Jornalismo institucional e técnicas de assessoria de imprensa   Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com) <u...
Lembretes <ul><ul><li>Falta  uma semana  para a entrega do exercício. O prazo de entrega é 9 de abril. A nota máxima é 10....
A prova <ul><ul><li>A prova está agendada para o dia 14 de maio.  </li></ul></ul><ul><ul><li>Será uma prova com consulta, ...
Como o grupo será avaliado? <ul><li>No dia  23 de abril , cada grupo de alunos vai entregar um projeto descrevendo: </li><...
O primeiro relatório vale nota? <ul><li>Não. </li></ul><ul><li>Esse primeiro relatório não valerá nota,  mas o professor v...
E se não entregar o relatório no dia 23 de abril? <ul><li>Caso não entregue,  a nota do trabalho final terá abatimento . <...
Recapitulando... <ul><li>Falamos da aula passada sobre a importância do planejamento em assessoria de imprensa... </li></ul>
Recapitulando 2: press kit
Recapitulando 3: mailing e clipping
O house organ <ul><li>Os periódicos e programas de rádio e de televisão produzidos em AI e voltados a públicos de interess...
House organ X Jornal <ul><li>De um modo geral, existe certa semelhança entre um órgão da chamada “grande imprensa” e o hou...
House organ X Jornal <ul><li>Se examinarmos um jornal da grande imprensa, veremos que quase todos têm características comu...
House organ & Jornal <ul><li>House organs podem inserir artigos de colaboradores, publicar artigos, entrevistas e reportag...
House organ para quem? <ul><li>Embora o house-organ esteja ainda hoje associado à idéia de jornalismo empresarial, é perfe...
House organ para quem? <ul><li>O jornal é feito para um público determinado. Deve, pois, ter estilo próprio e inserir maté...
House organ para quê? <ul><li>House organs podem ter como finalidade:  </li></ul><ul><ul><li>recrear  </li></ul></ul><ul><...
House organ para quê? <ul><li>O que distingue o house organ de todos os outros meios de comunicação na instituição é poder...
Utilidades <ul><li>Estimular  a produção individual, pela publicação de textos ilustrados que ensinam os operários a econo...
Utilidades <ul><li>Promover  a melhoria das condições de segurança.  </li></ul><ul><li>Ensinar  novos métodos de operação....
Utilidades <ul><li>Concorrer  para a diminuição das ausências, através de textos sobre os efeitos que têm as faltas no rit...
Utilidades <ul><li>Divulgar  termos de acordos salariais, regimento interno de trabalho, normas de serviço etc. </li></ul>...
Utilidades <ul><li>Transmitir  aos empregados as determinações da direção.  </li></ul><ul><li>Informar  os empregados sobr...
Utilidades <ul><li>Encorajar  o oferecimento de sugestões e novas idéias.  </li></ul><ul><li>Divulgar  noticiário social-e...
Utilidades <ul><li>Comemorar  diversas ocasiões de importância para a coletividade. </li></ul><ul><li>Fornecer  leitura in...
Critérios <ul><li>A produção de house-organs deve privilegiar critérios jornalísticos, não desconsiderando, no entanto, a ...
Planejamento de house organ <ul><li>O primeiro passo no planejamento de um house-organ é a realização de um profundo e det...
Planejamento de house organ <ul><li>Após a definição das características e necessidades do house-organ, o assessor deve el...
Custos  <ul><li>O assessor de imprensa deve prever, no momento do planejamento de um house organ, os  custos  envolvidos c...
O que o plano deve estabelecer? <ul><li>Definição dos públicos específicos a serem atingidos. </li></ul><ul><li>Relação de...
Linha editorial <ul><li>Como pudemos ver, a linha editorial de um house organ pode abranger muitas possibilidades. </li></...
Periodicidade <ul><li>A continuidade numa publicação numa publicação é essencial à sua posição moral e prestígio. Nota-se ...
O produto – área impressa <ul><li>Dependendo do público que se quer atingir, das características e objetivos pretendidos e...
O produto – área impressa
O produto – área impressa <ul><li>BOLETIM </li></ul><ul><ul><li>Trabalha com informações imediatas, que precisam chegar co...
O produto – área impressa <ul><li>JORNAL </li></ul><ul><ul><li>É um veículo de periodicidade média, entre a do boletim e a...
