). As fraturas do tornozelo, são provocadas por forças de adução e abdução da articulação, essas fraturas podem ser estáveis ou instáveis, ou seja pode se necessitar a fixação das fraturas, ou pode-se tratar conservadoramente o segmento (Anexo 4). As fraturas do tornozelo, foram classificadas por Weber em tipo A , tipo B e tipo C, e atualmente são classificadas pela AO de acordo com a fixação cirúrgica, segundo Geissler, 1996: - Tipo A: são fraturas infra-sindesmais, ou seja, existe uma fratura da fíbula, com fratura do maléolo tibial ou lesão do ligamento deltóide, porém a fratura é abaixo da sindesmose, o que não lesa a pinça articular, onde a articulação tem estabilidade pela lesão não ter atingido a sindesmose. Pela classificação da AO: A1 – lesão isolada do maléolo ou ligamentos fibulares; A2 – Com fratura do maléolo tibial; A3 – Com fratura póstero-lateral da tíbia. - Tipo B: são fraturas trans-sindesmal, ou seja, existe lesão na altura da sindesmose, sendo que pode ter ou não lesão da sindesmose. Tem as mesmas características da tipo A, fratura da fíbula com fratura do maléolo tibial ou lesão do ligamento deltóide, sendo que pode ser tratada cirurgicamente ou não, depende do critério médico, se observar instabilidade na articulação. Pela classificação da AO: B1 – Fratura isolada da fíbula; B2 – Com lesão do ligamento deltóide; B3 – Com lesão medial e fratura póstero-lateral da tíbia. - Tipo C: são fraturas chamadas de supra-sindesmais, nestes casos existe lesão da sindesmose, pois a pinça articular é atingida. A articulação se encontra totalmente instável, e existe a necessidade de se estabilizar cirurgicamente a articulação. Apresenta
  37. 37. 37 as mesmas caracterizações das outras duas, ou seja, fratura da fíbula com lesão do ligamento deltóide ou fratura do maléolo tibial. Pela classificação da AO: C1 – Fratura diafisária da fíbula simples; C2 – Fratura diafisária da fíbula complexa; C3 - Com lesão medial e fratura póstero-lateral da tíbia. 1.2.2 - Mecanismo das lesões em inversão e eversão Se o mecanismo do trauma de um entorse for intenso poderá ocorrer fratura com ou sem ruptura de ligamentos. Se for em inversão, há fratura do maléolo medial com ou não ruptura dos ligamentos laterais. Podem ocorrer também fraturas bimaleolares com ou não ruptura de ligamentos laterais. Se for em eversão, há fratura do maléolo lateral (HALL, 2000). O padrão de lesão do tornozelo depende de vários fatores, incluindo a idade do paciente, a qualidade do osso, a posição do pé no momento da lesão e a direção, magnitude e intensidade das forças de carga. A classificação de Lauge – Hansen (Anexo 6), baseada em observações experimentais, clínicas e radiológicas, nos mostra os mecanismos de trauma de uma fratura de tornozelo (ROCKWOOD, BUCHOLZ, GREEN, 1993). O mecanismo de lesão pode ser entendido porque os maléolos (maléolo medial, maléolo lateral, margem posterior da tíbia, o chamado terceiro maléolo ou maléolo posterior) podem ser cisalhados ou arrancados (SALTER, 2001). As lesões por cisalhamento fraturam um maléolo ao nível ou acima da linha articular, o fragmento sendo empurrado pelo tálus. As lesões por avulsão fraturam um maléolo abaixo da linha articular, o fragmento sendo tracionado pelo ligamento inserido. Assim uma fratura com mecanismo de lesão em abdução pode levar a fratura por cisalhamento do maléolo lateral e avulsão do maléolo medial. Se o mecanismo de lesão for rotacional pode cisalhar ambos os maléolos, romper o ligamento tíbiofibular distal e mesmo cisalhar o terceiro maléolo. Se a tíbiofibular é rompida a pinça do tornozelo está demasiadamente alargada e há sempre um deslocamento lateral do tálus. Uma lesão de 1° grau atinge um maléolo, de 2° grau atinge dois maléolos e de 3° grau atinge três maléolos (SALTER, 2001). Para a redução das fraturas o tálus é chave principal, pois os maléolos estão inseridos nele por meio de ligamentos. Embora a
  38. 38. 38 redução possa ser usualmente obtida, pode ser necessária a fixação interna. A ruptura da articulação tíbiofibular distal deve ser sempre corrigida completamente necessitando de fixação interna (SALTER, 2001; HALL, 2002). Salter (2001) classificou os tipos de fraturas de tornozelo e o período de tempo de imobilização de acordo com o mecanismo de lesão (Anexo 7).
