Teoria da contabilidade_c.c

639 visualizações

Publicada em

Contabilidade

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
639
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria da contabilidade_c.c

  1. 1. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Prof. Rafael Medeiros e-mail: rsantana2508@gmail.com
  2. 2. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros EMENTA DA DISCIPLINA • Evolução histórica da Contabilidade. • As escolas ou doutrinas na história da Contabilidade. • Princípios de Contabilidade – Resolução CFC n.º 750/93 e alterações conforme Resolução n.º 1.282/10. • Patrimônio e Variações Patrimoniais • Plano de contas e procedimentos de escrituração • Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade
  3. 3. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA • Desenvolver o raciocínio contábil e análise crítica com base na doutrina contábil; • Capacitar o discente no desenvolvimento e na aplicação das técnicas de escrituração contábil; • Compreender o patrimônio e suas variações.
  4. 4. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros PROGRAMA DA DISCIPLINA • Evolução histórica da Contabilidade. – A Contabilidade como Ciência – A Contabilidade no Mundo – A Contabilidade no Brasil
  5. 5. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 2 - As Escolas ou doutrinas na história da Contabilidade. – Visão científica e correntes de pensamentos – Escola Contista – Escola Materialista – Escola Personalista – Controlismo – Escola Reditualista – Escola Aziendalista – Escola Patrimonialista – Universalismo – Neopatrimonialismo • Escola America X Escola Italiana
  6. 6. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • Princípios de Contabilidade – Resolução CFC n.º 750/93 e alterações conforme Resolução n.º 1.282/10. – Entidade – Registro pelo valor original – Continuidade – Oportunidade – Prudência – Competência
  7. 7. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 4. Patrimônio e Variações Patrimoniais – Conceituação, ativos, passivos, patrimônio líquido – Aspecto qualitativo e quantitativo do patrimônio – Representação gráfica do patrimônio – Equação básica da contabilidade. – Atos e fatos contábeis (permutativos, modificativos e mistos), – Registros de mutações patrimoniais e apuração do resultado (receitas e despesas)
  8. 8. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • Plano de contas e procedimentos de escrituração – Conceito, classificação (patrimoniais, resultado e compensação) e natureza das contas (devedoras e credoras). – Método das partidas dobradas, – Mecanismos de débito e crédito; – Teoria das origens e aplicação de recursos; – Lançamento (elementos essenciais, fórmulas), – Regime de caixa x regime competência – Balancete de verificação – Demonstração do Resultado do Exercício – Balanço Patrimonial
  9. 9. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • 6 - Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade. – Conceito e objetivos. Usuários e suas necessidades de informação. Os diversos ramos aplicados da Contabilidade. – Reconhecimento e mensuração de ativos, passivos, receitas e despesas, ganhos e perdas. Capital físico, financeiro e sua manutenção. – Características Qualitativas das Demonstrações Contábeis.
  10. 10. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 7. Balanço Patrimonial – Ativo. – Passivo. – Patrimônio Liquido. 8. Demonstração do Resultado do Exercício – DRE – Estrutura básica
  11. 11. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros BIBLIOGRAFIA DA DISCIPLINA IUDÍCIBUS; MARION; FARIA, Sergio de; José Carlos; Ana Cristina De. Introdução a Teoria da contabilidade para o Nível de Graduação. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2009. NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo. Contabilidade básica 15 ed. São Paulo: Saraiva, 2012. SÁ, Antonio Lopes De. Teoria da Contabilidade. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. COMPLEMENTAR CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade: resumo da teoria, exercício e questões propostas com respostas. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010. HENDRIKSEN; BREDA, Eldon S.; Michael F. Van.. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999. SANTOS, José Luiz; SCHIMIDT, Paulo . História do pensamento contábil. São Paulo: Atlas, 2006. SANTOS, José Luiz; SCHIMIDT, Paulo; GOMES, José Mário Matsumura; FERNANDES, Luciane Alves. Introdução a Contabilidade: atualizada pela lei 11941/09 e pelas normas do CPC. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2011. SZUSTER, Natan. Contabilidade Geral: introdução à contabilidade societária. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2013.
  12. 12. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros O que é a Contabilidade ? Caixa B P+ %ä - -
  13. 13. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Conceito A Contabilidade é o instrumento que fornece o máximo de informações úteis para a tomada de decisões dentro e fora da empresa . Ela é muito antiga e sempre existiu para auxiliar as pessoas a tomarem decisões. Com o passar do tempo, o governo começa a utilizar-se dela para arrecadar impostos e a torna obrigatória para maioria das empresas.
  14. 14. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Ressaltamos, entretanto, que a Contabilidade não deve ser feita visando basicamente atender às exigências do governo, mas, o que é muito mais importante, auxiliar as pessoas a tomarem decisões. Todas as movimentações possíveis de mensuração monetária são registradas pela contabilidade, que, em seguida, resume os dados registrados em forma de relatórios e os entrega aos interessados em conhecer a situação da empresa. Esses interessados, através de relatórios contábeis, recordam os fatos acontecidos, analisam os resultados obtidos, as causas que levaram àqueles resultados e tomam decisões em relação ao futuro.
  15. 15. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Usuários da Contabilidade Os usuários são as pessoas que se utilizam da Contabilidade, que se interessam pela situação da empresa e buscam na Contabilidade suas respostas. Evidentemente, os gerentes (administradores) não são os únicos que se utilizam da contabilidade. Os investidores (sócios acionistas), ou seja, aqueles que aplicam dinheiro na empresa, estão interessados basicamente em obter lucro, por isso se utilizam dos relatórios contábeis, analisando se a empresa é rentável; os fornecedores de mercadoria a prazo querem saber se a empresa tem condições de pagar suas dívidas;
  16. 16. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Os bancos, por sua vez, emprestam dinheiro desde que a empresa tenha condições de pagamento; o governo quer saber quanto de impostos foi gerado para os cofres públicos; outros interessados desejam conhecer melhor a situação da empresa: os empregados, os sindicatos, os concorrentes etc. Usuários da Contabilidade
  17. 17. InformaçõesInformações ContábeisContábeis Investidores/ Sócios Bancos/ Financiadores Sindicatos/ IBGE, Clientes Empregados/ Prestadores de serviç Analistas/ administradores Setor público/ governo Fornecedores/ Consultores USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO CONTABILUSUÁRIOS DA INFORMAÇÃO CONTABIL A ContabilidadeA ContabilidadeA ContabilidadeA Contabilidade
  18. 18. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Origem, Evolução e Objetivos da Contabilidade • É difícil precisar exatamente como nasceu contabilidade, mas ao fazermos uma analogia com a humanidade, notamos que a contabilidade é tão antiga quanto o homem que conta. • Entre as diversas definições oferecidas pela literatura, podemos considerar que a contabilidade é uma ciência que mensura, registra e controla as variações da riqueza no tempo, quer de uma pessoa natural (física) ou de uma pessoa jurídica (empresa). Dessa forma, o seu objeto fundamental é o patrimônio.
  19. 19. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Origem da Contabilidade O surgimento e a evolução da contabilidade confundem-se com o próprio desenvolvimento da humanidade. Nesse contexto, os estudos sobre as civilizações da Antiguidades nos mostram que o homem primitivo já “cuidava da sua riqueza”, através, por exemplo, da contagem e do controle do seu rebanho. Porém, alguns estudiosos fazem remontar os primeiros sinais objetivos da existência das contas e os primeiros exemplos completos de contabilidade, mesmo sendo uma forma de contabilidade rudimentar, a aproximadamente 4000 anos a.C. na civilização sumério-babilonense.
  20. 20. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros A contabilidade aprimorou-se de acordo com as necessidades de cada período histórico. O aparecimento da escrita, o surgimento da moeda, a prensa de Gutenberg, o descobrimento da América, a invenção da máquina a vapor, que deu impulso à Revolução Industrial, são marcos da nossa história que fizeram desencadear o desenvolvimento da ciência contábil. Origem da Contabilidade
  21. 21. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros No início ... Eu precisoEu preciso contabilizarcontabilizar quantos dentesquantos dentes de dinossaurode dinossauro eu tenho!!!eu tenho!!!
  22. 22. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Princípios DePrincípios De ContabilidadeContabilidade
  23. 23. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros  Entidade  Continuidade  Oportunidade  Registro pelo valor original  Competência  Prudência Princípios de Contabilidade Atualizado pela Resolução CFC 1282/10
  24. 24. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Art. 4º O Princípio da Entidade reconhece o Patrimônio como objeto da Contabilidade e afirma a autonomia Patrimonial,a necessidade da diferenciação de um Patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes . (Resolução CFC nº 1282/10 Princípios de Contabilidade Princípio Contábil da Entidade Princípio Contábil da Continuidade Art. 5º O principio da Continuidade pressupõe que a Entidade continuará em operação no futuro e, portanto,a mensuração e a apresentação dos componentes do patrimônio levam em conta esta circunstância . (Resolução CFC nº 1282/10)
  25. 25. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Art.6º O princípio da oportunidade refere-se ao processo de mensuração e apresentação dos componentes patrimoniais para produzir informações integras e tempestivas Parágrafo único : a falta de integridade e tempestividade na produção e na divulgação da informação contábil pode ocasionar a perda de sua relevância,por isso é necessário ponderar a relação entre a oportunidade e a confiabilidade da informação. (Resolução CFC nº 1282/10) Princípio Contábil da Oportunidade Princípios de Contabilidade –
  26. 26. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Art. 7º O princípio do Registro pelo Valor Original determina que os componentes do patrimônio devem ser inicialmente registrados pelos valores originais das transações, expressos em moeda nacional. (Resolução CFC nº 1282/10 Princípio Contábil do Registro pelo Valor Original Princípios de Contabilidade – Art. 8º Na hipótese de que o consenso em torno da mensuração dos elementos patrimoniais identifique e defina os valores de aquisição, produção, doação, ou mesmo, valores obtidos mediante outras bases de mensuração, desde que defasadas no tempo, necessita-se de atualizá-lo monetariamente quando a taxa acumulada de inflação no triênio for igual ou superior a 100%, nos termos da Resolução CFC n.º 900/2001 (Resolução CFC nº 750/93 – 1111/07) Princípio Contábil da Atualização Monetária (REVOGADO PELA RES. 1282/10)
  27. 27. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Princípio Contábil da Competência Art. 9º O Princípio da Competência é aquele que determina que os efeitos das transações e outros eventos sejam reconhecidos nos períodos a que se referem , independentemente do seu pagamento ou recebimento, (Resolução CFC nº 1282/10) Princípios de Contabilidade –
  28. 28. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Princípio Contábil da Prudência Art. 10 As estimativas de valores que afetam o patrimônio devem refletir a aplicação de procedimentos de mensuração que prefiram montantes, menores para ativos, entre alternativas igualmente válidas, e valores maiores para passivos, sempre que se apresentem mutações patrimoniais que alterem o patrimônio liquido. (Resolução CFC nº 1282/10)
  29. 29. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros A contabilidade como ciência Sempre se discutiu se a Contabilidade é arte ou ciência. Arte no sentido de ser apenas um ferramental à disposição da sociedade para acompanhamento de suas riquezas, sem bases teóricas que a fundamentem como ciência. A visão de ciência é mais profunda, já que busca classificar a contabilidade como um ramo do conhecimento humano. Para que um ramo do conhecimento seja considerado ciência, ele precisa apresentar uma serie de características, que o tirem da simples conotação de arte, técnica ou ferramenta.