O produto – área impressa <ul><li>REVISTA </li></ul><ul><ul><li>Por seu conteúdo principalmente interpretativo e pelo gran...
O produto – área eletrônica <ul><li>Televisão (circuito interno ou intranet) </li></ul><ul><li>Rádio (circuito interno ou ...
Conteúdo e linguagem <ul><li>Existem três tipos básicos de assuntos que podem interessar ao público de um house-organ:  </...
Tipos básicos de assuntos <ul><li>Matérias sobre a organização </li></ul><ul><li>Matérias sobre os integrantes da organiza...
Dica para o conteúdo <ul><li>House organs dificilmente empregam, com intensidade, temas factuais, hard news. Mesmo quando ...
Tiragem <ul><li>A tiragem é o total de exemplares impressos em cada edição de uma publicação.  </li></ul><ul><li>No caso d...
Impressos: etapas de produção - texto <ul><li>Pauta: Escolha dos assuntos e definição da angulação específica para cada te...
Impressos: etapas de produção - gráfica <ul><li>Diagramação  </li></ul><ul><li>Composição </li></ul><ul><li>Montagem </li>...
Eletrônicos: etapas de produção <ul><li>Pauta </li></ul><ul><li>Produção e redação </li></ul><ul><li>Reportagem </li></ul>...
Cuidado <ul><li>Planeje cuidadosamente o house organ, para que ele possa manter, sempre, pelo menos no nível do primeiro n...
Tema da próxima aula expositiva: media training e gestão de crises
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ascom_aula2_2008

1.294 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.294
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
104
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ascom_aula2_2008

  1. 1. Jornalismo institucional e técnicas de assessoria de imprensa Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com) <ul><li>O house organ </li></ul>
  2. 2. Lembretes <ul><ul><li>Falta uma semana para a entrega do exercício. O prazo de entrega é 9 de abril. A nota máxima é 10. </li></ul></ul><ul><ul><li>Se o aluno entregar entre 17 e 23 de abril, a nota terá desconto de 25%. </li></ul></ul><ul><ul><li>Se o aluno entregar entre 24 e 30 de abril, a nota terá desconto de 50%. </li></ul></ul><ul><ul><li>Não serão aceitos trabalhos após 30 de abril. Nesse caso, a nota será “0”. </li></ul></ul>
  3. 3. A prova <ul><ul><li>A prova está agendada para o dia 14 de maio. </li></ul></ul><ul><ul><li>Será uma prova com consulta, no qual haverá questões práticas e teóricas para responder. </li></ul></ul><ul><ul><li>A nota terá peso 2 na avaliação (vai contar duas vezes na avaliação). </li></ul></ul>
  4. 4. Como o grupo será avaliado? <ul><li>No dia 23 de abril , cada grupo de alunos vai entregar um projeto descrevendo: </li></ul><ul><ul><li>O cliente (quem é o cliente, um breve histórico do cliente, uma descrição de eventuais experiências do cliente em comunicação institucional) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Obs: Não é para escrever uma linha... é para construir um relatório decente, ok? </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Uma descrição do potencial do cliente para um trabalho de comunicação </li></ul></ul><ul><ul><li>O documento deve ter pelo menos 4 mil caracteres de texto (não conto como “texto”, capa, eventual bibliografia e elementos extras que não tenham a ver com o relatório). </li></ul></ul><ul><ul><li>O formulário estará disponível no site para preenchimento. </li></ul></ul>
  5. 5. O primeiro relatório vale nota? <ul><li>Não. </li></ul><ul><li>Esse primeiro relatório não valerá nota, mas o professor vai apontar problemas para que o grupo entregue um relatório adequado no dia 21 de maio . </li></ul><ul><li>O relatório entregue com atraso implicará desconto na nota final do trabalho. </li></ul>
  6. 6. E se não entregar o relatório no dia 23 de abril? <ul><li>Caso não entregue, a nota do trabalho final terá abatimento . </li></ul><ul><li>Se o relatório for entregue entre 24 de abril e 30 de abril, a nota final do projeto terá desconto de 25%. </li></ul><ul><li>Se o relatório for entregue entre 1º e 14 de maio, a nota final do projeto terá desconto de 50%. </li></ul><ul><li>Não serão aceitos relatórios após 14 de maio. Nesse caso, a nota do grupo será “0”. </li></ul>
