Embora o conto popular seja hoje uma forma literária reconhecida e 
utilizada por inúmeros escritores, a sua origem é muit...
Característica
s Narrativa curta
    Autor anónimo
    Narrador geralmente não participante
    Personagens geralmente pla...
Estrutura
       Fruto  da  sua  origem  oral,  estes  contos  têm  quase  sempre  uma 
 estrutura  muito  simples  e  fix...
Personagens:

vítima (objecto da perturbação);


vilão (sujeito da perturbação);



herói (sujeito do restabelecimento da
...
Simbologia

   Os  contos  tradicionais  estão 
carregados  de  simbologia: 
dizem  mais  do  que  parecem 
dizer.  A  man...
Funções (importância) do conto
   Em  maior  ou  menor  grau,  o  conto 
popular tinha as seguintes funções: 

 preencher ...
Classificação dos contos populares

    São  muitos  os  temas  tratados  nos  contos 
populares,  daí       que  sejam  p...
Conto Popular Aa Ii
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conto Popular Aa Ii

26.824 visualizações

Publicada em

0 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.824
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21.238
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conto Popular Aa Ii

  1. 1. Embora o conto popular seja hoje uma forma literária reconhecida e  utilizada por inúmeros escritores, a sua origem é muito mais humilde. Na  verdade,  nasceu  entre  o  povo  anónimo.  Começou  por  ser  um  relato  simples e despretensioso de situações imaginárias, destinado a ocupar os  momentos  de  lazer.  Um  contador  de  histórias  narra  a  um  auditório  reduzido  e  familiar  um  episódio  considerado  interessante.  Os  constrangimentos  de  tempo,  a  simplicidade  da  assembleia  e  as  limitações  da  memória  impõem  que  a  "história"  seja  curta.  Dada a sua origem popular, o conto de que falamos aqui  não  tem  propriamente  um  autor,  entendido  como  um  ser  humano determinado, ainda que desconhecido. Na realidade  ele  constitui  uma  criação  colectiva,  dado  que  cada  "contador"  lhe  introduz  inevitavelmente  pequenas  alterações ("Quem conta um conto, acrescenta um ponto.").
  2. 2. Característica s Narrativa curta Autor anónimo Narrador geralmente não participante Personagens geralmente planas e escassamente caracterizadas Espaço indefinido Tempo indeterminado Conteúdo  ficcional,  simbólico,  universal  e  intemporal,  portanto  é património de todos nós Registo  de  língua  popular  e  familiar,  com  marcas  de  oralidade  (ex: vai nisto..., nisto..., lá vinha ele..., botou a fugir...) função moralizadora e lúdica.
  3. 3. Estrutura Fruto  da  sua  origem  oral,  estes  contos  têm  quase  sempre  uma  estrutura  muito  simples  e  fixa.  A  própria  fórmula  inicial  ("Era  uma  vez...")  e  final  ("...e  foram  felizes  para  sempre.")  revelam  isso.  Essa  estrutura pode ser traduzida da seguinte forma: Ordem existente  Ordem perturbada  Ordem restabelecida Situação inicial . A situação de  Desenlace  Nesta  parte  equilíbrio inicial  evento ou  apresenta‐se o  é destruída, o  conjunto de  futuro herói  que dá origem a  acontecimentos  simplesmente  uma série de  que encerram a  pela referência ao  peripécias que só história: uma  seu nome, ou pela  se interrompem  morte, um  descrição do seu  com o  casamento, uma  estado: podem  aparecimento de  conquista, uma  também  uma força  vitória… enumerar‐se os  rectificadora.  membros da sua  família.
  4. 4. Personagens: vítima (objecto da perturbação); vilão (sujeito da perturbação); herói (sujeito do restabelecimento da ordem); adjuvantes (pers. secundárias que ajudam o herói); oponentes (pers. secundárias que ajudam o vilão ou fazem oposição ao herói)
  5. 5. Simbologia Os  contos  tradicionais  estão  carregados  de  simbologia:  dizem  mais  do  que  parecem  dizer.  A  manifestação  mais  evidente  é a  referência  sistemática  ao  número  três,  símbolo  da  perfeição  desde  tempos  imemoriais.  Mas  há mais...  A  rosa  aparece  como  símbolo  do  amor  puro  e  total.  O  beijo  desperta  e  faz  renascer.  A  heroína  é frequentemente  a  mais  nova  (e  por  isso  a  mais  pura  e  inocente)  e  afirma‐se  por  oposição  às  irmãs  mais  velhas  e  mesmo  aos  pais.  O  herói  quase  sempre tem que enfrentar uma série de provas antes de alcançar o  objecto  ‐ símbolo  do  amadurecimento  que  fará dele  um  homem.  Outras vezes sai da casa paterna em busca da autonomia.
  6. 6. Funções (importância) do conto Em  maior  ou  menor  grau,  o  conto  popular tinha as seguintes funções:  preencher os tempos de lazer;  propor  aos  ouvintes  modelos  de  comportamento;  transmitir  os  valores  e  concepções  do  mundo próprios daquela sociedade.  Podemos  dizer  que  os  contos  tinham  (têm)  uma  função  de  entretenimento e uma função educativa. Por um lado, constituíam uma  das formas de ocupar os tempos livres, geralmente os serões, reforçando  os  laços  de  convivialidade entre  os  membros  da  comunidade  e  despertando  a  imaginação  dos  assistentes.  Por  outro,  concediam  aos  mais  velhos  um  instrumento  privilegiado  para  levarem  os  mais  novos  a  interiorizarem  valores  e  comportamentos  considerados  aceitáveis.
  7. 7. Classificação dos contos populares São  muitos  os  temas  tratados  nos  contos  populares,  daí que  sejam  possíveis  várias  classificações.  Por  comodidade  podemos  reduzi‐ los a cinco tipos:  maravilhosos ou de encantamento;  jocosos e divertidos;  de fórmula; de exemplo; religiosos ou morais;  de animais;  etiológicos (relativos à fundação de um local). 

×