Web Services

1.151 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada no seminário One Day Oracle.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.151
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Web Services

  1. 1. Web Services Armênio Cardoso Consultor, Arquiteto de Sistemas e Professor java users group de petrópolis
  2. 2. Agenda <ul><li>:: O Que São Web Services? </li></ul><ul><li>:: Tipos de Aplicações. </li></ul><ul><li>:: XML. </li></ul><ul><li>:: Requisitos dos Web Services. </li></ul><ul><li>:: Descrição de Web Services. </li></ul><ul><li>:: Localização de Web Services. </li></ul><ul><li>:: Transporte para Web Services. </li></ul><ul><li>:: Frameworks para Web Services. </li></ul><ul><li>:: Referências Bibliográficas. </li></ul>
  3. 3. O Que São Web Services? <ul><li>:: Web Services permitem que aplicações acessem componentes de software através de protocolos padronizados, tais como HTTP ou SMTP. </li></ul><ul><li>:: Usando a Internet e a linguagem XML, é possível criar componentes que se comunicam com outros componentes, independente da linguagem de programação, plataforma ou cultura organizacional. </li></ul>
  4. 4. O Que São Web Services? <ul><li>:: Quais são as consequências dessa tecnologia? </li></ul>Software Serviços
  5. 5. O Que São Web Services? <ul><li>Serviços de Cálculos </li></ul><ul><li>Cotações da Bolsa de Valores </li></ul><ul><li>Previsão do Tempo </li></ul><ul><li>Leilões e Comércio Eletrônico </li></ul><ul><li>Centros de Controle Industriais </li></ul><ul><li>Sistemas Administrativos </li></ul><ul><li>Sistemas Públicos </li></ul>
  6. 6. Tipos de Aplicações <ul><li>:: Aplicações Verticais: </li></ul><ul><ul><li>Cobrem um único aspecto do negócio das empresas. </li></ul></ul><ul><li>:: Aplicações Horizontais: </li></ul><ul><ul><li>Cobrem vários aspectos do negócio das empresas. </li></ul></ul>
  7. 7. Tipos de Aplicações <ul><li>:: Uma mudança estrutural básica vem ocorrendo na forma como as aplicações são desenvolvidas para solucionar problemas corporativos. </li></ul><ul><li>:: Esse fato tem se tornado o maior combustível que impulsiona os Web Services. </li></ul><ul><li>:: No passado, o foco do desenvolvimento se situava em aplicações verticais. </li></ul>
  8. 8. Tipos de Aplicações <ul><li>:: Historicamente as aplicações verticais têm sido mais fáceis de implementar do que as horizontais. </li></ul><ul><li>:: Agora, todas as empresas desejam dispor de eBusiness, onde uma aplicação virtual cobriria o seu portifólio de aplicações verticais e horizontais. </li></ul>
  9. 9. Tipos de Aplicações <ul><li>:: Quando problemas de B2B se apresentam, verifica-se uma similaridade com a integração de aplicações verticais. </li></ul><ul><li>:: Cada empresa desenvolve a sua infraestrutura de forma independente e aderente à sua própria cultura. </li></ul><ul><li>:: B2B pode ser visto como a “cola” que junta essas aplicações de empresas diferentes. </li></ul>
  10. 10. Tipos de Aplicações <ul><li>:: A única maneira de lidar com esse número enorme de entidades heterogêneas na Internet é “fatorar” o problema em um “denominador comum” mais baixo. </li></ul><ul><li>:: Quando os dados são transferidos de um site para outro, é necessário que estejam codificados em um padrão que todos possam dispor. </li></ul><ul><li>http:// www.meusite.com.br /dados.xml </li></ul>
  11. 11. XML <ul><li>:: XML = Extensible Markup Language é uma nova tecnologia para aplicações Web. </li></ul><ul><li>:: É um padrão definido pelo World Wide Web Consortium que permite que se crie tags próprias e gramáticas de linguagens próprias. </li></ul><ul><li>:: Site do W3 Consortium: </li></ul><ul><li>http://www.w3.org </li></ul>
  12. 12. XML <ul><li>:: Com XML é possível entender o significado das tags e estruturar informações de forma relacional ou hierárquica. </li></ul><ul><li>:: Mais do que isso, é possível escrever aplicações que “entendam” o significado das tags XML. </li></ul>
  13. 13. XML Conteúdo XML DTD ou Schema XSL Renderização Browser HTML PDF XSLT DTD – document type definition XSL/XSLT - stylesheet
  14. 14. Requisitos dos Web Services <ul><li>:: Um Web Service é projetado para ser publicado , descoberto e invocado dinamicamente em um ambiente computacional distribuído. </li></ul>Descrever Descobrir Transportar