  7. 7. Recapitulando... <ul><li>Falamos da aula passada sobre a importância do planejamento em assessoria de imprensa... </li></ul>
  8. 8. Recapitulando 2: press kit
  9. 9. Recapitulando 3: mailing e clipping
  10. 10. O house organ <ul><li>Os periódicos e programas de rádio e de televisão produzidos em AI e voltados a públicos de interesse direto ou indireto do assessorado são conhecidos pela denominação genérica de house organ. </li></ul><ul><li>Literalmente, esta expressão norte-americana significa, em Língua Portuguesa, “órgão da casa”. </li></ul>
  11. 11. House organ X Jornal <ul><li>De um modo geral, existe certa semelhança entre um órgão da chamada “grande imprensa” e o house organ, evidentemente muito mais modesto em sua apresentação. </li></ul>
  12. 12. House organ X Jornal <ul><li>Se examinarmos um jornal da grande imprensa, veremos que quase todos têm características comuns. Em todos eles podemos encontrar, invariavelmente, as seções de notícias do exterior; notícias políticas; editoriais; notícias locais (incluindo notas policiais e esportes); quadrinhos humorísticos; reportagens e entrevistas sobre diversos assuntos; colaborações; notícias do interior do país; cinema, teatro, rádio e televisão e outros. </li></ul><ul><li>O house organ, naturalmente, não precisa publicar tudo isso. </li></ul>
  13. 13. House organ & Jornal <ul><li>House organs podem inserir artigos de colaboradores, publicar artigos, entrevistas e reportagens; notícias de atividades sociais ou esportivas, humorismo, enfim, material semelhante ao dos grandes jornais. </li></ul><ul><li>A exemplo da imprensa que informa e forma a opinião pública, o house organ deve ajudar a informar e formar a opinião do público ao qual se destina. </li></ul>
  14. 14. House organ para quem? <ul><li>Embora o house-organ esteja ainda hoje associado à idéia de jornalismo empresarial, é perfeitamente plausível o enquadramento de várias publicações de entidades como sindicatos e organizações em geral. </li></ul>
  15. 15. House organ para quem? <ul><li>O jornal é feito para um público determinado. Deve, pois, ter estilo próprio e inserir matérias de interesse evidente para seu tipo de leitor. </li></ul><ul><li>Se tiver caráter “patronal” ou “institucional”, o desinteresse será inevitável. </li></ul>
  16. 16. House organ para quê? <ul><li>House organs podem ter como finalidade: </li></ul><ul><ul><li>recrear </li></ul></ul><ul><ul><li>desenvolver o espírito de equipe </li></ul></ul><ul><ul><li>aproximar empregados e empregadores </li></ul></ul><ul><ul><li>divulgar produtos e atividades sociais </li></ul></ul><ul><ul><li>Educar, inclusive para o trabalho na empresa </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhorar as relações humanas no trabalho, sempre redunda em aumento de produtividade. </li></ul></ul>
  17. 17. House organ para quê? <ul><li>O que distingue o house organ de todos os outros meios de comunicação na instituição é poder constituir um elo, um verdadeiro traço de união entre a corporação e seus públicos. </li></ul>
  18. 18. Utilidades <ul><li>Estimular a produção individual, pela publicação de textos ilustrados que ensinam os operários a economizar movimentos, apressar os processos essenciais e realizar melhor trabalho. </li></ul>
  19. 19. Utilidades <ul><li>Promover a melhoria das condições de segurança. </li></ul><ul><li>Ensinar novos métodos de operação. </li></ul><ul><li>Explicar o funcionamento dos vários departamentos de uma instituição. </li></ul>
  20. 20. Utilidades <ul><li>Concorrer para a diminuição das ausências, através de textos sobre os efeitos que têm as faltas no ritmo de produção. </li></ul><ul><li>Informar os empregados sobre o encaminhamento do produto, após deixar a fábrica. </li></ul>
  21. 21. Utilidades <ul><li>Divulgar termos de acordos salariais, regimento interno de trabalho, normas de serviço etc. </li></ul><ul><li>Explicar pormenorizadamente a legislação, no que se refere aos benefícios e vantagens a que tem direito o trabalhador, principalmente no setor social. </li></ul>
