Introdução<br />1_ Definição de acústica<br />     Acústica é a parte da Física que estuda as oscilações e ondas ocorrente...
DefiniçãO De AcúStica
DefiniçãO De AcúStica
DefiniçãO De AcúStica
DefiniçãO De AcúStica
DefiniçãO De AcúStica
DefiniçãO De AcúStica
DefiniçãO De AcúStica
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

DefiniçãO De AcúStica

23.132 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.132
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
163
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DefiniçãO De AcúStica

  1. 1. Introdução<br />1_ Definição de acústica<br /> Acústica é a parte da Física que estuda as oscilações e ondas ocorrentes em meios elásticos, e cujas freqüências estão compreendidas entre 20 e 20.000 Hz. Estas oscilações e ondas são percebidas pelo ouvido como ondas sonoras.<br />Os fenômenos físicos relacionados à acústica são o eco, a reverberação e reforço.<br />Fenomenos físicos relancionado á acústica. <br />2_ ECO<br /> Eco é o fenômeno que ocorre quando uma onda sonora, propagando-se em um meio elástico, encontra um obstáculo e reflete-se, muda de direção e volta, levemente deformada, ao local onde um observador já a captara anteriormente.<br /> Para se distinguir com nitidez o som refletido e obter-se o que se denomina propriamente eco é preciso que a distância entre o observador e o obstáculo seja tal que a onda refletida chegue a seu ouvido com um intervalo de pelo menos 1/10 de segundo em média. Esse tempo decorre da persistência auditiva do observador, isto é, o tempo de duração dos efeitos de uma onda sonora em seu aparelho auditivo. Como a velocidade do som no ar é de cerca de 340m/s, para a produção do eco de um som simples (não articulado) é preciso que o obstáculo esteja a pelo menos 17m de distância.<br /> Quando se trata de sons articulados, e tendo em vista que normalmente uma pessoa não emite mais de cinco sílabas por segundo, para produzir-se o eco de uma sílaba é preciso uma distância de 68m. Distâncias duplas ou triplas produzem o eco de várias sílabas. Se houver obstáculos em posições convenientes, o som pode repetir-se muitas vezes (eco múltiplo).<br /> Costuma-se denominar reverberação ao eco que se mistura ao som original, produzindo efeitos sonoros característicos. Esse efeito é obtido em salas de concertos, teatros e igrejas, onde as ondas sonoras se refletem nas paredes, no teto, no chão e nos móveis. Nesse caso, as múltiplas reflexões não só reforçam o som original como o prolongam. Acima do tempo ótimo de reverberação, o efeito é prejudicial ao ouvido humano, dificultando a percepção das palavras ou da melodia pela superposição das sílabas ou notas. Para evitar os efeitos nocivos empregam-se, em pontos estratégicos, materiais que absorvem as ondas sonoras, impedindo sua reflexão.<br /> A noção de eco pode estender-se a outros tipos de ondas além das sonoras, pois o fenômeno de reflexão é comum a todas elas. Assim, os radares utilizam ecos de radiações luminosas para localizar corpos no espaço e determinar a posição relativa dos planetas no sistema solar e sua distância da Terra. Para fins de diagnóstico médico, ecos produzidos por órgãos internos em ondas de ultra-som são utilizados em exames de ecocardiográfica ou ultra-sonografia.<br />3_ Reverberação<br /> Se, num recinto fechado, for accionada uma fonte sonora, as primeiras ondas geradas propagam-se até às paredes, sendo reflectidas. Percorrem um caminho em ziguezague por todas as direcções. Nesse intervalo de tempo, a fonte emitiu novas ondas que se combinam com as anteriores. As vibrações sonoras aumentam, portanto, progressivamente de intensidade até alcançar um valor estacionário. A reverberação ocorre quando a diferença entre os instantes de recebimento dos dois sons é inferior a 0,1 s. Não se percebe um novo som, mas há uma continuação do som inicial. A reverberação pode ajudar a compreender o que é dito por um orador num auditório. No entanto, o excesso de reverberação pode atrapalhar o entendimento<br />Reverberação Digital<br /> A reverberação natural é um processo acústico complexo que, apesar de toda a tecnologia eletrônica à nossa disposição, ainda não foi recriado com absoluta precisão por meios digitais. Existem unidades de reverberação que se aproximam mais do que nunca. Grandes avanços, tanto de hardware como de software, tornaram possível proporcionar uma reverberação artificial com densidade e resolução que se aproxima ao efeito natural, tentando aproximar do tipo de som limpo, para várias aplicações profissionais. Com intenção de proporcionar uma qualidade e flexibilidade de reverberação e efeitos num formato simples de usar, por exemplo, nos estúdios avançados à gravação profissional e reforço de som. A reverberação é um efeito essencial para os instrumentos musicais, gravações e reforço de som. De fato, a qualidade dos efeitos utilizados tem uma influência importante sobre a qualidade geral do som. Ela é o efeito principal na constituição de uma .<br />Tempo de Reverberação<br /> É fácil perceber que o som de uma caixa acústica parece " soar" diferente se for mudada para outro ambiente de dimensões diferentes. De onde vem a diferença? Basicamente do volume do ambiente. Na verdade, ela é o resultado directo da influência do tempo de reverberação da nova sala, que será outro, sempre se posicionar a caixa em ambiente de tempo de reverberação diferente. Serão ouvidos alguns sons frequências mais " prolongados" . O que ocorre é a maior ou menor - mas indesejada - repetição de reflexões das mesmas frequências, mais notadamente das médias e graves.<br />A reverberação é a reflexão múltipla da mesma frequência.