Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)

1.285 visualizações

Publicada em

"Nôs Terra" PT2011 de Anna Tica . Nuno Pedro . Toni Polo

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.285
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)

  1. 1. sinopseOs pais vieram de uma antiga colónia portuguesa. Eles nasceram em Lisboamas sentem-se mais cabo-verdianos. Saíram do bairro de infância para ir viverpara o bairro social. Falam português mas também, desde muito cedo,aprenderam crioulo. Falam sobre a dualidade e a conflitualidade de pertencer adois mundos que vivem de costas voltadas, mas que apesar de tudo, lhespertencem como um só”"Nôs Terra" é um documentário centrado no processo de construção de umcontra discurso protagonizado por jovens negros portugueses.The parents came from a portuguese former colony. They were born in Lisbonbut feel like more Cape Verdians. They left the neighborhood to be rehoused innew social quarters. They speak Portuguese but early on learned Creole. Theytalk about the duality and conflict of belonging to two different worlds, that liveback to back but clash in them as one."Our Land" (Nôs Terra) it is a Documentary focusing on the process of buildingthe speech against the stereotype stated by Portuguese black youth.De parents venus dune ancienne colonie portugaise, ils sont nés à Lisbonne,mais se sentent plus Capverdiens. Ils ont quitté le quartier pour être relogésdans de nouveaux quartiers sociaux. Ils parlent le portugais, mais dès le débuton appris le créole. Ils parlent de la dualité et du conflit dappartenir à deuxmondes différents qui vivent dos à dos mais saffrontent en eux comme un seul.«Notre terre» est un documentaire portant sur le processus de construction dudiscours contre les stéréotypes existants sur les jeunes noirs portugais.
  2. 2. porque este filmeCom este filme pretendemos dar visibilidade a um dos principais desafios que asociedade portuguesa enfrenta: tornar mais efectivas a participação e ainclusão dos jovens negros, descendentes de imigrantes africanos, nascidosem Portugal em todas as esferas da sociedade.O uso generalizado do conceito “segunda geração de imigrantes”, categoriasocial associada a estes jovens, adia a plena construção das suas identidades,cristalizando um estatuto que perdura no tempo, relativamente a jovens que jánasceram em Portugal. Este rótulo faz aumentar a percepção da diferença,diminuindo as possibilidades de cooperação e aceitação mútua.Consideramos que a consciência deste conflito deve servir por um lado paraenvolver os jovens negros na procura pela melhor forma de plenamenteexercerem a sua cidadania, e por outro provocar a necessária discussão sobreas transformações que nos últimos anos mudaram a sociedade portuguesa.Será que nascer entre culturas, não é uma posição privilegiada para actuarcomo pontes ao serviço da diversidade e da coesão social? “As nossas palavras não são inocentes e contribuem para perpetuar preconceitos que demonstram ser, ao longo da História, perversos e assassinos. Porque é o nosso olhar que aprisiona muitas vezes os outros nas suas pertenças mais estreitas e é também ele que tem o poder de os libertar. A identidade não se compartimenta, não se reparte em metades, nem em terços, nem se delimita em margens fechadas. Não tenho várias identidades, tenho apenas uma, feita de todos os elementos que a moldaram, segundo uma ‘dosagem’ particular que nunca é a mesma de pessoa para pessoa”. As identidades assassinas Amin Maalouf