  39. 39. 39 CAPÍTULO 2 – TRATAMENTO CLÍNICO E FISIOTERAPÊUTICO 2.1 - Tratamento Clínico Pode ser conservador com colocação de gesso por aproximadamente 30 a 60 dias, com restrição de colocação de peso corporal sobre o segmento, ou tratamento cirúrgico, onde se faz a fixação dos maléolos e sutura do ligamento deltóide quando rompido. O paciente é colocado em calha gessada ou aparelho ortopédico, e assim que tiver condições satisfatórias o mesmo é encaminhado para a fisioterapia (BOHLER, 1961). 2.1.1 - Tratamento Fisioterapêutico O paciente ao chegar para tratamento estará liberado para movimentar o tornozelo, mas não para colocar o peso corporal sobre o segmento. Esse procedimento pode demorar de 30 a 60 dias para a colocação do peso corporal sobre o segmento. A colocação do peso de forma precoce pode vir a deslocar os maléolos (BROWNER, 2000). O tratamento inicial visa reduzir o edema pelo trauma cirúrgico, fazer analgesia do local, retirar a aderência das cicatrizes que ficam sob os maléolos. Todos os movimentos estão liberados para serem trabalhados, sendo que os mais fáceis de recuperar são os de flexão plantar e dorsiflexão, pois os de inversão e eversão estão limitados pela aderência cirúrgica e também pelo tálus. Porém esses movimentos devem ser trabalhados constantemente com mobilização localizada para liberação do arco e de todos os movimentos do tornozelo. As técnicas que são utilizadas para liberar bloqueio articular nas outras articulações, também são utilizadas aqui, como a artrocinemática, os deslizamentos articulares, os alongamentos gerais, porém neste caso principalmente a panturrilha, as técnicas de descolamento, as mobilizações ativas e os fortalecimentos. Não esquecer que o tornozelo é a articulação que mais necessita de trabalho proprioceptivo, pois sustenta carga corporal em várias situações diferentes (KISNER & COLBY, 2005).
  40. 40. 40 2.1.2 - Principais Recursos Fisioterapêuticos Em condições normais dos movimentos articulares são limitados pela tensão dos músculos opostos, pelo contato dos tecidos moles, contato ósseo ou tensão dos ligamentos. A amplitude passiva é maior que a ativa, devido o relaxamento recíproco dos músculos antagonistas (GARDNER, 1983). Alguns fatores que causam limitação articular são: • Endurecimento da pele, fáscia superficial ou tecido cicatricial limitam o movimento ativo e passivo. • Fraqueza ou ineficiência dos músculos, espasticidade. • Formação de aderências devido a exudação sero-fibrinosa na região articular ou na própria articulação. • Deslocamento ou ruptura de uma fibrocartilagem capsular ou presença de corpo estranho na articulação. Causando dor e espasmo muscular. • Destruição óssea ou cartilaginosa. Dor intensa e a dificuldade de deslizamento nas superfícies articulares. A prevenção da limitação articular é realizada através de calor superficial, mobilizações, massagem e cinesioterapia através de exercícios passivos, ativos, ativo resistidos (GARDNER, 1983). Temos como definição de cinesioterapia; “a arte de curar que utiliza todas as técnicas de movimento” (CARVALHO, 1994; XHARDEZ, 1990). O exercício terapêutico é diferente dos exercícios utilizados na educação física, onde os praticantes têm bom estado físico e saúde. Para a utilização de qualquer técnica cinesioterapêutica precisa-se compreender o processo patológico a ser tratado e acima de tudo requer amplo conhecimento de anatomia, para se alcançar os objetivos tanto preventivos como terapêuticos em qualquer área da fisioterapia (CARVALHO, 1994). Qualquer exercício terapêutico, manipulação não deve causar dor e nem ser exagerado, agravando o caso ou retardando a cura. Sendo assim o terapeuta deve estar atento para a fase da lesão, seja esta aguda, subaguda ou crônica e cada uma de suas peculiaridades, exercício adequado (CARVALHO, 1994). Cada caso é um caso, é individual, não se deve ter modelos de tratamento, assim elaborar protocolos individuais para cada patologia, respeitando as reações individuais. Assim, os resultados da fisioterapia serão fabulosos, mas não instantâneos; portanto