  22. 22. Utilidades <ul><li>Transmitir aos empregados as determinações da direção. </li></ul><ul><li>Informar os empregados sobre novos produtos da empresa, ou aperfeiçoamentos introduzidos nos já produzidos. </li></ul>
  23. 23. Utilidades <ul><li>Encorajar o oferecimento de sugestões e novas idéias. </li></ul><ul><li>Divulgar noticiário social-esportivo. </li></ul><ul><li>Destacar o trabalho excepcional realizado pelo empregado, associado, cliente ou parceiro. </li></ul><ul><li>Comentar relatórios anuais sobre produção e outros aspectos. </li></ul>
  24. 24. Utilidades <ul><li>Comemorar diversas ocasiões de importância para a coletividade. </li></ul><ul><li>Fornecer leitura interessante para a família do empregado (ou associado, ou cliente ou parceiro), como inclusão de noticiário feminino e infantil. </li></ul>
  25. 25. Critérios <ul><li>A produção de house-organs deve privilegiar critérios jornalísticos, não desconsiderando, no entanto, a valorização do assessorado. </li></ul>
  26. 26. Planejamento de house organ <ul><li>O primeiro passo no planejamento de um house-organ é a realização de um profundo e detalhado estudo sobre a organização e seus integrantes, o que deve ser feito por meio de pesquisa de opinião, levantamento documental e contatos pessoais. </li></ul>
  27. 27. Planejamento de house organ <ul><li>Após a definição das características e necessidades do house-organ, o assessor deve elaborar um plano, para que seja submetido à avaliação do cliente. </li></ul>
  28. 28. Custos <ul><li>O assessor de imprensa deve prever, no momento do planejamento de um house organ, os custos envolvidos com recursos humanos e materiais e contratação de serviços externos. </li></ul><ul><li>É importante considerar a necessidade de contato com diversas gráficas – no caso de periódicos impressos –, estúdios de gravação sonora e produtoras de vídeo, para programas de rádio e televisão, respectivamente. Junto a estas empresas, o assessor deve obter orçamentos e repassá-los ao seu cliente , a fim de que ele possa fazer a opção entre diversas alternativas. Cabe ao responsável pela AI orientar o assessorado para que esta opção não leve em consideração apenas o menor custo, mas também um serviço de qualidade . </li></ul>
  29. 29. O que o plano deve estabelecer? <ul><li>Definição dos públicos específicos a serem atingidos. </li></ul><ul><li>Relação de objetivos a alcançar com a publicação ou programa. </li></ul><ul><li>Planejamento editorial (no caso de house-organ impresso, página por página) e demonstração das características gerais. O veículo impresso requer, ainda, um esboço do tratamento gráfico. </li></ul><ul><li>Previsão de recursos humanos e materiais necessários e dos custos envolvidos. </li></ul><ul><li>Esboço das responsabilidades de cada uma das partes (assessor e instituição). </li></ul>
  30. 30. Linha editorial <ul><li>Como pudemos ver, a linha editorial de um house organ pode abranger muitas possibilidades. </li></ul><ul><li>A linha editorial do house organ a ser criado deve atender às necessidades, às prioridades da instituição. </li></ul><ul><li>A periodicidade também deve ser considerada antes do início da publicação e observada com rigor. </li></ul>
  31. 31. Periodicidade <ul><li>A continuidade numa publicação numa publicação é essencial à sua posição moral e prestígio. Nota-se isso nos jornais diários e outros órgãos de grande circulação, que se impõem pelos anos de vida, o que lhes assegura uma situação tradicional. </li></ul><ul><li>Outro problema de vital importância é o de sua regularidade; jornal que sai esporadicamente jamais poderá firmar a sua posição e influência. </li></ul>
  32. 32. O produto – área impressa <ul><li>Dependendo do público que se quer atingir, das características e objetivos pretendidos e dos recursos financeiros disponíveis, o periódico impresso de uma instituição poderá adotar formas distintas: boletim, jornal ou revista. </li></ul>
  33. 33. O produto – área impressa
