Introdução ao Ortomolecular

5.319 visualizações

Publicada em

Aula sobre a medicina ortomolecular ministrada por Dr. Tsutomu Higashi, diretor médico da Clínica Higashi, ministrada em palestra para curso de medicina preventiva em São Paulo. www.ortomoleculardrhigashi.med.b

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.319
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.272
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
114
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução ao Ortomolecular

  1. 1. INTRODUÇÃO ao ORTOMOLECULAR Dr. Tsutomu Higashi nutrologista – patologista – ortomolecular www.ortomoleculardrhigashi.med.br
  2. 2. 1- Relacionamento Cosmos Social Familiar Consigo Mesmo 2- DIAITA Dieta Exercício – Relaxamento Sono 3- Meio Ambiente Ar Água Comida Contacto 4- Detoxificação Genoma Proteômica Nutrientes Hábitos 4 Pilares da Saúde <ul><li>Dr. Leo Galland </li></ul>
  3. 3. Estrutura de Genoma IMAGINAR QUE: 1 Livro = Genoma 23 capítulos = 23 cromossomos Cada capitulo tem milhares de historias = Genes Cada historia é feita de pará-grafos = Exons Que são interrompidos por Introns Cada parágrafo feito por palavras = Codons Cada palavra contém letras chamadas = Bases Existem 1 bilhão de letras no livro maior que 800 bíblias
  4. 4. Polimorfismo Nucleotídeos Simples
  5. 5. A Proteômica é o que existe de mais novo na área da biologia molecular. Os cientistas correm para catalogar as proteínas que existem em nossos corpos e entender como elas se relacionam entre si. No corpo humano a síntese de proteína (Proteômica) obedece os códigos genéticos, decodificado no DNA do núcleo da célula. A PROTEÔMICA Fonte: Scientific American
  6. 7. GENOMA REGULAÇÃO SNPs DIAITA PROTEÔMICA TRIADES DAS ENFERMIDADES EX: CARDIOVASCULAR CEREBROVASCULAR CÂNCER ARTROSE OSTEOPOROSE COLITES ALERGIAS ASMAS ORGANISMO : DETOX MEIO AMBIENTE: AR COMIDA ÁGUA CONTACTO IRRADIAÇÃO
  7. 8. DOENÇAS CARDIOVASCULARES <ul><li>Aterosclerose </li></ul><ul><li>Hipertensão </li></ul><ul><li>Doenças coronarianas defeito de metilação </li></ul><ul><li>Síndrome de hipercoagulaçào </li></ul><ul><li>Efeito do metabolismo de colesterol </li></ul><ul><li>Distúrbios inflamatórios </li></ul><ul><li>Marcador geral dos riscos </li></ul><ul><li>Marcador de cardio protetors </li></ul>
  8. 9. OSTEOPOROSE <ul><li>Aumento de risco de osteopenia e osteoporose </li></ul><ul><li>Síntese de colágeno e metabolismo de cálcio </li></ul><ul><li>Atividade de vitamina D3 </li></ul><ul><li>Atividade Osteoclastica </li></ul><ul><li>Inflamação crônica </li></ul>
  9. 10. ALERGIA/ ASMA/ GALT = DEFEITO IMUNOLOGICO <ul><li>Risco alternado na produção de interleucina, citocinas,  necrose tumoral </li></ul><ul><li>Risco de asma, osteopenia, doença cardiaca </li></ul>
  10. 11. Toxidade, Stress Oxidativo e Risco de Cancer <ul><li>Defeito de detoxificação </li></ul><ul><li>Regulação de Citocromo P 450 </li></ul><ul><li>2 ° fase de detox hepatica: conjugação de glutation e acetilação </li></ul><ul><li>Alteração de metilação catecolamina, stress oxidativo, defeito de detoxificação tem relação com câncer, fadiga crônica, sensibilidade química múltipla e alcoolismo </li></ul>