  30. 30. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Essas características ou aspectos devem ser no mínimo o seguinte: •O ramo de conhecimento ter objeto de estudo próprio, ou seja, um campo de atuação dos fenômenos em que ela se debruça; •Deve utilizar-se de métodos racionais ou científicos; •Deve ter um corpo de teorias, normas e princípios; •Apresentar o caráter de certeza de seus enunciados; •Estar em evolução e relacionar-se com os demais ramos de conhecimento científico; •Ter o caráter de generalidade em seus estudos e aplicações; •Seus resultados serem comprovados etc.
  31. 31. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Não há dúvida de que a Contabilidade é uma ciência, porque: •Tem objeto de estudo próprio, que é o Patrimônio e os eventos econômicos que alteram esse Patrimônio; •Utiliza-se de método racional, que é o Método das Partidas Dobradas; •estabelece relações entre os elementos patrimoniais, válidas em todos os espaços e tempos, ou seja, é um ramo de conhecimento universal e permanente; •apresenta-se em constante evolução; •o conhecimento contábil é regido por leis, normas e princípios, ou seja, tem um corpo de teorias e princípios contábeis;
  32. 32. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros •seus estudos tem o caráter de generalidade, ou seja, os mesmos eventos econômicos reproduzidos nas mesmas condições provocam os mesmos efeitos; •tem caráter preditivo, isto é, os modelos contábeis permitem a construção de modelos de decisão para eventos futuros; •tem caráter de certeza na afirmação de seus enunciados, isto é, suas aplicações podem ser comprovadas por evidências posteriores; •está relacionada com os demais ramos de conhecimento cientifico, pois se utiliza de instrumentos das ciências da matemática, filosofia, economia, psicologia, administração, direito, etc.
  33. 33. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros É nosso objetivo apenas elencar relevantes do tema. Assim, entendemos que este resumo apresentado é bastante indicativo para deixar claro as bases da Ciência Contábil e dos fundamentos da contabilidade como o ramo do conhecimento cientifico.
  34. 34. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • ATOS E FATOSATOS E FATOS • ATOSATOS São acontecimentos de natureza administrativa na gestão financeira da empresa que não provocam alteração patrimonial.  Os Atos quando acontecem não utilizam recursos financeiros, daí, então, não provocam mutação patrimonial. • Garantias concedidas aos clientes. • subscrição de capital pelos sócios. Expositor: Prof. Paulo Roberto de Sant’Anna
  35. 35. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATOS E FATOSATOS E FATOS FATOS Representam tomadas de decisão de natureza econômica na gestão financeira, logo, provocam alterações no patrimônio da empresa.  Decisões que necessitam de investimentos, ou seja, aplicações de recursos de terceiros ou próprio. • Compra de Mercadorias; • Venda de Mercadorias; • Pagamento de Obrigações; • Recebimentos de Direitos; • Integralização/Realização de Capital Social, etc.
  36. 36. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Forma de Controle A forma de fazer esse controle, extinguindo o processo de contagem dos elementos patrimoniais e sua valorização, é registrar cada fato administrativo. Em outras palavras, a contabilidade instituiu, como método de controle patrimonial, o registro (a escrituração, o lançamento) de TODOS os fatos administrativos ou contábeis. Como exemplo, faremos uma análise detalhada de uma sucessão de fatos e suas implicações no patrimônio e patrimônio líquido (PL), considerando o nascimento de uma empresa revendedora de veículos, fazendo um Balanço Patrimonial após cada fato. Vamos imaginar a constituição da empresa, com um capital inicial de $300, efetuada por três pessoas.
  37. 37. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 1. – Entrada de capital inicial em dinheiro = $300 Ativo Passivo Total Ativo Passivo Caixa 300 PL 300 Total 300 300 Fato Motificativo Alterações: Caixa passou de 0 para $300 Patrimônio Líquido passou de 0 para $300 Momento (zero) Fato 1
  38. 38. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 2 – Aumento de capital em bens, sendo o valor do prédio $200 e do terreno $50 Ativo Passivo Caixa 300 PL 300 Total 300 300 Ativo Passivo Caixa 300 Prédio 200 Terreno 50 PL 550 Total 550 550 Fato 1 Fato 2 Alterações: Fato Modificativo Terreno passou de 0 para $50 Prédio passou de 0 para $200 Patrimônio Líquido passou de $300 para $550
  39. 39. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 3 – Depósito em Banco = $280 Ativo Passivo Caixa 300 Prédio 200 Terreno 50 PL 550 Total 550 550 Ativo Passivo Caixa 20 Banco 280 Prédio 200 Terreno 50 PL 550 Total 550 550 Fato 2 Fato 3 Alterações: Fato Permutativo Caixa passou de $300 para $20 Banco passou de 0 para $280
  40. 40. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 4 – Aplicação Financeira = $225 Ativo Passivo Caixa 20 Banco 280 Prédio 200 Terreno 50 PL 550 Total 550 550 Ativo Passivo Caixa 20 Banco 55 Aplic. Financ. 225 Prédio 200 Terreno 50 PL 550 Total 550 550 Fato 3 Fato 4 Alterações: Fato Permutativo Banco passou de $280 para $55 Aplicações Financeiras passou de 0 para $225
  41. 41. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 5 – Compra de 3 carros por $320 (100, 110, 110), sendo em cheque $20 e a prazo $300. Bens destinados a estoque e posterior revenda. Ativo Passivo Caixa 20 Banco 55 Aplic. Financ. 225 Prédio 200 Terreno 50 PL 550 Total 550 550 Ativo Passivo Caixa 20 Banco 35 Aplic. Financ. 225 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em estoque 320 Fornecedores 300 PL 550 Total 850 850 Fato 4 Fato 5 Alterações: Fato Permutativo Banco passou de $55 para $35 Mercadorias (estoque) passou de 0 para $320 Fornecedores (dupls. A pagar) passou de 0 para $300
  42. 42. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 6 – Pagamentos de despesas de cartório em dinheiro - $ 13 Ativo Passivo Caixa 20 Banco 35 Aplic. Financ. 225 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em Estoque 320 Fornecedores 300 PL 550 Total 850 850 Ativo Passivo Caixa 7 Banco 35 Aplic. Financ. 225 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em estoque 320 Fornecedores 300 PL 537 Total 837 837 Fato 5 Fato 6 Alterações: Fato Modificativo Caixa passou de $20 para $7 Patrimônio Líquido passou de $550 para $537
  43. 43. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Este é o ponto interessante. Pela primeira vez temos uma alteração na riqueza efetiva, o Patrimônio Líquido. A contabilidade, através do registro de cada fato, além de evidenciar o valor de cada item patrimonial, também consegue evidenciar se está havendo crescimento ou decrescimento no Patrimônio Líquido. Neste caso está havendo temporariamente uma perda, pois diminuir o Patrimônio Líquido significa estar perdendo parte do capital dos sócios. O novo Patrimônio Líquido neste caso foi obtido por diferença utilizando-se a equação fundamental do Patrimônio: PL = 837 – 300 = 537
  44. 44. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 7 – Rendimento creditado de aplicação financeira = $4 Ativo Passivo Caixa 7 Banco 35 Aplic. Financ. 225 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em Estoque 320 Fornecedores 300 PL 537 Total 837 837 Ativo Passivo Caixa 7 Banco 35 Aplic. Financ. 229 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em estoque 320 Fornecedores 300 PL 541 Total 841 841 Fato 6 Fato 7 Alterações: Fato Modificativo Aplicação Financeira passou de $225 para $229 Patrimônio Líquido passou de $537 para $541 Outra alteração do Patrimônio Líquido. Agora com acréscimo, em virtude do juro creditado.
  45. 45. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 8 – Venda de um carro (adquirido por $100) por $154, sendo $77 a vista em dinheiro e $77 a prazo, recebendo uma promissória. Ativo Passivo Caixa 7 Banco 35 Aplic. Financ. 229 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em Estoque 320 Fornecedores 300 PL 541 Total 841 841 Ativo Passivo Caixa 84 Banco 35 Aplic. Financ. 229 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em estoque 220 Promissória 77 Fornecedores 300 PL 595 Total 895 895 Fato 7 Fato 8 Alterações: Fato Modificativo Caixa passou de $7 para $84. Promissórias a receber passou de 0 para $77. Mercadorias em Estoque passou de $320 para $220, pois saiu um carro do estoque. Patrimônio Líquido passou de $541 para $ 595. Outra alteração do Patrimônio Líquido. Outro acréscimo, em virtude do lucro obtido na venda da mercadoria ($154 - $ 100 = $54).’
  46. 46. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 9 – Pagamento de comissão ao vendedor do carro de $2, em dinheiro Ativo Passivo Caixa 84 Banco 35 Aplic. Financ. 229 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em Estoque 220 Promissória 77 Fornecedores 300 PL 595 Total 895 895 Ativo Passivo Caixa 82 Banco 35 Aplic. Financ. 229 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em estoque 220 Promissória 77 Fornecedores 300 PL 593 Total 893 893 Fato 8 Fato 9 Alterações: Fato Modificativo Caixa passou de $84 para $82. Patrimônio Liquido passou de $595 para $593. Nova alteração do Patrimônio Líquido. Desta vez com acréscimo, em virtude do pagamento da comissão.
  47. 47. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fato 10 – Pagamento ao fornecedor em dinheiro de $60 Ativo Passivo Caixa 82 Banco 35 Aplic. Financ. 229 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em Estoque 220 Promissória 77 Fornecedores 300 PL 593 Total 893 893 Ativo Passivo Caixa 22 Banco 35 Aplic. Financ. 229 Prédio 200 Terreno 50 Merc. Em estoque 220 Promissória 77 Fornecedores 240 PL 593 Total 833 833 Fato 9 Fato 10 Alterações: Fato Permutativo Caixa passou de $82 para $22. Fornecedores passou de $300 para $240. Note que o pagamento da obrigação não alterou o Patrimônio Líquido, pois pagamento de dívidas não é despesa.
