01 Aula2 Jol T 3

379 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
379
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 01 Aula2 Jol T 3

    1. 1. Requisitos para um jornalista trabalhar na web Jornalismo on-line Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com)
    2. 2. Prazos <ul><li>Estamos a duas semanas do prazo de entrega da primeira matéria (25/08/2008) </li></ul><ul><li>Estamos a 49 dias do prazo de entrega da segunda matéria (29/09/2008) </li></ul><ul><li>Estamos a 77 dias do prazo de entrega da terceira matéria e da prova (29/09/2008) </li></ul><ul><li>Estamos a 91 dias do início dos seminários (10/11/2008) </li></ul><ul><li>Estamos a 106 dias da entrega da quarta matéria (25/11/2008) </li></ul>
    3. 3. Recapitulando <ul><li>Vimos semana passada o processo de evolução da internet. Vamos terminar nessa aula a exposição e vamos começar a falar da </li></ul>
    4. 4. Estadão adota BBS <ul><li>Junho de 1993 – O Estado de São Paulo inicia prestação de serviços via BBS </li></ul><ul><li>Janeiro de 1994 – O jornal norte-americano Palo Alto Weekly torna-se o primeiro jornal a entrar on-line na internet </li></ul><ul><li>1994 – Marc Andersen e Eric Bina, criadores do Mosaic, fundam a empresa Netscape e lançam o browser Netscape, padrão do mercado até 1997 </li></ul><ul><li>1994 – Começou o e-commerce </li></ul><ul><li>1994 – Sistema Java, que permite animação em páginas na Internet, é </li></ul><ul><li>lançado pela empresa Sun </li></ul>
    5. 5. Qualquer um pode publicar na web <ul><li>Novembro de 1994 – Surge nos EUA a Geocities, a primeira empresa a oferecer home pages, espaço gratuito para o internauta colocar o que quiser </li></ul><ul><li>Dezembro de 1994 – O Jornal do Commércio (PE) criou primeiro brasileiro na World Wide Web </li></ul><ul><li>1995 - Ward Cunnigham cria o software Wiki (que quer dizer “pressa” em dialeto havaiano) </li></ul>
    6. 6. 1997: Internet Explorer vira padrão na web <ul><li>Janeiro de 1996 – O The New York Times lança sua edição na World Wide Web </li></ul><ul><li>Maio de 1996 – O Wall Street Journal lança sua edição na World Wide Web. É a primeira grande publicação que cobra pelo conteúdo (preço: US$ 49,95 por ano) </li></ul><ul><li>Maio de 1996 surgiu o Correio Popular Digital </li></ul><ul><li>Em 1997, surgiu a EPTV on-line </li></ul><ul><li>1997 – Internet Explorer supera o Netscape e torna-se o browser padrão da Internet </li></ul><ul><li>1997 – A empresa norte-americana Macromedia cria o software flash, de animação, para a web </li></ul>
    7. 7. Criação da idéia de blog <ul><li>Dezembro de 1997 – O especialista em informática Jorn Barger passa a chamar sua home page de weblog </li></ul><ul><li>Julho de 1999 – Surgiu nos EUA os softwares de publicação que facilita a publicação de textos na web. O programa é chamado de “blog” ou “weblog”. A pioneira na tecnologia foi a empresa Pitas </li></ul><ul><li>Em fevereiro de 1998, o Cosmo On Line entrou no ar com o conteúdo do Correio Popular e Diário do Povo </li></ul><ul><li>Janeiro de 2000 – America On Line compra a Time Warner </li></ul><ul><li>2000 – Pesquisa mostra que banners obtêm baixo retorno de usuários </li></ul>O weblog de Jorn Barger
    8. 8. A bolha estourou <ul><li>Maio de 2001 – Pesquisa mostra que Internet já atinge 461 milhões de pessoas no mundo. </li></ul><ul><li>Junho de 2001 – Estouro da bolha: as empresas “pontocom”, cujas ações são negociadas na Nasdaq, entram em crise. </li></ul>
    9. 9. E agora, José? <ul><li>Após o impacto da decepção do mercado quanto ao retorno da nova mídia, o setor se reorganiza e começa a reconquistar a confiança do consumidor pelo seu principal apelo: os baixos custos </li></ul><ul><li>As mudanças tecnológicas também ameaçam diluir as diferenças entre o jornalismo tradicional e o on-line. O e-paper é o principal sinal dessa revolução. O filme “Minority report” dá uma idéia do que vem sendo projetado na área </li></ul>