  11. 12. PROGRESSÃO DA DOENÇA GENS, HÁBITO DIETA MEIO AMBIENTE ENDOTOXINAS EXOTOXINAS INTOXICAÇÃO METABÓLICA DA RESISTÊNCIA COMPROMETIMENTO HEPÁTICO FUNCIONAMENTO DE ORGÃOS / SISTEMAS CORTAR CICLO SINTOMAS CRÔNICAS DROGAS E MEDICAÇÕES
  12. 13. IDADE ESTADO ATEROSCLEROSE CANCER 20 INICIAL COLESTEROL EXPOSIÇÃO CARCINOGENICA 30 DISCERNIVEL PLACAS PEQUENAS (ARTEREOGRAFIA) METAPLAZIA CELULAR 40 SUBCLINICO PLACAS GRANDES (ARTERIOGRAMAS) METAPLAZIA AUMENTADA 50 UMBRAL CLAUDICAÇÃO NO EXERCICIO CARCINOMA IN SITIO 60 SEVERO ANGINA CANCER CLINICA 70 FIM AVC 1 AM CANCER METASTATICO
  13. 14. IDADE ESTADO ARTROSE DIABETE 20 INICIAL ALTERAÇÃO MIN. CARTILAGEM OBESIDADE 30 DISCERNIVEL REDUÇÃO MIN. DE ESPAÇO INTRA ARTICULAR TOLERANCIA ANORMAL DE GLICOSE 40 SUBCLINICO DESGASTE ÓSSEO HIPER GLICEMIA EM JEJUM 50 UMBRAL DOR ARTICULAR LEVE GLICOSURIA 60 SEVERO DOR ARTICULAR MODERADA HIPOGLICEMIA POR DROGA RES. INSUL. 70 FIM INVALIDEZ CEGUEIRA NEVROPATIA, NEFROPATIA
  14. 15. IDADE ESTADO EFISEMA CIRROSE 20 INICIAL FUMANTE ALCOOLATRA 30 DISCERNIVEL OBSTRUÇÃO LEVE VIAS AEREAS RESPIRATORIAS ESTEATOSE 40 SUBCLINICO HIPERINSUFLAÇÃO (RX) HEPATOMEGALIA 50 UMBRAL DISPINEIA GI HEMORRAGIA 60 SEVERO HOSPITALIZAÇÃO FREQUENTE ASCITE 70 FIM DEBITO INTRATAVEL DE OXIGENIO ICTERICIA COMA HEPATICO
  15. 16. Alergenos, Poluições, Viroses e Asmas Fator Ambiental Suscetibilidade Genética Sensibilidade Alérgica Inflamação de Vias Aéreas (Secreção de Citocinas, Leucotrienos, Óxido Nítrico) Exposição alérgica desde o nascimento Poluição do Ar Infecção viral Fumantes Gatilho inicial Antecedentes Mediadores Sintomas de Asma + Alergenos Viroses Sinais e sintomas Gatilho secundário
  16. 17. EVOLUÇÃO DA DOENÇA ANTECEDENTES MEDIADORES SINTOMAS E SINAIS DOENÇAS TRIGGER
  17. 18. ANTECEDENTES (Diastase = Predisposição) FATOR DE RISCO INDIVIDUAL <ul><li>HEREDITÁRIO </li></ul><ul><li>CONGENITA (Ambiente uterina: </li></ul><ul><li>xenobióticos, infecções, traumas físicos </li></ul><ul><li>e psíquicos) </li></ul><ul><li>HÁBITO </li></ul><ul><li>PROFISSÃO </li></ul><ul><li>IDADE, SEXO E RAÇA </li></ul><ul><li>NUTRIÇÃO </li></ul><ul><li>SEDENTARISMO </li></ul><ul><li>OUTROS </li></ul>
  18. 19. TRIGGER ATIVA O MEDIADOR <ul><li>AGRESSÃO FÍSICA (EX: CONCUSSÃO) </li></ul><ul><li>ATIVIDADES REPETITIVAS: SINDROME DE “OVER USE” </li></ul><ul><li>EXERCÍCIO FÍSICO: GATILHO INFARTO DE MIOCARDIO </li></ul><ul><li>MICRÓBIOS: BACTÉRIAS, VÍRUS, PARASITAS E FUNGOS </li></ul><ul><li>DROGAS: TERAPEUTICOS, RECREAÇÕES E ILÍCITOS. </li></ul><ul><li>TOXINAS: POLUIÇÃO DO AR, AMBIENTAIS, ALIMENTARES, </li></ul><ul><li>CIGARROS, MICRÓBIOS E ETC. </li></ul><ul><li>VARIAÇÃO DE TEMPERATURA: </li></ul><ul><li>DISCÓRDIA </li></ul><ul><li>MEMÓRIA DA DOENÇA PRÉVIA OU ANSIEDADE </li></ul><ul><li>STRESS NA FAMÍLIA </li></ul>
  19. 20. MEDIADORES <ul><li>BIOQUÍMICO </li></ul><ul><li>STRESS HORMONAL (ADRENALINA – </li></ul><ul><li>CORTISOL) </li></ul><ul><li>NEUROTRANSMISSORES (SEROTONINA) </li></ul><ul><li>NEUROPEPITICAS (ENDORFINA, P) </li></ul><ul><li>PROSTANOIDES </li></ul><ul><li>CITOCINAS (IL1) </li></ul><ul><li>RADICAIS LIVRES </li></ul><ul><li>OXIDO NÍTRICO </li></ul>AQUELES QUE PRODUZEM SINTOMAS E SINAIS DE DANO CELULAR <ul><li>EMOCIONAL </li></ul><ul><li>TEMOR HIPOCONDRIACO </li></ul><ul><li>AUTOESTIMA BAIXA </li></ul><ul><li>IGNORÂNCIA SOBRE DOENÇA </li></ul><ul><li>SOCIAL </li></ul><ul><li>RECOMPENSA P/ SER DOENTE </li></ul><ul><li>FALTA DE RECURSOS </li></ul><ul><li>FÍSICO </li></ul>
