01 Aula7 Op Lidera

572 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
572
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
37
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

01 Aula7 Op Lidera

  1. 1. Opinão Pública e Propaganda Liderança e democracia
  2. 2. Recado importante: prova <ul><li>As provas foram marcadas inicialmente para os dias: </li></ul><ul><ul><li>27 de outubro – turma da manhã </li></ul></ul><ul><ul><li>29 de outubro – turma da noite </li></ul></ul><ul><li>Vamos postergar a avaliação, de modo a ampliar o conteúdo ministrado em classe. As provas vão passar para os dias: </li></ul><ul><ul><li>17 de novembro – turma da manhã </li></ul></ul><ul><ul><li>19 de novembro – turma da noite </li></ul></ul>
  3. 3. Recado importante: exercício <ul><li>Hoje teremos exercícios a serem feitos em sala de aula </li></ul>
  4. 4. Eleições: uma análise <ul><ul><li>A política, compreendida como uma vocação, deve ser entendida para também como algo que vai além do imediato jogo eleitoral: é tanto um jogo de xadrez quanto como uma corrida de 100 metros rasos. </li></ul></ul>
  5. 5. Reconhecimento 1 <ul><ul><li>Qual a primeira meta de qualquer candidato? </li></ul></ul><ul><ul><li>Ser conhecido. Quanto mais pessoas conhecem o candidato, melhor são as suas chances. </li></ul></ul>
  6. 6. Reconhecimento 2 <ul><ul><li>O propósito de se tornar conhecido deve ser uma prioridade do candidato muito antes da campanha eleitoral. </li></ul></ul><ul><ul><li>Entre outras tarefas, a missão do profissional de marketing político é, durante o pleito, ajudar o candidato a ser reconhecido. </li></ul></ul><ul><ul><li>Essa característica do processo político tem se tornado cada vez mais acentuada com a consolidação da democracia brasileira. </li></ul></ul>
  7. 7. Basta ser reconhecido? <ul><ul><li>Não. Um candidato deve inspirar no seu público em potencial pelo menos um desses quatro sentimentos: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Identificação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Admiração </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Gratidão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Boa expectativa </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Campanhas contra candidatos costumam usar justamente uma, duas ou todos esses três sentimentos para enfraquecer o potencial eleitoral do rival: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desidentificação (identificação) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desprezo (admiração) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ingratidão (gratidão) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Má expectativa (boa expectativa) </li></ul></ul></ul>
  8. 8. Campanha de 2006 <ul><ul><ul><li>Desidentificação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desprezo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ingratidão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Má expectativa </li></ul></ul></ul>Mas que papelão, disse que era do povo, só vi corrupção! Que decepção! Pra essa gente, meu voto eu não dou não! Não! Não!
  9. 9. Campanha de 2006 <ul><ul><ul><li>Identificação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Admiração </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Gratidão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Boa expectativa </li></ul></ul></ul>A voz de Deus é a voz do povo Olha Lula aí de novo Lula é um grande presidente E vai continuar com a gente Não troque o certo pelo duvidoso Eu quero o Lula de novo Nosso Brasil no rumo certo Deixa o homem trabalhar O futuro não é mais incerto Deixa o homem trabalhar Nosso povo agora é quem decide Lula vai continuar Eu quero o Lula lá Deixa o homem trabalhar Tá tudo andando direitinho Deixa o homem trabalhar Ele trata o povo com carinho Eu quero o Lula lá E a gente não tem porque mudar