  41. 41. 41 reabilitação é sinônimo de paciência, perseverança e responsabilidade (CARVALHO, 1994). A cinesioterapia compreende técnicas de massagem, mobilizações, exercícios ativos, ativo assistidos e resistidos, mecanoterapia, exercícios funcionais (XHARDEZ, 1990; CARVALHO, 1994). A massagem tem como definição a manipulação dos tecidos moles com a finalidade de melhorar a circulação, eliminar resíduos (catabólitos), suprimir aderências, amaciar tecidos, relaxar a musculatura ao mesmo tempo em que a estimula e promove analgesia. É contra-indicada em processos inflamatórios agudos, flebites, condições dermatológicas, intolerância pelo paciente. Podem ser usadas técnicas de deslizamento superficial e profundo, amassamento superficial e profundo, fricção, percussão, vibrações ou com uso de aparelhos especiais (XHARDEZ, 1990; GARDINER, 1983). As mobilizações têm como finalidades a prevenção de rigidez, estimulação de um músculo ou grupo muscular, diminuição das contraturas e manutenção ou recuperação da força muscular. Também restituir as imagens motoras ativando a perda do esquema corporal; aumenta o aporte sangüíneo, fluxo linfático permitindo nutrição dos tecidos, diminuição de edema. Para tanto é preciso respeitar o limiar doloroso do paciente e o estado da articulação. O movimento passivo pode ser realizado sob tração, onde passivamente uma tração simultânea é efetuada no eixo do membro ou da articulação. Pode ser realizado sob estiramento, onde o terapeuta exerce pequenos estiramentos (alongamentos) suaves, progressivos, sem movimentos bruscos a fim de aumentar a mobilidade articular (XHARDEZ, 1990). Os movimentos de folga de uma articulação são a tração, a compressão e o deslizamento. Na tração é feito um movimento translatório de folga da articulação perpendicular e em afastamento ao plano de tratamento, a fim de reduzir a dor, aumentar a mobilidade. Enquanto que na compressão é feito um movimento translatório perpendicular e na direção do plano de tratamento, ela pressiona conjuntamente as superfícies articulares, auxiliando na diferenciação entre lesões articulares e extra- articulares. Já no deslizamento ocorre um movimento paralelo ao plano de tratamento. O deslizamento translatório é possível em curta distância, em todas as articulações. Estes movimentos são realizados como teste de mobilidade passiva da articulação (folga da articulação) ou como técnica de mobilização articular (KALTENBORN, 2001). Existem graus normais de movimento em uma articulação que são: Grau I (afrouxamento) constituindo uma força de tração extremamente pequena, que não gera
  42. 42. 42 separação articular, utilizada para testes de articulação. Grau II (alongamento), este gradualmente faz com que desapareça a frouxidão até uma resistência significativa, que é chamada primeira parada; utilizada para avaliação para determinar a quantidade de folga articular disponível. Grau III envolve força suficiente para alongar tecidos que cruzam a articulação; utilizadas para testar a qualidade da percepção do fim do movimento. Nos graus patológicos de movimento a hipomobilidade, a frouxidão desaparece mais cedo que o normal, necessitando mais força para atingir tração grau I. Na hipermobilidade a frouxidão desaparece mais tarde, necessitando de menos força para atingir tração grau I (KALTENBORN, 2001). No tratamento das articulações a tração ou deslizamento em grau I são usadas para avaliar a dor. Grau II para aliviar a dor, aumentar ou manter o movimento quando a dor ou espasmo muscular limita o movimento. Grau III para aumentar a mobilidade (KALTENBORN, 20001). Os exercícios ativos são realizados somente pelo paciente, deve ser bem compreendido por ele e executado lentamente com supervisão do fisioterapeuta. É importante observar se o paciente não realiza compensações. Podem ser realizadas contrações isométricas e isotônicas (XHARDEZ, 1990; CARVALHO, 