  20. 21. SINTOMAS E SINAIS CARACTERIZA ENFERMIDADE SINAIS : MANIFESTAÇÃO OBJETIVA DE ALTERAÇAO DO ORGANISMO. SINTOMAS : MANIFESTAÇÃO VERBAL E PSIQUICA.
  21. 22. ANTECEDENTES (Fator de risco básico) Toxina Ambiental Injúria Cerebral Predisposição Genética Insuficiência nutricional Abuso, negligência ou familia “ stressora” GATILHO (Resultado de problema orgânico) Disfunção: Digestão Absorção Fígado Detoxificação Glicemia regulação Intestino vazado Alergia Ambiental Ambientar/ Intolerância Infecção crônica e Perda de flora normal Distúrbio do Sistema imunológico Disbiose Intestinal: Parasita Bacteria e Fungo MEDIADORES (Efeito Bioquímico) Disfunsão do Neurotransmissor cerebral, Imuno modulatório; neuropeptideos e neurotoxinas Insuficiência de nutrientes SINAIS E SINTOMAS Impulsividade Inatenção Hiperatividade Lentidão Esquecimentos Problema de personalidade Diminuição de auto-estima Relacionamento Problemático Desordens psicológicas Procrastinação Ansiedade crônica Comportamento antisocial Comportamento Carregado de risco Dificuldade de começar projetos perfeccionismo Contraventor Comportamento Auto destrutivo Muitos projetos Não definidos Agressão Extremo mal humor Vícios Automedicação Problema Estrutural do cérebro Problema Estrutural do cérebro MODELO DA MEDICINA FUNCIONAL (ORTOMOLECULAR)
  22. 23. DOENÇAS <ul><li>ALZHEIMER </li></ul><ul><li>ARTRITE </li></ul><ul><li>ATEROSCLEROSE </li></ul><ul><li>FADIGA CRÔNICA </li></ul><ul><li>COLITES </li></ul><ul><li>CROHN </li></ul><ul><li>CISTITE </li></ul><ul><li>DIABETE </li></ul><ul><li>FIBROMIALGIA </li></ul><ul><li>INFLAMAÇÃO INTESTINAL </li></ul><ul><li>INFLAMAÇÃO DO FÍGADO </li></ul><ul><li>PARKINSON </li></ul><ul><li>COPD </li></ul><ul><li>PROSTATITE </li></ul>
  23. 24. Demonstração Esquemática dos Benefícios da Vitamina E (Tocofecol) Publicado no Fórum IFM – 2002 Aumenta oxido nítrico endotelial Aumenta mediador da imunidade celular VITAMINA E 100 ui – 400 ui – 600 ui- 800 ui – 1200 ui Diminui alta sensibilidade de PCR Diminui NF Kappa Beta Diminui oxidação in vivo Coe Q10 Diminui F2 isoprostanos (marcadores de peroxidação lipídica) Melhora disfunção Endotelial Diminui hemoglobina A1C Em diabete tipo I Diminuição de agregação plaquetária Aumenta atividade fibrinolítica Diminui PAI 1 e P selectina) Diminuição de citocinas proinflamatório e Proaterogenico (IL 1B, TN Alfa e IL 6) Diminui proliferação celular da musculatura lisa Diminui LDL oxidada em “vitro” Diminui produção de tromboxane Diminui adesão monocitaria em endotélio vascular (ICMA – Intra Celular Molecular Adesão VCMA – Vascular Celular Molecular Adesão