  10. 10. Nesse contexto, o que é o voto? <ul><ul><li>O conceito de voto, assim como a própria origem do poder político, está vinculado a princípios religiosos. </li></ul></ul><ul><ul><li>O lingüista francês Émile Benveniste, ao estudar a palavra “voto”, identificou no termo uma relação “contratual” entre o devoto e a divindade: consagrava-se uma oferenda em troca de um benefício da divindade. </li></ul></ul>Émile Benveniste (1902 - 1976)
  11. 11. A permuta dos santos São José de porcelana vai morar na matriz da imaculada conceição O bom José desalojado pode agora despertar e acudir os seus fiéis sem terra sem trabalho e pão Vai a Virgem de alabastro Conceição na carroça para a igreja do Bonfim a Conceição incomodada, vai escutar nossa oração nos livrar da seca, da enxurrada e da estação ruim Bom Jesus de luz neon sai do Bonfim pra capela de São Carlos Borromeu o Bom Jesus contrariado deve se lembrar enfim de mandar o tempo de fartura que nos prometeu Borromeu pedra-sabão vai pro altar pertencente à Estrela-mãe de Nazaré a Nazaré vai de mudança pro mosteiro de São João e o evangelista pra basílica de São José Mas se a vida mesmo assim não melhorar os beatos vão largar a boa fé e as paróquias com seus santos, tudo fora de lugar santo que quiser voltar pra casa, só se for a pé
  12. 12. Compromisso e representação <ul><ul><li>O voto se fundamenta em uma relação contratual: o voto nasce do um apoio fundamentado em um compromisso. </li></ul></ul><ul><ul><li>E qual a natureza do compromisso no âmbito da política? </li></ul></ul><ul><ul><li>A representação. </li></ul></ul>Émile Benveniste (1902 - 1976)
  13. 13. A representação na política <ul><li>O sentido mais profundo da representação no sistema político é o de “desempenhar papel ou qualidade de outro”. </li></ul><ul><li>O jogo político é um jogo de representação e isso não deve ser compreendido em um sentido pejorativo: a representação política significa a capacidade de desempenhar papel ou qualidade de um ou mais grupos sociais. </li></ul>
  14. 14. Representação e força política <ul><li>Quanto mais ampla a “representação”, maior o respaldo popular do político. </li></ul><ul><li>No jogo político (mesmo em um regime não democrático), a perda de representatividade implica o esvaziamento da força política do candidato. </li></ul><ul><li>Daí o jogo de conquista do voto implicar os sentimentos de gratidão e de expectativa. </li></ul>
  15. 15. A gratidão e o contrato <ul><li>A gratidão é o fundamento contratual da representação política no processo do voto. </li></ul><ul><li>Por isso tantas mensagens políticas enfatizam o “fulano fez, fulano fará”. Você “deve” votar no candidato porque ele te ajudou. Na hora do voto, é o momento de o eleitor retribuir a ajuda, mostrar-se grato. </li></ul>
  16. 16. A expectativa e o contrato <ul><li>A expectativa é outra base contratual da representação política no processo do voto. </li></ul><ul><li>O eleitor escolhe um candidato com base na expectativa de que ele o beneficie, seja como indivíduo, seja como representante de um segmento social, econômico ou geográfico. </li></ul><ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><ul><li>Se eleito, vou te contratar (clientelismo) </li></ul></ul><ul><ul><li>Se eleito, vou defender os trabalhadores </li></ul></ul><ul><ul><li>Se eleito, vou estimular a agricultura </li></ul></ul><ul><ul><li>Se eleito, vou trazer mais verbas para Campinas </li></ul></ul>
  17. 17. O voto e o “pós-venda” <ul><li>O “pós-venda” é um dos maiores desafios do marketing eleitoral: há uma grande defasagem entre os compromissos assumidos pelos candidatos e o modo que eles são e se comportam na arena política após obter a oportunidade de assumir o poder. </li></ul>
  18. 18. Desilusão e amadurecimento <ul><li>Essa é a origem da desilusão com a classe política em todas as dimensões do espectro ideológicos. </li></ul><ul><li>O efeito colateral dessa atitude é, na sociedade brasileira, um aumento no nível de exigência por parte do eleitor. </li></ul>