1994). Os exercícios ativos resistidos são efetuados pelo paciente progressivamente conforme ele retoma a força muscular. O trabalho muscular pode ser intensificado impondo-lhe resistências. A resistência pode ser manual, feita pelo fisioterapeuta ou mecânica quando a resistência ao movimento é dada por dispositivos mecânicos, como peso, roldana-peso, molas, halteres, elásticos (XHARDEZ, 1990; CARVALHO, 1994). A mecanoterapia emprega aparelhagens como ligas, lonas, mesas, colchonetes, pesos, roldanas e molas, bicicleta (XHARDEZ, 1990). Os exercícios funcionais têm a finalidade de reintegrar progressivamente o paciente à vida cotidiana, vida social, independência. Isto inclui a reeducação da marcha. Nesta etapa devem-se conhecer as possibilidades do paciente e saber quais movimentos que deverá efetuar e fazer em casa ou no trabalho. É preciso ensinar-lhe a coordenação, habilidade e força (XHARDEZ, 1990; CARVALHO, 1994). O método Kabat (Reeducação Neuromuscular Proprioceptiva) consiste em reforçar o ato motor voluntário do paciente por uma irrupção simultânea e sincronizada de maior quantidade de estímulos, facilitando a resposta neuromuscular. A base deste método consiste na aplicação de movimentos facilitadores de caráter espiral e diagonal associados a diversas outras técnicas de facilitação: resistência máxima, reflexo de
  43. 43. 43 estiramento, irradiação, indução sucessiva, reflexo de flexão, estabilização rítmica, ordens verbais. Indicado em recuperação da mobilidade articular bem como para espasticidade (XHARDEZ, 1990). A Reeducação Proprioceptiva tem por finalidade arquivar uma série de novos esquemas de coordenação neuromuscular assegurando assim a base de segurança fisiológica; partindo do fato que as causas iniciais da entorse, por exemplo, são principalmente a má interpretação e a falsa informação levando a um mau esquema corporal. As indicações deste método se estendem a traumatologia e ortopedia do pé e joelho (XHARDEZ, 1990). As inervações articular e periarticular são do tipo proprioceptivas, isto é, pequenos mecanoceptores que se localizam nos ligamentos, cápsula, tendões, músculos e fáscias que promovem o estímulo. Estes estímulos são essenciais para a percepção da posição dos membros e seus movimentos. A propriocepção é um mecanismo componente do “feedback” sensorial aferente que, quando lesado, compromete a estabilidade neuromuscular reflexa normal, predispondo a novas lesões. Os principais proprioceptores são os receptores articulares, órgãos tendinosos de Golgi, receptores de Rufini e Corpúsculo de Pacini (SALGADO, 1990). Os receptores Articulares são encontrados nas estruturas articulares e estes emitem vários potenciais de ação por segundo e são estimulados através da deformação. Os receptores de Rufini (estatorreceptores) estão situados nas cápsulas articulares, nas camadas superficiais e, em maior quantidade, e nas articulações proximais; possuem baixo limiar mecânico, são de adaptação lenta e ativados quando mobilizamos passivamente uma articulação em determinados ângulos de ativação, em torno de 15 à 30°. Os corpúsculo de Pacini são encontrados nas camadas profundas das articulações e coxins adiposos e são ativados em movimentos articulares rápidos, considerados como receptores de aceleração; são numerosos nas articulações distais, inativos em repouso. Os corpúsculos de Golgi estão situados nos ligamentos, sendo um mecanorreceptor dinâmico, assinalando essencialmente a posição e a direção dos movimentos, quando as articulações atingem graus extremos (SALGADO, 1990). A reeducação proprioceptiva é iniciada quando há: ⇒⇒⇒⇒ Completa cicatrização da lesão, quando observamos a regressão do quadro doloroso; ⇒⇒⇒⇒ Arco completo de movimento, para que durante os exercícios seja abrangida toda a amplitude da articulação;
