Programa de Nivelamento
Prof. Éric Antonio dos Santos
Língua, linguagem et al

Antes de iniciarmos uma
revisão básica da gramática
de língua portuguesa, é útil
e necessário esc...
Língua, linguagem et al
SIGNO = SIGNIFICANTE = BOLA = SIGNIFICAÇÃO
SIGNIFICADO
Língua, linguagem et al
A língua é, portanto, um verdadeiro código
social, enriquecido com o passar do tempo
e à disposiçã...
Língua, linguagem et al
2. Fala: uso que os membros da
comunidade linguística fazem da mesma
língua. Em outras palavras, é...
Língua, linguagem et al
3. Níveis de fala: são os modos variados
com que o indivíduo usa a língua, de
acordo com o meio so...
Estamos num momento
de mudanças. Está
para começar uma
nova era, um novo
período na História da
humanidade. É
momento opor...
Língua, linguagem et al
4. Linguagem: é a capacidade
comunicativa que têm os seres humanos
de usar qualquer sistema de sin...
Língua, linguagem et al
5. Gramática: é a descrição do sistema de
uma língua, ou descrição da língua como
sistema de meios...
Língua, linguagem et al
Essa gramática é chamada de descritiva,
pois preocupa-se em descrever os fatos.
Quando ela se atém...
O processo de Comunicação
Leia a seguinte anedota:
Três médicos estão contando casos de
reimplante de membros em seus
resp...
O processo de Comunicação
O médico russo:
- Pois conosco foi um jogador de vôlei que
perdeu um braço. Usamos a técnica
sov...
O processo de Comunicação
- Fantástico. É atleta o paciente?
- Não, por enquanto é governador, mas já é
candidato a presid...
O processo de Comunicação
Em todo ato de comunicação estão
envolvidos vários elementos:
Emissor ou emitente: é aquele que
...
Receptor ou destinatário: é aquele que
recebe e decodifica a mensagem. Ocupa,
em relação ao emissor, o pólo do circuito
da...
O processo de Comunicação
Canal ou veículo: é o meio pelo qual a
mensagem é transmitida do emissor para
o receptor. O cana...
O processo de Comunicação
Código: é um sistema de signos
convencionais que permite dar à
informação emitida (pelo emissor)...
O processo de Comunicação
Contexto ou referente: é a situação
circunstancial ou ambiental a que se refere
a mensagem. Assi...
Funções da linguagem
Função referencial
Referente é o objeto ou situação (contexto)
de que trata uma mensagem. Ao elaborar...
Entradas - Abacates Recheados com Camarão
Tempo de preparo: 20 minutos
Receita para 6 pessoas
3 (sopa) de cebolinha verde ...
Cozinhar os camarões em um pouco de água
salgada. Quando cozidos, escorrer e reservar.
Descascar e cortar os abacates ao m...
Função referencial
Função expressiva
Quando, ao elaborar um texto, o emissor
manifesta sua posição pessoal diante do
conteúdo transmitido, te...
Aprendi que não posso exigir o amor de
ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que
gostem de mim...
E ter paciência p...
Função conativa
No projeto de elaboração de um texto,
sempre se consideram as características
de seu receptor. Isso signif...
Função fática
O canal de comunicação ou contato é o
suporte físico por meio do qual a
mensagem caminha do emissor ao
recep...
A função fática da linguagem se manifesta
justamente em todos os elementos do
texto que envolvem o estabelecimento e a
per...
Função metalinguística: quando a
linguagem se volta sobre si mesma,
transformando-se em seu próprio
referente, ocorre a fu...
Catar feijão
Catar feijão se limita com escrever:
joga-se os grãos na água do alguidar
e as palavras na folha de papel;
e ...
Ora, nesse catar feijão entra um risco:
o de que entre os grãos pesados entre
um grão qualquer, pedra ou indigesto,
um grã...
Função poética
Está presente em textos que, pela sua
organização, são o próprio centro de
interesse da comunicação. Nesses...
O Código Linguístico
Observe a imagem
Linguagem verbal e linguagem não-verbal
Na linguagem verbal, a unidade básica é a
palavra (falada ou escrita); em
linguage...
Há, também, as linguagens mistas, que
combinam unidades próprias de diferentes
linguagens.
Variedades linguísticas
São as variações que uma língua
apresenta em razão das condições
sociais, culturais e regionais na...
Língua não-padrão é o conjunto de
todas as variedades linguísticas diferentes
da língua padrão.
Padrão formal: modo mais c...
Rodrigo veio do sítio para a escola doidinho
para aprender e descobrir os segredos que
havia no encontro das letras. Leio ...
—Eu truce, mas o di onti eu num consegui...
Nem acabou a frase e dona Marisa
berrou:
— Repita: eu trouxe, mas o de ontem n...
—
E por que não conseguiu? —
perguntou dona Marisa, furiosa.
—
Tive uns pobrema e num tinha quem
mi insinassi.
Elias José....
Agora responda.
a) A língua reflete as diferenças entre os
grupos de falantes. Por que Rodrigo fala
diferente da professor...
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem

24.301 visualizações

Publicada em

Slides para ministração de aulas de nivelamento de LP.

Publicada em: Educação
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
74
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
290
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem

  1. 1. Programa de Nivelamento Prof. Éric Antonio dos Santos
  2. 2. Língua, linguagem et al Antes de iniciarmos uma revisão básica da gramática de língua portuguesa, é útil e necessário esclarecermos alguns conceitos básicos: 1. Língua: é um sistema de signos que serve de meio de comunicação entre os membros de uma comunidade linguística. Os signos de uma língua substituem os objetos e os representam.
  3. 3. Língua, linguagem et al SIGNO = SIGNIFICANTE = BOLA = SIGNIFICAÇÃO SIGNIFICADO
  4. 4. Língua, linguagem et al A língua é, portanto, um verdadeiro código social, enriquecido com o passar do tempo e à disposição dos indivíduos para que dele se apropriem adequadamente. É importante, ainda, observar as diferenças entre a língua falada e a língua escrita. Desse modo, o usuário da língua terá um melhor desempenho nas circunstâncias em que atua.
  5. 5. Língua, linguagem et al 2. Fala: uso que os membros da comunidade linguística fazem da mesma língua. Em outras palavras, é o ato concreto e individual das pessoas que se apropriam da língua comum e lhe imprimem um estilo particular de expressão. Portanto, ao selecionar palavras do código comum, sua cultura, seu ambiente, etc., surgem os chamados estilos próprios e níveis de fala.
  6. 6. Língua, linguagem et al 3. Níveis de fala: são os modos variados com que o indivíduo usa a língua, de acordo com o meio sociocultural em que ele vive. Nesse sentido, distinguimos o nível comum do literário, o coloquial do formal e o popular do erudito.
  7. 7. Estamos num momento de mudanças. Está para começar uma nova era, um novo período na História da humanidade. É momento oportuno para refletir e mudar. Pensar em si mesmo como indivíduo que faz parte do todo. O que você tem feito para tornar esse mundo melhor para se viver?
  8. 8. Língua, linguagem et al 4. Linguagem: é a capacidade comunicativa que têm os seres humanos de usar qualquer sistema de sinais significativos, expressando seus pensamentos, sentimentos e experiências. Desse modo, desenhos, gestos, sons, cores, cheiros, onomatopeias, palavras, etc. são formas de linguagem. A linguagem é uma faculdade muito antiga da espécie humana e deve ter precedido os elementos mais rudimentares da cultura material.
  9. 9. Língua, linguagem et al 5. Gramática: é a descrição do sistema de uma língua, ou descrição da língua como sistema de meios de expressão. Como esse sistema é tríplice – fônico (de sons), mórfico (de formas), sintático (de frases) –, a gramática divide-se normalmente em fonologia, morfologia e sintaxe, ficando a estilística e a semântica como partes suplementares.
  10. 10. Língua, linguagem et al Essa gramática é chamada de descritiva, pois preocupa-se em descrever os fatos. Quando ela se atém mais às normas do falar e do escrever corretamente, de acordo com os modelos da classe culta, é denominada gramática normativa. Há, ainda, a gramática histórica e a comparativa.
  11. 11. O processo de Comunicação Leia a seguinte anedota: Três médicos estão contando casos de reimplante de membros em seus respectivos países: um alemão, um russo e um brasileiro. O médico alemão: - Tivemos um jogador de futebol do Munich que perdeu uma perna em um desastre de automóvel. Usamos nossa sofisticadíssima técnica de reimplante Auschwitzmember e hoje ele é o artilheiro do time!
  12. 12. O processo de Comunicação O médico russo: - Pois conosco foi um jogador de vôlei que perdeu um braço. Usamos a técnica soviética Bolsheviknyetnyet de reimplante e hoje ele joga na seleção! O médico brasileiro: - No nosso caso um homem teve a cabeça decepada. Usamos a técnica verdeamarela chamada Jeitim, implantamos uma abóbora e enchemos de &*$%#.
