E a vida continua
O que será do amanhã

Antonio Fernando Navarro
A miséria humana não
respeita os da sua raça e
nem mesmo a natureza.
Para mudarmos
precisamos começar a a
reescrever nosso...
A pior das violências não é
aquela que mostramos aos
outros, mas sim aquela que
guardamos em nós, aquela
que sentimos por ...
Muitos se
questionam o
porque do começo
de algumas das
tragédias que nos
afetam. O porque? È
por que deixamos de
fazer alg...
As mensagens e os
pedidos de socorro de
nosso pequeno mundo
estão por aí. O pior é
que não conseguimos
entendê-las à tempo...
O que será do
amanhã se não
conseguimos
reconhecer o hoje?
Quando deixamos de
fazer algo hoje
acumulamos
responsabilidades
para o amanhã.
Se não existir o
amanhã a herança
que deixa...
Existem os baús das
coisas que queremos
e não sabemos como
e nem quando utilizálas e o baú das coisas
que não queremos
hoj...
Contra a violência
humana a natureza
também reage,
algumas vezes de
modo estranho. São
as algas que
proliferam, as
bactéri...
As marcas da
poluição parecem
feridas abertas na
superfície do nosso
planeta. Muitas
dessas feridas, que
seriam cicatrizad...
Viver com o que deixamos
é a sina de muitos.
Faz parte da miséria
humana.
Só que a forma como nos
desfazemos daquilo que
n...
Os grossos rolos de
fumaça não significam
somente o progresso.
Levam junto a esse sinal
a destruição do que está
à volta. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

E a vida continua poluição

149 visualizações

Publicada em

Apresentam-se considerações a respeito da questão meio ambiente - ambiente natural, e as ações necessárias à sua preservação.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

E a vida continua poluição

  1. 1. E a vida continua O que será do amanhã Antonio Fernando Navarro
  2. 2. A miséria humana não respeita os da sua raça e nem mesmo a natureza. Para mudarmos precisamos começar a a reescrever nossos conceitos. O muito pouco que deixamos de fazer se avoluma quando pensamos no global. Se não começarmos já o resultado poderá ser catastrófico para quem nos sucederá.
  3. 3. A pior das violências não é aquela que mostramos aos outros, mas sim aquela que guardamos em nós, aquela que sentimos por dentro e que as vezes deixamos transparecer em fúria desmedida. Um Ser Humano violento não respeita a sí mesmo e nem aos outros. Cuidar da natureza é um exercício do controle de nossa violência. É o pensar no amanhã. Mas naquele amanhã com futuro e não apenas, como um passado.
  4. 4. Muitos se questionam o porque do começo de algumas das tragédias que nos afetam. O porque? È por que deixamos de fazer algo importante, não só para os outros, como também para nós.
  5. 5. As mensagens e os pedidos de socorro de nosso pequeno mundo estão por aí. O pior é que não conseguimos entendê-las à tempo.
  6. 6. O que será do amanhã se não conseguimos reconhecer o hoje?
  7. 7. Quando deixamos de fazer algo hoje acumulamos responsabilidades para o amanhã. Se não existir o amanhã a herança que deixamos, boa ou má, será repassada e talvez sem muita chance de ser reparada para os outros.
  8. 8. Existem os baús das coisas que queremos e não sabemos como e nem quando utilizálas e o baú das coisas que não queremos hoje, mas só as guardamos para não perdê-las de vez. O acúmulo um dia aparece e ficamos sem saber o que fazer.
  9. 9. Contra a violência humana a natureza também reage, algumas vezes de modo estranho. São as algas que proliferam, as bactérias que tomam conta e a vida, não continua ....
  10. 10. As marcas da poluição parecem feridas abertas na superfície do nosso planeta. Muitas dessas feridas, que seriam cicatrizadas pela própria natureza o Homem não as deixa, piorando ainda mais a “doença” do Planeta.
  11. 11. Viver com o que deixamos é a sina de muitos. Faz parte da miséria humana. Só que a forma como nos desfazemos daquilo que não nos atende mais, ou com as sobras do que deixamos prá lá, passa a ser um problema dos mais sérios, se não houver “os miseráveis” que sobrevivam disso.
  12. 12. Os grossos rolos de fumaça não significam somente o progresso. Levam junto a esse sinal a destruição do que está à volta. As altas chaminés levam mais para o alto um pouco de tudo aquilo que não presta. Quando isso tudo se assenta sobre o solo deixa impressa a marca da destruição.

×