  48. 48. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fatos permutativos e fatos modificativos O exemplo anterior mostrou-nos que há dois tipos básicos de fatos administrativos ou contábeis: aqueles fatos que alteram a qualidade (composição) do patrimônio, sem alterar o patrimônio líquido, e aqueles fatos que alteram o patrimônio líquido. Aos que não alteram o patrimônio líquido chamamos de fatos permutativos. Aos que alteram o patrimônio líquido, denominamos de fatos modificativos.
  49. 49. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Os fatos modificativos alteram o patrimônio líquido para mais ou para menos. Os fatos que alteram para mais, que aumentam o patrimônio líquido, são denominados de RECEITAS. Os fatos modificativos que diminuem o patrimônio líquido chamamos de DESPESAS.
  50. 50. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Daí se conclui que as Despesas são fatos que provocam diminuição da riqueza da empresa, e as Receitas aumentam a riqueza da empresa. Em outras palavras, o Patrimônio Líquido é diminuído por despesas e aumentado por receitas, excluindo-se é claro, do conceito de receita, os aumentos de capital que dão origem à empresa.
  51. 51. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • Conjunto de Bens, Direitos e Obrigações pertencentes a pessoa física ou jurídica •Bens Necessários para a manutenção da atividade da empresa: dinheiro, Móveis, Imóveis, Mercadorias etc. •Direitos  Direitos provenientes das vendas a prazo, empréstimos concedidos, direitos sobre sócios – de curto ou longo prazo: duplicatas a receber; Capital Social a Realizar; Empréstimos a Coligadas e Controladas •Obrigações  Compromissos assumidos perante terceiros – de curto ou longo prazo: Duplicatas a Pagar; Salários, Empréstimos Bancários a Pagar, Impostos a Recolher (IPI, IR, PIS, COFINS, FGTS) PATRiMÔNIOPATRiMÔNIO (Riqueza)(Riqueza)
  52. 52. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros BENS CONTRIBUEM PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA EMPRES CLASSIFICAÇÃO Bens Tangíveis = Possuem forma física, logo, são palpáveis. Veículos, imóveis, estoques de mercadorias, dinheiro, móveis e utensílios, ferramentas, Ações de outras Empresas, etc. Bens Intangíveis = Não possuem forma física, logo são palpáveis. NÃO EXISTEM FISICAMENTE MAS ECONOMICAMENTE Ex.: Marcas  NOME  Arisco, Coca-cola, Boticário, McDonald’s, etc. Patentes  DIREITO EXCLUSIVO DE EXPLORAÇÃO  Invenção. PATRiMÔNIOPATRiMÔNIO (Riqueza)(Riqueza)
  53. 53. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Pelo Código Civil: OUT PUT Bens ImóveisBens Imóveis  Vinculados ao solo.Vinculados ao solo. Não podem ser retirados, pois serão destruídos ou danificados. Ex.: Edifício, Imóveis, Árvores, etc. Bens móveisBens móveis  Podem ser removidos por si próprio ou por ou pessoas Ex.: Animais (semoventes), Máquinas, Equipamentos, Estoque de Mercadorias, etc. CLASSIFICAÇÃO
  54. 54. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros POSICIONAMENTO DOS ELEMENTOS DO ATIVO PATRIMÔNIO DA CIA. TERESÓPOLIS BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Bens 1.830 Obrigações 4.500 Direitos 2.800 Lado Esquerdo BENS E DIREITOS APLICAÇÃO DE RECURSOS _________ ____ _ _______________ _________ _ ______ __ _______ ____ __ ______ ______ _____ _ ______ • APLICAÇÃO DE RECURSOS CAPTADOS JUNTO A TERCEIROS OU DOS SÓCIOS • BENS  Contribuem para o desenvolvimento econômico e social da empresa. • DIREITOS  Poder de exigir alguma coisa a alguém. LADO ESQUERDO DENOMINA-SE = ATIVO Investimentos realizados em ativos que contribuirão para a formação de novas riqueza financeiras.
  55. 55. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros POSICIONAMENTO DO ELEMENTO DO PASSIVO E O PL PATRIMÔNIO DA CIA. TERESÓPOLIS BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Bens 1.830 Obrigações 4.500 Direitos 2.800 Lado Direito OBRIGAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO ORÍGEM DE RECURSOS _________ _______ ____ ______ __ _____ _ _____ _____ _________ ______ _______ _______ _______ _______ ________ ___ ______ • Obrigações  Exigível Total - Dívidas de curto e longo prazo. • Patrimônio Líquido  Recursos Próprios – riqueza própria, recursos dos sócios. FONTES QUE FINANCIAM A ATIVIDADE DA EMPRESA OBRIGAÇOES E PL Investimentos colocados à disposição da empresa pelos sócios.
  56. 56. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros E Q U I L Í B R I O E A F O R M A Ç Ã O P A T R I M O N I A L PATRIMÔNIO DA CIA. TERESÓPOLIS BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Bens 1.830 Obrigações 4.500 Direitos 2.800 ________ _________ __ ________ ____________ __ _________ __ ___ ______ _________ ______ _______ _______ _______ _______ ________ ___ ______ • A T I V O  Evidencia aplicação de recursos provenientes de terceiros ou dos sócios. • Patrimônio Líquido  Recursos Próprios – riqueza própria, recursos dos sócios. A T I V O BENS E DIREITOS A T I V O P A S S I V O OBRIGAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO P A S S I V O E O PATRIMÔNIO LÍQUIDO?
  57. 57. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros E Q U I L Í B R I O P A T R I M O N I A L PATRIMÔNIO DA CIA. TERESÓPOLIS BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Bens 1.830 Obrigações 4.500 Direitos 2.800 Patrimônio Líquido 130 A T I V O BENS E DIREITOS APLICAÇÃO DE RECURSOS P A S S I V O OBRIGAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO ORÍGEM DE RECURSOS• ATIVO = PASSIVO • O SOMA DOS RECURSOS INVESTIDOS NO ATIVO TEM QUE SER IGUAL AO PASSIVO • PARA QUE HAJA EQUILÍBRIO PATRIMONIAL
  58. 58. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros •MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIOMUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO •MUTAÇÃO  Representam variações ocorridas em consequência das tomadas de decisões ocorridas no dia a dia da empresa. DECISÕES, COM APLICAÇÃO DE RECURSOS PRÓPRIOS OU DE TERCEIROS, PROVOCAM VARIAÇÕES NOS ELEMENTOS (BENS, DIREITOS E OBRIGAÇÕES) E A MANUTENÇÃO DO EQUILÍBIO PATRIMONIAL SE DARÁ ATRAVÉS DO REGISTRO DE FATOS ATRAVÉS DAS CONTAS.
  59. 59. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros •CONTAS CONTÁBEISCONTAS CONTÁBEIS •Servem para registrar todos os fatos financeiros ocorridos nas empresas. •MÉTODO DE REGISTROMÉTODO DE REGISTRO MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADASMÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS Consiste numa relação de causacausa e efeitoefeito, ou seja, igual na física: CADA AÇÃO CORRESPONDE A UMA REAÇÃO. Contabilmente falando: OS RECURSOS SÃO APLICADOS MAS DEVE-SE CONHECER SUA ORIGEM.
  60. 60. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros •ESTRUTURA DE CONTASESTRUTURA DE CONTAS •As contas são distintas para registrar aplicação e a origem dos recursos. •NATUREZA DAS CONTASNATUREZA DAS CONTAS ATIVOATIVO  DEVEDORADEVEDORA TUDO QUE É INVESTIDO NO ATIVO DEVE-SE AO PASSIVO PASSIVOPASSIVO  CREDORACREDORA FONTE DE RECURSOS CAPTADOS JUNTO AOS SOCIOS E TERCEIROS
  61. 61. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros •ESTRUTURA DE CONTASESTRUTURA DE CONTAS •As contas são movimentadas igualmente nos bancos de acordo com sua natureza. •MOVIMENTO NAS CONTASMOVIMENTO NAS CONTAS ATIVOATIVO  DEVEDORADEVEDORA AUMENTO POR DÉBITODÉBITO E DIMINUI POR CRÉDITOCRÉDITO PASSIVOPASSIVO  CREDORACREDORA AUMENTO POR CRÉDITOCRÉDITO E DIMINUI POR DÉBITODÉBITO
  62. 62. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • LANÇAMENTOSLANÇAMENTOS • Registro dos fatos no livro Diário. • Identificando algumas contas:Identificando algumas contas: • Existência de numerário na empresa: C A I X A • Mercadorias destinadas a venda : ESTOQUE DE MERCADORIASESTOQUE DE MERCADORIAS • Numerário em poder do banqueiro: BANCO CONTA MOVIMENTO • Investimento dos Sócios na empresa: CAPITAL SOCIALCAPITAL SOCIAL • Dívidas que serão pagos por duplicatas: DUPLICATAS A PAGAR • Direitos pela VENDA ou SERVIÇOS a prazo: DUPLICATAS A RECEBERDUPLICATAS A RECEBER
  63. 63. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • ESTRUTURA PATRIMONIALESTRUTURA PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO BENS E DIREITOS APLICAÇÃO DEAPLICAÇÃO DE RECURSOSRECURSOS OBRIGAÇÕES CAPITAL DE TERCEIROSCAPITAL DE TERCEIROS PATRIMÔNIO LIQUIDO RECURSOS PRÓPRIOSRECURSOS PRÓPRIOS
  64. 64. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • ESTÁTICA PATRIMONIALESTÁTICA PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO BENSBENS Caixa Banco Conta Movimento Aplicações Financeiras Estoque de Mercadorias DIREITOSDIREITOS Duplicatas a Receber OBRIGAÇÕES Duplicatas a Pagar Salários a Pagar Impostos a Recolher PATRIMÔNIO LIQUIDO Capital Social (-) Capital Social a Realizar (-) Prejuízo Acumulado Reserva Legal Reserva de Lucro
  65. 65. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CAMPO DE APLICAÇÃO AS ORGANIZAÇÕES OBJETO O PATRIMÔNIO Para conceituar a Contabilidade é preciso distinguir:
  66. 66. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Bens e Direitos Obrigações A Contabilidade não cria Patrimônio, apenas Evidencia Ativo Passivo Patrimônio Líquido
  67. 67. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Patrimônio BensBens DireitosDireitos ObrigaçõesObrigações
  68. 68. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros O mais importante relatório contábil. Identifica-se com ele, a saúde financeira e econômica (no fim do ano ou qualquer data prefixada) ATIVO - PASSIVO = PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVOATIVO PASSIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Balanço Patrimonial
  69. 69. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO OBRIGAÇÕES COM TERCEIROS OBRIGAÇÕES COM SÓCIOS BENSBENS EE DIREITOSDIREITOS O Balanço Patrimonial representa a composição sintética de todas as contas de um patrimônio, agrupadas segundo sua natureza Balanço Patrimonial
  70. 70. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • Conjunto de bens e direitos da empresa. São itens positivos do patrimônio. (Proporcionam ganho para a empresa)  Contas a Receber  Estoque de Produtos Acabados  Máquinas e Equipamentos  Prédios próprios Balanço Patrimonial Ativo
  71. 71. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros • Conjunto de obrigações exigíveis da empresa. Dívidas que serão reclamadas a partir da data do seu vencimento PASSIVO CIRCULANTE(CAPITAL DE TERCEIRO)  Recursos de Terceiros (dinheiro);  Capital de Terceiros;  Fornecedores (de mercadorias);  Funcionários (salários);  Governo (impostos);  Bancos (empréstimos) etc. Evidencia o Endividamento da empresa. Passivo Balanço Patrimonial
  72. 72. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Balanço Patrimonial PASSIVO NÃO CIRCULANTE  PASSIVO EXIGÍVEL L.P (CAPITAL DE TERCEIROS)  Recursos de Terceiros (dinheiro);  Capital de Terceiros;  Fornecedores (de mercadorias);  Funcionários Dividas Trabalhista;  Governo (impostos);  Bancos (empréstimos) etc.