  44. 44. 44 ⇒⇒⇒⇒ Mínimo de força muscular para que o paciente desenvolva os exercícios com segurança (SALGADO, 1990). A reeducação caracteriza-se por mobilizar a articulação do tornozelo, gerando um desequilíbrio calculado para que ocorra rapidamente uma contração muscular oposta ao movimento solicitado, ou seja, reação de defesa. Para a reeducação proprioceptiva do tornozelo, como também joelho, podemos propor alguns destes exercícios: 1. Paciente sentado com o tornozelo lesado sobre a prancha de deslizamento. Desliza-se o pé para anterior, posterior, lateral e medial. 2. Paciente em pé, peso do corpo deve ser distribuído simetricamente, o terapeuta deverá deslocar o peso de paciente para anterior, posterior, lado esquerdo e lado direito. 3. Exercício de equilíbrio em prancha. 4. Exercícios de semi passada anterior e posterior. 5. Marcha lateral. 6. Marcha sobre a linha no solo, de frente e costas. 7. Paciente deverá marchar sobre as espumas. 8. Paciente em apoio bipodal sobre a prancha e terá que realizar flexão plantar, dorsiflexão, pronação, supinação e movimentos circulares. 9. Utilizam-se cubos de espumas e o paciente deverá permanecer em apoio unipodal sobre os mesmos. A altura do cubo é proporcional ao grau de dificuldade do exercício. 10. Paciente em apoio unipodal sobre a prancha realizando os mesmos movimentos do ítem 8. 11. Paciente com apoio unipodal sobre uma bola de borracha, levando o pé para anterior, posterior, medial e lateral. 12. Paciente, calçado, realizará saltos no sentido antero-posterior e latero-lateral. 13. Paciente em pé, apoio unipodal (sobre o tornozelo lesado), utilizando apoio manual. O paciente deverá fletir o joelho e logo em seguida deverá fletir o joelho com flexão de tronco. 14. Apoio unipodal, sem auxílio de barra para apoio manual. O exercício será o mesmo do ítem 13 (SALGADO, 1995).
  45. 45. 45 Os cuidados na convalescença das fraturas podem ser divididos em duas fases: a inicial e a tardia. Na fase inicial, quando o paciente ainda apresenta-se imobilizado por aparelho gessado, deve-se sempre encorajar a movimentação ativa das articulações livres, adjacentes a fim de auxiliar a circulação, o retorno venoso e manter a integridade das articulações. A elevação do membro também auxilia a diminuição do edema. Na fase tardia, quando o paciente retirou a imobilização o tratamento fisioterapêutico compreende a analgesia, aumento da amplitude de movimento, aumento da força muscular e equilíbrio assim como o retorno às suas atividades funcionais normais. Nesta fase é comum o edema, fibrose, contratura, mobilização dolorosa, atrofia muscular e fraqueza comprometendo toda função (KOTTKE, LEHMANN, 1994). Na fase tardia o calor superficial pode ser usado com a finalidade de sedação, para aumentar a circulação, diminuir aderências e fibroses. Pode ser aplicado por compressas, turbilhão juntamente com a movimentação ativa torna mais eficiente este procedimento. Também a massagem feita após o turbilhão é eficiente para desfazer aderências e fibroses, diminuir edema. O movimento de amassamento, deslizamento profundo e fricção ajudam a diminuir aderências promovendo melhor amplitude possível. Após a massagem e mobilização o exercício ativo é efetivo para o alongamento das faixas fibrosas a fim de obter máxima amplitude de movimento. Inicia-se com movimentos ativo assistidos, ativo livre e resistidos conforme evolução do paciente e grau da dor (KOTTKE, LEHMANN, 1994). Agentes Térmicos como Recursos Terapêuticos – Calor e Frio Agentes térmicos, como o calor e o frio, são coadjuvantes no tratamento fisioterapêutico a fim de promover a analgesia, facilitar a mobilidade articular, reduzir edemas, por exemplo. Eles transferem energia para dentro ou para fora dos tecidos, baseando-se num gradiente de temperatura, como no caso do gelo e do calor (STARKEY, 2001). O calor superficial (termoterapia) apresenta-se nas seguintes formas de aplicação: turbilhão (hidroterapia), parafina, compressa quente; esses transferem o calor por condução. Infravermelho transfere o calor por radiação. A eletroterapia como o calor profundo transfere o calor por condução (XHARDEZ, 2001).