  3. 3. assuntosabordadosA CULTURA DE ORIGEM. «- Eu COMO SE DEFINEM. «- Tu nãoacho que todos os jovens sentem sabes, às vezes, que rumo tomar.necessidade de ir ao seu pais de Porque tanto tás bem num, comoorigem. Como eu senti de ir porque tas bem noutro. Porque que nãoeu estava perdido, o que é Cabo podes mostrar a sociedade como tuVerde?» Luís Semedo és e mostrar aos teus pais como é a tua vida lá fora? Fora de casa, foraO CRIOULO. «- Hã? Sonho em que do ambiente familiar?» Patrícialíngua? N’ta sunha na ki língua? …Sei lá! Isso também muda é emcrioulo e em português.» Kromo di Gueto RACISMO. «- O que nos vai na alma é que há dias … tem dias emDOCUMENTOS & que nós sentimos que somosNACIONALIDADE. «- Não sou portugueses e que somos bemclandestina, só isso. De resto não aceites, que tudo é uma maravilha etenho vantagens nenhumas de não que todos gostamter a nacionalidade portuguesa … de nós e tem dias que estamossendo que eu nasci cá!» Lady F frustrados.» Luís SemedoTRABALHO. «- Os filhos não 2ª GERAÇÃO DE IMIGRANTES. «-querem ter os trabalhos precários A mim até podem dizer-me és filhoque os pais tiveram, isso é de cabo-verdianos, mas o quê queverdade!» Hélder vão dizer do meu filho? Tu és filho de quem?» Luís SemedoBAIRRO DE INFÂNCIA. «- Erapequeno, dava para correr o bairro «- Eu sou imigrante porque o meuem poucos minutos. Sei lá, aquilo a pai é imigrante? Não, eu nasci cábem dizer era um pequeno então sou português.» Hélderparaíso...» Amigo da Patrícia«- O que é o gueto?» Sebeyks
  4. 4. realizadoresAnna TicaLisboa, 1979.Licenciada em Animação Sociocultural trabalha, desde 2001, comcomunidades africanas na área metropolitana de Lisboa. Procura aprofundar atemática das identidades e a consolidação de discurso político.Nuno PedroCoimbra, 1975.Licenciou-se em Cinema e Vídeo na Escola Superior de Artes, no Porto.Escreveu e dirigiu a sua primeira curta-metragem em 2007, produzida pelaTelevisão Académica de Coimbra.Toni PoloValência, 1983.Desenvolve desde 2006 iniciativas interculturais sobre música, migração,identidade e integração, em colaboração com diferentes organizações naArgentina, Espanha, Senegal, Marrocos, Portugal, Turquia e Mali.
  5. 5. actualizações sobre o documentárioE-NEWS em http://crioulidades.blogspot.com/p/filmes.htmlTrailer: http://youtu.be/gLPxfsh7dqUMusica: http://soundcloud.com/ujamanna/abuso-policialorganizar uma ExibiçãoPara organizar uma apresentação do documentário «Nôs Terra» osprocedimentos são:1. Tecnicamente precisa de um projector, uma tela, um leitor de DVD e umsistema de som.2. Ter uma sala disponível e uma proposta com possíveis datas a combinar.Entre em contacto connosco para o seguinte endereço:ujamanna@gmail.comTentaremos garantir sempre a presença de um dos realizadores.3. Outras condições a definir.
  6. 6. ficha técnica Participação - por ordem alfabética - de: Bino Cox Filipa (Lady F) Helder Kromo di Gueto Luís .:. Manu Patrícia Sebeyks Filmado nos Bairros: Estrela DÁfrica Casal da Mira Casal da Boba Padre Cruz Cova da Moura Outurela - Portela Créditos Realização .:. Anna Tica . Nuno Pedro . Toni Pólo Fotografia . Câmara .:. Nuno Pedro . Toni Pólo Som .:. João Pedro . Sérgio Cardoso, Aaron Peacock Montagem .:. Alex Campos Guião .:. Anna Tica . Nuno Pedro e Toni Pólo Animação/ Genérico: Nuno Henriques Fotografia: Vera Correia Design gráfico: Ana Rita Nascimento Direcção de produção .:. Anna Tica aka Ana FernandesEntidade promotora: Solidariedade Imigrante - Associação para a Defesa dos Direitos dos Imigrantes Música .:. Bino, Cox, Kromo di Ghetto, Sebeyks, Lord Strike e Boss 70 min .:. Língua original: Português.:. Cor English Subtitles Available

×