01 Aulaverbasweb

569 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
569
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

01 Aulaverbasweb

  1. 1. O potencial econômico do jornalismo na era digital Jornalismo on-line Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com)
  2. 2. Web X Impresso <ul><li>Os jornais offline mantêm uma tendência de alta no Brasil, são o presente do jornalismo, mas as tendências internacionais apontam uma guinada nesse setor. </li></ul><ul><li>Segundo Walter de Mattos Junior, diretor do grupo Lance, a web ainda está em desvantagem: um cliente offline equivale a 100 clientes on-line ( dados atribuídos ao financista norte-americano Warren Buffet ) </li></ul>
  3. 3. Web: uma tendência de alta <ul><li>Em 2012, os jornais on-line vão superar os jornais off-line como fonte primária de informações. </li></ul><ul><li>Os jornais de internet tendem a crescer. </li></ul>Fonte: Marta Gleich (Grupo Zero Hora)
  4. 4. Internet: crescimento acelerado <ul><li>Segundo dados da Price Waterhouse Global, os jornais impressos em 2010 vão aumentar seu faturamento em 6% e a internet, em 18% </li></ul><ul><ul><li>( Marta Gleich ) </li></ul></ul>A barra azul é a expectativa de crescimento no período 2006/2007 e a barra vermelha, do crescimento em 2010
  5. 5. Perspectivas do Estadão <ul><li>Segundo o executivo Marco Chiaretti do Estadão, a divisão on-line do grupo hoje representou em 2007 3% do faturamento, mas deve crescer este ano (2008) de 7% a 8%. </li></ul>
  6. 6. Uma projeção de crescimento <ul><li>Os anúncios on-line no mundo vão crescer 28% em 2007, enquanto as demais mídias não crescem mais do que 4% (estimativas apresentadas por Marta Gleich, do Zero Hora) </li></ul>
  7. 7. A web ganha massa crítica <ul><li>Segundo dados do IBGE, a internet residencial já atinge 20 milhões de pessoas. </li></ul><ul><li>Isso significa que 11% da população brasileira já acessa internet de casa. </li></ul><ul><li>Há, portanto uma massa crítica capaz de mudar a realidade do consumo de mídia. </li></ul>
  8. 8. Quem banca a qualidade do on-line? O off-line! <ul><li>Os grandes sites jornalísticos são amparados atualmente pelas grandes marcas. </li></ul><ul><li>Para Antonio Carlos Manuel Teixeira Mendes, diretor superintendente da Folha, é o jornal que paga e tem de pagar pela qualidade do on-line . </li></ul>
  9. 9. Grandes marcas na web são as grandes marcas offline
  10. 10. De onde veio a notícia? <ul><li>As marcas já estão se consolidando na web e um indício disso é que não se diz mais que uma notícia “veio da internet”, mas sim do UOL, por exemplo. </li></ul><ul><li>Ao sustentar os sites, as empresas jornalísticas estão investindo nas suas marcas no novo ambiente. </li></ul><ul><li>As grandes marcas são fundamentais para garantir o sucesso das iniciativas on-line. </li></ul>
  11. 11. Se não dá dinheiro, por que manter? <ul><li>Antonio Carlos Manuel Teixeira Mendes afirmou que manter a qualidade jornalística na internet é sinônimo de manter os princípios que garantem a credibilidade jornalística. </li></ul>
  12. 12. Notícias na internet ganham espaço <ul><li>A internet é fonte de informação primária para 7% dos brasileiros e os jornais são para 12%. A tendência é aumentar. </li></ul><ul><li>Ocupar espaço na internet é fundamental para as empresas jornalísticas, de modo a reforçar a marca. </li></ul>
  13. 13. Por que publicar na web? <ul><li>Aos sites vinculados aos grandes jornais cabe usar boa parte desse material, pois a internet confere repercussão imediata ao que foi publicado e dá aos leitores a chance de participar, fortalecendo o vínculo com o jornal. </li></ul>