  46. 46. 46 Os efeitos obtidos são: vasodilatação dos capilares, aumento do fluxo circulatório, ativação do metabolismo. (XHARDEZ, 1990), aumento da extensibilidade do colágeno a 40 - 45°C (LOW, REED, 2001), diminuição da rigidez articular e alívio da dor com redução do espasmo muscular (LOW, REED, 2001). Aumentos leves da temperatura nos estágios iniciais da inflamação facilitam a fagocitose, aumenta a liberação dos leucócitos pelo aumento do fluxo sangüíneo local, da taxa metabólica e da atividade celular (LOW, REED, 2001; STARKEY, 2001). Em relação ao aumento da mobilidade articular o calor é efetivo devido seu efeito analgésico permitindo maior tolerância ao alongamento, a viscosidade dos tecidos é reduzida diminuindo a rigidez articular; portanto ele é utilizado antes das mobilizações, alongamentos, exercícios ativos (LOW, REED, 2001). O calor superficial é indicado em quadros inflamatórios subagudos e crônicos, redução da dor crônica ou subaguda, espasmo muscular subagudo ou crônico, redução da amplitude de movimento, redução de hematomas, redução de contraturas articulares (STARKEY, 2001). É contra indicado em traumatismos agudos, circulação insuficiente, regulação térmica deficiente, áreas anestésicas, neoplasias. O tempo de exposição ao calor pode ser de 20 a 30 minutos a uma temperatura de 40°C a 45°C. A transferência de calor para os tecidos é superficial, atingindo o máximo de 2 cm de profundidade (STARKEY, 2001). A crioterapia compreende a aplicação terapêutica de qualquer substância ao corpo que resulta em remoção do calor corporal, diminuindo assim a temperatura dos tecidos, onde o resfriamento da superfície do corpo é simplesmente a transferência de energia para fora dos tecidos (DELOROSO, et al, 2002). Consiste na aplicação de modalidades que apresentam uma variação na temperatura de 0°C a 18, 3°C. Durante a aplicação de frio, o calor é retirado do corpo e absorvido pela modalidade de frio. Para obter efeito terapêutico a temperatura da pele deve cair para aproximadamente 13,8°C, para que ocorra a redução ideal do fluxo sangüíneo local e para cerca de 14,4°C para que ocorra analgesia (STARKEY, 2001). Os efeitos fisiológicos obtidos são: diminuição da condução nervosa, vasoconstrição, redução da taxa de metabolismo celular em conseqüência da necessidade reduzida de O2, redução da produção de resíduos celulares, redução da inflamação, redução de edema, redução da dor, quebra do ciclo dor-espasmo-dor, estimula relaxamento, ação de redução na queimadura (XHARDEZ, s.d.; STARKEY, 2001; DELOROSO et al, 2002).
  47. 47. 47 O uso do frio por 20 minutos reduz o metabolismo celular em 19% e ao diminuir o número de células destruídas pela falta de O2, limita-se o grau de lesão decorrente da hipóxia secundária. A redução do fluxo sangüíneo pode prevenir a formação de hematomas (STARKEY, 2001). O frio diminui a espasticidade ao diminuir a dor pela redução do limiar das terminações nervosas aferentes e pela diminuição da sensibilidade dos fusos musculares (STARKEY, 2001). A diminuição da dor se dá pela interrupção da transmissão da dor, redução da velocidade de condução nervosa. Ao estimular neurônios de grande diâmetro, o frio inibe a transmissão da dor (teoria das comportas) (STARKEY, 2001). A aplicação do frio leva a sensação de queimação, dor e analgesia. A insensibilidade é devido a redução de velocidade de condução nervosa e do aumento do limiar necessário para estimular os nervos. São necessários de 18 a 21 minutos para que ocorra a insensibilidade (anestesia) (STARKEY, 2001). O frio é indicado em traumatismo ou inflamação aguda, contusão muscular aguda, dor aguda ou crônica, tensões ligamentares, tendinites, ruptura de tendões, ulceras de pressão, aumento na força dos músculos subjacentes (relatos contraditórios), redução do espasmo muscular permitindo o aumento da ADM, redução da espasticidade muscular, após procedimentos cirúrgicos e edemas, queimaduras de 1° grau pequenas e superficiais, uso em conjunto de exercícios de reabilitação, nevralgia (STARKEY, 2001; DELOROSO et al, 2002). É contra indicado em envolvimento cardíaco ou respiratório, ferimentos abertos, insuficiência circulatória, hipersensibilidade ao frio, pele anestesiada, diabetes avançada, Fenômeno de Raynaud (reação vascular a aplicação de frio ou estresse resultando numa alteração na coloração da pele das extremidades, ficando branca, vermelha ou azulada. Os dedos dos pés ou mãos são os primeiros a serem afetados), ulcerações produzidas pelo frio (superficiais a profundas), paralisia nervosa, distúrbio vaso-espástico, lupus eritematoso sistêmico (STARKEY, 2001; DELOROSO et al, 2002). Cuidados devem ser tomados durante a aplicação: não aplicar por mais de 1 hora, pois leva à lesões nervosas periféricas; ter cuidado com compressas de gel diretamente na pele e não aplicá-la sob bandagem de compressão; ter cuidado ao aplicar em indivíduos magros ou regiões do corpo onde os nervos são superficiais como cotovelo e joelho (STARKEY, 2001; DELOROSO et al, 2002).