  24. 25.   BASE TERAPÉUTICA COM ANTIOXIDANTE (SINERGISMO ) INICIADOR DE RADICAL LIVRE (Radiação, Drogas e Alteração da atividade enzimática orgânica) Capturação Direta Enzimas Antioxidantes ( Superoxido Dismutase requer Zinco, Cobre e Manganês ) Capturado por Ascorbato Vitamina C Radical Ascorbil Radical Tocoferol 2O*2 +2H H2O2 + O2 Glutation Peroxidase Selênio H2O2 +2GSH 2H2O+GSSG Cisteína Glutation (GSH) Glutation Disulfito (GSSG) Glutation Redutase Vitamina B2 Carotenóides Tocoferol Vitamina E Bioflavanóide Quercetina Rutina Hesperidina Ginko Biloba Picnogenol
  25. 26.   CIS ÁCIDO LINOLENICO (LA) CAMINHO METABOLICO DE ÁCIDOS GRAXOS E ESSENCIAIS OMEGA 6 (Ac. Graxos) Ex: Óleo de canola, milho, soja, açafrão e girassol) OMEGA 3 (Ac. Graxos) Ex: óleo de semente de linhaça, soja e canola. Excesso de gordura trans, insulina, deficiência, de Zn e Mg contribui p/ desaturase. 6 DESATURASE ÁCIDO GAMA LINOLENICO (GLA) ELONGASE AC. ALFA LINOLENICO (LNA) AC. EICOTETRANOICO ÁCIDO DI-HOMO GAMA LINOLENICO Ex: leite materno 5 desaturase (Atividade pobre em humanos) AA principal fonte alimentar ÁCIDO ARAQUIDONICO(AA) Ex: gordura animal PROSTAGLANDINA E 1 (PG1) Séries 1 da Prostaglandinas <ul><li>Vaso dilatado </li></ul><ul><li>Prevenção Agregação Plaquetaria </li></ul><ul><li>Diminui Pressão Arterial </li></ul><ul><li>Inibe síntese de Colesterol </li></ul><ul><li>Inibe Inflamação </li></ul>PROSTAGLANDINA E 2 (PG2) Séries 2 da Prostaglandinas (PGD – PGI 2 – PGG 2- PGA 2 Ativados pelo COX 1 e COX 2 Aumenta dor, inflamação vaso constrição 6 desaturase Elongase ÁC. EICOTETRANOICO 5 desaturase <ul><li>AC. EICOPENTANOICO (EPA) </li></ul><ul><li>Ex: óleo de peixe </li></ul><ul><li>Inibe efeito cascata de Ac. Araquidonico </li></ul><ul><li>Diminuindo atividade desaturase </li></ul><ul><li>Previne coagulação. </li></ul>LIPOOXIGENADAS Elongase Leucotrienos (LT) Inflamação + Constrição PROSTAGLANDINA E3 (PG3) Séries 3 de Prostaglandinas <ul><li>PGH 3 </li></ul><ul><li>PGI 3 </li></ul><ul><li>TXB 3 </li></ul><ul><li>(Antiflamatório) </li></ul>4 desaturase Crise aguda de doença inflamatória Bloqueio Series 2 Prostaglandinas AC. DOCOSAHEXANOICO (DHA) Ex: óleo e peixe Desenvolve cérebro e olhos em crianças
  26. 27. LISTA DE SUBSTÂNCIAS INIBIDORAS DE MOLÉCULAS INFLAMATÓRIAS NA CASCATA DE AC. ARAQUIDONICO   CORTICOESTEROIDES INIBIDOR BOTANICA INIBIDOR SINTÉTICO INIBIDOR NUTRICIONAL FOSFOLIPASE A VITAMINA E QUERCETINA ALCAÇUZ TURMÉRICO CICLOXIGENASE EPA DHA GINGER TURMÉRICO SALGUEIRO PRETO ANTIFLAMATÓRIO NÃO ESTERÓIDE (INDOMETACINA, ASPIRINA, IBUPROFENO,SULFASALAZINA) ACETOAMINOFEN ENZIMAS LIPOXIGENASE QUERCETINA VITAMINA E EPA TURMÉRICO CEBOLA ALHO BROSWELLIA SULFASALAZINA                                  
  27. 28. Estado de Oxido Nítrico e sua função no organismo (estado de oxido nítrico e possível efeito sistêmico)       Órgão Sistema Produção Reduzida Produção Normal Produção Excessiva Vascular Hipertensão Normotensão Hipotensão Neurológico Hipotonia Neurotransmissor normal Inatividade B12, injuria oxidativa e citocinas Imune Infecção oportunista Atividade macrófago Autoimunidade / excesso de inflamação Gastrointestinal Cândida, H.pylori, HIV sIgA e imunidade normal Inflamação Hepático Defesa imune reduzida Atividade de célula Kupffer Inatividade de P450s Muscular Perfusão reduzida Relaxação fisiológica das fibras musculares de contração rápida Destruição das fibras de contração rápida / Fibromialgia
