Sobre «Lendas portuguesas», por Miguel Rico

1.045 visualizações

Publicada em

Trabalho escolar de Miguel Rico, aluno do 8º ano da Escola da Azambuja, 2012.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.045
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sobre «Lendas portuguesas», por Miguel Rico

  1. 1. LendasPortuguesas
  2. 2. O Livro
  3. 3.
  4. 4.
  5. 5.
  6. 6. Resumos
  7. 7. O Monge e o Passarinho
  8. 8. Esta lenda fala-nos de um monge que num certo dia estava a rezar o salmo,no coro, com os seus irmãos, mas havia uma frase no salmo que o monge não percebia que era “mil anos à vista de Deus são como o dia de ontem quejá passou”. Então foi pedir a Deus para que o ajudasse com aquelaspalavras.Enquanto o monge tentava perceber o sentido, sentado no coro, entrou umpássaro a cantarolar o que fez despertar a atenção do monge,pássaro esteque voou em direção ao bosque fora do mosteiro. O monge seguiu-o.O pássaro pousou numa árvore e monge sentou-se debaixo desta a ouvi-lo.Passado um tempo o pássaro despareceu e o monge ficou triste, como tal,voltou para o mosteiro, mas este percebeu que algo não batia certo, porqueo local estava diferente e ele não reconhecia nenhum dos irmãos que aliestavam, então este foi falar com o chefe do mosteiro. Este ficou bastanteconfuso, por isso,o monge mandou trazer os livros de todos os irmãos que jáali estiveram e o monge percebeu que estava ali há cerca de 300 anos e assimagradeceu a Deus por lhe ter mostrado o que é que aquelas palavrassignificavam.
  9. 9.
  10. 10. Lenda de Santarém
  11. 11. Reza a lenda que, em 1215 a. C. , Santarém era reinada por umPríncipe chamado a quem todos tratavam por “O Melícola”.Certo dia, Ulisses, de Ítaca, chegou com os seus companheiros à foztempo em Santarém. do rio Tejo, procurava descanso e paz e decidiu passar algumUlisses, como visitante de honra de Gergoris, um dia conheceu afilha do Príncipe, os dois apaixonaram-se e tiveram um filhochamado Ábidis. Quando o príncipe descobriu tal coisa, foi procurarUlisses para a sua morte.Ulisses apercebeu-se e fugiu para Ítaca.O Príncipe nada contente com a situação, mandou deitar o bebéÁbidis pelo o rio com o objetivo de que ele morresse, mas isso nãoaconteceu, devido à maré ter subido. Ábidis foi parar a uma grutaem que diziam que nela vivia uma loba e foi esta que o criou.Passado 20 anos, Ábidis cresceu e foi apanhado e levado para opalácio real por caçadores. Sua mãe (filha do Príncipe) reconheceu-oe seu pai (Príncipe) desta vez, reconheceu que era um membro dasua família e como não tinha descendentes masculinos educou etratou de Ábidis.Passado uns anos Ábidis sobe ao trono e foi um ótimo rei!
  12. 12.
  13. 13. O Palácio sem Portas
  14. 14. Era uma vez uma família muito pobre que vivia próximo de Lagos eestes viviam apenas dos produtos que as suas hortas lhes davam. A mulher camponesa nunca podia ir visitar a sua nora, isto porquecada vez que a ia visitar aparecia sempre um Mouro a querer falarcom ela, até que certa vez esta contou ao seu marido o que se andavaa passar.O marido disse-lhe apenas que aquele Mouro devia estar encantadoe se eles o ajudassem poderiam ter uma grande recompenssa.A mulher assim fez, ouviu tudo aquilo que o Mouro queria,que eraum prédio sem portas, sem janelas e sem telhado e ,comorecompensa, ficariam com bastantes jóias e diamantes.Assim fez a pobre família , mas a mulher fez de má vontade porquenão acreditava que iam receber tal presente.Quando conseguiram acabar o prédio, a mulher encontrou oMouro, este deu-lhe a recompensa e um beijo que lhe deixou agarganta a ferver. Ao fim de uns tempos, a mulher que nuncaacreditou morreu, mas a sua família aproveitou toda aquela riqueza.
  15. 15.
  16. 16. A Minha Opinião
  17. 17. Na minha opinião, este foi um dos melhores livros que eu li e foi um dos quemais prazer me deu, pois, para conseguir obter informações necessárias pararealizar este trabalho, tive que falar com a escritora Fernanda Frazão!Além disso, dou bastante importância a este livro porque, hoje em dia, na nossageração, nós (alunos) já não damos importância aos nossos antepassados, àsnossas tradições e, claro, às nossas lendas.Portanto, aconselho todos a lerem estes livros porque são muitos fáceis de ler,divertidos e, claro, aumentam o conhecimento da nossa cultura Portuguesa!
  18. 18. Escritor e Sua Biografia
  19. 19. Nome: Fernanda FrazãoData de Nascimento: 7 de Março de 1951Idade: 61 anos Local de nascimento: LisboaMais: Fernanda Frazão é licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1977). Fernanda é editora da Apenas Livros desde 1998 e investigadora de história, em especial na área da literatura tradicional (lendas) e na dos jogos (cartas de jogar em Portugal). Faz parte do grupo internacional de investigação “Paradigma da Continuidade Paleolítica”.
  20. 20.  Escritora e asLendas Portuguesas
  21. 21. “Fiz a investigação em livros, durante cerca de 3 meses; depois demoreiuns meses largos a reescrever os textos. Como sou formada emHistória, decidi incluir informações reais, isto é, históricas, sobre algumaspersonagens e locais. Além disso, procurei ir escrevendo em diversosestilos, um pouco para me divertir. Enquanto eu ia escrevendo eentregando os textos, as ilustrações iam sendo feitas.” Fernanda Frazão
  22. 22. Algumas Obras da Escritora
  23. 23. Lendas Portuguesas da Terra e do Mar (2004)Jornada Real Vista por Cartas Jogadas (2006) Portugal, Mundo dos Mortos e das Mouras Encantadas(2009)O Culto das Cabeças em Portugal (2011)Glossário de jogos antigos e Fontes para o Estudo dosJogos em Portugal (2012)
  24. 24. Perguntas
  25. 25.  Com o apoio de: Escola Secundária de AzambujaTrabalho realizado por: Miguel Rico do 8ºD

×