Estórias da História do RIO de
JANEIRO
Pequeno Jornaleiro - Década de 30
A estátua ao lado, ficava na
confluência das ruas Miguel
Couto, Ouvidor e Av. Rio Branco...
Rua Maçapuri, na Penha - 1927.
Publicada na revista "O Malho".
Tratava-se de um anúncio do movimento imobiliário do
bairro...
A revista Fon Fon, entre 1907 e 1909 dedicava meia página aos
jornalistas da ,em seus locais de trabalho. Na foto, Irineu ...
Pedreira do Inhangá
Havia um tempo em que o Leme e Copacabana eram
separados pela Pedreira do Inhangá.
Parte de pedreira f...
"Em 1872, surgiria o bonde que se tornou o símbolo do bairro, subindo a Rua
Almirante Alexandrino.
Inicialmente, o bonde e...
A linha de ônibus entre a Praça Mauá e o bairro do Leblon, no Rio, foi
inaugurada em 23 de abril de 1928 pela Viação Excel...
Antigo Hospício Nacional - 1910
Hoje, funciona no local a Sede da UFRJ, na Av.
Pasteur, Praia Vermelha.
A universidade era hospício mesmo. Até hoje
falam ...
Manequinho - 1926
No Mourisco, em Botafogo.
Leiam o cartaz: Mais uma CREANÇA vestida pelo Pavilhão".
Manequinho foi inspir...
Sobre o Manequinho
Ficou na Praia de Botafogo por anos, até que em um
campeonato alguém vestiu na estátua uma camisa do
Ba...
Arcos dos Teles - 1906
O que pouca gente sabe é que o beco debaixo do arco esconde muitos dramas e
alguns mistérios. Há qu...
Primeira transmissão de Rádio no
Brasil - 1923
Realizada no alto do Corcovado antes
da construção da estátua.
O último Bonde puxado por burros -
1892
Os bondes puxados por
burros foram usados
durante muito tempo
no Rio de Janeiro,
e...
Copacabana, Posto 6 - 1909
Louise Chabas, popularmente conhecida como Mère Louise, foi proprietária de um dos mais
conheci...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estórias da história do rio de janeiro

446 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
446
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estórias da história do rio de janeiro

  1. 1. Estórias da História do RIO de JANEIRO
  2. 2. Pequeno Jornaleiro - Década de 30 A estátua ao lado, ficava na confluência das ruas Miguel Couto, Ouvidor e Av. Rio Branco eera um dos maiores símbolos da administração Pedro Ernesto em nossa cidade. Com sua cassação por Vargas, acusado de ter colaborado com a Intentona, todos os símbolos de sua administração, bem como políticas educacionais e de saúde foram banidas
  3. 3. Rua Maçapuri, na Penha - 1927. Publicada na revista "O Malho". Tratava-se de um anúncio do movimento imobiliário do bairro, afim de povoar o lugar, já que havia acabado de se instalar nas proximidades o Curtume Carioca.
  4. 4. A revista Fon Fon, entre 1907 e 1909 dedicava meia página aos jornalistas da ,em seus locais de trabalho. Na foto, Irineu Marinho, ainda Secretário da Redação da Gazeta de Notícias. Na legenda "o simpático e querido". Seria o fundador do clã dos Marinho e que hoje são as organizações Globo.
  5. 5. Pedreira do Inhangá Havia um tempo em que o Leme e Copacabana eram separados pela Pedreira do Inhangá. Parte de pedreira foi explodida em 1951 para construção da piscina do Copacabana Palace.
  6. 6. "Em 1872, surgiria o bonde que se tornou o símbolo do bairro, subindo a Rua Almirante Alexandrino. Inicialmente, o bonde era verde, mas passou a ser pintado de amarelo após reclamações de moradores que diziam que o bonde "sumia" em meio à vegetação do bairro. Esse aí (Silvestre) com , andou assim até por volta de 1960 aproximadamente. Daí pra frente não tinha mais reboque. Publicada na revista "O Malho".
  7. 7. A linha de ônibus entre a Praça Mauá e o bairro do Leblon, no Rio, foi inaugurada em 23 de abril de 1928 pela Viação Excelsior. A foto, de 1931, mostra três carros dessa linha na garagem. A Viação Excelsior pertencia à Light, detentora da maior parte das linhas de bondes do então Distrito Federal. A linha Mauá x Leblon existe até os dias de hoje.
  8. 8. Antigo Hospício Nacional - 1910
  9. 9. Hoje, funciona no local a Sede da UFRJ, na Av. Pasteur, Praia Vermelha. A universidade era hospício mesmo. Até hoje falam que há fantasmas vagando pelos corredores. Depois foi construído o Pinel. O Pinel é onde era o Instituto de Neurossífilis, que tratava pessoas que enlouqueceram por conta dessa doença.
  10. 10. Manequinho - 1926 No Mourisco, em Botafogo. Leiam o cartaz: Mais uma CREANÇA vestida pelo Pavilhão". Manequinho foi inspirado no Belga. A estátua foi instalada, originalmente na Praça Floriano - Cinelândia (Centro do rio), e posteriormente transferida para o, então, distante bairro de Botafogo pois "feria" o pudor das pessoas da época.
  11. 11. Sobre o Manequinho Ficou na Praia de Botafogo por anos, até que em um campeonato alguém vestiu na estátua uma camisa do Batafogo. A partir dai, a estátua passou a ser considerada "botafoguense" e sempre que havia um campeonato a estátua aparecia vestida. Nos anos (creio) de 1990 a estátua foi transferida para o pequeno Largo que existe em frente a sede do Botafogo na Rua General Severiano. A estatua que vemos não é a que foi feita originalmente no Rio , uma vez que a mesma foi roubada e destruída. A que existe hoje em dia é a que foi feita a partir do molde de barro original do autor.
  12. 12. Arcos dos Teles - 1906 O que pouca gente sabe é que o beco debaixo do arco esconde muitos dramas e alguns mistérios. Há quem o considere um lugar maldito e garanta que é mal assombrado. Dentre os diversos episódios estranhos que envolvem o lugar, veremos um dos mais terríveis: a história de uma das primeiras feiticeiras do Rio a prostituta e depois feiticeira Bárbara dos Prazeres. Sua feitiçaria usava sangue humano morno, mais precisamente, de crianças ainda vivas!!!
  13. 13. Primeira transmissão de Rádio no Brasil - 1923 Realizada no alto do Corcovado antes da construção da estátua.
  14. 14. O último Bonde puxado por burros - 1892 Os bondes puxados por burros foram usados durante muito tempo no Rio de Janeiro, então capital do país. Sendo substituídos pela tração elétrica a partir de 1892, eles desapareceram do centro da cidade e dos bairros mais importantes.
  15. 15. Copacabana, Posto 6 - 1909 Louise Chabas, popularmente conhecida como Mère Louise, foi proprietária de um dos mais conhecidos estabelecimentos do Rio de Janeiro no início do século XX. Em 1902, o jornalista Edmundo Bittencourt, proprietário do jornal "Correio da Manhã", adquiriu uma casa no atual Posto 6, onde hoje se situa a esquina da Av. Atlântica com a Rua Francisco Otaviano. A casa foi alugada para Mme. Louise Chabas, francesa, que em, 23 de abril de 1907, ali inaugurou um café-dançante, ao estilo dos cabarés parisienses, que em pouco tempo se tornou famoso. Mme. Chabas vendeu o seu estabelecimento em 1910, tendo o Mère Louise sobrevivido por algum tempo. Vindo, entretanto, a se tornar um local de encontros suspeitos, foi fechado pela polícia no ano de 1931.

×