  28. 29. EXOTOXIDADE NEURONAL LIGADO A DOENÇA DEGENERATIVA CEREBRAL Receptor NMDA (N metil d-aspartato) Na + Mitocôndria ATPase ATPase ATPase ATP CA 2+ NA + Protease Fosfolipase Endonuclear Glutamina Glicina + + ER PCP Ca 2+ Na + Ca 2+ AR NO* O* H 2 O 2 sintetase NO Superoxido perioxinitrito ONOO * OH - NO 2 - e - O2* Célula Neuronal Polaminas
  29. 30. 10 Causas que lideram a morte na America: 80% dos americanos são afetados com doença cardiovascular: 1. Doença Cardíaca 36.4% 2. Câncer 22.3% 3. Doença Cérebro Vascular 7.1% Efeito Colateral?? 4. Acidente 4.6% 5. Doença Pulmonar 3.6% 6. Pneumonia, Gripe 3.3% 7. Diabete 1.8% 8. Suicídio 1.5% 9. Doença Hepática 1.2% 10. Aterosclerose 1.1% 11. Outras causas 3.4% Nós devemos ser gratos pelo milagre do “bypass” . Acho que eu não poderia pagar minha hipoteca sem isto .
  30. 31. QUESTÃO CHAVE O QUE SÃO CAUSAS PRIMARIAS DE DOENÇAS CARDÍACAS
  31. 32. 72 batidas minuto X 60minutos 1 hora 24 horas dia X X 365 dias 1 ano 37,843,200 batidas ano X 77 anos vida média = = = 2,913,926,400 batidas Tempo de vida A MAIOR “BOMBA” DO MUNDO
  32. 33. Física 101 Pressão = Força por unidade de área Ex. PSI
  33. 34. A média do sistema circulatório consiste acima de 60.000 milhas de vasos sangüíneos. 1 milha = 1.609 metros
  34. 35. Hipertensão O aumento da pressão terá um grande efeito sobre a bifurcação das artérias.
  35. 36. Em toda a circulação, o sangue que flui através das artérias coronárias, está sob altíssima pressão.
  36. 37. Artérias são feitas de células construídas.
  37. 38. A membrana celular é construída de dupla camada de FOSFOLIPIDIOS .
  38. 39. Quando a membrana celular é destruída, os lipídios internos da membrana são liberados.
  39. 40. Destruição de tecidos aciona gatilho de cascata inflamatória e a produção de Eicosanoides – Pro Inflamatório (série 2 prostaglandinas). PG 2
  40. 41. PG 2 Big Mac PG 2 - convoca os glóbulos brancos para esterilizar a área . Este sinal também convida os macrofágos a festejar sobre os detritos. OCl - OCl -
  41. 42. Hipoclorito (Ocl-) (Branqueador) é um poderoso agente oxidante designado para destruir a membrana da bacteria invasora . OCl - OCl -
  42. 43. OCl - O processo de esterilização freqüentemente destrói as membranas de células vizinhas. OCl -
  43. 44. Por sorte, o efeito pro inflamatório do PG 2 é equilibrado por efeito antiinflamatório do PG 1 e PG 3 . PG 1 ,PG 3 OCl -
  44. 45. Colesterol pregnenolone progesterona 11-deoxi- corticosterona aldosterone corticosterona cortisol 17 hidroxi pregnenolone 17 hidroxi progesterona 11 deoxi- cortisol testosterona DHEA-S DHEA andro- stenedione Estrone Estradiol AROMATASE Mineralcorticoid C-21 Gluco- corticoid C-21 Androgen C-19 Estrogen C-18 Biosintese Hormônio esteróide 16alpha-Hidroxiestrone Estriol
  45. 46. Linhaça- 50% Noz - 5 -20% Canola -10% Peixe de água Fria. Maioria de óleos alimentares Carne vermelha, Lacteos e Crustácios Omega 6 Série PG 1 Ácido Araquidonico Serie PG 2 Omega 3 Série PG 3
  46. 47. Séries 1,3 PGs vs Séries 2 PG Dissolvente de sangue, Anti-coagulante Anti-Inflamatório, fluidificante de membrana celular Pro-Coagulante Inflamatório, rigidez de membrana Celular.