    10. 10. Vocação simplificadora Thomas Watson, presidente da IBM, em 1943 Não acredito que no mundo exista mercado para mais de cinco computadores
    11. 11. Simplificação tecnológica, sofisticação humanística <ul><li>Cada vez são menos necessárias noções de programação ou de html para se produzir jornalismo on-line. </li></ul><ul><li>Os princípios da profissão predominam: apuração precisa e redação clara. </li></ul><ul><li>Neste contexto, a revolução das Tecnologias da Informação tem exigido profissionais com melhor formação humanística, muito mais que tecnológica. </li></ul>
    12. 12. Um bom lema para os jornalistas <ul><li>“ Nulla dies </li></ul><ul><li>sine linea” </li></ul><ul><li>“ Nenhum dia sem uma linha” </li></ul><ul><li>Plínio, escritor, (séculos 1 e 2 DC), Roma. </li></ul><ul><li>Apeles, pintor, (século 4 AC), Grécia. </li></ul>
    13. 13. O que um jornalista precisa ter <ul><li>Credibilidade. </li></ul><ul><li>Competência investigativa. </li></ul><ul><li>Competência discursiva. </li></ul><ul><li>Habilidades inter-relacionais (com as fontes, com o público e com os colegas). </li></ul><ul><li>Flexibilidade para lidar com novos procedimentos e tecnologias, contanto que tais não firam procedimentos éticos. </li></ul>
    14. 14. Requisitos básicos da reportagem on-line <ul><li>Requisitos técnicos </li></ul><ul><li>Apuração precisa </li></ul><ul><li>Capacidade de avaliar a informação </li></ul><ul><li>Sensibilidade multimidiática </li></ul><ul><li>Redação clara </li></ul><ul><li>Capacidade de lidar com críticas </li></ul><ul><li>Requisitos éticos </li></ul><ul><li>Identificar interesse público </li></ul><ul><li>Consciência crítica </li></ul><ul><li>Polifonia </li></ul>
    15. 15. Apuração precisa <ul><li>Significa buscar o máximo de informações possíveis, contextualizar os dados apurados e avaliar o material levantado. </li></ul>
    16. 16. Apuração precisa <ul><li>Isto significa também: </li></ul><ul><ul><li>Checar os fatos o máximo possível. Não se acanhar de pedir para repetir se não entender. </li></ul></ul><ul><ul><li>Anotar corretamente números e conhecer noções elementares de matemática. </li></ul></ul><ul><ul><li>Observar a grafia dos nomes (pessoas, ruas, espécies de árvores, empresas, espécies animais, pratos de restaurante). </li></ul></ul><ul><ul><li>Transcrever corretamente citações (se quiser interpretá-las, ter extremo cuidado e perguntar ao entrevistado se o sentido pode ser entendido do modo que você compreendeu). </li></ul></ul><ul><ul><li>Ao lidar com conceitos novos e estranhos, não se acanhar de perguntar o significado das palavras. </li></ul></ul>
    17. 17. Capacidade de avaliar informações <ul><li>Entender a qualidade da informação que você está recebendo. Ou seja, é preciso se perguntar se: </li></ul><ul><ul><li>A notícia é plausível? </li></ul></ul><ul><ul><li>Você tem certeza que a informação procede? </li></ul></ul>
    18. 18. Sensibilidade multimidiática <ul><li>Compreender a complexidade do desafio multimídia e desenvolvê-lo a contento (fotografia, filme e áudio). </li></ul>
    19. 19. Redação clara - 1 <ul><li>Redação clara significa conhecimento das regras gramaticais, o domínio da ortografia e da ortoépia. Jornalismo on-line não é a Terra do Seu Creysson. Para atingir essa meta, todo jornalista precisa ter um dicionário e, de preferência, uma gramática também. Boa parte das regras gramaticais (sintáticas) e ortográficas são assimiladas por meio do hábito da leitura. </li></ul><ul><li>Um bom exercício para uma redação clara é a releitura do texto produzido. Ao reler, o jornalista deve se perguntar se o sentido de suas palavras está claro ou não. Depois disso, pergunte-se se você leria o texto que você produziu. Se a resposta for “não”, refaça-o. </li></ul>