  13. 13. O processo de Comunicação - Fantástico. É atleta o paciente? - Não, por enquanto é governador, mas já é candidato a presidente!!
  14. 14. O processo de Comunicação Em todo ato de comunicação estão envolvidos vários elementos: Emissor ou emitente: é aquele que codifica e envia a mensagem. Ocupa um dos pólos do circuito da comunicação.
  15. 15. Receptor ou destinatário: é aquele que recebe e decodifica a mensagem. Ocupa, em relação ao emissor, o pólo do circuito da comunicação. Mensagem: é o conteúdo que se pretende transmitir.
  16. 16. O processo de Comunicação Canal ou veículo: é o meio pelo qual a mensagem é transmitida do emissor para o receptor. O canal é diferente para cada tipo de mensagem. Podem ser canais: sons, sinais visuais, odores, sabores, mãos, raios luminosos, etc.
  17. 17. O processo de Comunicação Código: é um sistema de signos convencionais que permite dar à informação emitida (pelo emissor) uma interpretação adequada (pelo receptor). A língua portuguesa, por exemplo, é um código; o sistema de sinais Morse é outro código. Mas, para que o processo comunicativo se realize a contento, o emissor e o receptor devem empregar um mesmo código, do contrário não haverá comunicação.
  18. 18. O processo de Comunicação Contexto ou referente: é a situação circunstancial ou ambiental a que se refere a mensagem. Assim, não há texto. A palavra “sereno” por exemplo, pode ter sentidos diversos em contextos diferentes.
  19. 19. Funções da linguagem Função referencial Referente é o objeto ou situação (contexto) de que trata uma mensagem. Ao elaborar mensagens que se orientem para o referente, procurando transmitir informações precisas sobre ele, você está privilegiando a função referencial da linguagem.
  20. 20. Entradas - Abacates Recheados com Camarão Tempo de preparo: 20 minutos Receita para 6 pessoas 3 (sopa) de cebolinha verde picada 3 (sopa) de alcaparras 1/3 de suco de limão 1 de maionese sal e pimenta-do-reino a gosto 4 abacates médios, maduros ½ quilo de camarões limpos 1 pé de alface
  21. 21. Cozinhar os camarões em um pouco de água salgada. Quando cozidos, escorrer e reservar. Descascar e cortar os abacates ao meio, tirando os caroços. Mergulhar os abacates no suco de limão, para evitar que escureçam. Cortar duas metades de abacates em quadradinhos. Misturar com o suco de limão, a cebolinha, o sal e a pimenta. Acrescentar o camarão e os quadradinhos de abacate à maionese, misturando cuidadosamente. Colocar uma folha de alface sobre o pratinho de sobremesa e colocar uma metade de abacate recheada com a mistura de maionese. Enfeitar com alcaparras e servir.
  22. 22. Função referencial
  23. 23. Função expressiva Quando, ao elaborar um texto, o emissor manifesta sua posição pessoal diante do conteúdo transmitido, temos a ocorrência da função expressiva da linguagem. Essa função indica que o emissor está presente no texto, conferindo-lhe certo grau de subjetividade
  24. 24. Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém... Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim... E ter paciência para que a vida faça o resto... (William Shakespeare)
  25. 25. Função conativa No projeto de elaboração de um texto, sempre se consideram as características de seu receptor. Isso significa que todo emissor, ao produzir sua mensagem, faz um esforço para adaptá-la às características sociais e psicológicas de quem vai recebê-lo. Podemos dizer, portanto, que todo texto traz, de uma forma ou de outra, manifestações da função conativa da linguagem.
