Módulo iii pricípiocientíficomeeducativo

170 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
170
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Módulo iii pricípiocientíficomeeducativo

  1. 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDEPREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃOSECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUPERINTEDÊNCIA DE GESTÃO POLITICAS EDUCACIONAISSUPERINTEDÊNCIA DE GESTÃO POLITICAS EDUCACIONAIS DIVISÃO DE TECNOLOGIADIVISÃO DE TECNOLOGIA MÓDULO Ill- QUALIDADE NAMÓDULO Ill- QUALIDADE NA EDUCAÇÃO:EDUCAÇÃO: A PESQUISA COMO PRINCÍPIOA PESQUISA COMO PRINCÍPIO CIENTÍFICO E EDUCATIVOCIENTÍFICO E EDUCATIVO MEDIADORA: NEIVA VALADARESMEDIADORA: NEIVA VALADARES CURSISTA: ARILDA DA SILVACURSISTA: ARILDA DA SILVA TORRES DECKNISTORRES DECKNIS
  2. 2. PESQUISAR – O QUE É?PESQUISAR – O QUE É? • Pesquisa é processo que deve parecerPesquisa é processo que deve parecer em todo trajeto educativo, como princípioem todo trajeto educativo, como princípio educativo que é, na base de qualquereducativo que é, na base de qualquer proposta emancipatória.proposta emancipatória.
  3. 3. HORIZONTES MÚLTIPLOS DA PESQUISAHORIZONTES MÚLTIPLOS DA PESQUISA Compreendida como capacidade deCompreendida como capacidade de elaboraçãoelaboração própria, a pesquisa condensa-se numaprópria, a pesquisa condensa-se numa multiplicidade de horizontes no contextomultiplicidade de horizontes no contexto científico (Demo, 1985b)científico (Demo, 1985b)
  4. 4. II- PESQUISA COMO PRINCÍPIO CIENTÍFICOII- PESQUISA COMO PRINCÍPIO CIENTÍFICO • 1-A QUESTÃO CURRICULAR1-A QUESTÃO CURRICULAR • Em vez do pacote curricular como medida do ensino e daEm vez do pacote curricular como medida do ensino e da aprendizagem, é preciso criar condições de criatividade, viaaprendizagem, é preciso criar condições de criatividade, via pesquisa, para construir soluções, principalmente diante depesquisa, para construir soluções, principalmente diante de problemas novos.problemas novos. • 2- A QUESTÃO DA TEORIA E PRATICA2- A QUESTÃO DA TEORIA E PRATICA • Uma das coisas mais ridículas em ciências sociais é a teoria semUma das coisas mais ridículas em ciências sociais é a teoria sem pratica, ou a teoria como prática.pratica, ou a teoria como prática. • 3- DAR CONTA DE UM TEMA3- DAR CONTA DE UM TEMA • ‘‘Dar conta de um tema’, significa, pois, retomar o contexto doDar conta de um tema’, significa, pois, retomar o contexto do trabalho científico, geralmente apresentado como caminho detrabalho científico, geralmente apresentado como caminho de comprovação de hipóteses.comprovação de hipóteses. • 4- A QUESTÃO DA AVALIAÇÃO4- A QUESTÃO DA AVALIAÇÃO • Avaliar é pesquisar, se bem compreendido. O conceito deAvaliar é pesquisar, se bem compreendido. O conceito de pesquisa leva a dizer que a avaliação do aluno precisa serpesquisa leva a dizer que a avaliação do aluno precisa ser radicalmente revista, para ser coerente com o desafio de gestaçãoradicalmente revista, para ser coerente com o desafio de gestação do novo mestre.do novo mestre.
  5. 5. III- A PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVOIII- A PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO • Pesquisa faz parte da noção de vida criativa emPesquisa faz parte da noção de vida criativa em qualquer tempo e em qualquer lugar.(Freitag, 1988;qualquer tempo e em qualquer lugar.(Freitag, 1988; Ferreiro, 1986; Habermas, 1989).Ferreiro, 1986; Habermas, 1989). • 1- Educação, pesquisa e emancipação1- Educação, pesquisa e emancipação • Emancipação é o processo histórico de conquista eEmancipação é o processo histórico de conquista e exercício da qualidade de ator consciente e produtivo.exercício da qualidade de ator consciente e produtivo. • 2- Limitações do apenas ensinar2- Limitações do apenas ensinar • A primeira preocupação é repensar o “ professor” e naA primeira preocupação é repensar o “ professor” e na verdade recriá-lo. De mero “ensinador”- instrutor noverdade recriá-lo. De mero “ensinador”- instrutor no sentido mais barato- deve passar a “ mestre”.sentido mais barato- deve passar a “ mestre”.
  6. 6. 3-Limitações do apenas aprender O “professor” que vive de aula e prova, pratica e impõe a cópia dos outros. 4- Vazios da escola formal A influência da escola sobre a criança é cada vez mais “formal” e, neste sentido, vazia, pela artificialidade da sua organização distanciada da sociedade diária ou pela concorrência avassaladora com os meios de comunicação.
  7. 7. IV- PRÁTICA DE PESQUISA EDUCAÇÃOIV- PRÁTICA DE PESQUISA EDUCAÇÃO 1- CONSTRUINDO A PRÁTICA1- CONSTRUINDO A PRÁTICA • AA aplicação prática não é o único critério de avaliaçãoaplicação prática não é o único critério de avaliação teórica, até porque sempre são possíveis muitasteórica, até porque sempre são possíveis muitas maneiras de aplicação, cada uma contendo algumamaneiras de aplicação, cada uma contendo alguma “validade” relativa.“validade” relativa. 2- PINCELADAS DE UM CURRÍCULO(ISEP)2- PINCELADAS DE UM CURRÍCULO(ISEP) O aluno precisa apropriar-se de condições para seO aluno precisa apropriar-se de condições para se confrontar com as várias concepções de educação e deconfrontar com as várias concepções de educação e de ciência, a par do domínio da língua e de sua didática,ciência, a par do domínio da língua e de sua didática, contemplando-se com a didática e prática.contemplando-se com a didática e prática.
  8. 8. REFERÊNCIAREFERÊNCIA • DEMO. Pedro, Pesquisa:Principio científico eDEMO. Pedro, Pesquisa:Principio científico e educativo. 12ª edição São Paulo: Editoraeducativo. 12ª edição São Paulo: Editora Cortez. 2006.Cortez. 2006.

×