  47. 49. Ácido Lino Leico (Omega 6) Vegetariano Flexível moderadamente Bom comunicador (Muito Popular 97%)
  48. 50. Ácido Lino Leico (Omega 6)
  49. 51. Gamma Linoleico Acid (GLA) Dihomo Gamma Ácido Linoleico (DGLA) Ácido Araquidonico Ácido Linoleico (Omega 6) Delta 6 Desaturase Borage, EPO Blk Currant Delta 5 Desaturase PG 1 Series “ Good” Ciclo-oxigenase enzyme complex COX1 > COX2 PG 2 Series “ Bad” Cyclo-oxygenase enzyme complex COX2 > COX1 Elongase
  50. 52. GLA DGLA Ácido Linoleico ( w -6) Delta 6 Desaturase PG 1 Série “ Bom” COX 1 “ Ácido linoleico é encontrado virtualmente em cada alimento: Proteínas, vegetais e mesmo em grãos.” Sears, Enter the Zone, pg 121 <ul><li>Factors that can depress D6D Activity: </li></ul><ul><li>1. Antes de 6 meses e após 30 . </li></ul><ul><li>2. Dieta - ALA , trans. </li></ul><ul><li>3. Infecção Viral </li></ul><ul><li>Stress:- Cortisol & Adrenalina </li></ul><ul><li>Sears, Enter the Zone, pg 121 </li></ul>NOTA: D6D é necessário para produção de “boa” série PG1.
  51. 53. <ul><li>Tipo Fonte Ancestrais Atuais Gordura </li></ul><ul><li>Omega 3 Peixes, Nozes 50% 3% </li></ul><ul><li>Sementes </li></ul><ul><li>Omega 6 Lacteos, Carne 50% 97% </li></ul><ul><li>Animal e </li></ul><ul><li>Óleo Vegetal </li></ul>A Prescrição Paleolítica, S. Boyd Eaton, M.D.
  52. 54. Ácido Linoleico W3 Dieta: Nozes, Sementes - Peixes Salmon, -Linhaça – Muito Flexível Excelente Comunicação 3% na America
  53. 55. Ácido linoleico ALA SDA ETA EPA DPA DHA PG Série 3
  54. 56. Hidro (Gorduras Trans) Normalmente não são encontrados na natureza. Alto stress acentua as marcas de expressões. Pobre comunicação e inflexibilidade 51 dias para eliminar 50%
  55. 57. C C C C O O H H H H H H trans fatty acid C C C C O O H H H H H H cis fatty acid “ Desde o início a ingestão de Ácido graxos “Trans” tem sido demonstrado ter impacto negativo para o nível de de lipídios .” Clinical Nutrition: A Functional Approach; Bland et al. 1999 pg. 81 Colesterol D6D
  56. 58. Se a membrana celular contém alta concentração de Ácido Araquidonico, logo Eicosanoides proinflamatórios ultrapassam eicosanoides antiinflamatórios. Estes conduzem para inflamação crônica. Ácido Araquidonico Omega 6 Omega 3 Gordura Trans
  57. 59. PG2 >> PG1, PG3 OCl - PG1, PG3 Maior que PG2 Inflamação Crônica
  58. 60. Macrofágos podem digerir facilmente dentro da Luz arterial. Após ingestão de partículas oxidadas, podem crescer para ser conhecidas como “células espumosas”
  59. 61. “ Aterosclerose é uma bandagem que remenda as artérias destruídas.” Virchow, 1795
  60. 62. www.ortomoleculardrhigashi.med.br

×