  48. 48. 48 Os métodos de aplicação dependem da área a ser tratada, bem como o tempo de aplicação, são eles: ⇒⇒⇒⇒ Toalhas com gelo, sendo substituídas a cada 2 ou 3 minutos, durante 20 minutos ⇒⇒⇒⇒ Bolsas de gelo (moído ou em flocos) convencional com período de aplicação de 20-30 minutos ⇒⇒⇒⇒ Bolsas frias comerciais de água com substância que impede seu congelamento. Apresentam temperatura mais baixa que a de gelo comum ⇒⇒⇒⇒ Compressas de cubos de gelo artificial ⇒⇒⇒⇒ Imersão em gelo ou “balde de gelo” ⇒⇒⇒⇒ Massagem com gelo ⇒⇒⇒⇒ Unidades de terapia de frio compressivo ⇒⇒⇒⇒ Aparelhos de gelo: Cryo Cuff, Polar Care ⇒⇒⇒⇒ Sprays refrigerantes são mais superficiais (STARKEY, 2001; DELOROSO et al, 2002). A duração do tratamento com bolsas de gelo e compressas frias varia de 15 a 30 minutos e pode ser repetido se necessário com no mínimo 2 horas de intervalo. As unidades de terapia de frio compressivo podem ser aplicadas de forma contínua por 24 a 72 horas após lesão aguda ou cirurgia. A massagem com gelo pode ser feita de 5 a 15 minutos. A imersão em gelo pode ser feita a uma temperatura e 10°C a 15,5°C, sendo útil em lesões em superfícies pequenas e irregulares; porém é desconfortável, mas exposições repetidas diminuem o desconforto. A duração é de 10 a 20 minutos, podendo se utilizar protetores para dedos dos pés ou mãos (STARKEY, 2001). 2.2 – Avaliação Fisioterapêutica A avaliação musculoesquelética deve abordar: a história do paciente (anamnese), exame físico com inspeção, palpação, avaliação da mobilidade, testes específicos, exames complementares (GROSS et al, 1996; SALTER, 2001; MAGEE 2002).
  49. 49. 49 ⇒⇒⇒⇒ Historia do paciente (anamnese) A história relatada pelo paciente deve ser ouvida, dando ênfase à parte que tem maior relevância clínica, assegurando-lhe confiabilidade. Os fatos devem ser ordenados. Para obter bom resultado final é importante saber os interesses, preocupações e expectativas do paciente (MAGEE 2002). Dados importantes para a identificação são: nome do paciente, sexo, data de nascimento, idade, ocupação (SALTER, 2001). Durante a anamnese a queixa principal deve ser investigada perguntando-se ao paciente como tudo começou, se houve trauma (macrotrauma ou microtrauma repetitivo), como a dor começou (início lento ou súbito), qual a parte (ou partes) do corpo em que ela se manifesta, quais os movimentos, bloqueios, posições articulares em que sente dor, com o quê a dor melhora, há quanto tempo sente dor e com que freqüência, se já tinha ocorrido outro episódio antes, se o paciente apresenta alguma patologia associada (sistêmica ou não), histórico familiar, uso de medicamentos, exames complementares de imagens ou laboratoriais (SALTER, 2001; MAGEE, 2002). Para descrição da dor podem ser utilizados Questionários de dor, como por exemplo, de McGill – Melzack, Escalas analógicas de dor, Escalas de graduação do tipo de dor de Brunett. A dor, de acordo com a forma descrita, indica a estrutura acometida (Anexo 8 ) (MAGEE, 2002). ⇒⇒⇒⇒ Exame físico O exame físico é utilizado para confirmar ou efetuar o diagnóstico suspeito, que tem por base a anamnese. Ele é composto pela inspeção (observação), palpação, avaliação da mobilidade articular, testes especiais (SALTER, 2001). ⇒⇒⇒⇒ Inspeção A observação tem início com a chegada do paciente, ou seja, sua constituição corporal (hábito), aparência facial (fácies, se está apreensivo, se há desconforto,

×