  73. 73. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros •Total de aplicações dos proprietários na empresa Os proprietários (sócios, acionistas) fornecem meios para o início do negócio. A quantia inicial  Capital Social  Recurso próprio ou Capital próprio  Risco do capitalista  Em caso de falência da empresa, o sócio perde o dinheiro investido (Investimento de risco) Patrimônio Líquido = Ativo (bens + direitos) – Passivo Exigível (obrigações exigíveis)Patrimônio Líquido = Ativo (bens + direitos) – Passivo Exigível (obrigações exigíveis) Balanço Patrimonial Patrimônio Líquido
  74. 74. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVO PASSIVO CIRCULANTE Caixa Banco Cliente NÃO CIRCULANTE - REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Cliente - INVESTIMENTO Ações - IMOBILIZADO Móveis e Utensílios -INTANGÍVEL Marca e Patente CIRCULANTE Fornecedor Empréstimos Bancários Impostos a pagar Salários a pagar NÃO CIRCULANTE Financiamento ALP Fornecedor L.P Receita recebida antecipadamente deduzidas dos custos a elas correspondente PATRIMÔNIO LÍQUIDO - CAPITAL SOCIAL - RESERVAS - PREJUÍZOS ACUMULADOS TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO Balanço Patrimonial
  75. 75. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Composição do Patrimônio ,Composição do Patrimônio , Ativo, Passivo e PatrimônioAtivo, Passivo e Patrimônio LíquidoLíquido
  76. 76. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros O QUE É PATRIMÔNIO?O QUE É PATRIMÔNIO? Ter um imóvelTer um imóvel Ter a intenção de comprar um imóvel Ter a intenção de comprar um imóvel Fazer um empréstimo Fazer um empréstimo Ter a intenção de pedir um empréstimo Ter a intenção de pedir um empréstimo Ter o direito de usar uma marca Ter o direito de usar uma marca Adquirir uma marcaAdquirir uma marca Ter a posse de um carro (arrendamento financeiro) Ter a posse de um carro (arrendamento financeiro) Ter a propriedade de um carro Ter a propriedade de um carro Ter um disqueteTer um disquete Ter um estoque de disquetes para revenda Ter um estoque de disquetes para revenda
  77. 77. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVOATIVO Características do Ativo: Ativos são recursos controlados pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que resultem para a entidade benefícios econômicos futuros ou potencial de serviços. (Res. CFC 1268/09) Ativos são recursos controlados pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que resultem para a entidade benefícios econômicos futuros ou potencial de serviços. (Res. CFC 1268/09) Classificação: Ativo Circulante Não Circulante •estiverem disponíveis para realização imediata; •tiverem a expectativa de realização até o término do exercício seguinte. •Realização após o término do exercício seguinte e os créditos inscritos em dívida ativa não renegociados
  78. 78. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Ativo Não-Circulante – Classificação
  79. 79. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros PASSIVOPASSIVO Características do Passivo: Passivos são obrigações presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cujos pagamentos se esperam que resultem para a entidade saídas de recursos capazes de gerar benefícios econômicos ou potencial de serviços. (Res. CFC 1268/09) Passivos são obrigações presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cujos pagamentos se esperam que resultem para a entidade saídas de recursos capazes de gerar benefícios econômicos ou potencial de serviços. (Res. CFC 1268/09) Classificação: Passivo Circulante Não Circulante • corresponderem a valores exigíveis até o término do exercício seguinte; e • corresponderem a valores de terceiros ou retenções em nome deles, quando a entidade do setor público for fiel depositária, independentemente do prazo de exigibilidade. •demais passivos
  80. 80. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros AZIENDA: CONCEITO, ELEMENTOS E CLASSIFICAÇÃO AZIENDA – É o conjunto econômico vinculado a um sujeito jurídico, com o seu patrimônio, ou seja, é o sistema de elementos materiais, é a pessoa que busca a realização de um fim, e que em sentido dinâmico origina uma série de fatos que concorrem para a formação e desenvolvimento da sociedade, portanto é o sistema organizado que visa atingir um fim qualquer.
  81. 81. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ENTIDADEENTIDADE ORGÃO VOLITIVOORGÃO VOLITIVO (1)(1) ORGÃO DIRETIVOORGÃO DIRETIVO (2)(2) ORGÃOORGÃO EXECUTIVOEXECUTIVO (3)(3) ORGÃOORGÃO EXECUTIVOEXECUTIVO (3)(3) PATRIMÔNIOPATRIMÔNIO (1) DIRETORES E ACIONISTAS (2) REPRESENTA ADMINISTRADORES (3) SÃO OS SEUS DEPARTAMENTOS
  82. 82. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ORGANISMO ADMINISTRATIVO FUNÇÕES • ÓRGÃO VOLITIVO – AQUELE QUE DELIBERA • ÓRGÃO DIRETIVO – AQUELE QUE DIRIGE • ÓRGÃO EXECUTIVO – AQUELE QUE EXECUTA
  83. 83. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CLASSIFICAÇÃO DAS AZIENDAS UNIÃO ESTADOS MUNICÍPIOS AUTARQUIAS PÚBLICAPÚBLICA
  84. 84. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CLASSIFICAÇÃO DAS AZIENDAS Sociedade em nome coletivo; Sociedade em comandita simples; Sociedade anônima; Sociedade em comandita por ações; Sociedade p/cotas de Responsabilidade Ltda. EmpresáriaEmpresária
  85. 85. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ARTIGO 982 - Código Civil Sociedade empresária – é a quela pessoa jurídica que visa ao lucro ou ao resultado econômico, mediante exercício habitual de atividade econômica organizada exercida por empresário, sujeito a registro (CC, Art.967), com escopo de obter a produção ou circulação de bens ou de serviços no mercado.
  86. 86. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros RELIGIOSAS RECREATIVAS DESPORTIVAS SOCIEDADES CULTURAIS SIMPLES SOCIEDADE EM COTA DE PARTICIPAÇÃO SOCIEDADE COOPERATIVA
  87. 87. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ARTIGO 982 - Código Civil Sociedade Simples – Será simples se não exercer atividade econômica, técnica e organizada, mesmo que venha a adotar quaisquer das formas empresárias. Como permite o Artigo 983. 2ª parte do código civil, exceto se for por ações que por força de lei, será sempre empresária (C C Art.982 parágrafo único).
  88. 88. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CONTABILIDADE: CONCEITO, OBJETO E FINS RESUMO, GRÁFICO DA UNIDADE CONTABILIDADE: É a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, de controle e registro relativas aos atos e fatos de uma administração econômica, ou seja, é o método Econômico- Administrativo de apuração do resultado da gestão da azienda e do controle de seu patrimônio.
  89. 89. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros MÉTODO: É a ordem a seguir na realização de qualquer serviço ou finalidade. O método determina quais as regras a cumprir, qual a marcha ou as operações a serem feitas simultânea ou sucessivamente para atingir certo fim. A contabilidade é o método científico, por quanto constitui um conjunto de regras lógicas ou científicas para atingir dupla finalidade da azienda, uma ordem econômica e outra administrativa.
  90. 90. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros A finalidade de ordem econômica e apuração do rédito do exercício, a finalidade de caráter administrativo da contabilidade e o controle do patrimônio.
