Tg Aula6 2008

1.647 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.647
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
304
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tg Aula6 2008

  1. 1. Técnicas Gráficas em Jornalismo Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com) Breve histórico da diagramação no Brasil
  2. 2. Antes, um recado: Hoje é o último dia para a entrega do trabalho individual sobre publicações. Quem entregar hoje terá 50% de desconto na nota. A partir da próxima aula, vamos trabalhar exclusivamente os exercícios de diagramação no laboratório com vistas à prova prática de diagramação.
  3. 3. Como tudo começou
  4. 4. As primeiras manchetes...
  5. 5. Folha da Noite - São Paulo - 1934 fotografia Chega a
  6. 6. Folha da Noite - São Paulo - 1945
  7. 7. 1950: ano de revoluções na imprensa Na década de 1950, o Rio de Janeiro, então capital federal, testemunhou o surgimento de três iniciativas que iriam revolucionar a arte de fazer jornal no Brasil: O projeto Diário Carioca, que inovou com a criação de uma imprensa séria que adotava um tom coloquial. O projeto Última Hora, que inovou na diagramação de jornais populares. O projeto Jornal do Brasil, que inovou na diagramação da “imprensa séria” nacional.
  8. 8. O projeto Última Hora O jornalista e empresário Samuel Wainer contratou (1912-1980) Samuel Wainer um famoso diagramador paraguaio, então morando em Buenos Aires, Andrés Guevara, que começou a singularizar o jornal desenhando um logotipo, com letras em cores azuis, além de ressaltar graficamente as seções (1904-1963) Andrés Guevara temáticas originais que iam surgindo do projeto editorial da publicação.
  9. 9. Projeto gráfico e uso racional do espaço da diagramação O artista gráfico criou também os conceitos de diagramação de precisão para manter a fidelidade do projeto gráfico e estabelecer um uso racional do espaço gráfico. (1904-1963) Andrés Guevara
  10. 10. Dois trabalhos de Guevara
  11. 11. O projeto Jornal do Brasil, de Amílcar de Castro e Reynaldo Jardim O Jornal do Brasil, cuja expressão editorial estava na publicação de anúncios classificados (incluindo a Reynaldo Jardim - (*1926) primeira página), aprofundou as experiências da Última Hora e do Diário Carioca, afirmando-se por Amílcar de Castro uma renovação gráfica na (1920-2002) qual textos e fotografias passaram a compor o novo visual das páginas de modo planejado e criativo.
  12. 12. O projeto Jornal do Brasil, de Amílcar de Castro e Reynaldo Jardim A reforma elaborada no Jornal do Brasil ganhou uma expressão histórica, Reynaldo Jardim - (*1926) redimensionando alguns conceitos arraigados não Amílcar de Castro somente no Brasil. (1920-2002)
  13. 13. Projetos recentes de Amílcar de Castro
  14. 14. Fala Reynaldo Jardim... Reynaldo Jardim - (*1926) Entrevista de Reynaldo Jardim ao programa de Televisão Comitê de Imprensa, da TV Câmara (dezembro/2006)
  15. 15. Jornal da Tarde Em 1966, em São Paulo, o Jornal da Tarde, do Grupo O Estado de S. Paulo, se tornou o grande paradigma da excelência gráfica e redacional da imprensa brasileira. Mino Carta (*1933) Murilo Felisberto (1939-2007)
  16. 16. Jornal da Tarde Uma das novidades do periódico foi na estruturação gráfica. A idéia era a de que a concepção da página não saísse (ou não saísse exclusivamente) da cabeça de um diagramador. Mino Carta (*1933) Murilo Felisberto (1939-2007)
  17. 17. Jornal da Tarde: o depoimento de Ivan Ângelo Quando nós chegamos aqui era o editor-chefe e o secretário de redação, o Mino Carta e o Murilo Felisberto, que desenhavam as páginas, tentando encontrar uma linguagem Mino Carta (*1933) gráfica para o jornal, uma Murilo Felisberto linguagem (1939-2007) gráfica própria.
  18. 18. Jornal da Tarde: a capa-cartaz A capa-cartaz foi a principal marca que o Jornal da Tarde deixou na história das artes gráficas brasileiras. Mino Carta (*1933) Murilo Felisberto (1939-2007)
  19. 19. Correio Braziliense Ricardo Noblat O mais recente paradigma (* 1949) brasileiro na área das artes gráficas é o jornal Correio Braziliense, de Brasília. A fase mais marcante da publicação ocorreu entre 1994 e 2002, sob a direção do editor executivo Ricardo Noblat e do então editor-executivo de arte da publicação, o Francisco Amaral. Francisco Amaral
  20. 20. Correio Braziliense Ricardo Noblat Ainda hoje, apesar das (* 1949) mudanças de pessoal, o Correio Brazilense lidera no design de jornais brasileiros, seguindo o conceito de um jornal aberto às mudanças de linguagem nas publicações editoriais. Francisco Amaral

×