  14. 14. A “nuvem de informação” <ul><li>Marco Chiaretti, do Estadão, defende que a meta atual das empresas jornalísticas é envolver o público em uma “nuvem de informação”, conjugando todas as mídias (tv, web, rádio, jornal e celular). </li></ul><ul><li>No caso do celular, Chiaretti defende o uso do wap e do sms como recursos extras para atrair o internauta para a marca da empresa jornalística. </li></ul>
  15. 15. Perspectivas de negócio
  16. 16. Venda de conteúdo: o caso Reuters <ul><li>Elias Machado, da Universidade de Santa Catarina, destaca que 95% do faturamento da Reuters vêm da oferta de produtos de informação para clientes específicos e que apenas 5% vem propriamente da venda de notícias. </li></ul><ul><li>Caberia às empresas jornalísticas on-line achar esses caminhos para crescer e se desenvolver. </li></ul>
  17. 17. Notícias: vida útil de 28 a 30 dias <ul><li>Segundo Elias Machado, a notícia que chega ao jornal via Reuters já circulou antes em meios privilegiados. O modelo de negócios reutiliza a notícia cada vez em patamares diferentes. Por isso, uma notícia pode ter até 30 dias de vida útil para a Reuters. </li></ul>
  18. 18. Qual o modelo comercial da web? <ul><li>Elias Machado destaca que considera a venda de publicidade um modelo apropriado para o jornalismo impresso, mas que a adoção desse conceito na web não tem sido tão bem-sucedida e deve-se pensar em alternativas a ele. </li></ul><ul><li>Machado destacou também que pensar o ciberespaço como audiência não tem se mostrado a forma mais rentável até o momento. </li></ul>
  19. 19. Publicidade: um mercado saturado <ul><li>Elias Machado destaca também que os jornais não andam interessados em aumentar tiragem porque o meio publicitário está saturado e pensar a internet com base no modelo de venda de publicidade torna o bolo ainda menor. </li></ul>
  20. 20. Publicidade customizada Fonte: Apresentação de Antonio Manuel Teixeira Mendes, diretor superintendente da Folha
  21. 21. Conteúdo aberto ou fechado? <ul><li>O caso Tribuna de Santos </li></ul><ul><li>O caso A Gazeta (Vitória/ES) </li></ul><ul><li>Notícias na internet </li></ul><ul><li>Qual melhor formato? </li></ul><ul><li>O que disponibilizar na web antes? </li></ul>
  22. 22. O caso Tribuna de Santos <ul><li>Márcio Calves, editor chefe de A Tribuna de Santos, narrou a experiência, que já dura três meses, do fechamento do conteúdo da versão impressa no site. </li></ul><ul><li>Ele afirmou que a iniciativa foi muito criticada, mas ainda não há planos de mudar. </li></ul>
  23. 23. Uma audiência em declínio <ul><li>O gráfico ao lado mostra o impacto da audiência em page views da área da versão impressa. </li></ul><ul><li>A queda foi superior a 50%. </li></ul><ul><li>A Tribuna já planeja abrir de novo os classificados. </li></ul>
  24. 24. O caso A Gazeta (Vitória/ES) <ul><li>Segundo Antonio Carlos Leite, de A Gazeta, o site havia fechado há 2 anos o conteúdo do site. </li></ul><ul><li>Há 3 meses, a empresa voltou a abrir o conteúdo, mas apenas aos domingos. O resultado foi um sensível aumento de acessos nesse dia. </li></ul><ul><li>O foco atualmente é valorizar a notícia local, o chamado “jornalismo comunitário”. Ele chegou a dizer que o site deles é o único site especializado em notícias capixabas. </li></ul>
  25. 25. Uma tendência <ul><li>O The New York Times, após uma experiência de fechamento, decidiu, em 2007 abrir o conteúdo extra </li></ul><ul><li>O Wall Street Journal, do empresário de mídia Rupert Murdoch, passou também a oferecer gratuitamente também seu conteúdo na rede. </li></ul>
  26. 26. Um dia todo diante de uma banca de jornal <ul><li>A maioria das pessoas vive diante do computador hoje em dia. </li></ul><ul><li>O público passa o tempo todo diante de uma banca de jornal. </li></ul><ul><li>Cabe aos jornais aproveitar essa oportunidade proporcionada pela web. </li></ul><ul><li>A estratégia hoje mais recomendada é se consolidar no ciberespaço, apesar de a rentabilidade ser ainda bem inferior à de outras mídias. </li></ul>

×