  26. 26. Função fática O canal de comunicação ou contato é o suporte físico por meio do qual a mensagem caminha do emissor ao receptor. No caso dos textos escritos, esse canal é a própria página, pois a comunicação se estabelece com base em sinais gráficos dispostos sobre o papel.
  27. 27. A função fática da linguagem se manifesta justamente em todos os elementos do texto que envolvem o estabelecimento e a permanência do contato entre o emissor e o receptor. Em textos escritos, têm muita importância os recursos gráficos e também alguns recursos psicológicos, capazes de prender a atenção do leitor (legibilidade).
  28. 28. Função metalinguística: quando a linguagem se volta sobre si mesma, transformando-se em seu próprio referente, ocorre a função metalinguística.
  29. 29. Catar feijão Catar feijão se limita com escrever: joga-se os grãos na água do alguidar e as palavras na folha de papel; e depois, joga-se fora o que boiar. Certo, toda palavra boiará no papel, água congelada, por chumbo seu verbo: pois para catar esse feijão, soprar nele, e jogar fora o leve e oco, palha e eco.
  30. 30. Ora, nesse catar feijão entra um risco: o de que entre os grãos pesados entre um grão qualquer, pedra ou indigesto, um grão imastigável, de quebrar dente. Certo não, quando ao catar palavras: a pedra dá à frase seu grão mais vivo: obstrui a leitura fluviante, flutual, açula a atenção, isca-a como o risco. (João Cabral de Melo Neto)
  31. 31. Função poética Está presente em textos que, pela sua organização, são o próprio centro de interesse da comunicação. Nesses casos, a elaboração da mensagem utiliza recursos de forma e de conteúdo que chamam nossa atenção para a própria mensagem, causando surpresa, “estranhamento” e prazer estético. Essa mistura de sensações brota da percepção de que a linguagem foge ao convencional e se impõe por um arranjo original de formas e significados.
  32. 32. O Código Linguístico Observe a imagem
  33. 33. Linguagem verbal e linguagem não-verbal Na linguagem verbal, a unidade básica é a palavra (falada ou escrita); em linguagens não-verbais, como a pintura, a música, a dança, o código Morse, o código de trânsito, os sinais utilizados por surdos, as unidades são de outro tipo: podem ser o gesto, a nota musical, o movimento, a imagem, etc.
  34. 34. Há, também, as linguagens mistas, que combinam unidades próprias de diferentes linguagens.
  35. 35. Variedades linguísticas São as variações que uma língua apresenta em razão das condições sociais, culturais e regionais nas quais é utilizada. Língua Padrão, norma culta ou variedade padrão é a variedade de maior prestígio social
  36. 36. Língua não-padrão é o conjunto de todas as variedades linguísticas diferentes da língua padrão. Padrão formal: modo mais cuidadoso, evitando gírias, expressões grosseiras e palavras ou expressões que demonstrem intimidade com o interlocutor (ex.: fofinha, safado, pra caramba, dia de cão, é um saco!...). Estas são parte do que chamamos padrão informal.
  37. 37. Rodrigo veio do sítio para a escola doidinho para aprender e descobrir os segredos que havia no encontro das letras. Leio o diálogo dele com a professora. — Rodrigo, trouxe os exercícios da semana passada? Perguntou ela, cumprindo a promessa de cobrar.
  38. 38. —Eu truce, mas o di onti eu num consegui... Nem acabou a frase e dona Marisa berrou: — Repita: eu trouxe, mas o de ontem não consegui. Rodrigo repetiu certinho, mas tremendo, vermelho e gaguejando. A sala morria de rir. Rodrigo queria morrer, sumir, virar inseto e voar.
  39. 39. — E por que não conseguiu? — perguntou dona Marisa, furiosa. — Tive uns pobrema e num tinha quem mi insinassi. Elias José. Uma escola assim eu quero para mim. São Paulo, FTD, 1993.
  40. 40. Agora responda. a) A língua reflete as diferenças entre os grupos de falantes. Por que Rodrigo fala diferente da professora? b) Você acha que Rodrigo deve aprender a falar e a escrever na linguagem culta? Por quê?

×