    20. 20. Redação clara - 2 <ul><li>Redação clara significa também ordenar as informações apuradas de modo a tornar a situação mais nítida possível para o leitor. Isso significa também que você deve estar satisfeito com as informações que apurou. Se você não entendeu o que apurou, não conseguirá fazer o leitor entender. </li></ul><ul><li>Redação clara não significa um texto que explique tudo, mas sim um texto que mostre, de forma honesta, tudo que conseguiu ser apurado. </li></ul><ul><li>Redação clara significa mostrar, corajosa e honestamente, as contradições dos dados levantados quando isso acontecer e procurar dar um 'fechamento' ao texto. </li></ul><ul><li>Uma boa experiência para ver se o texto está adequado é você mesmo enviar uma sugestão de título e linha fina. Se não conseguir, há algo errado na matéria. </li></ul>
    21. 21. Redação clara - 3 <ul><li>Redação clara significa também saber escolher as palavras certas para narrar situações e descrever cenas ou personagens. O uso equivocado de palavras pode gerar problemas, no mínimo, de compreensão por parte do editor e do leitor e, no máximo, processos judiciais. </li></ul>
    22. 22. Capacidade de lidar com críticas <ul><li>Jornalismo é conflito, questionamento. Todo jornalista se expõe o tempo todo a críticas. Ele é criticado: </li></ul><ul><ul><li>pelo público , que denuncia, às vezes com extrema dureza, erros de redação e/ou apuração e/ou visões de mundo. </li></ul></ul><ul><ul><li>pelas fontes , que questionam enfoques de matérias, questionam o texto produzido (seja por erros, seja por problemas que a notícia trouxe para a fonte etc). Algumas vezes, inclusive, essas queixas viram processos na justiça. </li></ul></ul><ul><ul><li>pelos colegas de trabalho, pelos colegas de profissão, pelos chefes , por problemas pessoais e técnicos. </li></ul></ul><ul><ul><li>pelo ombudsman (quando existem) , por problemas técnicos ou éticos da redação. </li></ul></ul><ul><li>Ser jornalista é saber lidar com críticas, antecipando-as, em certos casos, evitando-as, em determinadas circunstâncias, e/ou preparando-se para as conseqüências. </li></ul>
    23. 23. Identificar interesse público <ul><li>Isto significa não deixar levar-se por curiosidades mórbidas que podem eventualmente proporcionar grande índice de leitura, mas que nada acrescentam à vida das pessoas –raramente informações da vida privada têm interesse jornalístico. </li></ul>
    24. 24. Consciência crítica <ul><li>Procurar entender o contexto da informação ao apurar (o jornalista deve se perguntar, por exemplo, a quem interessa tal informação). </li></ul>
    25. 25. Polifonia <ul><li>Capacidade de fazer de seu texto um mosaico das idéias, interesses e motivações de todos os personagens da sua matéria, seja aqueles com os quais você se identifica, seja com os que não se identifica. Todos os grandes jornalistas que tomaram partido em alguma causa nunca deixaram de lado entender as razões contrárias às suas causas. </li></ul>
    26. 26. Visão holística <ul><li>Holus vem do grego. Significa “Todo”. </li></ul><ul><li>É importante que editores on line tenham uma visão abrangente do potencial da web e buscar integração de meios (som, vídeos e textos) e cultivar ao máximo a interatividade (e-mail, fórum, comentário e enquete), por mais pobres que esses meios se apresentem atualmente. </li></ul>
    27. 27. Lista de discussão da classe <ul><li>http://br.groups.yahoo.com/group/jolPUC-Campinas/ </li></ul>
    28. 28. Próxima aula <ul><li>Na próxima aula, falaremos sobre a sensibilidade midiática e como as redações vêm se integrando à Internet. </li></ul>

    ×