<br /> É bom lembrar que a reflexão múltipla ocorre para todas as frequências e não apenas para uma. Na verdade, o fenómeno é chamado de Onda estacionária. Ou seja; a mesma onda reflete-se a primeira vez, a segunda, a terceira, a quarta... percorrendo sempre o mesmo caminho. Como nosso ouvido não percebe dois sons produzidos em tempo inferior a 1/17 de segundo entre eles (alguns autores adoptam 1/15), se essas reflexões ocorrem dentro de um tempo inferior a isso, percebemos apenas um som contínuo que vai perdendo " força" à medida que se reflecte mais vezes e é atenuado naturalmente. Se pelo menos uma das paredes, ou o teto, estiver a mais de 17 m do plano que se lhe opõe, será ouvido o eco.<br /> A Duração do tempo de reverberação varia conforme muitas variaveis, deve-se levar em conta o local, os materiais que serão afetados pelas ondas sonoras assim como sua absorção e reflexão.<br /> Este tempo de reverberação natural occore graças ao fato de que as ondas sonoras tem uma propagação lenta se comparada com a da luz, o som se propaga a aproximadamente 340 metros por segundo, e quando essas ondas são emitidas em ambiente aberto, ou seja sem nenhum local para reflexão, o que se pode ouvir é apenas o som direto, com tempo de reverberação 0, porém quando as mesmas ondas se deparam com superficies refletoras (Lembrando que o som em um ambiente não controlado se propaga, assim como a luz, em várias direções) as onda diretas chegam ao ouvinte, mas as outras ondas " Reverberadas" chegam ao seu ouvido depois, já que foram refletidas por outras superficies<br />A Fórmula de Sabine<br /> Sabine introduziu conceitos como a Fórmula de Sabine que encontra o tempo de reverberação em relação ao volume da sala ou caixa acústica e a absorção dos materiais que a compõem. Sendo assim temos a formula:<br />onde T=Tempo de Reverberação, V = volume em m³, A = Absorção em m² Sabine, e 0,161 é uma contante que torna o calculo mais preciso<br /> ATENÇÂO: metros quadrados Sabine são metros quadrados de total absorção que podem variar de local em local, sendo assim só é levado em consideração 1m², de material que realmente tenha um coeficiente de absorção fixo.<br /> Agora eu posso calcular a reverberação de qualquer lugar?<br /> Não. Apesar de a formula ser um tanto simples, um local pode ter varios tipos diferentes de materiais, cada um com uma absorção diferente. Assim, antes de fazer os calculos, pesquise sobre os materiais que se encontram no local onde se deseja fazer o calculo de Sabine.<br />4_ Reforço<br /> Reforço, ou reforçador, no behaviorismo, é a consequência de um comportamento que mostra-se capaz de alterar a frequência deste comportamento, tornando-o mais provável. Reforços são estímulos que incentivam um determinado comportamento, em oposição à punição.<br />Tipos de reforço<br /> Os reforços são divididos em dois tipos: reforço positivo e reforço negativo. Um reforço positivo aumenta a probabilidade de um comportamento pela presença (positividade) de uma recompensa (estímulo). Um reforço negativo também aumenta a probabilidade de um comportamento pela a ausência (retirada) de um estímulo aversivo (que cause desprazer) após o organismo apresentar o comportamento pretendido.<br /> O que difere um reforço positivo de um reforço negativo é que o primeiro consiste em inserir um estímulo reforçador no ambiente e o segundo consiste em retirar um estímulo aversivo. Por exemplo, o comportamento de estudar bastante é reforçado pelo estímulo reforçador de se receber uma boa nota, de modo que a boa nota é um reforço positivo. Por outro lado, desligar o telefone durante uma conversa desagradável retirará do ambiente um estímulo aversivo, que é a conversa, de modo que desligar o telefone é um reforço negativo.<br />Reforço e punição<br /> É muito comum a confusão entre reforço negativo e punição. É válido enfatizar que reforço negativo, ao contrário do que o nome pode sugerir, não é um estímulo que reduza a frequência do comportamento, isto é, um estímulo aversivo; reforço negativo é um estímulo que aumenta a frequência do comportamento que consiste em retirar um estímulo aversivo do ambiente. Reforço ou reforçamento não é recompensa.<br /> A punição, por sua vez, é um estímulo aversivo que reduz a probabilidade do comportamento. A punição pode ser, também, positiva (caso em que consiste em se inserir no ambiente um estímulo aversivo, como, por exemplo, um puxão de orelha) ou negativa (caso em que consiste na retirada de um estímulo reforçador do ambiente, como na proibição que uma criança receba de assistir televisão).<br /> Ou seja, os termos positivo e negativo, nesse caso, não indicam que o reforçamento ou punição seria boa ou ruim. Eles simplesmente referem-se à retirada ou à introdução de estímulos que podem aumentar ou diminuir a frequência de um dado comportamento. Quando o estímulo é introduzido em um reforço ou punição dizemos que é positivo e quando é retirado, dizemos que é negativo.<br />Diminuição de frequência do comportamento<br /> Reforços não apenas aumentam a probabilidade de incidência no comportamento como também são utilizados para que um determinado comportamento deixe acontecer, estimulando a não-incidência deste. Outra ferramenta comportamental para diminuição de frequência de um determinado comportamento é a punição positiva, pela qual se insere algo aversivo no ambiente, ou também a punição negativa, pela qual se retira algo reforçador do ambiente, e também a extinção, que é a retirada total do estímulo ao comportamento do ambiente.<br />Escola Juscelino Kubistchek de oliveira<br />Professor: Marcio<br />Aluno: Reginaldo reis nº 24<br />Data: 11 de janeiro de 2010 turma: 2ªd<br />Bibliografia<br />www.google.com.br<br />pt.wikipedia.org<br />

×