Fabio De Oliveira Mozer Subs SéRgio Rosa 16.45 Sala C

955 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
955
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Fabio De Oliveira Mozer Subs SéRgio Rosa 16.45 Sala C

    1. 1. Apresentação APIMEC 2008 Fábio de Oliveira Moser Diretor de Investimentos da PREVI Rio de Janeiro (RJ) 21 de julho de 2008
    2. 2. Uma visão de futuro dos investidores institucionais como formadores de poupança e investimentos de longo prazo para o mercado de capitais
    3. 3. Fonte: Abrapp, Consolidado Estatístico A Previdência Complementar na economia nacional Evolução dos Ativos das EFPCs (R$ bilhões)
    4. 4. Fonte: MPS / SPC, Revista Conjuntura Econômica Ativos das EFPCs X PIB Nacional (em %) A Previdência Complementar na economia nacional
    5. 5. Ranking dos Fundos Fonte: Abrapp/março 2008 9 o 7 o 5 o 3 o 1 o 8,52 Banesprev 271,49 10 maiores 9,21 Sistel 10,09 Valia 433,87 32,17 132,52 Ativos (R$ bilhão) Total geral Funcef PREVI/BB Entidade Março/2008 Grandes Números 10 o 8 o 6 o 4 o 2 o 6,76 Forluz 8,78 Centrus 9,24 Itaubanco 14,81 39,39 Fundação Cesp Petros
    6. 6. Alocação por segmento Fonte: Abrapp Política de Investimentos   Limite (Res. CMN 3456) Total do Sistema Total do Sistema sem a PREVI Renda Fixa até 100% 59,50% 71,97% Renda Variável até 50% 35,50% 22,78% Imóveis até 11%* 2,70% 2,90% Operações c/Participantes até 15% 2,30% 2,35% * em 2009 - até 8%
    7. 7. Fonte: MPS / SPC – Informe Estatístico Ativos de Investimentos Distribuição histórica dos ativos por segmento
    8. 8. Brasil – Atividade Econômica <ul><li>Trajetória consistente e declinante da taxa de juros </li></ul><ul><li>Obtenção do grau de investimento </li></ul>Fonte: Bloomberg Selic Real X PIB 10,8% 9,2% 6,2% 12,6% 8,2% 12,7% 11,6% 7,7% 5,7% 4,3% 1,3% 2,7% 1,2% 5,7% 3,2% 3,8% 4,5% 4,8% 0% 2% 4% 6% 8% 10% 12% 14% 16% 18% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Selic Real IPCA PIB P << Projetado
    9. 9. Brasil – Bovespa
    10. 10. Desafio ATINGIMENTO DA META ATUARIAL Busca de investimentos com maiores rentabilidades Observando os princípios para investimentos responsáveis Mercado Private Equity Venture Capital Fundos de Governança Ampliando a exposição em: Renda Variável Imóveis Empreendimentos Imobiliários Fundos Imobiliários FIDCs
    11. 11. Princípios para Investimento Responsável PRI - Evolução do número de adesões 65 82 106 139 173 200 245 abr/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 jul/08 407 Adesões - Números Globais – Julho/2008 407 participantes signatários 28 atuando no Brasil Ativos sob Gestão: US$ 15 trilhões
    12. 12. <ul><li>Incorporação de valores de Responsabilidade Socioambiental e de Governança ao conceito de Visão Organizacional no Planejamento Estratégico da Previ; </li></ul><ul><li>Critérios de RSA foram agregados ao Documento de Políticas e Diretrizes de Investimentos; </li></ul><ul><li>Gestão Terceirizada (Private Equity e Venture Capital) – Priorização de fundos que levem em conta princípios de responsabilidade social, ambiental e de governança; </li></ul><ul><li>Triagem negativa – exclusão dos setores de fumo e armas; </li></ul><ul><li>Triagem positiva – adoção dos critérios do ISE/Bovespa para seleção de ativos. </li></ul>Iniciativas na PREVI Princípios para Investimento Responsável
    13. 13. Adesão As adesões ao PRI estão permanentemente abertas. A instituição deve enviar uma carta ao secretariado, declarando ter aprovado formalmente os Princípios, esclarecendo as razões que motivam a sua adesão e quais são as suas expectativas. O documento pode ser enviado por e-mail: info@unpri.org Contatos na PREVI: [email_address] [email_address] Saiba mais sobre o PRI: www.unpri.org Princípios para Investimento Responsável
    14. 14. 1904 2008 104 anos de pioneirismo, solidez e compromissos garantidos!
    15. 15. <ul><li>Relação direta entre produto e inflação passou a ficar mais clara a partir de 2004, consolidando o sistema de metas para a inflação após vários choques de origem externa e interna. </li></ul>Brasil Política Monetária e Inflação
    16. 16. Brasil Política Fiscal
    17. 17. <ul><li>A qualidade da gestão da dívida pública, priorizando papéis prefixados e indexados a índices de preços em detrimento de pós-fixados de juros e câmbio, foi um fator importante para a obtenção do grau de investimento. </li></ul>Brasil Política Fiscal
    18. 18. Investimentos Totais PREVI – Junho 2008 (Institucional) PREVI Futuro Plano 1
    19. 19. PREVI Futuro Plano 1 Rentabilidade dos Investimentos PREVI – Junho 2008 (Institucional)
    20. 20. <ul><li>Signatários brasileiros ou que atuam no Brasil: </li></ul><ul><li>18 proprietários de ativos: </li></ul><ul><ul><li>ARUS DESBAN FUNDAÇÃO 14 </li></ul></ul><ul><ul><li>BANESPREV ECONOMUS INFRAPREV </li></ul></ul><ul><li>BRTPREV FAELBA PETROS </li></ul><ul><li>CELPOS FASERN PREVI </li></ul><ul><li>CENTRUS FORLUZ SISTEL </li></ul><ul><li>CERES FUNCEF VALIA </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>Total de Ativos sob gestão: R$ 258 bi </li></ul><ul><ul><ul><li>(60% do setor de previdência complementar fechada no país)* </li></ul></ul></ul><ul><li>09 gestores de ativos: </li></ul><ul><li>Astra Investimentos, BDF Management , Santa Fé Portifólios, Sustain Capital, ABN AMRO, HSBC, Mauá Investimentos, Unibanco e Stratus </li></ul><ul><li>1 prestador de serviços: </li></ul><ul><li>Luz Engenharia Financeira </li></ul><ul><li>* ABRAPP – Jan/2008 </li></ul>Adesão ao PRI no Brasil
    21. 21. Princípio 1 “ Incluir temas como meio ambiente, desenvolvimento social e governança corporativa (ESG) nas análises de investimento e nos processos de tomada de decisão.” Princípios para o Investimento Responsável Princípio 2 “ Sermos proprietários ativos e incorporar os temas de ESG nas políticas e práticas de detenção de ativos.” Princípio 3 “ Buscar a transparência adequada nas empresas em que investimos quanto às questões de ESG.”
    22. 22. “ Promover a aceitação e a implementação dos princípios no conjunto de investidores institucionais.” Princípio 4 Princípio 5 “ Trabalhar juntos para reforçar nossa eficiência na implementação dos princípios.” Princípio 6 “ Divulgar nossas atividades e progressos em relação à implementação dos princípios.” Princípios para o Investimento Responsável

    ×