  91. 91. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros GRÁFICO DA UNIDADE CONTABILIDADECONTABILIDADE FUNÇÃO ECONÔMICAFUNÇÃO ECONÔMICA FUNÇÃO ADMINISTRATIVAFUNÇÃO ADMINISTRATIVA CONTROLE DOCONTROLE DO PATRIMÔNIOPATRIMÔNIO MÉTODOMÉTODO APURAÇÃO DO RÉDITOAPURAÇÃO DO RÉDITO
  92. 92. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ESTATÍSTICA PATRIMONIAL (BALANÇO) BALANÇO – É a representação gráfica dos componentes patrimoniais. Os componentes patrimoniais são: ATIVO, PASSIVO E O PATRIMÔNIO LÍQUIDO. ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXACAIXA BANCO C/ MOVIMENTOBANCO C/ MOVIMENTO MÓVEIS E UTENSÍLIOSMÓVEIS E UTENSÍLIOS MERCADORIASMERCADORIAS DUPLICATAS ADUPLICATAS A RECEBERRECEBER VEÍCULOSVEÍCULOS FORNECEDORFORNECEDOR DUPLICATA A PAGARDUPLICATA A PAGAR CONTAS A PAGARCONTAS A PAGAR PATRIMÔNIO LÍQ.PATRIMÔNIO LÍQ. CAPITALCAPITAL RESERVASRESERVAS LUCROS ACUMULADOLUCROS ACUMULADO
  93. 93. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO BENS E DIREITOSBENS E DIREITOS APLICAÇÕES DEAPLICAÇÕES DE CAPITAISCAPITAIS DÍVIDASDÍVIDAS P/C TERCEIROSP/C TERCEIROS OBRIGAÇÕESOBRIGAÇÕES PATRIMÔNIOPATRIMÔNIO LÍQ. DALÍQ. DA AZIENDA P/AZIENDA P/ COM OS DONOSCOM OS DONOS PATRIMÔNIOPATRIMÔNIO
  94. 94. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PATRIMÔNIO Até aqui, quando nos referidos ao Patrimônio, fizemos sua representação dentro de um retângulo. Porém, visando atender ao aspecto didático, e para tornar mais fácil a compreensão do Patrimônio, a partir de agora vamos representá-lo em um gráfico simplificado, em forma de T:
  95. 95. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros O T, como vemos, tem dois lados. No lado esquerdo, colocamos os Bens e os Direitos: Patrimônio Bens Direitos No lado direito, colocamos as Obrigações: Patrimônio Obrigações Então, a representação gráfica do Patrimônio fica assim: Patrimônio Bens Obrigações Direitos
  96. 96. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Obs.: O lado esquerdo do gráfico é chamado lado positivo, pois os Bens e os Direitos representam, para a empresa, a sua parte positiva (é o que ela tem efetivamente - Bens - e o que ela tem para receber - Direitos). formam o grupo dos elementos positivos e as Obrigações formam o grupo dos elementos negativos. O lado direito, por sua vez, é chamado lado negativo, pois as Obrigações representam a parte negativa da empresa (é o que ela tem que pagar). Os elementos positivos são denominados, ainda, componentes Ativos e o seu conjunto forma o Ativo. Os elementos negativos são denominados componentes Passivos, por isso encontram-se no Passivo.
  97. 97. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Veja, então, como fica o gráfico: Patrimônio Bens Obrigações Dinheiro 10.000,00 Duplicatas a Pagar 6.000,00 Automóveis 20.000,00 Salários a Pagar 4.000,00 Edifícios 15.000,00 Direitos Duplicatas a Receber 1.000,00 Promissórias a Receber 2.000,00 •SITUAÇÕES LÍQUIDAS PATRIMONIAIS A representação gráfica do Patrimônio em dois lados tem por objetivo mostrar o equilíbrio, a igualdade, entre a aplicação dos recursos e a origem desses recursos. Por essa razão, a soma dos valores do Ativo deve ser sempre igual à soma dos valores do Passivo. Bens + Direitos = Obrigações + Situação Líquida A Situação Líquida é o elemento que permite que haja uma igualdade entre a soma do lado do Ativo e a soma do lado do Passivo. Representa aquilo que os proprietários aplicaram na empresa (o capital).
  98. 98. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros O total dos Bens mais o total dos Direitos menos o total das Obrigações denomina-se Situação Líquida Patrimonial. Bens + Direitos - Obrigações = SITUAÇÃO LÍQUIDA PATRIMONIAL 1. Ativo ( Bens e Direitos) maior que o Passivo (Obrigações) No gráfico que estamos utilizando para representar o Patrimônio, a Situação Líquida Patrimonial é colocada sempre do lado direito. Ela deve ser somada às Obrigações (ou subtraída das Obrigações), de modo a igualar o lado do Passivo com o lado do Ativo, dando-lhe forma de equação patrimonial.
  99. 99. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Reportando-nos à empresa "X", temos: Bens = R$ 45.000,00 (+) Direitos = R$ 3.000,00 (=) Ativo = R$ 48.000,00 (-) Obrigações = R$ 10.000,00 (=) S. Líquida = R$ 38.000,00
  100. 100. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Graficamente, o Patrimônio da Empresa "X" fica assim: Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Bens Obrigações Dinheiro 10.000,00 Duplicatas a Pagar 6.000,00 Automóveis 20.000,00 Salários a Pagar 4.000,00 Edifícios 15.000,00 10.000,00 45.000,00 Direitos Situação Líquida 38.000,00 Duplicatas a Receber 1.000,00 Promissórias a Receber 2.000,00 3.000,00 TOTAL DO ATIVO 48.000,00 TOTAL DO PASSIVO 48.000,00 NOTA: A partir daqui passaremos a representar o Patrimônio através do mesmo gráfico em forma de T, porém com o título apropriado de Balanço Patrimonial (*).
  101. 101. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros O Ativo (Bens + Direitos = R$ 48.000,00) encontra-se maior do que o Passivo (Obrigações = R$ 10.000,00). Neste caso, a Situação Líquida chama-se: a) Situação Líquida Positiva: porque o total dos elementos positivos (Bens + Direitos) supera o total dos elementos negativos (Obrigações) em R$ 38.000,00; b) Situação Líquida Ativa: porque o total do Ativo (Bens + Direitos) supera o total do Passivo (Obrigações) em R$ 38.000,00;
  102. 102. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros c) Situação Líquida Superavitária: por ser uma situação positiva. Se a empresa fosse liquidada neste momento, vendendo os Bens ao preço que custaram, recebendo todos os Direitos e pagando todas as Obrigações, sobrariam para o proprietário da empresa o valor de R$ 38.000,00. Por isso, dizemos que a quantia de R$ 38.000,00 é Situação Superavitária; é o que restou positivamente; é o valor positivo que superou o negativo.
  103. 103. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVO Bens +Direitos POSITIVA PASSIVO > Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA , , 1. Ativo ( Bens e Direitos) menor que o Passivo (Obrigações) Exemplo: Bens ......................................................... R$ 2.000,00 Direitos .................................................... R$ 1.000,00 Obrigações ............................................... R$ 3.400,00 (*) O Balanço Patrimonial é uma das demonstrações contábeis exigidas pela Lei nº 6.404 das Sociedades por Ações e deve exprimir, com clareza, a situação do Patrimônio da empresa em um dado momento.
  104. 104. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Veja: . Lado do Ativo ................................................. (+) R$ 3.000,00 . Lado do Passivo ............................................... (-) R$ 3.400,00 . Diferença .......................................................... (-) R$ 400,00 Sendo a diferença negativa, a representação gráfica fica assim: Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Bens 1.000,00 Obrigações 3.400,00 Direitos 2.000,00 Situação Líquida (400,00) TOTAL DO ATIVO 3.000,00 TOTAL DO PASSIVO 3.000,00
  105. 105. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Neste caso, a Situação Líquida chama-se: a)Situação Líquida Negativa: porque o total dos elementos negativos (Obrigações) supera o total dos elementos positivos (Bens e Direitos) em R$ 400,00. b) Situação Líquida Passiva: porque o total do Passivo (neste caso, representado apenas por Obrigações) é superior ao total do Ativo (Bens e Direitos). c) Situação Líquida Deficitária: por ser uma situação negativa. Se houver interesse em liquidar a empresa neste momento, vendendo os Bens, recebendo os Direitos teremos R$ 3.000,00 em mãos. Para saldar nossos compromissos, precisaremos de R$ 3.400,00, que é o valor das Obrigações. Logo, faltam R$ 400,00. Por isso, a Situação Líquida é Deficitária: o total dos elementos positivos é insuficiente para saldar os compromissos.
  106. 106. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros d) Passivo a Descoberto: porque o total do Ativo não é suficiente para cobrir o total do Passivo. ATIVO PASSIVO SITUAÇÃO LÍQUIDA Bens + Direitos < Obrigações NEGATIVA , Ativo ( Bens e Direitos) igual ao Passivo (Obrigações) Exemplo: Bens ................................................ R$ 5.500,00 Direitos ........................................... R$ 4.500,00 Obrigações ...................................... R$ 10.000,00 Veja: . Lado do Ativo ........................................ R$ (+) 10.000,00 . Lado do Passivo ..................................... R$ (-) 10.000,00 . Diferença ................................................. 0,00
  107. 107. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Bens 5.500,00 Obrigações 10.000,00 Direitos 4.500,00 TOTAL DO ATIVO 10.000,00 TOTAL DO PASSIVO 10.000,00 Neste caso, o Ativo é inteiramente absorvido pelas Obrigações, e a Situação Líquida é nula, inexistente. Observe que, se pretendêssemos liquidar essa empresa neste momento, tudo o que se apuraria com a venda dos Bens e com o recebimento dos Direitos seria necessário para cobrir apenas as Obrigações, não restando nada para o proprietário.
  108. 108. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros = ATIVO Bens + Direitos Obrigações Situação Liquida Nula PASSIVO = PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio Líquido é o quarto grupo de elementos patrimoniais que, juntamente com os Bens, os Direitos e as Obrigações, completará a Demonstração Contábil, denominada Balanço Patrimonial. O total do grupo Patrimônio Líquido é igual ao valor da Situação Líquida da empresa. Assim, se a Situação Líquida for positiva, o total do grupo Patrimônio Líquido será igualmente positivo; se, por outro lado, a Situação Líquida da empresa for negativa, o total do grupo Patrimônio Líquido será igualmente negativo; e, ainda, se a Situação Líquida for nula, o grupo Patrimônio Líquido também refletirá essa situação.
  109. 109. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Patrimônio Bens Obrigações Direitos Patrimônio Líquido Esse grupo, no Balanço Patrimonial de uma empresa, aparece sempre do lado direito, juntamente com as Obrigações: O Patrimônio Líquido é composto pelos seguintes elementos: O Patrimônio Líquido é composto pelos seguintes elementos:
  110. 110. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Capital: é a principal fonte do grupo Patrimônio Líquido na fase de constituição da empresa, pois representa a soma dos valores que o proprietário investiu (colocou) na empresa. Lucro: é o principal objetivo das empresas. No final do exercício (período em que a empresa opera - geralmente um ano), a empresa poderá obter lucro ou prejuízo. No caso de lucro, ele terá vários destinos, como Imposto de Renda, distribuição aos sócios, formação de Reservas, etc. A parte não distribuída ficará retida para futuras aplicações com o título de Lucros Acumulados. Havendo prejuízo, este poderá ser dividido entre os sócios, ou permanecer no Patrimônio com o título de Prejuízos Acumulados. Reservas: correspondem a partes dos lucros que são retiradas (reservadas) para determinados fins, como, por exemplo, a Reserva Legal, que pode ser utilizada para aumentar o Capital da empresa.