  15. 15. Requisitos dos Web Services <ul><li>:: Existem três requisitos para os Web Services: </li></ul><ul><ul><li>Descrever: descrição dos serviços, incluindo especificações de interfaces de I/O e meta informações. </li></ul></ul><ul><ul><li>Descobrir: localização de serviços a partir das características desejadas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Transportar: enviar requisições aos serviços e receber resultados. </li></ul></ul>
  16. 16. Requisitos dos Web Services <ul><li>Os padrões que estão por trás desses requisitos são WSDL, UDDI e SOAP. </li></ul>WSDL UDDI SOAP
  17. 17. Descrição de Web Services <ul><li>:: WSDL = Web Services Description Language. </li></ul><ul><li>:: Para que aplicações clientes entendam como interagir com os Web Services, é necessário haver uma descrição das funções disponíveis. </li></ul><ul><li>:: O arquivo que descreve o documento está codificado em um schema XML chamado WSDL. </li></ul><ul><li>schema = gramática escrita em XML </li></ul>
  18. 18. Localização de Web Services <ul><li>:: Os Web Services podem ser públicos ou privados, tornando a sua publicação opcional. </li></ul><ul><li>:: Para publicar Web Services, os desenvolvedores colocam arquivos de localização na Internet, contendo código WSDL descrevendo o que cada serviço faz. </li></ul><ul><li>:: Existem dois tipos de localização de serviços: estática e dinâmica. </li></ul>
  19. 19. Localização de Web Services <ul><li>:: A localização estática envolve a descrição absoluta da URL onde se encontra o Web Service. </li></ul><ul><li>:: A localização dinâmica envolve um algoritmo de pesquisa que procura em uma lista de URLs, todos os diretórios que contém Web Services. </li></ul>
  20. 20. Localização de Web Services <ul><li>:: UDDI = Universal Description, Discovery and Integration funciona como um repositório de Web Services (Business Registry), tal como uma lista de páginas amarelas. </li></ul><ul><li>:: Esse recurso permite a publicação e localização de serviços através de critérios de pesquisa, tal como o Cadê ou Yahoo . </li></ul>
  21. 21. Transporte para Web Services <ul><li>:: Web Services utilizam a Internet como meio físico de transporte e os protocolos HTTP e SMTP para estabelecer a comunicação. </li></ul><ul><li>:: Um Web Service é similar a um componente rodando no servidor Web, exposto ao mundo através de protocolos padrão. </li></ul>
  22. 22. Transporte para Web Services <ul><li>:: Os frameworks que implementam Web Services, em geral, suportam HTTP GET, HTTP POST e SOAP (Simple Object Access Protocol). </li></ul><ul><li>:: Como HTTP é bastante comum, é possível desenvolver aplicações clientes de Web Services em diversas linguagens, tais como C/C++, Java, Visual Basic, Delphi etc, de forma fácil e rápida. </li></ul>
  23. 23. Transporte para Web Services <ul><li>:: SOAP = Simple Object Access Protocol - descreve um formato para trocas de requisições e respostas entre clientes e Web Services. </li></ul><ul><li>:: SOAP é diferente do HTTP porque utiliza XML para formatar o conteúdo das mensagens e “envelopá-lo”, permitindo conduzir informações mais complexas a respeito das requisições e das respostas. </li></ul>
  24. 24. Frameworks para Web Services <ul><li>:: Oracle 9i Web Services Framework. </li></ul><ul><li>:: Java Technology Web Services Model. </li></ul><ul><li>:: IBM B2Bi. </li></ul><ul><li>:: BEA Process Integrator-Collaborator. </li></ul><ul><li>:: Microsoft .NET (dot net). </li></ul>
  25. 25. Referências Bibliográficas O´Reilly Press www.ora.com <ul><li>Thuan Thai </li></ul><ul><li>Hoang Lam </li></ul>.NET Framework Essetials Sun Microsystems java.sun.com/xml Web Services Made Easier JavaWorld www.javaworld.com Eric Armstrong Java Web services: What´s not to like? JavaWorld www.javaworld.com <ul><li>Sonal Bansal </li></ul><ul><li>Gurav Pal </li></ul>The Web at your (machine´s) service Oracle www.oracle.com <ul><li>Rob Cheng </li></ul><ul><li>Joe Meeks </li></ul>Developing, Deploying, Managing Web Services with Oracle 9i The Server Side www.theserverside.com Billy Newport Requirements for Building Industrial Strength Web Services

×