  19. 19. “ Democracia, Liderança, Compromisso”, de Galbraith <ul><li>Para Galbraith, o mundo contemporâneo vive uma fase de mudança de valores positiva. </li></ul><ul><ul><li>“ O homem branco não mais acredita que ele foi feito pela natureza ou enviado pelos céus para governar aqueles que são negros, pardos ou amarelos”. </li></ul></ul>John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  20. 20. Liderança, palavra-chave do jogo político na maioria dos países <ul><li>O jogo político para o autor, na maioria das sociedades, é fundamentado no papel de liderança. Fundamenta-se na capacidade de escolher líderes que comandem o poder público. </li></ul><ul><li>A exceção é o governo suíço, cujo regime político é baseado na participação popular, que se manifesta principalmente na forma de referendo. Cada cidadão é responsável pelo destino do país ao manifestar-se. </li></ul>John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  21. 21. Liderança, palavra-chave do jogo político na maioria dos países <ul><li>Para Galbraith, os estilos de governo nos EUA e Reino Unido (acrescento aqui Brasil) são marcados pelo pelo princípio da liderança. </li></ul><ul><ul><li>“ Nós não resolvemos o poder por nós mesmos; em vez disso, procuramos o homem ou a mulher que poderá fazê-lo. A nossa não é uma política do povo, mas sim uma política de governantes”. </li></ul></ul>John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  22. 22. O estilo fundamentado na liderança <ul><li>O autor destaca que o fundamento do Poder Legislativo nos EUA e Reino Unido é muito mais o de informar do que o imaginado por Montesquieu e que dá nome ao regime: a essência do parlamento é mais informar que legislar. </li></ul><ul><li>As intervenções de Eduardo Suplicy e das CPIs mostra que no Brasil a situação não é muito diferente do que acontece lá fora, no que o autor complementa: </li></ul><ul><ul><li>“ Nos EUA, política significa escolher o presidente”. </li></ul></ul>John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  23. 23. Escolha de candidatos é jogo político de ‘caciques’ <ul><li>Galbraith descreve em seu livro que a decisão das candidaturas políticas, enfatizando as majoritárias, ocorre no alto comando dos partidos. É coisa de caciques políticos. </li></ul><ul><li>Em São Paulo, o comando do PSDB escolheu Kassab para disputar a prefeitura. A rebeldia de Alckmin foi punida com o esvaziamento do apoio político interno. </li></ul>John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  24. 24. Poder econômico dita o processo político <ul><li>Galbraith destaca que o poder econômico é o grande ator por trás do sistema político contemporâneo nos EUA. </li></ul><ul><ul><li>“ O nosso sistema eleitoral dá poderes ao eleitor. E, não se tenha a menor dúvida, dá poder ao dinheiro. O povo é numeroso, os ricos são apenas alguns. Mas acontece que os políticos precisam de dinheiro. E os que estão bem de vida são muito mais influentes do que a média das pessoas”. </li></ul></ul>John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  25. 25. Qual é a natureza da liderança? <ul><li>Para Galbraith, liderança nasce a partir de uma certa capacidade política de entender as demandas coletivas. </li></ul><ul><ul><li>Todos os líderes sempre tiveram uma característica em comum: é a vontade de enfrentar inequivocamente os maiores anseios de seu povo no seu tempo. </li></ul></ul>John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  26. 26. Qual é a natureza da liderança? <ul><li>O discurso político que cativa é aquele que, de alguma maneira, encarna uma determinada vontade popular, uma vontade da opinião pública, que pode ser: </li></ul><ul><ul><li>Justiça social, ordem, tolerância, paz, prosperidade etc. </li></ul></ul>John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  27. 