  111. 111. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros AS FONTES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Capital (Capital nominal é o investimento dos sócios) - Lucro do Exercício(Reservas de lucros) - Prejuízo acumulado - Reservas SL = Situação Líquida PL = Patrimônio Líquido A = Ativo P = Passivo
  112. 112. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DO PATRIMÔNIO SL = A – P (ATIVO – PASSIVO) A = P + SL P = A – SL I) SL = 0 A = P II) SL < 0 A < P III) SL > 0 A > P
  113. 113. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 15.000,00CAIXA 15.000,00 TERRENO 5.000,00TERRENO 5.000,00 20.000,0020.000,00 CAPITAL 15.000,00CAPITAL 15.000,00 TÍTULOS A PAGAR 5.000,00TÍTULOS A PAGAR 5.000,00 20.000,0020.000,00 SL = 0 (NULA) A = PSL = 0 (NULA) A = P
  114. 114. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 16.000,00CAIXA 16.000,00 16.000,0016.000,00 CAPITAL 15.000,00CAPITAL 15.000,00 LUCROSLUCROS ACUMULADOS 1.000,00ACUMULADOS 1.000,00 16.000,0016.000,00 SL > 0 (POSITIVA) A = P + SLSL > 0 (POSITIVA) A = P + SL
  115. 115. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 15.000,00CAIXA 15.000,00 15.000,015.000,0 CAPITAL 15.000,00CAPITAL 15.000,00 TÍTULOS A PAGAR 500,00TÍTULOS A PAGAR 500,00 ( - ) PREJ. ACUMUL. 500,00( - ) PREJ. ACUMUL. 500,00 15.000,0015.000,00 SL < 0 (NEGATIVA) A + SL = PSL < 0 (NEGATIVA) A + SL = P
  116. 116. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros A seguir serão apresentadas, cronologicamente as transações da empresa comercial R. P. Ltda: DIA 02 – Investimento inicial de capital em dinheiro no valor de $ 12.000,00. DIA 04 – Aquisição de um imóvel da CIA por $ 5.000,00 com pagamento de $ 2.500,00 à vista e o restante a prazo. DIA 05 – Compra á vista de instalações pela empresa no valor de $ 2.000,00. DIA 15 – Aquisição de equipamento a crédito de mesma CIA por $ 4.000,00. DIA 18 – Obtenção de um empréstimo no valor de $ 10.000,00 do banco Y com emissão de uma nota promissória.
  117. 117. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros DIA 23 – Pagamento no valor de $ 1.000,00 a mesma CIA para liquidação de parte da dívida pela compra efetuada no dia 15. DIA 26 – Investimento de mais $ 5.000,00 aumentando o capital em dinheiro. DIA 30 – Compra à vista no valor de $ 8.500,00 de peças para reparos da CIA HOMEGA. Pede-se levantar um balanço da empresa e cada operação:
  118. 118. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros BALANÇOBALANÇO ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 12.000,00CAIXA 12.000,00 CAPITAL 12.000,00CAPITAL 12.000,00 12.000,0012.000,00 12.000,0012.000,00 ( 02 ) ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 9.500,00CAIXA 9.500,00 IMÓVEL 5.000,00IMÓVEL 5.000,00 CAPITAL 12.000,00CAPITAL 12.000,00 T. A PAG 2.500,00T. A PAG 2.500,00 14.500,0014.500,00 14.500,0014.500,00 ( 04 )
  119. 119. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ( 05 ) ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 7.500,00CAIXA 7.500,00 IMÓVEL 5.000,00IMÓVEL 5.000,00 INSTAL 2.000,00INSTAL 2.000,00 CAPITAL 12.000,00CAPITAL 12.000,00 T. A PAG 2.500,00T. A PAG 2.500,00 14.500,0014.500,00 14.500,0014.500,00 BALANÇOBALANÇO
  120. 120. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 7.500,00CAIXA 7.500,00 IMÓVEL 5.000,00IMÓVEL 5.000,00 INSTAL 2.000,00INSTAL 2.000,00 EQUIP 4.000,00EQUIP 4.000,00 CAPITAL 12.000,00CAPITAL 12.000,00 T. A PAG 2.500,00T. A PAG 2.500,00 C. A PAG 4.000,00C. A PAG 4.000,00 18.500,0018.500,00 18.500,0018.500,00 ( 15 ) BALANÇOBALANÇO
  121. 121. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 7.500,00CAIXA 7.500,00 BANCOS 10.000,00BANCOS 10.000,00 IMÓVEIS 5.000,00IMÓVEIS 5.000,00 INSTAL 2.000,00INSTAL 2.000,00 EQUIP 4.000,00EQUIP 4.000,00 CAPITAL 12.000,00CAPITAL 12.000,00 T. A PAG 2.500,00T. A PAG 2.500,00 C. A PAG 4.000,00C. A PAG 4.000,00 PROM.A PGPROM.A PG 10.000,0010.000,00 28.500,0028.500,00 28.500,0028.500,00 ( 18 ) BALANÇOBALANÇO
  122. 122. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ( 23 ) ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 6.500,00CAIXA 6.500,00 BANCOS 10.000,00BANCOS 10.000,00 IMÓVEIS 5.000,00IMÓVEIS 5.000,00 INSTAL 2.000,00INSTAL 2.000,00 EQUIP 4.000,00EQUIP 4.000,00 CAPITAL 12.000,00CAPITAL 12.000,00 T. A PAG 2.500,00T. A PAG 2.500,00 C. A PAG 3.000,00C. A PAG 3.000,00 PROM.A PGPROM.A PG 10.000,0010.000,00 27.500,0027.500,00 27.500,0027.500,00 BALANÇOBALANÇO
  123. 123. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ( 26 ) ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 11.500,00CAIXA 11.500,00 BANCOS 10.000,00BANCOS 10.000,00 IMÓVEIS 5.000,00IMÓVEIS 5.000,00 INSTAL 2.000,00INSTAL 2.000,00 EQUIP 4.000,00EQUIP 4.000,00 CAPITAL 17.000,00CAPITAL 17.000,00 T. A PAGT. A PAG 2.500,002.500,00 C. A PAGC. A PAG 3.000,003.000,00 PROM.A PGPROM.A PG 10.000,0010.000,00 32.500,0032.500,00 32.500,0032.500,00 BALANÇOBALANÇO
  124. 124. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ( 30 ) ATIVOATIVO PASSIVOPASSIVO CAIXA 3.000,00CAIXA 3.000,00 BANCOS 10.000,00BANCOS 10.000,00 IMÓVEIS 5.000,00IMÓVEIS 5.000,00 INSTAL 2.000,00INSTAL 2.000,00 EQUIP 4.000,00EQUIP 4.000,00 PEÇAS 8.500,00PEÇAS 8.500,00 CAPITALCAPITAL 17.000,0017.000,00 T. A PAG 2.500,00T. A PAG 2.500,00 C. A PAG 3.000,00C. A PAG 3.000,00 PROM.A PGPROM.A PG 10.000,0010.000,00 32.500,0032.500,00 32.500,0032.500,00 BALANÇOBALANÇO
  125. 125. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros A) Investimento Inicial de Capital 24.000, sendoA) Investimento Inicial de Capital 24.000, sendo 50% a dinheiro e 50% em materiais50% a dinheiro e 50% em materiais CAIXA 12.000,00CAIXA 12.000,00 MATERMATER 12.000,0012.000,00 CAPITAL 24.000,00CAPITAL 24.000,00 24.000,0024.000,00 24.000,0024.000,00 CAIXA 12.000,00CAIXA 12.000,00 MATERMATER 12.000,0012.000,00 M. UTENSM. UTENS 6.000,006.000,00 CAPITAL 24.000,00CAPITAL 24.000,00 C. A PAGC. A PAG 6.000,006.000,00 B) Compra de móveis e utensílios a PrazoB) Compra de móveis e utensílios a Prazo
  126. 126. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros C) Aumento de Capital no valor de 2.000, em dinheiro.C) Aumento de Capital no valor de 2.000, em dinheiro. CAIXA 14.000,00CAIXA 14.000,00 MATERMATER 12.000,0012.000,00 M. UTENSM. UTENS 6.000,006.000,00 CAPITAL 26.000,00CAPITAL 26.000,00 C. A PAGC. A PAG 6.000,006.000,00 32.000,0032.000,00 32.000,0032.000,00 D) Compra de veículos á vista no valor de 1.000.D) Compra de veículos á vista no valor de 1.000. CAIXA 13.000,00CAIXA 13.000,00 MATERMATER 12.000,0012.000,00 M. UTENSM. UTENS 6.000,006.000,00 CAPITAL 26.000,00CAPITAL 26.000,00 C. A PAGC. A PAG 6.000,006.000,00
  127. 127. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros E) Pagamento de parte da compra de móveis no valor de 3.000E) Pagamento de parte da compra de móveis no valor de 3.000 CAIXA 10.000,00CAIXA 10.000,00 MATER 12.000,00MATER 12.000,00 M. UTENS 6.000,00M. UTENS 6.000,00 VEÍCULOS 1.000,00VEÍCULOS 1.000,00 CAPITAL 26.000,00CAPITAL 26.000,00 C. A PAG 3.000,00C. A PAG 3.000,00 29.000,0029.000,00 29.000,0029.000,00 F) Compra de Veículos à vista no valor de 1.000F) Compra de Veículos à vista no valor de 1.000 CAIXA 9.000,00CAIXA 9.000,00 MATER 12.000,00MATER 12.000,00 M. UTENS 6.000,00M. UTENS 6.000,00 VEÍCULOS 2.000,00VEÍCULOS 2.000,00 CAPITAL 26.000,00CAPITAL 26.000,00 C. A PAG 3.000,00C. A PAG 3.000,00 29.000,0029.000,00 29.000,0029.000,00
  128. 128. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CAPITAL NOMINAL Representa o investimento inicial dos sócios e somente será alterado quando houver aumento ou diminuição de capital: - É a conta Capital. CAPITAL PRÓPRIO É o Capital Nominal mais os lucros acumulados e as reservas CAPITAL DE TERCEIROS Representa todas as dívidas ( obrigações ) de terceiros, excluindo- se o Patrimônio Líquido CAPITAL TOTAL A DISPOSIÇÃO DA EMPRESA Obrigações + Patrimônio Líquido
  129. 129. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros MÉTODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS É onde um débito é sempre correspondido por um crédito. A partida dobrada, método de registro que se encontra mais difundido, é adotada pela maioria das escritas das diversas empresas e entidades em todo mundo. O sistema compreende não apenas o princípio de que todo débito corresponde a um crédito, mas, também, reúne certas exigências como por exemplo:
  130. 130. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 1. A conta credora é sempre inscrita em segundo lugar; 2. A conta devedora é sempre em primeiro lugar; 3. A conta devedora sempre oculpa as colunas da esquerda; 4. A conta credora sempre oculpa as colunas da direita; 5. A conta credora deve ser precedida da vogal “a”; 6. O livro razão é o que grupa as contas sempre com lançamentos de Débito e Crédito;
  131. 131. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 7. As somas dos valores do débito no razão devem ser sempre iguais as somas do crédito no mesmo livro; 8. O razão é o livro principal do qual se levanta Balancete e o Balanço; 9. O livro diário é o que reúne os fatos em ordem cronológica e todos os fatos nele inscritos devem ser passados, também para o livro razão; 10. Saldo é a diferença entre Débito e Crédito.