  34. 34. O produto – área impressa <ul><li>BOLETIM </li></ul><ul><ul><li>Trabalha com informações imediatas, que precisam chegar com urgência ao público. Circula a intervalos pequenos de tempo, através de um sistema rápido e eficaz de distribuição. Possui um número reduzido de páginas, o que leva à pouca variedade temática. </li></ul></ul>
  35. 35. O produto – área impressa <ul><li>JORNAL </li></ul><ul><ul><li>É um veículo de periodicidade média, entre a do boletim e a da revista. Isso faz com que os textos mereçam um tratamento mais apurado do que os do boletim, para não perderem a atualidade e interesse. O jornal pode abranger os gêneros interpretativo, opinativo e de entretenimento, que dão às matérias um caráter atemporal, embora a informação em si não seja abandonada. </li></ul></ul>
  36. 36. O produto – área impressa <ul><li>REVISTA </li></ul><ul><ul><li>Por seu conteúdo principalmente interpretativo e pelo grande número de páginas, a revista apresenta intervalos maiores entre a circulação de duas edições subseqüentes. Devido a esta característica, ela evita, sempre que possível, as informações urgentes, imediatas, e apresenta matérias de interesse permanente. Por outro lado, o elevado número de páginas possibilita a ampliação do universo temático, fazendo com que sejam tratados não apenas assuntos diretamente ligados à instituição, mas também outros de interesse geral para seus públicos. </li></ul></ul>
  37. 37. O produto – área eletrônica <ul><li>Televisão (circuito interno ou intranet) </li></ul><ul><li>Rádio (circuito interno ou intranet) </li></ul><ul><li>Website na Intranet (blog e/ou site) </li></ul>
  38. 38. Conteúdo e linguagem <ul><li>Existem três tipos básicos de assuntos que podem interessar ao público de um house-organ: </li></ul><ul><li>os temas relacionados com a organização, </li></ul><ul><li>aqueles que envolvem seus integrantes e </li></ul><ul><li>os que, não se incluindo nos dois outros casos, possam interessar leitores, ouvintes ou telespectadores. </li></ul>
  39. 39. Tipos básicos de assuntos <ul><li>Matérias sobre a organização </li></ul><ul><li>Matérias sobre os integrantes da organização </li></ul><ul><li>Matérias que indiretamente despertam o interesse do público </li></ul>
  40. 40. Dica para o conteúdo <ul><li>House organs dificilmente empregam, com intensidade, temas factuais, hard news. Mesmo quando adotam, usam-no com moderação. </li></ul><ul><li>Como, então, produzir conteúdo? </li></ul><ul><ul><li>O estabelecimento de seções e áreas fixas de cobertura ajuda em muito a superar esse obstáculo. </li></ul></ul>
  41. 41. Tiragem <ul><li>A tiragem é o total de exemplares impressos em cada edição de uma publicação. </li></ul><ul><li>No caso dos house-organs, o ideal é que ela respeite a proporção de um exemplar para cada dois leitores . Ou seja: uma instituição que pretenda atingir, com seu veículo impresso, um público de mil pessoas, deverá determinar para ele uma tiragem de 500 exemplares, no mínimo. </li></ul>
  42. 42. Impressos: etapas de produção - texto <ul><li>Pauta: Escolha dos assuntos e definição da angulação específica para cada tema </li></ul><ul><li>Reportagem e redação </li></ul><ul><li>Edição </li></ul><ul><li>Revisão e secretaria gráfica </li></ul>
  43. 43. Impressos: etapas de produção - gráfica <ul><li>Diagramação </li></ul><ul><li>Composição </li></ul><ul><li>Montagem </li></ul><ul><li>Fotolitagem </li></ul><ul><li>Impressão </li></ul><ul><li>Secretaria gráfica </li></ul>
  44. 44. Eletrônicos: etapas de produção <ul><li>Pauta </li></ul><ul><li>Produção e redação </li></ul><ul><li>Reportagem </li></ul><ul><li>Apresentação </li></ul><ul><li>Gravação </li></ul><ul><li>Edição </li></ul>
  45. 45. Cuidado <ul><li>Planeje cuidadosamente o house organ, para que ele possa manter, sempre, pelo menos no nível do primeiro número. Começá-lo com grandes recursos e bem feito, e depois permitir que ele caia de nível, ou acabe morrendo, terá como conseqüência a anulação de todo esforço feito. </li></ul><ul><li>Seria melhor, até, nunca tê-lo começado. </li></ul>
  46. 46. Tema da próxima aula expositiva: media training e gestão de crises

×