27. O desafio Hoover x Roosevelt <ul><li>A eleição de 1932 nos EUA foi marcada por um duelo eleitoral. De um lado, o já presidente Hebert Hoover (Republicano) e, de outro, o democrata Franklin Roosevelt. </li></ul><ul><li>Enquanto o detentor do cargo garantia, a cada minuto, que a crise econômica havia passado, o opositor enfatizava o problema que o país enfrentava. </li></ul>Hebert Hoover 1874-1964 Franklin Roosevelt 1882 – 1945 John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  28. 28. O culto contra o “ignorante” <ul><li>Hoover era considerado um homem culto e altamente preparado. Já Roosevelt era um político que sofria de paralisia infantil (o que poucos sabiam) e considerado uma pessoa pouco culta, apesar de agradável. </li></ul>Hebert Hoover 1874-1964 Franklin Roosevelt 1882 – 1945 John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  29. 29. A vitória... <ul><li>A eleição de 1933 foi vencida com facilidade por Franklin Roosevelt. </li></ul><ul><li>Galbraith atribui o sucesso do líder, que venceu mais três eleições presidenciais, não ao fato de ser uma pessoa agradável e “boa de papo”. </li></ul>Hebert Hoover 1874-1964 Franklin Roosevelt 1882 – 1945 John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  30. 30. O “segredo” sucesso: liderança <ul><li>O que fez Roosevelt vencer o pleito, assim como os demais, foi sua disposição em enfrentar a crise. </li></ul>Hebert Hoover 1874-1964 Franklin Roosevelt 1882 – 1945 John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  31. 31. Encarar desafios, a missão do líder <ul><li>Negar problemas, recusar-se a ver desafios, é uma grande ameaça ao potencial político de qualquer candidato. </li></ul>Hebert Hoover 1874-1964 Franklin Roosevelt 1882 – 1945 John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  32. 32. Só o medo a se temer Franklin Roosevelt 1882 – 1945 1° discurso de Roosevelt como presidente Campanha de José Serra para presidente, em 2002
  33. 33. Um fenômeno pitoresco <ul><li>Walter Lippmann, um dos maiores especialistas do século XX em opinião pública, analisou a disputa Roosevelt X Hoover. Ele concluiu na ocasião que Roosevelt não teria a menor chance diante de alguém tão inteligente e preparado como Hoover. </li></ul><ul><li>Ele errou. </li></ul>Walter Lippman (1889-1974)
  34. 34. O caso Nehru <ul><li>Nehru (1889 – 1964) foi o principal líder da independência indiana ao lado de Gandhi. Formou-se em Cambridge, na Inglaterra e pertencia à elite cultural do país dele, destacando-se pelo refinamento dos modos e das atitudes nos ambientes sociais refinados. </li></ul><ul><li>Nehru foi um dos militantes anti-racistas mais importantes do cenário político mundial. </li></ul>Nehru à esq. (1889 – 1964) e Gandhi John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  35. 35. O orgulho de ser indiano <ul><li>Nehru tornou-se, seja na Europa, seja na Índia, um militante do orgulho de ser indiano. </li></ul><ul><ul><li>O discurso oficial de sua época era que os indianos eram inferiores aos ingleses. Ele fazia questão de usar trajes tradicionais da Índia e deixar evidente a cor da pele dele. </li></ul></ul><ul><li>O segredo da transformação de Nehru em líder político consagrado na Índia estava no compromisso com as causas da independência e do culto à auto-estima do povo indiano. </li></ul>Nehru à esq. (1889 – 1964) e Gandhi John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  36. 36. Compromisso e atitude <ul><li>Uma das características que consagram a liderança é: </li></ul><ul><ul><li>o conjunto de compromissos que ela assume e </li></ul></ul><ul><ul><li>a atitude diante desses compromissos </li></ul></ul><ul><li>Nehru foi o grande líder da Índia durante a guerra pela independência do Reino Unido. Quando o país se viu à beira da Guerra Civil entre hindus e muçulmanos, o líder da nação não sabia lidar com o fato. </li></ul>Nehru à esq. (1889 – 1964) e Gandhi John Kenneth Galbraith 1908 - 2006
  37. 37. Pergunta da aula de hoje <ul><li>Qual o sentido da representação no jogo político? Explique. </li></ul><ul><li>(redação em duplas) </li></ul>

×