  132. 132. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros FUNÇÃO DAS CONTAS DO ATIVO CAIXA: DEBITADA – Pelo recebimento do dinheiro. CREDITADA – Pelo pagamento efetuado, em dinheiro. *Caixa tem sempre saldo devedor. BANCO CONTA MOVIMENTO: DEBITADA – Pelos depósitos efetuados pela empresa e pelos créditos efetuados pelo próprio banco, na conta da empresa. CREDITADA – Pela emissão de cheques e pelos débitos efetuados... Pelo próprio banco na conta da empresa. *Saldo sempre devedor.
  133. 133. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros MERCADORIAS: “Representa as compras de artigos para revenda”. DEBITADA – Pelas compras de artigos para revenda. CREDITADA – Quando da apuração do resultado ou do custo da mercadoria. Saldo sempre devedor. MÓVEIS E UTENSÍLIOS: “Representa as compras efetuadas pela Empresa, referentes: Às mesas, cadeiras, armários, máquinas de escrever, calcular, etc. Para uso exclusivo da empresa.” DEBITADA – Pela compra. CREDITADA – Pelas vendas ou baixas. *Saldo sempre devedor.
  134. 134. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros VEÍCULOS, INSTALAÇÕES, IMÓVEIS E MÁQUINÁRIA: DEBITADA – Pela aquisição à vista ou à prazo. CREDITADA – Pela venda ou baixa. *Saldo devedor. CONTAS A RECEBER, DUPLICATAS A RECEBER, TÍTULOS A RECEBER, CLIENTES, CONTAS CORRENTES: DEBITADA – Pelo aparecimento do direito (venda). CREDITADA – Pelo término do direito (pagamentos) * Saldo devedor.
  135. 135. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros FUNÇÃO DAS CONTAS DO PASSIVO FORNECEDOR: DEBITADA – Pelo desaparecimento da dívida. CREDITADA – Pela compra de mercadoria a prazo. *Saldo credor. CONTAS A PAGAR, DUPLICATAS A PAGAR, TÍTULOS A PAGAR, IAPAS A RECOLHER, IMPOSTOS A RECOLHER: DEBITADA – Pelo desaparecimento (Pagamento da dívida) CREDITADA – Pelo surgimento da dívida. *Saldo credor.
  136. 136. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CAPITAL: DEBITADA – Pelo desinvestimento. (diminuição de capital). CREDITADA – Pelo investimento inicial ou aumento de capital. *Saldo sempre credor LUCROS ACUMULADOS: DEBITADA – Quando da distribuição aos sócios ou para o aumento do capital ou quando da compensação de prejuízos e formação de reserva. CREDITADA – Quando há transferência da conta do Resultado do Exercício. *Saldo sempre credor. RESERVAS: DEBITDA – Quando da sua utilização. Creditada – Quando da sua formação. *Saldo credor.
  137. 137. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros LIVROS CONTÁBEIS DIÁRIO: Livro obrigatório por lei, onde são registrados todos os Fatos Contábeis em ordem cronológica de : Dia, mês e ano. RAZÃO: Livro obrigatório, fundamental, sem o qual não se pode levantar um balancete ou balanço. Atualmente o Razão é substituído por ficha, mas também, pode se apresentar em forma de razonetes ou conta T.
  138. 138. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros ELEMENTOS QUE COMPÕEM UM LANÇAMENTO (LIVRO DIÁRIO): 1. Local e data; 2. Conta debitada; 3. Conta creditada; 4. Histórico 5. Valor ou importância.
  139. 139. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros FÓRMULAS DE LANÇAMENTOS 1ª fórmula: Uma conta debitada para uma conta creditada. 2ª fórmula: Uma conta debitada para duas ou mais creditadas. 3ª fórmula: Duas ou mais contas para uma creditada. 4ª fórmula: Duas ou mais contas debitadas para duas ou mais creditadas. 1ª fórmula – Simples. 2ª fórmula – Composta. 3ª fórmula – Composta. 4ª fórmula – Complexa.
  140. 140. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros a.a. Primeira forma: um débito e um crédito.Primeira forma: um débito e um crédito. Exemplo:Exemplo: DataData LançamentoLançamento DébitoDébito CréditoCrédito 22.12.X922.12.X9 D- MercadoriasD- Mercadorias $ 1.000$ 1.000 C- CaixaC- Caixa $ 1.000$ 1.000 Histórico: Compra deHistórico: Compra de mercadorias à vistamercadorias à vista
  141. 141. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros b. Segunda forma: um débito e dois ou mais créditos. Exemplo: DataData LançamentoLançamento DébitoDébito CréditoCrédito 22.12.X922.12.X9 D- MercadoriasD- Mercadorias $ 1.000$ 1.000 C- CaixaC- Caixa $ 500$ 500 C- Duplicatas a pagarC- Duplicatas a pagar $ 500$ 500 Histórico: Compra deHistórico: Compra de mercadorias, sendomercadorias, sendo 50% à vista e o50% à vista e o restante a prazorestante a prazo
  142. 142. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros c. Terceira forma: dois ou mais débitos e um crédito. Exemplo: DataData LançamentoLançamento DébitoDébito CréditoCrédito 22.12.X922.12.X9 D- Bancos comD- Bancos com movimentomovimento $ 1.300$ 1.300 D- TerrenosD- Terrenos $ 1.200$ 1.200 C- Capital a integralizarC- Capital a integralizar $ 2.500$ 2.500 Histórico: IntegralizaçãoHistórico: Integralização de capital pelos sócios,de capital pelos sócios, sendo $ 1.300 emsendo $ 1.300 em dinheiro e $ 1.200 emdinheiro e $ 1.200 em terrenosterrenos
  143. 143. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros d. Quarta forma: dois ou mais débitos e dois ou mais créditos. Exemplo: DataData LançamentoLançamento DébitoDébito CréditoCrédito 22.12.X922.12.X9 D- MercadoriasD- Mercadorias $ 800$ 800 D- Material deD- Material de escritórioescritório $ 20$ 20 C- Duplicatas a pagarC- Duplicatas a pagar $ 800$ 800 C- CaixaC- Caixa $ 20$ 20 Histórico: Compra deHistórico: Compra de mercadorias a prazo emercadorias a prazo e material de escritório àmaterial de escritório à vistavista
  144. 144. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Podemos utilizar na escrituração contábil quaisquer das formas anteriores; contudo, entendemos que a quarta forma deveria ser evitada, porque pode, em algumas situações, criar uma dificuldade de entendimento, principalmente quando utilizada para representar grandes movimentações diárias.
  145. 145. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Mecanismo de Débito e Crédito Mecanismo de Débito e CréditoMecanismo de Débito e Crédito em Contabilidadeem Contabilidade AtivoAtivo PassivoPassivo Bens e direitosBens e direitos (aplicações de recursos)(aplicações de recursos) ObrigaçõesObrigações (origens de recursos)(origens de recursos) NATUREZA DEVEDORANATUREZA DEVEDORA NATUREZA CREDORANATUREZA CREDORA Balanço Patrimonial ( esquemaBalanço Patrimonial ( esquema simplificado)simplificado)
  146. 146. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros DébitoDébito CréditoCrédito DébitoDébito CréditoCrédito AUMENTOAUMENTO DIMINUIÇÃODIMINUIÇÃO DIMINUIÇÃDIMINUIÇÃ OO AUMENTOAUMENTO Ativo PassivoAtivo Passivo Despesa ReceitaDespesa Receita DébitoDébito CréditoCrédito DébitoDébito CréditoCrédito AUMENTOAUMENTO DIMINUIÇÃODIMINUIÇÃO DIMINUIÇÃODIMINUIÇÃO AUMENTOAUMENTO
  147. 147. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros O esquema anterior representa bem a sistemática e a lógica do débito e crédito em contabilidade (visão simplificadora). Para entendimento do referido esquema, analisaremos as seguintes observações: Contas do ativo: O ativo está do lado esquerdo do balanço, portanto, os lançamentos a débito das suas contas aumentarão seus saldos e os lançamentos a crédito os diminuirão. Contas do passivo: O passivo está do lado direito do balanço; assim sendo, os lançamentos a crédito das suas contas aumentarão seus saldos e os lançamentos a débito os diminuirão.
  148. 148. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Contas de receita: as receitas maiores que as despesas significa lucro, e este aumenta a riqueza líquida (patrimônio líquido) da empresa. A única forma de o lucro aumentar o patrimônio líquido é sendo credor, e se o lucro for credor, as receitas também serão. Contas de despesa: uma empresa com despesas maiores que as receitas apresentará prejuízo, e este diminui a riqueza líquida (patrimônio líquido). A única forma de o prejuízo diminuir o patrimônio líquido é sendo devedor, haja vista que o patrimônio líquido é credor , e se o prejuízo for devedor, as despesas também o serão.
  149. 149. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros EXERCÍCIO: 1. Uma empresa inicia suas atividades em 02.01.xx, com o Capital de $100.000,00. O integralizado totalmente em dinheiro. 2. Compra de um imóvel no dia 03.01.xx, nas seguintes condições: Paga à vista $ 30.000,00 e o restante dividido em 4 parcelas de $15.000,00 cada uma. 3. Em 04.01.xx a empresa comprou um caminhão para uso, no valor de $200.000,00 a prazo. Mesas e cadeiras para uso no valor de $16.000,00 a prazo.
  150. 150. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 4. Em 05.01.xx a firma deposita no banco Y S/A, a importância de $60.000,00. 5. Em 06.01.xx a empresa compra artigo para revenda no valor de $35.000,00, pagando com o cheque nº 001, emitido contra o Banco Y S/A. Rio de janeiro, 02 de Janeiro de 200x. - Operações realizadas neste mês nas datas indicadas a saber.
  151. 151. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 02 Caixa a Capital P/ Integralização do Capital ............. 100.000,00 03 Imóveis a Diversos a Caixa Valor pago nesta data ....................... 30.000,00 a Títulos a Pagar Valor correspondente a 4 parcelas de $15.000,00 cada uma............ 60.000,00.........90.000,00
  152. 152. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 04 Diversos a Contas a Pagar Veículos Valor adquirido n/data ......................... 200.000,00 Móveis Utensílios Valor adquirido n/data.......16.000,00.......216.000,00 05 Banco c/Movimento Banco Y S/A a Caixa Valor referente a depósito no Banco Y S/A....60.000,00
  153. 153. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 06 Mercadorias a Banco c/Movimento Referente ao Pagamento de compras de Mercadorias c/ cheques 001 Banco Y S/A........35.000,00 CAIXA CAPITAL 100.000,00100.000,00 30.000,0030.000,00 60.000,0060.000,00 SS 10.000,0010.000,00 100.000,00100.000,00 SS 100.000,00100.000,00
  154. 154. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 90.000,0090.000,00 SS 90.000,0090.000,00 60.000,0060.000,00 SS 60.000,0060.000,00 IMÓVEIS TÍTULOS A PG 216.000,00216.000,00 SS 216.000,00216.000,00 16.000,0016.000,00 SS 16.000,0016.000,00 CONTAS A PAGAR MÓVEIS E UTENSÍLIOS
  155. 155. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 60.000,0060.000,00 35.000,0035.000,00 SS 25.000,0025.000,00 200.000,00200.000,00 SS 200.000,00200.000,00 35.000,0035.000,00 SS 35.000,0035.000,00 Bco C/MOVIMENTO VEÍCULO MERCADORIAS
  156. 156. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CONTASCONTAS DÉBITODÉBITO CRÉDITOCRÉDITO CAIXACAIXA 10.000,0010.000,00 -- CAPITALCAPITAL -- 100.000,00100.000,00 IMÓVEISIMÓVEIS 90.000,0090.000,00 -- TÍTULOS A PAGARTÍTULOS A PAGAR -- 60.000,0060.000,00 CONTAS A PAGARCONTAS A PAGAR -- 216.000,00216.000,00 MÓVEIS E UTENSÍLIOSMÓVEIS E UTENSÍLIOS 16.000,0016.000,00 -- BANCO C/BANCO C/ MOVIMENTOMOVIMENTO 25.000,0025.000,00 -- VEÍCULOVEÍCULO 200.000,00200.000,00 -- MERCADORIASMERCADORIAS 35.000,0035.000,00 -- BALANCETE DE VERIFICAÇÃO
  157. 157. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Paulo e Rafael constituíram uma empresa comercial a saber: PAULO, subscreveu $ 500.000,00 e integralizou 65% da sua parte. RAFAEL, subscreveu $ 700.000,00 e integralizou 55% de sua parte. Pede-se contabilizar a subscrição e a integralização. Rio de Janeiro. DIVERSOS a CAPITAL PAULO C/ CAPITAL(CAPITAL A INTEGRALIZAR) Subscrição de parte de seu Capital...... 500.00,00
  158. 158. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros RAFAEL C/ CAPITAL (CAPITAL A INTEGRALIZAR) Subscrição de parte de seu Capital....................................700.000,00 1.200.000,00 Rio de Janeiro, CAIXA a DIVERSOS a PAULO C/ CAPITAL P/ Integralização n/ data................... 325.000,00 a RAFAEL C/ CAPITAL P/ Integralização n/ data ............... 385.000,00 710.000,00
  159. 159. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 1.200.000,001.200.000,00 SS 1.200.000,001.200.000,00 500.000,00500.000,00 325.000,00325.000,00 SS 175.000,00175.000,00 CAPITAL PAULO C/ CAPITAL 700.00,00700.00,00 385.000,00385.000,00 SS 315.000,00315.000,00 710.000,00710.000,00 SS 710.000,00710.000,00 RAFAEL C/ CAPITAL CAIXA
  160. 160. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CONTASCONTAS DÉBITODÉBITO CRÉDITOCRÉDITO PAULO C/ CAPITALPAULO C/ CAPITAL 175.000,00175.000,00 -- RAFAEL C/ CAPITALRAFAEL C/ CAPITAL 315.000,00315.000,00 -- CAIXACAIXA 715.000,00715.000,00 -- CAPITALCAPITAL -- 1.200.000,001.200.000,00 TOTALTOTAL 1.200.000,001.200.000,00 1.200.000,001.200.000,00 BALANCETE DE VERIFICAÇÃO
  161. 161. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Pedro e Paulo constituem uma sociedade no dia 21.01.xx, a saber: - PEDRO......... Em dinheiro........... $300.000,00 Em mercadorias......$200.000,00 - PAULO......... Em dinheiro........... $100.000,00 Em imóveis.............$400.000,00 Pede-se lançamento de diário e razão: DIVERSOS a CAPITAL PEDRO C/ CAPITAL P/ Subscrição do seu Capital............ 500.000,00 PAULO C/ CAPITAL P/ Subscrição do seu Capital... 500.000,00 1.000.000,00
  162. 162. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros DIVERSOS a PEDRO C/ CAPITAL CAIXA P/ Integralização do seu Capital em espécie...300.000,00 MERCADORIA P/ Integralização, conforme inventário...... 200.000,00 500.000,00 DIVERSOS a PAULO C/ CAPITAL CAIXA P/ Integralização valor em espécie (dinheiro) 100.000,00 IMÓVEIS P/ Integralização, conforme escritura........... 400.000,00 500.000,00
  163. 163. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros EXERCÍCIO 1. 01 – uma empresa inicia suas atividades 02.01.87, com o capital $ 600.000,00 integralizado totalmente em dinheiro. 02 – no dia 03.01 abriram uma c/c no Banco Y S/A com a importância de $ 400.000,00. 03 – no dia 04.01 de acordo com o recibo nº 1220.Pagou $ 40.000,00 à Decorações Linda Ltda.. Pelas instalações da empresa. 04 – no dia 05.01 comprou mesas, cadeiras, duas máquinas de escrever e uma calculadora da Mobiliária Jóia Ltda.No valor de $80.000,00, conforme a NF nº 180.
  164. 164. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 05 – no dia 08 comprou um caminhão da marca W ano 86, chassis nº......1346, placa RJ ZP 1241 da agência de automóveis “Vende Barato até dá Ltda.”, conf. NF nº 390 por $2.000.000,00, pagando no ato $200.000,00, através do cheque do Banco Y, e o restante em 8 parcelas iguais assinando promissórias. 06 – no dia 10 compra mercadorias p/ revenda no valor de $.......... 1.000.000,00 a prazo. 07 – no dia 12 deposita no Banco Y S/A a importância de $ 60.000,00. 08 – no dia 14 vende todas as mercadoria sendo 50% à vista e o restante a prazo no valor de $ 2.500.000,00 que foram adquiridas no dia 10.01.
  165. 165. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 09 – no dia 16 paga fornecedor duplicatas, no valor de $ 40.000,00 10 – no dia 17 paga fornecedor duplicatas no valor de $ 50.000,00. 11 – no dia 17 recebe de cliente as duplicatas no valor de $ 600.000,00. 12 – no dia 18 adquiriu um imóvel, no valor de $ 200.000,00, pagando à vista 45% e o restante com vencimento a 6 meses da seguinte forma: nos 2 primeiros meses 20% nos 8 meses seguintes 25% e no último mês 10%. 13 – no dia 19 paga fornecedor duplicatas no valor de $20.000,00, obtendo um desconto de 15% no pagamento, conforme cheque do Banco Y.
  166. 166. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 14 – No dia 21 paga a 1ª parcela referente às compras efetuadas no dia 18. 15 – No dia 22 vende à vista veículo que fora adquirido no dia 08, no valor de $ 4.000.000,00. 16 – No dia 23 paga débito, de 2 parcelas, referentes a aquisição de um caminhão. 17 – no dia 24 recebe de um sócio $800.000,00. Para aumento de capital. Pede-se : Lançamentos de Diário, Razão e Balancete de Verificação
  167. 167. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros Fazer os lançamentos de diário e razão, bem como, balancete e balanço, considerando o resultado existente. 02/01 Caixa a Capital........................................600.000,00 03/01 Banco C/Movimento a Caixa..........................................400.000,00 04/01 Instalações a Caixa........................................... 40.000,00
  168. 168. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 05/01 Móveis e Utensílios a Caixa..................... 80.000,00 08/01 Veículos a Diversos a Banco c/movimento.................200.000,00 a Duplicatas a Pagar............. 1.800.000,00 2.000.000,00
  169. 169. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 10/01 Mercadorias a Fornecedores ........................1.000.000,00 12/01 Banco C/Movimento a Caixa ....................................... 60.000,00 14/01 Diversos 14/01 a Vendas Caixa...........................................1.250.000,00 Cliente.......................................1.250.000,00………..2.000.000,00
  170. 170. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros CMV a Mercadoria ...................................1.000.000,00
  171. 171. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 16/01 Fornecedor a Caixa ....................................... 40.000,00 17/01 Fornecedor a Caixa ....................................... 50.000,00 17/01 Caixa a Cliente ....................................... 600.000,00
  172. 172. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 18/01 Imóvel a Diversos a Caixa ....................................... 90.000,00 A Titulos a pagar ....................... 110.000,00 200.000,00 19/01 Fornecedor a Diversos a Banco c/ movimento .............. 17.000,00 a desconto obtido....................... 3.000,00 20.000,00 21/01 Títulos a pagar a Caixa ..................................... 40.000,00
  173. 173. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 22/01 Caixa a Diversos a Veiculo ................ 2.000.000,00 a Receita na venda de bens .................... 2.000.000,00 4.000.000,00 23/01 Duplicatas a pagar a Caixa ............................. 450.000,00 24/01 Caixa a Capital ............................. 800.000,00
  174. 174. Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso: Ciências Contábeis Teoria da ContabilidadeTeoria da Contabilidade Expositor: Prof. Rafael Medeiros 600.000,00600.000,00 400.000,00400.000,00 80.000,0080.000,00 1.250.000,001.250.000,00 600.000,00600.000,00 4.000.000,004.000.000,00 800.000,00800.000,00 40.000,0040.000,00 60.000,0060.000,00 40.000,0040.000,00 50.000,0050.000,00 90.000,0090.000,00 40.000,0040.000,00 450.000,00450.000,00 **7.250.000,007.250.000,00 1.250.000,001.250.000,00 RAZONETES 600.000,00600.000,00 800.000,00800.000,00 **1.400.000,001.400.000,00 CAIXA 400.000,00400.000,00 200.000,00200.000,00 60.000,0060.000,00 17.000,0017.000,00 **243.000,00243.000,00 CAPITAL BANCO C/ MOVIMENTO 40.000,0040.000,00 INSTALAÇÕES

×